Mauritânia: entre o Magreb e a África Subsahariana (parte 1)

Mauritânia: entre o Magreb e a África Subsahariana (parte 1) A Mauritânia poderá de facto nascer do encontro. Do encontro entre árabes e berberes nómadas com negro-africanos sedentários. Do encontro entre o Sahara e o Sahel, onde à semelhança de muitos outros territórios as suas fronteiras de areia são alvo de tentativas de domesticação através de desenhos a régua e esquadro. Neste caso em particular pela interferência da administração colonial francesa, que também contribuiu para determinar a sua terminologia e sua actual denominação – o país dos mouros –, de onde resulta que os seus limites geográficos e identitários são ainda hoje objecto de gestão quotidiana.

25.09.2012 | por Joana Lucas

Angola: do planalto à costa, caminhos da recuperação

Angola: do planalto à costa, caminhos da recuperação Angola: do planalto à costa, caminhos da recuperação

06.09.2012 | por Chico Laxmidas

Mindelact 2012: O festival da maioridade

Mindelact 2012: O festival da maioridade A 18ª edição do Mindelact decorre de 7 a 15 de Setembro. Cerca de 40 espectáculos de grupos de três continentes vão estar em cena em São Vicente, naquele que é considerado o maior evento teatral do continente africano.

05.09.2012 | por João Branco

“A identidade multicultural da Índia”

“A identidade multicultural da Índia”   A que Índia nós devemos referir quando tentamos apresentá-la? Um poder global do século XXI ou um país pobre em vias de desenvolvimento? Uma economia baseada na tecnologia de ponta ou numa agricultura de subsistência? Um estado liberal secular ou uma sociedade profundamente religiosa? Uma civilização antiga e tradicional ou uma cultura que está a tornar-se cada vez mais moderna? As possibilidades são muitas e é nelas que residem os desafios a uma investigação no domínio das humanidades e das ciências sociais.

14.08.2012 | por Shiv Kumar Singh

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo"

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo" Salafistas ofendidos destruíram obras nas ruas de Tunes e um imã apelou à morte dos "descrentes". Houve tumultos e centenas de feridos. A arte serve para "ser bonita", diz o ministro da Cultura.

22.07.2012 | por Sofia Lorena e Cláudia Sobral

“A voz underground”, por Reem Kassem (Egipto)

“A voz underground”, por Reem Kassem (Egipto) Reem Kassem é uma jovem mulher muito determinada. Aproximadamente um mês após a revolução do ano passado no Egipto, quando as principais preocupações das autoridades eram paz e ordem nas ruas, Reem convenceu os militares em Alexandria a autorizar um festival de música ao ar livre, que juntou dezenas e dezenas de voluntários, desde as pessoas que pintaram o palco num dos parques abandonados da cidade aos músicas que actuaram. Poderia ouvi-la contar a história das suas negociações com os militares vezes sem conta. Desde então não tem parado e tenho a certeza que o seu papel será determinante para o futuro do sector cultural no Egipto.

20.06.2012 | por Maria Vlachou

CANTO SUSPENSO para ler em Crioulo

CANTO SUSPENSO para ler em Crioulo Depois do trauma, de repente a Esperança reboca aquela energia que atira as verdades na denúncia do poder ilegítimo e brutal. Aparece a força da fala. Grande força. Explode a gritar pela Justiça. Pensa-se que vem logo. E demora. Às vezes até parece que a Justiça não vem.

26.05.2012 | por Branca Clara das Neves

Sobre o campo de irreverência de uma Escola Artística na renovação da educação artística

Sobre o campo de irreverência de uma Escola Artística  na renovação da educação artística  O projecto de uma Escola Internacional de Arte (M_EIA) estabelecida no contexto preciso da ilha de São Vicente, Cabo Verde, no início do século XXI, materializa uma complexidade conceptual onde se relacionam, num nó cego, as controvérsias políticas da actualidade, na dimensão da sua globalidade e na precisão do local; a conflitualidade da arte e da cultura num panorama ambivalente onde a cultura visual se desequilibra entre o isolamento informativo e o acesso franco; o movimento solitário e comunitário por melhores condições de vida.

23.05.2012 | por Rita Rainho e José Carlos de Paiva

Retrato em branco, pardo e negro

Retrato em branco, pardo e negro Os avós de todos eles são os africanos trazidos à força, os índios catequizados à força e a mistura à força de africanos e índios com brancos, sendo que esses brancos eram os portugueses. Há 200 anos o Rio de Janeiro tinha o maior porto negreiro do mundo, recentemente redescoberto nas obras de recuperação da zona portuária. Involuntariamente, a febre da Copa e das Olimpíadas desenterrou os ossos da história: o porto do Rio foi entrada para cinco milhões de negros até 1831, quando o tráfico começou a ser contrariado. E ainda demorou meio século até a escravatura ser proibida, em 1888.

13.05.2012 | por Alexandra Lucas Coelho

As histórias que contamos a nós próprios

As histórias que contamos a nós próprios Museus que lidam com histórias de vida, com acontecimentos políticos, com traumas, com conflitos, com ódios, com o ‘nós’ e ‘os outros’, com pessoas. Visito-os sempre com a enorme curiosidade de ver se aceitaram o desafio e de que forma lidaram com ele.

18.04.2012 | por Maria Vlachou

As roças de São Tomé e Príncipe, o fim de um paradigma

As roças de São Tomé e Príncipe, o fim de um paradigma “As roças de São Tomé e Príncipe – o fim de um paradigma” é um artigo que percorre as antigas estruturas agrárias de cacau e café que nos séc. XIX–XX estiveram na base do desenvolvimento territorial, patrimonial e económico desta pequena colónia portuguesa, dando a conhecer não apenas a sua organização, programas e tipologias mas sobretudo a sua memória, herança e identidade.

13.04.2012 | por Duarte Pape e Rodrigo Rebelo de Andrade

Uma ilha na Suiça

Uma ilha na Suiça Caminhar pela pequena vila Suíça de Stein, junto à fronteira com a Alemanha, é um mergulho num postal onde as casas e ruas imaculadas apenas deixam espaço para um sossego entediante, quebrado apenas pela sensação de que tudo não passa afinal de um cenário de um filme que ainda não chegou a rodar, de tão pouco usado que tudo parece.

07.04.2012 | por Fernando Naves Sousa

Adriano Moreira reabriu o Tarrafal há 50 anos como ministro de Salazar

Adriano Moreira reabriu o Tarrafal há 50 anos como ministro de Salazar António Valdemar assinala em três dos painéis o papel de Adriano Moreira na manutenção do regime colonial, recordando o seu papel como subsecretário de Estado da Administração Ultramarina, entre 1960 e 1961, passando nesse ano a ministro do Ultramar, onde permaneceu em funções até 1963. Nesse período, recusadas as propostas de Nehru para uma entrega negociada do que o regime denominava de Estado da Índia, deu-se, em dezembro de 1961, a anexação dos territórios de Goa, Damão e Diu.

05.04.2012 | por António Melo

Fazer da herança cultural um mote de criação contemporânea

Fazer da herança cultural um mote de criação contemporânea O projeto ROOTS aborda o tema da escravatura através de uma visão contemporânea, inspirando-se numa descoberta arqueológica efetuada em 2008 no «anel verde», em Lagos, em local conhecido antigamente como Vale da Gafaria. Nesse local, as escavações arqueológicas preventivas que antecederam a construção de um dos parques de estacionamento subterrâneo na cidade, possibilitaram a investigação metódica de toda a área afetada por esse empreendimento – um dos ex-libris da regeneração urbana que a administração municipal pôde levar a cabo na primeira década do século XXI.

15.02.2012 | por Rui Parreira

Oito dias, seis noites: diário de uma primeira viagem ao Senegal e à África Subsariana

Oito dias, seis noites: diário de uma primeira viagem ao Senegal e à África Subsariana Aterramos em Dakar às 2h30 da manhã. Olhando do avião para a península de Cabo Verde, o mapa que tão bem tinha estudado nos últimos meses, ganha vida. Sei exactamente onde fica o nosso hotel. Saio do avião e olho à minha volta procurando identificar o primeiro elemento que provará que estou em África. Nada de especial, a não ser o nome do aeroporto: Léopold Sedar Senghor, primeiro presidente do Senegal, o presidente-poeta.

26.01.2012 | por Maria Vlachou