Do silêncio a um outro hino, artistas portugueses com discurso pós-colonial

Do silêncio a um outro hino, artistas portugueses com discurso pós-colonial Vídeos de artistas portugueses – Daniel Barroca, Jorge Santos, José Carlos Teixeira, Maria Lusitano, Monica de Miranda, Paulo Mendes e Rui Mourão – nascidos na década de 70 e descendentes de um país com um passado colonial do qual já não participaram, propõem-nos uma reflexão artística sobre certos mitos, marcas e percursos que um certo passado ligado a África deixou num certo Portugal pós-colonial.

04.01.2013 | por Rui Mourão

Coffee-break na branca do Lucapa

Coffee-break na branca do Lucapa O complexo da De Beers é apenas uma coordenada ilusória; à parte do mundo lunda-tchokwe que ali se edificou, entre as paredes que falam em inglês, hesitam em falar português e onde o tchokwé ficou soterrado, longe dos lençóis luzentes de pedras preciosas. A fronteira com o Congo oferece apenas a alusão à famosa vida das fronteiras, dos contrabandos, dos kilapes, da iminência da sobrevivência, dos idiomas que se fusionam em dialetos de notas musicais quase intocáveis, dos filhos feitos à sombra do camião de carga que espera voltar à estrada e das incontáveis gasosas.

20.12.2012 | por Sílvia Norte

Um itinerário de ocupações

Um itinerário de ocupações Desde 6 de Dezembro, Maputo está temporariamente ocupada por seis intervenções artísticas de igual número de artistas, tendo como mote a palavra “Estrangeiros”.

17.12.2012 | por colectivo

À descoberta de Angola

À descoberta de Angola Cada um dos percursos deste guia corresponde a uma aventura, mas também a uma prova de que é possível viajar de maneira segura e descontraído pelo imenso território de Angola. As dicas e informações que recolhi e compilei para este livro são uma boa ajuda para reduzir os imprevistos e aumentar o prazer de uma viagem por este país intenso e inesquecível, tanto nos seus paradoxos como nas suas gentes e paisagens.

05.12.2012 | por Joost De Raeymaeker

Once upon a time…an Ocean between us…and nevermore…

Once upon a time…an Ocean between us…and nevermore… A identidade terá a nacionalidade que seja o eu. E o eu será esse empastamento, camadas sobrepostas que não correspondem à cronologia ou à soma dos meses, das décadas e da dissolução… Camadas de existência que residem em locais detectados, mapeados e circunscritos. Mónica de Miranda dá continuidade a uma pesquisa que visa o conhecimento aprofundado das suas matrizes culturais, a retoma da ancestralidade, fruto de uma lucidez e rigor que vai do sociológico e antropológico para o estético.

29.11.2012 | por Fatima Lambert

Ligações transatlânticas: mares, memórias e lugares no trabalho de Mónica de Miranda

Ligações transatlânticas: mares, memórias e lugares no trabalho de Mónica de Miranda Viagens no imaginário de Monica de Miranda torna-se uma metáfora para o que Walter Mignolo chama de "ferida colonial": como uma maneira de explorar seus múltiplos movimentos e da sua família entre lugares ligados por uma matriz colonial comum, onde ela constrói o seu próprio mapa emocional em uma variedade dos mediums. Pode-se argumentar que os lugares escolhidos para o seu trânsito sugerem uma reflexão sobre a descolonização que nos termos dos zapatistas nos levaria a um mundo que se encaixa em muitos mundos: uma proposta pluriversal- em oposição ao universal - à leitura da realidade.

27.11.2012 | por Gabriela Salgado

O tratamento dado à informação sobre África pelos Media

O tratamento dado à informação sobre África pelos Media Por um lado Kapuschinsky é um jornalista 'em campo', um jornalista 'no terreno' e, por isso ou apesar disso, o seu legado é também o de um olhar europeu a descrever um continente a arruinar-se no final do século passado. Mas uma frase como «Acima de tudo salta à vista a luminosidade. Luz por toda a parte. Claridade por toda a parte. Sol por toda a parte», com que inicia a sua obra Ébano, é um modo único de afirmar África.

21.11.2012 | por António Pinto Ribeiro

O espaço enquanto ‘contentor’ de elementos díspares

O espaço enquanto ‘contentor’ de elementos díspares Da prática de Filipe Branquinho o júri do BesPhoto 2013 refere que “incide na forma como o espaço funciona enquanto ‘contentor’ de elementos díspares que se aglutinam” – “usando Maputo como ponto de partida, e o retrato como ímpeto, Filipe Branquinho capta o tecido urbano e a forma como os seus espaços são habitados, não apenas pelas pessoas, mas também através de sua arquitectura”.

21.11.2012 | por Filipe Branquinho

Mauritânia: entre o Magreb e a África Subsahariana (parte 1)

Mauritânia: entre o Magreb e a África Subsahariana (parte 1) A Mauritânia poderá de facto nascer do encontro. Do encontro entre árabes e berberes nómadas com negro-africanos sedentários. Do encontro entre o Sahara e o Sahel, onde à semelhança de muitos outros territórios as suas fronteiras de areia são alvo de tentativas de domesticação através de desenhos a régua e esquadro. Neste caso em particular pela interferência da administração colonial francesa, que também contribuiu para determinar a sua terminologia e sua actual denominação – o país dos mouros –, de onde resulta que os seus limites geográficos e identitários são ainda hoje objecto de gestão quotidiana.

25.09.2012 | por Joana Lucas

Angola: do planalto à costa, caminhos da recuperação

Angola: do planalto à costa, caminhos da recuperação Angola: do planalto à costa, caminhos da recuperação

06.09.2012 | por Chico Laxmidas

Mindelact 2012: O festival da maioridade

Mindelact 2012: O festival da maioridade A 18ª edição do Mindelact decorre de 7 a 15 de Setembro. Cerca de 40 espectáculos de grupos de três continentes vão estar em cena em São Vicente, naquele que é considerado o maior evento teatral do continente africano.

05.09.2012 | por João Branco

“A identidade multicultural da Índia”

“A identidade multicultural da Índia”   A que Índia nós devemos referir quando tentamos apresentá-la? Um poder global do século XXI ou um país pobre em vias de desenvolvimento? Uma economia baseada na tecnologia de ponta ou numa agricultura de subsistência? Um estado liberal secular ou uma sociedade profundamente religiosa? Uma civilização antiga e tradicional ou uma cultura que está a tornar-se cada vez mais moderna? As possibilidades são muitas e é nelas que residem os desafios a uma investigação no domínio das humanidades e das ciências sociais.

14.08.2012 | por Shiv Kumar Singh

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo"

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo" Salafistas ofendidos destruíram obras nas ruas de Tunes e um imã apelou à morte dos "descrentes". Houve tumultos e centenas de feridos. A arte serve para "ser bonita", diz o ministro da Cultura.

22.07.2012 | por Sofia Lorena e Cláudia Sobral

“A voz underground”, por Reem Kassem (Egipto)

“A voz underground”, por Reem Kassem (Egipto) Reem Kassem é uma jovem mulher muito determinada. Aproximadamente um mês após a revolução do ano passado no Egipto, quando as principais preocupações das autoridades eram paz e ordem nas ruas, Reem convenceu os militares em Alexandria a autorizar um festival de música ao ar livre, que juntou dezenas e dezenas de voluntários, desde as pessoas que pintaram o palco num dos parques abandonados da cidade aos músicas que actuaram. Poderia ouvi-la contar a história das suas negociações com os militares vezes sem conta. Desde então não tem parado e tenho a certeza que o seu papel será determinante para o futuro do sector cultural no Egipto.

20.06.2012 | por Maria Vlachou

CANTO SUSPENSO para ler em Crioulo

CANTO SUSPENSO para ler em Crioulo Depois do trauma, de repente a Esperança reboca aquela energia que atira as verdades na denúncia do poder ilegítimo e brutal. Aparece a força da fala. Grande força. Explode a gritar pela Justiça. Pensa-se que vem logo. E demora. Às vezes até parece que a Justiça não vem.

26.05.2012 | por Branca Clara das Neves