Zé da Guiné - Lisboa

Zé da Guiné - Lisboa Se soubesse uma palavra em Português para designar “aquele que lida vivaz com a vida” dizíamos, se fosse capaz de ouvir uma só língua Bantu a fundo, escrevíamos. Assim fica só combatente. Mas com os és abertos. O negro grande e belo e vivaz que se fez sozinho cidadão de Lisboa, obedecendo a uma remota linhagem sua. Chão Papel. Fértil demais. Para o tempo.

01.11.2013 | por Branca Clara das Neves

Mobilizar as duas partes do atlântico sul, conversa com a curadora Bisi Silva

Mobilizar as duas partes do atlântico sul, conversa com a curadora Bisi Silva Bisi Silva faz parte de uma geração de agentes culturais africanos que viveram grande parte da sua vida na diáspora (Reino Unido, EUA e França), e que recentemente optaram por regressar aos países de origem. É em Lagos que tem desenvolvido programas importantes no âmbito da arte contemporânea, e no fortalecimento de redes culturais no continente, programas educacionais que fazem do CCA um pólo importante de difusão da cultura contemporânea.

23.10.2013 | por Marta Mestre

«A Europa já não é o centro de gravidade do mundo»

«A Europa já não é o centro de gravidade do mundo» Esta nova obra abre com uma declaração poderosa que se assemelha a um Manifesto. «A Europa já não é o centro de gravidade do mundo», escreve ele; e «esta desclassificação abre novas possibilidades — mas também arrasta perigos — para o pensamento crítico». São estas possibilidades e perigos que Mbembe explora. A tese forte do livro tem a ver com aquilo a que o autor chama «o devir-negro do mundo»: o «nome Negro já não remete apenas para a condição atribuída às pessoas de origem africana na época do primeiro capitalismo». Hoje em dia, designa toda uma humanidade subalterna de que o capital já não necessita no momento em que se define mais que nunca pelo modelo de uma religião animista, o neoliberalismo. A temática da diferença racial é explorada até às suas últimas consequências.

21.10.2013 | por Achille Mbembe

Conversa com Mia Couto

Conversa com Mia Couto Tal e qual como a escravatura ou a colonização, a corrupção é a continuação de uma relação que tem sempre dois lados. Não há os corruptos de um lado e os honestos do outro. A escravatura foi feita com cumplicidades internas. Havia elites africanas que enriqueceram muito. Esta leitura da história que hoje há é muito simplista. Como há um certo sentimento de culpa dos europeus, ela passa bem. Mas deve ser interrogada, porque criou da parte dos africanos o discurso vitimista, de ser preciso fazer valer na Europa aquilo que perdemos durante séculos. (entrevista de 1998)

02.09.2013 | por Anabela Mota Ribeiro

Mural Sonoro: Viver a Música a partir da "Periferia (?)"

Mural Sonoro: Viver a Música a partir da "Periferia (?)" Na preparação do debate de 16 de Março no Museu da Música, com o tema Viver a Música a Partir da ”Periferia (?)”, lembrei que vários estudos e abordagens sobre a vida cultural das favelas, assim como a crítica acerca da escassa representação dominante de que elas têm sido alvo, são de há quase um século, embora esta fosse uma perspectiva quase nula do cenário mediático, cujo foco permanecia no tráfico de drogas e violência.

10.03.2013 | por Soraia Simões

Rainha Nzinga em exposição londrina

Rainha Nzinga em exposição londrina Nzinga é uma das quatro mulheres africanas retratada, numa visão do século XXI, pelo artista plástico britânico Kimathi Donkor. «Queens of the Undead» está em exibição até 24 de novembro, em Londres.

06.11.2012 | por Lara Pawson

Entrevista a Tahar Ben Jelloun, "Um livro sobre o amor pode ser político"

Entrevista a Tahar Ben Jelloun, "Um livro sobre o amor pode ser político" É ao mesmo tempo marroquino e francês. Escreve em língua francesa e olha hoje para as transformações sociais e culturais nos países na Primavera Árabe. E espera da nova França uma postura diferente em relação às ditaduras. Com os seus dois passaportes e a crença no papel de escritor "que critica, denuncia, intervém", Tahar Ben Jelloun esteve no fim de Junho na Fundação Calouste Gulbenkian para dar uma conferência onde se propôs "explicar a Primavera Árabe". Convidado para participar no programa Próximo Futuro, que este ano se centra no Norte de África em revolução, Ben Jelloun veio também apresentar o livro “O Primeiro Amor É Sempre o Último”, de 1995 (lançado agora pela Quidnovi). Falou-nos dos islamistas que "se aproveitaram das revoltas", das mulheres do seu país de nascimento, Marrocos, que aproveitam novas leis para "recuperarem as suas liberdades" e das suas expectativas face à "nova França", país que fez seu.

20.07.2012 | por Sofia Lorena

"A música africana, ou lá o que isso é, vai ter mais protagonismo internacional", entrevista a Benjamin Lebrave

"A música africana, ou lá o que isso é, vai ter mais protagonismo internacional", entrevista a Benjamin Lebrave Visitou estúdios nos musseques, conversou com produtores para alimentar a sua Akwaaba Music, uma plataforma digital que se dedica à música africana e cultura pop, dando visibilidade aos fenómenos de música que carecem de estrutura para chegar mais longe. Nos últimos 3 anos, Lebrave editou mais de 70 artistas de 15 países africanos e tem vindo a desenvolver uma rede global que abrange a produção de conteúdos, distribuição digital, marketing e licenciamento.

11.07.2012 | por Marta Lança

Sérgio Afonso, o rapaz da câmara fotográfica

Sérgio Afonso, o rapaz da câmara fotográfica A produtora de que faz parte, a enérgica Geração 80, nasce numa ótima altura: “o mundo está em crise, o dinheiro cada dia mais difícil para alguns, e a tecnologia cada dia mais acessível a todos.” Não depender de investimentos milionários para poder trabalhar na área, ser possível filmar com uma máquina fotográfica são vantagens dos nossos dias que descomplicam. Sérgio Afonso empenha-se em trazer novas imagens do seu país, nascido na vontade de criar uma nova Angola.

15.06.2012 | por Marta Lança

Entrevista a Mark McKinney

Entrevista a Mark McKinney Entrevista a Mark McKinney, a propósito do seu livro The Colonial Heritage of French Comics. "Quer a série Tintin quer Zig et Puce estão pejadas de cenas de racismo colonial e antisemita. O busílis está em saber o que se deve fazer com essas obras. Eu estou em crer que a coisa mais acertada seria estudá-las de uma forma crítica, e utilizá-las para ensinarmos os outros, sobretudo os mais jovens, sobre o passado e a sua representação na banda desenhada. Quer Tintin no Congo quer A Estrela Misteriosa deveriam conter introduções fortemente críticas e independentes que analisassem como é que esses títulos são racistas e não diminuem a responsabilidade do artista em propagar essas perspectivas repreensíveis, como é usualmente feito pelos muitos hagiógrafos de Hergé."

05.06.2012 | por Pedro Moura

o Buala faz dois anos e é dia de África!

o Buala faz dois anos e é dia de África! PARABENS BUALA !!!!!

25.05.2012 | por Marta Lança

Na guerra, a vida sem filtro - entrevista a Cândida Pinto

Na guerra, a vida  sem filtro - entrevista a Cândida Pinto Nunca somos imparciais. A imparcialidade não existe. Nós podemos e devemos aproximar-nos o mais possível da verdade. (...) A minha profissão permite-me transmitir essa força que está a acontecer no momento, com distanciamento. Um jornalista que se torna porta-voz perde um bocado a razão de ser de estar ali, passou para outro campeonato.

15.05.2012 | por Marta Lança

Batchart: rapper de Mindelo quer ser Ministro da Juventude

Batchart: rapper de Mindelo quer ser Ministro da Juventude Batchart pegou da sua formação universitária para criar uma mensagem mais “cientificada” dentro do hip-hop crioulo. Com um discurso forte de quem sabe que a intervenção social é também política, o rapper já tem a “Wikileaks”, sua compilação de originais, pronta para lançar no final deste mês. Um jovem político que canta ou um rapper com consciência política? Só o tempo e a aceitação deste trabalho discográfico dirão.

09.05.2012 | por Odair Varela

Yonamine, de Luanda para o mundo

Yonamine, de Luanda para o mundo A forma de trabalhar de Yonamine é muito espontânea: pensa em imagens ou objectos, fotografias velhas, maços de cigarros, texturas curiosas e segue-lhes o rasto para criar e subverter certas utilizações e dar-lhes novas leituras semióticas, reinventando os fragmentos de memórias outras num registo de inteligibilidade composta.

19.03.2012 | por Marta Lança

Só China de Yonamine

Só China de Yonamine Texto sobre a exposição “SÓ CHINA” de Yonamine, na Galeria Cristina Guerra.

18.03.2012 | por João Silvério

Lisboa nas ruas, entrevista com o rapper Chullage

Lisboa nas ruas, entrevista com o rapper Chullage  O rap é só mais uma tradição oral africana como o spoken ou as finasons cabo-verdeanas. O meu rap leva cada vez mais com samples de CV e a minha métrica, fonética e cosmovisão têm sempre também coisas que a minha terra me deixou ou que ando a resgatar.

13.03.2012 | por Luca Fazzini

O contributo africano: entrevista a Jean-Yves Loude

O contributo africano: entrevista a Jean-Yves Loude O etnólogo francês Jean-Yves Loude regressou à “cidade negra” para um workshop sobre a figura de Lisboa na literatura, e insiste em contrariar a manipulação dos factos que rasura o contributo africano dos grandes feitos do mundo.

04.03.2012 | por Marta Lança

Kalaf Angelo, músico e escritor

Kalaf Angelo, músico e escritor Kalaf Angelo, um dos entusiastas do projeto Buraka Som Sistema, um dos responsáveis pela expansão além fronteiras do ritmo kuduro, lançou recentemente o seu primeiro livro, Estórias de Amor para Meninos de Cor. Com este ensaio, o músico angolano desafia a escrita em homenagem a Lisboa, cidade mulata que o fascinou desde que nela aterrou, depois de ter deixado Luanda nos anos 90. O autor prepara já o seu próximo título: um romance.

29.02.2012 | por João Carlos

Lino Damião dá forma ao projecto Paragens

Lino Damião dá forma ao projecto Paragens O projecto Paragens começou em Angola: uma sociedade de arquitectos apoia através de espaços artistas que contribuem também para a decoração dos seus edifícios levando artistas a lugares onde possue escritórios. As exposições são o resultado da liberdade de criação nessa residência artística. Lino Damião foi um dos escolhidos, juntamente com o Nelo Teixeira, o Hamílton, o Sabby, a Zizi. Pudemos ver a “Primeira paragem: Lisboa” até ao final de Janeiro, sendo a próxima paragem Maputo e com um desvio em direcção a Macau onde Lino se dirigiu a convite do festival de literatura.

29.02.2012 | por Marta Lança

“Não se festeja a morte de ninguém”, entrevista a Pepetela

“Não se festeja a morte de ninguém”, entrevista a Pepetela Filho de portugueses, não suportava o racismo e esteve cinco anos na luta armada pelo MPLA, combatendo os próprios primos. Começou a ensinar, trocou a arma pela caneta e tornou-se um dos grandes escritores angolanos, vencedor do Prémio Camões.

16.01.2012 | por Pepetela