Aurora Negra regressa ao D. Maria II em junho

Depois de ter aberto a Temporada 2020/2021 do Teatro Nacional D. Maria II, com várias sessões esgotadas, Aurora Negra, de Cleo Diára, Isabél Zuaa e Nádia Yracema, regressa à Sala Estúdio de 10 a 20 de junho

Com criação, direção artística e interpretação de Cleo Diára, Isabél Zuaa e Nádia Yracema, Aurora Negra nasce da constatação da invisibilidade a que os corpos negros estão sujeitos nas artes performativas, sendo-lhes negado constantemente o acesso à construção das suas narrativas.

Neste espetáculo, o canto começa na voz de uma mulher que fala: fala crioulo, fala tchokwe, fala português. Em cena, três corpos, três mulheres na condição de estrangeiras falam também essas três línguas. Três mulheres que buscam as raízes mais profundas e originais das suas culturas, celebrando o seu legado e projetando um caminho onde se afirmam como protagonistas das suas histórias.

Aurora Negra foi o espetáculo vencedor da segunda edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, um projeto promovido pelo Teatro Nacional D. Maria II, o Espaço do Tempo, em Montemor-o-Novo, o Teatro Viriato, em Viseu, e o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, e que se destina a apoiar jovens artistas e companhias emergentes.

Depois da sua estreia no D. Maria II, em setembro de 2020, Aurora Negra foi já apresentado em vários espaços do país e regressa agora a Lisboa, para 9 apresentações na Sala Estúdio. A sessão de 20 de junho, domingo, contará ainda com interpretação em Língua Gestual Portuguesa e Audiodescrição.

Mais informações sobre o espetáculo aqui.

29.05.2021 | por Alícia Gaspar | aurora negra, corpo, crioulo, dança, tchokwe, teatro

VOARTE – Dias de Dança, Cinema e Comunidade

1 a 5 de Junho de 2021

Teatro do Bairro


Está a chegar uma semana de programação da VOARTE, com dias dedicados à dança, cinema e comunidade, que visam dar a conhecer o trabalho que a estrutura tem vindo a desenvolver ao longo de 23 anos de projectos artísticos multidisciplinares, inclusivos e inovadores. Decorrerá entre o dia 1 e 5 de Junho, no Teatro do Bairro, e contará com a exibição de filmes, conversas, ações de formação e a estreia do novo espectáculo de dança da CiM – Companhia de Dança.

Dia 1 de Junho (terça-feira) – InShadow _ LittleShadow – teremos uma sessão de animação destinada ao fechada ao público geral e articulada directamente com as escolas, desenvolvida no sentido de suscitar a imaginação e desenvolver a reflexão crítica entre os mais jovens. Um apanhado do melhor que nos tem chegado à Competição Internacional de Animação da secção Little Shadow, em combinação com produções inéditas entre nós. São oito filmes - desde poemas visuais, com o corpo e a abstracção em constante movimento, a apontamentos narrativos de crescente complexidade - assentes em temáticas actuais (da inclusão, à sustentabilidade ambiental), cuja exibição pretende promover o cinema de animação enquanto ferramenta activa no desenvolvimento de mentes e identidades socialmente conscientes.

Dia 2 de Junho (quarta-feira) – Projecto Educativo _ Geração Soma – durante a tarde decorrerá uma ação de formação para professores, sobre práticas artísticas e inclusivas em contexto escola, que terá como ponto de partida o Documentário Geração SOMA. Todas as memórias têm um contexto, um tempo e um espaço. Através do processo criativo do projeto Geração SOMA, iremos explorar um olhar para trás, um mundo onde se multiplicam momentos e uma caixa de memórias onde se somam experiências vividas que resultaram numa aventura inesquecível. Um projeto inclusivo e social que trabalhou com crianças entre os 5 e os 16 anos de escolas do Ensino Básico de Lisboa, integrando também crianças com NEE (Necessidades Educativas Especiais) e os respetivos educadores (professores e pais), através da criação e prática artística. Ao fim do dia, pelas 19h30, será novamente exibido o documentário Geração SOMA, para famílias e público geral.

Dia 3 de Junho (quinta-feira) – Cinema _ Documentário & Vídeo-Dança – Um dia dedicado ao universo cinematográfico de Pedro Sena Nunes, passando pelo formato documentário, pelas 15h - com os filmes A Morte do Cinema e Qualquer Coisa de Belo, que partem da premissa do papel do cinema enquanto potenciador/criador de memórias - e pela sua valência mais cine-coregráfica, às 19h30 – com os filmes Poti Pati, Four Void, Hope e Pequena Desordem Silenciosa, de natureza experimental, povoados pela poesia nas suas mais variadas formas - vocal e imagética, cénica e coreográfica.

Dia 4 de Junho (sexta-feira) – InArt & InShadow _ Documentário & Vídeo-Dança – Um dia dedicado aos Festivais produzidos pela VOARTE, o INART – Community Arts Festival e o InShadow – Lisbon Screendance Festival. A tarde inicia-se às 15h, com os documentários Ícaro e 2 and 2 Are Four de Pedro Sena Nunes, numa alusão ao INART, um festival dedicado à promoção de projectos artísticos baseados na diversidade das comunidades, numa arte plural e participativa. Uma sessão fechada ao público geral e dirreccionada a estudantes de dança. Pelas 19h30, numa exibição dedicada ao Festival InShadow, serão projetados nove vídeo-dança, selecionados de entre aqueles que mais se destacam ao longo de uma década de programação, e que testam os limites da relação cine-coreográfica entre a câmara e corpo nas suas mais variadas formas.

5 de Junho (sábado) – CiM – Companhia de Dança _ Geografia Humana – a fechar a semana, no sábado, às 19h30, haverá a estreia do novo espectáculo produzido pela CiM, Geografia Humana.

“Estudamos as superfícies, um possível território, uma paisagem, um lugar. Observamos a distribuição das coisas, dos movimentos, de fenómenos e ajustamos. Medimos o espaço, criamos memória do corpo que o habita e criamos relações com o meio ambiente. São detalhes em transformação com uma ordem inacabada onde podemos escutar o delicado de um espaço e tempo aberto.”

Gostaria de conhecer melhor os projetos da VOARTE e experienciar uma semana enriquecedora a nível cultural e pessoal? Esperamos por si no Teatro do Bairro, de 1 a 5 de junho!
Bilhetes de cortesia, com preços que variam entre 2€ e 5€, brevemente à venda em teatrodobairro.bol.pt.

A voarte, com 23 anos, nasceu da vontade de produzir, promover e valorizar a criação contemporânea, através do cruzamento de linguagens artísticas. Desde 2007, produz a CiM - Companhia de Dança que integra profissionais com e sem deficiência, assim como a produção dos festivais InShadow – Lisbon Screendance Festival e o InArt – Community Arts Festival. Sob a Direcção Artística de Ana Rita Barata (coreógrafa) e Pedro Sena Nunes (realizador).

20.05.2021 | por Alícia Gaspar | arte, cinema, conversas, dança, Teatro do Bairro, voarte

Companhia de Dança de Almada celebra o Dia da Dança dentro e fora de portas

Para assinalar o Dia da Dança celebrado a 29 de abril, em 2021 a Companhia de Dança de Almada (Ca.DA) aceitou o desafio de se mostrar fora de portas, ao mesmo tempo que apresenta novos talentos à sua cidade natal.

CaDA. Escola.CaDA. Escola.

O programa comemorativo inicia-se a 22 de abril, com a estreia de um espetáculo composto por criações de Maria José Bernardino, Raquel Tavares e Luís Malaquias, coreógrafos residentes nesta cidade, que há vários anos têm demonstrado o seu valor e potencial artístico. O programa tripartido “Amebas Traidoras” + “Gifted” + “Cinza”, da Companhia de Dança de Almada, pode ser visto no Auditório Fernando Lopes-Graça, em Almada, pelas 21h.

A 24 de abril, integrado na primeira edição do festival “Borders of Nature - Borders of Culture” organizado pela companhia Polski Teatr Tańca - Polish Dance Theatre, é apresentado online o videodança “Sete Dias de Inverno”, realizado por Henrique Pina, a partir da coreografia de Bruno Duarte. O videodança pode ser visto durante 48h, com acesso livre, na plataforma VoD do Polish Dance Theatre. Mais informações em http://ptt-poznan.pl/pl/timeline/en

Por sua vez, a 29 de abril em S. João da Madeira, está prevista a apresentação da Companhia de Dança de Almada na “A Cidade Dança”, evento com a curadoria de São Castro. As performances “Marvel”, de Luís Marrafa e “Noir”, de Bruno Duarte compõem um programa bipartido, a ver na Casa da Criatividade, pelas 19h.

Em Almada, o Dia da Dança é assinalado com um espetáculo dedicado a jovens intérpretes formados na Ca.DA Escola. Resultante do trabalho das disciplinas de Repertório Clássico e Dança Contemporânea, o programa foi desenvolvido pelos alunos do Curso Básico e Secundário de Dança (ensino articulado) e do Curso Vocacional, sob a orientação dos professores Maria Franco, Carla Albuquerque e Bruno Duarte. Para ver no Auditório Fernando Lopes-Graça, em Almada, às 21h.

Celebrado desde 1982, a 29 de abril, o Dia da Dança foi instituído pelo CID - Conselho Internacional de Dança, Unesco. É assinalado em todos os países do mundo por milhões de bailarinos, tanto profissionais como amadores. Tem como propósito chamar a atenção para a arte da dança.

CaDA. Comemoração do dia mundial da dança. Pedro SoaresCaDA. Comemoração do dia mundial da dança. Pedro Soares

Amebas Traidoras. CaDA. Joana Casado.Amebas Traidoras. CaDA. Joana Casado.

22 abril | 21:00

Auditório Fernando Lopes-Graça, Almada

Amebas Traidoras + Gifted + Cinza | ESTREIA

Companhia de Dança de Almada

informações e reservas: auditorio@cma.m-almada.pt, 212 724 927/20 (4.ª a 6.ª-feira, das 14h30 às 18h, sáb., das 15h às 18h)

preço do bilhete: 6 euros (-50% para jovens e seniores)

24 abril | 19:00 (hora em Portugal)

Plataforma VoD em https://www.vod.ptt-poznan.pl/

Sete Dias de Inverno (videodança)

Companhia de Dança de Almada

informações: http://ptt-poznan.pl/pl/timeline/en

livre acesso por 48 horas

29 abril | 21:00

Auditório Fernando Lopes-Graça, Almada

Comemoração do Dia da Dança

Ca.DA Escola

informações e reservas: escola@cdanca-almada.pt | 212 500 145 (2.ª a 6.ª-feira, das 16h às 20h)

preço do bilhete: 2,5 euros (preço único)

29 abril | 19:00

Casa da Criatividade, S.João da Madeira

Marvel + Noir

Companhia de Dança de Almada

informações: casadacriatividade@cm-sjm.pt | 962 145 716

CaDA. Cinza. Joana Casado.CaDA. Cinza. Joana Casado.

20.04.2021 | por Alícia Gaspar | Almada, arte, corpo, dança, dia da dança, evento

Arquitecturas Film Festival regressa a Lisboa em Junho com foco em Angola

Tendo como tema Bodies Out Of Space, o festival vai realizar-se no Cinema São Jorge de 1 a 6 de Junho.

O Cine-Estúdio do Namibe é um edifício projectado pelo arquitecto José Botelho Pereira para Moçâmedes, mas que nunca recebeu filmes. Walter Fernandes (Livro | Angola Cinemas) O Cine-Estúdio do Namibe é um edifício projectado pelo arquitecto José Botelho Pereira para Moçâmedes, mas que nunca recebeu filmes. Walter Fernandes (Livro | Angola Cinemas)

Arquitecturas Film Festival regressa ao Cinema São Jorge, em Lisboa, de 1 a 6 de Junho deste ano, numa oitava edição que se debruça sobre Angola e um total de 36 filmes, anunciou a organização esta terça-feira.

Sem se realizar em 2020, devido à pandemia de covid-19, o regresso do festival dedicado à arquitectura faz-se nos primeiros dias de Junho, com o tema Bodies Out Of Space. “É uma excursão sobre a construção social do espaço conectado a um fio que circula dentro das suas próprias narrativas de dominação. Narrativas também sobre identidade que, muitas vezes, é retirada ou forçada a representar o nosso corpo”, pode ler-se na apresentação. A partir desta reflexão, acrescenta a nota, nasce “uma vontade de pensar activamente sobre a responsabilidade como espectadores” por um “labirinto de desigualdades como descendentes directos da exploração do espaço e dos corpos”.

Além da selecção oficial e da competitiva, o evento debruça-se sobre Angola, país onde “a confluência de tempos e regimes é visível na sua arquitectura e na sua memória colectiva”, com a curadoria da jornalista, escritora e produtora Marta Lança.

O certame arranca com a exibição de Para Lá dos Meus Passos, de Kamy Lara e Paula Agostinho, seguindo cinco bailarinos de diferentes regiões do território angolano. A programação inclui a estreia em sala de “Body-Buildings”, do português Henrique Pina, que cruza dança, arquitectura e cinema no olhar para “seis retratos coreográficos em seis locais portugueses distintos”. Tânia Carvalho, Vera Mantero, Olga Roriz, Paulo Ribeiro, Victor Hugo Pontes e Jonas & Lander cruzam a dança com a arquitectura de Álvaro Siza, Eduardo Souto de Moura, Aires Mateus, João Luís Carrilho da Graça e João Mendes Ribeiro.

Ao todo, são 36 filmes de mais de uma dezena de países diferentes, com a programação completa a ser anunciada em breve. Documentários, filmes de ficção, animação e obras experimentais estarão incluídas na selecção, sempre com a marca da arquitectura contemporânea, com prémios atribuídos para Novos Talentos, Melhor Ficção, Melhor Filme Experimental e o Prémio do Público.

Ao lado da programação cinematográfica, o café do Cinema São Jorge recebe um ciclo de debates intitulado África Habitat, organizado em parceria com a Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, e a exposição de instalações dos angolanos Lino Damião e Nelo Teixeira. Afonso Quintã organiza ainda uma mostra sobre os cineteatros de Angola, partindo de material do Cine-Estúdio do Namibe, um projecto do arquitecto José Botelho Pereira para Moçâmedes, concluído em 1974, mas que nunca entrou em funcionamento.

Concebido pela Do You Mean Architecture e pelo Instituto, o Arquitecturas é uma co-produção com a EGEAC e o Cinema São Jorge, com vários outros parceiros e o apoio da Embaixada de Angola.

16.03.2021 | por Alícia Gaspar | Aires Mateus, Álvaro Siza, angola, arquitectura, arquitecturas film festival, arquitetura, bodies out of space, body buildings, cinema, cinema de são jorge, dança, do you mean architecture, Eduardo Souto de Moura, embaixada de angola, Henrique Pina, instituto, João Luís Carrilho da Graça e marta lança, João Mendes Ribeiro, lisboa, Olga Roriz, Paulo Ribeiro, Tânia Carvalho, Vera Mantero, Victor Hugo Pontes e Jonas & Lander

Les Trans Musicales prévoient une 42e édition masquée, assise et distanciée

O festival bretão é mantido numa versão adaptada aos novos protocolos de saúde. De 2 a 6 de Dezembro, 42 artistas e duas companhias de dança participarão nas festividades, metade do número habitual.

Marie-Pierra Kakoma, uma jovem prodígio belga à beira do pop e do rap, no palco Trans no ano passado. Damien MEYER / AFPMarie-Pierra Kakoma, uma jovem prodígio belga à beira do pop e do rap, no palco Trans no ano passado. Damien MEYER / AFP

O festival des Trans Musicales de Rennes revelou o programa da sua 42ª edição, que será “mascarado, sentado e distanciado” e organizado em locais mais pequenos devido à crise de saúde.

Leia mais: Les Trans Musicales illuminent Rennes

“Decidimos manter esta edição com uma arquitectura diferente e um protocolo sanitário adaptado a cada sala”, explicou Béatrice Macé, co-fundadora da Trans Musicales com Jean-Louis Brossard, num vídeo transmitido na Internet. O festival será realizado de 2 a 6 de Dezembro “a menos, claro, que a pandemia se desenvolva negativamente, o que nos obrigaria a cancelar, como muitos festivais infelizmente já experimentaram”, disse a Sra. Macé. “Não podíamos interromper a relação com artistas e festivaleiros sem testar a nossa capacidade de adaptação às circunstâncias”, acrescentou ela.

O programa inclui 42 grupos e duas companhias de dança participarão nesta edição, metade do que é habitual. Os espectáculos serão sentados, com um limite de 1.000 pessoas em cada sala, um lugar livre entre cada pessoa, reserva obrigatória e respeito pelas regras de distanciamento.Entre os artistas previstos estão a cantora-compositora italiana Andrea Laszlo de Simone, que marcou o ano com o seu sumptuoso álbum tingido de pop cósmico Immensità, e a jovem Crystal Murray, a nova estrela da alma francesa com apenas 18 anos de idade.

Reuniões e debates

O festival, que se realiza geralmente em grande parte nos salões do Parque Expo no aeroporto de Rennes, terá desta vez lugar em seis salões mais pequenos, em Rennes e arredores, das 15h às 3h da manhã. Uma série de reuniões e debates, “previstos como uma tentativa de obter uma compreensão global desta crise da Covid-19”, será também organizada, segundo a Sra. Macé.

Em 2019, a Trans Musicales de Rennes tinha atraído 56.000 pessoas, em comparação com 58.000 no ano anterior. No total, foram realizados 125 concertos por 84 grupos (contra 89 em 2018) e duas companhias de dança durante os cinco dias do festival, o que abriu o caminho para a cena musical.

 

Artigo publicado originalmente no jornal Le Figaro a 13/10/2020

14.10.2020 | por martalanca | Andrea Laszlo de Simone, Crystal Murray, dança, festival bretão, festival des Trans Musicales de Rennes, Marie-Pierra Kakoma

Oráculo de Sara Anjo e Teresa Silva

7 de Março às 21h30 e 8 de Março às 17h30
Teatro do Bairro Alto, Lisboa inserido no Festival Cumplicidade

Pode o corpo ser um oráculo?
Este é um exercício hipotético, que mais do que procurar respostas, escuta, observa, lê, interpreta sinais e símbolos de forma a criar possibilidades. Confronta-nos no presente com o momento da acção e suspende a obsessão pelo futuro.
O escuro do teatro torna-se o meio para iluminar algo menos visível e mais oculto. A experiência teatral pode revelar-se como uma perspectiva real e transformadora.
Oráculo lança o convite para juntos praticarmos outras formas de vidência.
 Direcção artística: Sara Anjo e Teresa Silva
Criação em colaboração com: Ana Maria Silva, Artur Pispalhas, Filipe Pereira e Jean-Baptiste Veyret-Logerias
Gestão administrativa: Vítor Alves Brotas | Agência 25
Fotografia e registo videográfico: Joana Linda
Co-produção: Teatro do Bairro Alto em colaboração com Eira/Festival Cumplicidades
Apoio: Fundação Calouste Gulbenkian e República Portuguesa-Cultura/Direção-Geral das Artes
Apoio residências: O Espaço do Tempo, Estúdios Victor Córdon, O Rumo do Fumo e Pólo Cultural das Gaivotas     
Agradecimentos: Sara Machado, Cátia Mateus, Anabela Mendes, Andrea Rodella e Tânia Albuquerque

+ info TBA
+ info Festival Cumplicidades

 
 

 

22.02.2020 | por martalanca | dança

Sacro Efabulações em torno de mapas intensivos - Sara Anjo

28 de Fevereiro a 4 de Março - Quarta a Domingo às 21.30

Sacro é uma peça que parte do encontro de cinco artistas num processo de efabulação em torno do mecanismo de caminhada. Com base em processos simbióticos de transformação e mutação, apresentam-se cinco danças que propõem mapear o papel do sacro nesse movimento. Este osso localizado no centro do corpo e com uma forma triangular invertida, funde cinco vértebras chamadas sagradas e une o cóccix, o vestígio de uma cauda animal, ao cérebro, um mapa intensivo.

Foto de Laís PereiraFoto de Laís Pereira

Coreografia Sara Anjo

Criação e interpretação Flora Detraz, Madalena Palmeirim e Sara Anjo

Sonoplastia Artur Pispalhas e Madalena Palmeirim

Música ao vivo Madalena Palmeirim

Desenho de Luz Artur Pispalhas

Cenário Daniel Melim

Figurinos Sara Anjo

Apoio dança e filosofia Ana Mira

Gestão e Consultoria ORGIA

Apoio à residência Devir-Capa, Espaço do Tempo, Fórum Dança, Largo das Residências

Apoio à criação Câmara Municipal de Lisboa, Instituto Camões, Grupo Dançando com a Diferença, Raiz di Polon

Co-produção Negócio-ZDB

Projecto financiado por República Portuguesa-Cultura/Direção-Geral das Artes

Classificação etária: Maiores de 6 anos

Duração: aproximadamente 1h

 

Sara Anjo (Funchal, 1982), trabalha na área da dança sobretudo como bailarina e coreógrafa, explorando práticas meditativas e extáticas, sendo a caminhada uma das principais. Questiona-se permanentemente acerca: do que nos move? Como nos movemos? e para onde nos movemos? Desenvolve ainda o seu trabalho através mapas e partituras que registam as múltiplas direcções e afectividades do corpo. Fez formação em dança pela Academia de Dança Contemporânea, Estudos Artísticos pela Faculdade de Letras e Arte Contemporânea na Universidade Católica de Lisboa. Concluiu em 2016 mestrado em coreografia pela DasGraduate School em Amesterdão. Anna Halprin, com quem estudou pontualmente em 2010 é uma das suas maiores referências artísticas.Desenvolveu o seu trabalho entre Lisboa, Berlim e Amesterdão. Desenvolveu Ninguém Sabia Contar Aquela História, um espectáculo sobre o feminino (BoxNova CCB 2011). Paisagens Líquidas, uma dança que viaja pelo Lavadouro Público de Carnide  (Teatro do Silêncio 2012). Em Forma de Árvore, um solo de dança extática (Negócio-ZDB 2016).  Participou no projecto Caminhada pela Fronteira Teatro do Silêncio (Teatro do Silêncio 2017). No último ano preparou esta nova peça no contexto do projecto Mapas Intensivos, com o qual ganhou a 1ª edição de Residências Artísticas em Cabo Verde, apoiada pela Câmara Municipal de Lisboa e o Instituto Camões.

 

Residência de 8 a 27 de Fevereiro de 2018

Apresentações de 28 de Fevereiro a 4 de Março

Entrada: 7,5€

Entrada estudante em grupo: 5€

reservas@zedosbois.org | Tel: 00351 21 343 02 05

 

19.02.2018 | por martalanca | dança, Mapas, Sacro, Sara Anjo

Festival ImigrArte 2016 // 10ª Edição

O Festival ImigrArte vai celebrar a sua 10ª edição nos dias 12 e 13 de Novembro com a participação de organizações e artistas de 24 países. O resultado é uma ampla programação que consta de dois dias de espectáculos e eventos nas áreas da música, dança, teatro, literatura, cinema, artes, workshops, debates, gastronomia e muito mais. 

Organizado pela Solidariedade Imigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos Imigrantes, o ImigrArte envolve os imigrantes na organização deste evento, oferecendo-lhes a possibilidade de divulgarem as suas culturas, de debaterem as questões que mais os preocupam e de desenvolverem o sentimento de pertença ao nosso país.
A intenção do Festival não é a de ser uma mera mostra de culturas: o ImigrArte é fruto da partilha e solidariedade entre os povos e da interacção entre associações de imigrantes e portuguesas e pretende promover a cidadania activa e consciente. 
O Festival é uma ocasião para juntar países e culturas, mas sobretudo para dar espaço a debates e temas de importância central na vida dos imigrantes no nosso pais.
A 10ª edição do ImigrArte vai incluir uma manifestação que luta pela igualdade de direitos entre portugueses e imigrantes. A concentração terá lugar na Praça Martim Moniz no dia 13 de Novembro a partir das 14.00 horas, seguindo em marcha até ao Ateneu Comercial de Lisboa.
O Festival conta com a participação de cerca de 30 organizações que estarão presentes com bancas onde, além de informações sobre as suas actividades, se poderá encontrar artesanato e gastronomia dos quatro cantos do mundo. Entre as actividades oferecidas encontrarão workshops, exposições, debates e concertos, e também não faltará o divertimento para os mais pequenos que poderão desfrutar dum espaço lúdico com animadores e convidados especiais. 
Ao dispor do público estará também um serviço gratuito de rastreios de saúde. A entrada para o Festival e para todas as suas actividades é gratuita. 

10ª Edição do Festival ImigrArte
Onde: Ateneu Comercial de Lisboa (junto ao Coliseu dos Recreios), Rua das Portas de Santo Antão n.º 110, Lisboa.
Quando: 12 e 13 de Novembro 2016   Sábado das 14,30 às 2.00 ; Domingo das 17 às 00.00
Países participantes:  Angola, Bangladeche, Brasil, Bielo - Rússia, Cabo Verde, Costa do Marfim, 
Espanha, Guiné Bissau, Índia, Itália, México, Moçambique, Moldávia, Nepal, Paquistão, Perú, Portugal, Reino Unido, República Dominicana, Roménia, Rússia, São Tomé e Príncipe, Ucrânia e Venezuela.

Toda a programação do evento disponível em www.festival-imigrarte.com ou www.facebook.com/festivalimigrarte.

Direção do Festival ImigrArte : Solidariedade Imigrante – Associação para a Defesa dos Direitos dos
Imigrantes,  Rua da Madalena nº8 – 2º , 1100-321 Lisboa
Telm: (00351) 96 89 89 720
Tel/Fax: (00351) 21 887 07 13
E-mail: comunicacaoimigrarte@gmail.com  

03.11.2016 | por marianapinho | artes, cinema, dança, debates, Festival ImigrArte 2016, gastronomia, literatura, música, Solidariedade Imigrante, teatro, workshops

Faustin Linyekula - Artista na Cidade

Durante a preparação do programa Artista na Cidade 2016, o coreógrafo Faustin Linyekula exprimiu a vontade de apresentar o seu trabalho a públicos dos bairros limítrofes da região da Grande Lisboa. Depois da apresentação memorável de Le Cargo na Cova da Moura em janeiro passado, o Teatro Maria Matos coorganiza este evento: Le Cargo será apresentado numa praça do Bairro Padre Cruz em Carnide, no contexto do primeiro Festival de Arte Urbana.

A entrada é livre.

Para mais informações, ver aqui.

04.05.2016 | por claudiar | arte, dança, eventos culturais

Tango Negro, The African Roots of Tango

Tango Negro, The African Roots of Tango by Angolan filmmaker Dom Pedro explores the expression of Tango’s Africanness and the contribution of African cultures in the creation of the tango. Tango was a reflection of the social life of the slaves that were taken to South America -including Argentina and Uruguay - mostly from central Africa, particularly from the former Kongo Kingdom. Director Dom Pedro reveals the depth of the footprints of the African music on the tango, through this rich movie combining musical performances and interviews from many tango fans and historians in Latin America and Europe, including the renowned Argentinean pianist Juan Carlos Caceres


Directed by Dom Pedro, 2013, 93 min., France, Documentary , French/Spanish/ English subt. - US Distributors - ArtMattan Films

 

20.01.2014 | por franciscabagulho | dança, tango

Laboratório de Criação, MAPUTO

Desde o dia 04 de Fevereiro 2013 que a CulturArte está a levar a cabo o 1º Laboratório de Criação que pretende ser um momento onde artistas (bailarinos, coreógrafos e colaboradores) partilham tempo e espaço para desenvolver os seus projectos.

O objectivo será seleccionar um (ou mais) projecto(s) para mais tarde ser(em) desenvolvido(s) em residência ao longo de 2013 sob as condições de co-produção no âmbito do projeto PAMOJA – uma rede pan-africana de produção e residências artísticas.

Mostra informal dos resultados, que terá lugar no Auditório do Centro Cultural Franco-Moçambicanono próximo dia 28 de Fevereiro, pelas 19h00, será uma oportunidade de partilha dos resultados do Laboratório com o público interessado.

PARTICIPANTES

Atanásio Nhussi, Benedito Cossa, Bernardo Guiamba (Pak), Carlos Machava, Domingos Bié (convidado), Janeth Mulapha, Jorge Ndlozy, Kátia Manjate, Macário Tomé, Matanyane Abílio, Osvaldo Passirivo (convidado), Rafael Mouzinho, Walter Zandamela.

PRODUÇÃO: CulturArte | DIRECÇÃO ARTÍSTICA: Panaibra Gabriel Canda | COORDENAÇÃO: Ana Lúcia Cruz | PARCERIA: Centro Cultural Franco-Moçambicano 

Contactos: +258 82 353 79 21 | culturarteprojectos@gmail.com | Facebook: CulturArte Mozambique

25.02.2013 | por franciscabagulho | dança

CORPO NAS DANÇAS DE CABO VERDE com Tony Tavares - LISBOA

AULA ABERTA - sexta- 22h30
Quem visita a Fábrica Braço de Prata às sextas feiras, é apanhado pela música de Cabo Verde, e por um professor de dança, António Tavares, que de uma forma descontraída, numa aula aberta, usa os corpos para falar das danças tradicionais caboverdianas. É mais do que uma oficina de movimento. É montar uma banca, como numa feira, e falar de dança de um modogeral e das suas co-relações. E para falar das danças de Cabo Verde é preciso falar do corpo do homem das ilhas, conhecer o seu universo e penetrar na geografia deste arquipélago que,durante séculos, permaneceu e reagiu, segundo o poeta Osvaldo Alcântara, ” à estiagem,à fome, à solidão dos montes despidos à nossa volta.”. E tudo isto se descobre usando omovimento como linguagem primeira. TAMBÉM NA SEXTAMÊS DO HUMOR 22H30 | Portugal das Bifanas - com Telmo Ramalho 
 23h00 | Júlio Resende e Convidados
23H30 | Congo Star 
00h30 | Air Project (Rúben Alves - piano, Miguel Amado - baixo, Vicky Marques - bateria) 

17.01.2013 | por martalanca | António Tavares, dança

I Encontro das Culturas Negras

Dando sequência ao Encontro Iberoamericano do Ano Internacional dos Afrodescendentes (Afro XXI), realizado em novembro de 2011, em Salvador, Bahia - que exortou governos, sociedade civil e movimentos sociais a promover maior conhecimento e respeito pela herança cultural diversificada das pessoas de ascendência africana -, a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia realiza, no período de 08 a 12 de novembro, o I Encontro das Culturas Negras, evento que integra também às celebrações do Novembro Negro, iniciativa do Governo do Estado da Bahia.

I Encontro das Culturas Negras dá início à “Década Afrodescendente”, com o objetivo de sediar na Bahia um grande encontro anual das culturas negras do Brasil, das Américas e do mundo. Aqui, se reunirão criadores, artistas, intelectuais, profissionais da cultura, gestores culturais, pesquisadores, parlamentares, lideranças e representações do movimento cultural negro, ampliando o diálogo entre as culturas negras nacionais e internacionais.

Chico CésarChico CésarA programação compreende mesas temáticas e plenárias em Salvador (dias 08, 09 e 10) e em Santo Amaro (dia 12), para a discussão de temas que possibilitem um maior conhecimento das diversas culturas negras existentes no Brasil e no mundo, em especial na África e nas Américas, visando à criação de articulações, redes e trocas interculturais. Uma variada programação artística, com shows musicais e espetáculos de teatro, dança e exposições de artes visuais também vão acontecer durante todos os dias da programação, entendidas com base em uma noção ampliada de cultura.

web

09.11.2012 | por herminiobovino | Africa, Bahía, Brasil, dança, música, teatro

Danças no B.leza, com António Tavares

Domingo, 21 e 28 de Outubro, oficinas de dança no B.leza, com António Tavares, que preparou uma oficina de Funaná.

Entrada | 5€

21.10.2012 | por herminiobovino | dança, dança africana, música caboverdiana

Criação Lusófona apresenta: Oficina Ritmos d'África

Estão abertas as inscrições para a Oficina Ritmos d’África a decorrer
durante o mês de Julho, no espaço da 10pt - criação lusófona.
Às quartas-feiras (21h30/23h) e sábados (16h/18h) A inscrição são 20€.

27.06.2012 | por joanapereira | dança, lusofonia, oficina

10 de Junho | Danças no B.leza Cabo Verde em Festa, Parte I Coladeira

A coladeira, tantas vezes desbragada, violenta, atrevida, ninguém tem mão nela tão desfolhada por vezes é a sua linguagem, tão descortês a sua intenção, tão vivo e excitante o seu ritmo que a nossa participação é toda física.
                                                                                                 
Manuel Ferreira
 “A aventura crioula”

Cabo Verde em festa, Parte I - ‘Coladeira’

Dia 10 de Junho ás 21h30
Workshop de dança - Debate - Prática assistida - Espaço para dançar
Prof. convidado: Waty Barbosa (Cabo Verde)

Nesta altura do ano Cabo Verde está em festa. Várias localidades, em quase todas as ilhas festejam os dias dos santos, patrões locais. 
Sincretismo é uma das características principais destas festividades. O Sacro coexiste com o Profano. Os elementos religiosos entrelaçam-se com os momentos lúdicos. 
Todas as pessoas juntam-se para celebrar. Há bebidas de todos os géneros e muita comida. E o mais importante – há música e há dança.
A música não para, desde manhã até a noite. Para além dos tamboreiros que tocam o característico ritmo de colá que acompanha a dança mais popular nesta altura, há concertos, bailes, festas onde todos os géneros musicais são dançados com a mesma intensidade numa euforia que só existe quando se acumula a energia e alegria de dezenas das pessoas. 

Em Junho no B.Leza vamos viver este ambiente festivo, conhecendo duas danças caboverdianas: está que é indispensável nas festas juninas – Colá San Jon e outra que aqui neste espaço é dançada com frequência, a Coladeira. 

O meu primeiro convidado, professor Waty Barbosa, passou a grande parte da sua vida na Ilha de São Vicente. Vai contar um pouco sobre a cidade de Mindelo, considerada a capital cultural do arquipélago, sobre as festas, a música, as danças… E ensinará acoladeira, esta dança que Manuel Ferreira descreve como violenta e atrevida. Será que realmente é assim?…
Após o workshop, poderão praticar com ajuda do Professor que estará disponível para esclarecer as vossas dúvidas, tanto práticas como teóricas.
Depois a noite continuará com os sons das melhores músicas africanas, com predominância de coladeira, mas não omitindo os outros ritmos, escolhidos pelo Calú Moreira.

b.leza
r. cintura do porto de lisboa,

armazém b (cais do sodré)

08.06.2012 | por joanapereira | B.Leza, cabo verde, coladeira, dança

Sons, Sabores e Saberes de Cabo Verde

31 Maio a 3 Junho | 10h-23h| Alameda D. Afonso Henriques, Lisboa

ENTRADA LIVRE

Esta iniciativa pretende promover a valorização da cultural cabo-verdiana, contribuindo para a sua divulgação junto da comunidade. Pretende, igualmente, proporcionar o acompanhamento das dinâmicas culturais contemporâneas, facultando o contato direto com algumas das mais significativas expressões.

O evento terá música, dança, gastronomia, conferências e diversas atividades culturais. A abertura teve lugar no dia 31 de maio, pelas 13 horas, e a sessão solene será pelas 18 horas.

Para consultar o programa: https://www.facebook.com/sonssaboressaberescaboverde?sk=info

Fundo de Apoio Social de Cabo-verdianos em Portugal

UCCLA (União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa)

02.06.2012 | por martacacador | cabo verde, conferências, cultura cabo-verdiana, dança, gastronomia

27 Maio | 2º Encontro de Danças no B.leza

Danças no B.leza
Kizomba. Entre Angola e Cabo Verde, parte II
Dia 27 de Maio pelas 21h30
Preço: 5euros
Workshop de dança - debate - prática assistida - espaço para dançar
Prof. convidado: Zé Barbosa (Cabo Verde)
Depois do interessante e controverso debate sobre a Kizomba em Angola, com muitas reminiscências à evolução do ritmo nas ilhas caboverdianas, chegou a vez de conhecer o percurso que esta música e dança tiveram em Cabo Verde.

Partindo da pergunta sobre o nome deste género musical, cantado em crioulo mas também em francês por músicos cabo-verdianos a viver fora do arquipélago (deve ser designado como kizomba? ou: cabo-zouk? cabo-love? colá-zouk? passada?), tentaremos reconstruir o percurso que este ritmo teve, por um lado em Cabo Verde e por outro lado na sua diáspora - tão importante para desenhar o quadro mais completo da actual música caboverdiana.
Será que realmente a Kizomba angolana influenciou a criação deste género em Cabo Verde? Ou foi a influência directa do zouk das Antilhas para a música caboverdiana que originou o novo estilo? Como diz o Carlos Filipe Gonçalves: ‘…na música de dança para a juventude, persiste o casamento da Coladeira com o Zouk, um casamento assumido que recebe os nomes como Cola-Dance, Cola-Zouk ou Zouk Love ’.

E a dança? Qual é a origem dos passos e passadas que acompanham esta música quente e tão sensual? Será que foi importada da terra do semba? Ou foi uma transformação natural dos passos que acompanhavam outros géneros musicais em Cabo Verde?…
O Professor convidado, Zé Barbosa, é um dos pioneiros no ensino de danças africanas em Portugal. Chegou a Lisboa há mais de 10 anos e desde então trabalhou sempre como bailarino e professor. Um artista muito completo, que também dedica-se à pintura e ao teatro.
A seguir ao pequeno debate,  haverá um workshop de dança em que terão a oportunidade de conhecer e experimentar os passos e maneiras de dançar este ritmo. E posteriormente uma prática ‘assistida’ onde o professor estará disponível para esclarecer as dúvidas dos participantes, tanto práticas como teóricas.
Depois a noite continuará com os sons das melhores músicas africanas, com predominância de cabo-love/cabo-zouk/kizomba/passada, escolhidas pelo Calú.

B.leza:
R. cintura do porto de lisboa,
Armazém b (cais do sodré)
+ info: 963612816 ou info@dancas.pt

24.05.2012 | por joanapereira | B.Leza, dança

Kizomba. Entre Angola e Cabo Verde

Danças no b.leza

Dias 13 e 27 de Maio às 21h30

A Kizomba é uma das danças mais conhecidas entre as danças africanas. Conquistou público pelo mundo inteiro. Em Portugal tem milhares de adeptos.

Oriunda de Angola, rapidamente se espalhou por alguns dos países africanos, ganhando aí um novo estilo, cada vez mais diferente da sua raiz original.

Em Cabo Verde dizem que a Kizomba deles não tem muito a ver com a Kizomba angolana. E que não se chama Kizomba mas Passada.

Os Angolanos consideram que a única e a verdadeira Kizomba é só na terra deles. E que todas as outras são uma cópia.

Vamos conhecer ambos os estilos de Kizomba, angolana e caboverdiana. Vamos ouvir a história destas danças nos dois países.

Podemos debater as ideias que nos surgirem a partir daí  chegar as conclusões ou talvez não. Ou simplesmente sentir a diferença dançando. Ou será que ela não existe?…

A seguir no workshop haverá uma prática “assistida” – o professor estará disponível para esclarecer as dúvidas dos participantes, tanto práticas como teóricas.

E depois a noite continuará com a selecção das melhores músicas africanas escolhidas pelo Calú Moreira.

workshop - debate - prática assistida - espaço para dançar

13 Maio: Angola Prof. Bandeira

27 Maio: Cabo Verde Prof. Zé Barbosa

Preço: 5€


b.leza

Rua cintura do porto de lisboa,

Armazém B (Cais do Sodré)
+ info: 963612816 ou info@dancas.pt

  

09.05.2012 | por martacacador | angola, B.Leza, Cabo-verde, dança, kizomba

5 de Maio – Dia da Língua Portuguesa e da Cultura nos Países Lusófonos

De que cor é a lusofonia? A que sabe a Língua Portuguesa? Que cultura é esta que temos em comum: nós, moçambicanos, guineenses, portugueses, cabo-verdianos, angolanos, timorenses, brasileiros e são tomenses? No dia 5 de Maio, sábado, vamos celebrar o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura nos Países Lusófonos, numa festa comum, no Porto. De manhã, na estação do metro do Bolhão, numa Exposição de fotografia, com imagens da Fotógrafa Susana Neves, que retratam as texturas do que é ser lusófono e, à tarde, na sede da Associação 10pt - Criação Lusófona, na rua de S. Dionísio, 17, nas Fontaínhas, mesmo ao lado do Jardim São Lázaro. Estão todos convidados. Vamos celebrar a memória que nos une e degustar, num festim, os saberes e sabores da nossa Língua-mãe, que é património e cultura. A iniciativa é da 10pt - Criação Lusófona, em parceria com associações, grupos e centro de estudos lusófonos na cidade do Porto.

10h30
- Inauguração da Exposição de Fotografia “ai Maria” (fotos de Susana Neves) no metro do Bolhão;
- E apresentação de Danças de Moçambique (grupo “3 Estrelas”) e da Guiné (grupo “Allantatou”).

12h30
- Encontro de Gastronomia (vamos degustar iguarias de cozinheiras de São Tomé, Brasil, Angola, Moçambique e Cabo Verde, como muamba, cachupa, caril de camarão, feijão preto, brigadeiros…);
- Feira de Artesanato Lusófono.

15h00
- Música ao vivo e Bailinho Lusófono.

Apoios: Metro do Porto, SA ; Centro de Estudos Africanos da Univ. do Porto; Instituto de Sociologia UP ; Casa dos Reclamos.

Parceiros: Tane Timor ; Associação Cabo-verdiana do Norte de Portugal ; ONG ATACA; grupo de dança Allantatou; Espaço Portugal-Moçambique (Tia Orlanda) ; AE de S. Tomé & Príncipe; Associação Mais Brasil; a Tuna Universitária da FEP ; e a maravilhosa cozinheira Filó.

Com a inauguração desta Mostra de Fotografia no metro do Bolhão, o coletivo 10pt - Criação Lusófona concretiza também o lançamento de “ai Maria”, um projeto participativo de teatro, fotografia e vídeo, que conta com a participação das mulheres do centro histórico e da diáspora lusófona na Invicta. A partir das histórias de vida destas mulheres vamos resgatar a memória do Porto, o quotidiano, registando a sabedoria, os afetos e os humores daquelas que são a força motriz no coração da Invicta. Todas estas histórias, além de resultarem em podcasts, fotografias, vídeos (pequenos documentários), textos num site e em livro, vão ser adaptadas para uma peça de teatro com autoria do ator e encenador Miguel Pinheiro. Talvez, no final, saberemos, enfim, o que as mulheres mais desejam. O projeto “ai Maria” integrará em 2012 o programa do Manobras no Porto – um programa promovido pela Porto Lazer, EEM e FEDER, QREN.

A 10pt - Criação Lusófona: é uma Associação sem fins lucrativos que tem como objetivo a criação, produção e divulgação de atividades artísticas que contribuam ativamente para o surgimento e afirmação de novas dinâmicas culturais e sociais de âmbito lusófono. Criadores no ano de 2011 do projeto “Olha lá“.

Press Release/Assuntos:
1. Celebrar o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura nos Países Lusófonos - 5 de Maio.
2. Apresentação do projeto “ai Maria“.

Contato:
tel. | 963 734 434 (Miguel Pinheiro)
mail | aimaria@10pt.org
web
web2

01.05.2012 | por herminiobovino | cultura lusófona, dança, fotografia, lusofonia, música