Vasco Araújo: LIEBESTOD - Amor e Morte / LIEBSTOD - Love and Death | 17 DE ABRIL DE 2021 ÀS 15:00

“LIEBESTOD - Amor e Morte”
Uma exposição de Vasco AraújoCuradoria de Bruno MarquesSismógrafo (Porto)Abertura: Sábado, 17 de Abril, 15:00-19:00
Patente até 15 de Maio, 2021
*Limite de quatro pessoas à vez e uso obrigatório de máscara protectora no interior do espaço.

***

“LIEBESTOD - Love and Death”
An exhibition by Vasco Araújo
Curated by Bruno MarquesSismógrafo (OPorto, Portugal)
Opening: Saturday, April 17, 3:00-7:00pm
Until May 15, 2021
*Limited to four people at a time and mandatory use of a protective mask inside the space.

Por que razão somos ainda vítimas das ilusões e desilusões do amor romântico? Esta é uma das questões que Liebestod de Vasco Araújo nos suscita. Apresentada pela primeira vez em 2019, em Baku, no Azerbaijão, trata-se de uma instalação vídeo meta-operática. Duas lendas primordiais de amor trágico, perpectuadas na tradição oral e fixadas por poetas e trovadores há muitos séculos atrás, acabaram por dar o título a duas óperas emblemáticas. Tristão e Isolda e Leyli e Madjnun surgem lado a lado no seu filme, mostrando que, não obstante o “choque civilizacional” entre Ocidente e Médio Oriente - ou entre Cristianismo e Islão -, ambas constituem avatares de um mesmo arquétipo, senão de um mesmo modelo da psique humana.

Liebestod - Amor e Morte explora o amor romântico, a paixão e a impossibilidade de os dois amantes estarem juntos. Esses assuntos são revelados através do prisma de entrevistas a psicanalistas do Azerbaijão e da Alemanha que examinam e comparam os enredos das duas óperas e respondem a uma série de questões colocadas pelo artista sobre a definição do amor, a projecção das dificuldades dos protagonistas na actualidade ou o aconselhamento profissional sobre como se deve agir quando a ilusão choca com a realidade. Combinado com letras profundas, música comovente e sinistras paisagens nocturnas de antigos cemitérios, castelo abandonado e florestas virgens, estas conversas mergulham o espectador na reflexão sobre se a morte é a única salvação para o amor eterno.
No dia de abertura será lançado o livro da exposição: edição numerada e assinada pelo artista, com design da autoria de Maria João Macedo e Dário Cannatà e um ensaio de Bruno Marques. Ao tomar a forma (e função) de um libreto, esta publicação propicia, do ponto de vista conceptual e da recepção estética, uma estrita relação com a instalação vídeo, constituindo uma extensão da mesma.

-Vasco Araújo, nasceu em Lisboa, em 1975. Concluiu a licenciatura em Escultura pela FBAUL., frequentou o Curso Avançado de Artes Plásticas da Maumaus em Lisboa. Integrou ainda programas de residências, como Récollets (2005), Paris; Core Program (2003/04), Houston. Em 2003 recebeu o Prémio EDP Novos Artistas, Portugal.
Desde então tem participado em diversas exposições individuais e colectivas tanto nacional como internacionalmente: “Momento à parte”, MAAT – Fundação EDP, Lisboa, Portugal (2019); Vasco Araújo”, M-Museum, Leuven, Belgica, (2018); “Decolonial desires”, Autograph ABP, Londres, U.K. (2016); “Potestad”, MALBA - Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina.(2015) “Under the Influence of Psyche”, The Power Plant, Toronto (2014); “Debret”, Pinacoteca do Estado de S. Paulo, S. Paulo (2013); “Eco” Jeu de Paume, Paris (2008); “Em Vivo Contacto”, 28º Bienal de S. Paulo, São Paulo (2008); “Experience of Art”; La Biennale di Venezia. 51th International Exhibition of Art, Veneza (2005); “The World Maybe Fantastic” Biennale of Sydney (2002), Sydney.
O seu trabalho está publicado em vários livros e catálogos e representado em várias colecções, públicas e privadas.

www.vascoaraujo.org

/

Why are we still the victims of the illusions and disillusions of romantic love? This is one of the questions raised by Vasco Araújo’s video and installation Liebestod. Shown for the first time in 2019 in Baku, Azerbaijan, this piece is a meta-operatic work. Two primordial legends of tragic love, preserved in the oral tradition and fixed by poets and troubadours many centuries ago, provided the title of two emblematic operas. Tristan and Isolde and Leyli and Majnun appear side by side in his film to demonstrate that despite the “civilizational clash” between the West and the Middle-East (viz. between Christianity and Islam), both constitute not only the avatars of the same archetype but perhaps of the same model of the human psyche.

Liebestod - Love and Death explores romantic love, passion, and the impossibility of the two lovers being together. These issues presented through the identification prism of psychoanalysts from Azerbaijan and Germany who examine and compare the plots of the two operas and go through a series of questions raised by the artist about the definition of love, projection of the difficulties of the protagonists today, or the professional advice on how to act when the illusion collides with reality. Combined with deep lyrics, moving music, and sinister night landscapes of old cemeteries, an abandoned castle, and virgin forests, these conversations immerse the viewer in the thoughts on whether death is the only salvation for eternal love.On the opening, will be released an exhibition book: a numbered edition signed by the artist, with design by Maria João Macedo and Dário Cannatà and an essay by Bruno Marques. By taking the form (and function) of a libretto, this publication provides, from a conceptual point of view and aesthetic reception, a strict relationship with the video installation, constituting an extension of it.

-Vasco Araújo was born in 1975 in Lisbon. Completed his first degree in Sculpture in 1999 at FBAUL, and attended the Advanced Course in Visual Arts at Maumaus in Lisbon. Also took part in residency programmes, such as The University of Arts, Philadelphia (2007); Récollets, Paris (2005); and the Core Program (2003/04), Houston. In 2003, he was awarded the EDP Prize for New Artists, Portugal.
Since then, he has participated in various solo and group exhibitions both in Portugal and abroad: “Momento à parte”, MAAT – Fundação EDP, Lisboa, Portugal (2019); Vasco Araújo”, M-Museum, Leuven, Belgica, (2018); “Decolonial desires”, Autograph ABP, Londres, U.K. (2016); “Potestad”, MALBA - Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina.(2015) “Under the Influence of Psyche”, The Power Plant, Toronto (2014); “Debret”, Pinacoteca do Estado de S. Paulo, S. Paulo (2013);“Em Vivo Contacto”, 28º Bienal de S. Paulo, São Paulo (2008); “Experience of Art”, La Biennale di Venezia. 51st International Exhibition of Art, Venice; “The World Maybe Fantastic” Sydney Biennial (2002), Sydney.
His work has been published in various books and catalogues and is represented in several public and private collections.

www.vascoaraujo.org
/
Apoio à programação do Sismógrafo / Support to Sismógrafo programme:
Direção Geral das Artes (DGArtes); Apoio Criatório (CMP), Casa das Artes/DRCultura do Norte; Artworks

18.03.2021 | por Alícia Gaspar | arte, exposição, liebestod, porto, vasco Araújo

Cinema: Beast International Film Festival começa no dia 24 de março

A quarta edição do festival decorre este ano exclusivamente online, na plataforma Filmin. Entre 24 de março e 4 de abril vão ser disponibilizadas 60 produções cinematográficas de países do leste europeu, com destaque para a Roménia. O programa estende-se depois até junho, com sessões presenciais no Porto.

No ano passado deveria ter ocorrido mais uma edição do Beast International Film Festival mas a pandemia levou ao adiamento. A solução encontrada pela organização para o evento passa por um cenário misto: entre 24 de março e 4 de abril serão disponibilizados cerca de 60 filmes, através da plataforma Filmin. À medida que o confinamento abrandar, haverá sessões presenciais, no Porto. 

O programa divide-se entre o lado competitivo e secções focadas no documentário, em filmes experimentais e em criações de estudantes de cinema, com um momento de festival, de 24 a 28 de março, e os filmes disponíveis na plataforma até 4 de abril, explica a organização em declarações à agência Lusa. 

“Acho que a parte competitiva tem a ideia do ‘wild, wild east’. O ‘Leste selvagem’, um dos nossos motes. Tem pequenas janelas do Leste, com pequenas histórias, sobre relações, sobre famílias, a comunidade LGBT+. Queremos ter uma parte de diversidade da Europa de Leste e não tanto estereótipos” sobre essa região, defende o diretor do festival Radu Sticlea.

A abertura do Beast International Film Festival é assegurada pelo filme “Ivana The Terrible”, uma obra entre o documentário e a ficção, a partir da vida da própria realizadora, Ivana Mladenovic.  

“Acasa, My Home”, realizado por Radu Ciorniciuc, recebeu o prémio de cinematografia no festival de Sundance, em 2020 e é também um destaque do Beast; este documentário acompanha uma família de onze pessoas que tem de abandonar vinte anos de comunhão com a natureza, para se adaptar à vida em Bucareste. 

Também em destaque está “The Distance Between Me and Me”, de Dana Bunescu e Mona Nicoara, que explora a imagética e o trabalho de Nina Cassian. e “Invisible Paradise”, estreado no festival suíço “Visions du Réel” de 2020. Este trabalho da bielorrussa Daria Yurkevich segue três irmãs daquele país que cresceram numa comunidade piscatória, vista como um paraíso, mas muito próxima da zona de exclusão de Chernobyl. 

O Beast International Filme Festival começou a ser organizado em 2017, no Porto, pela OKNA Associação Cultural, descrevendo-se como “um evento iluminando a paisagem do cinema do Leste Europeu. Pelos Balcãs, Bálticos, pelo pós-comunismo, o BEAST abriu a janela para 21 países, representando-os de forma única com foco nos novos trabalhos, novos talentos e apresentando as novas cara do Novo Leste.”

16.03.2021 | por Alícia Gaspar | acasa my home, beast international film festival, cinema, documentário, filme festival, filmin, invisible paradise, Ivana the terrible, leste europeu, porto, Roménia, the distance between me and me

Nasce um novo hub no Porto que explora a herança colonial da cidade

Através de uma parceria entre o INSTITUTO, o colectivo InterStruct e a Rampa, nasce na cidade do Porto um hub ao abrigo da iniciativa VAHA, uma rede de diálogo composta por organizações culturais da Turquia e de outros países europeus que visa sensibilizar e emancipar a sociedade civil face aos mais diversos desafios sociais e políticos. 

O primeiro resultado dessa sinergia traduz-se num ciclo de conversas virtuais sobre os vestígios da herança colonial da cidade do Porto, com o título de “Pós-Amnésia: Desmontando Manifestações Coloniais”. Dedicado a desvendar, pensar e questionar os vestígios - materiais e imateriais - do passado colonial da cidade, este ciclo é constituído por três debates com especialistas de várias áreas que partilham as suas experiências a partir de diferentes geografias. 

O primeiro debate, “Monumentos e Memoriais” acontece a 25 de fevereiro (19h00) e conta com a participação de Beatriz Gomes Dias / DJASS, Bárbara Neves Alves e Felipe Moreira. Será moderado por Mamadou Ba

O segundo debate, “Rotas e Toponímia”, será marcado pela participação de Cartografia Negra (São Paulo), African Lisbon Tour (Lisboa) e Rota dos Escravos (Luanda), com a moderação de Isabeli Santiago. Acontece no dia 4 de Março, também às 19h00.

Por último, a terceira conversa, que decorre no dia 11 de março (19h00), irá incidir sobre “História e Cultura”, e contará com a participação de Ângelo Delgado, Onésio Intumbo e Manuel de Sousa, assim como com a moderação de Navváb Aly Danso

 

Os debates terão lugar virtualmente, pelo que podem ser acedidos através das redes sociais do INSTITUTO, do InterStruct ou da Rampa

Ligação para o evento: https://fb.me/e/24pmwoNZj?ti=wa 

Mais detalhes sobre estes debates e o ponto de partida:

Monumentos e Memoriais — 25/fev

Refletir sobre estruturas comemorativas a partir do seu potencial simbólico, assim como o interesse público sobre a sua edificação e preservação. O debate será fomentado pela análise de monumentos existentes no espaço público que perpetuam narrativas coloniais, assim como de monumentos que oferecem uma contranarrativa à dominante, a partir de casos específicos nas cidades de Lisboa, Porto e São Paulo.

  • Memorial à Escravatura - Beatriz Gomes Dias, Djass 

  • Monumento ao Esforço Colonizador Português - Bárbara Neves Alves 

  • Imagens de Controle e Monumentos - Felipe Moreira

  • Moderação: Mamadou Ba


Rotas e Toponímia — 04/mar

Abordar a “amnésia” que parece existir no espaço urbano e na toponímia de ruas, praças, placas de lojas, etc., questionando as representações que celebram pessoas ou eventos relacionados com o comércio de escravos, colonialismo e guerra colonial, assim como a ausência de representações contra-hegemónicas e decoloniais. Neste debate participarão grupos e iniciativas que têm promovido esta discussão nas cidades de Lisboa, Luanda e São Paulo.

 

  • Volta Negra - Cartografia Negra
  • African Lisbon Tour - Naky Gaglo
  • Rota dos Escravos - Associação KALU
  • Moderação: Isabeli Santiago 

 


História e Cultura (11/mar) - 19h

Refletir sobre o legado colonial em Portugal a partir da sua dimensão histórica e cultural. Assim, narrativas e linguagens hegemónicas são questionadas, enquanto perspectivas anticoloniais fazem emergir a multiplicidade de relações de poder e de experiências subjetivas que foram historicamente marginalizadas. 

 

  • Sem Ofensa - Ângelo Delgado 
  • Onésio e a Azagaia - Onésio Intumbo
  • Porto Desaparecido - Manuel de Sousa
  • Moderação: Navváb Aly Danso

 

22.02.2021 | por Alícia Gaspar | conversa, debate, evento online, herança colonial, legado colonial em Portugal, palestras online, porto, Portugal

ANDANDO EM TORNO DO SOL. MÁQUINAS, ARANHAS E CORSÁRIOS - curadoria de Eduarda Neves

Na mitologia grega, Europa, princesa filha de Agenor, rei da Fenícia, foi raptada por Zeus. Para evitar que Hera, a sua mulher ciumenta, soubesse, assumiu a forma de um touro branco de olhos azuis e deitou-se no prado enquanto Europa passeava com as suas damas de companhia. A princesa, encantada com a calma e o afecto do animal, aproxima-se e acarinha-o. Subitamente, o touro desata a voar raptando-a. Leva-a para Creta onde viveram desde então. Seja a história de um mito, que é também a história de um roubo, ou Eurasia de Beuys, é da complexa narrativa do Velho Continente que se trata: de uma Europa que foi roubada a uma Europa que roubou. Se na Idade Média uma das formas de exclusão seria a de embarcar os loucos em certos navios, foi no mar que os antigos navegadores procuraram a boa saúde que não encontravam em terra firme. Em comum têm esse parentesco, a possibilidade de ir e não voltar. Como limite entre a água e a terra, o embarque e o navio são figuras do além, a possibilidade de um dehors. Que intensidades encontramos, hoje, na Europa? Estaremos perante um modelo de repressão para as nossas máquinas desejantes que desinvestem no campo sócio-histórico? Como investir o desejo de força revolucionária e abandonar o homem superior, a gramática humanista de uma máquina de escrita envelhecida? Como destronar o Grande Império, o Grande Significante e manter a força activa do culto do erro, tal como Nietzsche chamou à invenção da arte? A libertação de Ariana, a aranha que mantém o fio no labirinto, supõe o apelo nietzscheano para que nos enforquemos com esse fio, ou seja, nos libertemos do ideal ascético, do disfarce moral. Manter a força activa do culto do erro, como chamou Nietzsche à invenção da arte e apropriarmo-nos do humor filosófico das Cartas Persas de Montesquieu, constitui a nossa “cozinha do sentido”. Sejamos Rica e Usbek, os persas imaginários desse livro prodigioso. Na mesma Terra mas com homens diferentes. A Terra gira em torno do Sol. E nós com ela, a ocidente e a oriente.

WALKING AROUND THE SUN. MACHINES, SPIDERS AND BUCCANEERS

In Greek mythology, Europa, a princess, daughter of Agenor, king of Phenicia, was kidnapped by Zeus. To prevent Hera, her jealous wife, from knowing about it, he took the form of a blue-eyed white bull and layed down in the meadow while Europa strolled with her ladies-in-waiting. Delighted with the calm and affection of the animal, the princess came close and caressed the bull. Suddenly, he grabed her and flew away, taking her to Crete where they lived since then. From the history of a myth, which is also the story of a theft, to Beuys’ Eurasia, it is the complex narrative of the Old Continent which is presented to us: from a Europe that was stolen to a stealing Europe. If in the Middle Ages one of the forms of exclusion would be to embark the madmen on certain ships, it was at sea that the old navigators sought the good health that they could not find on land. In common they have this kinship, the possibility of going and not returning. As a boundary between water and land, boarding and ship are figures of the beyond, the possibility of a dehors.Which intensities do we find in Europe today? Are we facing a model of repression for our desiring machines that disinvest in the socio-historical field? How to invest the desire for revolutionary force and abandon the superior man, the humanist grammar of an aged writing machine? How to dethrone the Great Empire, the Great Significant, and keep with the active force of the cult of error, as Nietzsche called the invention of art? The liberation of Ariana, the spider that holds the thread in the labyrinth, supposes the Nietzschean appeal that we hang with this thread, meaning that we free ourselves from the ascetic ideal, from moral disguise. To keep the active force of the cult of error, as Nietzsche called the invention of art, and to appropriate the philosophical mood of Montesquieu’s Persian Letters, is what constitutes our “kitchen of sense.” Let us be Rica and Usbek, the imaginary Persians of this prodigious book. On the same Earth but with different men. Earth rotates around the Sun. And we spin with it, west and east.

CASA DO INFANTE | INFANTE´S HOUSE | Porto | Inauguração | Opening | 13.09.19 | 18H

5 pm [13.09_13.10.19]    

07.09.2019 | por martalanca | exposição, máquinas, porto, sol

Karina Buhr e Max B.O. na Rosa Imunda I Porto

Domingo, 29 de julho, às 17h no Rosa Imunda, Porto. Karina Buhr e Max B.O. unem suas semelhanças e peculiaridades, musicais e pessoais nesse show. Músicas inéditas, versões novas de trabalhos anteriores dos dois e também improvisos formam um repertório dinâmico e inovador, repleto de conexões sonoras. Buhr canta, toca congas, alfaia e pandeiro, B.O. canta e improvisa no verso de rima rica, tudo isso em companhia do percussionista Bruno Buarque e o guitarrista Regis Damasceno.
Dois links que seguem são músicas que tocam no show B.O. e BUHR, mas com arranjos diferentes.“Rimã”e “Alcunha de Ladrão”Projeto de samba de Max: “Samba de Quebre
LINKFB MAX BO 
LINKFB KARINA BUHR 

**
Como sempre aqui na Rosaa entrada para os concertos é livre!~ Pede-se contribuição para musiques todes ~*´¨ )¸.•´¸.•´¨) ¸.•*¨)(¸.•´ (¸.•´ (¸.•*´¯`*•->Agradecemos o apoio de Luis Santrana da Sonoscopia de Brendan Hemsworth

* / º / *

Travessa do Ferraz 13Rosa Imunda no Facebook

26.07.2018 | por martalanca | Karina Buhr, Max B.O., porto

Angola, o Nascimento de Uma Nação (Vol. 1) - O Cinema do Império

Lançamento do 1º Volume do livro “Angola, o nascimento de uma nação”, sobre o cinema em Angola, organizado por Maria do Carmo PiçarraJorge António.

Locais e Horas:
Dia 9 Julho - Lisboa, Cinemateca Portuguesa, 20H00;
Dia 10 Julho - Lisboa, FNAC Colombo, 18H30;
Dia 11 Julho- Porto, Universidade de Letras, 17H30;
Dia 26 Julho - Évora, Casa da Zorra, 22H.

Em Angola, será lançado em Setembro, dia 26, no Centro Cultural Português, data a confirmar posteriormente.

 

 

03.07.2013 | por herminiobovino | cinema angolano, cinemateca, lisboa, porto

PROGRAMA ARRASTOWN#2

Atividades Permanentes
MERCADO : Áudio / Vídeo / Imagem
FOTOGRAFIA:
Exposição digital por João Pádua - “Vala Comum”
Exposição por Hugo Ganhão - “Not saved by the bell”
////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Atividades para Crianças 
16h-17h30: Children4Change 
17h30: Lomografia para pais e filhos
18h-19h30: Espetáculo “Palhaço Capacete”
////////////////////////////////////////////////////////////////////////
PISO 0
17h: LIVE PAINTING por Raquel Faria
17h: PINTURA // STREET ART - SLAPT Sktr & EKY - Mural Marcadores // Dedicated Store
20h – 22h - JANTAR ACÚSTICO- GURI- GROOVYTUDE por Danny e Renas Mont
22h - 04H: PINTURA COLECTIVA INTERACTIVA - Weronika Marcelina Kwiatkowska & Katelinj Smissaert & Joanna Sokolnicka
22h – 02h: SLAPT Sktr & EKY - Mural Marcadores // Dedicated Store
23h - “Connect the Feed” - performer - Sérgio Cardoso ; Curador - Leonardo Grassi
01h30: ESPETÁCULO DE MALABARISMO E FOGO por Palhaço Capacete
////////////////////////////////////////////////////////////////////////
BAR
17h30: SCRATCH PLAYGROUND (Disca Riscos, Thundercuts ,Score)
22h: CICLO DE CINEMA SUPER 8MM acompanhado com musica ao vivo
22h45: PERFORMANCE - ” A Tabacaria” por Sérgio Cardoso
DJ´S00h - SCHOTCH
02h - DISCA RISCOS
03h – ZURC
////////////////////////////////////////////////////////////////////////
SOTÃO
22h30: ESPETÁCULO AUDIOVISUAL Terra dos Tambores & “Inside the projector” por Tito Silva, Márcio Pinto, Pedro Vasconcelos, Luís Pedro e IZ
////////////////////////////////////////////////////////////////////////
CLUB
23h30: PERFORMANCE- A vida como ela é - Flávio Hamilton e Pedro Carvalho com textos de Nelson Rodrigues e Hudson Andrade 
HIP HOP SHOW CASE
00h: - IMAGINA- DON RUBIROSA & KRON SILVA 
DJ02H - SKATA
04H - JAAKKO

13.06.2013 | por martalanca | Arrastown, Bilan, porto

ARRAStown, no Proto, foi assim....

This is the first edition of a multicultural meeting that focuses on different projects, arts and artists as its name indicates, we want to drag, bringing the city to us, to discovering new forms, new ways of creation.

06.03.2013 | por martalanca | porto

Luanda de Baixo para Cima

Uma exposição onde se apresentam dois projectos de investigação desenvolvidos por Paula Nascimento, Stefano Rabolli Pansera e Paulo Moreira sobre o potencial urbano dos musseques de Luanda, procurando estimular o debate sobre práticas alternativas de planeamento na capital de Angola. A exposição integra material produzido no âmbito da Beyond Entropy Angola (representação oficial angolana na Bienal de Veneza 2012) e da viagem do Prémio Fernando Távora 2012 (atribuído pela Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Norte).


Rua do Esteiro 82, 4300-174 Porto
web, web2

21.10.2012 | por herminiobovino | exposição, fotografia, Luanda, porto

Workshop: "Um passo à frente e você não está mais no mesmo lugar" | Porto

Workshop de Arte-Educação como ferramenta de transformação social

9 de Junho - 10h às 18h | Associação Cultural Pantalassa

Preço: 20€| Almoço incluído (12h30 às 14h)

Esta iniciativa é ministrada por Franklin Soares (ou Frankão), fundador e presidente do Espaço Cultural Francisco de Assis França (ECFA) no Brasil e membro da Associação Cultural Pantalassa; e tem como base nove anos de experiência em arte-educação nas favelas do estado do Rio de Janeiro. É proposto como forma de capacitação e conversa informal, e dirigido a todos os interessados em trabalhar de forma responsável, em território marginalizado onde desenvolver a cultura implica tomar consciência da sua existência, e entendê-la antes de confrontá-la.


Crítica
“…Acho que o trabalho social e a educação através da arte são “matérias” que se enriquecem muito através da partilha de experiências e testemunhos, em discussões e debates em que falamos e ouvimos os outros. Como excelente conversador que é, o Frankão tornou o Workshop numa agradável discussão e de acordo com a duração da actividade julgo que se consegue o pretendido: conhecer uma experiência de trabalho social num espaço, contexto e dimensão muito difernte da nossa.”  
(Diana B., participante do workshop no espaço Arte e Manha, Lisboa)
Inscrições: 963370659/muanamu@gmail.com
Nota: Este workshop tem um limite máximo de 20 participantes | Prazo de inscrição: 7 de Junho
Local: Rua Conde de Ferreira, nº 46, 4300-093 Porto
+ info: www. PANTALASSA.org

31.05.2012 | por martacacador | Pantalassa, porto, workshop

FITEI no Porto - 35.ª edição do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica

De 26 de Maio a 3 de Junho

O programa inclui várias estreias de companhias portuguesas e a presença de companhias do Brasil, de Espanha, de França e de Itália. Este ano, o FITEI tem “prólogo” em Guimarães, Capital Europeia da Cultura e volta a contar com extensões em diversas localidades do país: Felgueiras, Faro, Viseu, Guarda, Santa Maria da Feira e Coimbra.

Devido ao corte de 38% no financiamento do Governo português (aplicado a todas as estruturas de criação e programação que mantinham contratos plurianuais com a Direcção-Geral das Artes) e o “retrocesso do sector privado” (que afastou alguns dos habituais mecenas do Festival) condicionam a edição deste ano do FITEI, obrigando a que tenha uma duração menor, sete dias em vez de duas semanas, bem como um leque menos vasto de propostas de programação. Mas os responsáveis pelo festival garantem que continua a oferecer “algumas das melhores propostas recentes do teatro nacional e internacional” e se mantém “atento às problemáticas sociais e políticas da actualidade, bem como às intemporais formas de pensar o ser humano”, dando forma “a um conceito de programação que passa pela pluiridisciplinaridade (teatro, novo circo, dança contemporânea)”.

Entre os grupos estrangeiros convidados, destaca-se a Companhia São Jorge de Variedades (São Paulo, Brasil), Xirriquiteula Teatro (Espanha), Foostsbarne Traveling Theatre (França) e o Teatro di Piazza o d’Occasione (Itália). No Teatro Nacional de São João estreia “As Intermitências da Morte”, adaptação do livro de José Saramago pelo encenador e dramaturgo José Caldas, em parceria com o encenador, autor e actor italiano Gianni Bissaca.

O programa completo do festival pode ser consultado em FITEI.

15.05.2012 | por martacacador | FITEI, porto, teatro

Colóquios sobre Literaturas de Língua Portuguesa em Lisboa e no Porto

Já esta segunda-feira, 14 de Maio, no Porto, o espaço Maus Hábitos (em frente ao Coliseu) acolhe a segunda edição do “Tinha Paixão? - Literaturas Brasileira e Africana”. À semelhança da primeira edição, mantém como objectivo principal  partilhar com o público alguns dos grandes nomes das literaturas brasileira e africana dos séculos XX e XXI. Arrancou no passado dia 26 de Abril e prevê cinco sessões de colóquios, a decorrer todas as segundas-feiras, em espaços diferentes, até dia 28 de Maio. Esta edição está marcada para as 18h30 e tem como convidados Ana T. Rocha, que falará sobre a poeta são-tomense Conceição Lima, Pires Laranjeira, que falará sobre o poeta angolano João-Maria Vilanova e Vanessa Rodrigues, que falará sobre a escritora brasileira Andrea del Fuego.

Na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa acontece a 16 de Maio, pelas 16 horas, o colóquio intitulado “Literatura e Culturas Africanas – Perspectivas de Ensino”, com as intervenções de Ana Mafalda Leite, Ana Paula Tavares, Fátima Mendonça, Inocência Mata, Luís Dias Martins e Pires Laranjeira.

13.05.2012 | por joanapereira | colóquio, língua portuguesa, lisboa, literatura, porto

Projecto HóSPEDE - Ensaio Curatorial

A cabo-verdiana Valdívia Tolentino, mestranda em Estudos Museológicos e Curadoriais na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, encontra-se actualmente a comissariar, em conjunto com os portugueses Luís Nunes e Luís Albuquerque Pinho e a brasileira Mariana Faria, o projecto expositivo HóSPEDE – Ensaio Curatorial.

O projecto tem como principal propósito provocar a reflexão crítica tanto da produção artística actual como das práticas curatoriais a ela associadas e conta com o apoio da Universidade do Porto.

HóSPEDE propõe-se a explorar questões relativas à contaminação conceptual e formal entre artistas, fruto do convívio em trabalho de atelier, de relacionamentos e colaborações. A exposição apresenta projectos da autoria dos artistas plásticos Diana Carvalho, Jonas Lewek, José Oliveira, Rita Medinas Faustino, e Sarah Klimsch, assim como dos designers de comunicação Dário Cannatà e Nikolas Sisic.

A mostra terá lugar num edifício emblemático da arquitectura modernista da cidade do Porto – o edifício Parnaso – e que funcionou como escola de música e dança entre a década de 50 e o início do século XXI. A decisão de hospedar a exposição num edifício com a carga simbólica do Parnaso integra-se no conceito de exposição. Enquanto utopia arquitectónica e artística, o Parnaso marca um tempo, uma geração da cidade do Porto.

Para além da exposição, o projecto abarca uma programação paralela abrangendo as diferentes áreas de interesse da  HóSPEDE  e do Parnaso, passando pela Curadoria, Música, Arquitectura e Cinema. Estas pequenas conversas e momentos do projecto irão acontecer no próprio local durante os dias de exposição. No contexto das premissas curatoriais, é ainda lançada uma publicação, tida como um veículo de discussão e reflexão de temas relevantes para a produção artística e cultural.

A exposição  HóSPEDE  inaugura dia 19 de Abril de 2012 às 21.00h, no 4º andar do Edifício Parnaso (Rua Nossa Senhora de Fátima, 231– Porto) e fica patente até 28 de Abril.

tel. | 96 195 67 86
mail | hospede.ec@gmail.com
facebook

08.04.2012 | por herminiobovino | curator, porto

Novo espaço IDENTIDADES + GESTO - PORTO

ABERTURA da nova morada5 de junho de 2011, domingo de eleições, pelas 19h00, ABERTURA da nova morada.Exposição ‘Desenhos de Ângelo de Sousa’. Coral de Letras da Universidade do Porto. Cassete Inconstante, ‘instalação sonora de Manel Cruz’A GESTO Cooperativa Cultural e o ‘movimento intercultural IDENTIDADES’ habitam numa nova morada (R. de José Falcão 107, Porto). Com sorte encontramos esta solução para resolver o vazio criado pela necessidade de ‘deixar’ as instalações na R. de Cândido dos Reis. Fomos sempre muito do que o ESPAÇO possibilitou, ainda que nossa actividade se espanda por geografias diversas (particularmente pelo país, Brasil, Cabo Verde e por Moçambique) e seja o relacionamento interpessoal e intercultural o nosso verdadeiro rosto. Dos tempos da ‘Travessa do Ferraz’ fomos marcados pelos momentos iniciadores, pela pluralidade das acções, pelo estabelecimento de conversas, debates, de partilha, aí estabelecemos a nossa narrativa e desses momentos se construiu a nossa identidade. A loja da ‘Marechal de Saldanha’ possibilitou um renovado contacto franco com a cidade, a acentuação de nossos laços fundadores com a arte e a cultura que produzimos e que divulgamos. De ‘Cândido dos Reis’ resta-nos o agradecimento sentido ao Sindicato dos Bancários do Norte que nos permitiu com o alojamento no coração da cidade a dimensão que hoje transportamos. Agora nesta nova morada queremos ser mais, sabemos que ‘…ainda está tudo para fazer’ (frase do nosso décimo aniversário) e assim nos apresentamos.

Continuar a ler "Novo espaço IDENTIDADES + GESTO - PORTO"

03.06.2011 | por martalanca | gesto, porto