Quando a palavra fere mais que a lança, entrevista a Azagaia

Quando a palavra fere mais que a lança, entrevista a Azagaia Já foi acusado de incitar à violência. Processado pela Procuradoria Geral da República. Preso horas antes de um concerto para o lançamento de um novo vídeo clipe, há cerca de 20 dias. Chamado de Edson Mandela, difamado na capa dos jornais, aclamado pelo povo. Com músicas provocadoras e políticas, Azagaia, o principal nome do hip hop moçambicano, tornou-se herói para o povo e ameaça para o governo.

24.08.2011 | por Juliana Borges

Entrevista a Carlos Kangamby, o Vº Mukuva do Cuchi

Entrevista a Carlos Kangamby, o Vº Mukuva do Cuchi Entrevista a Carlos Kangamby, o V Mukuva do Cuchi, considerado município-sede ou a capital dos Ngangela, que se situa a 95 quilómetros, de Menongue, sede da província do Kuando Kubango. Nesta conversa ficamos a saber da trajectória deste povo, o que os levou a si fixarem naquele território, a relação com os colonos, a forma como a primeira mulher que obteve o título de Mukuva, ascendeu ao trono, entre outras coisas.

12.08.2011 | por Cláudio Fortuna

Música, um veículo de aproximação - entrevista a Celina Pereira

Música, um veículo de aproximação - entrevista a Celina Pereira Há muitos anos em Lisboa (o seu Cabo Verde próprio), a cantora caboverdiana dedica-se à educação pela música, divulgando a riqueza e diversidade das cantigas e saberes populares. Nisto, também a auto-estima dos afro-descendentes vai-se conquistando. Pela sua natureza nómada, a música sempre viajou muito e, nessas trocas e tricas, há uma memória colectiva a conhecer, naquilo que nos une e diferencia.

10.08.2011 | por Marta Lança

À conversa com Joel Zito Araújo - posicionamento, estéticas e cinematografias.

À conversa com Joel Zito Araújo - posicionamento, estéticas e cinematografias. Tenho um projeto estético de criar cada vez mais histórias que estejam, de alguma forma, ligadas à história e à cultura afrodescendente. Acho que temos um universo rico, pouco trabalhado no cinema brasileiro. Considero que a cultura brasileira traz, dentro de si, especialmente no seu comportamento afetivo e sexual uma enorme herança africana e indígena. Ou se vive da influência ou se vive da recusa, mas consciente ou inconscientemente estamos sempre relacionados a essa herança. Trazer isso para os filmes é uma tarefa que considero fascinante.

08.08.2011 | por Sumaya Machado Lima

Manifestações para além do custo do pão - entrevista ao historiador moçambicano Carlos Serra

Manifestações para além do custo do pão - entrevista ao historiador moçambicano Carlos Serra Com "Chaves das portas do social (notas de pesquisa e reflexão)", Carlos Serra, um dos mais intervencionistas sociólogos, revisita as manifestações de 2008 e 2010, que para ele são merecedoras de pesquisa aturada. Nesta viagem pelo “político-social”, que incidiu sobre os “cismos sociais”, passando pelos linchamentos, desafios dos nossos políticos e intelectuais, assim como pela questão da insegurança e direitos humanos, Serra esclarece que as suas abordagens não consistem em defender as “massas” acusando os governantes.

17.07.2011 | por Celso Ricardo

Contadores da sua própria história

Contadores da sua própria história Consumimos histórias sobre África no tempo antigo e o velho Portugal: branco. Os negros com quem nos cruzamos todos os dias ainda não chegaram à ficção portuguesa. Fomos conhecer dois actores portugueses nascidos em Angola que querem contar histórias do novo Portugal

01.07.2011 | por Susana Moreira Marques

Políticas, Arte, Brasilidade - entrevista a Afonso Luz

Políticas, Arte, Brasilidade - entrevista a Afonso Luz Segundo Paulo Emílio Salles, ao inventarmos o Brasil desenvolvemos a consciência aguda, de não sermos um povo com identidade positiva. A negatividade começa já na palavra que nos nomeia e guarda sentido depreciativo, bem observado, na atribuição da língua portuguesa ao povo de eiros' (como sapateiros, açougueiros, brasileiros). A rarefação talvez esteja na configuração de um ambiente problematicamente internacional entre nós.

15.06.2011 | por Afonso Luz

Pai (Cabé)

Pai (Cabé) O amanhã era já hoje e por aquelas noites fora – no Kilamba, no If, no Kandandu, no Kudissanga, no Chá, no Marítimo, em Carnaxide e depois nos Combatentes, o teu silêncio cúmplice no calor dos papos transpirados mas cheios de verdade e de vontade, faziam-me pensar, estás a ver, o Cabé é o único de nós que aprendeu ser inútil esta vida de queixas e lamúrias. A vida é para viver. Pai (Cabé):

12.06.2011 | por Carlos Ferreira (Cassé)

Urban Africa: Pan-African View

Urban Africa: Pan-African View Creio que tenho um discurso distinto sobre a noção de habitar e de espaço público, mesmo inconscientemente. Foi através da pesquisa que me tornei mais consciente das minhas próprias práticas. Tenho uma necessidade constante de tornar coisas públicas, uma noção aberta de espaço público, mesmo quando isso não está lá, e isso é uma característica da minha sensibilidade africana. Uma ideia de um espaço público aberto. Ver. Não esconder, ver! Isso está presente no meu trabalho. Outra coisa - não sei se é uma característica africana ou não - é um certo encanto com o potencial dos materiais. Há muitas maneiras de entender isto. Por exemplo, quando vejo certos bairros de lata, fico impressionado com o encanto da materialidade.

01.06.2011 | por Rita Palma

1º aniversário BUALA - feedback

1º aniversário BUALA - feedback O BUALA iniciou actividade a 25 de Maio de 2010, dia de África, e faz agora um ano de existência. Os comentários positivos e a vasta adesão dos leitores e colaboradores, de todos os países de língua portuguesa e de muitos outros lugares do mundo, tem sido um sinal de que esta é uma plataforma necessária e desejada, afirmando-se como um canal de reflexão e divulgação importante no âmbito da cultura africana contemporânea.

24.05.2011 | por Buala

A 'Terceira Diáspora': entrevista a Goli Guerreiro

A 'Terceira Diáspora': entrevista a Goli Guerreiro 'Pós-contemporâneas, as culturas negras vivem um processo de recriação cultural diverso e cosmopolita baseado na troca de informações entre repertórios moldados em combinações particulares nos diversos portos do “mundo negro do atlântico”. Não busque rigores. Neste livre percurso alguns portos se repetem, outros se perdem. Territórios ganham ênfases; assuntos dominam, autores se impõem, ausências se projetam, cidades fascinam'.

11.05.2011 | por Goli Guerreiro

Entrevista a Domingos Simões Pereira, Secretário Executivo da CPLP

Entrevista a Domingos Simões Pereira, Secretário Executivo da CPLP Se eu decidir vir trabalhar de fato e gravata ou de bubu, nenhuma das opções deve chocar ou ser inadequada. Todos temos de encontrar na pluralidade e diferença os elementos de escolha e de inclusão, e preparar a nossa mente para aceitar a diversidade.

08.05.2011 | por Marta Lança

MAPUTO – LUANDA - LUBUMBASHI

MAPUTO – LUANDA - LUBUMBASHI ‘MAPUTO - LUANDA – LUBUMBASHI’ reúne três séries que resultam da negociação entre o fotógrafo e a privacidade dos sujeitos, dos espaços e dos elementos fotografados. A exposição traz-nos imagens de lugares que foram outrora palco de migrações massivas e brutais relacionadas com o comércio de escravos Africanos, imagens de lugares maltratados e desgastados pelo tempo mas também outras imagens melancólicas, quase intimistas, de interiores de habitações e espaços comerciais.

06.05.2011 | por Jorge Dias

Arriscar aquilo que abre caminhos, entrevista a António Pinto Ribeiro

Arriscar aquilo que abre caminhos, entrevista a António Pinto Ribeiro Uma determinada expressão cultural resulta de uma expectativa que um grupo tem em relação à cultura e ao mundo mas também na sua carga hereditária, naquilo que os anglo-saxões chamam e bem heritage. Naturalmente que, por tradição ou expectativa, muitas destas culturas e grupos entram em conflito. Pode ser produtivo, desde que se assuma isso como algo normal que faz parte da democracia. À medida que há negociação entre grupos e expressões culturais, onde a intervenção na cidade, a política e questões sociais não podem ser substituídos pela cultura, encontram-se numa situação democrática e rica. As produções culturais devem traduzir isto.

02.05.2011 | por Marta Lança

O pensamento tradicional africano, entrevista a Ferran Iniesta

O pensamento tradicional africano, entrevista a Ferran Iniesta Para nós, ocidentais, a filosofia é o máximo. Para qualquer tradição, a filosofia é uma anedota, um detalhe muito simples. Sensorialmente nós percebemos a distância entre uma mesa e uma coluna. Este é um conhecimento útil. Inclusive a pequena tecnologia instrumental, desde um martelo a uma nave espacial, forma parte do espaço separativo no qual a mente opera mediante a separação entre sujeito e objecto. Todo aquele que tende a um conhecimento mais amplo, mais de conjunto, mais reticular, transborda isso. O que não quer dizer negá-lo. Simplesmente, transborda, integra-o e minimiza-o em termos de valor. A tradição quer manter esse enquadramento mais amplo, que a filosofia abandonou. Em África não há filosofia porque nunca abandonaram totalmente essa perspectiva ampla.

30.04.2011 | por Albert Farré Ventura