A pátria de Camus (acerca do artigo homónimo de Henrique Raposo)

A pátria de Camus (acerca do artigo homónimo de Henrique Raposo) Para Henrique Raposo competia à França «aculturar os argelinos aos valores da França». O argumento é conhecido e, apesar das sangrentas aventuras do Afeganistão, Iraque, Líbia etc.. haverá sempre suprematistas iluminados para defender que o Ocidente deve ensinar a democracia ao resto do mundo se necessário com bombas.

05.09.2016 | por Nicole Guardiola

O voluntariado do eu

O voluntariado do eu Acabe-se com esta realidade que desajuda, que incapacita, que incha, desincha e passa. Que deixa a sua pegada ecológica – viagens de avião, contentores carregados, megabytes de internet despendidos – e um EU muito cheio, muito transformado, uma lágrima na despedida aos sorrisos rasgados dos pobres meninos africanos. E ainda assim, o avião parte, a vida das pessoas continua, com mais uma camisola do Benfica, mas sem nada desenvolvido, sem nenhuma aprendizagem feita, sem nenhuma nova competência adquirida.

21.06.2016 | por Alice Gomes

Houve independência mas não descolonização das mentes

Houve independência mas não descolonização das mentes Para o presidente desta ONG que trabalha direitos humanos e sociais, em 1975 não houve uma transição mas uma ruptura. Os angolanos brancos e os portugueses brancos “desapareceram” durante um largo período de tempo — regressaram mais tarde, já não com domínio político, mas com domínio económico e social. O problema é que desde 1975 não houve um programa de transformação social, sublinha, e muitos dos elementos do colonialismo português ainda estão vivos.

30.04.2016 | por Joana Gorjão Henriques

A literatura angolana, o poder, a resistência e a vida

A literatura angolana, o poder, a resistência e a vida Dois relatórios da PIDE, de Março de 1966 e 1967, são bem reveladores do poder da literatura, tal como era protagonizada por Luandino. Apesar de se encontrar preso, ter suscitado uma onda de repressão, violência e censura, em 1965, quando lhe foi concedido o prémio da Sociedade Portuguesa de Escritores, a obra de Luandino, ao lado da de outros escritores angolanos, continuava a ser um instrumento de poder ao serviço dos que procuravam resistir à dominação colonial.

19.04.2016 | por Diogo Ramada Curto

Remessas, migrações, e o desenvolvimento de Cabo Verde

Remessas, migrações, e o desenvolvimento de Cabo Verde No caso de Cabo Verde as remessas constituem um importante suporte financeiro para imensas famílias, e uma das ligações transnacionais mais importantes entre as diásporas e o país de origem, ocorrendo sobretudo no âmbito familiar. São utilizadas sobretudo nas despesas quotidianas, no ensino e na saúde, a sua utilização na estrutura produtiva continua a ser limitada, e o recurso aos canais informais é considerável, ocorrendo por vezes com metade dos migrantes.

18.04.2016 | por Cláudia Rodrigues

A cara de Nina Simone

A cara de Nina Simone Simone conseguiu evocar glamour, apesar de tudo o que era dito sobre as mulheres negras como ela. E por isso desfrutou de um lugar especial no panteão da resistência. Não se deve apenas às suas letras ou à sua musicalidade, mas à sua aparência. Simone é mais do que um Bob Marley feminino. Não é simplesmente a voz: foi o mundo que fez aquela voz, toda a mágoa e dor da difamação forjou algo de outro mundo.

23.03.2016 | por Ta-Nehisi Coates

Ser africano em Cabo Verde é um tabu

Ser africano em Cabo Verde é um tabu Cabo Verde não é África, os cabo-verdianos são “pretos especiais” e os mais próximos de Portugal. É o país da mestiçagem, a “prova” da “harmonia racial” do luso-tropicalismo. Durante anos esta foi a narrativa dominante. Ser ou não ser africano ainda continua como ponto de interrogação.Pertencente à série especial "Racismo em português", Joana Gorjão Henriques vai em busca de como o colonialismo marcou as relações raciais. Os portugueses foram mais brandos e menos racistas? Racismo em português: como foi, como é?

14.03.2016 | por Joana Gorjão Henriques

História de Angola - nota do autor - PRÉ-PUBLICAÇÃO

História de Angola - nota do autor - PRÉ-PUBLICAÇÃO Impressionante verificar a avidez dos jovens, que vêm licenciar-se à ex-metrópole, em querer conhecer a História do seu país, que surpreendentemente não lhes era ensinada na escola secundária angolana. A maior parte deles – era inacreditável! – só conhecia Njinga Mbandi ou Mandume como nomes de ruas. Contudo, ansiavam por informação, pela recuperação merecida da remota memória histórica ignominiosamente silenciada! Em Angola reinava e reina, tal como no tempo colonial, o positivismo tecnocrático e quantitativo, pelo que só interessa falar em presente e em futuro. Porque estará Angola condenada à doença de Alzheimer?

21.01.2016 | por Alberto Oliveira Pinto

“Papéis da Prisão”, de José Luandino Vieira: uma “biografia”

“Papéis da Prisão”, de José Luandino Vieira: uma “biografia” A “biografia” de uma obra parece um sucedâneo figurado, anómalo de uma convencional biografia do autor. O que percebemos, porém, ao longo dos quase três anos de organização de um projecto entusiasmante e labiríntico, com a presença fortíssima e discreta de Luandino em cada etapa da sua realização, é que o caso dos Papéis da Prisão coloca sob suspeita muitas categorias da crítica literária ou textual.

05.01.2016 | por vários

“A Identidade Cubana e a Experiência Angolana”

“A Identidade Cubana e a Experiência Angolana” Cinco de Novembro de 1975 marcou o 132º aniversário da rebelião dos escravos da plantação de açúcar Triumvirato, na província de Matanzas, liderada por uma mulher africana escravizada chamada Carlota. Num dos primeiros actos da sua campanha de libertação, Carlota, acompanhada pelos seus capitães, dirigiu-se a outra plantação, Arcana, na qual um conjunto de co-conspiradores se encontravam detidos no seguimento de uma revolta ali ocorrida em Agosto do incendiário Verão daquele ano, quando os africanos e seus descendentes se ergueram contra os seus escravizadores por toda a província.

24.11.2015 | por Christabelle Peters

Memórias como sedimentos íntimos

Memórias como sedimentos íntimos Aqui, todas as inocências se perdem – África como espaço virgem, o colonialismo como tempo único, as utopias revolucionárias das independências, Portugal como metrópole, Europa como lugar de futuro (e de justiça), a Esquerda sumida na encruzilhada ideológica das suas próprias traições. E ainda que Ana, ao contrário de Margarida, não pegue literalmente em armas, tem, na ponta da língua (e, no romance, a linguagem respira essa urgência, frases curtas, aflitas, dizer, por vezes, o que já não se pode retirar) o poder da revolução – feminista convicta, sexualmente desinibida, inquieta, sem poiso, irreverente, rebelde, inconformada, permanentemente jovem, Ana é uma personagem “híbrida”, porque simplesmente não consegue (ou não quer) pertencer a lado nenhum.

17.11.2015 | por Raquel Ribeiro

OEm Emigração Portuguesa: Relatório Estatístico 2015

OEm Emigração Portuguesa: Relatório Estatístico 2015 Portugal é hoje o país da União Europeia com mais emigrantes em proporção da população residente. O número de emigrantes portugueses supera os dois milhões, o que significa que mais de 20% dos portugueses vive fora do país em que nasceu.

02.11.2015 | por vários

Sanz-Briz: o “Anjo de Budapeste” que salvou milhares de judeus do Holocausto

Sanz-Briz: o “Anjo de Budapeste” que salvou milhares de judeus do Holocausto Com apenas 33 anos, Ángel Sanz Briz, encarregado de negócios da delegação espanhola de Budapeste, enganou as autoridades nazis e húngaras ao permitir que 5.200 judeus escapassem da morte. Sete décadas após o fim da II Guerra, o diplomata tem agora o seu nome numa das principais avenidas da capital.

01.11.2015 | por Catarina Andresen Bouça

Contratados, colonos e emigrantes cabo-verdianos

Contratados, colonos e emigrantes cabo-verdianos Chegaram a Angola há cem anos. Assistiram à decadência de um poder colonial que os instrumentalizou e ao nascimento da nação angolana. A memória dos imigrantes cabo-verdianos no nosso país conta uma história de opressão e resistência que o sociólogo crioulo Nardi Sousa resgatou e vai lançar em livro.

20.07.2015 | por Pedro Cardoso

Língua, linguagem e poder: opressões na palavra

Língua, linguagem e poder: opressões na palavra No contexto das sociedades ocidentais, e actualmente no quadro de uma mundialização uniformizadora, o detentor da palavra e do poder é o homem branco, sedentário, escolarizado e heterossexual com privilégios variáveis consoante classe social, país de origem, situação geográfica... A discriminação nasce de uma vontade de poder e vive, actualmente, nesta conjuntura. É na língua, por outro lado, que as identidades se desenham, sendo importante assinalar o risco de se conceber essa identidade como uma clausura excludente e opressora, potencialmente racista porque instalada na ilusão da “superioridade linguística” ou da “pureza idiomática”.

13.07.2015 | por Hugo Monteiro