Papeis Velhos

Papeis Velhos Reescrevi biografias, topografias e narrativas. Quiçá, tentando, sem que o soubesse, desconstruir traumas, conciliar e articular, pelo uso da imaginação, o meu lugar de pertença, esta minha vida repartida entre dois continentes, querendo dar sentido à nostalgia e ao sofrimento sentido pelo avô. Seguindo ao seu lado, enquanto dá as voltas à mística mulemba e diz: “O que fica, fica aqui.”

A ler

22.07.2021 | por Yara Monteiro

Arqueologias da Hospitalidade | Entrevista a Rui Gomes Coelho

Arqueologias da Hospitalidade | Entrevista a Rui Gomes Coelho Não podemos entender a resistência às ditaduras ibéricas ou à ocupação da Croácia da Segunda Guerra Mundial, sem a pensarmos no quadro de uma crítica mais vasta à modernidade ocidental e em como esta se impôs através do fascismo e do colonialismo. A crise humanitária atual é um palimpsesto dos legados do colonialismo europeu em várias partes do mundo e na própria Europa. É por isso que quando insistimos em diversificar o arquivo da humanidade de que falava há pouco, temos de ter em conta a desconstrução desses legados. Tudo isto é trabalho arqueológico.

Cara a cara

08.12.2020 | por Alícia Gaspar e Rui Gomes Coelho

A civilização islâmica: a última grande civilização mediterrânea. Entrevista a Cláudio Torres

A civilização islâmica: a última grande civilização mediterrânea. Entrevista a Cláudio Torres A grande marginalização que está a ser feita pela nossa civilização ocidental, a atirar para o lixo milhões de pessoas, está a alimentar o Islão na sua faceta de protesto, de defesa contra uma agressão cada vez mais violenta. Um Islão que era um imenso mosaico de povos, de formas de ser, está a ser empurrado, pelo autismo desta nossa civilização todo-poderosa, para uma agressiva resistência, como única de forma de manter alguma identidade.

Cara a cara

17.02.2016 | por Luís Leiria

Encontradas vacas sagradas de cinco mil anos em Laas Geel, na Somália

Encontradas vacas sagradas de cinco mil anos em Laas Geel, na Somália O lugar, no cruzamento de dois uádis, é conhecido pelos pastores nómadas de Laas Geel como “os poços dos camelos”. Foi ali que arqueólogos estupefactos descobriram uma constelação de pinturas, em cerca de vinte grutas. Dezenas de vacas, homens, cães e até mesmo uma girafa.

Vou lá visitar

15.02.2013 | por Marie Wolfrom

O traço enigmático das gravuras rupestres de Tchitundo-hulo

O traço enigmático das gravuras rupestres de Tchitundo-hulo O Tchitundo-hulo constitui uma das mais importantes estações arqueológicas do sudoeste de Angola. Situa-se na faixa semi-árida que orla o deserto do Namibe. É um complexo formado por um grande morro granítico, o Tchitundo-hulo Mulume e por três elevações muito próximas dele: o Tchitundo-hulo Mucai, a Pedra da Lagoa e a Pedra das Zebras, igualmente com gravuras rupestres esculpidas na superfície rochosa.

Vou lá visitar

05.08.2010 | por Dario Melo