O fetichismo da marginalidade (II)

O fetichismo da marginalidade (II) Não creio que a Argentina se transforme no Brasil. Penso que as igrejas aqui nunca terão tanto poder como lá têm. A Argentina é uma sociedade bastante secular. Agora, é preciso compreender plenamente o que acontece numa igreja, as pessoas não vão apenas em busca da promessa do paraíso, que é normalmente a primeira coisa que se pensa a partir de um lugar secular; não, as pessoas vão à igreja para encontrar colectividade, entusiasmo partilhado, dançar, gritar, êxtase. Uma pessoa cuja vida é bastante monótona, limitada e com muito esforço físico no trabalho, como poderia não querer ir para um lugar onde sente tantas emoções positivas? Porque se eliminarmos Deus e o simbolismo, quem entre nós não tem uma crença?

Cara a cara

22.09.2021 | por César González, Tomás Guarnaccia e Miguel Savransky

O fetichismo da marginalidade (I)

O fetichismo da marginalidade (I) O que diz sobre como o cinema antecipou, por exemplo, o Holocausto, também o podemos transferir para uma cenário mais próximo, como a Argentina nos anos 70, onde havia um cinema militante que se concentrava nos sectores marginalizados e avisava ou alertava, por assim dizer, sobre o neoliberalismo e a miséria planeada. Com o passar do tempo, este fio foi cortado ou não recebeu importância; houve um aviso, mas não foi atendido (ou, pior ainda, foi reprimido). É interessante porque, face a estas imagens antecipatórias, havia uma maquinaria que tinha de responder com outras imagens para as encobrir. Face a imagens que anteciparam, foi necessário criar imagens que serviram para fortalecer o neoliberalismo, que serviram para fazer as pessoas quererem este modelo de vida. Não se responde a imagens com um pedido de nulidade ou censura, responde-se a elas com outras imagens.

Cara a cara

20.09.2021 | por César González, Tomás Guarnaccia e Miguel Savransky

Contos de Mar: resistências cruzadas

Contos de Mar: resistências cruzadas A América Latina banhada por oceanos com rotas cruzadas. Duas histórias de barcos que atravessam o Atlântico em sentido oposto. Viagens de luta mediatizadas e outras que se afundam num silêncio profundo. Navegantes aparentemente desconectados e sem relação, mas profundamente ancorados na resistência humana que os une em águas latino-americanas.

Jogos Sem Fronteiras

26.06.2021 | por Pedro Cardoso

A transmissão das danças da diáspora africana

A transmissão das danças da diáspora africana É preciso defender o património cultural e reconhecimento a todos os agentes culturais espalhados pela diáspora que fazem o trabalho de documentar e de promover o nome de Angola num espaço global e digital enquanto, ironicamente, em Angola e em Portugal, as danças “sociais” da diáspora africana ainda são vistas como algo apenas recreativo, com baixo teor artístico, e não algo que possa ser valorizado, documentado ou apoiado financeiramente.

Palcos

15.06.2021 | por Iris de Brito

Como história de amor e piratas: os 50 anos de “As Veias Abertas da América Latina”

Como história de amor e piratas: os 50 anos de “As Veias Abertas da América Latina” Nos anos 70, o livro “As Veias Abertas da América Latina”, do uruguaio Eduardo Galeano, foi uma bofetada às ditaduras da Operação Condor. A obra esmiúça 400 anos de saqueio dos recursos da região, desde a conquista europeia até à segunda metade do século XX. Uma história de depredação para explicar o ciclo de pobreza e exclusão da América Latina.

A ler

01.05.2021 | por Pedro Cardoso

Silvia Federici: “Espero que esse momento impulsione uma forte mobilização de movimentos feministas”

Silvia Federici: “Espero que esse momento impulsione uma forte mobilização de movimentos feministas” Sobre governo Bolsonaro, a ascensão de uma nova extrema-direita no mundo e o fundamentalismo religioso que coloca feministas e população LGBT como principais inimigos, Silvia Federici fala em uma nova caça às bruxas: “Não existe o desejo de proteger a vida mas sim o de controlar os corpos das mulheres, assegurar-se de que as mulheres sejam subordinadas, sacrificadas, que possam ser exploradas por suas famílias e pelo capitalismo. É uma questão econômica também, a igreja com essa aparência da defesa da vida, da família, na verdade está defendendo a produção do trabalho não assalariado das mulheres. E quando a igreja vê que não pode mais nos convencer de tudo isso então nos trata como inimigas, cria novas divisões entre mulheres e homens e entre mulheres também. Porque colocam algumas mulheres como aliadas do diabo”.

Cara a cara

28.03.2021 | por Andrea DiP

Aruká, o último guerreiro

Aruká, o último guerreiro Nada disto sai à luz num mundo virado para o próprio umbigo. Como sempre, os indígenas são sombras, os pobres que nem vale a pena recordar para não doer na consciência. Enquanto nas grandes cidades – as modernas, as evoluídas, as informadas – todos se fecham em casa esperando que tudo passe numa passividade doentia, os invisíveis reagem e atuam. Não por serem diferentes. É que para eles, a paralisia não é um estado metafórico, é a morte em si mesma. Salve a vida. Salve todos eles. Salve amoé Aruká!

Jogos Sem Fronteiras

22.02.2021 | por Pedro Cardoso

Piratas das Caraíbas, a frota dos EUA ao largo da Venezuela

Piratas das Caraíbas, a frota dos EUA ao largo da Venezuela Nas águas quentes das Venezuela, lançaram âncora navios de guerra norte-americanos. Prontos para desmantelar a rota de cocaína que sai deste país para os EUA, via ilhas caribenhas. Os piratas ou cowboys do século XXI, como lhes chamou Nicolás Maduro, cercam de mansinho o regime venezuelano. Distraído, confinado e monotemático, o mundo quase nem deu por isso.

Mukanda

11.04.2020 | por Pedro Cardoso

Os versos de Cardenal

Os versos de Cardenal A confusão instalou-se. Estalou o copo na mão de Cardenal, verteu-se o rum no cetim do féretro aos solavancos na fuga em ombros pela catedral, antes de ser cinza. E ouviu-se então, num exercício de imaginação, o último grito contrapoder do rebelde num verso-único: "Tu não mereces sequer um epigrama."

A ler

10.03.2020 | por Pedro Cardoso

El baile de los que sobran

El baile de los que sobran O contraste entre dois discursos sobre o continente sul-americano, num deles o levante progressista é instrumentalizado para a desorganização do estado democrático em benefício das elites conservadoras e autoritárias, noutro o levante reaccionário não é senão o ritual da sua queda, uma espécie de último estertor do conservadorismo - a verdade, como o futuro, é um terreno em disputa.

Jogos Sem Fronteiras

09.12.2019 | por Bruno Caracol

O rebentar sul-americano, encruzilhadas do neoliberalismo

O rebentar sul-americano, encruzilhadas do neoliberalismo Há algumas semanas que as direitas sul-americanas estão numa encruzilhada. As resistências no Chile, Equador e Argentina procuram, por diversas vias, confrontar o neoliberalismo pós-globalizado. As pessoas sentem que já nada têm a perder. Menara Guizardi diagnostica três respostas a um modelo voraz. São compostas pela reação imediata ao ajuste económico e pela experiência acumulada durante anos de protestos.

Jogos Sem Fronteiras

26.10.2019 | por Menara Guizardi

Chile: um modelo de maltrato e privilégio

Chile: um modelo de maltrato e privilégio Encontrei slogans contra a polícia e o governo, barricadas com fogo, muita gente batendo panela, saques em supermercados, esperança, indignação, medo e muita solidariedade. Senti-me parte de um coletivo e, vivendo um momento único, senti orgulho de ser chileno.

Cidade

24.10.2019 | por Pablo Mardones

“A esquerda tem mostrado uma maturidade enorme para engolir sapos.”

“A esquerda tem mostrado uma maturidade enorme para engolir sapos.” É perigoso porque toda a diferença é estigmatizada. Se eu me considero superior moralmente e penso que uma família é um homem e uma mulher, tenho toda a justificação para liquidar os homossexuais. É uma lógica repressiva. O Brasil, ao contrário de outros países da América Latina, tem uma sociedade civil bastante organizada, com muitos movimentos sociais. É evidente que vai haver resistência. Há uma sociedade civil que não está desarmada social e politicamente. Nas últimas semanas houve uma mobilização extraordinária, que não foi suficiente, mas mostra um apego à democracia que o Latinobarómetro não previa.

Cara a cara

06.11.2018 | por Boaventura de Sousa Santos

Lucrecia Martel, queres viver?

Lucrecia Martel, queres viver? O espírito do mundo sai-lhe pelos olhos. Lucrecia volta a emprestar o corpo ao mundo – desta vez radicalmente - e transforma-o em cinema. Em Zama, voltamos a encontrar-nos com uma coreografia de corpos e animais, de crianças e adultos, de oprimidos e opressores, de torrentes de água e de naturezas asfixiantes, onde a beleza é o lugar onde repousam os segredos, como atrás dos habituais longos e brilhantes cabelos, que sussurram desejos e histórias perdidas.

Afroscreen

12.06.2018 | por Cláudia Varejão

A boca para pronunciar monstro

A boca para pronunciar monstro somos o bestiário. nossa animalização nos afirma como parte da natureza. o animal pré-alegórico é o coração latente; é uma violência. a livre caça na sociedade de consumo e produção arrebata nossos corpos de margem : nos tirem do centro; é para onde caem os desejos. quiçá os vagalumes nos façam atear fogo ao céu : a luz é pulsante - o escuro é largo e espaçado pela micropolítica da carne do monstro. é a carne que sobrevive.

Mukanda

22.02.2018 | por Jonas van Holanda

América do Sul / América do Sol / América do Sal, exposição “Potência e Adversidade: arte da América Latina nas coleções em Portugal”

América do Sul / América do Sol / América do Sal, exposição “Potência e Adversidade: arte da América Latina nas coleções em Portugal” Este texto identifica alguns nexos históricos que ainda passam à margem das narrativas institucionalizadas sobre a produção artística da América Latina. Partindo dos anos 70, analisa diferentes momentos da aproximação de Portugal à arte da América Latina, desde a retórica do “multiculturalismo” até à necessidade, no presente, em estabelecer uma revisão pós-colonial dos acervos e da curadoria em Portugal.

Vou lá visitar

16.01.2018 | por Marta Mestre

Arquiteturas e Urbanismos do sul em debate

Arquiteturas e Urbanismos do sul em debate Com vasta programação e intenso debate, integrantes do MALOCA reforçaram seus laços, ampliaram suas parcerias e definiram a agenda do grupo para o próximo triênio, que segue fortemente focada no debate étnico-racial em arquitetura e urbanismo e nas questões de ensino na área, o papel social dos arquitetos e urbanistas no Brasil e na América Latina.

Cidade

11.12.2017 | por Andréia Moassab e Gabriel Cunha

Potência e Adversidade, arte da América Latina nas coleções em Portugal

Potência e Adversidade, arte da América Latina nas coleções em Portugal A frase de Hélio Oiticica “da adversidade vivemos”, refere-se à ideia de existência enquanto espaço de confronto e de disputa, que inscreve a experimentação, habitualmente associada à América Latina. O título denuncia também um tom de melancolia ou “fim de festa”, que sinaliza o presente desequilíbrio induzido pelo neoliberalismo consumista e pela retomada de poderes conservadores em vários países.

Vou lá visitar

24.10.2017 | por Marta Mestre

Duas universidades ameaçadas pelo racismo

Duas universidades ameaçadas pelo racismo Por que os conservadores querem destruir a Unila e Unilab, voltadas à integração latinoamericana e com a África Negra. O que isso revela sobre um déficit da esquerda.(...) A luta contra o capital é indissociável da luta contra o racismo, contra o patriarcado e contra tantas outras formas de dominação e de opressão.

A ler

02.08.2017 | por Andréia Moassab e Marcos de Jesus

No coração dos Andes há um país cuja selecção nacional mais parece de uma nação africana

No coração dos Andes há um país cuja selecção nacional mais parece de uma nação africana  Além fronteiras, a imagem de marca é a de um Equador andino, de rasgos índios e de um paraíso natural chamado Galápagos, ilhas justamente consideradas uma das reservas naturais mais bonitas do mundo. No entanto, há um Equador de cor negra e ritmos africanos que ainda tende a ficar esquecido.

A ler

30.08.2010 | por Sílvia Norte