Política do abandono e desobediência radical

Política do abandono e desobediência radical O trabalho das feministas negras tem sido essencial para desvelar a fundação racial da reprodução social da limpeza e dos cuidados. Na era actual, que vê uma nova política racial da limpeza produzida pela ansiedade gerada em torno daquilo a que os meios de comunicação chamam crise climática, as sociedades humanas não poderão sobreviver sem esse trabalho de limpeza e de cuidado.

Corpo

19.03.2020 | por Françoise Vergès

Utopia: o futuro inscrito no presente

Utopia: o futuro inscrito no presente Para Bifo, existem muitos futuros contidos no presente, a Futurabilidade, poderá refletir-se no horizonte sob duas formas: uma é o simples desenrolar das tendências que operam no presente, o futuro provável (a distopia) que é assustador, outra é o futuro possível (utopia) que está inscrito no presente, sendo este plural e indeterminado, estando igualmente contido “fora da esfera da imaginação utópica, mas que somos incapazes de distinguir, de fazer emergir do nevoeiro e dos miasmas da condição actual”.

Mukanda

18.03.2020 | por Lana Almeida

"Toda a terra tem um nome, é preciso anunciá-lo", entrevista a Welket Bungué

"Toda a terra tem um nome, é preciso anunciá-lo", entrevista a Welket Bungué Se a imagem é potência, uma vez que fixa e revoluciona pela multiplicidade de interpretações que inocula do sentimento humano, já a palavra irá fixar problematizando, porque está veiculada a uma ideia de linguagem de dominação e de autoridade – isto é, porque só escreve e fala quem é soberano no sentido da legitimação social-política.

Afroscreen

17.03.2020 | por Marta Lança e Welket Bungué

Uma política das lutas em tempos de pandemia

Uma política das lutas em tempos de pandemia Proponho olhar para a pandemia enfatizando os espaços que se abrem para movimentos, lutas sociais em curso e para a própria esquerda. Não subestimo a questão do controlo, a expansão dos poderes do Estado e a posterior promoção de uma política do medo. Isto está claramente presente no cenário atual. Mas como invertê-lo? Comecemos pela “cura” do comum, para reverter o atual rumo do “laboratório italiano”, e colhamos, na situação atual, as oportunidades para generalizar uma política de lutas em tempo de pandemia.

Jogos Sem Fronteiras

16.03.2020 | por Sandro Mezzadra

Fazer parte da imagem

Fazer parte da imagem Às vezes, é preciso um momento ou um episódio catalítico para pôr em relevo de modo articulado uma série de pensamentos e ideias, um pouco como quando olhamos para as estrelas uma a uma por um longo período de tempo; apreciamo-las no seu carácter único e, no entanto, não reparamos na constelação que elas formam em conjunto; depois, uma rápida modificação da nossa posição permite-nos uma perspetiva diferente e as conexões vêm à luz.

A ler

14.03.2020 | por Federica Angelucci

Poéticas africanas de língua portuguesa: língua, engajamento e resistência

Poéticas africanas de língua portuguesa: língua, engajamento e resistência Odete Semedo e Eneida Nelly deixam seu legado propondo obras escritas em crioulo, revelando as suas vivências e exaltando a terra natal. Fazem emergir um olhar sobre dois países africanos pouco estudados no Brasil, buscando apresentar um apanhado da complexa rede de relações que compõe a literatura, a língua e a cultura de ambos os países e abrindo uma nova possibilidade de inscrição no cânone através de autoras que fazem da afirmação da língua materna sua bandeira.

A ler

13.03.2020 | por Claudia Moraes

Gestos solenes na poeira do terreiro, o tchiloli em São Tomé e Príncipe

Gestos solenes na poeira do terreiro, o tchiloli em São Tomé e Príncipe Nas ilhas atravessadas pelo Equador gerou-se um dos mais curiosos fenómenos performativos de imaginário popular no qual o encontro de culturas - por violências da história -, e a transformadora crioulização, deu origem a um surpreendente teatro tradicional, etno-teatro, cerimónia que combina música, movimento e um texto do século XVI.

Palcos

13.03.2020 | por Marta Lança

Os versos de Cardenal

Os versos de Cardenal A confusão instalou-se. Estalou o copo na mão de Cardenal, verteu-se o rum no cetim do féretro aos solavancos na fuga em ombros pela catedral, antes de ser cinza. E ouviu-se então, num exercício de imaginação, o último grito contrapoder do rebelde num verso-único: "Tu não mereces sequer um epigrama."

A ler

10.03.2020 | por Pedro Cardoso

Visita à Setúbal Negra (séc. XV-XVIII): Desocultar a história local através da educação não-formal

Visita à Setúbal Negra (séc. XV-XVIII): Desocultar a história local através da educação não-formal O presente artigo dá conta de um roteiro sobre a presença negra em Setúbal, nos séculos XV a XVIII, concebido enquanto “aula-passeio”, espaço de educação não formal sobre o colonialismo português. Pretende-se suscitar o rompimento com a narrativa lusotropicalista, entender a escravatura como um sistema complexo e parte de conflitos geopolíticos globais e conduzir os participantes na “descoberta” de como os outros estão, afinal, em nós.

Cidade

10.03.2020 | por Ana Alcântara, Carlos Cruz e Cristina Roldão

A ausência: o material da memória

A ausência: o material da memória A ausência presentifica-se e a obra funciona como um elemento performativo de memória que retém o que, de outro modo, não se fixaria e se perderia. Nada de melhor para mostrar que a arte da memória, no modo como Boltanski a pensa e constrói, é memória, por si só. Conhecer o seu funcionamento é preservá-la do apagamento. Eis a lição que Christian Boltanski nos reserva em todos os recantos de uma obra imensa. E que, literalmente, faz o tempo.

A ler

07.03.2020 | por Roberto Vecchi

Inquietude no Luisiana

Inquietude no Luisiana Acrescentaria que podemos encontrar um paralelismo entre a lógica universalista da geologia, o plano de gestão (ou falta dele) de descargas tóxicas e o racional supremacista por trás das estratégias de recuperação costeira, que estão a ser elaboradas à porta fechada em maquetes que fazem lembrar um centro de comandos de guerra, lembrando-nos sem reservas que vivemos na época da militarização da água.

Jogos Sem Fronteiras

06.03.2020 | por Margarida Mendes

A câmara e a nação: a criação de um país nos filmes de ruy duarte de carvalho

A câmara e a nação: a criação de um país nos filmes de ruy duarte de carvalho É essencial que o intelectual – neste caso, o realizador – esteja consciente do seu papel, do seu lugar, das suas ideologias e pontos de vista, uma vez que sendo ele o mediador, os que por ele são representados estão sempre vulneráveis a uma possível agenda do realizador. Só assim conseguirá estabelecer uma delicada zona de compromisso.

Ruy Duarte de Carvalho

04.03.2020 | por Inês Cordeiro Dias

Seeing Being Seen: territórios, fronteiras, circulações

Seeing Being Seen: territórios, fronteiras, circulações Nestes filmes de cineastas latino-americanas o tratamento das noções dinâmicas de “território” e de “fronteira” — e do princípio de circulação subjacente — assenta num sistema de mobilidade e de retroação do olhar. Esse sistema põe em xeque a relação dual e hierárquica entre as categorias de observador/observado, sujeito/objecto, humano/não-humano que estrutura o modelo epistémico e representativo dominante.

Afroscreen

04.03.2020 | por Raquel Schefer

Apesar de você

Apesar de você A partir destas duas paisagens vividas de um Brasil que exclui da cidadania grande maioria da sua população, Geovani Martins e Ailton Krenak colocam todas as perguntas sobre a possibilidade de um outro Brasil que se aguarda. Um Brasil em que, na era dos computadores, um jovem favelado como ele não tenha mais de escrever um livro como este numa máquina de escrever que a mãe comprou numa feira de velharias. Mas este gesto – tal como o de Ailton Krenak, em 1987, na Assembleia Constituinte – revela-nos uma energia imparável, e a confiança que dela recebemos permite-nos acreditar na “comunidade que vem”, “apesar de você”, apesar de tudo.

A ler

04.03.2020 | por Margarida Calafate Ribeiro

Bacurau — a propósito de sangue, mapas e museus

Bacurau — a propósito de sangue, mapas e museus É preciso salvaguardar uma possibilidade de futuro — essa poderia ser uma outra definição para bacuralizar, ou uma outra forma de descrever a atitude museológica que coloco como urgente. É preciso habitar Bacurau, aliar-se aos que caíram (João Pedro, Marielle) e aos que resistiram (Elizabeth Teixeira, camponeses, Eduardo Coutinho, Cabra marcado para morrer), convocar outros filmes e outras lutas para conjurar futuros. Como o pássaro-escriva-anjo-museólogo, é preciso convocar os mortos e caídos a esse cortejo fúnebre para, com eles, ir de encontro ao porvir. Esse cortejo não é mais que um museu. É possível que falhemos. Mas eles também falharam.

Afroscreen

04.03.2020 | por Patrícia Mourão

Lugares de memória Irlanda do norte

Lugares de memória Irlanda do norte Belfast, março de 2015. O muro, sem ser contínuo, apresenta cerca de 34 km (em 2017). A maior parte das suas passagens ou portas encerram às 19h. A visita guiada, feita num cab, às memórias dos Troubles, encerrados pelo acordo da Sexta-feira Santa em 1998, conduz-nos aos murais nos bairros independentistas, republicanos e maioritariamente católicos, e nos bairros unionistas e maioritariamente protestantes. Visitámos ainda memoriais a vítimas nos lugares onde estas tombaram, civis católicas queimadas nas suas casas e membros do Sinn Fein, assassinadas por forças paramilitares pró-britânicas.

Vou lá visitar

01.03.2020 | por Josina Almeida

Reinata Sadimba

Reinata Sadimba Reinata Sadimba, artista do povo, artista popular, artista tradicional, artista de elite, artista que se situa entre uma e outra categoria, artista sincrética, onde cabe a individualidade, a novidade e a vitalidade de Reinata? São precisas estas categorias para apreender as qualidades das formas expressivas do seu trabalho? Como interpretar a liberdade de que goza o trabalho de Reinata, a forma como combina diversos elementos culturais, do mundo rural e da cidade, ou dá resposta às profundas transformações sociais?

Cara a cara

27.02.2020 | por Alda Costa

Os perdidos: angolanos ilegais a caminho dos Estados Unidos

Os perdidos: angolanos ilegais a caminho dos Estados Unidos Por terra ou por mar, os angolanos Luzia, Ana e João chegaram ao Panamá. Avançam agora a pé pelo “Tampão do Darién”, selva perigosa e mortífera, a caminho dos Estados Unidos e Canadá. Os corpos de africanos que não aguentaram a viagem afundam-se nos pântanos. Os ladrões, narcotraficantes e violadores escondem-se na vegetação impenetrável. Neste “inferno na terra”, Luzia esperou a morte.

Jogos Sem Fronteiras

26.02.2020 | por Pedro Cardoso

A Lezíria do Tejo: o lugar das memórias, lutas e (des)encontros

A Lezíria do Tejo: o lugar das memórias, lutas e (des)encontros Para uma pessoa urbana, pode ser surpreendente a aparente negligência e o grau de poluição em áreas onde os impactos dessa contaminação não derivam somente da presença das empresas, mas também dos impactos de políticas e ações que promoveram a exploração intensiva da água e dos solos para monoculturas de arroz e tomate e criação intensiva de suínos. Para os habitantes da região, os impactos vão além dos aparentes, pois as paisagens estão diretamente enraizadas nas memórias daquelas pessoas que nasceram ali, aprenderam a nadar em trechos de água onde agora seria impossível.

A ler

24.02.2020 | por Oficina de Ecologia e Sociedade

"Como um gesto de força”, conversa com Catarina Botelho e Sandra Vieira Jürgens

"Como um gesto de força”, conversa com Catarina Botelho e Sandra Vieira Jürgens Barcelona e Lisboa parecem-me paradigmas de um sistema neoliberal que explora de forma intensiva espaços e tempos. Parece-me que a crescente densificação que Lisboa está a sofrer é um sintoma disso. Zonas anteriormente sem função definida parecidas com aquelas que fotografei, estão a ser urbanizadas a velocidades antes impensáveis, os passeios ocupados por esplanadas, quiosques... O espaço é rentabilizado de forma intensiva e claro, o centro é o lugar mais saturado.

Cara a cara

22.02.2020 | por Hugo Dinis