Bolívia, um Estado em golpe

Bolívia, um Estado em golpe   Na semana passada, o presidente da Bolívia parou em seco uma tentativa de golpe de Estado. À porta do Palácio Queimado, dedo em riste, Luís Arce disparou um “não vou permitir esta insubordinação!” ao recém-destituído (e agora golpista) comandante das Forças Armadas Bolivianas. Com a economia em picada, uma reserva de lítio apetecível e um braço-de-ferro entre o atual presidente e o eterno Evo Morales, o golpe falhado em La Paz levanta mais dúvidas que respostas. A começar por: foi real?

01.07.2024 | por Pedro Cardoso

Zapatistas, narco e terror: Chiapas a ferro e fogo

Zapatistas, narco e terror: Chiapas a ferro e fogo Nos 30 anos da insurgência, o Exército Zapatista de Libertação Nacional aconselhou os companheiros de luta a não viajarem a Chiapas. Às décadas de militarização da região, de megaprojetos extractivistas, de despojo de terras e de violência paramilitar alentada pelo Estado, soma-se agora uma guerra sangrenta entre carteis de droga que arrasa a região. O governo mexicano diz que as denúncias e pedidos de ajuda são mera propaganda opositora. Os milhares de deslocados, as dezenas de mortos e o terror diário contam uma história muito diferente.

29.01.2024 | por Pedro Cardoso

Pelo Tribunal a acusação de genocídio é plausível

Pelo Tribunal a acusação de genocídio é plausível Para além do aspecto humanitário de uma irmandade que une os povos sul-africano e palestiniano – este é provavelmente o maior significado desta ação legal: desmascarar a ausência de conteúdo concreto de uma série de normas internacionais; questionar a aplicação de diferentes standards quando se trata de proteger cidadãos de diferentes áreas geopolíticas – observações que a guerra na Ucrânia já tinha suscitado; denunciar a impunidade garantida, culposamente, a Israel pela comunidade internacional.

28.01.2024 | por Laura Burocco

O que leva um Ser Humano? Repensar a partir da catástrofe Israel-Palestina

O que leva um Ser Humano?  Repensar a partir da catástrofe Israel-Palestina Tratando-se de um colonialismo moderno, iniciado em 1948, num período em que começou também o processo que poria fim a colónias, a tática da desumanização foi reproduzida pelo novo Israel. O Outro, neste caso o povo autóctone palestiniano, é, tal como foram os povos africanos ou os povos indígenas nos vários continentes, caracterizado como “animal”, como “verme”, e por outros nomes que tentam quebrar a tal “igualdade” a que nos convida a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ainda hoje, o uso destas catalogações inumanas do Outro serve para justificar a forma como é tratado, a violência que é exercida sobre ele, a humilhação lenta, a tortura, o assassínio – como se acabar com um animal fosse mais fácil ou justificado.

31.10.2023 | por Alix Didier Sarrouy

Um tour pelo inferno migrante da selva do Darien: aventura garantida, para contar aos seus netos

Um tour pelo inferno migrante da selva do Darien: aventura garantida, para contar aos seus netos A “aventura da sua vida”, descreve, num dos lugares mais macabros, perigosos e mortais para milhares de migrantes que tentam cruzar da Colômbia para o Panamá, no caminho para o norte rumo aos Estados Unidos. À margem da realidade alucinada do “Panama Jungle Tour” (assim se chama o “caminho pela selva mais infame da América do Sul em caminhos de contrabandistas”) vive-se uma das maiores crises humanitárias do mundo.

24.07.2023 | por Pedro Cardoso

Maximiliano de Habsburgo, o último imperador do México (ou como a História é uma eterna mesmice)

Maximiliano de Habsburgo, o último imperador do México (ou como a História é uma eterna mesmice) Na segunda metade do século XIX, o francês Napoleão III impunha um império no México e oferecia-o a um arquiduque austríaco. Em 1864, chegava ao Porto de Veracruz Maximiliano de Habsburgo, imperador de fantasia de um México invadido por França, com um governo republicano em fuga e sabotado pela Igreja e conservadores. Três anos, durou o absurdo.

30.06.2023 | por Pedro Cardoso

Cholitas Escaladoras, o cume é para todos

Cholitas Escaladoras, o cume é para todos Um grupo de mulheres indígenas bolivianas, as cholitas, desafia, há oito anos, as montanhas geladas do país. A persistente escalada entre pedras e glaciares levou-as já aos picos mais altos da América. A conquista das alturas converteu as “Cholitas Escaladoras” num símbolo potente de resistência cultural, de luta contra a discriminação e de denúncia da violência que as segrega e mata.

30.04.2023 | por Pedro Cardoso

Jovens Sámi reclamam as suas terras

Jovens Sámi reclamam as suas terras Enquanto no imaginário coletivo, os países nórdicos remetem para ideias progressistas, politicamente corretas, símbolo da eficiência ambientalista e do respeito por direitos civis, uma sociedade que funciona (apesar dos altos índices de suicídio) em comparação com outras, a realidade parece não corresponder a esse imaginário. Fosen Vind é um complexo de seis parques eólicos onshore em Fosen, na região central da Noruega; o parque eólico de Roan foi o primeiro a ser concluído. Cinco dias após a sua inauguração, a 20 de agosto de 2016, duzentas pessoas se reuniram no estaleiros das obras para protestar contra o projeto. Norges NaturnForbund, uma das maiores organizações ambientais da Noruega com cerca de 24 mil membros, juntou-se aos representantes Sámi para criticar a escolha do local como um importante habitat de renas de grande importância para os pastores do sul de Sápmi, terras Sámi.

08.03.2023 | por Laura Burocco

O Carnaval dos filhos de Yanga

O Carnaval dos filhos de Yanga Um carnaval fora de época celebra todos os anos a fundação da pequena cidade de Yanga, no estado mexicano de Veracruz. Nos primeiros dias de agosto, milhares de afromexicanos revivem o “príncipe africano” que, no século XVII, liderou uma revolta de escravos que obrigou a coroa espanhola a criar o “Primeiro Território Livre das Américas”: San Lorenzo de los Negros, nome antigo da quente Yanga.

28.02.2023 | por Pedro Cardoso

Peru: revolta e poesia

Peru: revolta e poesia A 7 de dezembro do ano passado, o chamado autogolpe falhado do presidente peruano Pedro Castillo e a sua detenção desataram o caos no Peru. Dois meses depois, as manifestações dos apoiantes do antigo mandatário – indígenas, universitários e sindicatos – continuam a ser reprimidas com especial violência. Até hoje, as forças policiais peruanas mataram 54 manifestantes. Sem saída à vista, a poesia insurge-se.

28.01.2023 | por Pedro Cardoso

A Revolução Mahsa Amini

A Revolução Mahsa Amini Em resposta e apoio a esta repressão e contestação popular, a União Europeia tem o dever de agir e apoiar os direitos das mulheres do Irão, em particular e, em geral, apoiar os cidadãos deste país do Médio Oriente. A União Europeia, um dos maiores blocos económicos mundiais e líder internacional na defesa dos Direitos Humanos e da Democracia, tem à sua disposição várias ferramentas que podem colocar em ação o quanto antes.

08.11.2022 | por Rui Martins

Brasileiros na fronteira, um rasto no deserto

Brasileiros na fronteira, um rasto no deserto Desde 2019, a crise económica no Brasil atirou dezenas de milhares de pessoas para uma longa rota de migração em direção à fronteira entre o México e os Estados Unidos. Famílias inteiras juntam-se a centro-americanos, cubanos, haitianos, venezuelanos, africanos ou asiáticos num caminho perigoso. Sem retorno, este caminho, para os que o deserto lhes tira o alento.

26.10.2022 | por Pedro Cardoso

Visão de África I

Visão de África I A única solução potencial para a Europa, onde os reformados excedem os trabalhadores, sendo duas vezes mais do que estes, e onde as mortes superam os nascimentos, será contar com um fluxo constante de imigrantes, com a maioria dos recém-chegados a serem oriundos do único continente que ainda apresenta um crescimento na população: África.

18.10.2022 | por Ednilson Leandro Pina Fernandes

As histórias de jovens mortas nas manifestações por liberdade e contra o uso do véu no Irão

As histórias de jovens mortas nas manifestações por liberdade e contra o uso do véu no Irão A morte de Mahsa Amini, de 22 anos, sob custódia policial levou à eclosão de uma onda de protestos no Irão. A jovem foi detida pela chamada "polícia da moralidade" por causa da forma como usava o véu islâmico – segundo relatos, teria deixado alguns fios de cabelo visíveis sob o hijab. Segundo testemunhas, Mahsa foi agredida numa viatura. A polícia nega, e diz que ela morreu por causa de um problema cardíaco pré-existente. O uso do véu tornou-se obrigatório no país após a Revolução Islâmica, em 1979, que transformou a vida dos iranianos – principalmente as mulheres, que viram os seus diretos serem bastantes restringidos.

12.10.2022 | por Haniya Ali

Os fantasmas de Tlatelolco

Os fantasmas de Tlatelolco No verão de 1968, uma crise estudantil no México põe o governo de Gustavo Díaz Ordaz à beira de um ataque de nervos. O braço-de-ferro acaba de forma abrupta a 2 de outubro, com o massacre de um número indeterminado de manifestantes na Praça das Três Culturas, no bairro de Tlatelolco.

03.10.2022 | por Pedro Cardoso

Imigrantes versus refugiados: dividir para reinar

Imigrantes versus refugiados: dividir para reinar A conceção liberal de refugiado tem um efeito prático inegável: segrega. Deixa poucos direitos aos refugiados e nenhuns aos migrantes económicos. A criação destas categorias, baseadas, muitas vezes, em artificialismos, permitem, à partida, escolher as pessoas, aquelas que merecem, ou não, o nosso apoio. Que merecem, ou não, ser salvas. E, ao catalogá-las permanentemente, estamos a desprovê-las de capacidade reivindicativa, a inibir qualquer mobilização coletiva. A despojá-las do direito a ter direitos.

09.08.2022 | por Mariana Carneiro

Por um mundo sem fronteiras

Por um mundo sem fronteiras O imaginário da invasão tem alimentado uma espécie de “psicose coletiva”, baseada no medo do outro, do desconhecido, na propalada ameaça permanente do terrorismo. E este espectro da invasão serve como justificação para a construção de muros e vedações que aumentam a brecha entre nós e os outros, que alimentam os nacionalismos excludentes e os discursos e práticas xenófobos e racistas tão acarinhados pelos movimentos de extrema-direita.

09.08.2022 | por Mariana Carneiro

Carta de Berlim: Restitutions Art Lab

Carta de Berlim: Restitutions Art Lab O debate sobre as restituições em Portugal continua praticamente inexistente. Quase emergiu em 2020 quando a ex-deputada Joacine Katar Moreira submeteu uma Proposta de Alteração ao Orçamento do Estado de 2020 para a constituição de uma comissão de especialistas cuja tarefa seria listar os objetos roubados ou “adquiridos” em contexto colonial. Face a esta simples proposição – a de um comissão – logo uma série de argumentos escabrosos saltaram para as páginas dos jornais e inundaram redes sociais: “esse é um debate importado, que não faz sentido em Portugal”, “não há pedidos de restituição”, “e então e os objetos portugueses, como a xorca de Sintra, no British Museum?”. A discussão, no espaço público português, ficou por aqui, enquanto que em países como a Alemanha, a Bélgica e a França tem dado frutos, nomeadamente manifestada em devoluções concretas.

30.06.2022 | por Inês Beleza Barreiros e Ana Cristina Pereira (AKA Kitty Furtado)

Uma América sem América

Uma América sem América Na semana passada, os Estados Unidos organizaram a 9ª Cimeira das Américas em Los Angeles, Califórnia. O encontro da Organização de Estados Americanos (OEA) foi parco em resultados e repleto em rebeldia. O encontro ficou marcado pela ausência do México, El Salvador, Guatemala, Honduras e Bolívia, em protesto pela recusa dos EUA em convidar Cuba, Venezuela e Nicarágua. Nunca mais uma América sem América, exigiram.

16.06.2022 | por Pedro Cardoso

Nós, os Refugiados

Nós, os Refugiados Um refugiado costuma ser uma pessoa obrigada a procurar refúgio devido a algum acto cometido ou por tomar alguma opinião política. Bom, é verdade que tivemos que procurar refúgio; mas não cometemos nenhum acto e a maioria de nós nunca sonhou em ter qualquer opinião política radical. O sentido do termo “refugiado” mudou connosco. Agora “refugiados” são aqueles de nós que chegaram à infelicidade de chegar a um novo país sem meios e tiveram que ser ajudados por comités de refugiados.

15.06.2022 | por Hannah Arendt