Mestre Leopoldina, elogio da malandragem

05.06.2010 | por martalanca

Buala na RTP África :-)

Abílio Bragança Neto vai propor uma reflexão sobre o projecto no programa “Debate Africano”. 

Domingo dia 6, às 10h00

 

Para quem não tem RTPÁfrica pode ouvir aqui


05.06.2010 | por martamestre

S. Tomé - Professores para o Ano Lectivo 2010/2011

–––- Mensagem encaminhada ––—
Para: STP Yahoogroups <saotome@yahoogroups.com>

Olá a todos…

Eu sou o Pedro Nazaré… fui Leigo para o Desenvolvimento em São Tomé e Príncipe em 2003/2004, actualmente estou ao serviço do IDF em São Tomé não como professor mas nos serviços de administração.
Escrevo vos a informar de que estamos a “tentar” recrutar professores para todos os grupos disciplinares… quem sabe… se… não conhecem alguém que possa estar interessado em dar aulas numa escola com paralelismo pedagógico ao currículo português -(do 5º ano ao 12º ano lectivo - agrupamento de estudos cientifico humanísticos - Ciências e Tecnologias / Línguas e Humanidades e novidade para o ano lectivo 2010/2011 Artes Visuais), Pontos fortes da nossa escola - apenas 350 alunos, duas turmas em cada ano lectivo, escola bonita situada no campo de milho próximo da linha imaginária do equador (a cerca de 60km)… situada ainda entre as duas baías mais bonitas do continente Africano (ou talvez não) a Baía Ana Chaves e a Baía da Praia Lagarto - Praia Emília - praia francesa - aeroporto e o deslumbrante ilhéu das cabras… serão de certeza argumentos muito fortes para desafiar os espíritos mais inquietos…

Se puderem ajudar a divulgar ficaríamos muito agradecidos…

Os contactos para envio de currículos e pedido de informações:
email: idf.stp@gmail.comidf.director@gmail.com
Telefone: 00239.2221194
Fax:        00239.2221194
 

05.06.2010 | por franciscabagulho

Vaga de emprego no ECDPM

Válido até 2010.06.11

 

ECDPM is currently recruiting for a Research Assistant (European or African) to be based in Maastricht in the Netherlands. Please see the job description. The focus of this job is our on-going work in EU-Africa relations. The application form is available from ECDPM’s website at: http://www.ecdpm.org/vacancies  

05.06.2010 | por franciscabagulho

nacionalistas de moçambique

O livro (*) em que se salvaguarda a memória de dez nacionalistas moçambicanos (Noémia, Bucuane, Rangel, Balamanja, M’Boa, Malangatana, Mulenza, Nogar, Manganhela e Mabote) tem desde logo o mérito de compensar as óbvias carências que naquele país africano existem para o registo histórico e se prestar o devido preito aos que sofreram na carne o ódio colonial. Através dele, encontramo-nos com diversos personagens – artistas, poetas, religiosos, militantes e guerrilheiros – a contas com uma repressão selvática com que o regime colonial e o seu braço repressivo (a PIDE) respondiam aos anseios autonomistas, mesmo a “mais suave”. As imagens das brutalidades a que foram sujeitos, a forma sinistra como o aparelho repressivo colonial triturava o assomo de dignidade, dão uma face que não pode ser esquecida, nesta época de negacionismo face ao colonialismo e à descolonização, que vai até ao assomo de se pretender tingir de patriotismo vero as iníquas guerras coloniais, da forma como o colonialismo português, até cair sob a mira das armas dos que o regime fardou para ser o seu braço armado em África, usou a brutalidade mais cruel e sanguinária para impossibilitar “outra descolonização” que não a verificada, a que assentou na vitória dos movimentos guerrilheiros nacionalistas com os dramas que lhe estiveram associados. Na altura, as carpideiras que depois choraram a descolonização, não levantaram a voz, não deram um grito, não imprimiram um panfleto, para dizerem basta aos crimes da PIDE e do colonialismo, não agarraram um braço assassino antes de consumarem os seus crimes contra os povos africanos, não exigiram negociações e acordos, nem direitos e dignidade. Essa “pátria” dormia então o sono da cumplicidade com a ordem estabelecida. E hoje é essa mesma “pátria” que muito chora porque nenhuma opressão é eterna. Guardaram tantas lágrimas justas e então necessárias que hoje choram como crocodilos em cima da amnésia que se foi construindo. Mas não passam de gente pequena ao pé de Noémia, Bucuane, Rangel, Balamanja, M’Boa, Malangatana, Mulenza, Nogar, Manganhela e Mabote.
João Tunes

(*) – “Nacionalistas de Moçambique”, Dalila Cabrita Mateus e Álvaro Mateus, Edições Texto.

Ler aqui

05.06.2010 | por martalanca | Moçambique, nacionalistas

alguém aqui faz "arte-video"?

04.06.2010 | por martamestre | Bienais

praia maria

Oji e sestinha i apesar di cidadi sta ressakadu di noti di onti ma sima ta fldau “dispos di sabura morti e ka nada” nhos tcheka fin di semana ki sta ta prometi…


03.06 Quinta-Feira

Cinema @ Auditório do Instituto Camões 18h

Pare, Escute e Olhe de Jorge Pelicano 

04.06 Sexta-Feira

Ler @ Salão Nobre da Câmara Municipal da Praia 18h

Lançamento do livro Escritos Sobre Teatro de Kwame kondé

 

Ver @ I-Gallery - Livraria Nhô Eugênio 18h30

Inauguração da Expo In Cabo Verde de Pedro Moita

 

 

Ouvir @ Auditório do BCA 21h30

Carlos Modesto

 

05.06 Sábado

Ouvir @ Quintal da Música 21h30

Mamadou Sulabanku & Banda 

https://myspace.com/mamadouysulabanku

 

06.06 Domingo

Ouvir & Dançar @ Palácio da Cultura Ildo Lobo 19h

Mo’Kalamity & The Wizards 

03.06.2010 | por samirapereira | agenda, cabo verde, fotografia, literatura, música, praia, teatro

In Angola, censorship shrouds journalist's killing

On January 8, while Angola was hosting the African Cup of Nations, the country made worldwide headlines after a deadly attack on the Togolese national soccer team, which left a coach and a journalist dead. With international attention turning to the story, a shroud of state censorship and self-censorship by the Angolan media obscured the factual circumstances of the attack and its aftermath.

Continue reading

By Rafael Marques de Morais

03.06.2010 | por martalanca | angola, censura

A Malta da Parakuka

9 de Junho às 21h30 - concerto
África é Ritmo!
Os ritmos de África, disseminados por todos os continentes em especial pela América, evoluíram sob variadíssimas formas.
Para o Brasil foram muitos escravos de Angola e consigo a cultura desta região africana, dando origem ao samba conhecido hoje em todo o mundo.
Nos anos 50, através da rádio e dos discos, o samba, a rumba, a conga, o bolero, o merengue da República Dominicana, a plena, a guaracha, o mambo, etc, eram ouvidos, tocados e dançados em Angola, principalmente nas farras de quintal em Luanda. Foi o regresso desses ritmos às origens!
Nessa altura, o grande músico e compositor angolano Liceu Vieira Dias, adoptou uma forma única de execução do violão a partir desses ritmos pródigos e, em parceria com o lendário grupo musical “N’Gola Ritmos”, criou o “semba”, ritmo urbano que evoluíu e se tornou uma forma rítmica clássica de Angola.
O Semba, a Rebita, o Kilapanga, a Txianda, o Mukumbi, a Kazukuta, a kabetula, são alguns dos váriadíssimos ritmos angolanos,  trabalhados e executados pela Malta da Parakuka com uma sonoridade especial e  agradavelmente acústica.
A Malta da Parakuka gravou o seu primeiro CD, dedicado à memória do grande compositor angolano que foi Liceu Vieira Dias. Neste 1º CD são apresentados temas deste mesmo autor, temas tradicionais e temas originais.
Através deste e dos próximos trabalhos musicais, sempre em busca de maior qualidade, a Malta da Parakuka vai continuar a dignificar a cultura angolana implicitamente lusófona. O grupo, formado por cinco músicos conceituados e com vários caminhos musicais já percorridos durante as suas longas carreiras, revela assim, inequivocamente, as suas raízes:
Carlos Sanches | Guitarra & Voz
Jorge Kaipas | Baixo & Coros
Zezé N’Gambi | Bateria & Coros
Galeano Neto | Percussão & Voz
João Oliveira | Piano

A “MALTA DA PARAKUKA”  é um grupo de música essencialmente Angolana.
Este grupo nasceu no início dos anos 90 com músicos que já tinham percorrido quase todos os caminhos musicais desde o Rock  à  Música Latina passando pelo Jazz e Punk em projectos onde estiveram inseridos.
Pela amizade de longa data entre os elementos da Malta, pelo amor à música em geral e em particular às suas raízes angolanas, o Carlos Sanches, o Jorge Kaipas, o Zezé Ngambi, o Galiano Neto e o João Oliveira decidiram, através deste projecto dar a conhecer a música de Angola com a qualidade e originalidade sonoras deste agrupamento, dando assim o seu contributo à divulgação da riquíssima cultura de Angola.
PARACUCA é um doce angolano feito com jinguba (amendoim) envolta em açúcar caramelizado. Todos eles a certa altura da sua infância, levaram no bolso uma mão cheia de paracuca que iam comendo no caminho da escola. É doce e agradável como o som da MALTA DA PARAKUKA.
Preço bilhetes: 12 euros
Informações e reservas: maltadaparakuka.agp@gmail.com | tlm 917857111

03.06.2010 | por martalanca

eventos em Maputo

Quinta-feira 3 de Junho às 17h30
AUDITÓRIO DO CCFM
Projecção de filmes: - KARIN MONEIRO
‘Malangatana criou um monumento à paz e amizade a beira Tejo’
- JOSE FONSECA E COSTA Música Moçambique 1980

Quinta-feira 3 de Junho às 20h
TEATRO AVENIDA
Alessandra Celletti, piano, Filipe Pereira, clarinete, Amavel Pinto, guitarra, Paito Pacheco, percussão

Sexta-feira às 20h
TEATRO AVENIDA CONCERTO DE JAZZ

Caroline Henderson

Sábado das 11h até 17h
CENTRO CULTURAL MATALANE, Marracuene
“Concerto pelos direitos da criança”
Artistas convidados: Caroline Henderson, Aclamada cantora de Jazz da Dinamarca e Embaixadora de Boa Vontade do UNICEF
Stewart Sukuma - Lizha James -José Mucavele - Elvira Viegas - Neyma - Valdemiro José - Dilon Djinjdji e muito mais.

03.06.2010 | por martalanca | Maputo

Bienal de São Paulo

Divulgados os artistas da Lista Oficial dos Artistas da 29ª Bienal de São Paulo.
Artists in the Official List of the Artists selected for the 29th Sao Paulo Biennial.

here/ aqui

02.06.2010 | por martalanca | Bienal de São Paulo

museke online africa music awards

Moçambicanos arrecadam todos os premios no M O A M A.
Artiste of the Year: Lizha James – Moz/Best Female Artist: Dama do Bling - Moz
Alternative/Fusion/Rock: Tukuraka remix - Stewart Sukuma - Moz
Hip-Hop song: Casamento – Dama do Bling – Mozz
Music Video: Estilo Xaxhale - Lizha James - Moz
African Collaboration: Put it down – Sasha P/Dama do Bling – Nig/Moz. Producer: DJ Marcell - Moz

02.06.2010 | por martalanca

12.ª edição do FMM Sines – Festival Músicas do Mundo

O FMM, entre 28 e 31 de Julho em Sines, volta a oferecer uma festa da música.

Uma das bandas que virá de África:

STAFF BENDA BILILI Rep. Dem. Congo

Formado por músicos de rua paraplégicos, Staff Benda Bilili é o grupo mais premiado da “world music” em 2010 e uma das maiores revelações da música africana da última década. Veja-os a derreter um estúdio de televisão na Noruega:

02.06.2010 | por martalanca | Festival Músicas do Mundo, RDC

Kendell Geers

KENDELL GEERS / 1993 na Youngblackman

Tossing a brick through a gallery window seems about right. For this exhibition, Geers recreates his 1993 work Title Withheld (Brick). The show, simply titled 1993, is at best an accurate representation of years past, at worst a comment on years present.

69 ROELAND STREET
CAPE TOWN
8001
SOUTH AFRICA

01.06.2010 | por martalanca | KENDELL GEERS

TP50 TOCA & CANTA TOM JOBIM - CCFM- Maputo

Sexta 4 de Junho
200MT | 100MT <27anos

TP50 é um grupo de Moçambicanos que se junta para tocar Bossa Nova. Fundado em 2007 a Banda apresentou no primeiro ano “Musica e Poesia de Vinicius de Moraeis”, no segundo “A Palavra Cantada - Musica e Poesia de Chico Buarque” e criou agora o espectáculo “TP50 Toca e Canta Tom Jobim”.

Neste espetáculo o grupo vai apresentar 15 temas de Tom Jobim incluindo no reportório alguns dos mais famosos como “Águas de Março”, “Garota de Ipanema”, “Luiza” e “Teresa da Praia” entre outros.

Para além dum elenco constituido por dois violões, sax, flauta, baixo, 4 vozes, 4 percussionistas e uma dançarina, o espetaculo terá a habitual participaçao de Hortencio Langa, e desta vez de João Fidelis percussionista brasileiro. Terá tambem a presença especial de dois musicos convidados : João Carlos Schwalback e Artur Garrido.

01.06.2010 | por martalanca

"Pode ser África do Sul ou qualquer outro lugar..." Alkantara - o real em Lisboa

Mpumelo Paul Grootboom tem 35 anos, cresceu no Soweto e é um caso sério do teatro sul-africano - e não só na África do Sul. A peça Foreplay, que escreveu, encenou e apresenta hoje e amanhã no Festival Alkantara, foi estreada em Outubro de 2008 no Festival Afrovibes de Haia, na Holanda, passou por Londres, Bruxelas e, na semana passada, Paris, antes de hoje chegar ao Teatro D. Maria II (TDMII) em Lisboa.” 

ver aqui

+

 

 

01.06.2010 | por martamestre | Alkantara, Mpumelo Paul Grootboom

Bolsa Graca Nachel_Application for Graca Machel South Africa Scholarship starting 2011_prazo - 1 Junho , Agosto e Dezembro 2010

GRAÇA MACHEL SCHOLARSHIPS PROGRAMME 2010

The key aim of the Graça Machel Scholarship Programme is to help provide the human resources necessary for economic, social and cultural development in the southern African region and to develop an educated and skilled workforce that can benefit the wider community. Scholarships that target women have long been recognized as an effective approach in addressing gender equality and eradicating poverty. By providing opportunities to study at postgraduate level, these scholarships aim to empower women and to equip them to take up leadership positions in order to have a direct impact in the communities, nations and region in which they live.

The Graça Machel Scholarships Programme will provide a minimum of 60 postgraduate scholarships to female students from Lesotho, Malawi, Mozambique, Swaziland and South Africa in both South Africa and the UK. The majority of the scholarships will be for study in South Africa.

 

ver aqui

 

01.06.2010 | por franciscabagulho | Graça Machel, SCHOLARSHIP

Até 19 de Junho | Olavo Amado | Pintura em S. Tomé

01.06.2010 | por martamestre

As Roças de S. Tomé e Príncipe na CACAU

 

Fotografias pertencentes ao espólio do Instituto Marquês Valle Flôr.

 

01.06.2010 | por martamestre | roças, S.Tomé e Príncipe

Esporte, colonialismo e pós-colonialismo em países africanos de língua portuguesa

1 e 2 de junho de 2010
Rio de Janeiro/Brasil

Fórum de Ciência e Cultura/Universidade Federal do Rio de Janeiro. ver aqui

A relação entre o esporte e a construção de identidades nacionais, a exemplo do que ocorre em outras partes do mundo, pode ser plenamente identificada nos países africanos de língua oficial portuguesa, algo que se demonstra reforçado pela proximidade de realização no continente de dois importantes eventos: a Copa do Mundo de Futebol, na África do Sul, e a Copa Africana de Nações/Futebol, em Angola, ambos em 2010.

Certamente um dos motivos de tal ocorrência é o grau de penetrabilidade internacional do esporte, notadamente do futebol. Em uma ordem mundial em que o sentido de nação parece difuso perante o poder das empresas transnacionais, algo que tem impacto maior nos países em desenvolvimento, e em que as organizações internacionais (ONU, Unesco etc) se encontram fragilizadas, as competições esportivas se apresentam como um dos principais fóruns para se louvar e exaltar a idéia de pátria, algo de grande importância para países que se tornaram independentes recentemente.

No âmbito das competições esportivas, ainda que marcados por situações de desigualdade, esses países tornam-se ativos, conhecidos, mesmo surpreendentes: há sempre a possibilidade de uma vitória e/ou de uma bela atuação, que será celebrada como uma grande conquista pela população local, com o incentivo de dirigentes e da imprensa: esses eventos permitem em elevado grau uma performance pública de nação. Além disso, e mesmo por isso, o esporte foi e continua sendo utilizado por regimes políticos e administrações governamentais tanto como estratégia para encaminhar propostas de intervenção social quanto como propaganda de uma suposta eficácia administrativa, para alguns um reflexo dos “avanços do país”.

A despeito dessa grande importância, o esporte segue sendo um tema menos discutido no âmbito dos Estudos Pós-Coloniais, dos Estudos da África e nos Estudos do Esporte, algo ainda mais perceptível quando falamos dos países africanos de língua oficial portuguesa

Como parte de um projeto de investigação apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), nos dias 1 e 2 de junho de 2010 será realizado, no Rio de Janeiro, o SIMPÓSIO INTERNACIONAL “ESPORTE, COLONIALISMO E PÓS-COLONIALISMO EM PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA”.

31.05.2010 | por martalanca