Luanda de Baixo para Cima

Uma exposição onde se apresentam dois projectos de investigação desenvolvidos por Paula Nascimento, Stefano Rabolli Pansera e Paulo Moreira sobre o potencial urbano dos musseques de Luanda, procurando estimular o debate sobre práticas alternativas de planeamento na capital de Angola. A exposição integra material produzido no âmbito da Beyond Entropy Angola (representação oficial angolana na Bienal de Veneza 2012) e da viagem do Prémio Fernando Távora 2012 (atribuído pela Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Norte).


Rua do Esteiro 82, 4300-174 Porto
web, web2

21.10.2012 | por herminiobovino | exposição, fotografia, Luanda, porto

Os Africanos em Portugal, História e Memória - Séculos XV-XXI

Convite | Exposição “Os Africanos em Portugal: História e Memória”, no ISEG.
Local | Átrio da Biblioteca do ISEG.

De 15 de Outubro a 9 de Novembro.

2ª a 6ª feira das 9h30 às 23h.
Sábado 9h30 às 17h.

Entrada livre.
Rua do Quelhas, 6 - Lisboa.

12.10.2012 | por herminiobovino | africanos em portugal, exposição, história de áfrica, lisboa

Exposição de Yonamine, 18 de julho, Salzburgo

Yonamine works with painting, drawing, graffiti, photography, video, and other media such as tattooing and brings them together in installations that fill entire rooms. As a whole, we might describe Yonamine’s works as diaries or even archeological research. He unites a series of situations that oscillate between the past, the present, and a possible future, offering a concept of time that escapes limitation. Like the language of a Reggae DJ, his work brings to mind the concept of rewinding, of a close tie to the past, while being based in the present.
The way he constructs his works (like a puzzle) and their process of random accumulation and fragmentation can tell us a great deal about our own situation, how we all have fragmented identities, like broken mirrors. Constantly versatile, fragile identities that are subjected to many different types of violence.
Yonamine is presenting a selection of his most important pieces from recent years at the Salzburger Kunstverein for the first time in Austria. He is also developing a large-scale installation for the Salzburger Kunstverein’s Main Hall.

Yonamine was born in Luanda, Angola, in 1975. He lives and works between Lisbon and Luanda. Initially due to the Angolan war, and nowadays according to his own will, Yonamine lived in constant move between Zaire (present Democratic Republic of Congo), Brazil, Angola, Portugal and the United Kingdom. He has participated in several international exhibitions, among them the 29ª Bienal de São Paulo, 2010; the 9. Sharjah Biennial, 2009; the 10. Havana Biennial, Kuba, 2009; “Transverse”, Centro Atlantico de Arte Moderno (CAAM), Las Palmas, 2008; “Check List Luanda Pop”, 52. Biennale di Venezia Biennale, Afrikanischer Pavillon, 2007; “Replica and Rebellion”, Museum of Modern Art of Bahia, Salvador, 2006.

Inauguração 18 de Julho, 20h.
SALZBURGER KUNSTVEREIN Künstlerhaushellbrunner StraBe 3, Salzburg, Austria.

Imprensa | Press preview
Quarta, 18 Julho, 11hWednesday, July 18, 11am
Inauguração | Opening
Quarta, 18 Julho, 20hWednesday, July 18, 8pm
Conversa com o artista | Artist talk
Quarta, 19 Julho, 20hThursday, July 19, 8pm

17.07.2012 | por candela | exposição, Salzburgo, yonamine

Coletiva Para Além da História | 24 de junho a 30 de Dezembro | Guimarães

CENTRO INTERNACIONAL DAS ARTES JOSÉ DE GUIMARÃES
24 JUN - 31 DEZ 2012
INAUGURAÇÃO: 
24 Junho às 10h30
 

Com curadoria de Nuno Faria, esta exposição patente na Plataforma das Artes que integra o Centro Internacional das Artes José de Guimarães faz dialogar, em organização temática e sob a forma de Atlas, as três coleções reunidas por José de Guimarães (arte tribal africana, arte pré-colombiana e arte arqueológica chinesa) com obras da autoria do artista e de outros artistas contemporâneos e com objetos do património popular, religioso e arqueológico da região. 

ARTISTAS: 
Daniel Barroca 
Fernando Marques Penteado 
Filipa César 
Hugo Canoilas 
João Maria Gusmão & Pedro Paiva 
Mattia Denisse 
Manuel Santos Maia 
Otelo Fabião 
Pedro A. H. Paixão 
Pedro Valdez Cardoso 
Rui Moreira 
Teixeira de Pascoaes 
Thierry Simões 

28.06.2012 | por joanapereira | artes, exposição, guimarães

Exposição: 'Expectations and Vacations' de Eugénia Mussa

Eugénia Mussa (Moçambique, 1978) apresenta numa loja desactivada Expectations and Vacations – uma série de pinturas a óleo sobre papel, produzida em 2012. Estas imagens marcadamente pictóricas, onde o acto de pintar se faz sentir, são de facto, originárias de uma recolha, levada a cabo pela artista, de registos banais de uma ocorrência (expectations and vacations). A figura inserida numa determinada paisagem, sobretudo exteriores intervencionados pelo homem (um campo de jogos, uma piscina, uma avenida ladeada por palmeiras); desenha um território, mais ou menos evidente mais ou menos maioritário, que nos é sugerido pelas acções (os desportos, as cheerleaders, as graduações,  etc.) que nele vemos representadas. No entanto, a morfologia destas  imagens é feita da própria história e anatomia da Pintura,  convocadas  a várias instâncias neste corpo de trabalho.
Veja aqui a exposição online.
Exhibition venue: Rua Nova da Piedade 97, Lisboa, Portugal 

13.06.2012 | por joanapereira | exposição, lisboa, Moçambique

17 de Junho| Exposição 'Meu Padinho Padre Cícero', Brasil

Meu Padinho Padre Cícero - Em cada casa um oratório, em cada quintal uma oficina

Espaço Memória do Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas

Campo de São Cristóvão s/nº.  Pavilhão de São Cristóvão - São Cristóvão. RJ.

Abertura: dia 17 de junho - 11h30 – Missa in memoriam.

                                            12h – Abertura da Mostra.

Visitação pública: de 19 de junho a 19 de agosto

Funcionamento: terça, quarta e quinta-feira, das 10h às 18h. Sexta, sábado e domingo, das 10h às 22h.

Classificação: livre.

Entrada franca.

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Cultura, a RIOTUR, o Centro de Tradições Nordestinas apresentam a exposição “Meu Padinho Padre Cícero - Em cada casa um oratório, em cada quintal uma oficina”, no Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, a partir do dia 17 de junho, às 11h30.  Nesse horário haverá uma missa in memoriam. A abertura da exposição começará ao meio-dia.

Com a curadoria de Emanoel Araújo, diretor-curador também do Museu Afro Brasil de São Paulo, a exposição, de caráter evocativo, retrata sobre a lendária figura de Padre Cícero em Juazeiro do Norte. A exposição apresenta ao público a saga de superação do povo nordestino e da liderança desse personagem religioso e também político.  A devoção do povo, as estratégias criadas por Padre Cícero e os milagres integram a narrativa cultural da mostra.

A mostra, que será distribuída nos dois andares do “Espaço Memória”, faz uma narrativa da presença lendária do líder religioso e político do Ceará, reforçada no imaginário brasileiro por representações de artistas populares. A devoção popular ao Padre Cícero Romão Batista (1844-1934) é retratada em obras, ex-votos, objetos históricos, artísticos e visuais de Padre Cícero, sob a inventividade e ótica do sertanejo. Além dos objetos dos artistas e dos pertences do Padinho Padre Cícero, o  visitante pode conferir ainda uma perspectiva histórica do líder regional, com relatos de contemporâneos através da exibição do documentário mostrando os feitos do Padre Cícero em Juazeiro do Norte e a grande comoção ao redor do seu nome. Nos primórdios da romaria a Juazeiro do Norte, aconteceu o milagre presenciado pela beata negra Maria de Araújo: ao receber a hóstia consagrada do Padre Cícero, esta se transformou em sangue.

O “Espaço Memória”, localizado no Pavilhão São Cristóvão, local considerado o mais importante pólo cultural nordestino na cidade, não poderia ser mais adequado para apresentar uma das sagas mais célebres do povo do Nordeste.

Entre os artistas expostos, encontram-se os escultores Nino e Manuel Graciano Cardoso, a ceramista Ciça (a qual, nos anos 60, esculpiu figuras de santos e cenas regionais como festas populares), o xilogravurista Francisco de Almeida e as Irmãs Cândido (autoras de peças inspiradas em personagens de TV, figuras de livros e revistas).

Folhetos de cordel, oratórios e esculturas complementam esse painel artístico, além da projeção de um documentário sobre a comoção em torno da memória do “Padinho”.

 

Ex-votos

Conhecidos popularmente como “milagres” os ex-votos (do latim: “por voto”, “por promessa”) são objetos variados (pinturas, objetos em cera, placas com inscrições, figuras esculpidas em madeira ou outros materiais) que representam a intenção votiva (promessa) e sua posterior cura. Eles são a própria materialização dessa cura. Ao expormos essa grande quantidade de peças, chamamos a atenção dos visitantes quanto à variedade, singularidade e poder de síntese, além da qualidade estética nas peças de uso prático, demarcando a presença do milagre.

 

Padre Cícero no imaginário dos artistas populares

(gravura, pintura, escultura)

 

Nino (Juazeiro do Norte/CE, 1920-2002)

Escultor. Trabalhou como cortador de cana e como ferreiro e não recebeu educação artística formal antes de iniciar suas atividades como escultor com a produção de brinquedos em lata e madeira, tais como veículos em miniatura. Passou depois à produção de figuras de macacos com partes móveis e caudas de corda, que ele chamava de “dezessete” (número do macaco no jogo do bicho). Por volta de 1980, após se filiar a uma cooperativa de artistas, o que garantiu demanda mais constante e diversificada, passou a aumentar as dimensões de suas esculturas, algumas das quais ultrapassaram um metro de altura.

 

Ciça ou Cícera Lira (Cícera Fonseca da Silva) (1935, Juazeiro do Norce/CE)

Foi por incentivo de um tio que a fez ingressar na arte da cerâmica já aos 10 anos de idade produzindo pequenas pecinhas que eram vendidas em algumas feiras, dentre as quais a feira de Juazeiro do Norte. Durante os anos 60, esculpiu figuras de santos e cenas regionais como festas populares e aspectos da cultura cearense. A pedido de um folião, no carnaval de 1972, Ciça confecciona as máscaras pelas quais ela passou a ser reconhecida como uma das grandes artistas populares do Brasil.

 

Francisco de Almeida (Crateús/CE 1962)

Xilogravurista. Começou a desenhar cedo observado o pai, que era ourives. Mudou-se para Fortaleza aos 15 anos, onde estudou Xilogravura com Sebastião de Paula e frequentou cursos de pintura na Universidade Federal do Ceará e na Universidade de Fortaleza. Participou de exposições em Fortaleza, Sobral, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Argentina e Espanha, com destaque para sua participação no Panorama da Arte Brasileira do MAM (São Paulo, 2005), na Bienal de Valência (2007) e na VII Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 2009). Especializou-se em xilogravura e realizou experimentos técnicos para a produção de obras de grandes dimensões e xilogravuras fragmentadas, capazes de produzir variações com a mesma matriz. Sua produção se debruça principalmente sobre a religiosidade nordestina.

 

Manuel Graciano Cardoso (Santana do Cariri/CE, 1923)

Partiu com a família para Juazeiro do Norte (CE) em 1929. Já aos dez anos trabalhava na madeira esculpindo pilões, gamelas e brinquedos. Depois de casado, começou a produzir ex-votos e presépios e trabalhou na agricultura. Foi o xilógrafo cordelista Abraão Bezerra Batista que o revelou ao público mais amplo, mas isso não o impediu de continuar trabalhando como agricultor familiar. Possui obras no acervo do Museu de Folclore Edison Carneiro (RJ). Participou das exposições Brésil, Arts Populaires (Paris, 1987) e Mostra do Redescobrimento (São Paulo, 2000). Sua escultura, em madeira policromada, é composta de conjuntos de personagens humanos permutáveis e de composições em monobloco de madeira, nas quais prefere figuras animais. O artista prepara suas tintas a partir da anilina misturada a breu e álcool, aplicando as cores à imburana de cambão ou aroeira, madeiras que emprega. Para Lélia Coelho Frota, “tem um veio de humor que pode crescer até o mais flamejante expressionismo em muitos dos seus trabalhos.”

 

As Irmãs Cândido - Juazeiro do Norte (CE)

Maria de Lurdes Cândida (mãe) 1939

Tendo tido onze filhos, transmitiu às filhas mulheres o ofício local “feminino” de trabalhar no barro. Filhos homens como José Cícero Fonseca da Silva, o “Zé Ciço” também seguem a tradição familiar. A pedido do xilógrafo Stênio Diniz, Dona Maria de Lurdes variou o tema de sua produção artesanal de boizinhos, panelinhas, bonecos humanos para placas de tabatinga policromada, com cenas do cotidiano da praça da cidade, temas religiosos católicos ou do candomblé em alto-relevo.

Maria Cândida Monteiro 1961 - Juazeiro do Norte (CE) e Maria do Socorro Cândido 1971 - Juazeiro do Norte (CE)

As Irmãs Cândido assinam seu nome pelas iniciais MCM e MSC para distinguirem-se entre si. Além da temática tradicional desenvolvida pela mãe, elas também produzem peças cuja inspiração se apropria de personagens de TV, figuras de livros e revistas, etc.

 

 

“A exposição dedicada ao Padre Cícero remete a quem visita o seu santuário na cidade cearense de Juazeiro do Norte. A mística que envolve a cidade, as pessoas, as igrejas e o próprio santuário faz deste universo um espaço do sagrado. Essa atmosfera de pura religiosidade vem atraindo romeiros pelos milagres do santo padre, essa grande figura que persiste por mais de 150 anos na idolatria de muitos nordestinos, atraídos ainda pela hóstia transformada em sangue da beata Maria de Araújo e do caldeirão do beato José Lourenço (1872-1946), destruído em 1937 por um bombardeio aéreo”, afirma o diretor-curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araújo.

 

Para Araújo, “esta é a luta entre a religiosidade e os domínios dos latifundiários que, de certa maneira, sempre tiveram conflitos nessa região sagrada. Padre Cícero Romão Batista foi como todos sabem um homem, um padre, um político, amigo de muita gente, inclusive de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. Essa exposição, portanto, revive um dos mais interessantes episódios da vida cearense de Juazeiro do Norte”.

 

13.06.2012 | por joanapereira | Brasil, exposição, padre

Lisboa: Macau a preto e branco – Exposição de fotografias sobre Macau no Instituto Camões

Macau à socapa é o título da exposição de fotografia da autoria de Marcos Fernandes que está patente ao público desde 31 de maio até 29 de junho, na sede do Instituto Camões, em Lisboa (Avenida da Liberdade, 270 – junto ao Marquês de Pombal).

São 14 fotografias a preto e branco, ampliadas de forma tradicional a partir de película, que pretendem mostrar, através de breves relances, momentos fugazes do quotidiano de uma cidade sempre em movimento. Segundo o fotógrafo trata-se de “imagens captadas durante caminhadas tendo como única companhia uma velha máquina fotográfica”.

A riqueza de Macau não tem cessado de crescer, assente sobretudo nas receitas dos casinos que trazem diariamente ao território milhares de turistas e de apostadores. No entanto, a par desse movimento sem fim, mantém-se um estilo de vida tradicional que parece retido no tempo. Macau à socapa é uma espreitadela a esse quotidiano de vivências e convivências nas ruas.

Marcos Fernandes é jornalista de rádio e fotógrafo freelance. Foi galardoado com o Prémio Fotográfico Carlos Gil, atribuído pelo CENJOR, Ar.Co, Sindicato de Jornalistas, Clube de Jornalistas, e pelo Município de Figueira de Castelo Rodrigo, com o Alto Patrocínio da Presidência da República. Ficou em segundo lugar em Um Certo Olhar, concedido pelo jornal Público e pelo Banco Espírito Santo. Marcos Fernandes nasceu em 1979 em Sintra. Tem uma licenciatura em Comunicação Social, pelo ISCSP (Universidade Técnica de Lisboa), uma pós-graduação em Estudos de Fotografia, pelo IADE, e está a finalizar um mestrado em Antropologia Visual, pela FCSH (Universidade Nova de Lisboa). Estudou História da Arte na Sociedade Nacional de Belas Artes.

Fonte: Instituto Camões

05.06.2012 | por joanapereira | exposição, fotografia, lisboa, macau

9 de Junho | Carpe Diem Arte e Pesquisa - Inauguração de exposições

04.06.2012 | por joanapereira | arte, carpe diem, exposição, inauguração

31 de Maio | Inauguração da Exposição 'Caminhos' de Carolina Schacht

Dia 31 de Maio pelas 20h45 no FOYER do Centro Cultural Malaposta, não perca a Inauguração da Exposição Ilustrações aguareladas: ‘Caminho’, de Carolina Schacht.
Esta exposição estará patente ao público até ao dia 1 de Julho, de Segunda a Sábado das 11h00 às 23h00 e Domingo das14h00 às 19h00.


Centro Cultural Malaposta:
Rua Angola - 2620-492 Olival Basto
www.malaposta.pt

28.05.2012 | por joanapereira | exposição, inauguração

EXPOSIÇÃO: "Panos e Tapas, Joias e Adornos d' África", Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

De 26 Maio até 29 de julho|Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

De terça a sexta-feira: 11h às 18h. Sábado, domingo e feriado: 11h às 17h

O Museu Afro Brasil de São Paulo traz ao Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica a exposição “Panos e Tapas, Joias e Adornos d´África” como possibilidade de reconhecimento da competência artística e tecnológica de diferentes povos africanos.


São dezenas de brincos, tornozeleiras, pulseiras, tecidos e tapas que, apesar de representarem um imenso universo artístico, ainda é pouco conhecido do grande público, principalmente quando comparado às máscaras e estatuetas africanas.
O conjunto de obras a serem expostas apresenta uma grande variedade de estilos e técnicas de produção. As funções dessas obras também variam de acordo com os povos que a produzem: elas podem estar ligadas às cerimônias ou simplesmente ao embelezamento. Alguns tipos de joias e tecidos, por outro lado, estavam inseridos numa perspectiva econômica e eram usados comomoedas de trocas.


Toda essa variedade de técnicas e funções reflete, na verdade, a própria diversidade cultural e artística da África. Essa diversidade foi construída a partir de contatos entre diferentes povos africanos e também com outros povos além d´África, como é o caso da região norte do continente que recebeu ao longo de centenas de anos o fluxo e o refluxo de grupos de
comerciantes árabes que deixaram uma marca indelével na língua, nas tradições e também no fazer artístico dos povos africanos com os quais mantiveram contato.

Assim, de maneira sucinta, é o “Saber” e o “Fazer” africano, negado historicamente, que se revela nessa exposição.

Curadoria: Emanoel Araujo, artista plástico e diretor-curador do Museu Afro Brasil / SP Patrocínio: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultura

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (Rua Luís de Camões, 68. Centro)Telefones:  (21) 2242.1012 / (21) 2232.4213

 

 

26.05.2012 | por martacacador | arte africana, Brasil, centro municipal Arte Hélio Oiticia, exposição

Antje Weber: Traços - Galeria Bozart

A Galeria Bozart convida para a inauguração da exposição Traços, de Antje Weber, no dia 11 de Maio, Sexta-feira, a partir das 18h00.

 

08.05.2012 | por martacacador | Antje Weber, exposição, pintura

ISSO | Ensaio de Geo-Grafia

ESTUDIOBUCK convida para a abertura da exposição:
ISSO Ensaio de Geo-grafia de Mattia Denisse, com a curadoria de Paulo Miyada.
10 de Abril | 19h00

Rua Lopes Amaral, 123, 04544-040
São Paulo, Brasil
Contacto:
Tel. | 551138464028, 551130444575
mail | estudiobuck@estudiobuck.com.br
web

06.04.2012 | por herminiobovino | desenho, exposição, são paulo

"Cri$e vs. Trabalho"

Exposição de pintura “CRI$E vs TRABALHO” no Instituto Camões - Centro Cultural Português de Luanda.

No próximo dia 12 de Abril de 2012 terá lugar, pelas 18h30, no Instituto Camões – Centro Cultural Português, a inauguração da exposição de pintura “Cri$e vs Trabalho” (“Work vs Cri$i$”), do artista plástico Don Sebas Cassule.

“Cri$e vs Trabalho” é um projecto que pretende reflectir sobre o contributo que a arte pode dar para ajudar a superar a cri$e financeira e económica mundial.

Através de metáforas e recorrendo à natureza e à sabedoria popular, o autor propõe uma série de reflexões sobre este tema, a partir dos seus processos de criação artística.

Sobre o autor:
Sebastião Joaquim N´debela Cassule, Desenhador, Instalador e Pintor autodidacta, Técnico de Manutenção (aviónica) de Aeronaves Mig 21 Bis e Antonov-26, Oficial da Força Aérea na reserva. Nasceu em Camabatela-Ambaca, província de Kwanza Norte, Angola, em 12 de Março de 1968. Visitas de estudo aos Museus e Galerias de Arte Moderna e Contemporânea em Harare – Zimbabwe; MoMA e Guggenheim em New York – Estados Unidos da América; Nice e Paris – França;

Membro da UNAP - União Nacional de Artistas Plásticos e Membro da Associação Internacional de Artes Plásticas L´AIGLE DE NICE, sediada em Nice, França. Foi  laureado com 2 prémios (5ème Prix CONSEIL
REGIONAL PACA “Ville de Roubion”; 2ème Prix L´Invité d´Honneur Alexis MORI, no Grand Prix International d´Arts Plastiques L´AIGLE DE NICE, em Nice, em 1998. Em Novembro de 2007 no mesmo evento foi laureado com o Premio de Mérito e Dedicação Francesa pela Associação Nacional de Mérito e Dedicação de França.

- Participação na 1ª e 2ª Trienal de Arte Contemporânea de Luanda em 2007 e 2010, respectivamente.

- Participação na 7ª e 8ª Bienal de Arte Contemporânea de Florença, em Itália, em Dezembro de 2009 e 2011 respectivamente.

- Participou em mais de 60 exposições colectivas no país e no estrangeiro.

- Realizou 7 exposições individuais.

Tem obras em colecções particulares e oficiais em Angola (Paço Episcopal, Sonangol Holding, Sonangol Pesquisa e Produção, Sonangalp, Sonils, Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, INAC- Instituto Nacional da Criança, ESSO, TOTAL, Banco Mundial, BAI- Banco Africano de Investimentos- Angola, BAI- Europa, BESA - Banco Espirito Santo Angola, BPI/ BFA- Banco de Fomento Angola, Banco Sol, IBM, ENSA, Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, Angola Telecom, Direcção de Logística EMG/FAA, Hotel Mundial, Hotel Presidente, etc.) no estrangeiro (Brasil, Estados Unidos da América, Espanha, França, Itália “Vaticano”, “FAO- Fundo das Nações Unidas para Agricultura” Marrocos, Noruega, Portugal e Zimbabwe, Estação de Metro de Kyta em Yokohama, Japão, etc.).

Contacto:
donsebas.arte@gmail.com
donsebas.arte@hotmail.fr
+244923401505 | +244912390962

A exposição estará patente no IC-CCP até dia 4 de Maio.
Instituto Camões – Centro Cultural Português
Av. Portugal, Nº 50 – Luanda | Telf. 222- 330 243
icamoes.ccluanda@gmail.com

03.04.2012 | por herminiobovino | exposição, Luanda, pintura

Ciclo "Rota da escravatura e da liberdade" na Livraria Círculo das Letras‏

Rota da Escravatura e da Liberdade
organização Livraria Círculo das Letras
exposição documental, história, cinema, poesia

Exposição Documental
de 30 de Março a 21 de Abril

em colaboração com
Comissão Nacional da UNESCO
Associação Mar Uno
Os Africanos em Portugal
História e Memórias (XVI-XXI)

1 – Africanos: uma nova mercadoria (XV-XVI)
2 – Bairro do Mocambo em Lisboa
3 – A integração dos africanos (XVI-XIX)
4 – A desumanização dos africanos
5 – Estratégias africanas
6 - Permanências e mudanças (XVIII-XX)
7 - Novas dinâmicas africanas (depois de 1974)

(cartaz)

Livraria Círculo das Letras – Rua Augusto Gil, 15 B (cruzamento com Óscar Monteiro de Torres / próximo –Av Roma /João XXI) – 210938753 
web
google map

próximas apresentações
Integrando o ciclo “Caminhos da escravatura e da liberdade”
30. Março - Exposição “Os africanos em Portugal: História e Memória (séculos XV-XXI)”
10. Abril – Debate:  À conversa com António Borges Coelho (África e a largada das Naus)
Abril  - Sessão de poesia com Maria do Céu Guerra

30.03.2012 | por herminiobovino | exposição

Nikias Skapinakis - Presente e Passado (exposição)

Preview à exposição:
Nikias Skapinakis - Presente e Passado, 2012 – 1950.
26 de março (segunda-feira) às 15h

Museu Coleção Berardo tem o prazer de convidar os órgãos de comunicação social para a preview à exposição ‘Nikias Skapinakis. Presente e Passado. 2012 - 1950’ a decorrer na próxima segunda-feira, 26 de março, às 15h, no piso 2.
A visita à exposição será orientada pela comissária, Raquel Henriques da Silva, e contará com a presença do artista, Nikias Skapinakis.

Esta exposição, que se apresenta no Museu Coleção Berardo até 25 de junho, constitui a mais ampla e significativa antologia dedicada à obra de Nikias Skapinakis, reconhecido como um dos nomes mais relevantes da arte portuguesa na segunda metade do século XX. A exposição, comissariada por Raquel Henriques da Silva, organiza-se em sete núcleos reveladores da extraordinária amplitude e diversidade, bem como das inúmeras possibilidades formais e expressivas do trabalho de Nikias Skapinakis, desenvolvido durante mais de sessenta anos. A singular capacidade de síntese na abordagem da imagem e o permanente diálogo com a cultura portuguesa ou ocidental, que as suas pinturas definem, torna claro o sentido e o valor do seu contributo para um entendimento das mesmas.

A las cinco en punto de la tarde (TAG 33) Óleo sobre tela | Col. de Arte Moderna Gerardo RuedaA las cinco en punto de la tarde (TAG 33) Óleo sobre tela | Col. de Arte Moderna Gerardo Rueda

Preview: 26 de março, 15h | Inauguração: 28 de março, 19h
Exposição patente até 25 de junho

Agradecemos confirmação de presença através de email ou telefone.

Namalimba Coelho
Assessora de Imprensa/Press Manager
FAMC | Museu Colecção Berardo - Arte Moderna e Contemporânea
Tel.: +351 213612637 | M.:   +351 96 1750095
namalimba.coelho@museuberardo.pt

Praça do Império, 1449-003 Lisboa, Portugal
t: +351 213 612 878 f: +351 213 612 570
museuberardo@museuberardo.pt
www.museuberardo.pt

21.03.2012 | por herminiobovino | exposição, museus

Em Direto - Exposição coletiva na Oficina Cultural Oswald Andrade

ARTISTAS | Cadu (RJ), Carlos Teixeira (MG), Carol Cordeiro (MG), Cleiri Cardoso (SP), Cristiano Lenhardt (RS/PE), Fabiana Faleiros (SP), Fábio Morais (SP), Guilherme Teixeira (SP), Iris Helena (PB), João Angelini (DF), Letícia Ramos (RS/SP), Mattia Denisse (Portugal), Michel Groissman (RJ), Luciana Magno (PA), Pedro Vannuchi (SP), Theo Craveiro (SP), Roberto Winter (SP), Vitor Cesar (CE/SP).

CURADORIA | Paulo Miyada
ARQUITETURA | TIAGO GUIMARÃES
DESIGN | FELIPE KAIZER
FOTO | RICARDO MIYADA
 
Oficina Cultural Oswald Andrade
Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro, São Paulo

ABERTURA 05 de Novembro de 2011 | 13h
EXPOSIÇÃO até 26 de novembro de 2011, de segunda a sexta, das 09h às 21h. Sábados, das 10h às 17h30 – entrada franca

“Mais de uma geracão de pessoas nasceu e cresceu em um mundo marcado por transmissões ao vivo de notícias de guerra, espetáculos musicais e eventos esportivos. Ainda que a transmissão de informacões e histórias ao vivo possa decorrer de limites técnicos — como na época em que era caro e trabalhoso gravar os materiais antes de editá-los e transmiti-los —, a edicão em direto, feita enquanto as coisas acontecem, sempre possuiu valor retórico: aumentar a sensacão de realidade e o efeito de acontecimento e de notícia. Vivemos, então, disponíveis ao que se passa ao vivo, ou em direto — como gostam de dizer os canais de comunicacão de Portugal e Franca. Em cinco minutos, uma notícia pode provocar uma queda brusca no câmbio do Euro ou do Dólar. Ao longo de uma semana, mais de trinta manchetes cruzam nossos olhos com atualizacões sobre a tragédia ou polêmica mais recente. Por meses, todos os anos, cenas de festas, almocos e cafés da manhã de pessoas confinadas em uma casa são oferecidas como blocos de uma nova dramaturgia. Crédulos e soterrados com a informacão atualizada instantaneamente com um toque na tela do celular, nos acostumamos a, de alguma forma, apreender sentido e formar opiniões Simultaneamente ao acontecimento e à propagacão dos eventos. Por vezes sem ler efetivamente uma matéria ou editorial sequer, já pensamos entender o que acontece com o assunto das manchetes. Sem lidar com uma dramaturgia clássica, delineamos perfis psicológicos e motivacões para os personagens dos reality shows e das fofocas de celebridade cotidianas. Desconhecendo a concretude dos fatos, especulamos com os efeitos de novas notícias sobre os fluxos e ativos financeiros. A exposicão EM DIRETO reúne trabalhos de arte contemporânea que se valem de nossa capacidade de interpretacão acelerada, diante da imagem das coisas, enquanto ainda estão acontecendo”. PM


PROGRAMAÇÃO SEMINÁRIO:

05/11 | UMA OBRA DE ARTE, AO VIVO
Da história da escultura moderna até projetos site-specific relacionados a contextos, um primeiro panorama sobre a ideia de presença na arte contemporânea.
convidado: Guilherme Teixeira
Artista e educador, formado pela FAAP em Artes Plásticas e mestre em Artes Visuais pela ECA USP.
O que acontece quando os ideiais mais ambiciosos da arte moderna e do suprematismo russo se transformam em mote para intervenções diretas no mundo, como premissas para jogos, viagens e performances do artista e seu público? Guilherme explora essa pergunta valendo-se tanto de seu trabalho como artista quanto sua experiência como educador.

19/11 | JUÍZOS EM TEMPO REAL
A natureza da crítica e da opinião formadas a partir de manchetes e atualizações de poucos caracteres. Contraponto com o tempo de entendimento e fruição de obras de arte contemporânea.
convidado: Sérgio Bolliger
Arquiteto e mestre em filosofia pela UNICAMP, seu principal interesse no campo é o pensamento de Martin Heidegger.
A partir da tradução questionável do termo alemão ‘dasein’, na escrita de Martin Heidegger, para ‘presença’, conduzirá uma discussão acerca das noções de presença e convivência em relação às obras de arte. Quais as modalidades de presença e ausência possíveis, além das pautadas na materialidade das coisas? Como se comportam e se relacionam as presenças do autor, do suporte e do público?

12/11 | CIDADE, OBRA EM ANDAMENTO
Fora do campo mídiático, a experiência urbana como acontecimento que se percebe e se narra em direto.
convidado: Vitor César
Arquiteto e urbanista pela UFC, Vitor César é também mestre em Poéticas Visuais pela ECA-USP.
A quem se endereça um trabalho de arte? Pergunta movediça e circular, como o inverso de uma tautologia, pois resulta sempre em respostas duvidosas. Se, por exemplo, respondemos que a arte se endereça para o público da arte, como o definimos? E o que fazemos com os desavisados que por acaso cruzam com um trabalho? E se dissermos que é para todos, não estamos sendo muito ingênuos, ou, pelo menos ignorando as mais simples estatísticas? Além disso, onde colocamos artistas e instituições nessa definição?

26/11 | DESDE A FOTOGRAFIA, PEGADAS
O dado indicial das imagens, já largamente discutido no campo da fotografia, ganha outros contornos quando transposto ao campo mais amplo da arte contemporânea, em que processos criativos tensionam de formas variadas os resíduos entre o momento da realização e o de fruição das obras.
convidado: Cristiano Lenhardt
Artista formado pela UFSM.
Por que começar um trabalho afirmando sua simultaneidade e presença? Cristiano Lenhardt irá desdobrar sua série de trabalhos Ao vivo, explorando o contexto de debate e o contato por internet para jogar com as ideias de simultaneidade, presença e demarcação de tempo e espaço.

07.11.2011 | por joanapires | arte contemporânea, cultura, exposição

Estación Experimental: investigaciones y fenómenos artísticos

18.10.2011 | por joanapires | arte, criação artística, exposição

Colloque internacional: Revisiter l'histoire des musiques modernes d'Afrique - Retour aux sources

Continuar a ler "Colloque internacional: Revisiter l'histoire des musiques modernes d'Afrique - Retour aux sources"

17.10.2011 | por joanapires | concertos, conferências, exposição, filmes

ZONA FRANCA NO BARTÔ - INAUGURAÇÃO

Só pode ser surpresa, só pode ser verdade: o improvável conjunto (Rui Duarte, Marta Lança e Adriano Jordão), com o seu vasto conhecimento do universo boémio, vai programar, atacar, brincar e gerir o Bartô, o bar do Chapitô, a partir de Outubro.

Zona Franca inicia-se nesta experiência mas há-de seguir viagem para outras paragens, e o princípio é dinamizar espaços de encontro, onde as artes convivam com as noites, sem temer a manhã.
Concentração agora no Bartô. Todas as noites (à excepção de segunda-feira, dia em que não há peixe) acolhemos e propomos coisas boas. Da rubrica fado é bondage aos sons africanos e (in)continentes ao domingo, passando pelas tertuliantes conversas bravias, até aos sábados onde se giródisco e não se toca o mesmo, podem escolher o melhor momento para nos brindar com companhia animada. Pegámos em conceitos que já existem (não vamos inventar a roda, certo?) e lavrámos a terra para nova colheita. E então, as bandas fazem-se ao tanque-palco, académicos trocam a aula por uma conversa de copo na mão, o dj transpira para tocar, e o artista não dá mais tiros sem ricochete. Um programa vivo e extremamente atraente, a ver vamos.
Atent@s às gulas nocturnas, podem contar com tábuas de enchidos, queijos e outras surpresas gustativas.O improvável conjunto cá vos espera.
ZONAFRANCA|ZONALIBERTADA  inauguração do Zona Franca | Bartô | 7 de Outubro | 22h
A festa da inauguração serve para nos conhecermos, mostrar ao que vimos e rebentar a pista ao som dos incansáveis Bailarico Sofisticado. A exposição de Alejandro Levacov projecta as nossas utopias na tela, uma performance vem desafiar-nos, e a alegria de celebrar não nos larga.

cartaz da exposição ZONAFRANCA|ZONALIBERTADAcartaz da exposição ZONAFRANCA|ZONALIBERTADA
ZONAFRANCA|ZONALIBERTADA - EXPOSIÇÃO  Alejandro Levacov, Buenos Aires, 1973. Aos 12 anos, por causa de uma convalescença prolongada, descobre a literatura e começa a desenhar BD. A partir dos 17 viaja intermitentemente. Em 2001 emigra para Barcelona. Desde 2009 passa grandes temporadas em Lisboa. Actualmente encontra-se em Maputo. Trabalhou, entre outras coisas, como publicitário, cozinheiro, modelo nu, actor e ilustrador.
BAILARICO SOFISTICADO (DJ)  Imagine-se que, durante umas horas, poder-se-ia apagar fronteiras com uma borracha, acender fogos com dois calhaus e ser-se de qualquer tribo, da África à Europa de Leste, passando por Brooklyn e praias tropicais. É que, desde 1999, pode ser-se cidadão do mundo com um Bailarico Sofisticado assim – que o digam os milhares de pessoas que, com eles fazem, nascer o Sol no encerramento do FMM de Sines.

29.09.2011 | por joanapires | alejandro levacov, artes, Chapitô, exposição, zona franca

INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Fotógrafos - Viajantes & Viagens de Fotógrafos

INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Fotógrafos - Viajantes & Viagens de Fotógrafos, dia 29 de Setembro quinta-feira às 22:00

“O viajante, no seu movimento incessante, vê tudo à distância. Silhuetas recortadas contra a paisagem. Imagens arquitecturais se destacando no horizonte. Pessoas e lugares que pretende encontrar depois da próxima curva. A viagem é produção de simulacros, de um mundo puramente espectral erguido à beira da estrada.1

Em registo fotográfico, presentificam-se as imagens de existências, encenações e/ou simulacros com tópicos de genuinidade. Assim se demonstram subjectividades de autores nos territórios estéticos da fotografia.

Numa fotografia, supostamente, congela-se o tempo e o espaço. Congelam-se as figuras individuadas no tempo pois deixam de ser pessoas e talvez sejam, transitoriamente, personagens. Estas localizam-se ou ausentam-se, consoante os casos e as estratégias estéticas dos autores. Inequívoca é a decisória presença do fotógrafo-viajante, aquele que concretiza acto e obra. Não é verdade?

  • 1. Nelson Brissac Peixoto – “Miragens”, Cenários em ruínas – a realidade imaginária contemporânea, Lisboa, Gradiva, 2010, p.137

Continuar a ler "INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Fotógrafos - Viajantes & Viagens de Fotógrafos"

27.09.2011 | por joanapires | exposição, fotografia, viagens