Quintal da língua portuguesa

Luiz Raul Machado conversa sobre Sylvia Orthof, na Editora Rovelle, dia 22 Novembro, 16:00h:

O Quintal da Língua Portuguesa, criado em 2011, no Rio de Janeiro, é um grupo de artistas que pretende divulgar a literatura de países de língua portuguesa.

Membros fundadores: Andre Neves, Edna Bueno, Fabio Sombra, Lucilia Soares, Luiz Raul Machado, Ninfa Parreiras, Ondjaki, Suzana Vargas, Volnei Canonica.

20.11.2012 | por herminiobovino | literatura, Literatura lusófona, lusofonia, Rio de Janeiro

Lançamento do livro “Os transparentes”, de Ondjaki

Esta TERÇA a partir das 18:30h, apareça na Livraria Buchholz para assistir ao lançamento do livro “Os transparentes”, de Ondjaki.


uma conversa
algumas leituras
alguns autógrafos

Outras datas

Dia 15 (Quinta-feira): Porto, Faculdade de Letras Porto (14:30h), sala 201;

16 (Sexta-feira): Porto: participação debate/Colóquio Jorge Amado, às 9:45am (faculdade de Letras, Porto);

17 (Sábado): Vila Real (18h);

19 (Segunda-feira): Matosinhos, Biblioteca Municipal (18h);

20 (Terça-feira): Santiago de Compostela (19h);

21 (Quarta-feira): Coimbra, (18h) autógrafos na livraria “Lápis de Memórias” (Av. Elisio de Moura, 29);

22 (Quinta-feira): Barreiro, Biblioteca Municipal (21h);

23 (Sexta-feira): Loures, Biblioteca Municipal (21h).

12.11.2012 | por herminiobovino | lisboa, literatura, literatura angolana, Luanda

'Blimunda' Revista literária digital da Fundação José Saramago

Após um primeiro arranque, a revista literária digital da Fundação José Saramago ressurge agora com o nome de ‘Blimunda’.

Esta mudança, motivada por razões administrativas relacionadas com o registo do nome da publicação, levou a que o nome da mulher protagonista de ‘Memorial do Convento’, aquela que coleccionava vontades e que via o interior das pessoas, desse agora o nome e personalidade a este espaço electrónico que mantém os objectivos da Fundação José Saramago.

Em destaque neste número encontra-se um dossier dedicado a Carlos Fuentes, escritor mexicano recentemente desaparecido, com textos assinados por Federico Reyes Heroles, Nélida Piñon e José Saramago e um fragmento de ‘A Morte de Artemio Cruz’, romance inédito em português.

Na secção ‘Saramaguiana’, dedicada a José Saramago, a ‘Blimunda’ apresenta um texto de Juan José Tamayo intitulado ‘Deus, o silêncio do universo’. José Juan Tamayo é Diretor da Cátedra de Teologia e Ciências das Religiões Universidade Carlos III de Madrid.

No habitual dossier dedicado ao livro infantil, Andreia Brites traz-nos um texto subordinado ao tema ‘Utopia e Distopia Urbana’,
no qual analisa quatro álbuns ilustrados, e um texto sobre a experiência das Bibliotecas de Medellín.

Das restantes secções dedicadas às ‘Leituras do mês’, ‘Projectos pelo mundo’ e ‘De relance’ destacamos um texto assinado por Sara Figueiredo Costa sobre o romance ‘Os Malaquias’, de Andrea del Fuego, vencedor do Prémio José Saramago, uma visita ao projecto da Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino (AEPGA), em Trás-os-Montes, e uma conversa com a designer
responsável pela edição norueguesa de ‘Caim’, de José Saramago.

A ‘Blimunda’ está disponível gratuitamente em português e em castelhano

23.06.2012 | por martacacador | fundação josé saramago, José Saramago, literatura

Lançamento dos livros Ndekeni (Alexandre Chaúque) e Nau Nyau e Outras Sinas (Domi Chirongo) | Conselho Municipal de Maputo

19 de Junho | 16h | Átrio do Conselho Municipal da Cidade de Maputo

Entrada Livre

O Conselho Municipal da Cidade de Maputo e a Associação de Escritores Moçambicanos convida para o lançamento dos livros Ndekeni, de Alexandre Chaúque, e Nau Nyau e Outras Sinas, de Domi Chirongo.

As duas obras foram vencedoras do Prémio Municipal 10 de Novembro, em 2010 (Domi Chirongo) e 2011(Alexandre Chaúque).

17.06.2012 | por martacacador | literatura, Maputo

Festa da Literatura e do Pensamento do Norte de África

Festa da Literatura e do Pensamento do Norte de África 
22 Junho | 23 Junho | 24 Junho
Fundação Calouste Gulbenkian
Entrada Livre


1.ª sessão: Os bloggers da Primavera Árabe22 de Junho 2012, 19h00 - TendaMaria João Tomás (moderadora) (Portugal) / Mona Prince (Egito) / Danya Bashir (Líbia) / Yassine Ayari (Tunísia) / Aboubakr Jamai (Marrocos)
2.ª sessão: O Estado das Artes/ 23 de Junho 2012, 19h00 - TendaBouchra Khalili (moderadora) (Marrocos) / Ahmed El Attar (Egito) / Mohamed Siam (Egito) / Nermine Hammam (Egito) / Soufiane Ouissi (Tunísia) 
3.ª sessão: A Primavera Árabe explicada por Tahar Ben Jelloun 23 de Junho 2012, 22h00 - Anfiteatro ao Ar LivreTahar Ben Jelloun (Marrocos) 
4.ª sessão: O protagonismo das mulheres nos países do norte de África/ 24 de Junho 2012, 19h00 - TendaMichket Krifa (moderadora) (Tunísia-França) / Nawel Skandrani (Tunísia) / Olivia Marsaud (França) / Nahed Nasrallah (Egito)  
5.ª sessão: Pensadores do Norte de África/ 24 de Junho 2012, 22h00 - Anfiteatro ao Ar LivreKarim Ben Smail (moderador) (Tunísia) / Fethi Benslama (Tunísia) / Wassyla Tamzali (Argélia) / Samy Ghorbal (França)

Fonte: http://www.proximofuturo.gulbenkian.pt/licoes/festa-da-literatura-e-do-pensamento-do-norte-de-africa

08.06.2012 | por joanapereira | Africa, Calouste Glubenkian, literatura

9 de Junho: Sarau Literário de Cultura Africana - Brasil

06.06.2012 | por joanapereira | Brasil, literatura, sarau

23 Maio| Lançamento do livro "A bicicleta que tinha bigodes" de ONDJAKI, Brasil

Para mais informações consulte: www.kazukuta.com.

21.05.2012 | por joanapereira | Brasil, literatura, livro

Colóquios sobre Literaturas de Língua Portuguesa em Lisboa e no Porto

Já esta segunda-feira, 14 de Maio, no Porto, o espaço Maus Hábitos (em frente ao Coliseu) acolhe a segunda edição do “Tinha Paixão? - Literaturas Brasileira e Africana”. À semelhança da primeira edição, mantém como objectivo principal  partilhar com o público alguns dos grandes nomes das literaturas brasileira e africana dos séculos XX e XXI. Arrancou no passado dia 26 de Abril e prevê cinco sessões de colóquios, a decorrer todas as segundas-feiras, em espaços diferentes, até dia 28 de Maio. Esta edição está marcada para as 18h30 e tem como convidados Ana T. Rocha, que falará sobre a poeta são-tomense Conceição Lima, Pires Laranjeira, que falará sobre o poeta angolano João-Maria Vilanova e Vanessa Rodrigues, que falará sobre a escritora brasileira Andrea del Fuego.

Na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa acontece a 16 de Maio, pelas 16 horas, o colóquio intitulado “Literatura e Culturas Africanas – Perspectivas de Ensino”, com as intervenções de Ana Mafalda Leite, Ana Paula Tavares, Fátima Mendonça, Inocência Mata, Luís Dias Martins e Pires Laranjeira.

13.05.2012 | por joanapereira | colóquio, língua portuguesa, lisboa, literatura, porto

A Segunda Vida de Djon de Nha Bia

Este livro de Nuno Rebocho é uma obra maior da literatura lusófona. É uma grande alegoria das relações de poder entre os homens. A narrativa passa-se num arquipélago imaginário, onde de tudo um pouco acontece. É uma obra que, além de muito divertida, tem um conteúdo político (no sentido nobre, aristotélico, da palavra) muito agudo. Além disso, sendo escrita num português de latitudes mais quentes, é uma lufada fresca de palavras e expressões novas. Um grande livro, sem dúvida!
sobre o autor: Nuno Rebocho nasceu em 1945; opositor do salazarismo, foi jornalista e interventor cultural antes e depois do 25 de Abril. Foi jornalista na RDP, Antena 1 e 2, durante muitos anos. Recentemente passou a viver em Cabo Verde, enraízando-se nesse arquipélago lusófono. Publicou vários livros de poesia e de crónicas. Ultimamente tem desenvolvido uma poderosa linha narrativa em que o Djon é um dos primeiros títulos a ser revelado ao público. Sinopse O livro conta as aventuras de um tipo que sai para fora do caixão no seu próprio velório. Desse acontecimento só há uma testemunha meio bêbeda. A partir daí, o herói desta espécie de fábula irá percorrer a sua ilha, primeiro, e outras ilhas em busca do sentido de estar morto. Nessas ilhas acontece de tudo um pouco: os mortos votam nas eleições, o diabo aparece, há um doutor que faz chantagem e até uma das ilhas tem um rei. Enquanto o herói percorre as ilhas, na sua ilha de origem desenvolve-se todo um culto em torno da sua figura ressuscitada, com templos, restaurantes, e todo um conjunto de actividades económicas associadas ao fenómeno de um local sagrado.
Excerto Quando a carapinha lhe emergiu do caixão, Djon percebeu que estava morto. Fora da sala era a rua e de lá vinha a batida da tabanka, oca e ondeada, e uma voz narradora que entretinha a comezaina aconchegante do velório. Família e demais abancavam no terreiro, digerindo a noite antecedente ao funeral, que seria pela manhã.

Nono volume da Colecção CCC editado por Marcos Farrajota e Rafael Dionísio, prefácio de Luíz Carlos Amorim, capa de Jucifer, design de João Cunha, ISBN: 978-989-8363-01-5

PVP: 10€ (50% para sócios, lojas e jornalistas) à venda no site da CCCUtopiaVOLCDgo.comLetra LivreCasa RuimFábrica FeaturesRe-Search e Livraria Sá da Costa (R. Garrett, 100) *** E-BOOK: todoebook.com

Historial: Lançado na XVI Feira Laica … Apresentação pelo Prof. Dr. Luis Filipe Tavares (Universidade Piaget) na Cidade da Praia, Cabo Verde (08/07/10) … brevemente algumas apresentações em Portugal … Apresentação por Rafael Dionísio no Centro Interculturacidade (16/09/19) …
Feedback: primeiro romance da autoria de Nuno Rebocho, escritor português radicado em Cabo Verde. Trata-se de estória salgada de crioulidade, onde o mágico e as driabruras se entrecruzam em artimanhas que envolvem mortos ressuscitados em revolta e o derrube de poderes vivos, santos sem vocação, fundamentalistas irredentos e muita tropelia que fez a vivência de um país chamado Arquipélago, igual a tantos arquipélagos que são países e a países que são, por isso mesmo, arquipélagos. Com humor e ironia, o autor traduz o insólito como realidade, mas onde quaisquer semelhanças com realidades conhecidas são mal-deliberadas coincidências, numa escrita colorida e cáustica para o novo acordo ortográfico adoptado pelos países lusófonos. Porosidade Etérea alegoria política de quem quem quer ajustar contas com o mundo, como “Animal Farm”, de Orwell, ou “Aventuras de João Sem Medo”, de José Gomes Ferreira. Os Meus Livros

12.04.2012 | por martalanca | BD, literatura

Ciclos de São Vicente - Colecção B

Igreja de São Vicente
Évora

Com uma programação intensa e variada, do cinema à performance, da leitura à música, do debate à festa, a Colecção B volta a abrir a porta da Igreja de São Vicente para mais um Ciclo de São Vicente.

O tema para este mês é ‘alteridades’! Entre parcerias locais e o acolhimento de projectos, o Ciclo de São Vicente de Março propõe uma incursão pelo espaço do ‘outro’, do ‘diverso’, mesmo quando próximo. Por isso temos, a abrir e a fechar, sessões de leitura de dramaturgia africana e brasileira, culturas tão nossas e tão ‘outras’ de nós. Cinema brasileiro  e guineense. Música caboverdiana! E Teatro no Exílio, no dia Mundial do Teatro!

Destaques na Programação:
Dia 20
22h | Outros Cinemas
José Carlos Schwarz, a voz do povo (Adulai Jamanca, 2006) 
No início dos anos 70, num país fragmentado em dezenas de etnias e em plena guerra de independência, José Carlos Schwarz criou o primeiro agrupamento musical da Guiné-Bissau, o ‘Cobiana Djazz’. José Carlos cantava em crioulo e criou uma forma musical que ainda hoje unifica os guineenses. Este documentário conta-nos a história do poeta e fundador da música moderna da Guiné-Bissau, que morreu num acidente aéreo em 1977, com apenas 27 anos.

Os mestres loucos (Jean Rouch, 1955)
“O título - Os Mestres Loucos – promete a quem ainda não teve a oportunidade de ver este filme ímpar e evoca ainda mais a quem, incansavelmente como perante um mistério revelado, se prepara para o rever. Ensaio escrito no ritmo ofegante de uma urgência – existem as necessidades ditas naturais, não existirão também as necessidades culturais? -, ensaio sobre os senhores loucos ilustrado pelos gestos rituais dos servos que se tornaram mestres e senhores da loucura.”(Regina Guimarães, Buala - Revista de Arte Contemporânea Africana).
Excerpto
Os Mestres Loucos, 1955Os Mestres Loucos, 1955

Dia 21
22h | Noites com Leituras #4 - Venha ler dramaturgia africana connosco.
Apresentação do livro ‘As orações de Mansata’, de Abdulai Sila, pela Cena Lusófona, com a presença de António Augusto Barros, director artístico Escola da Noite e Presidente da Cena Lusófona.

Ainda textos de Leite de Vasconcelos (Moçambique), António Aurélio Gonçalves (Cabo Verde), Mia Couto (Moçambique).Textos de Leite de Vasconcelos (Moçambique), António Aurélio Gonçalves (Cabo Verde), Mia Couto (Moçambique), Fernando de Macedo (S. Tomé e Príncipe) e José Mena Abrantes (Angola).Textos de Leite de Vasconcelos (Moçambique), António Aurélio Gonçalves (Cabo Verde), Mia Couto (Moçambique), Fernando de Macedo (S. Tomé e Príncipe) e José Mena Abrantes (Angola).

Dia 23
22h | Concerto Bilan
Hoje bem um curandêr 
Música Cabo-Verdiana / Improvisação
BilanBilanBilan (Voz e Guitarra), David Estêvão (Contrabaixo), Tiago Mota (Guitarra), Luís Pedro (Bateria)

“Bilan pode ser enquadrado numa reinvenção mais cosmopolita e urbana da música cabo-verdiana com Sara Tavares ou, a pouco conhecida em Portugal, Carmen Souza. Em qualquer dos casos, as raízes de Cabo Verde são cruzadas com a natural globalização de cultura e música vividas pelas novas gerações; sente-se a cadência morna ou cálida, como se adivinha o mainstream internacional, os ensinamentos do jazz, os arremessos do rock, a soul, o r&b. Os temas que se ouvem de Bilan com o seu quarteto partem do seu país para o mundo conhecido, como acontece com os restantes compatriotas desta vaga. Mas as raízes das ilhas que caíram da Lua parecem ir aqui mais além. (Eduardo Sardinha, Central Musical).

Entrada 3€ (2€ jovens, estudantes, desempregados, idosos)
Mais informação em CentralMusical.pt

Dia 27
22h | Outros Cinemas
Macunaíma (Joaquim Pedro de Andrade, 1969)
Um clássico do cinema brasileiro, o  filme permite muitas interpretações, com alusões ao desenvolvimentismo, ao tropicalismo e à luta armada que corria solta nos ‘Anos de Cumbo’, sem perder a ligação com a obra literária na qual se baseia ( obra homónima de Mário de Andrade), com aparição de vários personagens do  folclore brasileiro, tais como o Caipora.
Excerpto
macunaíma, 1969macunaíma, 1969


Colecção B, Associação Cultural
Estrutura Financiada
Governo de Portugal
Secretaria de Estado da Cultura
Direcção-Geral das Artes
Apoio Câmara Municipal de Évora


Colecção B - facebook

20.03.2012 | por herminiobovino | cinema, cinema brasileiro, literatura, mostra de vídeo e cinema africano, performance, workshop

Ciclo de Cinema Português 2012 - MAPUTO

 Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane

Ciclo de Cinema Português, 2012 (Cinema e Literatura)
13h30
- 23 de Março, “A Carta” (105’, Dir. Manuel de Oliveira, 1999)
- 30 de Março, “O Delfim” (83’, Fernando Lopes, 2002)
15h30
- 14 de Março, “A Costa dos Murmúrios” (115’, Dir. Margarida Cardoso, 2004)
- 21 de Março, “José e Pilar” (125’, Dir. Miguel Gonçalves Mendes, 2010)
- 23 de Março, “Uma Abelha na Chuva” (65’, Dir. Fernando Lopes, 1971)
- 28 de Março, “Manhã Submersa” (131’, Dir. Lauro António, 1980)
- 30 de Março, “A Selva” (104’, Dir. Leonel Vieira, 2002)
- 04 de Abril, “Palavra e Utopia” (130’, Dir. Manuel de Oliveira, 2000)

 

15.03.2012 | por herminiobovino | ciclo cinema, cinema português, literatura

Lisboa nas narrativas: olhares do exterior sobre a cidade antiga e contemporânea

1 a 8 de fevereiro de 2012, Palácio Belmonte e Livraria Fabula Urbis (Lisboa)

Lisboa nas narrativas: olhares do exterior sobre a cidade antiga e contemporânea resulta da comunhão de interesses e objectivos de dois projetos em curso – o “Atlas das Paisagens Literárias de Portugal Continental” e o “Bairro Destino” –, que valorizam as paisagens de Lisboa enquanto arquivo de natureza e cultura. Ambos procuram a história e a tradição dos locais nos discursos do passado e do presente, para com eles reinventar uma urbanidade que se pretende mais qualificada e criativa.

Lisboa nas narrativas: olhares do exterior sobre a cidade antiga e contemporânea toma o fértil imaginário da cidade como objecto de reflexão. Nas representações literárias identifica-se um manancial de exploração para a investigação nas áreas da literatura, da história, da geografia, da economia, da psicologia ambiental, entre outras, e, do mesmo modo, para a produção artística que tem a representação literária como ponto de partida.

consultar programa completo 

6º dia segunda - feira, 6 de fevereiro

10:00 - 13:00 - Tertúlia, “À conversa com …”: Hervé Le Tellier, Howard Altmann, Nathalie

Heidsieck de Saint Phalle e Olivier Rolin, orientada por Frederic Coustols.

13:00 - 14:00 - Almoço

14:00 - 17:00 - Tertúlia, “À conversa com …”: Joaquim Arena, Jean-Yves Loude e Viviane Lievre, orientada por Cátia Miriam Costa.

18:30 – Lançamento do livro Baku, últimos dias (Lisboa, Sextante, 2012), de Olivier Rolin, apresentada por Nuno Júdice.

7º dia terça-feira, 7 de fevereiro

10:00 - 13:00- Apresentações Luís Ribeiro (ISA - UTL, Departamento de Arquitectura Paisagista), “As quintas e a evolução da paisagem urbana de Lisboa”.

António Ricardo da Costa (IST – UTL), “Visões escritas da cidade”.

Gonçalo Leandro (WOA), ”A arte no caminho da harmonia e da evolução”.

13:00 - 14:00 - Almoço

14:00 - 17:00 - Oficina (orientada por Ana Isabel Queiroz).

18:00 – 20:30 – Mesa-redonda com escritores franceses, no Institut Français (Rua Luís

Bívar 91, Lisboa): Hervé Le Tellier, Nathalie Heidsieck de Saint Phalle, Jean-Yves Loude,

Viviane Lievre e Olivier Rolin, orientada por Frederic Coustols.

8º dia quarta-feira, 8 de fevereiro

10:00 - 13:00- Oficina

Apresentação dos trabalhos realizados pelos participantes, com comentários de Isabel

Alves, Ana Isabel Queiroz, Daniel Alves, Cátia Miriam Costa, Frederic Coustols.

13:00 - 14:00 - Almoço

14:00 – 17:00 - Oficina

Continuação da apresentação dos trabalhos e entrega de certificados aos participantes.

17:00 – 19:00 – Sessão de Encerramento

Concerto de piano, com Maria de Morais: obras de Philip Glass.

05.02.2012 | por martalanca | lisboa, literatura

Lisboa nas narrativas: olhares do exterior sobre a cidade antiga e contemporânea

Uma oficina internacional que reune académicos, escritores e artistas. Em conjunto com os participantes, este reflectirão sobre o passado, presente e futuro da paisagem de Lisboa, equacionando dimensões geográficas, históricas, antropológicas, arquitectónicas, económicas, ecológicas e artísticas.

Palácio Belmonte | Páteo Dom Fradique, 14, 1100 - 624 Lisboa, Portugal, Tel: +351 21 881 66 00 | E-mail: office@palaciobelmonte.com

 

mais informações aqui

15.01.2012 | por martalanca | lisboa, literatura

Apresentação do livro " The Protean Web. Literature and Ethnography in Lusophone Africa" de Ana Maria Martinho Gale

13.12.2011 | por joanapires | Africa, etnografia, lançamento livro, literatura

Roça Língua

Começa já para a semana um encontro entre escritores, actores, contadores de estórias em S.Tomé e Príncipe. vai ser uma bonita festa! 

 

 

26.10.2011 | por martalanca | literatura, Roça Língua

Mia Couto na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

18.10.2011 | por joanapires | escritor, literatura, Mia Couto

Imigrarte 2011

A Solidariedade Imigrante - Associação para a Defesa dos Direitos dos Imigrantes - convida-o/a a vir ao nosso encontro e a desfrutar de três dias de arte e cultura imigrante e portuguesa nas mais diversas áreas desde o cinema à música, passando pela dança, artes plásticas, fotografia, stand up comedy, malabarismo e muitas outras.
Com a presença record de quase 30 associações de imigrantes que oferecem o melhor da sua gastronomia e artesanato, contamos ainda com inúmeros workshops, debates, conferências e espaço infantil com animação constante para todas as crianças.
No recinto do local existirá ainda um gabinete com médico e enfermeiras para o rastreio de saúde gratuito a todos os imigrantes, oferecido pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.  

28.09.2011 | por joanapires | dança, debate, fotografia, imigrarte, literatura, música, poesia

Balanço Literário da Década no Mundo Lusófono

26.09.2011 | por joanapires | literatura

Cartas a um Jovem Poeta

Cartas a um Jovem Poeta, Reiner Maria Rilke

O Puto Pac noutros tempos disse que fazia “a apologia da lírica terapia”. E dar dicas de como escrever poesia, contos - ou um diário - é das poucas ocasiões em que os conselhos são úteis. Pois são dicas relativas a um exercício introspectivo que salva vidas. Quando eu tinha 15 anos, este livro de Rilke ensinou-me a como me salvar a mim mesmo - repetidas vezes. Principalmente nos meus mais preciosos momentos de revelação e escrita: aqueles em que sabia que não seria lido. Muita da melhor arte é aquela que tem a intenção do anonimato. Tal como tantos fragmentos dos clássicos e sonetos do renascimento. Ou a beleza das ruínas, o pináculo da arte-de-ninguém. Mas agora tudo tem ganho esta obsessão pela indexação individual, típica reacção num mundo com 7 mil milhões de anónimos, tristemente globalizados e homogeneizados. Então, deve-se escrever prometendo a nós mesmos queimar o caderno no fim. Talvez assim saia algo mesmo ousado. Algo honesto. Como dica, os meus alunos do Namibe gostam de um exercício em que se listam, por meio de frases soltas, numa folha dividida ao alto, tudo o que se ama e se odeia: “adoro um beijo de alguém que comeu maçã verde”; “odeio o olho cego do meu tio quando entro tarde em casa, é inútil e segue o outro.” Frases tão banais como fortes, como gatilho, para se expandirem para súbitas páginas de revelações e descobertas próprias. Escrever para fazer amigos ou inimigos é mendigar atenção - é infantil. Deve-se escrever para tentar compreender porque sofremos tanto, apesar de não o admitirmos. Escrevam! Comecem sempre com o voto de escreverão sabendo que no fim lhe pegarão fogo. Com esse voto de desapego, ousadia e coragem talvez se comecem a ouvir vozes mais sinceras. Talvez acabem mesmo por decidir não queimar os cadernos.

MIGUEL GULLANDER 

11.07.2011 | por martalanca | literatura

BIGSAS Festival of African and African Diasporic Literatures

From May 24th to 26th 2011 Bayreuth will host the first “BIGSAS Festival of African and African Diasporic Literatures” under the theme “African Conceptualisations of Europe”. The festival, which is open to the interested public, is intended to explore the world of words in an age witnessing a transition from hard books to soft books available on the internet. The authors and artists invited will engage in readings and performances between prose and poetry, drama and short story, music and politics. In doing so, the festival will connect artists from Harare and Berlin, London and Ibadan, Djibouti and Paris, Yaoundé and Bayreuth. This year’s festival will focus on conceptualisations of Europe both within African and African diasporic literatures. 

more info here

15.05.2011 | por nadinesiegert | Africa, diáspora, Europa, literatura