A palavra nómada, entrevista a Aida Gomes

A palavra nómada, entrevista a Aida Gomes e, de repente, acabou-se o paraíso deles e voltaram a Portugal… e eles também dizem: “Deixamos tudo…”. Ali ficou um sentimento de perda, um sentimento de saudosismo, que representa o tal retorno, os tais retornados. Há, na palavra retorno, nuances que se perdem. E essas nuances se perderam porque o discurso dominante do retorno sempre foi expresso, articulado por uma classe de portugueses, a maior parte brancos, que falavam duma África mística, maravilhosa etc.

A ler

30.07.2021 | por Doris Wieser e Paulo Geovane e Silva

A Sacerdotisa e os Meninos Santos

A Sacerdotisa e os Meninos Santos Respiramos ar puro na serra de Oaxaca. Nas terras altas do sudoeste mexicano, uma camponesa com o dom da cura virou um hit do vórtice psicadélico e hippy dos anos 60 e 70. Carimbada como “produto indígena”, Maria Sabina, a sacerdotisa dos cogumelos alucinógenos, virou artigo de consumo de intelectuais, cientistas, artistas e de uma multidão sedenta de drogas. No seu transe, não entenderam nada.

A ler

29.07.2021 | por Pedro Cardoso

Exposição EXPLORANDO: Kubanga Kukatula, de Lino Damião e Nelo Teixeira

Exposição EXPLORANDO: Kubanga Kukatula, de Lino Damião e Nelo Teixeira A exposição EXPLORANDO: Kubanga Kukatula é a primeira apresentação pública de um projeto de criação artística e pesquisa, centrado em residências, produção de obras e exposições, de Lino Damião e Nelo Teixeira, artistas angolanos sediados em Lisboa, com curadoria de Paulo Moreira.

Vou lá visitar

29.07.2021 | por vários

Amina Mama: sobre feminismos africanos

Amina Mama: sobre feminismos africanos O feminismo continua a ser um termo positivo, baseado no movimento, e eu estou feliz por ser identificada com ele. Indica uma rejeição da opressão, a luta pela libertação da mulher de todas as formas de opressão, interna, externa, psicológica e emocional, sócio-económica, política e filosófica. Gosto do termo porque me identifica com uma comunidade de mulheres radicais e auto-confiantes, muitas das quais admiro, tanto como indivíduos como pelo que contribuíram para o seu desenvolvimento. Estas referências são mulheres africanas, asiáticas, latino-americanas, do Médio Oriente, europeias e norte-americanas de todas as cores e tendências, passadas e presentes.

Cara a cara

27.07.2021 | por Elaine Salo

Augusta Conchiglia nos Trilhos da Frente Leste - Imagens (e Sons) da Luta de Libertação em Angola

Augusta Conchiglia nos Trilhos da Frente Leste  - Imagens (e Sons) da Luta de Libertação em Angola A intuição e sensibilidade são evidentes – as imagens denotam a qualidade da relação com as pessoas fotografadas, e o empenho em relevar todos os aspectos da luta em curso. Não obstante a reportagem estar enquadrada pelo militantismo da autora, nela destacam-se os retratos e a fixação de situações, simples ou disruptivas, do quotidiano dos guerrilheiros e povo no contexto da luta. Os manuais de alfabetização, as armas de uns e outro (também para cultivar os campos); a manutenção das mesmas; o(s) seu(s) uso(s) e integração dos gestos – da sua importância – num movimento, colectivo, de uma comunidade em luta pela sobrevivência e libertação, mas em que, nem por isso, Conchiglia deixa de olhar para as pessoas na sua singularidade.

A ler

26.07.2021 | por Maria do Carmo Piçarra

Casa do Capitão recebe primeiro mercado de negócios Afrolink

Casa do Capitão recebe primeiro mercado de negócios Afrolink projecto que junta que junta profissionais africanos e afrodescendentes residentes em Portugal – ou com ligação ao país –, com o propósito de partilhar experiências, valorizar competências, criar alianças, divulgar e suportar negócios. Integra também ainda um laboratório de fotografia, uma oficina de palavras, e uma roda de conversa sobre o documentário As vozes da Mulher Negra.

Vou lá visitar

26.07.2021 | por vários

Concerto 25 de julho x #Makalisboa + convidados x Online 25.07, 21h30

Concerto 25 de julho x #Makalisboa + convidados x Online 25.07, 21h30 O “Concerto 25 de Julho” é uma iniciativa #MAKAlisboa: Francisco Vidal + Namalimba Coelho, em coorganização com o Festival Iminente, em homenagem à memória de Bruno Candé e de todas as vítimas de discriminação, opressão e injustiça, na data em que se assinala um ano após o assassinato racialmente motivado do ator.

Palcos

25.07.2021 | por vários

Papeis Velhos

Papeis Velhos Reescrevi biografias, topografias e narrativas. Quiçá, tentando, sem que o soubesse, desconstruir traumas, conciliar e articular, pelo uso da imaginação, o meu lugar de pertença, esta minha vida repartida entre dois continentes, querendo dar sentido à nostalgia e ao sofrimento sentido pelo avô. Seguindo ao seu lado, enquanto dá as voltas à mística mulemba e diz: “O que fica, fica aqui.”

A ler

22.07.2021 | por Yara Monteiro

“Fui angolana antes de ser portuguesa”, entrevista a Raquel Lima

“Fui angolana antes de ser portuguesa”, entrevista a Raquel Lima Além de poeta, performer e arte-educadora, Raquel Lima é doutoranda do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra onde desenvolve a sua investigação sobre a oratura são-tomense. Aqui se fala sobre o seu percurso, a construção da identidade diaspórica, bem como sobre o primeiro livro, que inaugura uma voz poética arguta, pulsante e lúdica.

Cara a cara

20.07.2021 | por Doris Wieser e Paulo Geovane e Silva

“O cinema para uma luta anti-racista”, entrevista a Joseph da Silva

“O cinema para uma luta anti-racista”, entrevista a Joseph da Silva O cinema militante tem precisamente o objetivo de, através da força das imagens, mostrar a realidade sem a suavizar para que se tenha em conta a real dimensão dos problemas e a partir daí suscitar o espírito crítico, em última instância para procurar soluções, mas em primeira instância para possibilitar abrir portas à consciencialização da existência desse problema. O cinema tem esse papel e tem essa importância de, através da força das suas imagens, da força da sua linguagem, retratar realidades, retratar personagens que dão a dimensão que nos falta no nosso dia a dia para entendermos o real problema que as comunidades marginalizadas enfrentam diariamente.

Cara a cara

19.07.2021 | por Alícia Gaspar

A afasia colonial e as encruzilhadas da memória

A afasia colonial e as encruzilhadas da memória A descolonização, iniciada com a resistência dos povos colonizados, teve no 25 de Abril uma data marcante. O golpe feito revolução resulta diretamente da derrota política na guerra. A ele se sucedeu o fim do império em África e um processo revolucionário do qual a democracia portuguesa é herdeira. Neste sentido, uma boa ocasião para debater e estimular novas políticas públicas da memória sobre o passado colonial será, certamente, o próximo ciclo comemorativo do 25 de Abril.

A ler

19.07.2021 | por Miguel Cardina

Organizações portuguesas e moçambicanas denunciam "The Navigator Company" quando chega a Portugal o primeiro carregamento de eucalipto moçambicano

Organizações portuguesas e moçambicanas denunciam "The Navigator Company" quando chega a Portugal o primeiro carregamento de eucalipto moçambicano O primeiro carregamento de toros de eucalipto que chegou a Aveiro proveniente do porto da Beira, em Moçambique, foi recebido com fortes críticas por grupos moçambicanos e portugueses, apoiados por coligações internacionais. A madeira provém de plantações de eucalipto exploradas pela Portucel Moçambique, subsidiária da empresa Navigator, e será utilizada nas fábricas de pasta e papel em Portugal.

A ler

15.07.2021 | por vários

Vida difícil, vida cansod: o esquecimento paira na Ribeira da Barca

Vida difícil, vida cansod: o esquecimento paira na Ribeira da Barca impact é o nome de um sistema construtivo adaptado à realidade cabo-verdiana, que promove a dignidade no acesso à habitação e ao trabalho com uma reflexão paralela sobre a forma como se tem construído nas últimas décadas. Este é um projecto que se formaliza ao ser selecionado para o Salão Created in Cabo Verde da URDI2020 promovido pelo CNAD - Centro Nacional de Artesanato e Design, e que sintetiza problemáticas extensamente abordadas por Inês Alves e Lara Plácido.

Mukanda

15.07.2021 | por Inês Alves e Lara Plácido

Regina Guimarães: uma poética do devir

Regina Guimarães: uma poética do devir A descoberta não aconteceu de facto, pelo menos no sentido de um reconhecimento capaz de activar os mecanismos da crítica, esse discurso de mediação entre os autores e os leitores, discurso de apresentação e de revelação (mesmo quando veicula juízos negativos), e discurso último da legitimação e do reconhecimento. Talvez a popularidade que a banda rapidamente alcançou tenha afinal contribuído para a diluição da imagem da poetisa na imagem da letrista, com todos os preconceitos que esta imagem ainda carrega: a ideia de ligeireza, de facilidade, etc. Assim, a poesia de Regina continua a ser até ao presente uma poesia de minorias. Jogo, com alguma ironia, com as palavras de um título que fui buscar a um jornal de há alguns anos, numa pesquisa frustrada sobre a obra poética da autora

A ler

13.07.2021 | por Maria de Lurdes Sampaio

Novo Arquivo para a História das Lutas de Libertação em África

Novo Arquivo para a História das Lutas de Libertação em África A partir do dia 14 de Julho está aberto ao público o portal da Associação Tchiweka de Documentação (ATD) colocando online uma grande parte do arquivo que, desde 2006, o seu Centro de Documentação tem vindo a gerir, organizar e ampliar.

Vou lá visitar

13.07.2021 | por Associação Tchiweka de Documentação

A história da minha negritude

A história da minha negritude Poder declarar-me mulher negra, é fazer visível o laço invisível da minha ancestralidade, identidade legítima e que me aceita, esfera onde eu deixo de ser bastarda. Nela eu sou filha, sou humana, tenho voz e tenho o amor e a aceitação daqueles que se reconhecem em mim, por vezes nos meus cabelos crespos, por outras vezes na cor da minha pele, mas sempre nas nossas histórias de resistência e conquistas.

Mukanda

12.07.2021 | por Aline Djokic

Justiça racial e colonialismo em Portugal: da negação à reparação

Justiça racial e colonialismo em Portugal: da negação à reparação Nos anos 30, com o slogan “Portugal não é um país pequeno”, o Estado Novo procurou cultivar um orgulho nacional derivado da dimensão do império colonial português. Contudo, nos anos 50, numa altura em que os impérios coloniais se encontravam em colapso pelo mundo inteiro, o regime viu-se obrigado a justificar a sua presença colonial em África. Nesse sentido, amplificou a narrativa do lusotropicalismo – um imaginário de Portugal como uma nação multirracial e pluricontinental, com uma capacidade inata para um tipo de colonização amigável e não-violenta, e uma atitude liberal relativamente a relações sexuais e casamentos interraciais. Silenciando a realidade do racismo e do colonialismo, a propaganda solidificou-se em livros de história, estátuas e monumentos, cimentando uma narrativa histórica profundamente alienada.

Mukanda

12.07.2021 | por Rui Braga

Mães do 27

Mães do 27 Uma visão mais alargada dos contornos dos acontecimentos do 27 de Maio, prestando especial atenção aos sentimentos dos que ficaram, em particular as mães. Com isso, não pretendemos de todo ignorar os restantes familiares, mas sim começar por onde a humanidade tem o seu início: no ventre materno. As consequências destes acontecimentos foram de tal maneira nocivas, que pretendemos dar início a um longo processo de cura, humanizar a tragédia para mitigar a dor e buscar a paz interior.

Vou lá visitar

11.07.2021 | por vários

"Estamos Aqui | Twina Vava | Nous Voici"

"Estamos Aqui | Twina Vava | Nous Voici" O livro "Estamos Aqui | Twina Vava | Nous Voici" é uma viagem pela cosmogonia kongo e o mote para o regresso da escritora Branca Clara das Neves ao "Mar de Letras".

Mukanda

08.07.2021 | por Branca Clara das Neves

Pã̃o Seco - pré-publicação

Pã̃o Seco - pré-publicação Quando a fome grassa no Rife, uma família parte para Tânger em busca de uma vida melhor. Nas noites passadas ao relento, nos becos da cidade, o pequeno Muhammad, orgulhoso e insolente, descobre a injustiça e a compaixão, a tirania da autoridade, a loucura labiríntica da miséria, o consolo das drogas, do sexo e do álcool. E é na prisão que um companheiro lhe desvenda as maravilhas da leitura, mudando para sempre a sua vida. Estreia do autor em Portugal, em tradução directa do árabe, 'Pão Seco' foi publicado originalmente em 1973, na tradução inglesa de Paul Bowles (For Bread Alone), quando os editores de língua árabe não estavam ainda preparados para o caos narrativo, a linguagem crua e a indisciplina gramatical que desafiavam a tradição e o «bom gosto». «Verdadeiro documento do desespero humano» (Tennessee Williams), obra de culto proibida até recentemente nos países árabes por tocar em tabus da sociedade magrebina, este avassalador romance autobiográfico consagrou o autor e continua a iluminar o caminho de várias gerações de renegados marroquinos. O BUALA pré-publica o primeiro capítulo de 'Pão Seco', publicado pela Antígona, em tradução direta do árabe pela mão de Hugo Maia.

Mukanda

07.07.2021 | por Muhammad Chukri