O país que nasceu meu pai, novo álbum

O país que nasceu meu pai, novo álbum Este trabalho, estas palavras, estas melodias e sonoridades são originalmente o que me sobrou da perda de meu pai, da perda do meu pai e de todas as memórias que se avivaram em mim depois dessa perda. Dos lugares, dos cheiros, do tempo que tinha muito mais tempo dentro de si, mas principalmente das pessoas. Das pessoas de meu pai, assim crédulas, próximas umas das outras. Avivaram-se memórias dos casamentos de três dias em que o meu pai tocava (dj) nos quintais da cidade...

Palcos

29.11.2013 | por Paulo Flores

Tribo Sul (Rap/Hip-Hop) - Perfil

Tribo Sul (Rap/Hip-Hop) - Perfil No álbum de estreia "Grito de Liberdade" (interpretado 80% em inglês), apresentam uma espécie de manifesto contra as correntes neoliberais - com inclinação para a extrema-esquerda -, contra a gestão política sul-africana e a gestão política africana em geral, contra a influencia ocidental nas decisões políticas dos países africanos, contra a xenofobia e contra o racismo.

Palcos

08.03.2013 | por Tribo Sul

Yuri da Cunha. O choro do semba que virou alegria

Yuri da Cunha. O choro do semba que virou alegria Yuri da Cunha vai conquistar o mundo à moda angolana – com música cheia de balanço, com cores e “griffes” da moda, com histórias do povo, com passadas arriscadas mas severas, com um pouco de “banga” (estilo) e uma pausa muito própria. Yuri da Cunha – que em criança chorava ao ouvir semba - é isto tudo. Angola também.

Palcos

24.07.2012 | por Miguel Gomes

Revisão Musical: Conjunto Angola 70‏

Revisão Musical: Conjunto Angola 70‏ O baixo eléctrico, sem a relevância que viria a adquirir na música angolana nas décadas seguintes, ainda serve aqui fundamentalmente de âncora a todo o grupo, com linhas frequentemente repetitivas, mas hipnotizantes e que prendem o ouvido e convidam o ouvinte a uma dança.

Palcos

14.05.2012 | por Sachondel Joffre

O equilíbrio da "Batida" perfeita

O equilíbrio da "Batida" perfeita Não é exactamente Luanda e não é propriamente Lisboa. Batida é uma ponte, e o mundo vai aprender a atravessá-la.

Palcos

05.04.2012 | por Mário Lopes

As origens do samba - entrevista a Spírito Santo

As origens do samba - entrevista a Spírito Santo o brasileiro Spirito Santo não aceita as verdades estabelecidas sem questioná-las, doa a quem doer: "O ritmo seminal do samba teria tido como origem remota entre ritmos da área da Angola atual. (...) "Ironicamente, se não houvesse racismo no Brasil talvez não existisse samba. (...) Tento colocar em debate a proposta de que a história do negro no Brasil e todo o resto neste campo precisa ser total e urgentemente revisto."

Palcos

15.03.2012 | por João Belisário

Kota Bonga, "democracia e harmonia nessa nossa família"

Kota Bonga, "democracia e harmonia nessa nossa família" Há 40 anos que faz música de Angola, tem quase 500 temas gravados e muitos quilómetros de estrada. Sente-se hoje compensado por todo esse esforço e colaboração. O novo disco de Bonga, Hora Kota apela à mais profunda identidade africana, valorizando ensinamentos e princípios ancestrais, na escuta das estórias dos mais-velhos, que podem contribuir com alguma clarividência num mundo confuso.

Palcos

20.01.2012 | por Marta Lança

O mundo está cheio de estórias, basta estar atenta - entrevista a Aline Frazão

O mundo está cheio de estórias, basta estar atenta - entrevista a Aline Frazão Muitos lhe admiram o profissionalismo e a consistência com uma idade tão jovem. Uma voz doce e firmeza na guitarra, alma de poeta e convicção no sonho de uma Angola com maior horizonte e igualdade, Aline Frazão já conquistou o coração de muitos ouvintes. Fala de uma particular forma de sentir e criar, da qual resulta o seu primeiro disco "Clave Bantu", cujo lançamento está em curso nas suas várias geografias afectivas.

Cara a cara

09.11.2011 | por Marta Lança

Documentários sobre música angolana

Documentários sobre música angolana sobre Mãe Ju: "Em Luanda, a nova Música / Dança inventa-se todos os dias e evolui a um ritmo efervescente. A novidade do fenómeno deve-se à afluência em massa de jovens vindos directamente das aldeias do interior (de tradições tribais) para a gigantesca metrópole (de vocação moderna e urbana). O resultado é uma explosão de tendências musicais radicalmente inovadoras, contemporâneas, urbanas, em rápida mutação."

Afroscreen

06.03.2011 | por vários

Um livro de rara alegria para Angola

Um livro de rara alegria para Angola Não é necessário conhecer a infância musical de Paulo Flores, saber-lhe o currículo académico e existencial para sentir que a sua voz e a sua música têm memória. O que em termos artísticos em geral – e na música particularmente – é tão importante como saber ouvir os outros. Só assim – nesta envolvente procura no que de melhor se faz “fora-de-portas” e na leitura atenta e crítica do passado-terá sido possível chegar, por exemplo, a Xê Povo- uma obra ímpar, fundamental.

A ler

22.02.2011 | por Jerónimo Belo

Uma música com identidade

Uma música com identidade Em 1943 Benguela prospera. Com o famoso caminho-de-ferro a avançar em direcção ao interior africano, a cidade prepara-se para mudar de cara segundo um moderno plano de urbanização. Respira-se progresso. Numa das suas ruas um acontecimento importante está também prestes a acontecer: Dona Ludovina (uma cantadeira de mão cheia, diz-se), esposa de Sebastião José da Costa, um funcionário dos Correios e antigo jornalista, prepara-se para dar à luz uma criança a que dará o nome de Carlos Lamartine. Benguela prepara-se assim para receber, de braços abertos mais um grande filho, que se tornará num senhor grande da música nacional e autor de melodias imortais.

Palcos

18.02.2011 | por Mário Rui Silva

Ao som da grafonola

Ao som da grafonola As tampas das panelas rodavam feito discos num aparelho de som imaginário. Fechavam-se os olhos e os sons ecoavam por todo o lado. Depois vieram as sessões de mornas e coladeras na guitarra de um primo que “morou lá em casa”. As grafonolas e as rádios pick-up também já lá moravam há muito. Mas isso foi no início, lá bem no início. Pela frente ainda haveria o Clube Marítimo Africano, as festas de finalistas, o agigantar de um novo valor e, por fim, o seu reconhecimento como grande nome da música angolana: Filipe Zau.

Palcos

16.02.2011 | por Mário Rui Silva

Paulo Flores, menino destino

Paulo Flores, menino destino Feliz a iniciativa de Gabriel Baguet Jr., para quem a música de Paulo Flores “é um hino constante de emoção”, de celebrar a sua arte, entre amigos e admiradores e através do livro Paulo Flores: o Talento da Utopia. Nesta viagem musical, de já vinte-anos-e-lá-vai-fumaça, nunca deixou de “procurar caminhos, sonoridades e novas abordagens musicais. Porque lhe interessa compreender a música também enquanto fenómeno social e a matriz dos sons, trabalhando para trazê-los aos nossos tempos de forma criativa.

Palcos

08.02.2011 | por Marta Lança

O jazz não é uma música snobe, entrevista a Jerónimo Belo

O jazz não é uma música snobe, entrevista a Jerónimo Belo Depois de largos anos levando o jazz consigo como uma “segunda” opção profissional, Jerónimo Belo pode dizer-se que deixou o que fazia para trabalhar o e com o jazz. Gegé Belo, como carinhosamente é tratado pelos seus próximos, assume-se como a voz e o rosto mais conhecido no sentido da sua divulgação em Angola, onde vê crescer, com notável agrado, o número de seguidores.

Palcos

06.02.2011 | por Adebayo Vunge

Um novo canto da terra

Um novo canto da terra Canta os sons da terra, mas foram os Beatles os responsáveis pelo despertar para os múltiplos jogos melódicos que a escala musical encerra. Com uma carreira reconhecida fora e dentro de portas, Filipe Mukenga faz parte da geração que protagonizou a explosão da música nacional, nos anos 60 e 70, constituindo hoje uma referência incontornável dos que cantam Angola.

Palcos

07.12.2010 | por Mário Rui Silva