Blues para Emmett Till

Blues para Emmett Till O choque gerado pelo crime hediondo não se ficou a dever, todavia, à morte de um rapazinho negro no Mississípi, acontecimento não tão raro assim, nem sequer à comoção suscitada pelo desfecho judicial deste caso, expectável por aquelas bandas, sobretudo naquela época. O que mais emocionou a América foi, isso sim, o facto de não ter podido evitar confrontar-se com uma visão arrepiante e brutal, a visão do cadáver de uma criança, horrivelmente desfigurado, exposto perante todos.

A ler

16.06.2021 | por António Araújo

A transmissão das danças da diáspora africana

A transmissão das danças da diáspora africana É preciso defender o património cultural e reconhecimento a todos os agentes culturais espalhados pela diáspora que fazem o trabalho de documentar e de promover o nome de Angola num espaço global e digital enquanto, ironicamente, em Angola e em Portugal, as danças “sociais” da diáspora africana ainda são vistas como algo apenas recreativo, com baixo teor artístico, e não algo que possa ser valorizado, documentado ou apoiado financeiramente.

Palcos

15.06.2021 | por Iris de Brito

Já são conhecidos os vencedores do Arquiteturas Film Festival

Já são conhecidos os vencedores do Arquiteturas Film Festival De 1 a 6 de junho, no Cinema São Jorge, em Lisboa, o Arquiteturas Film Festival reafirmou a importância de uma plataforma para a disseminação da cultura arquitetónica. Celebrou também o cinema produzido em Angola, país convidado. Para além do programa de filmes, o tema do festival foi explorado através de exposições e de um ciclo de debates abordando questões culturais, territoriais e sócio-económicas próximas da comunidade angolana e afrodescendente em Lisboa.

Afroscreen

09.06.2021 | por vários

Cafés e cinemas da Almirante Reis que contam uma história da resistência

Cafés e cinemas da Almirante Reis que contam uma história da resistência A Liberdade pode ser a avenida-símbolo do 25 de Abril, mas outras vias de Lisboa também tiveram papel importante de resistência nos anos sombrios. A Almirante Reis tem algo a dizer sobre o assunto: sobre os seus teatros, cafés e cinemas que foram refúgios de ativistas, intelectuais e artistas, reunidos em volta de uma chávena a conspirar e, principalmente, a sonhar com outros melhores dias, livres dos tons de cinza do Estado Novo.

Cidade

08.06.2021 | por Álvaro Filho

Nós por lá. Notas de Lisboa sobre postais

Nós por lá. Notas de Lisboa sobre postais “Nós por cá, todos bem” é a expressão que ficou da correspondência dos anos 60 e 70. O que é mais interessante nesta expressão não é o “todos bem”, que era o que era sempre apropriado dizer, nem o “cá”, que remete para uma metrópole a comunicar com terras distantes, tão apaixonantes quanto ameaçadoras, mas o “nós”. O que é que significa que o “nós” fosse o pronome que fica desse tempo?

Cidade

08.06.2021 | por Susana Moreira Marques

Ka Ta Kusta Nada: oficina hip-hop Xalabas e a indigenização do rap

Ka Ta Kusta Nada: oficina hip-hop Xalabas e a indigenização do rap O rap é hoje uma das expressões culturais e juvenis mais poderosas em África, por onde as velhas identidades africanas têm sido desconstruídas e reconstruídas, consolidando-se na voz de mudança e representação de um futuro de esperança. Charry afirma que o rap surgido em África na segunda metade dos anos de 1980, não veio de nenhuma tradição africana, mas de uma imitação direta do rap norte-americano. A sua indigenização deu-se efetivamente apenas na terceira geração dos rappers africanos, através de uma conexão orgânica com as tradições locais.

Palcos

04.06.2021 | por Redy Wilson Lima

Uma piscina vazia de corpos cheios

Uma piscina vazia de corpos cheios Este documentário valoriza os dançarinos enquanto pessoas e profissionais e reconhece-lhes o devido valor, e das coreógrafas e toda a equipa, enfatizando as dificuldades pelas quais passam para que o seu trabalho seja reconhecido e os esforços que fazem para continuarem a trabalhar na sua paixão. É também um alerta e uma crítica subliminar à falta de apoio aos artistas e ao não investimento no setor cultural.

Afroscreen

02.06.2021 | por Alícia Gaspar

Restituição e Reparação na identidade pós-conflito

Restituição e Reparação na identidade pós-conflito Com base em estudos de caso e debates, a Associação Cultural Mbenga, em conjunto com a Oficina de História (Moçambique), pretendem reintroduzir conceitos de "restituição" e "reparação" no contexto contemporâneo da nossa história. Observando como estes conceitos emergem hoje em dia na cultura literária e artística, bem como na nossa investigação jornalística e académica, será desenvolvido um conjunto de temas em diversos formatos, tais como webinars, exposições e filmes. Com o objectivo de depurar a importância destes conceitos para uma identidade pós-conflito em Moçambique.

Mukanda

02.06.2021 | por vários

O primeiro jornal da história do Brasil como testemunha das origens dos escravizados do Rio de Janeiro oitocentista

O primeiro jornal da história do Brasil como testemunha das origens dos escravizados do Rio de Janeiro oitocentista A chegada da Família Real portuguesa ao Rio de Janeiro, em março de 1808, provocou um grande impacto na cidade, capital da então colônia de Portugal. O efeito pode ser notado em diversos aspectos, sobretudo no que se refere ao aumento populacional da região e à expansão da importação de indivíduos escravizados. Impactado pela inédita transferência de uma Corte europeia para um território colonial e pelo decreto de abertura dos portos brasileiros às nações amigas, o Rio sofreu modificações marcantes.

Mukanda

01.06.2021 | por João Victor Pires

Humberto Maturana: “A democracia não é uma forma de governo, é uma forma de convivência e de nos respeitarmos a nós mesmos"

Humberto Maturana: “A democracia não é uma forma de governo, é uma forma de convivência e de nos respeitarmos a nós mesmos" A reflexão de Maturana trouxe-nos, entre outros, o conceito de autopoiésis (usado depois por tantos outros, entre eles G. Deleuze e A. Negri), para falar da autonomia dos sistemas vivos, que desenvolveu com o seu então estudante e colaborador, o neurobiólogo Francisco Varela; de acoplagem estrutural, para nos falar de relações entre sistemas autopoiéticos e o seu “nicho ecológico”. O seu trabalho contribuiu e contribui para quem age no campo da ecologia, da decolonialidade, da educação, da estrutura de organizações, biologia, entre outros. Vejo no reclamar da consciência do lugar da fala de cada um, o que ele dizia com frequência: “falo desde a…”, convidando-nos também a falar e a refletir a partir da legitimidade do lugar que ocupamos; não só a tomar como a ter consciência da nossa posição.

Cara a cara

31.05.2021 | por Liliana Coutinho

Grita Colômbia

Grita Colômbia A Colômbia está há 34 dias nas ruas, em protesto fogo-vivo contra um sistema político, económico e social decadente. A repressão das forças policiais matou até hoje 43 pessoas. Centenas desapareceram, milhares foram presas arbitrariamente. A luta contra a desigualdade e a pobreza continua, em estado de alerta. Operários, camponeses, indígenas, estudantes e uma classe média cada vez mais vulnerável gritam lado a lado. Dia após dia, a Colômbia exige um novo rumo.

A ler

31.05.2021 | por Pedro Cardoso

"Antônio & Piti", a ação e recriação de um amor amazónico

"Antônio & Piti", a ação e recriação de um amor amazónico Este tipo de elaboração é em grande parte viabilizada pelo trabalho desenvolvido no âmbito do projeto Vídeo nas Aldeias. A abrangência destas ações atua em vários sentidos: não só permite pensar o universo indígena através da sua auto-representação, como igualmente promove uma inversão do olhar que nos oferece a possibilidade de percebermos como, nós, brancos, somos vistos na perspetiva ameríndia. Coloca-nos ao espelho e mostra-nos o que muitas vezes evitamos ver.

Afroscreen

30.05.2021 | por Anabela Roque

As mulheres em Al Raqa reconstroem o seu futuro

As mulheres em Al Raqa reconstroem o seu futuro "Nunca imaginei participar numa administração para mulheres, ou trabalhar numa posição administrativa ou política, ou em qualquer outro campo, para além de ser uma dona de casa. Para ser honesta, isto é como um sonho que eu nem sequer conseguia imaginar ter", diz Maryam Ibrahim, cinquenta e seis anos.

Corpo

30.05.2021 | por Margherita Orsini

Cabo Delgado: "É preciso parar a guerra"

Cabo Delgado: "É preciso parar a guerra" Quando me falavam em genocídio, eu perguntava-lhes porque utilizavam essa palavra, já que não estavam a ser mortos. Uma senhora olhou para mim e perguntou-me se há pior morte do que estar vivo e não poder viver onde se quer. “Era melhor que nos dessem um tiro, porque aí não sofríamos tanto. As árvores onde eu ia fazer os meus ritos e as minhas orações estão lá. Os sítios onde enterrei as placentas quando os meus filhos nasceram ficaram ali. Os meus mortos, os meus ancestrais ficaram lá”, dizia-me.

Cara a cara

30.05.2021 | por Mariana Carneiro

Fantasmas do Império

Fantasmas do Império Por uma simplicidade de categorização Fantasmas do Império é um filme pós-colonial mas ao testemunhar no presente o que foi um determinado passado e ao constatar que o presente está cheio desse passado, ele tem toda a força de um filme de luta anti-colonial, situado num mundo que nos é contemporâneo. Um mundo em que os vestígios do passado que permeiam o nosso presente sob a forma de fraturas, são objeto de um trabalho simbólico que começa a produzir novas formas híbridas e cosmopolitas de cultura próprias de um novo tempo pós-colonial, transnacional e pós-migratório.

A ler

30.05.2021 | por António Pinto Ribeiro e Margarida Calafate Ribeiro

Arquiteturas Film Festival — 1 a 6 Junho 2021

Arquiteturas Film Festival — 1 a 6 Junho 2021 A 8ª edição da Arquiteturas tem como objetivo refletir sobre a construção social do espaço conectado a um fio que circula dentro de suas próprias narrativas de dominação. Narrativas também sobre identidade que muitas vezes é retirada ou forçada a representar o nosso corpo. Contra algumas suposições atuais, vemos este paradigma perceptivo — um epítome da visão de nossos tempos — como fundamentalmente social, espacial e corporal. A arquitetura trabalha com poderes administrativos, económicos, políticos e estruturais que controlam, segregam e colonizam, mapeando ativamente os territórios espaciais habitados pelos nossos corpos.

Vou lá visitar

30.05.2021 | por vários

A noite das estátuas

A noite das estátuas Pois, para mim, entre portugueses e holandeses venha o diabo e escolha... E nós, muitas vezes, fizemos o papel de diabos para nos livrarmos ou de uns ou de outros... Mas para que estamos a falar mais uma vez nisto? É sempre a mesma coisa, parece que não estamos só presos na Fortaleza, mas nessa história que nos juntou e não se livra de nós, nunca, enquanto houver uma noite de ex-estátuas...

Mukanda

29.05.2021 | por Onofre dos Santos

De volta a Lisboa: celebrar Dylan, e os excrementos dos pássaros

De volta a Lisboa: celebrar Dylan, e os excrementos dos pássaros Escrevo para tentar explicar melhor os estados de transição entre as coisas, as pessoas, as canções, os desejos, e distraio-me lembrando-me só de gentilezas. Creio que na vida, a felicidade vai e vem. Engendramos verdades absolutas para nós porque achamos que podemos confiar de repente em alguém, para brincar com as possibilidades, despreocupadamente, até que de repente nos apercebemos da fragilidade das coisas. Afinal o meu país não é meu, afinal o som da minha voz não diz nada sobre mim.

A ler

28.05.2021 | por Rita Brás

Festival Imaterial — Património Pensado e Vivido

Festival Imaterial — Património Pensado e Vivido Numa época em que se fala, mais do que nunca, de muros a serem erguidos, de fronteiras a serem reerguidas e de uma generalizada desconfiança do “outro” – o outro que somos nós, mas nascidos noutra circunstância –, é vital que o Imaterial se posicione também como plataforma de contactos entre os vários do mercado da música a nível planetário. Até porque também a pandemia de covid-19 veio lembrar-nos o quanto nos é essencial o pulsar da música ao vivo, assim como quão diferente e marcante é a experiência colectiva de nos reunirmos em torno de sons que vemos ganhar vida à nossa frente. A plataforma profissional associada ao Imaterial remete-nos também para uma das características notáveis do património imaterial – a faculdade de transportar uma identidade local e levá-la a correr mundo, apresentá-la num outro lugar, estabelecer diálogos e promover encontros entre povos.

Vou lá visitar

27.05.2021 | por vários

“Uma breve revisitação do cinema angolano” para ver, em junho, no Arquiteturas Film Festival

“Uma breve revisitação do cinema angolano” para ver, em junho, no Arquiteturas Film Festival O Arquiteturas Film Festival vai levar até ao Cinema São Jorge, em Lisboa, uma seleção de onze filmes produzidos em Angola, o país convidado desta oitava edição do festival, que se realiza entre os dias 1 e 6 de junho. Para além da programação cinematográfica, o café do Cinema São Jorge receberá um ciclo de debates intitulado “África Habitat”, bem como as instalações dos angolanos Lino Damião e Nelo Teixeira. Os cineteatros de Angola estarão também em destaque numa exposição organizada por Afonso Quintã, a partir de material do Cine-estúdio do Namibe, do arquiteto José Botelho Pereira.

Vou lá visitar

27.05.2021 | por Flávia Brito