ESTREIA | Aquilo que ouvíamos | 15 a 25 Junho - 20h | LuxFrágil - Lisboa

Aquilo que ouvíamos Uma criação do Teatro do Vestido

ESTREIA 15 JUNHO | 20H00 | LUX FRÁGIL - LISBOA  
Sessões 15, 16, 17, 18, 19, 20 Junho | 20h00
e 22, 23, 24 e 25 Junho | 20h00   
Bilhetes à venda em www.teatrosaoluiz.pt 

Foto(c) João Paulo SerafimFoto(c) João Paulo Serafim

Aquilo que ouvíamos

era exactamente assim que era
se nos lembrássemos de como era
e,
de certa forma,
lembramo-nos.

‘Está a gravar?’
Desta vez voltámos para nós próprios o gravador.
Convidámos uma banda (3 músicos) e mais 2 músicos, num total de 5, para que, no barulho ensurdecedor que fazem (chama-se música, pá!, ah, pois é), não nos deixarem pensar assim muito. Lembrarmo-nos, chega. Contar uns aos outros, chega. Dançar, também. Cantar, por vezes, trautear, outras. Outras, só ficar a ouvir, chega.
Desta vez, voltámos para nós o gravador.
Está a gravar, sim, o que é contas sobre isto?

Aquilo que ouvíamos parte das nossas experiências de escuta de música alternativa – de diferentes estilos – de meados dos anos 80 à passagem para os anos 90 (sendo que, em cena, estão diferentes gerações, por isso será mais rigoroso dizer que se estende no tempo para além [e antes] desse tempo). É, sobretudo, um espectáculo sobre como a música foi e é parte da identidade das pessoas que a escutam, e sobre um tempo em que a materialidade da música era crucial e em que muitas das nossas actividades e vivências se organizavam em torno disso.
Por exemplo, comprar vinis com parcas mesadas, trocá-los no pátio da escola secundária, fazer amigos por causa disso, comprar cassetes para gravar esses vinis, que assim se multiplicavam, ou comprar cassetes de concertos mesmo raros e mesmo mal gravados mas muito preciosos, ou cassetes gravadas com programas de rádio feitos por nós e para nós. Ou, quando aquilo que ouvíamos era muito daquilo que nós éramos – ou, como a música nos conferia uma identidade.

Aquilo que ouvíamos leva-nos numa viagem por histórias pessoais de relação com a música e o seu consumo, que criaram e definiram identidades ao longo do tempo que ainda perduram.

Há uma proposta de dress code para esta peça. Não a tomem como imposição, mas como um convite: aos que ouviam ‘aquilo’, recuperar esses figurinos da adolescência, a roupa preta, as doc martens e tudo o resto que nos distinguia. Aos que não ouviam, convidamo-vos a vestirem-se de forma especial para esta viagem. Fica o convite. Até já.

Apresentações integradas nas programações de São Luiz Fora de Portas e Junho em Lisboa.

Texto e Direcção Joana Craveiro 

Co-criação e interpretação Estêvão Antunes, Inês Rosado, Joana Craveiro e Tânia Guerreiro 

Músicos convidados (co-criação, composição e interpretação) Bruno Pinto, Francisco Madureira e Loosers (Guilherme Canhão, José Miguel Rodrigues e Rui Dâmaso) 

Participação especial Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra, Tatiana Damaya 

Colaboração criativa Sérgio Hydalgo 

Cenografia Carla Martinez 

Figurinos Tânia Guerreiro 

Imagem João Paulo Serafim 

Vídeo directo João Paulo Serafim, e Henrique Antunes, Sónia Guerra, Tatiana Damaya 

Iluminação Leocádia Silva 

Som Pedro Baptista, Sérgio Milhano (PontoZurca) 

Operação de Som Pedro Baptista 

Direcção de Produção Alaíde Costa 

Assistência Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra, Tatiana Damaya 

Apoios Centro Cultural Vila Flor, FX RoadLights, ZDB 

Co-produção EGEAC – Programação em Espaço Público e São Luiz Teatro Municipal, Teatro Nacional São João e Teatro do Vestido

Ricardo Jerónimo, Sónia Guerra e Tatiana Damaya participam no projecto no contexto de estágio curricular, ao abrigo de protocolo entre o Teatro do Vestido e a ESAD.CR 

11.06.2021 | por Alícia Gaspar | aquilo que ouvíamos, EGEAC, lisboa, LuxFrágil, Teatro do Vestido

Octopus e Miopia, de Ilídio Candja Candja

EXPOSIÇÃO

Octopus e Miopia é uma exposição que compõe uma selecção de processos e percurso do artista moçambicano Ilídio Candja Candja desde 2014 a 2021, que se estabeleceu na cidade de Porto, em 2006. Fazendo parte de uma geração de artistas que nascem num momento eufórico de Moçambique que culminou com a independência e um processo complexo de descolonização que ainda reclama um espaço de diálogo.

Se o Ilídio Candja nasce em 1976, um ano depois da independência de Moçambique e imprime esta consciência no seu trabalho, pensamos nas gerações pós-25 de Abril em Portugal, mas também dos territórios nacionais em África que estiveram sob domínios coloniais.
No seu processo, retraça o seu embate na tentativa do domínio ou inserção no espaço, imprimindo a sua preocupação com responsabilidade da sua sobrevivência. Com uma urgência e necessidade, desenvolve gestos e formas de organizar o sentido de um mundo exterior “caótico” que possamos apreender pelos sentidos, criando uma linguagem e um espaço imaginário através de uma capacidade de raciocínio abstracto, impregnado a partir de tintas, cores, formas, signos, símbolos, marcas sobre telas, servindo de “mediuniacção” na elaboração consciente para apreensão e construção da realidade em que ele está inserido.

– Rafael Mouzinho, curador

Ilídio Candja Candja, 'África minha'; técnicas variadas; 2018; Cortesia do artistaIlídio Candja Candja, 'África minha'; técnicas variadas; 2018; Cortesia do artista

 

curadoria
Rafael Mouzinho
data
24.04.2021
– 27.06.2021
horário
Terça e sexta: 10h-13h e 14h-18h
Sábado e Domingo: 10h-13h

mais infos.

 

29.04.2021 | por martalanca | EGEAC, Ilídio Candja Candja, Moçambique, pintura

“13 Ways of Looking at a Blackbird” - Berlinale 2021

O mais recente projeto de Ana Vaz, “13 Ways of Looking at a Blackbird” deve o seu título ao poema de Wallace Stevens, e foi seleccionado para a Berlinale deste ano na secção Forum Expanded que consiste em quatro programas de curtas-metragens, uma média-metragem e duas longas-metragens, com um total de 18 filmes a serem exibidos em Março. Oito instalações serão igualmente exibidas em Junho. A cobertura da Berlinale deste ano segue a linha do novo formato do festival: uma edição híbrida, adaptada aos tempos pandémicos, dividida entre uma parte online e dedicada à indústria, de 1 a 5 de Março, e outra em formato físico, durante o verão.

Os temas dos programas de curtas-metragens de 2021 giram em torno da história e da memória, rituais e mitos, colonialismo e racismo e uma prática cinematográfica de subversão e resistência.

A curta-metragem partiu de um projeto educativo da EGEAC, o DESCOLA, com a gestão, produção e entusiasmo de Paula Nascimento durante 2019/2020 (Galerias Municipais EGEAC), uma formação na área do cinema e pedagogia crítica com a artista Ana Vaz e alunos da Secundária D.Dinis, em Chelas. O resultado material desta formação foram dois objectos: o filme ‘13 Ways of Looking at a Blackbird’, seleccionado para a Berlinale, e uma fanzine.

No filme são abordadas as questões cinematográficas. Nomeadamente, apresentam-se experiências, questões e interrogações dos estudantes acerca das várias variantes do cinema. “O filme é uma canção que se pode ver”, escreveu um dos estudantes a partir de uma constelação colectiva de frases e desenhos feitos durante um dos workshops. A frase é uma descrição perfeita de um filme que explora uma ecologia nascente dos sentidos.

Uma canção que (res)surge numa escavação pelo potencial dos sentidos. Um poema que (nos en)caminha por um caminho singular, sem destino. Uma imagem que (nos i)mobiliza. Uma voz que (nos en)canta. Um filme que nos seduz. Camadas de significação e subjetividades que se aglomeram num retrato sublime do ser — na experiência permanente da interrogação.

Apesar dos constrangimentos causados pela pandemia conseguiram acabar o filme em 2020.

Equipa 

Diretora: Ana Vaz

Cinematografia: Ana Vaz, Vera Amaral, Mário Neto

Edição: Ana Vaz, Deborah Viegas

Design de Som: Ana Vaz

Som: Mário Neto, Nuno da Luz, Catarina Boieiro

Produtor: EGEAC - Galerias Municipais de Lisboa

Co-Produtor: Anze Persin, Stenar Projects, Ana Vaz

Participação Especial

Vera Amaral

Mário Neto

Paula Nascimento

Ana  Vaz

Nuno da Luz

27.03.2021 | por Alícia Gaspar | 13 ways of looking at a blackbird, berlinale, chelas, DESCOLA, EGEAC, fanzine, paula nascimento, secundária D. Dinis, workshops

Oficinas, Percursos e Visitas em Maio para os + novos e famílias

 

Museu da Marioneta
PRIMAVERA POR UM FIO · Oficina · dom. 26, 10h30

Casa Fernando Pessoa
QUANDO VEJO ESTA LISBOA · Percurso · qua. 22, 15h

Cinema São Jorge
INDIE JÚNIOR · Oficinas · entre 2 e 12

Castelo de S. Jorge
ANTES DO CASTELO · Visita guiada · dom. 5, 11h
ORDENS MILITARES RELIGIOSAS · Artes bélicas · dom. 12, 11h
NOITE DOS MUSEUS · sáb. 18, das 20h30 às 24h

LU.CA Teatro Luís de Camões
Visitas ao LU.CA

Museu Bordalo Pinheiro
MUSEU BORDALO PINHEIRO INVADE O MERCADO DE ALVALADE · Oficinas
sáb. 4, das 10h às 13h
VAMOS DESENHAR COM… · Oficina de desenho com Jeanne Waltz
sáb. 25, das 15h às 17h30
PASSEAR NA LISBOA DE BORDALO · Visita-percurso · sáb. 25, das 15h às 17h
BENJAMIN RABIER, ILUSTRAÇÕES DO ROMANCE DA RAPOSA DE AQUILINO RIBEIRO
Exposição · 17 de Maio a 15 de Setembro
Actividades com entrada livre: Visitas Guiadas, Sessão de Leitura e Desenho e Oficina de Desenho · entre os dias 18 e 28

Museu de Lisboa (vários Núcleos)
COMEMORAÇÕES DO DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS · Visitas e oficinas
de 17 a 19

Museu de Lisboa - Palácio Pimenta
AZUL E BRANCO, OS AZULEJOS DO PALÁCIO PIMENTA · Visita-jogo · dom. 5, 11h30

Museu de Lisboa - Santo António
O CULTO POPULAR A SANTO ANTÓNIO · Visita orientada · dom. 5, 15h30

Padrão dos Descobrimentos
MAMÃ CHALEIRA · Oficina para pais e filhos · dom. 12, 10h30

03.05.2019 | por martalanca | EGEAC

25 de abril

Os 45 anos do 25 de Abril de 1974 assinalam-se com visitas, conversas, teatro, cinema e música. O Museu de Aljube está de portas abertas dia 25, para a recolha de testemunhos dos Dias da Memória da Resistência, mas tem muitas outras propostas para celebrar Abril. No Teatro São Luiz, na rua António Maria Cardoso, paredes meias com o edifício que foi sede da PIDE, há uma Ocupação e no Museu de Lisboa há conversas sobre liberdade e revolução. Abril festeja-se também na rua, com concertos, videomapping e leituras.

 

24.04.2019 | por martalanca | 25 de abril, EGEAC

Contar Áfricas!

Exposição partilhada e plural, de 25 de Novembro até 21 de Abril no Padrão dos Descobrimentos. 

fotografia de Luís Pavãofotografia de Luís Pavão
Contar Áfricas! tem a coordenação de António Camões Gouveia e resultada vontade de conhecer uma África múltipla e diversa, as muitas Áfricas que compõem África, os “seus poderes, organizações sociais e culturais, sublinhando as diferenças e a originalidade de um tão vasto território”
A forma de Contar Áfricas! nesta exposição é partilhada. Partilhada porque as peças apresentadas foram escolhidas por dezenas de investigadores das mais variadas áreas e relações com África. Contar Áfricas! é, assim, uma exposição construída por diversas mãos. Todos os detalhes sobre esta nova exposição aqui.
Entretanto e como sempre, do Miradouro vemos Lisboa e no documentário A construção de um símbolo ficamos a saber mais sobre o monumento que marca o perfil da frente ribeirinha de Lisboa.
Para saber tudo o que se passa acompanhe no facebook ou no site do Padrão dos Descobrimentos. 

 

22.11.2018 | por martalanca | Contar Áfricas!, EGEAC, Padrão dos Descobrimentos