Literatura e Mais Literatura

Literatura e Mais Literatura Vemos, na atual situação mundial, que a literatura pode ser usada como muito bem entendem os poderes públicos e privados, num sistema capitalista e global, em que ela circula segundo as regras da indústria e do comércio, como qualquer elemento de lucro e capitalização, concorrendo com a salsicha. Não tenhamos ilusões, que a palavra pode matar ou perder o sujeito nos labirintos da subvida.

07.02.2024 | por José Luis Pires Laranjeira

Mimese, Performance e Colorismo

Mimese, Performance e Colorismo Aprofundando ainda mais tensões já existentes entre povos que muitas vezes tinham sido inimigas e que agora eram obrigadas a conviver como compatriotas em territórios forçados sobre eles por forças externas, os colonizadores passaram a dar melhor tratamento aos que fossem “assimilados” e, melhor ainda, aos que fossem mais claros e tivessem traços “finos”.

06.02.2024 | por Aoaní d'Alva

Com os olhos em Gaza

Com os olhos em Gaza “Numa terra de profetas, é difícil ser profeta”, dizia Amos Oz, mas é muito possível, vamos acreditar, que o espelho que daqui resulta – o massacre odioso do Hamas, o mundo devastado de Gaza deixado pelas retaliações do exército israelita – faça todos recuar de horror e permita abrir uma janela para a única solução que ainda se vislumbra e que Oz há muito antevira.

26.01.2024 | por José Lima

Um incomplacente desmantelamento dos mitos

Um incomplacente desmantelamento dos mitos Daí que, em todas as suas modulações, seja incandescente o percurso de José Luiz Tavares, sem receio da polémica e do sarcasmo quando é preciso, mas também generoso e de uma grande justeza ética. E lembremos aqui a advertência de Wallace Stevens: «a nobreza da poesia “é uma violência interior que nos protege da violência exterior”». E mais não se peça a José Luiz Tavares, porque é daqueles que transporta o fogo e isso, a prazo, é o que dá conforto e fertilidade à morada dos homens. O resto é o gosto fátuo das farófias.

26.01.2024 | por António Cabrita

Forjando a conexão Guiné-Bissau-Cabo Verde entre 1975 e 1980: O Pensamento-Ação de Amílcar Cabral no campo da Unidade Africana

Forjando a conexão Guiné-Bissau-Cabo Verde entre 1975 e 1980: O Pensamento-Ação de Amílcar Cabral no campo da Unidade Africana Este artigo debruça-se sobre a tentativa da unificação de Cabo Verde e Guiné-Bissau entre os anos de 1975 e de 1980. Apresento uma breve explicação sobre a concepção do PAIGC no domínio da unidade Guiné-Bissau-Cabo Verde. Demonstro como a declaração da independência da Guiné-Bissau (1973) e Cabo Verde (1975) vai determinar a estrutura do PAIGC e, por conseguinte, as figuras para liderarem os dois novos estados soberanos. Falo do percurso da unidade e do golpe de estado de novembro de 1980 (Guiné) e da criação de Partido Africano para Independência de Cabo Verde (PAICV). Evidencio algumas lições para a construção da unidade africana atualmente.

24.01.2024 | por Lumumba H. Shabaka

Um Detalhe Menor…

Um Detalhe Menor… Com quantas balas se apaga a trajetória e história de uma ou várias pessoas? Com quantas bombas se apaga a história de comunidades inteiras de centenas ou milhares de pessoas? Com quantos disparos se silenciam vozes que podiam contribuir para o nosso mundo de diversas formas? Saberá alguém quantificar o peso simbólico, psicológico, emocional, cultural da destruição?

19.01.2024 | por Leopoldina Fekayamãle

Os estranhos frutos de "As Árvores"

Os estranhos frutos de "As Árvores" A acção do livro é contemporânea ou quase, decorrendo durante o primeiro, e implora-se que último, mandato do Trump, enquanto presidente dos EUA. Em Money, no Mississipi começam a aparecer homens brancos linchados, acompanhados do cadáver de um homem negro, extremamente parecido com Emmett Till, que lhe segura os testículos arrancados. Não é apenas a extrema violência que marca os crimes. O homem negro, visível e comprovadamente morto, tende a desaparecer de uma cena do crime e a aparecer noutra.

12.01.2024 | por Pedro Goulão

Apresentação do livro "Animismo e outros Ensaios", de Margarida Medeiros

Apresentação do livro "Animismo e outros Ensaios", de Margarida Medeiros O livro de Margarida Medeiros, ao propor o ensaio como método para uma ciência pública; ao forjar um léxico conceptual para análise do cinema e da fotografia, resgatando a arte como modo de conhecer (e não ilustração de teoria); e sobretudo ao defender implicitamente o animismo como ontologia reparadora, é um livro de uma actualidade pungente. É luto e é luta!

11.01.2024 | por Inês Beleza Barreiros

Novo Ano, sem Novo Jornal?

Novo Ano, sem Novo Jornal? Em Angola já tivemos de tudo um pouco em matéria de violência contra a imprensa e os jornalistas, onde se incluem agressões policiais, detenções arbitrárias e ilegais, assassinatos e fogos-postos, mas ainda não tínhamos tido um caso do género e em plena luz do dia. Tudo aconteceu na sequência de uma providência cautelar decidida em finais de novembro do ano passado por um Tribunal de Luanda que foi chamado a arbitrar um conflito societário entre dois irmãos, o Álvaro Sobrinho e o Emanuel, também conhecidos pelos “Madalenos” que é o seu nome de família, em torno da posse da empresa que é, alegadamente, proprietária do Novo Jornal.

11.01.2024 | por Reginaldo Silva

O patusco (Daniel) Medina, seus fajutos asseclas & os descaminhos da Academia Cabo-verdiana de Letras

O patusco (Daniel) Medina, seus fajutos asseclas & os descaminhos da Academia Cabo-verdiana de Letras Pior, só a deriva direitista (aliás, é um rumo bem traçado e coerente no alinhamento) do estado de Cabo Verde no âmbito das relações internacionais. Agora fez-se luz sobre aquela parte desse documento redefinidor do posicionamento de Cabo Verde no âmbito das relações externas e que começava por dizer que Cabo Verde se definia ou regia por valores judaico-cristãos. Judaicos, sim, quando se põe do lado de um bárbaro, inumano e continuado morticínio, mas mui pouco ou nada cristãos na assunção do único absoluto, o inegociável valor da vida humana.

04.01.2024 | por José Luiz Tavares

Um pequeno pormenor

Um pequeno pormenor Haverá quem ache que uma coisa (a esmola que a mão direita dá) redime de certo modo a outra (as vidas destruídas que a mão esquerda tira). E haverá também quem sinta o embaraço que tal dilema lhe impõe. E a que não pode escapar: no nome de uma rua, de uma praça, diante de uma estátua pública que não pode deixar de ver, não pode agora deixar de adivinhar a sombra daqueles milhares de vidas roubadas até aí ignoradas, que agora nos assombram, que, essas, não podemos já deixar de ver, tão presentes como as estátuas do Conde. Do negreiro beneficente.

01.01.2024 | por José Lima

László Magyar, explorador húngaro do séc. xix ou traidor Bantu?

László Magyar, explorador húngaro do séc. xix ou traidor Bantu? As peripécias de Ladislau Magyar têm respaldo nas consequências da inesperada proclamação da independência do Brasil, de 1822, que inflacionou o tráfico de escravos bantu forçando os esclavagistas ocidentais a apearem nas fontes de origem, numa altura em que o desenvolvimento das forças produtivas britânicas prescindia deste mercado, tendo frustrado as expectativas euro-internacionais com a promulgação do final do comércio esclavagista, de 1836. Tendo Portugal resistido até 1856, com paragem no sultão Nova Calabar, do Brasil, o explorador alcançou o estuário do Khongo em 1846, mas desembarcou em Benguela em 1848.

28.12.2023 | por Armindo Jaime Gomes

Matana Roberts: tecer o tempo do agora

Matana Roberts: tecer o tempo do agora Tal como para Filomela privada de voz, poderíamos perguntar que outra hipótese haveria para uma história dos oprimidos que não esse movimento sem fim de tecer e destecer? Matana Roberts, que frequentemente se refere a si própria no plural, pode ser um nome desse movimento. Uma vez mais, um nome que não é bem um nome, mas um artifício. Tal como a história que escutamos nas faixas de Coin Coin não é bem uma história. É talvez uma manifestação do tempo do agora, o Jetztzeit de Benjamin, o instante que baralha a cronologia, aberto à escuta da experiência, e que pode, eventualmente, abrir uma hipótese de ruptura.

28.12.2023 | por Fernando Ramalho

Moçambique: por uma terceira via?

Moçambique: por uma terceira via? O status quo nos leva a pensar que não estamos a ser capazes de resolver os nossos problemas. Nem capazes de materializar a justiça social nem permitir a efectivação das liberdades. Neste contexto, a proposta de imaginarmos uma terceira via faz todo sentido. E nessa festa da imaginação, noutro livro, Mondlane, regresso ao futuro, Severino Ngoenha propõe o resgate do pensamento da figura considerada Arquitecto da Unidade Nacional, entre as possibilidades existentes. E porquê não, para uma terceira via?

28.12.2023 | por Leonel Matusse Jr.

Diário de um etnólogo guineense na Europa (dia 11)

Diário de um etnólogo guineense na Europa (dia 11) Primeiro os tugas encheram as suas caravelas e foram para as nossas Áfricas se tropicalizar e nos tugalizar. Quando percebemos o mecanismo da movimentação, começamos a juntar dinheiro, juntamos, juntamos, juntamos e hoje enchemos a sua TAP e vimos cá para a terra reclamar o nosso pedaço da cultura. Com que então querem dançar kizomba e nós ficarmos a olhar? Fogo, não!

17.12.2023 | por Marinho de Pina

Siríaco e Mister Charles, excerto

Siríaco e Mister Charles, excerto Chamar-te-ei Siríaco, velho, que foi o teu nome próprio de baptismo, bem antes de as trevas e o lume brando dos dias fazerem de ti menino-onça ou negro «pigarço», e de eu poder, aqui e agora, escrever a tua história — a vida extraordinária do homem coberto pelo manto do espanto e do mistério. E nesta noite, de vento e de forte maresia, a pergunta que te assola, nesse canto da taverna, tem a forma de uma espada sobre a tua cabeça: terá sido essa tragédia, que levou Aurélia tão cedo, um castigo por não teres seguido viagem e acompanhado a família real para o Brasil?

07.12.2023 | por Joaquim Arena

O Textamento do Magnânimo e Magnífico José Luiz Tavares [sobre como um segredo na boca do universo]

O Textamento do Magnânimo e Magnífico José Luiz Tavares [sobre como um segredo na boca do universo] A poesia de José Luiz Tavares exige um modo esquivo de dizer ou de se dizer; diz-se sempre num como se fosse – desembaraçado da realidade suposta e das funções pragmáticas da linguagem que pretende servi-la. Se de um segredo se trata, a poesia há de ser íntima e inocente, avessa ao vozear deôntico da praça pública; e se o universo é coisa ubíqua, haverá outra cidade ou outra praça onde ressoa, ecoando, o seu segredo comum.

06.12.2023 | por Rui Guilherme Silva

Angola Degredo Salvação, pré-publicação

Angola Degredo Salvação, pré-publicação Futuro de Angola, leia-se, futuro de Portugal. A fusão de destinos – real e fantasiada – permitia inventariar uma série de dependências e subordinações entre metrópole e colónia. A prosperidade e desenvolvimento de Angola era desejável na justa medida em que servisse o interesse português e tivesse repercussão positiva na metrópole.

28.11.2023 | por Nuno Milagre

Sisal em Carne Viva - introdução

Sisal em Carne Viva - introdução Enquadrado pelo imaginário imperial racialista, o regime do Indigenato consagrava uma delimitação entre indígenas e não-indígenas, que serviu a hierarquização da ordem de interação colonial. Esta delimitação admitia que, de entre os africanos, algumas – poucas – pessoas se aproximavam dos padrões de conduta e estatuto social valorizados pela população de origem europeia, ali monopolizadora das posições de maior poder económico, simbólico e político, geralmente associadas a uma certa ideia de urbanidade. Tal aproximação seria oficialmente reconhecida pela concessão do estatuto de assimilado, e quem assim fosse consagrado estaria isento das obrigações exigidas aos indígenas, incluindo o trabalho forçado.

24.11.2023 | por Inês Galvão

Autoras como Produtoras: dispositivos em (e)moção

Autoras como Produtoras: dispositivos em (e)moção Neste artigo monto apparatus forjados por mulheres, diversos na sua natureza, mas, argumento, similares no seu móbil. Ao dar corpo às suas urgências individuais, os seus dispositivos desbloqueiam não só processos de auto-cura das autoras, mas igualmente de construção e reparação de colectivos. Sou amiga ou colega de algumas destas mulheres, pelo que este conjunto é também um reconhecimento ao seu trabalho. Muitas faltarão aqui. Mobilizei aquelas que, neste momento, me permitem argumentar o que aqui não cabe escrever. As breves notas que em seguida deixo são brechas por onde entrar nos seus dispositivos.

24.11.2023 | por Inês Beleza Barreiros