Mwamby Wassaky: moda como acto de cultura

Mwamby Wassaky: moda como acto de cultura O seu ofício vem da experiência, de observar muito, mas é como se já lá estivesse antes. Para além disso, por repetidas vezes, Mwamby reivindica o sentido cultural para esta arte da costura, como um gesto quotidiano que remonta às origens da Humanidade: “A ideia divina ‘Adão coseu folhas e Deus coseu peles’. Costurar também é culturar. Em todas as famílias e sociedades nos deparamos com indivíduos com este forte elemento cultural, é como aprender a fazer pão caseiro.”

08.09.2010 | por Marta Lança

Mestre Tamoda: uma personagem da ficção narrativa angolana

Mestre Tamoda: uma personagem da ficção narrativa angolana Poder-se-á imaginar a língua portuguesa como centro de um exercício lúdico em que o sujeito ou protagonista, num contexto rural de Angola, é uma criatura sem qualquer tipo de formação escolar? De facto é possível. E tal acontece num conto cujo autor é o escritor Uanhenga Xitu.

17.08.2010 | por Luis Kandjimbo

“O meu lado infantil está radiante” - Arménio Vieira

“O meu lado infantil está radiante” - Arménio Vieira Prémio Camões 2009. Cabo-verdiano. Conde. Arménio Vieira no seu laboratório de criação: Pracinha do Liceu, Cidade da Praia. O que se segue não é um discurso milimetricamente estruturado e óbvio. É, antes, um desenrolar de frases, pensamentos e memórias às vezes desconexos e non sense na aparência, que evidenciam, nesse jeito irónico e mordaz, a dimensão humana e artística do poeta e ficcionista.

12.08.2010 | por Pedro Cardoso

Entrevista a Ondjaki - a capacidade de sobrepor a boa disposição às dificuldades em Angola

Entrevista a Ondjaki - a capacidade de sobrepor a boa disposição às dificuldades em Angola Com apenas 33 anos Ondjaki é já um dos nomes em crescente ascenção na literatura angolana, sem negar o gosto de passear por outras artes, cruzando-as entre si. Apesar de viver intensamente Angola, todos os lugares podem ser propícios às viagens pelo mundo das palavras. Interessa-lhe sempre escrever sobre espaços e pessoas, sobre a vida.

06.08.2010 | por Ricardo Palouro

Em algum lugar entre África e Europa, entrevista com Ângela Ferreira

Em algum lugar entre África e Europa, entrevista com Ângela Ferreira Tenho uma forte relação entre a África, particularmente a zona sul da África, incluo aí onde eu nasci, Moçambique, e a África do Sul, e este canto da Europa mais ibérico. Se eu tiver de me definir culturalmente em termos de identidade, é algures entre essas duas zonas do mundo que encontra as referências da minha pessoa..

04.08.2010 | por Lúcia Ramos Monteiro

Carnaval, Procissões e Paradas - Entrevista a Claire Tancons

Carnaval, Procissões e Paradas - Entrevista a Claire Tancons ...desconfio dos apelos feitos em nome de uma população, particularmente em locais culturalmente não emancipados e economicamente empobrecidos como Nova Orleães ou o Haiti. Também acho que existem preocupações legítimas em torno da natureza neo-colonial desta tendência mundial das Bienais, que se inclina para a imposição de um modelo cultural ocidental, como o mais popular e triunfante, em localidades não-ocidentais, cujas práticas artísticas e herança cultural muitas vezes desmentem a noção de que a arte contemporânea é um valor cultural partilhado por todo o mundo.

27.07.2010 | por Claire Tancons

A vida é um palco sem fim, percurso de Raúl Rosário

A vida é um palco sem fim, percurso de Raúl Rosário As histórias nunca se esgotam perto dele, exercendo um encantamento que não nos deixa arredar pé. À boa maneira angolana, a excitação de viver, a variedade de perspectivas, a teatralidade, o riso em vez do choro, convergem para a singularidade de Raul Rosário.

25.07.2010 | por Marta Lança

Kalaf Ângelo, quanto mais caminho percorres mais a sorte é tua aliada

Kalaf Ângelo, quanto mais caminho percorres mais a sorte é tua aliada O percurso do músico e poeta angolano que cativou os europeus tem muita determinação. Soube evidenciar em Lisboa o que ainda não estava à vista: a riqueza cultural de origens africanas em forma de novos sons. Pegar naquilo que traz e lhe vem de Angola e sintonizar com os tempos que correm nas cidades europeias, falar das novas tendências e ser um cidadão do mundo, são alguns dos segredos da sua singularidade.

22.07.2010 | por Marta Lança

Identidades, causas e efeitos

Identidades, causas e efeitos A obra de Délio Jasse pode ser lida sob o prisma algo complexo da teoria dos discursos pós-coloniais na medida que as suas imagens imanam uma identidade da figura de alteridade. Contudo, esta simplificação pode ser redutora se entrar em dissonância com o discurso artístico onde as suas imagens, obviamente, se inserem.

08.07.2010 | por Hugo Dinis

Ação cultural, instrumento para igualdade, conversa com CHICO CÉSAR

Ação cultural, instrumento para igualdade, conversa com CHICO CÉSAR No Brasil, a gente vive um momento em que se colocam objetivos para serem alcançados e a sociedade vai caminhando. Não acho exagerado optar por políticas de afirmação, através de cotas.(...) Existe um desgaste imenso da democracia representativa no Brasil. Temos democracia ativa nas comunidades, nas organizações, e os negros estão ligados a estes movimentos, às associações de moradores, culturais, comunidades de candomblé, agremiações religiosas, grupos de música. Acho que cada vez mais as ONGs, as associações de bairro e de moradores, têm peso.

05.07.2010 | por Ariel de Bigault

Residências artísticas em debate: a rede "Triangle Arts Trust"

Residências artísticas em debate: a rede "Triangle Arts Trust" Com uma larga e continuada experiência de apoio a projectos de residência em todo o mundo, a “Triangle Art Trust” é um projecto voltado para os artistas que trabalham no local, para as suas necessidades, e encoraja a mobilidade, a troca e o “fresh thinking”, com ênfase no processo e no desenvolvimento. Uma rede em contínua expansão e mutação, com mais de 3000 artistas participantes nos últimos 25 anos.

02.07.2010 | por Marta Mestre

Incipiente, amadorístico e negligenciado mas com muito potencial, entrevista a Mena Abrantes

Incipiente, amadorístico e negligenciado mas com muito potencial, entrevista a Mena Abrantes "Acho que a única coisa que realmente existe é a vontade de o fazer, visível na grande adesão da juventude a essa prática artística." José Mena Abrantes dirige o Elinga Teatro e já faz teatro há trinta anos, conversámos sobre o grupo, fazendo o ponto da situação do teatro em Angola.

02.07.2010 | por Marta Lança

José Saramago, o visionário da tangibilidade

José Saramago, o visionário da tangibilidade A morte só existe se há ausência. Para uns, como Saramago, não haverá nunca ausência. O escritor semeou-se tanto e por tantos outros que ele apenas mudou de presença. Não falo da escrita. Mas dos momentos em que ele se distribuiu, pessoa entre pessoas. Em mim, essa permanência faz-se de indeléveis momentos. Relembro aqui alguns desses episódios.

30.06.2010 | por Mia Couto

Corsino Fortes e sua poética semeadora da “cabeça calva de Deus”

Corsino Fortes e sua poética semeadora da “cabeça calva de Deus” Trata-se de um discurso em ascensão, em que o poeta gradativamente incorpora e ressignifica elementos simbólicos do universo insular, encenando experiências da realidade cabo-verdiana, histórias do próprio sujeito e da linguagem, com o objetivo de constituir uma memória coletiva do grupo. Fortes, em um ato de consciência histórica, reflete, enfim, sobre a independência do povo de Cabo Verde no sentido de construção e valorização de uma identidade “em curso”, em constante processo de transformação.

28.06.2010 | por Cláudia Fabiana

Da resistência e da fantasia, entrevista a Luísa Queirós

Da resistência e da fantasia, entrevista a Luísa Queirós Gosto de me ligar à palavra e à música como fontes de inspiração. Histórias contadas por mulheres de Santo Antão sobre mulheres-gatos-feiticeiras e parteiras de sereias que vão ao fundo do mar, ao palácio dos “encantados” prestar os seus serviços recebendo três pedrinhas que se transformarão em ouro. Gosto imenso deste universo e aproveito para criar personagens para a minha arte.

15.06.2010 | por Marta Lança

Germano de Almeida, o contador de Estórias

Germano de Almeida, o contador de Estórias Aquilo que verdadeiramente lhe interessa é ter uma estória e alguém a quem a contar. A forma só lhe importa na medida em que serve o conteúdo e os recursos estilísticos ou linguísticos que utiliza estão submetidos às necessidades do enredo que é, de facto, a sua prioridade. Ele pertence à geração que teve o privilégio de entrar no mundo da ficção pelas palavras ouvidas e não pelas palavras escritas, e por isso não é de estranhar que essa marca da oralidade esteja tão claramente presente nas suas obras.

15.06.2010 | por Ana Cordeiro

Um fim do mundo africano – entrevista com Pepetela

Um fim do mundo africano – entrevista com Pepetela No fundo é uma pergunta: que raio de pessoas são essas para começar uma humanidade? Ora, a nossa humanidade atual, como é que começa? Com um irmão a matar o outro, Caim a matar Abel. E essa nova humanidade começaria da mesma maneira como a outra acabou. Não há aí muita inovação, não é? Enfim, a idéia era jogar com isso tudo, mas de fato o que ficam são as relações entre as pessoas.

11.06.2010 | por Cláudia Fabiana

A "Maison Tropicale" de Ângela Ferreira

A "Maison Tropicale" de Ângela Ferreira Manthia Diawara não esconde o que pensa sobre este assunto e é de opinião que estas casas devem, por direito, voltar a África, seja qual for o seu estado de conservação e o seu futuro. Os Ocidentais terão o direito de implantar as suas casas nas “suas colónias”, para, a seguir, decidirem desmantelá-las e vendê-las sem perguntar aos habitantes locais?

09.06.2010 | por Julie Crenn

ANATOMILIAS de Paulo Kussy

ANATOMILIAS de Paulo Kussy A necessidade ou dependência do homem do nosso tempo em relação à máquina e a frieza constatada na ausência de sensibilidade face a situações de doença, miséria, desemprego, guerra e outros problemas sociais actuais são o centro da produção artística do jovem criador angolano Paulo Kussy. Nas suas telas habitam seres híbridos, intrigantes, fundidos numa só figura, homem, mulher e máquina fazem num casamento inusitado, esteticamente conseguido. A transfiguração: homens que são mulheres e que também são máquinas, um retrato interessante da vida contemporânea, que podemos encontrar em qualquer cidade do mundo, em Luanda ou Joanesburgo, Lisboa ou Paris

31.05.2010 | por Benjamim Sabby

Condição humana - o fotógrafo José Cabral

Condição humana - o fotógrafo José Cabral José Cabral chegou por uma via original a essa história colectiva, praticando com um pai amador de fotografia e cinema – e, por sinal, também teve um homónimo avô paterno que foi governador (1910-1938) e um parque com o seu nome na velha capital (hoje Parque dos Continuadores). Começou pela fotografia de cinema e aliou a prática de foto-repórter a programas documentais menos determinados pela urgência. A seguir, terá sido o primeiro a distanciar-se da dinâmica jornalística, e tornou muito claro esse desafio com a escolha das obras para a exposição "Iluminando Vidas"

28.05.2010 | por Alexandre Pomar