Reinata Sadimba

Reinata Sadimba Reinata Sadimba, artista do povo, artista popular, artista tradicional, artista de elite, artista que se situa entre uma e outra categoria, artista sincrética, onde cabe a individualidade, a novidade e a vitalidade de Reinata? São precisas estas categorias para apreender as qualidades das formas expressivas do seu trabalho? Como interpretar a liberdade de que goza o trabalho de Reinata, a forma como combina diversos elementos culturais, do mundo rural e da cidade, ou dá resposta às profundas transformações sociais?

27.02.2020 | por Alda Costa

"Como um gesto de força”, conversa com Catarina Botelho e Sandra Vieira Jürgens

"Como um gesto de força”, conversa com Catarina Botelho e Sandra Vieira Jürgens Barcelona e Lisboa parecem-me paradigmas de um sistema neoliberal que explora de forma intensiva espaços e tempos. Parece-me que a crescente densificação que Lisboa está a sofrer é um sintoma disso. Zonas anteriormente sem função definida parecidas com aquelas que fotografei, estão a ser urbanizadas a velocidades antes impensáveis, os passeios ocupados por esplanadas, quiosques... O espaço é rentabilizado de forma intensiva e claro, o centro é o lugar mais saturado.

22.02.2020 | por Hugo Dinis

“O nosso trabalho é uma balança”, conversa com Benjamin de Burca e Rayne Booth

“O nosso trabalho é uma balança”, conversa com Benjamin de Burca e Rayne Booth Quando outras pessoas fazem um retrato é um outro negócio mais complexo. Entra-se num contrato entre quem faz o retrato e o retratado. Este contrato é um jogo, uma discussão, um diálogo. Portanto, o retrato que a Bárbara e eu fazemos não é igual e nem tenta imitar o auto-retrato que eles próprios fazem. Talvez, o nosso até seja um pouco mais distante, mas não é tão distante que mude de forma. É uma escolha delicada entre a aproximação entre ambos, ou seja, não é tão perto que mostre tudo, mas não é tão distante para ser outra coisa. Fica a meio caminho.

13.02.2020 | por Hugo Dinis

De açaí a punk rock. A arte como prática de aquilombamento, conversa com Marcos Lamoreux.

De açaí a punk rock. A arte como prática de aquilombamento, conversa com Marcos Lamoreux. Uma conversa com Marco Aurélio - pedagogo e pesquisador sobre cinema e relações étnico raciais - sobre a sua trajetória artística, suas conquistas e planos futuros. Passando por assuntos como produção audiovisual, arte, estética e política, mas também falando sobre o companheirismo do fazer cinema no aquilombamento, açaí e viagens.

31.01.2020 | por Marco Aurélio

Quem somos, conversa com Paula Cardoso

Quem somos, conversa com Paula Cardoso Idris Elba como James Bond, Halle Berry no papel de uma Bond Girl, Ariel em modo pequena sereia negra ou Julia Roberts como Harriet Tubman: surrealismos unilaterais, aparentemente. Fazemos piadas com a coisa. Com as coisas que nos assolam. E a verdade é que nós, negros, temos um humor muito peculiar que pode, por vezes, chocar quem esteja de fora. O que é que ainda te ofende?

23.01.2020 | por Gisela Casimiro

Das políticas de convivência, do irreparável, da sinceridade, do método AND Lab

Das políticas de convivência, do irreparável, da sinceridade, do método AND Lab Como tomar posição, ou seja, não ficar no impasse, mas ao mesmo tempo não impor? E também, como não permitir que a franqueza vire uma exposição desmedida, como não desproteger-se completamente? A franqueza envolve exposição, mas não tem de ser um desnudamento, não é uma exibição. É muito possível sucumbir a essas corruptelas da coisa: a honestidade radical virar metralhadora opinativa ou desresponsabilização afectiva; a exposição virar exibição... Ou seja, tudo versões variadas da indiferença.

10.01.2020 | por Marta Lança e Fernanda Eugénio

Para lá dos seus passos, entrevista com Kamy Lara

Para lá dos seus passos, entrevista com Kamy Lara Rodear-me de mulheres neste filme foi uma decisão consciente. Acho que é importante. São pequenos passos e espero que um dia não seja preciso, que seja natural haver mais mulheres a trabalhar em cinema, em Angola principalmente. Muitas vezes as mulheres não estão no mesmo patamar que os homens porque não tiveram as mesmas oportunidades, mas nós temos que ir crescendo juntas.

02.01.2020 | por Iolanda Vasile

Gabriel

Gabriel Gabriel nasceu em 1988, na Colômbia, e foi adotado por uma família norueguesa em 1989. Cresceu em uma pequena e bela cidade no leste da Noruega e era o único moreno entre as crianças loiras. “Você pode ver esse garoto mais escuro no meio de meninos loiros de olhos azuis em nossa foto da turma do jardim de infância.

23.12.2019 | por Sinem Taş

Shannon

Shannon “A minha mãe tinha uma energia incrível. Sabe que a ciência diz ‘a energia não pode ser criada nem destruída’. O fato de o corpo dela ter partido não significa que ela não esteja connosco. Ela está em todos os lugares. É por isso que fiz essa tatuagem. Ela diz: ‘a morte não pode matar’. Apesar de ter partido deste lugar, ainda continua a ensinar-me muito”.

15.11.2019 | por Sinem Taş

Um mundo de ideias, conversa com o escritor Chinua Achebe

Um mundo de ideias, conversa com o escritor Chinua Achebe Não são demónios; não são anjos; são apenas pessoas. E escutem-nas. Nós próprios temos feito um imenso exercício de escuta. A ponto da pessoa mais forte até se esquecer que a pessoa mais fraca poderá ter algo a dizer, veja, porque está simplesmente ali; é um acessório, simplesmente fala com ele, compreende?

06.11.2019 | por Chinua Achebe

Steffen (Germany)

Steffen (Germany) "A dor é inevitável, sofrer é opcional”, diz Steffen, andando vagoroso na floresta de Fisterra, na Galiza, Espanha. Um ativista da paz que uma vez serviu o exército na Operação Tempestade do Deserto, em 1990, na qual advogava pelo direito humano à água e ao saneamento para todos.

23.10.2019 | por Sinem Taş

Wallace

Wallace Uma ponte em Paris... Umas pessoas dançam, outras observam, sorrindo. Uns filmam nos telefones, outros dão um tímido passo e deixam uma moeda no estojo da viola. Wallace e Youmi continuam a cantar no melhor escritório do mundo...

02.10.2019 | por Sinem Taş

Apresentação de Ana Paula Tavares no Lisbon Revisited 2019

 Apresentação de Ana Paula Tavares no Lisbon Revisited 2019 No Kwanza-Sul percebeu os vários ritmos e a imponência de um país que cultiva o riso e a memória curta para se defender dos dramas que o desumanizam: a escravatura, o colonialismo, a dominação, os pequenos e grandes poderes, os oportunismos e a ignorância. De como é vertiginoso o urdir da história no quotidiano. A geração à qual pertence preocupou-se em recuperar a memória cultural perdida nessas e noutras violências, também com o olhar vívido e intrigante das ingenuidades e militâncias da independência.

21.08.2019 | por Marta Lança

Grandma Cane

Grandma Cane Ouvi um ruído e, assim que abri os olhos, percebi que estava rasgando os lençóis. Acordei o meu marido e ele disse: ‘não se preocupe, deve estar na sua cama’. Então eu disse-lhe: ‘não estou assustada, mas todos os lençóis estão estragados e rasgados.'

14.08.2019 | por Sinem Taş

Djaimilia Pereira de Almeida: não é só raça, nem só género, é querer participar na grande conversa da literatura

Djaimilia Pereira de Almeida: não é só raça, nem só género, é querer participar na grande conversa da literatura Há três anos, com Esse Cabelo, apresentaram-na como representante de uma literatura acerca de raça, género, identidade. Voltou agora com Luanda, Lisboa, Paraíso e diz que quer apenas participar na longa e antiga conversa sobre literatura. Enquanto procura escrever o seu livro ideal, totalmente inventado, uma mancha de texto sem capítulos que resista a discussões acerca do presente.

25.07.2019 | por Isabel Lucas

"não posso escorregar na emoção fácil, que a saudade e a distância criam", entrevista a Ana Paula Tavares

"não posso escorregar na emoção fácil, que a saudade e a distância criam", entrevista a Ana Paula Tavares A Angola que eu deixei em 1992 não tem rigorosamente nada a ver com a Angola actual, e acho bem que as coisas mudem. Não tenho saudades nenhumas do tempo colonial, que era um tempo de injustiça, mesmo eu que ia à escola e à universidade, e estava do lado privilegiado, sei muito bem que é um sistema para esquecer (ou para lembrar....). Como também está resolvido sem nostalgia esses tempos de envolvimento quase amoroso: a Independência, o nascer um país, criarmos os filhos, uma avalanche de coisas que nos estavam a acontecer e nós tínhamos 20 anos.

24.06.2019 | por Marta Lança

Cavando o tempo para trazer à superfície vidas que não são do nosso tempo

Cavando o tempo para trazer à superfície vidas que não são do nosso tempo Entrevista com Sangare Okapi e Amosse Mucavele ao escritor moçambicano Aurélio Furdela."Um bom verso nem sempre rima com bom-menino. Pior, é que nem se está à procura de bons meninos, mas de aduladores. A nossa intelectualidade gosta de ser bajulada, é uma espécie de importação da cultura do sistema político, quase uma tentativa de reprodução da hierarquia vinda da luta de libertação nacional, merecedora de uma certa glorificação, esses outros se querem Chipandes da literatura."

16.06.2019 | por Aurélio Furdela

Edson Chagas. Oikonomos

Edson Chagas. Oikonomos Ao colocar os sacos na sua própria cabeça, Chagas inverte-os, dessa forma desacelerando e desnaturalizando a imediatez normalizadora com que, acriticamente, eles próprios e as suas mensagens circulam. Sem deixar de se implicar a si mesmo e, por extensão, a todos nós, o artista incita-nos a um questionamento essencial, enquanto ponto de partida para a procura conjunta de outros modos de vida.

12.06.2019 | por Ana Balona de Oliveira

My Kaaba is HUMAN - António

My Kaaba is HUMAN - António Em Madrid, despedi-me do “louco” António, que vive com a sua confiança e amor às pessoas que não conhece, partilhando a sua refeição, sóbrio há 30 anos. As últimas palavras que me disse: “A vida é um milagre, nunca te esqueças”.

16.05.2019 | por Sinem Taş

My Kaaba is HUMAN - Filipe

My Kaaba is HUMAN - Filipe Acredito que a sociedade não está ainda pronta para certas coisas. Por exemplo, quando as pessoas se aproximam para lhe fazer carinho, o olhar de amor em seus rostos muda logo para um olhar piedoso. O fato de alguém ter uma deficiência não significa que não consiga entender o que se passa à sua volta. Não culpo as pessoas por tal, embora elas devessem entender que sentir pena não ajuda.

04.05.2019 | por Sinem Taş