Badio Branku de Djam Neguin

Badio Branku de Djam Neguin Djam Neguin, artista caboverdiano multifacetado provocativo e irreverente, brinda-nos e surpreende com nova composição. “Badio Branku” como título, manifesta uma capacidade sintética de todo um conteúdo e narrativas contemporâneas daquilo que enfrentamos nas nossas sociedades, sedentas de africanidade como processo emancipatório. Djam canta a um “espelho invertido”, uma máscara de quem não se quer ver. E sobretudo acusar-se. O existencialismo fala-nos do fardo que é a nossa própria liberdade, na simetria de uma responsabilidade que nem sempre é assumida na mesma medida. Amílcar Cabral falou disso, quando projetou e defendeu a criação do “homem novo”, que pensasse pela sua “própria cabeça”. Um ser livre. Um homem que se pode dar ao luxo de se ver e de ser visto, humanamente, sem “lágrimas de cor”.

Palcos

07.06.2022 | por Valdevino Santos Bronze

Cenas do Gueto I Muro de Berlim

Cenas do Gueto I Muro de Berlim Embora invisível, há um “muro” a separar a Quinta do Mocho da cidade à sua volta. Empurrados para bairros precarizados e segregados, as populações imigrantes e/ou afrodescendentes são guetizadas por políticas públicas promotoras da marginalização social. É o que explica o Sr. Vítor sobre a construção da Quinta do Mocho: “já havia a ideia de se construir um gueto”.

Afroscreen

07.06.2022 | por Otávio Raposo

Amazónia: Os caminhos abertos pelas palavras do xamã yanomami, Davi Kopenawa.

Amazónia: Os caminhos abertos pelas palavras do xamã yanomami, Davi Kopenawa. As palavras do líder e porta-voz do povo indígena Yanomami, Davi Kopenawa Yanomami, são amazónicas; estão no livro A Queda do Céu, estão nos filmes em que participou, acompanham a exposição retrospetiva da fotógrafa Claudia Andujar, estão nos meios de comunicação social e nas redes sociais. São palavras que transmitem um conhecimento profundo dos mitos ancestrais e de como estes podem atuar na contemporaneidade; são advertências e denúncias, que se transformam em manifesto e, por vezes, em profecia. Kopenawa dirige-as ao povo da mercadoria, mas não são para trocar por estas, sugerem uma inversão de sentido no pensamento dos não-indígenas em direção à Natureza e à Amazónia, em particular.

Afroscreen

06.06.2022 | por Anabela Roque

Moradores da rua: vulnerabilidade social e a insistência de vida

Moradores da rua: vulnerabilidade social e a insistência de vida Em resumo, os moradores de rua localizam-se territorialmente, sobretudo, através do seu corpo. Por um lado, suportam as mazelas físicas e morais impressas pelas interdições à sua presença, sofrem uma tensão latente que encurva e amarra seus movimentos, comprimem os corpos de maneira a caber nos interstícios e espaços ociosos dos quais se apropriam. Por outro, desviam-se dos obstáculos, moldam técnicas corporais de sobrevivência, demarcam lugares de intimidade, arranjam maneiras de saciar suas necessidades corporais, tornam-se miméticos do espaço acomodando a sua presença à paisagem urbana, criam visibilidades desnorteantes quando necessitam se fazer notar. Essa corporalidade pressupõe resistência à sua eliminação. E se não existe tenacidade possível na manutenção de uma propriedade material, há na forma de preservar sua existência material e simbólica. A subjetividade garantindo o corpo vivo.

Cidade

05.06.2022 | por Simone Frangella

PARTE para levar a Arte de Portugal ao Mundo

PARTE para levar a Arte de Portugal ao Mundo PARTE Portugal Art Encounters é um programa anual e de continuidade que apoia a internacionalização do sistema da Arte Contemporânea em Portugal, reforçando a relação com o Turismo para afirmar o nosso País como um destino de referência no circuito artístico. O programa concretiza-se em dois circuitos consecutivos, designados PARTE Circuits, que culminam com a realização do seminário internacional PARTE Summit e o lançamento da publicação-roteiro PARTE Book. Cada circuito tem a duração de uma semana e acolhe um grupo de sete convidados: seis curadores, diretores de museus, bienais e outros grandes eventos de arte; e um crítico ou jornalista da imprensa especializada. A cada ano contam com a curadoria de anfitriões convidados pela organização e percorrem locais nas cinco regiões do território continental, com perspetivas de futuramente incluir os territórios insulares.

Vou lá visitar

05.06.2022 | por vários

6ª Edição do "Chá de Beleza Afro" | Entrevista a Neusa Sousa

6ª Edição do "Chá de Beleza Afro" | Entrevista a Neusa Sousa Sabemos que vivemos numa sociedade estruturalmente racista, com escassa representatividade da mulher negra nos vários setores importantes e relevantes da sociedade. Cada vez mais é notória a invisibilidade que a mulher negra sofre na sociedade. A mulher negra é o pilar da sociedade, pois é ela que limpa as cidades, no entanto, são marginalizadas ao nível da empregabilidade, de tratamento em setores públicos, de valorização e ascenção profissional, entre outros. Então, tornar o "Chá de Beleza Afro" um dos maiores eventos de afroempreendedorismo e networking feminino de Portugal, vai não só mostrar às mulheres negras e racializadas, que elas têm um lugar de referência onde podem discutir as suas problemáticas, mas acima de tudo, um ambiente seguro onde podem promover os seus negócios, promover-se a si. Pretendemos que seja uma espécie de Websummit de mulheres negras.

Cara a cara

03.06.2022 | por Alícia Gaspar

Fazer mundos: do tempo que passamos juntos

 Fazer mundos: do tempo que passamos juntos É contra este desligamento, contra esta hierarquia da teoria sobre a praxis, por exemplo, que este livro opera. Não digo a que este livro se refere, digo “que este livro opera” porque, sentindo-se o que nos é informado numa nota na página final desta publicação, que se trata aqui de textos que derivam de publicações anteriores em artigos ou ensaios de jornal, sente-se também um pensamento que é feito acompanhando e entrelaçando-se, com a contingência, com as circunstâncias históricas atuais e com a práxis da vida quotidiana. É também de questões que reverberam diretamente dos dias que estamos a viver que este livro emerge, interpelando o nosso modo de os habitar.

A ler

31.05.2022 | por Liliana Coutinho

Um Marquês de Pombal mestiço

Um Marquês de Pombal mestiço Uma figura está de boca aberta, em posição de espanto e outra, com medo; no centro, o Marquês de Pombal, com a sua inconfundível cabeleira, estende a mão num sinal de confiança, talvez até de futuro. Uma imagem é para ser olhada várias vezes, pelo menos uma imagem no seu sentido mais nobre de valer mil palavras e, olhando com mais atenção, percebemos que o rosto branco do Marquês de Pombal, com a pesada maquilhagem de época, é afinal um rosto negro.

Palcos

30.05.2022 | por Susana Moreira Marques

ReMapping. Descolonizar Lisboa e recuperar a memória dos esquecidos no mapa da cidade

ReMapping. Descolonizar Lisboa e recuperar a memória dos esquecidos no mapa da cidade O remapeamento das memórias de Lisboa e Hamburgo foi o objetivo do ReMapping Memories Lisboa – Hamburg: Lugares de Memória (Pós)Coloniais, do Goethe-Institut Portugal. Susanne Sporrer, diretora do instituto, e Marta Lança, coordenadora do projeto, explicam a importância de descolonizar a cidade e fazem o balanço destes dois anos que se assinalam a 28 de maio, com uma festa que é para continuar.

Cidade

27.05.2022 | por Catarina Pires

O Património Cultural Imóvel na Cidade de Lisboa

O Património Cultural Imóvel na Cidade de Lisboa O presente estudo, tem como objetivo esclarecer acerca da importância do património cultural imóvel, visando proporcionar um enquadramento cultural e histórico do mesmo, e simultaneamente a recolha de informação sobre a função que desempenha, averiguando qual o contributo gerado para a dinamização na cidade de Lisboa. Considerando que património cultural imóvel e cultura estão intimamente próximos e que sem a noção de cultura não existiria a noção de preservação do património, a pertinência deste trabalho reside, entre outras, na hipótese de fornecer elementos que permitam compreender as inúmeras interligações existentes, e sem as quais não seria possível experienciar e usufruir do património nos moldes em que atualmente o fazemos. Analisa-se esta interligação com o espaço público, partindo de uma definição de cultura e oferece-se uma caracterização abrangente.

Cidade

26.05.2022 | por Alícia Gaspar

Hugo Canoilas, um artista luminoso que gosta das sombras

Hugo Canoilas, um artista luminoso que gosta das sombras Aos intrusos visitantes é pedido atenção e tempo. Para ouvir a história. Para sentir a vida que nos atravessa mas também nos transcende. Para compreender o lugar mais certo das coisas, como o próprio Hugo Canoilas faz com os seus materiais, muitos deles recolhidos em praias, no campo ou no estaleiro abandonado da obra inacabada. Sofrem a intempérie e o abandono, até conseguirem dizer o lugar de habitação. Essa espera não garante a escolha certa mas cria o espaço de receção da obra de arte e inicia um processo regrado, contido, que estabeleceu o compromisso da não violência, do diálogo produtivo e da mobilização dos sentidos para paisagens mais invisíveis.

Vou lá visitar

25.05.2022 | por Carla Baptista

Bienal Anozero em Coimbra – a arte contemporânea que muda a cidade conservadora

Bienal Anozero em Coimbra – a arte contemporânea que muda a cidade conservadora Já se escreveu que é a Bienal mais feminista de sempre, pela presença maioritária de artistas mulheres, mas sobretudo pelos temas convocados: fortalecer as contra narrativas ao discurso neocolonial (predatório, racista, discriminatório), intensificar as metodologias colaborativas e a exploração criativa das relações simbióticas e fazer da arte uma ferramenta de emancipação e um recurso central para pensar e agir no mundo. Nada disto é radicalmente novo na história da Bienal que sempre se foi trilhando na abertura ao Outro (lado) das coisas e da própria cidade, mas talvez o caminho esteja mais sinalizado.

Vou lá visitar

24.05.2022 | por Carla Baptista

A literatura, uma arte triunfal. Entrevista a Lídia Jorge

A literatura, uma arte triunfal. Entrevista a Lídia Jorge Enquanto escritora sinto-me uma construtora da vida marginal, ou mais propriamente uma espécie de testemunha do tempo que passa. No plano da mudança social, o facto de nos termos integrado na Europa, depois da Revolução, colocou em estado de stress um país que mantinha demasiados traços arcaicos, e o percurso rápido que precisou de fazer pôs em evidência conflitos profundos da sociedade portuguesa. Foi necessário um esforço estoico por parte da população. Em situações desse tipo, as questões ontológicas colocam-se com grande agudeza. Faço parte do grupo dos escritores que tornaram essa mudança social e histórica literariamente visível, mas a partir do palco interior das personagens, a partir de uma olhar individual transfigurado.

Cara a cara

20.05.2022 | por Margara Russotto e Patrícia Martinho Ferreira

TEM GRAÇA – Festival Internacional de Mulheres Palhaças | Entrevista a Susana Cecílio

TEM GRAÇA – Festival Internacional de Mulheres Palhaças | Entrevista a Susana Cecílio O clown faz parte do nosso ADN. Todas temos formação como palhaças, somos todas palhaças. Mas somos palhaças por loucura, investigamos uma comicidade a partir da nossa própria biografia, da exposição ridícula e escancarada dos problemas que todos imaginamos nas nossas cabeças e a comicidade parte daí. É um trabalho de proximidade, muito mais ligado à comunidade. É um trabalho de utilização de espaços não tão evidentes para apresentações performáticas, como um jardim, um lavadouro, lugares que são património da freguesia. Chamamos os públicos, os vizinhos, as associações, para participarem e para serem público. A narração oral tem esta proximidade, porque é um trabalho sem quarta parede, de olhos nos olhos, de tentar que o público seja testemunha daquilo que está a acontecer, um aqui e agora.

Palcos

20.05.2022 | por Levina Valentim

Cenas do Gueto I Barril de Pólvora

Cenas do Gueto I Barril de Pólvora A história do Sr. Vítor encontra muitos paralelos com a de outros imigrantes, marcada pelo trabalho nas obras, as dificuldades em continuar os estudos e a habitação precária. A história da Quinta Mocho, onde vive o Sr. Vítor, tem muitas semelhanças com a de outros “bairros sociais” da periferia de Lisboa. O modelo de realojamento ali adotado não incorporou a opinião dos moradores e acabou por reproduzir as lógicas de silenciamento, imposição e exclusão entre aqueles que vivem em regime de subalternidade urbana.

Afroscreen

18.05.2022 | por Otávio Raposo

Pré-publicação | Siríaco e Mister Charles

Pré-publicação | Siríaco e Mister Charles Chamar-te-ei Siríaco, velho, que foi o teu nome próprio de baptismo, bem antes de as trevas e o lume brando dos dias fazerem de ti menino-onça ou negro «pigarço», e de eu poder, aqui e agora, escrever a tua história — a vida extraordinária do homem coberto pelo manto do espanto e do mistério. E nesta noite, de vento e de forte maresia, a pergunta que te assola, nesse canto da taverna, tem a forma de uma espada sobre a tua cabeça: terá sido essa tragédia, que levou Aurélia tão cedo, um castigo por não teres seguido viagem e acompanhado a família real para o Brasil?

A ler

18.05.2022 | por Joaquim Arena

Companhia de Dança Contemporânea de Angola | Temporada 2022

Companhia de Dança Contemporânea de Angola | Temporada 2022 Na sua Temporada de 2022, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola apresenta ISTO É UMA MULHER?, uma criação conjunta de Ana Clara Guerra Marques e da coreógrafa Irène Tassembédo do Burkina Faso. Esta peça convoca o público à descoberta, desafiando-o a confrontar-se consigo próprio e a envolver-se num universo onde, em cada pergunta e em cada resposta, existe uma probabilidade de razão. Não se pretendem apresentar soluções, muito menos se tenciona homenagear, exaltar, mostrar compaixão ou assumir qualquer lugar comum, pretendendo-se apenas integrar a construção de um lugar humanizado e evoluído onde ser Mulher já não cabe nos paradigmas do passado.

Palcos

16.05.2022 | por vários, Ana Clara Guerra Marques e Irène Tassembédo

Sonhar acordada - prefácio de Tiago Rodrigues a "O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais?" de Maria Vlachou

Sonhar acordada - prefácio de Tiago Rodrigues a "O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais?" de Maria Vlachou É aquilo a que a autora chama “cuidar do desconforto”, quando defende que as organizações culturais, sejam museus ou teatros, devem ser “o espaço para encontrar o outro” e também o lugar onde as pessoas se sintam à vontade com as nuances e a complexidade. Quando vivemos em sociedades onde cada vez mais caminhamos para um conforto solitário e mediado por um mundo digital onde podemos cancelar a alteridade, Maria Vlachou propõe uma ideia dos espaços culturais como o lugar onde podemos aprender a sentir-nos confortáveis com o desconforto. Este paradoxo poético e político é todo um programa de serviço público de Cultura que este livro esboça e que qualquer pessoa atenta às questões culturais deve descobrir.

A ler

15.05.2022 | por Tiago Rodrigues

Cenas do Gueto I Street art tour

Cenas do Gueto I Street art tour Durante os tours de street art o enfoque nas obras artísticas vai para “segundo plano” diante da curiosidade dos turistas pelo quotidiano multicultural da Quinta do Mocho. Nesse processo, o guia Kally promove uma “curadoria informal”, articulando em suas falas representações alternativas sobre o bairro com elementos estéticos que não raramente dialogam com o sonho de uma sociedade mais justa.

Afroscreen

12.05.2022 | por Otávio Raposo

Outros Céus fechados de Lisboa

Outros Céus fechados de Lisboa Outros Céus Fechados de Lisboa aparece como inquietação perante as distopias urbanas, apoiadas pela financeirização que evidentemente tem os espaços abandonados como ativos económicos permanentes, bastante distante de quaisquer alternativa que visa prolongar os direitos à cidade e à habitação, como meios inadiáveis na construção do Estado Social.

Cidade

11.05.2022 | por Lubanzadyo Mpemba Bula