"Vos islamistes sont-ils sympas?" Pequena viagem entre tribo, Islão e poder na Mauritânia

"Vos islamistes sont-ils sympas?" Pequena viagem entre tribo, Islão e poder na Mauritânia No caminho para o “Marché aux Khaimas" falava-nos das várias razões porque achava que um dia a situação política e social na Mauritânia teria de “explodir”: uma população muito jovem e desempregada, desigualdades económicas gritantes, e a presença, cada vez mais sólida, de um islão fundamentalista. Mas, se este cenário parece ser semelhante a outros tantos países árabes e islâmicos, devemos acrescentar-lhe, no caso da Mauritânia a questão étnica e tribal que poderá contribuir para complexificar a realidade.

23.03.2011 | por Joana Lucas

A cidade na cabeça dos seus criadores

A cidade na cabeça dos seus criadores Ruy Castro, escritor. Lia Rodrigues, coreógrafa. Raul Mourão e Ernesto Neto, artistas plásticos. Enrique Diaz, encenador. BNegão, músico. O que o Rio de Janeiro é, e pode vir a ser, são todas as cidades que eles têm na cabeça.

20.03.2011 | por Alexandra Lucas Coelho

A Fotografia Poética de João Freire

A Fotografia Poética de João Freire “O povo das ilhas quer um poema diferente para o povo das ilhas: um poema sem homens que percam a graça do mar E a fantasia dos pontos cardeais” Onésimo Silveira

19.03.2011 | por Mário Alves

Então e Agora, o legado de Emory Douglas

Então e Agora, o legado de Emory Douglas O programa All Power to the People Então e agora a decorrer na ZDB, em Lisboa, remete-nos, inevitavelmente, para o impacto dos Panteras Negras no resto do mundo. Na exposição fica evidente uma estética que é partilhada por grupos oprimidos em diversas zonas do globo. Em termos ideológicos, a sua influência no movimento dos direitos civis e a sua inserção no pensamento de esquerda que suporta muitos movimentos libertários é também conhecida. Então e agora? O que é feito dessa influência, da atitude combativa?

16.03.2011 | por Suzana Sousa

E agora, Black Panthers?

E agora, Black Panthers? Os cartazes de combate de Emory Douglas, Ministro da Cultura dos Black Panthers, foram uma arma apontada à violência racial da América dos anos 60. Pode vê-los em "All Power to the People. Então e Agora", na Zé dos Bois, em Lisboa, até Junho.

10.03.2011 | por José Marmeleira

All Power to the People. Então e Agora.

All Power to the People. Então e Agora. Exposição sobre a arte revolucionária de Emory Douglas e os Panteras Negras. A par da exposição a ZDB apresenta, em colaboração com Serralves, uma série de filmes, alguns referenciais e outros inéditos em Portugal, sobre os Panteras Negras, no Espaço Nimas. A sessão de abertura do ciclo de cinema documental conta com a presença de uma comitiva de Panteras Negras: EMORY DOUGLAS, Ministro da Cultura dos Panteras Negras; ROBERT KING, Pantera Negra, preso político na prisão de Angola – EUA ao longo de 27 anos em regime de solitária e BILLY X JENNINGS, Pantera Negra, historiador e responsável oficial do legado dos Panteras.

25.02.2011 | por Zé dos Bois

Aqui em Ngorongoro

Aqui em Ngorongoro Aqui em Ngorongoro, os flamingos estão espalhados pelas águas baixas do lago, dão passos avulso e bicam no lodo com avidez. Reflexos dos flamingos e do céu marcado por nuvens pintam a água de azul, rosa, branco. O vento vai dispersando as nuvens que se olham ao espelho; a tarde vai aquecer. No norte da Tanzânia, a Oeste do Kilimanjaro e a caminho do famoso Parque do Serengueti existe uma das maiores caldeiras do mundo: a Cratera de Ngorongoro

22.02.2011 | por Nuno Milagre

Terceira Metade no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Terceira Metade no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro Terceira Metade é a primeira edição de um projeto do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro de Janeiro dedicado a pensar o espaço do Atlântico, em especial a triangulação Brasil, África e Portugal. E o que significa representar este espaço? Significa pensar os modelos culturais e os sistemas do visível que lhe conferem estrutura, circulação, significado, sentido. Ainda que tenha em mente o debate pós-colonial, o passado das relações transnacionais no Atlântico, ou o estado atual das políticas culturais comuns, o ponto de partida de Terceira Metade é o visual. Através de exposições, seminário, mostra de cinema, ações educativas e de um livro que registrará os vários momentos, daremos atenção às alterações que acontecem no mundo contemporâneo globalizado, em especial nas três margens deste eixo geográfico, Brasil, África e Portugal.

17.02.2011 | por Marta Mestre

Um primeiro comboio sobre os carris em Angola, 9 anos depois do fim da guerra

Um primeiro comboio sobre os carris em Angola, 9 anos depois do fim da guerra A linha de caminho-de-ferro Luanda-Malange, fora de serviço durante 18 anos por ter sido demasiado danificada pela guerra civil, foi de novo posta a funcionar após vários anos de obras. Um símbolo forte do regresso à paz e um elo de comunicação importante para desencravar uma região particularmente martirizada pelo conflito que opôs o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA) no poder, aos rebeldes da União para a Independência Total de Angola (UNITA) durante 27 anos.

10.02.2011 | por Cécile de Comarmond

Trimbiose DNA Cidadão Angolano

Trimbiose DNA Cidadão Angolano Esta Trimbiose reflecte o quotidiano de uma sociedade mergulhada no Kaos forçado à evolução e presa nas redes da globalização; uma nação filha de ideologias há muito esquecidas que olha o futuro sempre com esperança de uma vida melhor. Exposição dos artistas angolanos Jika Kissassunda, Jorge Palma e Sérgio Pinto Afonso em LEIRIA

03.02.2011 | por Jorge Palma

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força”

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força” Antes, pai e filha não se entendiam. “Não comunicávamos. Ela comunica pelo computador e eu não percebia. Não conseguia compreender que viesse a casa e passasse 20 horas em frente ao computador e quatro a dormir. A ditadura também abriu um fosso entre gerações. Agora reencontrámo-nos.”Para Sadok, “recusar ser corrompido já era uma forma de resistência”. A filha decidiu fazer mais e resistir através da Internet. Agora, o pai agradece-lhe.

26.01.2011 | por Sofia Lorena

Gorongosa, Moçambique - o renascer da glória

Gorongosa, Moçambique - o renascer da glória Depois de décadas de devastação causada pela guerra, há uma nova batalha a ser travada no palco da Gorongosa: a da sobrevivência. Num esforço de conservação fortemente aplaudido, o projecto de restauração de um dos mais belos parques naturais do mundo está – pouco a pouco – a reavivar o ecossistema que em tempos deslumbrou celebridades de Hollywood e políticos mundiais. Graças à bolsa generosa de um filantropo americano, o Parque Nacional da Gorongosa está cada vez mais perto de recuperar a sua velha glória.

23.01.2011 | por Cristiana Pereira

A queda do muro da Tunísia

A queda do muro da Tunísia Em termos de simbologia política, a revolução tunisina é equivalente, para o mundo árabe, ao que foi para o ocidente a queda do muro de Berlim em 1989. Pela primeira vez em décadas, a Tunísia está livre da ditadura de um homem só. Os extraordinários eventos de Dezembro de 2010 e Janeiro de 2011 são uma revolução política: a consistente pressão da fúria popular obrigou o presidente Zine El Abidine Ben Ali, primeiro, a uma promessa sem precedentes, de deixar o poder; depois, derrubou-o do poder; e finalmente conseguiu impedir uma tentativa de transferência inconstitucional de poder, marcando-se eleições ainda sem data, mas que se devem realizar em médio prazo.

23.01.2011 | por Nadia Marzouki

Bens de segunda necessidade

Bens de segunda necessidade Toda a África é um mercado informal, do Cabo ao Cairo, de Maputo a Marraquexe, seja nos mercados, nos semáforos, nos passeios, nas estações rodoviárias ou em qualquer muro ou pedaço de chão onde se possam expor produtos. Mas se o mercado informal é caracterizado pela ausência de registos e a invisibilidade perante o fisco, vamos encontrá-lo também longe do sol ardente e da poeira da estrada, nos gabinetes de ministérios, em carros pretos com vidros fumados, nos bares de hotéis.

15.01.2011 | por Nuno Milagre

Recomeçar a partir da Ásia, pós-colonialismo na China

Recomeçar a partir da Ásia, pós-colonialismo na China Como estabelecer uma ética da diferença no quadro da diferença na produção cultural, nas nossas sociedades que prezam a diferença mas são incapazes de criar a diferença? Estaremos a viver uma tirania do ‘outro’? As exposições internacionais erguem uma “cacofonia de vozes” e “espaços de negociação de vários valores”, mas reproduzem discursos e negligenciam a criatividade artística independente e os mundos imaginários alternativos. São algumas das críticas-reflexões apontadas pelos organizadores da Trienal de Cantão.

08.01.2011 | por Marta Lança