A grande conspiração de Lautréamont. Exercício para um mapa

A grande conspiração de Lautréamont. Exercício para um mapa Mais do que uma crítica à desumanização da sociedade capitalista, o texto de Lautréamont mostra como o capitalismo tornou impossível imaginar outro homem que não o homem – para mantermos os mesmos termos – desumanizado. Do que se trataria, então, seria de abandonar a quimera da humanização e de lançar a guerra ao homem, tal como ao seu Criador, à sua cultura, à sua sociedade, à sua poesia. E onde ele, justamente, encontra um potencial mais elevado de exponenciar essa guerra é nos elementos desumanizados, monstruosos, degenerados.

A ler

21.07.2024 | por Fernando Ramalho

Djam Neguin lança o seu EP Autofagias, a música do cuidado

Djam Neguin lança o seu EP Autofagias, a música do cuidado Djam Neguin tem investido na criação de imaginários afrofuturistas, onde a africanidade é vista em suas potências futurísticas. Com Ka Bu Skeci Tradison iniciou uma fase de contribuição para imaginários afrocentrados, celebrando corpos e identidades diversas. "Incorporar perspectivas queer amplia a representatividade e subverte narrativas tradicionais, moldando percepções e atitudes", explica o artista que trabalhou sonoridades do continente africano como afrobeat, afropop e amapiano. Autofagias emerge como um manifesto de transformação pessoal e coletiva, celebrando a diversidade e a inovação. Basta para isso colocar os auriculares e deixar-se guiar pelo canto de esperança que surgiu de um tempo de grande aflição.

Palcos

20.07.2024 | por André Soares

Isolados no emaranhado da violência amazónica: "A Invenção do Outro", de Bruno Jorge

Isolados no emaranhado da violência amazónica: "A Invenção do Outro", de Bruno Jorge O lastro nefasto da política de destruição da floresta amazónica que ignora os seres que a habitam, humanos e não-humanos perdura no tempo. Em determinado momento da viagem, o realizador regista uma conversa entre os indigenistas Candor e Pereira sobre o processo traumático vivido pela população indígena, durante o regime da ditadura militar (1964 – 1985). Jair recorda que em tempos do Plano de Integração Nacional da Amazónia “o contato era mal feito” e Pereira recorda a lógica de então: “Amansa [os indígenas] que lá vai a estrada! Amansa que lá vem não sei o quê…”.

Afroscreen

08.07.2024 | por Anabela Roque

“Mundividências” judiciais - caso Cláudia Simões

“Mundividências” judiciais - caso Cláudia Simões A sentença do Tribunal apresenta-nos outra explicação – a meu ver – desconcertante. A resistência de Cláudia Simões e a reação das pessoas que viram a ocorrência na paragem de autocarro teriam sido de tal forma desestabilizadoras que, em jeito de “descompressão”, Carlos Canha agride violentamente aqueles dois homens. Se a tese da “descompressão” não permite ilibar, ela aligeira a dimensão moral dos atos do agente. Descontrolou-se, agiu sem verdadeira intenção, sem premeditação, “descomprimiu”.

A ler

03.07.2024 | por Cristina Roldão

Fausto de cabelo azeviche viola debaixo do braço

Fausto de cabelo azeviche viola debaixo do braço Fausto de cabelo azeviche viola debaixo do braço, generosidade sempre pronta ao tratar o alheio macio por natureza, tranquilo com um sorriso que resolvia parte das macas, era uma figura que se destacava por incrível que pareça pela sua discrição com a música a tiracolo sempre!

Palcos

03.07.2024 | por Isabel Baptista

Em busca do pai Natal, acompanhada da leitura de "Afropeu" de Johny Pitts

Em busca do pai Natal, acompanhada da leitura de "Afropeu" de Johny Pitts Desde o início do século XX foram articuladas formulações sobre a identidade negra na Europa, Estados Unidos e África. Do Pan-africanismo ao New Negro Movement, da Negritude ao Renascimento de Harlem, do projeto Back-to-Africa de Marcus Garvey, ao Rastafari e Black Power, para lá de outros. Pitts faz breves incursões a estes movimentos no seu itinerário de Paris, Amsterdão, Moscovo, Berlim e Estocolmo. O desdobramento e esmiuçar do termo Afropeu é para além dos encontros fortuitos com migrantes negros e de outras etnias, uma viagem de aprendizagem sobre os possíveis significados de uma identidade negra neste começo de século e as suas múltiplas heranças provenientes da literatura e do meio artístico.

A ler

01.07.2024 | por Aida Gomes

Bolívia, um Estado em golpe

Bolívia, um Estado em golpe   Na semana passada, o presidente da Bolívia parou em seco uma tentativa de golpe de Estado. À porta do Palácio Queimado, dedo em riste, Luís Arce disparou um “não vou permitir esta insubordinação!” ao recém-destituído (e agora golpista) comandante das Forças Armadas Bolivianas. Com a economia em picada, uma reserva de lítio apetecível e um braço-de-ferro entre o atual presidente e o eterno Evo Morales, o golpe falhado em La Paz levanta mais dúvidas que respostas. A começar por: foi real?

Jogos Sem Fronteiras

01.07.2024 | por Pedro Cardoso