A quem pertence...?

A quem pertence...? No seu ensaio, Kertész deixa clara a grande distância crítica que o separa de muitas formas de apropriação e mesmo instrumentalização da memória do Holocausto por uma segunda ou terceira geração, mas isso não turva a lucidez com que analisa o processo nos termos que referi e, particularmente, a consciência clara de que, sendo a memória um legado, a forma que a apropriação desse legado poderá assumir não é legislável pelo seu detentor original. Esta lucidez não é universalmente partilhada.

A ler

29.11.2020 | por António Sousa Ribeiro

Estratégias para acarrar: o projeto TERRA BATIDA

Estratégias para acarrar: o projeto TERRA BATIDA Fazer rede mantendo autonomia, mapear conflitos sócio ambientais, friccionar saberes, linguagens, perspectivas e impasses, acompanhar contextos específicos e agregar conhecimento singular e local, foram alguns dos desejos que moveram residências de pesquisa e encontros entre intervenientes das áreas da dança, cinema, performance, artes visuais com cientistas, agrónomos, arqueólogos, cooperativas e ativistas nas regiões de Ourique, Castro Verde, Montemor-o-Novo, Aveiro, Ílhavo e Gafanha da Nazaré.

A ler

28.11.2020 | por Marta Lança e Rita Natálio

VISTACURTA 2020: Entrevista a Sol de Carvalho

VISTACURTA 2020: Entrevista a Sol de Carvalho Mas gostaria de contrariar dois mitos: a ideia fácil de que a estética africana é caracterizada pela presença da cor negra, o que é absolutamente redutor; e o falar-se de UMA estética africana quando África é bastante diversa, tanto a nível das comunidades como das religiões, dos próprios ex-poderes coloniais, para além da enorme diferença dos espaços, dos cenários, dos ritmos…

Cara a cara

26.11.2020 | por Sílvia Vieira e Tiago Resende

Em Portugal, os trabalhadores asiáticos apanham fruta e vivem precariamente

Em Portugal, os trabalhadores asiáticos apanham fruta e vivem precariamente À medida que a noite cai em São Teotónio, as luzes ainda estão acesas na escola. Três vezes por semana, permanece aberta até à meia-noite para realizar aulas para adultos da região, que aqui vêm ao fim de um longo dia nas estufas - sabendo que precisarão de falar um pouco de português para se qualificarem para residência permanente. Existem actualmente 500 estudantes adultos inscritos para as aulas nocturnas - quase correspondendo à entrada diurna de 600 crianças. O moldavo Vitali Siminionov, que colhe flores para viver, e cujas duas crianças estudam ambas na escola, brincaram: "Eles estão sempre a corrigir-me dizendo: 'Pai, não é assim que se diz!"

Jogos Sem Fronteiras

24.11.2020 | por Ana Naomi de Sousa

Compreender a mecânica do racismo. Entrevista com Pierre Tevanian

Compreender a mecânica do racismo. Entrevista com Pierre Tevanian Porquê "mecânica racista"? A palavra "mecânica" refere-se em primeiro lugar ao carácter artificial do racismo, em oposição a uma ideia preconcebida que tomo o tempo necessário para desafiar no livro: a ideia de que o racismo se baseia basicamente no medo do outro ou do desconhecido, inerente à natureza humana. Mostro que esta ideia é absolutamente falsa, por um lado, e eticamente errada, por outro, na medida em que conduz à complacência com a violência racista: se deriva de uma inclinação natural, pode ser controlada, mas não pode ser erradicada, e não se deve ter pressa em exigir igualdade de tratamento. Em contraste com esta abordagem "naturalista", salientaria a dimensão cultural do racismo, a sua dimensão histórica, social e política...

Cara a cara

23.11.2020 | por Pierre Tevanian

A Revolta da Chibata foi há 110 anos

A Revolta da Chibata foi há 110 anos Os rebelados advertiram as fortalezas de Santa Cruz, Laje e São João a não dispararem os seus canhões sobre as naves de guerra rebeladas, sob pena de serem arrasadas. Os navios fizeram alguns disparos de aviso, aos quais as fortalezas não responderam, mantendo-se mudas. O poder de fogo dos couraçados era muito superior ao das fortalezas e aos contratorpedeiros que não entraram na revolta. João Cândido, o primeiro marinheiro a comandar uma frota de navios, era consciente do seu poder. Na torre do Minas Gerais, permanecia com o seu uniforme de marinheiro, ao qual apenas acrescentara um lenço vermelho, símbolo da rebelião. Se quisesse, teria arrasado o Rio de Janeiro. Mas não era esse o objetivo do “Almirante negro”, como passou a ser conhecido.

Jogos Sem Fronteiras

23.11.2020 | por Luís Leiria

Confronting the Gaze | Os olhares em confronto

Confronting the Gaze | Os olhares em confronto Com curadoria de Alexey Artamonov, Denis Ruzaev e Ines Branco López, “Os olhares em confronto” é um ciclo que faz parte do programa da 14ª edição do Lisbon & Sintra Film Festival. Organizado entre Lisboa e Sintra, de 16 a 23 de novembro, este evento consiste na exibição de vários filmes/documentários sobre temas como feminismo, emancipação feminina, sexualidade, etnia, pobreza, infância, negritude, identidade, memória coletiva e saúde mental.

Afroscreen

21.11.2020 | por Alicia Gaspar

O assassinato de Amílcar Cabral

O assassinato de Amílcar Cabral O assassinato de Amílcar Cabral desencadeou a imediata iniciativa dos Comités de Desertores no sentido de realizar manifestações públicas de protesto nas principais cidades suecas. Juntamente com outros responsáveis do Comité de Malmö-Lund, estabelecemos de imediato os contactos necessários para a realização de manifestações, muito bem sucedidas, tanto em Malmö no dia 26, como em Lund, no dia seguinte. Antes disso já havia distribuído panfletos um pouco por todo o lado, logo no dia seguinte ao crime.

Jogos Sem Fronteiras

21.11.2020 | por Fernando Mariano Cardeira

Passo de Caracol

Passo de Caracol O amor aviva a vida e os desejos. Tive sorte. O meu corpo já vai expandindo um pouco sinto. Tenho uns pelos escassos no queixo e de seguida já lá vão 10 meses de Testosterona, mas acho que tenho daquelas constituições em que a transição é mais lenta. Vou aguardando saltos, que dizem muitos se dão na transformação. Olho-me ao espelho mas só me parece tudo muito vagaroso. Enfim, paciência. Isto anda tudo a passo de caracol lately. Temos que esperar por janeiro também para ver o Trump fazer as malinhas. Espero que alguém grite a plenos pulmões “You're fired!”

A ler

20.11.2020 | por Adin Manuel

Dentro do Poderoso Arquivo Visual Político de Zanele Muholi

Dentro do Poderoso Arquivo Visual Político de Zanele Muholi "Tenho visto que racismo, homofobia, queerfobia e transfobia são coisas interligadas que existem em todas as sociedades, ao longo do tempo. Como sou tratada quando me desloco entre países, a linguagem desumanizante utilizada nas fronteiras e nos costumes, diz muito sobre a raça. No mundo em geral, só agora conhecemos o alcance da violência racial que tem vindo a acontecer, bem como as suas raízes e efeitos sistémicos. Só recentemente, enquanto sociedade mais alargada, nos foram fornecidos os instrumentos e a linguagem para apontar e abordar o racismo. Como disse anteriormente, a violência é mais antiga do que todos nós".

Cara a cara

19.11.2020 | por Osei Bonsu e Zanele Muholi

Investir numa Paz Feminista

Investir numa Paz Feminista A 23 de Março, no início da pandemia, o Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres apelou a um cessar-fogo global, a fim de permitir aos países concentrarem-se na crise da COVID-19 e permitir que as organizações humanitárias cheguem às populações vulneráveis. Mais de 100 organizações de mulheres do Iraque, Líbia, Palestina, Síria e Iémen juntaram-se rapidamente ao apelo com uma declaração conjunta que defendia uma ampla trégua COVID-19, que poderia constituir a base para uma paz duradoura. Não deve ser surpresa que as mulheres tenham sido das primeiras a apoiar o apelo a um cessar-fogo.

Jogos Sem Fronteiras

18.11.2020 | por Phumzile Mlambo-Ngcuka

"É do chinês"

"É do chinês" Ao longo da história da sinologia portuguesa colonial, os sinólogos portugueses e macaenses parecem ter sido motivados pelo seu amor e pela sua curiosidade em relação ao que os rodeava e ter construído o seu saber sobre a China através dos arredores imediatos em Macau. Foi deste amor e desta curiosidade que nasceu uma rede de documentos testemunhos da cultura popular cantonense da época – que os portugueses designavam por “cultura chinesa”.

A ler

18.11.2020 | por Cheong Kin Man e Mathilde Denison Cheong

A solidariedade como democracia radical e não-oficial (parte 2)

A solidariedade como democracia radical e não-oficial (parte 2) O que me chocou, no início da pandemia, foi o quanto o debate se focou na desresponsabilização do ser humano. Ali, no sudeste asiático, são sociedades totalitárias e conformistas, usam máscara de qualquer maneira. Esse discurso é de divisão e este paralelo entre a migração se deixar explicar como algo vindo de fora e o vírus como algo apenas biológico e não político. A divisão nasce da ilusão de que na Europa do norte fomos atingidos e, como tal, não só não reconhecemos a causa destes problemas como também caímos nos nossos nacionalismos para resolver este problema, não para o mundo mas para nós.

Jogos Sem Fronteiras

18.11.2020 | por Gisela Casimiro

Filmes sobre cultura negra em Porto/Post/Doc

Filmes sobre cultura negra em Porto/Post/Doc O Porto/Post/Doc: Film & Media Festival é um festival de cinema do real. Na edição de 2020, o festival apresenta, pela primeira vez, a programação em formato VoD (Video on Demand), promovendo um encontro seguro entre o público e os realizadores para além fronteiras. O evento físico terá lugar entre 20 e 29 de Novembro, nos espaços habituais: Teatro Municipal do Porto - Rivoli, Cinema Passos Manuel, Planetário do Porto, Escola das Artes - UCP e Casa Comum - Reitoria da Universidade do Porto.

Afroscreen

17.11.2020 | por Porto Post Doc

Amadú Bailo Djaló, Antigo combatente africano das forças armadas portuguesas: uma homenagem

Amadú Bailo Djaló, Antigo combatente africano das forças armadas portuguesas: uma homenagem Amadú Bailo Djaló é, até à data, o único antigo combatente africano das Forças Armadas Portuguesas (FAP) que publicou um livro sobre a sua experiência na Guerra Colonial portuguesa. Amadú tinha 70 anos quando o seu livro Guineense, Comando Português (1964-1974) foi publicado pela Associação de Comandos, em 2010. Este livro foi escrito a partir de um dos seus diários. Tinha, pelo menos, mais dois que desejava poder publicar um dia.

A ler

16.11.2020 | por Fátima da Cruz Rodrigues

A solidariedade como democracia radical e não-oficial (parte 1)

A solidariedade como democracia radical e não-oficial (parte 1) Devemos constatar que a selecção das vidas acontece e aconteceu já muito antes do hospital. Como é que a economia nacionalista se transforma num cuidado necropolitico na qual o gesto de curar pode ferir ou até matar? Estamos, de certo modo, isolados nas nossas vida privatizadas pela crise sanitária em que usamos o sentido da vida contra o outro. Quando os migrantes chegam à Europa, não é realmente pela primeira vez. Há algo que faz falta na melancolia racial que apagou o que constitui o estrangeiro aqui e lá porque fere a nossa nostalgia. Esta força que os migrantes têm de fugir dá uma nova força à coragem política e ao amor pela vida.

Jogos Sem Fronteiras

15.11.2020 | por Gisela Casimiro

"A terra é nossa, até morrer!": resistências contra a corrida do lítio em Portugal

"A terra é nossa, até morrer!": resistências contra a corrida do lítio em Portugal No seguimento da publicação da Estratégia Nacional para o Lítio, residentes nas zonas identificadas para concessão, e organizações em todo o país questionam os impactos desse plano de mineração em larga escala e quem realmente beneficiará dele, por oposição a um investimento na conservação e protecção de ecossistemas florestais e rurais. Face ao exaurimento de recursos naturais cada vez mais escassos, a exploração de minerais raros para a construção de baterias constitui um campo sensível para o equilíbrio dos ecossistemas e para o respeito dos Direitos Humanos.

Jogos Sem Fronteiras

14.11.2020 | por Oficina de Ecologia e Sociedade

'Cacheu Cuntum' Um filme de Welket Bungué

'Cacheu Cuntum'  Um filme de Welket Bungué 'Cacheu Cuntum' apresenta em imagem o que nem a distância, nem o tempo, nos permitiram até hoje compreender, acerca da percepção que o povo bissau-guineense tem sobre o seu passado. Falo de um passado velado por inúmeras falsidades geradas pela ocupação territorial no período da escravatura e colonial. Esse passado quer-se resgatar através da impressão e fixação de um renovado registo vivo, daquilo que é o cotidiano atual e “metaficional” daquilo que poderia ser a reminiscência dos que resistiram à opressão ao longo de 4 séculos de ocupação e exploração desumanas.

Afroscreen

13.11.2020 | por Welket Bungué

Terra Batida, de 15 a 27 novembro - Festival Alkantara

Terra Batida, de 15 a 27 novembro - Festival Alkantara Terra Batida é uma rede de pessoas, práticas e saberes em disputa com formas de violência ecológica e políticas de abandono iniciada por Marta Lança e Rita Natálio. O conhecimento singular e local de conflitos socioambientais, aliado à ação em rede, convocam resistência aos abusos extrativos e também pedem cuidado: para especular e fabular, para construir visões e vivências sensoriais entre mundos exauridos e exaustos. Em 2020, Terra Batida enreda intervenientes das áreas da dança, cinema, performance e artes visuais com cientistas, cooperativas e ativistas com residências nas regiões de Ourique, Castro Verde, Montemor-o-Novo, Aveiro, Ílhavo e Gafanha da Nazaré.

Vou lá visitar

13.11.2020 | por vários

XII Festival Internacional de Cinema Africano da Argentina

XII Festival Internacional de Cinema Africano da Argentina Uma nova edição do Festival Internacional de Cinema Africano da Argentina chega totalmente online e gratuita. Esta versão permite-nos mais dias, mais filmes e abrange todo o território argentino. A Exposição Espelhos e Miragens estará disponível exclusivamente na Plataforma OctubreTv. Esta nova modalidade também abre um grande desafio: atingir novos públicos em mais cidades do país. Haverá 10 dias para ver mais de 30 filmes de 20 países diferentes. 32 filmes entre curtas, médias e longas metragens de diferentes géneros: ficção, cinema documental e experimental, organizados em 5 secções de modo a que cada espectador possa escolher o seu próprio percurso.

Afroscreen

13.11.2020 | por OctubreTv