Yuri da Cunha. O choro do semba que virou alegria

Yuri da Cunha. O choro do semba que virou alegria Yuri da Cunha vai conquistar o mundo à moda angolana – com música cheia de balanço, com cores e “griffes” da moda, com histórias do povo, com passadas arriscadas mas severas, com um pouco de “banga” (estilo) e uma pausa muito própria. Yuri da Cunha – que em criança chorava ao ouvir semba - é isto tudo. Angola também.

24.07.2012 | por Miguel Gomes

Sentir a Dança

Sentir a Dança Nos próximos dias 23 e 24 de Junho vai apresentar-se o espetáculo Matriz – espaço onde os sentimentos persistem, no Auditório Eunice Muñoz. Um espetáculo resultante de um projeto novo que coloca em diálogo culturas e interpretações estéticas da vida. A não perder.

23.06.2012 | por Cátia Miriam Costa

Angolanidade revisited – Kuduro

Angolanidade revisited – Kuduro Angola torna-se, nos últimos tempos, um actor importante na economia global devido à sua riqueza em petróleo e diamantes, depois de constar nas notícias sobretudo devido às atrocidades duma persistente guerra civil. A maioria da população do país vive em Luanda, uma metrópole de cerca de sete milhões de habitantes. Neste cenário urbano, tanto utópico quanto de pesadelo, nasceu uma das músicas mais intrigantes do continente africano: o kuduro. Neste artigo vamos explorar o papel dessa música popular electrónica e estilo de dança angolana no processo de actualização da identidade nacional angolana, a "angolanidade", nas condições do novo milénio.

22.06.2012 | por Nadine Siegert e Stefanie Alisch

De Mindelo para a cidade do Porto: Bilan, a nova voz da música cabo-verdiana

De Mindelo para a cidade do Porto: Bilan, a nova voz da música cabo-verdiana De São Vicente para a cidade do Porto, do rock da banda "Freak", de Mindelo, para uma música mais eclética, aberta ao mundo, mas sempre cabo-verdiana. Este poderia ser um breve resumo do percurso do músico Elton Jorge Lima, de 31 anos, mais conhecido por Bilan que, depois de uma passagem pelos "Refilon", em Lisboa, e de ter integrado vários projectos musicais na Cidade Invicta, se prepara para lançar "Ilha", o seu primeiro CD.

10.06.2012 | por Joaquim Arena

Entrevista ao músico Muzila - Moçambique

Entrevista ao músico Muzila - Moçambique Muzila toca saxofone alto e canta para o seu projeto Muzilation, que mistura vários géneros musicais, desde o Jazz, passando pelo hip hop recorrendo à marrabenta. Muzila explica esta mistura dizendo que é o resultado das influências que foi acumulando ao longo da sua vida.

26.05.2012 | por Carla Fernandes

ENTREVISTA com Paulo Chibanga (organizador da segunda edicao do Festival Azgo)

ENTREVISTA com Paulo Chibanga (organizador da segunda edicao do Festival Azgo) Paulo Cibanga, produtor e músico da Banda 340 mililitros. Fez parte da organização da segunda edição do Festival Internacional de música Azgo (18 a 20 de Maio). Ao é uma forma mocambicanizada de se dizer “Lets go”. Assim como na primeira edição do festival, em 2011, um dos principais objectivos do evento é o intercâmbio entre músicos moçambicanos e artistas de outros várias partes do mundo, diz Paulo Chibanga, ao apresentar o festival.

26.05.2012 | por Carla Fernandes

Blog Emprestado: 'Jos Repertory Theatre: Trabalhar e viver na Nigéria', por Patrick- Jude Oteh

Blog Emprestado: 'Jos Repertory Theatre: Trabalhar e viver na Nigéria', por Patrick- Jude Oteh Patrick-Jude Oteh foi meu colega no ano passado no Fellowship do Kennedy Center. Lembro-me de ter ficado sem palavras depois da sua apresentação sobre o trabalho desenvolvido pelo Jos Repertory Theatre, que ele fundou numa pequena e agora dividida cidade nigeriana chamada Jos. Como é que uma companhia de teatro pode cumprir a sua missão num sítio onde a segurança das pessoas é uma das primeiras prioridades? E qual o papel dessa companhia num ambiente definido pelo terrorismo, a corrupção, divisões étnicas e religiosas? mv

23.05.2012 | por Maria Vlachou

Revisão Musical: Conjunto Angola 70‏

Revisão Musical: Conjunto Angola 70‏ O baixo eléctrico, sem a relevância que viria a adquirir na música angolana nas décadas seguintes, ainda serve aqui fundamentalmente de âncora a todo o grupo, com linhas frequentemente repetitivas, mas hipnotizantes e que prendem o ouvido e convidam o ouvinte a uma dança.

14.05.2012 | por Sachondel Joffre

África continua em destaque no Festival Babel Med Music de Marselha

África continua em destaque no Festival Babel Med Music de Marselha O Festival Babel Med Music de Marselha que, durante três dias, de 24 a 31 de março, ofereceu trinta concertos de músicas do mundo a 15 mil espetadores aproximadamente, mais uma vez pôs em destaque África e o mundo afrocaribenho, com cerca de metade dos artistas e dos grupos do programa. Homenagem às estrelas consagradas como Mory Kanté (Guiné) e Bonga (Angola), esta 8ª edição permitiu ainda a descoberta de uma plêiade de talentos emergentes, vindos de norte a sul do continente e das ilhas. Marselha confirma, mais uma vez, a sua vocação de porta de África...musical!

11.05.2012 | por Nadia Khouri-Dagher

Proibido ler isto

Proibido ler isto "Proibido ouvir isto" começa muito bem para quem esperou 5 anos por ele. Com uma sessão rimada de explicações e esclarecimentos, afinal meia década de ausência é suficiente para alimentar boatos, rumores, e mal-entendidos, McK leva-nos aos assuntos proibidos de Angola, de África e do mundo, mostrando-nos que, embora afastado, esteve sempre atento.

24.04.2012 | por Azagaia

O equilíbrio da "Batida" perfeita

O equilíbrio da "Batida" perfeita Não é exactamente Luanda e não é propriamente Lisboa. Batida é uma ponte, e o mundo vai aprender a atravessá-la.

05.04.2012 | por Mário Lopes

Simha Arom, uma vida consagrada às músicas da África central

Simha Arom, uma vida consagrada às músicas da África central Simha Arom consagrou a sua vida ao estudo da música dos povos da África central. Estudou, em particular, a música dos pigmeus que ele considera «absolutamente extraordinária». Depois de ter vivido muito tempo na África central, instalou-se em Paris onde prosseguiu uma carreira de etnomusicólogo.

28.03.2012 | por Nadia Khouri-Dagher

Manu Dibango, o lado feliz da vida

Manu Dibango, o lado feliz da vida Manu Dibango festeja em 2007 os seus cinquenta anos de carreira. No entanto, conserva o mesmo entusiasmo e a mesma alegria dos seus 20 anos!

28.03.2012 | por Nadia Khouri-Dagher

O Centro de Música Negra da Baía

O Centro de Música Negra da Baía É difícil imaginar que se Bach, Mozart, Vivaldi ou Monteverdi são conhecidos há séculos, nenhum músico africano se tenha tornado célebre antes do século XX! Miles Davis, Louis Armstrong, Youssou N’Dour, James Brown, Compay Segundo, Miriam Makeba, Aretha Franklin, Cesaria Evora, Gilberto Gil, Nina Simone, são hoje celebridades mundiais, e é difícil imaginar que ainda nos anos 30 do século XX, na época em que Billie Holiday e Ella Fitzgerald cantavam, a segregação racial era uma realidade nos Estados Unidos, proibindo aos Negros a entrada em certos clubes de jazz, restaurantes, lojas, autocarros, etc...

28.03.2012 | por Nadia Khouri-Dagher

Rap guineense: a Guiné ouvida por todos

Rap guineense: a Guiné ouvida por todos Nova Geração. Masta Tito, os Baloberos, FBMJ, Best Friends, Cientistas Realistas, entre outros, continuam a cantar principalmente em crioulo e, juntando o francês e as “línguas maternas”, conectam o rap/hip hop com as raízes e o mundo. Cantados pelos palcos do país, desde o Lenox de Bissau até às várias discotecas onde as pistas de dança se transformam em “palcos”, em concertos play-back com momentos de free style (se os microfones permitirem), a performance tenta preencher o que a falta generalizada de meios técnicos castiga. Ainda assim, o corpo e a boca no microfone mudo comunicam.

23.03.2012 | por Joana Sousa

As origens do samba - entrevista a Spírito Santo

As origens do samba - entrevista a Spírito Santo o brasileiro Spirito Santo não aceita as verdades estabelecidas sem questioná-las, doa a quem doer: "O ritmo seminal do samba teria tido como origem remota entre ritmos da área da Angola atual. (...) "Ironicamente, se não houvesse racismo no Brasil talvez não existisse samba. (...) Tento colocar em debate a proposta de que a história do negro no Brasil e todo o resto neste campo precisa ser total e urgentemente revisto."

15.03.2012 | por João Belisário

Fetiche de pregos - Nkisi-nkonde

Fetiche de pregos - Nkisi-nkonde O tema nkisi, aplica-se a diferentes categorias de objectos que se inscrevem num sistema global de representações, exprimindo as relações entre os humanos e o sobrenatural e os homens entre si.

15.03.2012 | por Eglantina Monteiro

"Repressão – Rap, Ruas e Resistência", disco de Chullage

"Repressão – Rap, Ruas e Resistência", disco de Chullage Sete anos sem um lançamento oficial mas com muita aprendizagem, muita luta e muita música com várias pessoas que me enriqueceram. Lanço novo disco motivado por aqueles que, encontrando-me nos bairros, ruas, transportes públicos, redes sociais, pediram mais música. Motivado pela minha fome de MC. Acima de tudo motivado pelo actual estado de coisas e falta de Estado nas coisas. Motivado pela resistência e pressão que temos que pôr nas ruas, nas colunas, nos ecrãs através da música, as artes visuais e guerrilha.

13.03.2012 | por Luca Fazzini

Não é contra a censura que lutam. É contra a autocensura

Não é contra a censura que lutam. É contra a autocensura Têm aversão à política porque, sem uma sociedade civil forte, vêem-na associada ao Partido no poder. O seu primeiro gesto, portanto, é artístico.

04.03.2012 | por Ana Dias Cordeiro

Voz de Angola

Voz de Angola O rapper MCK lançou em Janeiro "Proibido Ouvir Isto" e, em quatro horas, de norte a sul de Angola, voaram 10 mil cópias. Fala com eloquência do país que existe para além do Eldorado de petróleo e diamantes. MCK de volta: "Eu avisei que era proibido ouvir isto, mas vocês carregaram play. Estou di volta na caminho di luta, em busca de justiça, paz e liberdade".

01.03.2012 | por Mário Lopes