Não dá para ficar parado: Vítor Belanciano assina livro sobre a “música afro-portuguesa”

Não dá para ficar parado: Vítor Belanciano assina livro sobre a “música afro-portuguesa” Esta “música afro-portuguesa” que gira à volta de “celebração, conflito e esperança” é uma ideia em constante construção: “Há imensos agentes relevantes. Acaba por estar tudo ligado. O impacto dos Buraka Som Sistema foi central, mas ele só existiu porque antes o hip hop em Portugal se afirmou e depois houve Cool Hipnoise ou Spaceboys e tantas outras coisas. Da mesma forma que o percurso internacional de Batida ou da Príncipe Discos beneficiou desse efeito Buraka. A redescoberta do Bonga, por exemplo, está também conectada com esta dinâmica, porque existe um recontar da história, um trabalho de memória que importa fazer. E depois, hoje, tens imensos vectores, desde a crioulização do Dino D’Santiago, à atitude combativa de Scúru Fitchádu, ou novas gerações que tanto se inspiram em motivos da cultura global como local, como o Tristany.

08.12.2020 | por Alexandre Ribeiro

A quem pertence...?

A quem pertence...? No seu ensaio, Kertész deixa clara a grande distância crítica que o separa de muitas formas de apropriação e mesmo instrumentalização da memória do Holocausto por uma segunda ou terceira geração, mas isso não turva a lucidez com que analisa o processo nos termos que referi e, particularmente, a consciência clara de que, sendo a memória um legado, a forma que a apropriação desse legado poderá assumir não é legislável pelo seu detentor original. Esta lucidez não é universalmente partilhada.

29.11.2020 | por António Sousa Ribeiro

Estratégias para acarrar: o projeto TERRA BATIDA

Estratégias para acarrar: o projeto TERRA BATIDA Fazer rede mantendo autonomia, mapear conflitos sócio ambientais, friccionar saberes, linguagens, perspectivas e impasses, acompanhar contextos específicos e agregar conhecimento singular e local, foram alguns dos desejos que moveram residências de pesquisa e encontros entre intervenientes das áreas da dança, cinema, performance, artes visuais com cientistas, agrónomos, arqueólogos, cooperativas e ativistas nas regiões de Ourique, Castro Verde, Montemor-o-Novo, Aveiro, Ílhavo e Gafanha da Nazaré.

28.11.2020 | por Marta Lança e Rita Natálio

Passo de Caracol

Passo de Caracol O amor aviva a vida e os desejos. Tive sorte. O meu corpo já vai expandindo um pouco sinto. Tenho uns pelos escassos no queixo e de seguida já lá vão 10 meses de Testosterona, mas acho que tenho daquelas constituições em que a transição é mais lenta. Vou aguardando saltos, que dizem muitos se dão na transformação. Olho-me ao espelho mas só me parece tudo muito vagaroso. Enfim, paciência. Isto anda tudo a passo de caracol lately. Temos que esperar por janeiro também para ver o Trump fazer as malinhas. Espero que alguém grite a plenos pulmões “You're fired!”

20.11.2020 | por Adin Manuel

"É do chinês"

"É do chinês" Ao longo da história da sinologia portuguesa colonial, os sinólogos portugueses e macaenses parecem ter sido motivados pelo seu amor e pela sua curiosidade em relação ao que os rodeava e ter construído o seu saber sobre a China através dos arredores imediatos em Macau. Foi deste amor e desta curiosidade que nasceu uma rede de documentos testemunhos da cultura popular cantonense da época – que os portugueses designavam por “cultura chinesa”.

18.11.2020 | por Cheong Kin Man e Mathilde Denison

Amadú Bailo Djaló, Antigo combatente africano das forças armadas portuguesas: uma homenagem

Amadú Bailo Djaló, Antigo combatente africano das forças armadas portuguesas: uma homenagem Amadú Bailo Djaló é, até à data, o único antigo combatente africano das Forças Armadas Portuguesas (FAP) que publicou um livro sobre a sua experiência na Guerra Colonial portuguesa. Amadú tinha 70 anos quando o seu livro Guineense, Comando Português (1964-1974) foi publicado pela Associação de Comandos, em 2010. Este livro foi escrito a partir de um dos seus diários. Tinha, pelo menos, mais dois que desejava poder publicar um dia.

16.11.2020 | por Fátima da Cruz Rodrigues

A história colonialista e escravocrata dos Donos de Portugal: o caso dos antepassados do banqueiro Fernando Ulrich

A história colonialista e escravocrata dos Donos de Portugal: o caso dos antepassados do banqueiro Fernando Ulrich Fernando Ulrich é trisneto de João Henrique Ulrich (1815-1885), um homem que enriqueceu com o tráfico de pessoas negras escravizadas e que a partir daí construiu o vasto império empresarial da família. Nascido em Portugal, este homem sinistro enriqueceu na costa Angolana e no Rio de Janeiro com a venda clandestina de pessoas, quando já era proibida a entrada de novos escravizados no Brasil. De regresso a Portugal, passou a dominar diversas empresas, ligou-se à banca e foi deputado da monarquia.

12.11.2020 | por Pedro Varela

De Franco a Bolsonaro: fascismos e extremas-direitas

De Franco a Bolsonaro: fascismos e extremas-direitas A afiação da luta de classes e os surtos revolucionários reais ou potenciais eram o pressuposto dos fascismos.O esmagamento do movimento operário, a supressão dos sindicatos independentes, a proibição e a aniquilação dos partidos de esquerda foram prioridades da sua acção, numa tentativa de resolver a luta de classes com proscrições e repressão. Os fascismos ofereceram ao capital o fim do "caos" de greves e revoltas, para evitar o "perigo comunista" e para o substituir por uma ordem inabalável favorável aos seus lucros. Grandes secções das grandes empresas financiaram, acompanharam e beneficiaram da ascensão do extremo direito ao poder.

06.11.2020 | por Daniel Campione

Racismo: Portugal, um país em negação

Racismo: Portugal, um país em negação Embora Portugal seja um país em negação, preferindo vangloriar-se com o seu passado de descobertas e de colonizador sem ter consciência de que isso implicou a ocupação de territórios e a dizimação de populações inteiras, o manto do racismo vai-se estendendo e tornando cada vez mais visível. Casos como o do bairro da Jamaica servem para escancarar a ferida. Como muitos países, vivemos aquilo que se chama racismo estrutural, ou seja, quando a discriminação não é algo que se circunscreve às relações interpessoais e ao preconceito mas ultrapassa a nossa vontade.

05.11.2020 | por Joana Gorjão Henriques

Lembrar / Esquecer: a história difícil da cerâmica em Portugal e além-mar

Lembrar / Esquecer: a história difícil da cerâmica em Portugal e além-mar O argumento aqui é de ler a cerâmica como símbolo da história portuguesa que nos dá a possibilidade de tornar visível as experiências destas mulheres que chegaram às costas de África e do Brasil, e lembrar como género e sexualidade foram reconfigurados.(…)Os portugueses e os outros poderes imperialistas trouxeram com eles multidões de missionários cristãos. Esses missionários levaram a cabo campanhas que viram essas mesmas jarras de barro tiradas e destruídas porque eram consideradas um elo de ligação com os nossos ancestrais e por isso pecaminosas.Quando as mulheres que acompanharam os exploradores chegaram a África, ao Brasil e a todos os outros sítios, a sua loiça tinha sido partida pelo mar, as cerâmicas todas partidas. Em ambos os casos a cerâmica ficou destruída.

03.11.2020 | por Rita GT e George Shire

A propósito das Mulheres de Abril

A propósito das Mulheres de Abril Depressa percebi o que era Abril. E hoje percebo ainda mais a sua necessidade e importância. A luta pelos direitos nunca foi nem nunca será garantida. É diária e extremamente instável. Precisa de vozes, de eco, de gritos. Precisa de inquietação. Abril foi e é também uma das razões pelas quais eu posso cá estar hoje. A ocupar este espaço que durante muito tempo não foi meu nem de nenhuma mulher. Um espaço pequenino, confinado, como uma quarentena obrigatória em que não era suposto sair à rua e muito menos reivindicar o que seria meu por direito. Em que não era suposto eu ter uma opinião e muito menos expressá-la num lugar qualquer, fosse ele político ou social, académico…

03.11.2020 | por Marta Dias

O gigante aparente: da reescrita do racismo às obras de arte da pós-memória

O gigante aparente: da reescrita do racismo às obras de arte da pós-memória Ora, nas obras artísticas da pós-memória ocorre um fenómeno semelhante no que diz respeito à distância temporal do artista relativamente ao passado traumático objecto de uma reapropriação. Quando, na sua obra, o artista da segunda geração (que normalmente possui um vínculo familiar com a história colonial europeia) recupera um legado distante, o que está a fazer é integrá-lo na sua vivência biográfica, na sua condição presente de herdeiro de um passado colonial. Isto é, o artista (venha ele do campo da literatura, das artes, do cinema ou da música) tem o valor de aproximar-se daquele Gigante Aparente, que ao longe parece tão desmesuradamente grande, mas que de perto apresenta umas dimensões naturais.

01.11.2020 | por Felipe Cammaert

29 de outubro de 1936: chegam ao Tarrafal os primeiros presos políticos

29 de outubro de 1936: chegam ao Tarrafal os primeiros presos políticos Esta prisão chama-se ‘frigideira’. A luz e o ar entram através de três buracos feitos na pesada porta de ferro e por um pequeno rectângulo, aberto junto ao tecto. Durante o dia, o sol quente dos trópicos aquece as portas e as paredes deste pequeno túmulo. O ar aquece lá dentro. O calor torna-se insuportável. Os presos despem-se, mas o calor não deixa de os torturar. Dos seus corpos cansados cai o suor em bica. Se são muitos, condensam-se no tecto gotas de água, e quando caem, longe de serem um alívio, são uma tortura. (…) De noite, os mosquitos vêm. Da picada do mosquito surge a febre, da febre vem a morte pela biliosa e pela perniciosa. Não são raros os casos de presos levados dali em braços ou amparados.

30.10.2020 | por Mariana Carneiro

Os ninguéns

Os ninguéns Chegam notícias da Bolívia. Fala-se em resistência, em vitória da democracia. Na mobilização dos fodidos, os indígenas, que há séculos estão em luta e veem em Evo Morales e no partido Movimento ao Socialismo (MAS) um respiro. Fala-se em traição, em devaneios de um Evo dizem-que-ditador. Em lítio que abunda lá no alto das terras bolivianas e que os capitalistas querem abocanhar. Veias da América Latina ainda por fechar.

26.10.2020 | por Pedro Cardoso

Um contexto político complicado

Um contexto político complicado Neste momento, há claramente três facções dentro do MPLA: a dos seguidores do Presidente, João Lourenço; a dos fiéis a José Eduardo dos Santos; a dos saudosistas e sempiternos fiéis a Agostinho Neto. João Lourenço está sob fogo das duas outras facções, em reacção à sua política de luta contra a corrupção. Essas duas facções têm actuado em separado, mas certamente que vão unir-se no combate a esta presidência.

25.10.2020 | por Adolfo Maria

Com a boca cheia de sangue: da responsabilidade dos intelectuais

Com a boca cheia de sangue: da responsabilidade dos intelectuais Uma maneira de resistir a este esvaziamento do âmago daquilo que significa ser-se humano é manter a memória e não deixar que a morte imponha o silêncio. Quando George Floyd, Marielle Franco, Bruno Candé, e tantos outros, são assassinados abertamente, temos que resistir ao medo, invocar as memórias de resistência, e falar. Tal como Morrison também assevera, o fascismo acaba por destruir todos, passo a passo. Mesmo que as nossas bocas estejam cheias de sangue ao testemunhar as violências sistemáticas sobre os nossos companheiros seres humanos, ao assistir à sua degradação, à sua desumanização, e ao seu assassínio, temos de continuar a falar.

19.10.2020 | por Paulo de Medeiros

Teresa Coutinho: "É difícil ser mulher e não ter sentido já discriminação"

Teresa Coutinho: "É difícil ser mulher e não ter sentido já discriminação" E se o mundo fosse ao contrário? Se em vez de serem os homens a dominar o discurso, fossem as mulheres? Se num debate televisivo o normal fosse ter um painel maioritariamente feminino? E se, ao mesmo tempo que pregam as maravilhas da pluralidade, as mulheres fossem tratando o único homem na mesa com condescendência? E se, em vez de poder dizer o que pensa e ser ouvido, ele fosse constantemente interrompido e ignorado, elogiado pela roupa que traz e criticado pela maneira como fala? Esta é a proposta de O Eterno Debate: trocar os papéis para pôr em evidência a discriminação de género que está presente em tanto daquilo que dizemos e fazemos.

16.10.2020 | por Maria João Caetano

"Strangers Abroad" - Uma análise aos crimes de colonização na Austrália

"Strangers Abroad" - Uma análise aos crimes de colonização na Austrália Perante esta campanha de ódio contra outras culturas, foi-se tornando cada vez mais imperativo difundir conhecimentos concretos e documentados, de modo a que, as pessoas que de nada verídico conheciam acerca dos povos pudessem ver que também estes são constituídos por pessoas normais, que praticam as mesmas atividades que os demais, apenas se expressam de maneira diferente. Embora tenha existido um esforço por parte dos autores para defender os povos aborígenes, estes sempre foram mal compreendidos, e algumas tribos chegaram mesmo a ser erradicadas por homens brancos que sentiam o seu privilégio racial posto em causa.

16.10.2020 | por Alícia Gaspar

Mulheres africanas: um olhar por trás das imagens

Mulheres africanas: um olhar por trás das imagens Cada capítulo da publicação identifica distintas esferas de actuação das mulheres africanas. Porque, segundo a autora, o objectivo é “mostrar a longa duração da presença africana em Portugal; mostrar que os africanos desenvolveram um conjunto de trabalhos, de funções, extremamente importantes, porque a sociedade portuguesa não seria o que é sem a participação constante de uma massa de população de origem africana extremamente vasta. E é preciso que as pessoas percebam que nem todos esses homens e mulheres eram escravos”.

14.10.2020 | por Carla Fernandes

Depois do fim do trabalho: em direção a uma humanidade supérflua?

Depois do fim do trabalho: em direção a uma humanidade supérflua? Não é em nome do trabalho e dos trabalhadores que se protesta contra o capital, contra a especulação, contra as políticas neo-liberais? E, sobretudo: como é que uma sociedade poderia existir sem o trabalho? Não é o trabalho um dado eterno da vida humana, por vezes dura necessidade, outras vezes factor de desenvolvimento pessoal, mas sempre inevitável – de maneira que só podemos reduzi-lo graças às tecnologias, mas nunca aboli-lo?

11.10.2020 | por Anselm Jappe