Resistir às Máquinas Identitárias

Resistir às Máquinas Identitárias A resistência às máquinas identitárias também passa pela sua compreensão, pela análise de exemplos, que são efectivações e não modelos. Por isso, neste texto pretende-se analisar alguns aspectos de dois textos recentemente publicados e que se propõem reflectir sobre a actualidade em Portugal – O texto de Luís Trindade, «Fado, Futebol, Fátima, Foices e Martelos. Combates pelo senso comum no século XX português», e o livro de José Gil, com o título Portugal Hoje. O Medo de Existir.

Jogos Sem Fronteiras

03.12.2020 | por Silvina Rodrigues Lopes

Plateau 2020: Cinema Afro, Protesto e as Histórias do Ano da Grande Pandemia

Plateau 2020: Cinema Afro, Protesto e as Histórias do Ano da Grande Pandemia Num ano complicado no plano da saúde pública, bem como do ponto de vista social, político e económico, a escolha de existir é nada mais, nada menos do que heróica. Mas o Plateau 2020 existiu, sim, desta feita em pequeníssimos ecrãs digitais espalhados pelo mundo inteiro, com uma audiência internacional e provavelmente maior que nunca. Durante cinco dias, o cinema exibiu-se a partir de Cabo Verde.

Afroscreen

03.12.2020 | por Pedro F Marcelino

Something Happened on the Way to Heaven

Something Happened on the Way to Heaven "Something Happened on the Way to Heaven" é formulada como uma observação sobre o mundo mediterrânico com duplo sentido – um idílio aparentemente paradisíaco que revela a presença do seu oposto. Com efeito, as obras de Kiluanji Kia Henda evidenciam a dialética contraditória entre um esplendor natural dotado de traços idealizados e um obscuro reverso de ameaças históricas e atuais.

Vou lá visitar

30.11.2020 | por Luigi Fassi Luigi Fassi e Kiluanji Kia Henda

Lembranças, Souvenirs, Recuerdos | Fragmentos de um diário de pesquisa de fotografias de emigrantes portugueses no Brasil – II

Lembranças, Souvenirs, Recuerdos | Fragmentos de um diário de pesquisa de fotografias de emigrantes portugueses no Brasil – II   Os relatos eram acompanhados, entrecortados, muitas das vezes ditados por fotografias, revolvidas em álbuns, caixas de sapatos, molduras, envelopes; fotografias que me mostraram, nas quais peguei, e que quase sempre digitalizei e voltei a arrumar nos álbuns, caixas de sapatos, molduras, envelopes… Aqui fica a segunda parte de fragmentos de impressões dos diários de “campo”, que relatam episódios da pesquisa dessas imagens fotográficas.

Jogos Sem Fronteiras

30.11.2020 | por Ana Gandum

O embarque do meu irmão para a guerra em Moçambique no ano de 1969

O embarque do meu irmão para a guerra em Moçambique no ano de 1969 Não existia muito diálogo entre nós, não discutíamos os nossos problemas comuns perante a tropa e a previsível mobilização para uma guerra que ambos detestávamos. Só assim se compreende que ele nunca me tenha falado sobre o assunto, ou tenha sequer esboçado uma tentativa de encontrar uma solução (uma eventual deserção?) para evitar a guerra, apesar de ele saber bem quais eram as minhas ideias sobre a guerra e sobre o regime fascista.

Jogos Sem Fronteiras

30.11.2020 | por Fernando Mariano Cardeira

A quem pertence...?

A quem pertence...? No seu ensaio, Kertész deixa clara a grande distância crítica que o separa de muitas formas de apropriação e mesmo instrumentalização da memória do Holocausto por uma segunda ou terceira geração, mas isso não turva a lucidez com que analisa o processo nos termos que referi e, particularmente, a consciência clara de que, sendo a memória um legado, a forma que a apropriação desse legado poderá assumir não é legislável pelo seu detentor original. Esta lucidez não é universalmente partilhada.

A ler

29.11.2020 | por António Sousa Ribeiro

Estratégias para acarrar: o projeto TERRA BATIDA

Estratégias para acarrar: o projeto TERRA BATIDA Fazer rede mantendo autonomia, mapear conflitos sócio ambientais, friccionar saberes, linguagens, perspectivas e impasses, acompanhar contextos específicos e agregar conhecimento singular e local, foram alguns dos desejos que moveram residências de pesquisa e encontros entre intervenientes das áreas da dança, cinema, performance, artes visuais com cientistas, agrónomos, arqueólogos, cooperativas e ativistas nas regiões de Ourique, Castro Verde, Montemor-o-Novo, Aveiro, Ílhavo e Gafanha da Nazaré.

A ler

28.11.2020 | por Marta Lança e Rita Natálio

VISTACURTA 2020: Entrevista a Sol de Carvalho

VISTACURTA 2020: Entrevista a Sol de Carvalho Mas gostaria de contrariar dois mitos: a ideia fácil de que a estética africana é caracterizada pela presença da cor negra, o que é absolutamente redutor; e o falar-se de UMA estética africana quando África é bastante diversa, tanto a nível das comunidades como das religiões, dos próprios ex-poderes coloniais, para além da enorme diferença dos espaços, dos cenários, dos ritmos…

Cara a cara

26.11.2020 | por Sílvia Vieira e Tiago Resende

Em Portugal, os trabalhadores asiáticos apanham fruta e vivem precariamente

Em Portugal, os trabalhadores asiáticos apanham fruta e vivem precariamente À medida que a noite cai em São Teotónio, as luzes ainda estão acesas na escola. Três vezes por semana, permanece aberta até à meia-noite para realizar aulas para adultos da região, que aqui vêm ao fim de um longo dia nas estufas - sabendo que precisarão de falar um pouco de português para se qualificarem para residência permanente. Existem actualmente 500 estudantes adultos inscritos para as aulas nocturnas - quase correspondendo à entrada diurna de 600 crianças. O moldavo Vitali Siminionov, que colhe flores para viver, e cujas duas crianças estudam ambas na escola, brincaram: "Eles estão sempre a corrigir-me dizendo: 'Pai, não é assim que se diz!"

Jogos Sem Fronteiras

24.11.2020 | por Ana Naomi de Sousa

Compreender a mecânica do racismo. Entrevista com Pierre Tevanian

Compreender a mecânica do racismo. Entrevista com Pierre Tevanian Porquê "mecânica racista"? A palavra "mecânica" refere-se em primeiro lugar ao carácter artificial do racismo, em oposição a uma ideia preconcebida que tomo o tempo necessário para desafiar no livro: a ideia de que o racismo se baseia basicamente no medo do outro ou do desconhecido, inerente à natureza humana. Mostro que esta ideia é absolutamente falsa, por um lado, e eticamente errada, por outro, na medida em que conduz à complacência com a violência racista: se deriva de uma inclinação natural, pode ser controlada, mas não pode ser erradicada, e não se deve ter pressa em exigir igualdade de tratamento. Em contraste com esta abordagem "naturalista", salientaria a dimensão cultural do racismo, a sua dimensão histórica, social e política...

Cara a cara

23.11.2020 | por Pierre Tevanian

A Revolta da Chibata foi há 110 anos

A Revolta da Chibata foi há 110 anos Os rebelados advertiram as fortalezas de Santa Cruz, Laje e São João a não dispararem os seus canhões sobre as naves de guerra rebeladas, sob pena de serem arrasadas. Os navios fizeram alguns disparos de aviso, aos quais as fortalezas não responderam, mantendo-se mudas. O poder de fogo dos couraçados era muito superior ao das fortalezas e aos contratorpedeiros que não entraram na revolta. João Cândido, o primeiro marinheiro a comandar uma frota de navios, era consciente do seu poder. Na torre do Minas Gerais, permanecia com o seu uniforme de marinheiro, ao qual apenas acrescentara um lenço vermelho, símbolo da rebelião. Se quisesse, teria arrasado o Rio de Janeiro. Mas não era esse o objetivo do “Almirante negro”, como passou a ser conhecido.

Jogos Sem Fronteiras

23.11.2020 | por Luís Leiria

Confronting the Gaze | Os olhares em confronto

Confronting the Gaze | Os olhares em confronto Com curadoria de Alexey Artamonov, Denis Ruzaev e Ines Branco López, “Os olhares em confronto” é um ciclo que faz parte do programa da 14ª edição do Lisbon & Sintra Film Festival. Organizado entre Lisboa e Sintra, de 16 a 23 de novembro, este evento consiste na exibição de vários filmes/documentários sobre temas como feminismo, emancipação feminina, sexualidade, etnia, pobreza, infância, negritude, identidade, memória coletiva e saúde mental.

Afroscreen

21.11.2020 | por Alicia Gaspar

O assassinato de Amílcar Cabral

O assassinato de Amílcar Cabral O assassinato de Amílcar Cabral desencadeou a imediata iniciativa dos Comités de Desertores no sentido de realizar manifestações públicas de protesto nas principais cidades suecas. Juntamente com outros responsáveis do Comité de Malmö-Lund, estabelecemos de imediato os contactos necessários para a realização de manifestações, muito bem sucedidas, tanto em Malmö no dia 26, como em Lund, no dia seguinte. Antes disso já havia distribuído panfletos um pouco por todo o lado, logo no dia seguinte ao crime.

Jogos Sem Fronteiras

21.11.2020 | por Fernando Mariano Cardeira

Passo de Caracol

Passo de Caracol O amor aviva a vida e os desejos. Tive sorte. O meu corpo já vai expandindo um pouco sinto. Tenho uns pelos escassos no queixo e de seguida já lá vão 10 meses de Testosterona, mas acho que tenho daquelas constituições em que a transição é mais lenta. Vou aguardando saltos, que dizem muitos se dão na transformação. Olho-me ao espelho mas só me parece tudo muito vagaroso. Enfim, paciência. Isto anda tudo a passo de caracol lately. Temos que esperar por janeiro também para ver o Trump fazer as malinhas. Espero que alguém grite a plenos pulmões “You're fired!”

A ler

20.11.2020 | por Adin Manuel

Dentro do Poderoso Arquivo Visual Político de Zanele Muholi

Dentro do Poderoso Arquivo Visual Político de Zanele Muholi "Tenho visto que racismo, homofobia, queerfobia e transfobia são coisas interligadas que existem em todas as sociedades, ao longo do tempo. Como sou tratada quando me desloco entre países, a linguagem desumanizante utilizada nas fronteiras e nos costumes, diz muito sobre a raça. No mundo em geral, só agora conhecemos o alcance da violência racial que tem vindo a acontecer, bem como as suas raízes e efeitos sistémicos. Só recentemente, enquanto sociedade mais alargada, nos foram fornecidos os instrumentos e a linguagem para apontar e abordar o racismo. Como disse anteriormente, a violência é mais antiga do que todos nós".

Cara a cara

19.11.2020 | por Osei Bonsu e Zanele Muholi

Investir numa Paz Feminista

Investir numa Paz Feminista A 23 de Março, no início da pandemia, o Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres apelou a um cessar-fogo global, a fim de permitir aos países concentrarem-se na crise da COVID-19 e permitir que as organizações humanitárias cheguem às populações vulneráveis. Mais de 100 organizações de mulheres do Iraque, Líbia, Palestina, Síria e Iémen juntaram-se rapidamente ao apelo com uma declaração conjunta que defendia uma ampla trégua COVID-19, que poderia constituir a base para uma paz duradoura. Não deve ser surpresa que as mulheres tenham sido das primeiras a apoiar o apelo a um cessar-fogo.

Jogos Sem Fronteiras

18.11.2020 | por Phumzile Mlambo-Ngcuka

"É do chinês"

"É do chinês" Ao longo da história da sinologia portuguesa colonial, os sinólogos portugueses e macaenses parecem ter sido motivados pelo seu amor e pela sua curiosidade em relação ao que os rodeava e ter construído o seu saber sobre a China através dos arredores imediatos em Macau. Foi deste amor e desta curiosidade que nasceu uma rede de documentos testemunhos da cultura popular cantonense da época – que os portugueses designavam por “cultura chinesa”.

A ler

18.11.2020 | por Cheong Kin Man e Mathilde Denison Cheong

A solidariedade como democracia radical e não-oficial (parte 2)

A solidariedade como democracia radical e não-oficial (parte 2) O que me chocou, no início da pandemia, foi o quanto o debate se focou na desresponsabilização do ser humano. Ali, no sudeste asiático, são sociedades totalitárias e conformistas, usam máscara de qualquer maneira. Esse discurso é de divisão e este paralelo entre a migração se deixar explicar como algo vindo de fora e o vírus como algo apenas biológico e não político. A divisão nasce da ilusão de que na Europa do norte fomos atingidos e, como tal, não só não reconhecemos a causa destes problemas como também caímos nos nossos nacionalismos para resolver este problema, não para o mundo mas para nós.

Jogos Sem Fronteiras

18.11.2020 | por Gisela Casimiro

Filmes sobre cultura negra em Porto/Post/Doc

Filmes sobre cultura negra em Porto/Post/Doc O Porto/Post/Doc: Film & Media Festival é um festival de cinema do real. Na edição de 2020, o festival apresenta, pela primeira vez, a programação em formato VoD (Video on Demand), promovendo um encontro seguro entre o público e os realizadores para além fronteiras. O evento físico terá lugar entre 20 e 29 de Novembro, nos espaços habituais: Teatro Municipal do Porto - Rivoli, Cinema Passos Manuel, Planetário do Porto, Escola das Artes - UCP e Casa Comum - Reitoria da Universidade do Porto.

Afroscreen

17.11.2020 | por Porto Post Doc

Amadú Bailo Djaló, Antigo combatente africano das forças armadas portuguesas: uma homenagem

Amadú Bailo Djaló, Antigo combatente africano das forças armadas portuguesas: uma homenagem Amadú Bailo Djaló é, até à data, o único antigo combatente africano das Forças Armadas Portuguesas (FAP) que publicou um livro sobre a sua experiência na Guerra Colonial portuguesa. Amadú tinha 70 anos quando o seu livro Guineense, Comando Português (1964-1974) foi publicado pela Associação de Comandos, em 2010. Este livro foi escrito a partir de um dos seus diários. Tinha, pelo menos, mais dois que desejava poder publicar um dia.

A ler

16.11.2020 | por Fátima da Cruz Rodrigues