Percepções e contestações: leituras a partir das narrativas sobre o narcotráfico na música Rap da Guiné-Bissau

Percepções e contestações: leituras a partir das narrativas sobre o narcotráfico na música Rap da Guiné-Bissau Apesar de entre os anos 80 e os anos 90 do século XX o tráfico ilegal da cocaína ter atingido proporções globais, infiltrando não apenas os mercados tradicionais como o dos Estados Unidos da América e da América Latina, mas também os da Europa ocidental, da Rússia e mais recentemente alguns países da costa ocidental africana, que têm-se tornado em países de “trânsito” dos cartéis da droga. Foi sobretudo no início do novo milénio que a região oeste africana foi marcada por um maior envolvimento no tráfico internacional da cocaína com destino à Europa ocidental.

24.01.2014 | por Miguel de Barros e Patrícia Godinho Gomes

Okaimpas da Adroana

Okaimpas da Adroana Okaimpas é um grupo de dança guineense da localidade da Adroana (Cascais) que faz parte do colectivo Netos da Amizade.

17.01.2014 | por vários

Vozes Globais - podcast

Vozes Globais - podcast Nesta edição experimental do programa Vozes Globais da Lusofonia, ampliamos para a rádio as vozes de quem vive na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, partilhando as histórias escondidas deste rendilhado de variações linguísticas, as mudanças políticas, o uso das redes sociais a favor dos direitos humanos e as transformações na sociedade.

17.01.2014 | por Global Voices (Vozes Globais)

Underground lusófono: Asterix o Néfilim fala da mixtape submundo luso vs 12transfusons‏

Underground lusófono: Asterix o Néfilim fala da mixtape submundo luso vs 12transfusons‏ Em Cabinda não é só o rap que está em péssimas condições, reflecte-se em todos os estilos musicais, desde o kuduro, kizomba, semba, kintueni e mayeye. Na verdade há pouca divulgação da música feita em Cabinda, temos uma secretaria provincial da cultura fictícia e comunicação social inexistente. Nada justifica que, numa província com artistas de talento, saiam dois álbuns num um ano e que as poucas rádios que temos se recusem a apoiar iniciativas como as nossas e demais personalidades interessadas. O Rap é o menos solicitado nas atividades e comícios governamentais, mas tem muita voz devido ao esforço dos companheiros como: Cabmusic, hip-hop de gavetas, agora a Miller Team e não só. A cada dia que passa surgem novas propostas, novos mc´s e produtoras interessados em dar mais vida ao movimento. Fico feliz com isto.

09.01.2014 | por vários

O país que nasceu meu pai, novo álbum

O país que nasceu meu pai, novo álbum Este trabalho, estas palavras, estas melodias e sonoridades são originalmente o que me sobrou da perda de meu pai, da perda do meu pai e de todas as memórias que se avivaram em mim depois dessa perda. Dos lugares, dos cheiros, do tempo que tinha muito mais tempo dentro de si, mas principalmente das pessoas. Das pessoas de meu pai, assim crédulas, próximas umas das outras. Avivaram-se memórias dos casamentos de três dias em que o meu pai tocava (dj) nos quintais da cidade...

29.11.2013 | por Paulo Flores

Se fossemos ainda mais angolanos...

Se fossemos ainda mais angolanos... Ouço novamente o álbum. Todo. E é como se o Nástio me perguntasse: e se fossemos ainda mais angolanos? Se ouvíssemos mais a voz da sabedoria dos poucos que ainda a têm. Se nos autorizássemos a ter uma voz mais plural, e portanto a aceitar melhor a voz dos outros. Se nos sentássemos mais vezes a falar de outras coisas que não o carro, os dólares, as discotecas, as amantes, os whisky's. Seriamos menos angolanos? Seremos menos angolanos?

14.08.2013 | por Ondjaki

A ‘periferia’ a dar música ao ‘centro’ da cidade

A ‘periferia’ a dar música ao ‘centro’ da cidade Esta é a história de Nigga Fox, de Marfox, de Maboku, da editora Príncipe, e do encontro suado e festivo entre a ‘periferia’ e o ‘centro’ na pista de dança. Uma massa de corpos move-se freneticamente e sempre que um novo tema é lançado pelo DJ ouvem-se gritos de júbilo. São quase três da manhã, noite de fim-de-semana, num dos espaços mais conhecidos de Lisboa, o MusicBox, ao Cais do Sodré, e dança-se com uma tenacidade que não vê muito por aí, mistura de satisfação e sensualidade.

04.08.2013 | por Vítor Belanciano

Lusophone hip-hop

Lusophone hip-hop Neste livro apresentam-se e complexificam-se os conceitos de lusofonia e “espaço lusófono” tendo em conta a história colonial, identidades locais e diáspora. Todos os artigos estão orientados para o entendimento da questão da juventude a partir de sua diversidade, em oposição à sua homogeneização, e todos confluem também para ressaltar o protagonismo juvenil nas diferentes modalidades.

02.05.2013 | por Rosana Martins

Directamente da Lama de Mano António

Directamente da Lama de Mano António Directamente da Lama é o primeiro single do Rapper e Poeta conhecido pelas “leads” do Mercado HiPHop e de outras áreas por Mano António, o integrante do colectivo Jazzmática (JM).

23.04.2013 | por Faradai e Chrisguy Oliveira

Tribo Sul (Rap/Hip-Hop) - Perfil

Tribo Sul (Rap/Hip-Hop) - Perfil No álbum de estreia "Grito de Liberdade" (interpretado 80% em inglês), apresentam uma espécie de manifesto contra as correntes neoliberais - com inclinação para a extrema-esquerda -, contra a gestão política sul-africana e a gestão política africana em geral, contra a influencia ocidental nas decisões políticas dos países africanos, contra a xenofobia e contra o racismo.

08.03.2013 | por Tribo Sul

“Façam uso de mim para valorizar o nosso património que é do mundo”

“Façam uso de mim para valorizar o nosso património que é do mundo” Abordando a música como um ponto de conexão social numa cidade pós-colonial onde empreendedores culturais utilizam o termo político de lusofonia, busco compreender como alguns músicos migrantes oriundos de países ‘lusófonos’ em Lisboa interagem neste processo, aos níveis de comunidade, associações voluntárias e instituições governamentais. De maneira geral, a minha pesquisa mostra uma falta de reconhecimento pela contribuição de músicos migrantes de língua portuguesa à cultura expressiva de Lisboa.

16.01.2013 | por Bart Paul Vanspauwen

Jorge sobre Jorge

Jorge sobre Jorge Sábio, naturalmente participante desta cultura nova equivocadamente batizada pelos inimigos de “inferior” “primitiva” “oportunista” “superficial”, sempre confiou em sua intuição soberana. Já intuiu há tempos atrás o soul music, o disco, e foi um dos primeiros a sincretizar o rock, mais do que Roberto Carlos ou Erasmo, em sua definitiva e profunda aparição nacional contemporânea.

16.01.2013 | por Jorge Mautner

Culturas de discoteca alemã e africana: corrente de energia punky

Culturas de discoteca alemã e africana: corrente de energia punky A música liga: esta é uma das mais antigas sabedorias. Há já muito tempo que também os ritmos africanos marcam posição nas discotecas da Europa. Com o projeto Ten Cities, dezenas de DJs, músicos e produtores querem agora aproximar ainda mais as culturas de discoteca de ambos os continentes.

09.01.2013 | por Vanja Budde

Ausência de Fernando Cabral nos Fashion Awards cria polémica sobre racismo

Ausência de Fernando Cabral nos Fashion Awards cria polémica sobre racismo Fernando Cabral fez as campanhas da H&M, Benetton, desfilou Hugo Boss. Não chegou à lista de nomeados e gerou polémica: há racismo na moda em Portugal? Várias pessoas dizem abertamente que sim.

11.12.2012 | por Joana Gorjão Henriques

Festivais, a nova cara do Zimbabwe

Festivais, a nova cara do Zimbabwe Há aproximadamente 25 festivais no Zimbabwe: seis internacionais, oito nacionais, seis provinciais e cinco distritais. A maioria destes festivais começou na última década, quando o panorama político estava em colapso, sobretudo a economia.

08.11.2012 | por Nicholas Moyo