Festival Teatro de Inverno em Maputo, de 25 de Maio a 23 de Junho

Decorre de 25 de Maio a 23 de Junho a décima edição do Festival de Teatro de Inverno, em Maputo, onde irão participar grupos de teatro das cidades moçambicanas de Maputo, Matola e Beira, e ainda de Angola e do Brasil.

O festival, organizado pela Associação Cultural Girassol, conta com a participação de 19 grupos, amadores e profissionais, que irão actuar, até 23 de Junho, em vários espaços da cidade de Maputo: Teatro Mapiko, Teatro Avenida, Centro Cultural Franco-Moçambicano e Cine Teatro Gilberto Mendes.

O evento, que começou no dia 25 de Maio, prevê, até dia 2 de Junho, no Teatro Mapiko da Casa Velha, as apresentações das peças: “Sete Irmãos”, “Vinte Minutos da Verdade”, “Kuphanda”, “A Face do Beirense”, “Vinte e Zinco” e “Skhendla – Os Mucavel”, protagonizadas respectivamente, pelas colectividades ECA/Teatro, Nkhululeko, Makwerinho, Malua da Beira, Ximbitana e Gumula.

Nos dias 7 e 8 de Junho, os grupos Machava-Sede, Vana Va Ndleneni, Penumbra e Mundo do Teatro do Brasil actuarão no Centro Cultural Franco-Moçambicano e no dia 9 de Junho o Festival de Inverno volta ao Teatro Mapiko onde serão apresentadas as peças “Anjos e Demónios”, do grupo Makweru, e “Curandeiro à Força” do grupo Casa Velha.

Nos dias 14, 15 e 16 de Junho, o Grupo de Teatro Gungu exibe no Cine Teatro Gilberto Mendes a obra “Salve-se Quem Puder”, enquanto “Os Indeferidos” e “Lá na Morgue”, dos Grupos Chamauarianga da Beira e Mahamba de Maputo, actuarão no Teatro Mapiko da Casa Velha.

Para encerrar o evento, o Grupo Pitabel de Angola apresentará no dia 22 de Junho, o espectáculo “O Preço do Fato: I e II”, e o grupo Girassol de Maputo exibirá, no dia 23,  a peça “A Candidata”.

Programa completo.

web

31.05.2013 | por herminiobovino | angola, Brasil, festival de teatro, Maputo, Moçambique

Fragmentos de uma Observação Participativa

Enquanto analisa os outros, Paula é também observada. 
- Sabe qual é a diferença entre encalhada e solteirona? 
É que encalhada não tem opção. 

Documentário, 2013, 35’, Video, integrado no projecto Portugal/Brasil/Angola Triângulo

de Filipa Reis, João Miller Guerra

Argumento: Pedro Pinho 
Fotografia: Vasco Viana 
Som: Rúben Costa 
Montagem: Filipa Reis, João Miller Guerra 
Com: Monique Montenegro, Paula C. Togni, Verônica Silva 
Produção e pesquisa: Marta Lança

  • 20 abril, 18:00, Cinema São Jorge, Sala Manoel de Oliveira 
  • 22 Abril, 18:45, Cinema São Jorge, Sala 3

20.04.2013 | por martalanca | Brasil, Portugal

Preview da exposição BES Photo2013 – 9ª edição

17 de abril (quarta-feira) às 11h00 no Museu Coleção Berardo
Artistas: Albano Silva Pereira |Filipe Branquinho |Pedro Motta | Sofia Borges

O Banco Espírito Santo e o Museu Coleção Berardo têm o prazer de convidar os órgãos de comunicação social para a 
preview da exposição BES Photo2013, a decorrer no próximo dia 17 de abril (quarta-feira) às11h00, no piso 0.

A 9ª edição do prémio é a terceira marcada pela sua internacionalização (alargando-se aos restantes países lusófonos) e com itinerância para o Brasil.

A antevisão da exposição contará com a presença dos artistas: 
Albano Silva Pereira (Portugal), Filipe Branquinho (Moçambique), Pedro Motta (Brasil) e Sofia Borges (Brasil); e de Pedro Lapa, Diretor artístico do Museu Coleção Berardo.

exposição BES Photo2013, que reúne trabalhos inéditos dos artistas selecionados, é inaugurada, no próximo dia 17 de abril às 19h30, no Museu Coleção Berardo onde fica patente ao público até ao dia 2 de junho. O conjunto dos trabalhos destes artistas viajará depois até ao Brasil, inaugurando a sua exposição no dia 18 de junho no Instituto Tomie Ohtake, onde poderá ser visitada até 28 de julho.

O BES Photo é um dos mais importantes prémios de arte contemporânea em Portugal, que visa promover artistas de países de língua oficial portuguesa.


Entrada gratuita
Agradecemos confirmação de presença na preview através de email ou telefone.
Namalimba Coelho | Assessora de Imprensa/Press Manager
FAMC | Museu Colecção Berardo - Arte Moderna e Contemporânea
Tel.: +351 213612637 | M.: +351 96 1750095
E-mail | namalimba.coelho@museuberardo.pt

web

15.04.2013 | por herminiobovino | Brasil, CCB, exposição de fotografia, Moçambique, Portugal

MOSCA 8 - 8th Cambuquira Short Film Festival

10 to 14th of July, 2013

THE FESTIVAL

MOSCA – The Cambuquira Short Film Festival - is focused on the diffusion of Brazilian and foreign audio-visual productions, as well as promoting a critical film-going public. The festival program includes Brazilian films screening, special programs of foreign movies, debates, workshops, exhibitions, children’s activities, a bar-restaurant and a travelling outreach festival. Since 2005, MOSCA has been contributing to the revival of film-going rituals in this small town, while also providing and expanding cultural and artistic opportunities for the local population.

DATES AND VENUE

MOSCA 8 will unfold from 10 – 14 July, 2013, in the Brazilian town of Cambuquira, located in the south of Minas Gerais, and otherwise renowned for its naturally mineral springs. The festival is warmly held at Cine Elite - an old city cinema that had been closed for about 20 years, but which in 2001 was lovingly restored by the cultural institution “Espaço Cultural Sinhá Prado”.

The venue and the town share a charming and idiosyncratic architecture, with calm and serene walking streets. This video, made for MOSCA 7, gives a glimpse of Cambuquira’s beauty and attraction:http://vimeo.com/44820975#at=0

After the primary festival in July, MOSCA continues its work with a travelling outreach festival, spreading the film-going spirit to other communities.

Service: 8th CambuquiraShort Film Festival  – MOSCA 8

Place: Espaço Cultural Sinhá Prado – Av. Virgílio de Melo Franco, 481 – Cambuquira-MG / Brazil 

Date: 10 to 14th of July, 2013 

Realização: Associação Comercial Educacional e Cultural Sinhá Prado Guimarães and Ministério da Cultura. 

Audience: the program is for all ages

Free admission

01.04.2013 | por martalanca | Brasil, cinema, festival

“Namíbia, Não!” encerra temporada em Salvador e se prepara para 3 apresentações em Portugal

Próximo fim de semana traz a última oportunidade para baianos conferirem a peça que há 2 anos faz sucesso em todo o Brasil.

Está chegando ao fim a temporada de Namíbia, Não! em Salvador. A montagem faz seu último fim de semana no Teatro Sesc Casa do Comércio (Caminho das Árvores), sábado e  domingo, dias 30 e 31 de março, às 21h e 20h, respectivamente. No mês de maio, a convite da Funarte, segue para 3 apresentações na Cidade do Porto, pelas comemorações do “Ano do Brasil em Portugal”.

“Temos viajado pelo país com a peça, mas realizar a temporada de comemoração dos dois anos de em Salvador, cidade onde esse esptáculo nasceu, tem um sabor especial. O público baiano pôde rever a história, e aqueles que ainda não tinham prestigiado essa comédia reflexiva, têm uma nova oportunidade. A temporada ainda contou com a novidade de trazer o ator Sérgio Menezes,  amigo e parceiro de outros espetáculos, que entrou no projeto Namíbia, Não! com toda garra e talento. Que venha o terceiro ano, com as novidades que o tempo nos dará!”, declara Aldri Anunciação, ator e autor do texto do espetáculo.

Jamile Amine/Comunika PressJamile Amine/Comunika PressO argumento parte da seguinte situação hipotética: o ano é 2016 e o governo brasileiro decreta que todos os cidadãos de melanina acentuada sejam deportados para um país da África. Com humor e inteligência, a partir do confinamento de 2 primos em um apartamento por causa desta absurda Medida Provisória, o espetáculo provoca uma discussão sobre a situação do negro no Brasil atual.

Namíbia,Não! é dirigida por Lázaro Ramos, estreou em março de 2011 no Teatro Castro Alves, em Salvador, e já se apresentou em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza e Brasília. Desde o seu lançamento contabiliza mais de 35 mil espectadores.

Desde sua estreia Namíbia,Não! tem acumulado importantes consagrações, validando sua qualidade artística. Contemplada com os Prêmios Braskem de Teatro 2011 e Myryam Muniz 2010, ambos na categoria Melhor Texto (autoria de Aldri Anunciação), recebeu recentemente o Prêmio Portal R7 de Melhor Texto de Teatro em 2012, escolha que deu-se através de votação popular, tendo mobilizado mais de 100 mil votantes.

O texto Namíbia, Não!, de Aldri Anunciação, foi  tema de palestra em Colóquio Internacional Sobre Literatura Brasileira Contemporânea realizado em parceria pela Freie Universität de Berlin, Université Paris-Sorbonne (França) e Universidade de Brasília, em Berlim, dias 11 e 12 de março, na Alemanha. Neste evento, a dramaturgia negra brasileira foi objeto de estudo e teve destaque no exterior. Em breve, Namíbia, Não! poderá ser traduzida e publicada em alemão.

28.03.2013 | por martalanca | Brasil, Lázaro Ramos, racismo, teatro

Prêmio Literário Casa de las Américas 2013 - Luiz Ruffato, Chico Buarque

A faceta de escritor de Chico Buarque recebeu mais um prêmio nesta quinta-feira (31) em Havana, onde também foi reconhecido o talento do mineiro Luiz Ruffato.

Luiz RuffatoLuiz Ruffato
Além dos brasileiros, escritores de Argentina, Cuba, Chile, México, Uruguai, Honduras, Peru e Equador foram homenageados na capital cubana durante a 54ª edição do tradicional Prêmio Literário Casa de las Américas 2013.

De um total de 770 obras dos gêneros romance (172), poesia (328), literatura testemunhal (56), ensaio histórico-social (42) e literatura brasileira (158), a Argentina, com 200 obras, foi o país com maior participação seguida de Brasil, Cuba, Colômbia, Chile e Peru.

O prêmio principal de literatura brasileira foi para o romance “Domingos Sem Deus”, de Luiz Ruffato, segundo a ata do júri porque “apresenta diversos episódios independentes que se entrelaçam, formando o mosaico de um Brasil essencial, embora esquecido”.

Chico Buarque, por sua vez, recebeu um prêmio honorífico de Narrativa, enquanto o mexicano Víctor Barreira Enderle recebeu a mesma distinção na categoria Ensaio e o uruguaio Rafael Courtoisie em Poesia.

O Prêmio Casa de las Américas é outorgado anualmente em Havana desde 1960 nas categorias de poesia, conto, romance, teatro, ensaio, testemunho, literatura para crianças e jovens, caribenha de expressão inglesa, caribenha francófona, brasileira e de culturas originárias.

fonte

01.02.2013 | por herminiobovino | america latina, Brasil, literatura, literatura brasileira

I Encontro das Culturas Negras

Dando sequência ao Encontro Iberoamericano do Ano Internacional dos Afrodescendentes (Afro XXI), realizado em novembro de 2011, em Salvador, Bahia - que exortou governos, sociedade civil e movimentos sociais a promover maior conhecimento e respeito pela herança cultural diversificada das pessoas de ascendência africana -, a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia realiza, no período de 08 a 12 de novembro, o I Encontro das Culturas Negras, evento que integra também às celebrações do Novembro Negro, iniciativa do Governo do Estado da Bahia.

I Encontro das Culturas Negras dá início à “Década Afrodescendente”, com o objetivo de sediar na Bahia um grande encontro anual das culturas negras do Brasil, das Américas e do mundo. Aqui, se reunirão criadores, artistas, intelectuais, profissionais da cultura, gestores culturais, pesquisadores, parlamentares, lideranças e representações do movimento cultural negro, ampliando o diálogo entre as culturas negras nacionais e internacionais.

Chico CésarChico CésarA programação compreende mesas temáticas e plenárias em Salvador (dias 08, 09 e 10) e em Santo Amaro (dia 12), para a discussão de temas que possibilitem um maior conhecimento das diversas culturas negras existentes no Brasil e no mundo, em especial na África e nas Américas, visando à criação de articulações, redes e trocas interculturais. Uma variada programação artística, com shows musicais e espetáculos de teatro, dança e exposições de artes visuais também vão acontecer durante todos os dias da programação, entendidas com base em uma noção ampliada de cultura.

web

09.11.2012 | por herminiobovino | Africa, Bahía, Brasil, dança, música, teatro

ROTAS & RITUAIS | O SAMBA TAMBÉM MORA AQUI

De 9 a 17 de Novembro | Cinema São Jorge | Cinema, Concertos, Conversas Musicais e Exposição A V edição do Rotas & Rituais junta no mesmo espaço – o Cinema São Jorge - artistas brasileiros e portugueses. 

De 9 a 17 de Novembro apresentamos um ciclo de 11 sessões de cinema brasileiro dos últimos anos, 3 concertos em que músicos brasileiros convidam nomes da música portuguesa, 2 conversas musicais e 1 exposição.


Semana de Cinema Brasileiro em Lisboa | De 9 a 14 de Novembro – entrada livre

9 Nov | 21h30

MPB – Música Portuguesa Brasileira | Pierre Aderne | Doc. | 2012

10 Nov | 18h | 21h30

O Samba Que Mora Em Mim | Georgia Guerra – Peixe | Doc. | 2010

Bruna Surfistinha | Carlos Alberto Ricelli | Ficcção | 2011

11 Nov | 18h | 21h30

A Antropóloga | Zeca Nunes Pires | Doc. | 2010

Eu Receberia as Piores Notícias dos Teus Lindos Lábios | Breto Brant | Ficção | 2011

12 Nov | 18h | 21h30

JK em Exílio | Charles Cesconetto e Bertrand Bessot | Doc. | 2010

Girimunho | Helvécio Marins | Ficção | 2011

13 Nov | 18h | 21h30

Quem se Importa | Mara Mourão | Doc. | 2012

A Festa da Menina Morta | Matheus Nachtergaele | Ficção | 2008

14 Nov | 18h | 21h30

O Céu Sobre os Ombros | Sérgio Borges | Doc. | 2010

Heleno | Henrique Fonseca | Ficção | 2012

Conversas Musicais | 12 e 14 de Novembro – entrada livre

12 Nov | 19h | Pierre Aderne recebe: Marco Rodrigues, João Afonso, Fred Martins, Luiz Caracol, Susana Travassos

14 Nov | 19h | Pierre Aderne recebe: Cuca Roseta, Susana Félix, Pedro Pinhal, Couple Coffee 

 

Concertos | 15, 16 e 17 de Novembro – 10€ / 17.50€ (2 concertos) / 25€ (3 concertos) 

15 Nov | 22h | Paula e Jacques Morelembaum convidam Pedro Jóia

16 Nov | 22h | Hamilton de Holanda convida Maria João e Mário Laginha

17 Nov | 22h | Mariana Aydar convida JP Simões e Norton Daiello

09.11.2012 | por martalanca | Brasil

Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro: Presença cabo-verdiana - 1851-1900

Integrada na Quinzena da Cultura Cabo-verdiana em homenagem a Eugénio Tavares, a decorrer nas instalações da ACV, Rua Duque de Palmela nº 2, 8º andar, Lisboa, a associação cabo-verdiana (ACV) e o instituto da Biblioteca Nacional e do Livro de Cabo-Verde, têm a honra e o prazer de convidá-lo(a) a assistir a apresentação pública do livro Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro: Presença cabo-verdiana. 1851-1900 (organização de Jean-Michel Massa), a partir das 18.00 de hoje, 17 de Outubro (Quarta-feira).

A apresentação do livro estará a cargo da Dra. Ana Cordeiro (Directora do Centro Cultural Português do Mindelo).

 


17.10.2012 | por herminiobovino | Brasil, Cabo-verde, lançamento livro

Devir mundo da favela e devir favela do mundo

As favelas criam continuamente novas formas de vida, mesmo no seio desse novo ciclo de acumulação do capitalismo globalizado – que é financeiro, mas também fundiário e cognitivo-criativo-cultural. E, nessa criação contínua, entram em conflito com as atuais transformações urbanas em direção aos megaeventos.

Com a aproximação da Copa e das Olimpíadas nos próximos anos e a atual realização da Rio+20, faz-se necessário pensar não apenas o conceito de cidade, como também perguntar: em que Rio de Janeiro desejamos morar e viver? Se existe uma característica urbana tipicamente carioca, esta é a favela: ela está presente tanto no imaginário do morador quanto na visão estrangeira da cidade. E é quase sempre lembrada apenas pelos aspectos negativos. Os tecnocratas a chamam de “assentamento subnormal” ou “área degradada”. A ONU adota uma concepção física e legal, definindo-a como “área superpovoada e com residências informais”. Seu correlato em inglês é slum, entendido como o local de residência de uma população pobre e viciada: uma verdadeira “patologia social”. Mesmo o meio acadêmico não escapa da percepção da “favelização” em suas dimensões negativas quando a percebe como segregação espacial que leva à fragmentação social, à violência civil e ao enfraquecimento da proteção social.

ler + no Le Monde Diplomatique, BRASIL de Giuseppe Cocco, Alexandre Mendes, Barbara Szaniecki

06.07.2012 | por franciscabagulho | Brasil, cidade, favela, Rio de Janeiro, Rio+20

Mestrado em Estudos Brasileiros |Faculdade de Letras e Instituto Ciências Sociais - UL

O Mestrado em Estudos Brasileiros é um programa transversal conjunto da Faculdade de Letras e do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e resulta do reconhecimento de pontos de contacto e de intersecção na investigação conduzida sobre o Brasil em áreas e unidades distintas da Universidade de Lisboa. É um segundo ciclo de estudos interdisciplinar e inovador no contexto nacional, visando uma integração dinâmica entre as humanidades e as ciências sociais, e pensado para alunos que se interessam por todos os aspectos da cultura brasileira, com destaque para quatro áreas fundamentais e para a sua articulação: Antropologia, História, Linguística e Literatura. Permite, ao mesmo tempo, uma especialização transversal no âmbito dos Estudos Brasileiros e uma pré-especialização em cada uma das áreas envolvidas. Podem candidatar-se alunos com formação de 1º ciclo em humanidades em sentido lato ou em ciências sociais.
Candidaturas: 28 de Maio a 6 de Julho
Entrevistas: 25 e 26 de Julho
Período suplementar de candidaturas: 3 a 7 de Setembro

Descrição do curso, programas dos seminários e outras informações:http://estudosbrasileiros.wordpress.com

23.06.2012 | por martacacador | Brasil, ciencias sociais, faculdade de letras lisboa, instituto de ciências sociais

Tensão entre o Brasil do optimismo económico e um Portugal eclipsado, CONVERSA COM JOÃO ADOLFO HANSEN

RED BULL HOUSE OF ART - LX FACTORY - LISBOA,  22 DE JUNHO ÀS 19H00 |
“o sol que emite uma luz negra”, de Lúcia Prancha
Na segunda Open House da residência artística de Lúcia Prancha, a artista apresenta uma palestra de João Adolfo Hansen, reputado crítico literário e historiador brasileiro. Hansen reflectirá acerca do sentido do lugar na literatura e na história, enunciando a relação entre Portugal e o Brasil – que considera “marcada pelo apagamento mútuo” – nessa reflexão. A palestra de Hansen enquadra-se na sua análise da construção da alegoria, que distingue entre verbal e factual, e o respectivo papel desempenhado na interpretação de textos e imagens produzidos no campo cultural.
 
Na sua prática, Lúcia Prancha analisa o evento enquanto fenómeno e objecto, materializando essa análise tanto em imagens e esculturas como em situações e publicações. O projecto que a artista desenvolve para a Red Bull House of Art, “o sol que emite uma luz negra”, parte da experiência vivida no Brasil, onde residiu nos últimos anos, para enunciar a tensão entre o Brasil do optimismo económico e um Portugal eclipsado pela crise financeira. No âmbito deste projecto, a artista organiza uma série de encontros com personalidades brasileiras e a projecção ao ar livre do filme Vampyr, de Carl T. Dreyer, realizado em 1932.
 
 
João Adolfo Hansen nasceu em Cosmopólis, SP em 1942 e vive e trabalha em São Paulo. Professor jubilado de Literatura Brasileira da Universidade de São Paulo, especializou-se em estudos de literaturas de língua portuguesa, sobretudo do período colonial brasileiro. Escreveu diversos livros, dos quais se destacam os seguintes: Alegoria. Construção e Interpretação da Metáfora (1986); A Sátira e o Engenho. Gregório de Mattos e a Bahia do Século XVII (1989); O o: A Ficção da Literatura em Grande Sertão: Veredas (2000);Solombra ou A Sombra que Cai sobre o Eu (2005). Organizou, ainda, Antônio Vieira. Cartas do Brasil (2003).
 
Lúcia Prancha nasceu em Coruche em 1985 e vive e trabalha em São Paulo. Estudou artes visuais na Universidade de Lisboa e na Universidade de São Paulo e participou em diversas exposições, individualmente ou em colaboração com outros artistas. Actualmente em residência artística na Red Bull House of Art, o projecto que desenvolve constitui a sua primeira exposição individual.
––-

17.06.2012 | por martalanca | Brasil, literatura brasileira, Portugal

Baobá- Moda AfroUrbeBrasileira

‘O baobá é uma árvore milenar que cresce em solo africano, simboliza o conhecimento ancestral.
A BAOBÁ é uma marca de roupas e acessórios, criada em 2006 pela estilista e jornalista brasileira Tenka Dara. 
A marca Inspira-se na relação entre as Áfricas e o Brasil cria pontes entre culturas. 
As roupas e acessórios são feitos com as CAPULANAS, tecidos tradicionais de Moçambique, utilizados por mulheres moçambicanas há muitas gerações. 
As peças da BAOBÁ são exclusivas, as estampas não se repetem no mesmo modelo.
BAOBÁ é um pouco da ÁFRICA no BRASIL.’

Visite o blog e a loja online.

15.06.2012 | por joanapereira | Africa, África-Brasil, Brasil, moda

17 de Junho| Exposição 'Meu Padinho Padre Cícero', Brasil

Meu Padinho Padre Cícero - Em cada casa um oratório, em cada quintal uma oficina

Espaço Memória do Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas

Campo de São Cristóvão s/nº.  Pavilhão de São Cristóvão - São Cristóvão. RJ.

Abertura: dia 17 de junho - 11h30 – Missa in memoriam.

                                            12h – Abertura da Mostra.

Visitação pública: de 19 de junho a 19 de agosto

Funcionamento: terça, quarta e quinta-feira, das 10h às 18h. Sexta, sábado e domingo, das 10h às 22h.

Classificação: livre.

Entrada franca.

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Cultura, a RIOTUR, o Centro de Tradições Nordestinas apresentam a exposição “Meu Padinho Padre Cícero - Em cada casa um oratório, em cada quintal uma oficina”, no Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, a partir do dia 17 de junho, às 11h30.  Nesse horário haverá uma missa in memoriam. A abertura da exposição começará ao meio-dia.

Com a curadoria de Emanoel Araújo, diretor-curador também do Museu Afro Brasil de São Paulo, a exposição, de caráter evocativo, retrata sobre a lendária figura de Padre Cícero em Juazeiro do Norte. A exposição apresenta ao público a saga de superação do povo nordestino e da liderança desse personagem religioso e também político.  A devoção do povo, as estratégias criadas por Padre Cícero e os milagres integram a narrativa cultural da mostra.

A mostra, que será distribuída nos dois andares do “Espaço Memória”, faz uma narrativa da presença lendária do líder religioso e político do Ceará, reforçada no imaginário brasileiro por representações de artistas populares. A devoção popular ao Padre Cícero Romão Batista (1844-1934) é retratada em obras, ex-votos, objetos históricos, artísticos e visuais de Padre Cícero, sob a inventividade e ótica do sertanejo. Além dos objetos dos artistas e dos pertences do Padinho Padre Cícero, o  visitante pode conferir ainda uma perspectiva histórica do líder regional, com relatos de contemporâneos através da exibição do documentário mostrando os feitos do Padre Cícero em Juazeiro do Norte e a grande comoção ao redor do seu nome. Nos primórdios da romaria a Juazeiro do Norte, aconteceu o milagre presenciado pela beata negra Maria de Araújo: ao receber a hóstia consagrada do Padre Cícero, esta se transformou em sangue.

O “Espaço Memória”, localizado no Pavilhão São Cristóvão, local considerado o mais importante pólo cultural nordestino na cidade, não poderia ser mais adequado para apresentar uma das sagas mais célebres do povo do Nordeste.

Entre os artistas expostos, encontram-se os escultores Nino e Manuel Graciano Cardoso, a ceramista Ciça (a qual, nos anos 60, esculpiu figuras de santos e cenas regionais como festas populares), o xilogravurista Francisco de Almeida e as Irmãs Cândido (autoras de peças inspiradas em personagens de TV, figuras de livros e revistas).

Folhetos de cordel, oratórios e esculturas complementam esse painel artístico, além da projeção de um documentário sobre a comoção em torno da memória do “Padinho”.

 

Ex-votos

Conhecidos popularmente como “milagres” os ex-votos (do latim: “por voto”, “por promessa”) são objetos variados (pinturas, objetos em cera, placas com inscrições, figuras esculpidas em madeira ou outros materiais) que representam a intenção votiva (promessa) e sua posterior cura. Eles são a própria materialização dessa cura. Ao expormos essa grande quantidade de peças, chamamos a atenção dos visitantes quanto à variedade, singularidade e poder de síntese, além da qualidade estética nas peças de uso prático, demarcando a presença do milagre.

 

Padre Cícero no imaginário dos artistas populares

(gravura, pintura, escultura)

 

Nino (Juazeiro do Norte/CE, 1920-2002)

Escultor. Trabalhou como cortador de cana e como ferreiro e não recebeu educação artística formal antes de iniciar suas atividades como escultor com a produção de brinquedos em lata e madeira, tais como veículos em miniatura. Passou depois à produção de figuras de macacos com partes móveis e caudas de corda, que ele chamava de “dezessete” (número do macaco no jogo do bicho). Por volta de 1980, após se filiar a uma cooperativa de artistas, o que garantiu demanda mais constante e diversificada, passou a aumentar as dimensões de suas esculturas, algumas das quais ultrapassaram um metro de altura.

 

Ciça ou Cícera Lira (Cícera Fonseca da Silva) (1935, Juazeiro do Norce/CE)

Foi por incentivo de um tio que a fez ingressar na arte da cerâmica já aos 10 anos de idade produzindo pequenas pecinhas que eram vendidas em algumas feiras, dentre as quais a feira de Juazeiro do Norte. Durante os anos 60, esculpiu figuras de santos e cenas regionais como festas populares e aspectos da cultura cearense. A pedido de um folião, no carnaval de 1972, Ciça confecciona as máscaras pelas quais ela passou a ser reconhecida como uma das grandes artistas populares do Brasil.

 

Francisco de Almeida (Crateús/CE 1962)

Xilogravurista. Começou a desenhar cedo observado o pai, que era ourives. Mudou-se para Fortaleza aos 15 anos, onde estudou Xilogravura com Sebastião de Paula e frequentou cursos de pintura na Universidade Federal do Ceará e na Universidade de Fortaleza. Participou de exposições em Fortaleza, Sobral, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Argentina e Espanha, com destaque para sua participação no Panorama da Arte Brasileira do MAM (São Paulo, 2005), na Bienal de Valência (2007) e na VII Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 2009). Especializou-se em xilogravura e realizou experimentos técnicos para a produção de obras de grandes dimensões e xilogravuras fragmentadas, capazes de produzir variações com a mesma matriz. Sua produção se debruça principalmente sobre a religiosidade nordestina.

 

Manuel Graciano Cardoso (Santana do Cariri/CE, 1923)

Partiu com a família para Juazeiro do Norte (CE) em 1929. Já aos dez anos trabalhava na madeira esculpindo pilões, gamelas e brinquedos. Depois de casado, começou a produzir ex-votos e presépios e trabalhou na agricultura. Foi o xilógrafo cordelista Abraão Bezerra Batista que o revelou ao público mais amplo, mas isso não o impediu de continuar trabalhando como agricultor familiar. Possui obras no acervo do Museu de Folclore Edison Carneiro (RJ). Participou das exposições Brésil, Arts Populaires (Paris, 1987) e Mostra do Redescobrimento (São Paulo, 2000). Sua escultura, em madeira policromada, é composta de conjuntos de personagens humanos permutáveis e de composições em monobloco de madeira, nas quais prefere figuras animais. O artista prepara suas tintas a partir da anilina misturada a breu e álcool, aplicando as cores à imburana de cambão ou aroeira, madeiras que emprega. Para Lélia Coelho Frota, “tem um veio de humor que pode crescer até o mais flamejante expressionismo em muitos dos seus trabalhos.”

 

As Irmãs Cândido - Juazeiro do Norte (CE)

Maria de Lurdes Cândida (mãe) 1939

Tendo tido onze filhos, transmitiu às filhas mulheres o ofício local “feminino” de trabalhar no barro. Filhos homens como José Cícero Fonseca da Silva, o “Zé Ciço” também seguem a tradição familiar. A pedido do xilógrafo Stênio Diniz, Dona Maria de Lurdes variou o tema de sua produção artesanal de boizinhos, panelinhas, bonecos humanos para placas de tabatinga policromada, com cenas do cotidiano da praça da cidade, temas religiosos católicos ou do candomblé em alto-relevo.

Maria Cândida Monteiro 1961 - Juazeiro do Norte (CE) e Maria do Socorro Cândido 1971 - Juazeiro do Norte (CE)

As Irmãs Cândido assinam seu nome pelas iniciais MCM e MSC para distinguirem-se entre si. Além da temática tradicional desenvolvida pela mãe, elas também produzem peças cuja inspiração se apropria de personagens de TV, figuras de livros e revistas, etc.

 

 

“A exposição dedicada ao Padre Cícero remete a quem visita o seu santuário na cidade cearense de Juazeiro do Norte. A mística que envolve a cidade, as pessoas, as igrejas e o próprio santuário faz deste universo um espaço do sagrado. Essa atmosfera de pura religiosidade vem atraindo romeiros pelos milagres do santo padre, essa grande figura que persiste por mais de 150 anos na idolatria de muitos nordestinos, atraídos ainda pela hóstia transformada em sangue da beata Maria de Araújo e do caldeirão do beato José Lourenço (1872-1946), destruído em 1937 por um bombardeio aéreo”, afirma o diretor-curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araújo.

 

Para Araújo, “esta é a luta entre a religiosidade e os domínios dos latifundiários que, de certa maneira, sempre tiveram conflitos nessa região sagrada. Padre Cícero Romão Batista foi como todos sabem um homem, um padre, um político, amigo de muita gente, inclusive de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. Essa exposição, portanto, revive um dos mais interessantes episódios da vida cearense de Juazeiro do Norte”.

 

13.06.2012 | por joanapereira | Brasil, exposição, padre

9 de Junho: Sarau Literário de Cultura Africana - Brasil

06.06.2012 | por joanapereira | Brasil, literatura, sarau

10 de Junho: Fios da Ancestralidade - São Paulo, Brasil

06.06.2012 | por joanapereira | Brasil, são paulo

Ciclos de São Vicente: 'Viandeiros' uma viagem pela diversidade cultural brasileira - Luiz Canoa

6 de Junho 22h | Igreja de São Vicente, Évora
Uma das características mais marcantes da vida moderna parece encontrar-se nas mobilidades. Circula-se pelo globo com a facilidade (e a rapidez) de um fósforo, entre as malhas da rede virtual e a sempre presente vivência da realidade. E deslocamo-nos, continuamente.Porque viajar é preciso, como dizia o poeta, em Junho exploramos esta condição global e moderna através do imaginário da viagem em todas
as suas dimensões. A viagem global, a viagem histórica ou a narrativa de viagem, o céu, o mar e a terra, sim. Mas também as migrações, os exílios e as fugas. A viagem talvez seja a forma mais actual de, entre a condição do homo viator e a errância globalizada, pensar os nosso destinos. Será, como quer Michel Onfray, que nos situamos sempre entre a imobilidade das raízes e os fluxos do nomadismo?
Assim, em mês de mobilidades, a programação dos Ciclos de São Vicente propõe uma viagem pela diversidade cultural brasileira.

Dança, música e teatralidade dão forma a Viandeiros, um espectáculo que potencia a capacidade expressiva do actor em palco. Luiz Canoa, criador e actor de Viandeiros, dá vida a oito personagens
que nos guiam numa verdadeira viagem sensorial pela diversidade cultural brasileira. Com base em pesquisas realizadas por várias regiões do Brasil e testemunhos de mestres e artistas de várias àreas da cultura brasileira, nascem José Borba, um político, pai de santo e palhaço de Pernambuco, Adelino, cantor de rua cego do Ceará, Zé Firmino, mestre de Folia de Reis em Minas Gerais ou Uiré, índio Xavante do Mato Grosso do Sul. É a partir de transformações vocais e corporais, que trazem sotaques e comportamentos diversos, que Canoa nos convida a viajar pela tradição e cultura popular, levantando ainda questões sobre liberdade, poder, contemporaneidade e religião. Premiado no único concurso de monólogos do Brasil, o Concurso Nacional de Monólogos de Festival de Teatro de Teresina, e vencedor
de prémios de melhor actor, direcção e sonoplastia no 7º Festival de Teatro de Campo Mourão, em 2007, Viandeiros é uma simbiose entre religião e ambiente lúdico, entre tradição e universalidade, um mergulho na região arquetípica da alma humana, mais precisamente um contacto com aquilo a que o autor chama de “Homem Mítico Brasileiro”.
Rua do Eborim nº 16, Porta 6
7004 - 504, Évora
Tlf.: 266 704 236, Tlm.: 919 306 951

Colecção B, associação cultural facebook

 

06.06.2012 | por martacacador | Brasil, évora, Luiz Canoa, teatro

2º Seminário de estudos sobre "A imigração Brasileira na Europa" | ISCTE

4 a 6 de Junho | Edifício II - Piso 1 Grande Auditório e Sala de Exposições (IUL/ISCTE)

Painel I - Juventude e Descendentes

Painel II - Retorno

Painel III - Saúde e Práticas de Saúde

Painel IV – Mercado de Trabalho

Painel V – Participação e Acção Política

Painel VI – Genero e Sexualidades

Painel VII – Mídia, Comunicação, Representação e Redes

Painel VIII – Religião, Crenças e Cultos

Painel IX – Famílias, Casamentos e Novas Conjualidade

+ info sobre o Seminário aqui

Instituto Universitário de Lisboa (IUL/ISCTE)
Morada: Avenida das Forças Armadas 26,Lisboa   
Autocarros: 31, 735, 738, 755, 764, 768
Metro: EntreCampos ou Cidade Universitária (Linha Amarela)
 

 

Instituto Universitário de Lisboa (IUL/ISCTE)Instituto Universitário de Lisboa (IUL/ISCTE)Instituto Universitário de Lisboa (IUL/ISCTE)

02.06.2012 | por martacacador | Brasil, imigração brasileira, ISCTE, seminarios

EXPOSIÇÃO: "Panos e Tapas, Joias e Adornos d' África", Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

De 26 Maio até 29 de julho|Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

De terça a sexta-feira: 11h às 18h. Sábado, domingo e feriado: 11h às 17h

O Museu Afro Brasil de São Paulo traz ao Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica a exposição “Panos e Tapas, Joias e Adornos d´África” como possibilidade de reconhecimento da competência artística e tecnológica de diferentes povos africanos.


São dezenas de brincos, tornozeleiras, pulseiras, tecidos e tapas que, apesar de representarem um imenso universo artístico, ainda é pouco conhecido do grande público, principalmente quando comparado às máscaras e estatuetas africanas.
O conjunto de obras a serem expostas apresenta uma grande variedade de estilos e técnicas de produção. As funções dessas obras também variam de acordo com os povos que a produzem: elas podem estar ligadas às cerimônias ou simplesmente ao embelezamento. Alguns tipos de joias e tecidos, por outro lado, estavam inseridos numa perspectiva econômica e eram usados comomoedas de trocas.


Toda essa variedade de técnicas e funções reflete, na verdade, a própria diversidade cultural e artística da África. Essa diversidade foi construída a partir de contatos entre diferentes povos africanos e também com outros povos além d´África, como é o caso da região norte do continente que recebeu ao longo de centenas de anos o fluxo e o refluxo de grupos de
comerciantes árabes que deixaram uma marca indelével na língua, nas tradições e também no fazer artístico dos povos africanos com os quais mantiveram contato.

Assim, de maneira sucinta, é o “Saber” e o “Fazer” africano, negado historicamente, que se revela nessa exposição.

Curadoria: Emanoel Araujo, artista plástico e diretor-curador do Museu Afro Brasil / SP Patrocínio: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultura

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (Rua Luís de Camões, 68. Centro)Telefones:  (21) 2242.1012 / (21) 2232.4213

 

 

26.05.2012 | por martacacador | arte africana, Brasil, centro municipal Arte Hélio Oiticia, exposição

23 Maio| Lançamento do livro "A bicicleta que tinha bigodes" de ONDJAKI, Brasil

Para mais informações consulte: www.kazukuta.com.

21.05.2012 | por joanapereira | Brasil, literatura, livro