As últimas neves do Kilimanjaro

As últimas neves do Kilimanjaro Foi apenas em 1861 que uma expedição dirigida pelo barão alemão Klaus von der Decken e pelo botânico inglês Richard Thornton conseguiu comprovar que o topo do Kilimanjaro possuía neve. Uns anos antes, em 1848, o missionário Joseph Rebmann avistou, e divulgou no ano seguinte, a sua descoberta, que no início pensou serem nuvens, e depois comprovou ser mesmo neve. Mas a sua descoberta foi então contestada. Hoje, as neves eternas do Kilimanjaro são um dos cartões de visita de África. A primeira ascensão ao cume aconteceu a 6 de outubro de 1889, por Hans Meyer, Ludwig Purtscheller e Johannes Kinyala Lauwo. A rota atualmente mais fácil de seguir em direção ao topo é via Marangu, Rongai ou Machame, e há vários programas promovidos por agências de turismo que permitem a sua escalada.

07.04.2011 | por Miguel Correia

Por um novo equilíbrio mundial, Fórum Social Mundial, Dakar

Por um novo equilíbrio mundial, Fórum Social Mundial, Dakar Meio ambiente, democracia, economia, agricultura, pescas e política internacional foram discutidos durante seis dias na capital senegalesa, no Fórum Social Mundial, o maior evento antiglobalização do mundo. Este ano foi em Dakar.

05.04.2011 | por Juliana Borges e Fernanda Polacow

O Elefante e Ulysses Grant

O Elefante e Ulysses Grant Decidimos ficar a beber uma cerveja no final de um dia de rodagem do filme “O Herói”, dirigido por Zezé Gamboa. Estávamos na Ilha de Luanda onde tínhamos filmado em horário misto, das duas da tarde até à uma da manhã. Parámos o carro junto de uma barraca deixando a porta aberta para continuarmos a ouvir a cassete pirata que tocava no auto-rádio. No grupo, os angolanos bebem cerveja importada, Super Bock; os estrangeiros bebem cerveja nacional, Cuca, cada um saboreando a frescura exótica do seu ponto de vista, enquanto falamos à sombra da madrugada tranquila de dia de semana.

03.04.2011 | por Nuno Milagre

"Vos islamistes sont-ils sympas?" Pequena viagem entre tribo, Islão e poder na Mauritânia

"Vos islamistes sont-ils sympas?" Pequena viagem entre tribo, Islão e poder na Mauritânia No caminho para o “Marché aux Khaimas" falava-nos das várias razões porque achava que um dia a situação política e social na Mauritânia teria de “explodir”: uma população muito jovem e desempregada, desigualdades económicas gritantes, e a presença, cada vez mais sólida, de um islão fundamentalista. Mas, se este cenário parece ser semelhante a outros tantos países árabes e islâmicos, devemos acrescentar-lhe, no caso da Mauritânia a questão étnica e tribal que poderá contribuir para complexificar a realidade.

23.03.2011 | por Joana Lucas

A cidade na cabeça dos seus criadores

A cidade na cabeça dos seus criadores Ruy Castro, escritor. Lia Rodrigues, coreógrafa. Raul Mourão e Ernesto Neto, artistas plásticos. Enrique Diaz, encenador. BNegão, músico. O que o Rio de Janeiro é, e pode vir a ser, são todas as cidades que eles têm na cabeça.

20.03.2011 | por Alexandra Lucas Coelho

A Fotografia Poética de João Freire

A Fotografia Poética de João Freire “O povo das ilhas quer um poema diferente para o povo das ilhas: um poema sem homens que percam a graça do mar E a fantasia dos pontos cardeais” Onésimo Silveira

19.03.2011 | por Mário Alves

Então e Agora, o legado de Emory Douglas

Então e Agora, o legado de Emory Douglas O programa All Power to the People Então e agora a decorrer na ZDB, em Lisboa, remete-nos, inevitavelmente, para o impacto dos Panteras Negras no resto do mundo. Na exposição fica evidente uma estética que é partilhada por grupos oprimidos em diversas zonas do globo. Em termos ideológicos, a sua influência no movimento dos direitos civis e a sua inserção no pensamento de esquerda que suporta muitos movimentos libertários é também conhecida. Então e agora? O que é feito dessa influência, da atitude combativa?

16.03.2011 | por Suzana Sousa

E agora, Black Panthers?

E agora, Black Panthers? Os cartazes de combate de Emory Douglas, Ministro da Cultura dos Black Panthers, foram uma arma apontada à violência racial da América dos anos 60. Pode vê-los em "All Power to the People. Então e Agora", na Zé dos Bois, em Lisboa, até Junho.

10.03.2011 | por José Marmeleira

All Power to the People. Então e Agora.

All Power to the People. Então e Agora. Exposição sobre a arte revolucionária de Emory Douglas e os Panteras Negras. A par da exposição a ZDB apresenta, em colaboração com Serralves, uma série de filmes, alguns referenciais e outros inéditos em Portugal, sobre os Panteras Negras, no Espaço Nimas. A sessão de abertura do ciclo de cinema documental conta com a presença de uma comitiva de Panteras Negras: EMORY DOUGLAS, Ministro da Cultura dos Panteras Negras; ROBERT KING, Pantera Negra, preso político na prisão de Angola – EUA ao longo de 27 anos em regime de solitária e BILLY X JENNINGS, Pantera Negra, historiador e responsável oficial do legado dos Panteras.

25.02.2011 | por Zé dos Bois

Aqui em Ngorongoro

Aqui em Ngorongoro Aqui em Ngorongoro, os flamingos estão espalhados pelas águas baixas do lago, dão passos avulso e bicam no lodo com avidez. Reflexos dos flamingos e do céu marcado por nuvens pintam a água de azul, rosa, branco. O vento vai dispersando as nuvens que se olham ao espelho; a tarde vai aquecer. No norte da Tanzânia, a Oeste do Kilimanjaro e a caminho do famoso Parque do Serengueti existe uma das maiores caldeiras do mundo: a Cratera de Ngorongoro

22.02.2011 | por Nuno Milagre

Terceira Metade no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Terceira Metade no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro Terceira Metade é a primeira edição de um projeto do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro de Janeiro dedicado a pensar o espaço do Atlântico, em especial a triangulação Brasil, África e Portugal. E o que significa representar este espaço? Significa pensar os modelos culturais e os sistemas do visível que lhe conferem estrutura, circulação, significado, sentido. Ainda que tenha em mente o debate pós-colonial, o passado das relações transnacionais no Atlântico, ou o estado atual das políticas culturais comuns, o ponto de partida de Terceira Metade é o visual. Através de exposições, seminário, mostra de cinema, ações educativas e de um livro que registrará os vários momentos, daremos atenção às alterações que acontecem no mundo contemporâneo globalizado, em especial nas três margens deste eixo geográfico, Brasil, África e Portugal.

17.02.2011 | por Marta Mestre

Um primeiro comboio sobre os carris em Angola, 9 anos depois do fim da guerra

Um primeiro comboio sobre os carris em Angola, 9 anos depois do fim da guerra A linha de caminho-de-ferro Luanda-Malange, fora de serviço durante 18 anos por ter sido demasiado danificada pela guerra civil, foi de novo posta a funcionar após vários anos de obras. Um símbolo forte do regresso à paz e um elo de comunicação importante para desencravar uma região particularmente martirizada pelo conflito que opôs o Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA) no poder, aos rebeldes da União para a Independência Total de Angola (UNITA) durante 27 anos.

10.02.2011 | por Cécile de Comarmond

Trimbiose DNA Cidadão Angolano

Trimbiose DNA Cidadão Angolano Esta Trimbiose reflecte o quotidiano de uma sociedade mergulhada no Kaos forçado à evolução e presa nas redes da globalização; uma nação filha de ideologias há muito esquecidas que olha o futuro sempre com esperança de uma vida melhor. Exposição dos artistas angolanos Jika Kissassunda, Jorge Palma e Sérgio Pinto Afonso em LEIRIA

03.02.2011 | por Jorge Palma

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força”

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força” Antes, pai e filha não se entendiam. “Não comunicávamos. Ela comunica pelo computador e eu não percebia. Não conseguia compreender que viesse a casa e passasse 20 horas em frente ao computador e quatro a dormir. A ditadura também abriu um fosso entre gerações. Agora reencontrámo-nos.”Para Sadok, “recusar ser corrompido já era uma forma de resistência”. A filha decidiu fazer mais e resistir através da Internet. Agora, o pai agradece-lhe.

26.01.2011 | por Sofia Lorena

Gorongosa, Moçambique - o renascer da glória

Gorongosa, Moçambique - o renascer da glória Depois de décadas de devastação causada pela guerra, há uma nova batalha a ser travada no palco da Gorongosa: a da sobrevivência. Num esforço de conservação fortemente aplaudido, o projecto de restauração de um dos mais belos parques naturais do mundo está – pouco a pouco – a reavivar o ecossistema que em tempos deslumbrou celebridades de Hollywood e políticos mundiais. Graças à bolsa generosa de um filantropo americano, o Parque Nacional da Gorongosa está cada vez mais perto de recuperar a sua velha glória.

23.01.2011 | por Cristiana Pereira