Visita o Aljube!

30 de julho de 2022 - 10H30
Museu do Aljube Resistência e Liberdade

Vem conhecer a exposição longa duração do Museu do Aljube Resistência e Liberdade, e as histórias da resistência à ditadura em Portugal até à revolução do 25 de Abril de 1974.

A exposição de longa duração do Museu apresenta aos visitantes no piso -1 uma mostra arqueológica com vestígios encontrados aqui.

No piso 0, o memorial de homenagem aos presos políticos, a história do edifício e a exposição temporária “Adeus Pátria e Família”.

No piso 1, a caracterização do regime ditatorial português (1926-1974), os seus meios de repressão e opressão (a Censura, as polícias e os tribunais políticos).

No piso 2, a resistência das oposições (semi-legais e clandestinas), a prisão, a tortura, os curros de isolamento.

No piso 3, a luta anticolonial e os movimentos independentistas de libertação, o derrube da ditadura e o 25 de Abril de 1974 e no piso 4, a exposição temporária “A Sagrada Família”.

Duração aproximada: 1h

Entrada livre, sujeita a inscrição em: inscricoes@museudoaljube.pt

27.07.2022 | par Alícia Gaspar | 25 de abril, cultura, exposição, museu do aljube, visita guiada

Festival Internacional de Teatro de São Tomé

Tchiloli uma tragedia actual. ©JoseMoraRamosTchiloli uma tragedia actual. ©JoseMoraRamos

Começa esta quinta-feira, 21 de Julho, em São Tomé, a primeira edição do Festival Internacional de Teatro de São Tomé, no âmbito do RECITE, um projecto liderado pelo Ministério do Turismo e Cultura de São Tomé e Príncipe, em parceria com a AEGUI - Associação de Escritores da Guiné-Bissau. Ao longo de 10 dias, o público são-tomense vai poder assistir a nove espectáculos, de cinco grupos nacionais e dois grupos vindos de Moçambique e Portugal.

O Festival, cuja sessão de abertura é presidida pelo Primeiro-Ministro de São Tomé e Príncipe Jorge Bom Jesus, começa com a estreia de “Tchiloli, uma tragédia actual”, exercício-espectáculo que resulta de um Laboratório Teatral dirigido pelo encenador Andrzej Kowalski. A partir de um texto original, criado colectivamente no seio do grupo, oito actores e actrizes são-tomenses revisitam a tradição do Tchiloli e reflectem sobre a actualidade do país. O espectáculo é apresentado em duas sessões, a 21 e a 22 de Julho, no auditório do Arquivo Histórico, sempre às 19h00.

Ao longo dos dias seguintes, quatro grupos nacionais apresentam os seus trabalhos, todos também no Arquivo Histórico e sempre às 19h00: “Kinté de Motxi”, pelo Legi Tela (23 de Julho); “O Guloso Mentiroso”, pelo grupo Os Parodiantes da Ilha (24 de Julho); “Um olhar direccionado”, do Caravana Africana (25 de Julho); e “A busca do sonho”, pelo Surpresa da Madrugada (27 de Julho).

As participações internacionais nesta primeira edição do Festival são asseguradas pelo espectáculo “Pois é, vizinha” (Moçambique), com encenação de Maria Atália (26 de Julho, 19h00, no Arquivo Histórico) e por dois espectáculos da companhia portuguesa Teatro Meridional: “O Sr. Ibrahim e as Flores do Corão” (29 de Julho, 19h00, Arquivo Histórico) e “Elas”, um recital de poesia de língua portuguesa com Natália Luiza (30 de Julho, 19h00, Centro Cultural Brasil – São Tomé e Príncipe).

A 31 de Julho, domingo, pelas 16h00, o Festival encerra com o Tchiloli, pela Florentina de Caixão Grande.

O projecto RECITE

O projecto RECITE – Rede de Centros de Intercâmbio Teatral nos países de língua portuguesa é uma parceria entre o Ministério do Turismo e Cultura de São Tomé e Príncipe e a AEGUI – Associação de Escritores da Guiné-Bissau que assume como objectivo central a consolidação dos Centros de Intercâmbio Teatral de São Tomé e de Bissau, enquanto plataformas de intercâmbio e apoio à actividade das comunidades teatrais dos respectivos países. Para além de acções de formação (os laboratórios teatrais), de exercícios-espectáculo e de festivais internacionais de teatro nos dois países, o projecto prevê ainda acções de valorização e divulgação de manifestações artísticas tradicionais de São Tomé e Príncipe e da Guiné-Bissau e o arranque de projectos de qualificação ou de criação de espaços cénicos nas duas capitais.

Em São Tomé e Príncipe, a estreia do exercício-espectáculo e o Festival Internacional de Teatro são os primeiros momentos de partilha com o público do trabalho que vem sendo realizado desde Janeiro de 2022. Até Junho de 2024 (período de implementação do projecto), a acção estender-se-á à documentação (com a constituição de uma nova biblioteca de teatro no CIT-STP e realização de uma oficina de técnicas documentais), à disponibilização ao público de um acervo fotográfico sobre o Tchiloli e o Auto de Floripes e à qualificação do espaço polivalente da Casa da Cultura, melhorando as condições ao dispor da comunidade teatral e dos públicos de São Tomé.

O projecto RECITE é executado no âmbito do PROCULTURA, acção do programa PALOP-TL e UE, financiada pela União Europeia, co-financiada e gerida pelo Camões, I.P.

PROGRAMA
AUDITÓRIO DO ARQUIVO HISTÓRICO 
   21 de Julho, quinta-feira
   18h30 - Cerimónia de abertura
   19h00 - Tchiloli, uma tragédia actual | exercício-espectáculo do Laboratório Teatral (STP)

   22 de Julho, sexta-feira
   19h00 - Tchiloli, uma tragédia actual | exercício-espectáculo do Laboratório Teatral (STP)

   23 de Julho, sábado
   19h00 - Kinté de Motxi | Legi Tela (STP)

   24 de Julho, domingo
   19h00 - O Guloso Mentiroso | Parodiantes da Ilha (STP)

   25 de Julho, segunda-feira
   19h00 - Um olhar direccionado | Caravana Africana (STP)

   26 de Julho, terça-feira
   19h00 - Pois é, vizinha | enc. Maria Atália (MZ)

   27 de Julho, quarta-feira
   19h00 - A Busca do Sonho | Surpresa da Madrugada (STP)

   29 de Julho, sexta-feira
   19h00 - O Sr. Ibrahim e as Flores do Corão | Teatro Meridional (PT)

CENTRO CULTURAL BRASIL - SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE
   30 de Julho, sábado
   19h00 - Elas [Recital de Poesia] | Teatro Meridional (PT)

CASA DA CULTURA      31 de Julho, domingo
   16h00 - Tchiloli | Florentina de Caixão Grande (STP)

20.07.2022 | par Alícia Gaspar | cultura, festival internacional de teatro de são tomé, projeto RECITE, São Tomé e Príncipe, tchiloli, teatro

Não há cura

Alice Marcelino / Carlota Bóia Neto / Daniela Vieitas /  Gabriela Noujaim / Indira Grandê / Pamina Sebastião / Sofia Yala

 21 de julho - 3 setembro

Performance “Na Porta ao Lado” de Daniela Vieitas.

Sessões | 19h-20h-21h

DJ Mistah Isaac apresenta“Wako Kungo Sessions” Hosted by Diaza 18h-22h

Galeria MOVART em Lisboa apresenta uma nova interpretação da exposição NÃO HÁ CURA, a coletiva que há um ano inaugurou no Instituto Camões em Luanda. A exposição é agora transportada para uma outra cidade, num outro país e continente. Embora num contexto sócio-político diferente, NÃO HÁ CURA reúne um conjunto de obras que refletem sobre problemáticas universais, e que fazem sentido serem agora mostradas no espaço lisboeta da Galeria MOVART.

A conversa e a desconstrução são os pontos de partida desta mostra que questiona a imposição dos espaços, das diretrizes curatoriais e das convenções sociais. Um diálogo, por ora, sem fim à vista, que se propõe redescobrir e resignificar o eu, o corpo e a mulher, procurando relançar e repensar radicalmente o papel da arte.

A exposição, inicialmente comissariada por Keyezua, conta com a participação de Alice Marcelino (Angola), Carlota Bóia Neto (Portugal), Daniela Vieitas (Portugal), Gabriela Noujaim (Brasil), Indira Grandê (Angola), Pamina Sebastião (Angola) e Sofia Yala (Angola) que irão apresentar obras inusitadas entre instalação, performance, fotografia, video e colagem.

Galeria MOVART,  Rua João Penha 14A, 1250 - 131 Lisboa

18.07.2022 | par Alícia Gaspar | alice marcelino, arte, Carlota Bóia Neto, cultura, Daniela Vieitas, exposição, feminismo, gabriela noujaim, Indira Grandê, movart, NÃO HÁ CURA, Pamina Sebastião, Sofia Yala

"Mirages and Deep Time" exposição de Mónica de Miranda

Mónica de Miranda inaugura a 21 de julho nas Galerias Municipais - Galeria Avenida da Índia : “Mirages and Deep Time”

Exposição reúne obras inéditas e estrutura-se em torno de A Ilha, um vídeo inspirado na “Ilha dos Pretos”, uma denominação de tradição oral dada no séc. XVIII a uma comunidade de pessoas de origem africana que se fixou junto ao rio Sado 

Mirages and Deep Time (Miragens e Tempo Profundo)

de: Mónica de Miranda

curadoria: Azu Nwagbogu

 

Galerias Municipais - Galeria Avenida da Índia

21 julho a 25 setembro 2022

terça a domingo: 10h -13h e 14h -18h

***

Inaugura no dia 21 de julho a nova exposição individual de Mónica de Miranda nas Galerias Municipais - Galeria Avenida da Índia, intitulada “Mirages and Deep Time” (Miragens e Tempo Profundo), com curadoria de Azu Nwagbogu.

A exposição, reúne obras inéditas de Mónica de Miranda, cuja prática informada pela pesquisa investiga as convergências entre política, identidade, género, memória e lugar através de geografias de afeto, arqueologias urbanas, narrativas pós-coloniais e estratégias artísticas de subversão. A exposição estrutura-se em torno da obra vídeo “A Ilha” (2022), inspirada na “Ilha dos Pretos”, uma denominação de tradição oral dada no séc. XVIII a uma comunidade de pessoas de origem africana que se fixou junto ao rio Sado. 

Mirages and Deep Time de Monica de Miranda circunscreve os problemas com os tropos decoloniais, é uma busca contínua e não mitigada, que requer hiper-vigilância e sugere uma compreensão dos limites da história aprendida. Mirages and Deep Time dá espaço aos aspetos espirituais e metafísicos sobre o reenquadramento da história e identidade negra na história portuguesa. Também avança a conversa em direção à natureza e a novas formas de conhecimento na abordagem do maior desafio do mundo contemporâneo em relação as alterações climáticas na era do Antropoceno.

A exposição é também composta por trabalhos fotográficos, que, em diálogo com o filme, exploram várias relações entre feminilidade, natureza e histórias esquecidas por um sistema hegemónico. Expondo um olhar oposto para a história colonial e patriarcal, as obras avançam importantes questões sobre pertença e sobre a construção da identidade na era contemporânea.

As esculturas apresentadas, cobertas por terra e plantas, exploram a metáfora da ilha, a artista vê a terra ou o território como um detentor de memória, história, uma reciprocidade entre presente, passado e futuro. A terra contém dentro dela o tempo e o espaço, visto como matéria que está sempre a mudar, que não é estática.

O filme “A Ilha” apresenta a história de um lugar utópico, que reside no espaço entre a ficção e a realidade, onde as potencialidades para reescrever histórias e pensar o futuro são reunidas através das personagens e das suas viagens. O nome deste lugar, situado entre ficção e a realidade, e uma reapropriação das histórias locais de uma aldeia portuguesa (São Romão de Sádão) que foi pejorativamente chamada “a ilha dos Pretos” durante os séculos XVII e XVIII. As histórias desconhecidas de gerações de populações escravas em Portugal são procuradas e reescritas nestes espaços onde viveram, participaram ativamente e contribuíram para o desenvolvimento das sociedades que as escravizaram e discriminaram. A viagem à Ilha requer uma viagem física e interior para cada uma das personagens, a um estado superior que exige a redenção do passado e a capacidade de imaginar um futuro. A mulher, que escapa às memórias do passado ao confrontar os seus carrascos. A arqueóloga que investiga a memória a fim de compreender o presente e para que erros semelhantes não se repitam na Ilha. O homem capitalista que, na sua eterna insatisfação, reflete sobre como se tornou o opressor, o colonizador. As crianças, que com a sua força pura e vital energizam todas as outras personagens através da sua fantasia e sonhos.

A narrativa visual de Mónica de Miranda gira em torno de um motivo central: o espelho. Concreto (através do objeto feito) ou natural (por reflexão na água), os espelhos aparecem repetidamente na representação da ilha. Revelando verdades invisíveis e desejos mais profundos, o espelho na obra de Miranda torna-se um intrincado nó polifónico: tanto dobra como desdobra uma narrativa de várias camadas. Através de um filme e uma série de fotografias, de Miranda utiliza o espelho como um dispositivo estruturante que lhe permite sondar, em toda a sua complexidade e multiplicidade, ideias de identidade (eu e alteridade) e história (passado, presente e futuro potencial). Enquanto o espelho, como motivo, é um tropo bem estabelecido na história da arte, com este projeto de Miranda empreende uma re-apropriação do espelho como uma poderosa forma metafórica contemporânea. De facto, de Miranda ‘recupera o espelho’ e atualiza os seus valores simbólicos à luz das suas posições descoloniais, feministas e ecológicas.

De Miranda não só “recupera o espelho” como um aparelho, mas também subverte o seu significado, recusando-se a olhar para o outro lado, dando origem a uma história contada pelas forças dominantes, o espelho torna-se um epítome de agência. “Há poder no olhar”, como os ganchos dos sinos afirmaram - de facto, para Mónica de Miranda, o olhar no espelho rebelde é uma estratégia de olhar e ser olhado com uma agência de pertença.

***

Bio

Mónica de Miranda (Porto, 1976) é uma artista portuguesa de origem angolana que vive e trabalha entre Lisboa e Luanda. Artista e pesquisadora, seu trabalho é baseado em temas de arqueologia urbana e geografia pessoal. Trabalha de forma interdisciplinar utilizando desenho, instalação, fotografia, filme, vídeo e som em suas formas expandidas e dentro dos limites entre ficção e documentário. Mónica é cofundadora do Hangar (Centro de Investigação Artística, Lisboa 2014) e em 2019 foi nomeada para o Prémio EDP Novos Artistas (MAAT, Lisboa) e em 2014 para o Prémio Novo Banco de Fotografia. A sua obra está representada em diversas coleções públicas e privadas, nomeadamente: Calouste Gulbenkian, MNAC, MAAT, FAS, Nesr Art Foundation e Arquivo Municipal de Lisboa. Entre as suas exposições mais recentes destacam-se: Europa Oxala (CAM, Lisboa; Mucem, França, 2022)  , Thinking about possible futures,(Biennale del Sur,2021), African Cosmologies, Houston Fotofest (2020), Taxidermy of the future (Biennale Lubumbashi,2019), Architecture and Manufacturing, at MAAT in Lisbon (2019), Tales from the water margins, (Biennale Internationale de l’Art Contemporain de Casablanca,2018); Daqui Pra Frente, Caixa Cultural (Rio de Janeiro and Brasília, 2017-2018); Dakar Biennial in Senegal (2016); Bienal de Casablanca (2016), Addis Photo Fest (2016); Bienal de Fotografia de Vila Franca de Xira (2017), Bamako Encounters – African Biennale of Photography (2015); MNAC (2015); 14th Biennale di Architettura di Venezia (2014); São Tomé e Príncipe Biennale (2013); Estado Do Mundo, Fundação Calouste Gulbenkian (2008), entre outras.
www.monicademiranda.org

11.07.2022 | par Alícia Gaspar | A ilha, arte, cultura, exposição, ilha dos pretos, Mirages and Deep Time, Monica de Miranda, negritude, rio sado

Black Brazil Art abre inscrições para Residência Artística Virtual Compartilhada

Com o tema Fluxos(In)Fluxo: Transitoriedade, evento aceita trabalhos até 15 de agosto de 2022

A Black Brazil Art anuncia chamada para a segunda edição da Residência Artística Virtual Compartilhada (RAVC). Em uma parceria com a Njabala Foundation, fundação voltada para a difusão e experimentação de trabalhos artísticos de mulheres com o tema Fluxos(In)Fluxo: Transitoriedade.

A residência conta com mentores do Brasil, França, Uganda, Reino Unido, Portugal e Estados Unidos.

Inscrição: As inscrições acontecem até 15 de agosto de 2022 pelo site blackbrazilart.com.br/ravc2.

A segunda edição está organizada em um contexto de mundo abalado pela crise do Covid-19 que ainda persiste e pelos processos migratórios forçados no mundo por guerras e conflitos. “A Covid-19 nos lembrou, inversamente, o quanto o ecossistema das artes, e em particular as trocas via residências, estão ligadas a um bem comum crucial, a liberdade de deslocamento - os fluxos que fazemos”, aponta a curadora Patricia Brito.

A residência abre espaços criativos para conscientização sobre o “êxodo” contemporâneo e desenvolverá reflexões teórico-práticas do ponto de vista artístico para pensar coletivamente sobre práticas artísticas socialmente engajadas e relacionais ao mesmo tempo.

As inscrições custam entre R$ 65,00 (individual) e R$ 150,00 (coletivos de até cinco pessoas) e são abertas para artistas, curadores, pesquisadores, educadores, ativistas, entre outros. As vagas são limitadas e a residência tem duração de três meses.

A atividade vai explorar e abordar a noção de “transitoriedade ou senso de lugar e pertencimento” através da representação visual na história, na memória e na arte dos residentes. Uma das grandes atrações da residência será a aula inaugural que conta com a participação do Dr. Antonio Cuyler, fundador da Curley Consulting LLG. e Diretor do Programa de Mestrado e Professor Associado de Administração de Artes da Florida State University (FSU) e da Ugandense Martha Kazungu, fundadora da Njabala Foundation, curadora e historiadora de arte. Ela é mestre em artes verbais e visuais africanas com foco em curadoria e mídia na África pela Universidade de Bayreuth, Alemanha.

O que é:

(RAVC) é um programa de experimentação artística teórico-prático de três meses projetado para focar no processo de criação de novos trabalhos e desenvolvimento coletivo e cooperativo de artistas.

O que faz:

Explora um modelo alternativo de residência no espaço digital, promovendo um espaço criativo para os artistas experimentarem, trocarem ideias e habilidades, colaborarem em projetos, compartilharem recursos para dialogar com outros artistas, fornecer feedback e responsabilizar uns aos outros no cumprimento de prazos e oportunidades.

Como será:

Repensar as práticas artísticas além dos limites geográficos com a organização digital implementada na prática diária dos artistas. Totalmente online terá mentores fixos e convidados.

Quanto tempo: Serão três meses divididos em 13 semanas - o que dará de seis a oito horas por semana.

Aulas:

Serão três encontros por semana e um sábado a cada mês, 30 horas por mês e 90 horas totais de curso-residência.

Requisitos para Participar:

Não há. Diferentes de outros processos de residência artística, essa chamada, busca democratizar acesso e produção incluindo novos protagonistas em criações coletivas.

Chamada para:

Artistas, curadores, pesquisadores, coletivos, educadores, ativistas, entre outros.

Tem custo:

O curso-residência será ofertado de forma totalmente gratuita, mas existe uma taxa de inscrição.

Taxa de Inscrição:

Individual R$ 65,00 Coletivo (até cinco pessoas) R$ 150,00

Como será a Seleção:

Serão 100 vagas. A seleção se dará por análise do formulário, taxa de inscrição paga e a entrevista por vídeo.

E o Resultado:

Projetos serão selecionados para ingressar na 3a edição da Bienal Black; terão participação híbrida em exposição na rede internacional de museus femininos (International Association of Women’s Museums) e poderão receber cedência em espaço físico para a criação do projeto desenvolvido na residência.

Serviço:

2ª Residência Artística Virtual Compartilhada (RAVC-2) | Fluxos(in)Fluxo: Transitoriedade

Inscrição:

Até 15 de agosto de 2022

Programação:

blackbrazilart.com.br/ravc2

Black Brazil Art Site oficial:

blackbrazilart.com.br | Facebook: /BlackBrazilArt Instagram: @bienalblackbrazilart | Twitter: @blackbrasilart | YouTube: /BlackBrazilArt

Sobre a Black Brazil Art

A Black Brazil Art (BBA) tem a missão de promover a diversidade cultural nas artes e na cultura, promovendo o reconhecimento e a inclusão de todos os artistas e práticas artísticas, dando uma atenção especial às mulheres, cuja história absteu-se durante tempos. A BBA procura manter uma presença vigilante e crítica em relação às políticas e ações dos corpos artísticos e cultural, com o objetivo de melhor reconhecer os artistas e oportunizar espaço de reflexão e troca. A BBA trabalha para conscientizar a comunidade cultural sobre os obstáculos sistêmicos que impedem o desenvolvimento equitativo de artistas e das chamadas organizações de diversidade.

Sobre a Curadoria

Patrícia Brito

Curadora independente, museóloga, mãe, comunicóloga, empreendedora e pesquisadora de gênero e raça nas artes. É consultora na Enciclopédia do Itaú Cultural, membro da Associação de Curadores de Museus de Arte de Nova York e da Associação Internacional de Museus Femininos.

Sobre Njabala Foundation

Njabala é uma campanha multifacetada que se inspira em um mito popular de Njabala de Uganda para facilitar conversas sobre feminilidade. Nossa responsabilidade é fazer a curadoria de exposições periódicas, bem como organizar um programa público de atividades destinadas a criar espaços seguros para que artistas femininas prosperem e floresçam.

Créditos

Curadoria: Patrícia Brito (RS)

Apoio: Association of Art Museum Curators (AAMC), International Association of Women’s Museums (IAWM)

Parceria: Njabala Foundation

08.07.2022 | par Alícia Gaspar | black brazil art, Brasil, cultura, fluxos(In)Fluxo: Transitoriedade, njabala foundation, open call, patrícia brito, residência artística virtual, residência online, workshop

“É Noite na América”, nova exposição de Ana Vaz

4 julho a 7 outubro 2022   

Curadoria de Daniel Ribas

Entrada Livre · de terça a sexta · 14H00 – 19H00

Sala de Exposições da Escola das Artes da Católica

Rua de Diogo Botelho, 1327, 4169-005 Porto

“É Noite na América” é o nome da mais recente exposição da artista brasileira Ana Vaz, com curadoria de Daniel Ribas, que estará patente na Sala de Exposições da Escola das Artes da Universidade Católica no Porto. A inauguração da exposição está agendada para o dia 4 de julho, às 19h30, e integra o Programa Público da Porto Summer School on Art & Cinema 2022. “É Noite na América” é uma comissão e produção da Fondazione in Between Art Film e coproduzida pela Pivô Arte e Pesquisa e Spectre Productions. A exposição teve estreia mundial no prestigiado Jeu de Paume, em Paris, tendo seguido depois para Veneza. Chega, agora, ao Porto.

“Nesta exposição, a partir de materiais filmados em Brasília, Ana Vaz adensa a sua pesquisa sobre o confronto entre a utopia modernista da cidade com os animais, ditos ‘selvagens’, numa espécie de filme de terror experimental, questionando as nossas preconceções sobre cidade, natureza, humano ou ecologia”, refere Daniel Ribas, coordenador do mestrado em Cinema e curador da exposição da Escola das Artes da Universidade Católica no Porto.

Ana Vaz é uma das mais relevantes artistas e cineastas contemporâneas, tendo os seus filmes e exposições circulado por diversos museus, festivais e cinematecas. O seu trabalho é marcado por um constante desafio experimental sobre as formas poéticas do cinema contemporâneo, ressaltando as profundas contradições do nosso tempo, sobretudo com as práticas destruidoras das instituições.

“Azul meio-dia. Sol de verão. Um corpo morto no meio da calçada. Nenhum ruído a não ser o zunido dos carros. Os passos desaceleram enquanto me aproximo do corpo: pelos ásperos, compridos, rajados de preto e rosa, patas em arco, unhas compridas como se congelado em pleno movimento, focinho longo de quem a terra quer comer. O corpo do filhote desgarrado de uma mãe em luto, atropelou-me. Na estrada da cidade-avião, Necrópole transformada em oásis pelos arquitetos, milhares de vidas acurraladas buscam refúgio nos seus jardins. Como velar por este morto? O filhote de tamanduá a quem não encontro nome a não ser Fuga, atropelado pela ferocidade dos carros, envenenado pelas peçonhentas plantações, morto pela expansiva cidade que acurrala qualquer vida que não se adapte a ela. 55 milhões de anos, neste instante. Azul meia-noite. Os bichos retornam à cidade. Fazem ninhos nos parques de estacionamento. Celebram o lixo de seus habitantes num festim noturno que foge à tirania do sol, dos monumentos, das estradas, dos palanques. Feitiço animalesco contra o império da morte na calada da noite americana: tempo que faz do dia noite. Também tempo do bicho-cinema que tenta acompanhar Fuga através de sua própria pele de flme vencido, em vias de extinção. Analógica pele escamando o fm de um século marcado pela sua maior característica: o lixo. Analógico lixo resgatado como testemunha desta fauna em fuga da extinção” – É assim que a artista Ana Vaz retrata através de uma visão muito própria as criaturas da noite do jardim, ao mesmo tempo que faz o paralelismo com a vida na cidade e as suas inquietudes.

“É Noite na América” é uma exposição em formato de instalação fílmica gravada no jardim zoológico de Brasília, habitat de centenas de espécies resgatadas na cidade. Tamanduás, lobos-guará, corujas, cachorros-do-mato, capivaras, carcarás se encontram com biólogos, veterinárias, cuidadores e a polícia ambiental, que através de uma trama soturna onde os desafios da preservação da vida tecem uma trama de perspetivas cruzadas. Nesta iteração, a exposição expande-se de forma poética, assim como de arquivo, contos e conversas num diorama ilusionista onde é possível observar e sermos observados. No final de contas, quem são os verdadeiros cativos? As criaturas, ou nós? Uma exposição a não perder, patente na Escola das Artes da Universidade Católica no Porto até 7 de outubro. A entrada é livre e aberta a toda a comunidade. 

Sobre a artista:

Ana Vaz nasceu no planalto central brasileiro habitada pelos fantasmas enterrados pela capital federal modernista Brasília. Cerratense de origem e andarilha por escolha, Ana viveu nas terras áridas do Brasil central e do sul da Austrália, nos pântanos do norte Francês e nas margens orientais do Atlântico Norte em Portugal. Atualmente, traça a sua caminhada entre Paris e Brasília. Nos seus trabalhos questiona o cinema enquanto arte do (in)visível e como instrumento capaz de desumanizar o humano, expandindo as suas conexões e devires com outras formas de vida — tanto humanas, como espectrais.

Consequências ou expansões da sua cinematografia, as suas atividades incorporam-se também na escrita, na pedagogia crítica, em instalações ou caminhadas coletivas.

Os seus filmes foram apresentados em festivais de cinema, seminários e instituições tais como a Tate Modern, Palais de Tokyo, Jeu de Paume, Berlinale Forum Expanded, New York Film Festival, TIFF Wavelengths, Cinéma du Réel, Courtisane, entre outros. Destacam-se algumas das suas exposições recentes: “Penumbra” exposição coletiva no Complesso dell’Ospedaletto (Veneza), “É Noite na América” exposição individual no Jeu de Paume (Paris), “Os filmes de Ana Vaz” exposição individual no Dazibao (Montréal), 36º Panorama de Arte Brasileira “Sertão” exposição coletiva no MAM (São Paulo), “Meta-Arquivo 1964-1985: Espaço de Escuta e Leitura de Histórias da Ditadura” exposição coletiva no Sesc-Belenzinho (São Paulo) e “Profundidad de Campo” exposição individual no Matadero (Madrid). Em 2015, recebeu o Kazuko Trust Award concedido pela Film Society of Lincoln Center em reconhecimento da excelência artística e da inovação do seu trabalho em imagem em movimento. Em 2019, recebeu o apoio do Sundance Documentary Film Fund para completar o seu primeiro longa-metragem.

Ana Vaz é também integrante e fundadora do coletivo COYOTE, juntamente com Tristan Bera, Nuno da Luz, Elida Hoëg e Clémence Seurat, um grupo interdisciplinar que trabalha nos campos da ecologia e ciência política através de formas experimentais (conversas, derivas, publicações, eventos e performances).

22.06.2022 | par Alícia Gaspar | ana vaz, arte, cultura, daniel ribas, é noite na américa, Escola das Artes da Universidade Católica no Porto, porto

FesThink de 11 a 12 de junho

A Festa do Pensamento, parte integrante do New European Bauhaus Festival, vai debater temas como crise climática, justiça social, democracia ou racismo, através da música, poesia, leitura dramática e oficinas, no Solar dos Zagallos, em Almada.

 

No fim de semana de 11 e 12 de junho, o Solar dos Zagallos, na Sobreda, vai receber concertos, debates, oficinas e leituras dramáticas, que vão envolver o público diretamente na ação. 

Trata-se de uma festa para celebrar uma das principais características da humanidade: a faculdade de pensar. A Festhink - festa do pensamento - propõe uma reflexão conjunta de filósofos, atores, músicos, arquitetos, jornalistas e também do público, de todas as idades, sobre temas que, sendo profundos, tocam-nos da forma mais banal no nosso dia a dia, como a crise climática, a justiça social, o racismo ou a democracia.

A FesThink procura trazer a arte do diálogo para o centro das relações sociais e contribuir ainda para a disseminação do pensamento crítico na sociedade, como ação política, mas também de fruição.

O Comissário do Plano Nacional das Artes, o docente, ensaísta e curador Paulo Pires do Vale; o Professor Catedrático do Departamento de Filosofia da Universidade Nova de Lisboa, João Constâncio; o arquiteto e escritor vencedor do Prémio Leya 2021, José Carlos Barros; a ativista interseccional e artista multidisciplinar Nuna; a filósofa do ambiente Sofia Guedes Vaz; o filósofo e músico Bartholomew Ryan; a atriz Rita Durão; o autor da banda sonora da série “Coisa Mais Linda”, o brasileiro João Erbetta e a Academia de Música de Almada são alguns dos vários nomes que vão protagonizar uma programação transdisciplinar, que junta o exercício de pensar ao de imaginar. Confira a lista de todos os participantes aqui.

A programação abre com a palestra/oficina A Arte de Florescer, que vai explorar as possibilidades de uma vida ecológica na filosofia e na arte como uma forma de coexistência, criativa e crítica. No Jardim do Solar dos Zagallos, os participantes serão convidados à prática de pequenos exercícios de observação do que está à volta. Os debates serão entrecortados por música, leitura perfomática e de poemas. Confira a programação completa aqui.

Os dois dias da Festa serão apenas o início de um projeto que pretende envolver a comunidade de Sobreda ao longo do ano, levando a uma nova Festa em 2023, revela a Diretora da FesThink, Mirna Queiroz: “A convocação para a reflexão não se furta ao sentido prático do conhecimento. O que define a FesThink é a ideia de “Refazer o mundo”. Com isso, coleccionamos e, de certa forma, contamos projetos que buscam uma ideia de reconstrução a partir da cidade, do bairro, da escola, de casa, obedecendo a uma lógica que privilegie as relações nas suas múltiplas dimensões. Como propõe a filosofia andina do “bem viver”, o FesThink expressa-se através de uma noção de memória e horizonte. Tradição e Vanguarda. Passado e futuro. Sem perder de vista a urgência do agora. No final deste ano de ocupação, novamente a Festa, para celebrar o feito e apontar um novo desafio.”

Festa é um dos capítulos de Festival internacional

A FesThink integra o New European Bauhaus Festival, uma iniciativa da União Europeia que reúne pessoas de todas as esferas da vida para debater e moldar um futuro mais sustentável.

Os principais temas do Festival são beleza, sustentabilidade e inclusão. Compartilha os mesmos objetivos da FesThink, de construir conexões entre diferentes atividades e indivíduos, entre os mundos da pesquisa, ciência e tecnologia, aos da educação e engajamento civil, da arte e da cultura.

O quê?
Festhink - Festa do pensamento
Todas as sessões são gratuitas (sujeito a lotação do espaço)

Onde?
Solar dos Zagallos, 
Largo António José Piano Júnior, Sobreda, Almada

Quando?
Dia 11 das 10h às 18:30
Dia 12 das 15h às 19:45.

Nota. Por cortesia, a equipe do Zagallos oferece uma visita guiada pelo Solar, imponente edifício construído no século XVII, no dia 12, das 11h às 12h. As inscrições podem ser feitas pelo seguinte email: solar@cma.m-almada.pt 

10.06.2022 | par Alícia Gaspar | Almada, concertos, crise climática, cultura, debates, democracia, festa do pensamento, FesThink, justiça social, leituras dramáticas, oficinas, pensar em conjunto, racismo

Open Call - Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa

O CUMPLICIDADES – Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa, convida à apresentação de projetos internacionais, para artistas estrangeiros residentes em Portugal, para integrar a programação da próxima edição, que terá lugar em Maio de 2023 em Lisboa.

A presente convocatória pretende recolher propostas de criadores estrangeiros residentes no país para a apresentação de espetáculos a realizar em espaços de cena convencionais ou não-convencionais, espaços expositivos ou em contexto de rua. 

Tratando-se de um festival de Dança, espera-se que as propostas apresentadas tenham em consideração esta especificidade, seja enquanto meio de reflexão crítica e teórica, seja enquanto forma de produção e prática artística.

Com uma curadoria distinta a cada edição, o festival destaca-se pelo fato de ver sempre renovada a sua linha programática, potenciando diferentes visões e abordagens no domínio da dança contemporânea. O tema estabelecido por Luiz Antunes, curador da programação nacional do  Cumplicidades em 2023, é Cara a Cara, Somos todos Sapiens, com uma interpelação implícita à reflexão sobre os aspectos conturbados dos tempos em  que vivemos. A sua programação contempla os limites e as fronteiras, nos planos da cultura e do território, assim como na experiência dos corpos e da interioridade. Esta open call vem lançar o desafio de abordar e expandir estas questões, a partir do ponto de vista de artistas internacionais que residem atualmente em território português.

A seleção dos projetos será feita pela equipa da EIRA, com vista a integrar a programação internacional – esta deverá ser articulada com a linha programática definida por Luiz Antunes, de forma a criar uma coesão temática de programação. 

  • Privilegiam-se os projetos que não tenham sido apresentados em Lisboa;
  • Cada proponente deverá enviar apenas um projeto;
  • A candidatura pode ser feita em termos individuais ou por coletivos artísticos (formais ou informais);
  • São aceitas candidaturas em Português, Espanhol e Inglês;
  • O festival cobre todos os custos inerentes à apresentação: cachet, gastos relativos a técnica, alojamento (quando não sediados em Lisboa), alimentação e transporte;

A contratação irá cumprir as regras do Estatuto do Trabalhador da Cultura.

Calendarização prevista:
Prazo de envio de propostas: 15 de Junho de 2022
Respostas por email: 1 de Julho de 2022
Período de apresentação: Maio 2023 (datas precisas a definir futuramente)

Como candidatar-se:
Enviar para o email producao@festivalcumplicidades.pt (peso máximo de 10 megas), com assunto “Convocatória_Nome do Artista” , a seguinte informação (arquivo em PDF):

* Dados de contacto (Nome, email, telemóvel)
* Sinopse do projeto
* Breve biografia dos elementos que compõem a equipa artística
* Rider técnico
* Condições financeiras
* Link para vídeo integral
* Imagens / Fotografias

Em caso de dúvidas ou questões, enviar por favor email para producao@festivalcumplicidades.pt

07.06.2022 | par Alícia Gaspar | arte, cultura, dança, dança contemporanea, festival cumplicidades, open call

[RE]CANTOS: Pontes para o Encontro

Candidaturas abertas nas artes performativas até 15 de junho

Residência Artística inclui Caminhada com cantos por ruas de Lisboa


Residência Artística Internacional [RE]CANTOS: Pontes para o Encontro, idealizada pelo L.A.P. - Laboratório de Artes Performativas em conjunto com Graziele Sena, recebe candidaturas até 15 de junho, com sessões de trabalho em Lisboa.

A residência internacional inédita em Portugal decorre entre 01 e 13 de agosto de 2022, com Caminhada por ruas do centro de Lisboa em 10 de agosto. Os artistas Gustavo Antunes, Julia Medina e Miriam Freitas fundadores do L.A.P.- Laboratório de Artes Performativas convidam a artista brasileira Graziele Sena, ex-integrante do Open Program of Workcenter of Jerzy Grotowski and Thomas Richards, e mais 11 artistas a serem selecionados por convocatória aberta, cujas candidaturas são até 15 de junho.

A chamada dirige-se a atores, performers, bailarinos, cantores, encenadores, coreógrafos e investigadores das artes cénicas interessados pela exploração da voz, do canto, da palavra falada e cantada. É para quem quer explorar o canto e o cantar como vias para um encontro com o outro e para a potencialização da presença em cena.

A Residência parte de um trabalho sobre cantos tradicionais afro-diaspóricos – e do ato de cantar em grupo – compreendidos enquanto pontes para um encontro não só intercultural, mas também um encontro entre passado e presente, entre tradição e contemporaneidade. Trata-se de perseguir uma das perguntas fundamentais da investigação da artista Graziele Sena: podem a vida, a memória e a experiência preservadas no canto antigo serem (re)cantadas através de uma nova oralidade? Ao longo do processo, o canto será abordado em sua relação com diferentes elementos do ofício performativo: a atenção, o contato, a ação, a intenção, a ação física, entre outros.

Em [RE]CANTOS: Pontes para o Encontro, o teatro, o canto – e o cantar juntos – são veículos para a interação humana, para a integração social e para a valorização de culturas e narrativas historicamente estigmatizadas no Portugal contemporâneo. Propõe-se como um gesto artístico - ao mesmo tempo social e político - que visa criar um espaço coletivo de trabalho e escuta, bem como de estímulo ao convívio e ao encontro intercultural.

Esta iniciativa integra o Programa do IBERCENA e está aberta a todos os integrantes dos seus países-membros. A participação na Residência Artística é gratuita.

***

L.A.P - Laboratório de Artes Performativas surge no início de 2020, em plena pandemia, a convergir interesses e esforços de seus fundadores Gustavo Antunes, Julia Medina e Miriam Freitas, no sentido de investigar, criar e promover projetos artísticos e pedagógicos na área das artes performativas. Em 2021, realiza a Residência Artística Entoar o Corpo Sensível com o apoio do IBERCENA, em sua primeira edição em Portugal, da Fundação GDA e do ICNOVA da NOVA de Lisboa. Sítio eletrónico do LAP.

03.06.2022 | par Alícia Gaspar | arte, cultura, graziele sena, IBERCENA, L.A.P, open call, teatro

Porto Summer School - 4 a 8 julho

Escola das Artes organiza semana internacional dedicada ao Brasil e à sua diversidade 


A 4ª edição da Porto Summer School of Art & Cinema, organizada pela Escola das Artes da Universidade Católica no Porto, regressa de 4 a 8 de julho. O evento, este ano em parceria com a Kebraku (associação cultural sediada em Portugal que fomenta a diversidade da cultura brasileira), contará com a presença de Ana Vaz, João Salaviza, Renée Nader Messora, Kaê Guajajara, Kleber Mendonça Filho, Lilia Moritz Schwarcz, e de Susana de Sousa Dias. Tem como tema “Brasil – Dinâmicas Cruzadas de Alteridade”. 

“É muito importante para a Escola das Artes organizar anualmente uma Summer School internacional, permitindo uma maior exposição dos seus estudantes e docentes ao que de melhor se faz a nível nacional e internacional,” explica Nuno Crespo, diretor da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. “É uma oportunidade única onde os participantes estarão imersos em discussões sobre o Brasil e as suas dinâmicas culturais, entre práticas artísticas, atmosferas criativas e um mergulho histórico e contemporâneo nas epistemologias do Sul,” refere ainda.  

A 4ª edição da Porto Summer School on Art & Cinema contará com a presença de um grupo de convidados relevantes como historiadores, realizadores e cantores. Kaê Guajajara (compositora, atriz, fundadora do coletivo Azuruhu e autora do livro Descomplicando com Kaê Guajajara – O que você precisa saber sobre os povos originários e como ajudar na luta antirracista); Kleber Mendonça Filho (um dos mais importantes realizadores do cinema brasileiro contemporâneo); Ana Vaz (artista e cineasta brasileira cujo filmes, instalações e performances constroem relações entre o Brasil modernista e as comunidades indígenas) e João Salaviza + Renée Nader Messora (dupla de cineastas que se dedicou a documentar a comunidade indígena Krahô, dando origem ao filme “Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos”) serão alguns dos artistas presentes nesta semana dedicada à arte e ao cinema. Contará também com a presença de Lilia Moritz Schwarcz, uma académica que se tornou referência fundamental para pensar o Brasil de hoje. 

A Porto Summer School on Art & Cinema é organizada pela Escola das Artes e pelo Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, da Universidade Católica Portuguesa. Decorrerá em parceria com a Kebraku, a associação cultural baseada em Portugal que promove a diversidade da cultura brasileira. Este evento terá também um programa público, a divulgar em breve, e que será composto principalmente por sessões de cinema e abertura de exposições, nas quais participarão os realizadores/artistas.  

Mais informações.

01.06.2022 | par Alícia Gaspar | Brasil, cultura, escola das artes, porto, summer school

Keli Freitas, Nádia Yracema, Raquel André e Tita Maravilha trazem Outra Língua ao D. Maria II

Uma criação de Keli Freitas, Nádia Yracema, Raquel André e Tita Maravilha, o espetáculo Outra Língua chega ao Teatro Nacional D. Maria II nesta semana, para ser apresentado na Sala Estúdio de 26 de maio a 12 de junho.

©Carlos Fernandes©Carlos Fernandes

A língua é portuguesa? Que língua falamos afinal? E a(s) nossa(s) língua(s), o que diz(em) sobre nós? Outra Língua é uma performance-conferência criada por mulheres de Angola, Brasil e Portugal onde, a partir da experiência de falantes de português de diferentes países, se procura questionar se a nossa língua mãe é a mesma e se, intervindo sobre ela, podemos alterar a realidade que a mesma descreve.

Uma criação conjunta de Keli Freitas, Nádia Yracema, Raquel André e Tita Maravilha, com texto de Keli Freitas e direção da mesma e de Raquel André, todas as sessões de Outra Língua contam com interpretação em Língua Gestual Portuguesa, audiodescrição e legendagem para pessoas surdas integradas no espetáculo. No dia 5 de junho, domingo, haverá ainda uma conversa com as artistas após o espetáculo.

Uma coprodução do Teatro Nacional D. Maria II, do Teatro Viriato e d’O Espaço do Tempo, o espetáculo teve estreia nacional na passada sexta-feira, dia 20 de maio, no Teatro Viriato, em Viseu. Esta semana chega a Lisboa, para três semanas de apresentações no D. Maria II, a partir de quinta-feira, dia 26 de maio.

Informações aqui.

24.05.2022 | par Alícia Gaspar | cultura, Keli Freitas, língua, Nádia Yracema, Raquel André, teatro, Teatro Nacional D. Maria II, Tita Maravilha

Noites Brancas - 27 e 28 maio - Teatro Meridional

Noites Brancas 

de Fiódor Dostoiévski 
113ª Criação

Sob as noites claras de verão, um Sonhador perpétuo caminha solitariamente pelas ruas desertas de S. Petersburgo, alimentando, incessantemente, o seu imaginário com a energia que encontra na inanidade do que o rodeia. Esta comunhão onírica é subitamente interrompida quando, certa noite, este se depara com Nástenka, uma jovem rapariga que chora sob a ponte do rio Nieva. Depois de a salvar, oportunamente, de uma tentativa de abordagem por parte de um transeunte suspeito, ambos estabelecem uma ligação amistosa que descortina as estórias de duas vivências tão díspares, mas que ascendem numa atração mútua. Une-os uma espera inquietante, que virá a definir os seguintes encontros noturnos, carregados de revelações, ansiedades, sonhos, medos, e um confronto enigmático de paixões.

Dois actores, Flávio Hamilton (Sonhador) e Carina Ferrão (Nástenka), interpretam, assim, um jogo de suspensão, que coloca signos oníricos de uma dimensão poética em confronto com os cânones realistas da comunicação pragmática. Daqui, emerge, simultaneamente, a contracena com uma ausência de desígnios incertos, que traz uma sombra à brancura destas longas noites de verão.

Ficha Técnica        

Texto: Fiódor Dostoiévski 

Tradução: Nina Guerra e Filipe Guerra 

Dramaturgia e Encenação: Pedro Carvalho 

Assistência de Encenação: Samuel Pascoal 

Interpretação: Carina Ferrão e Flávio Hamilton 

Cenografia, Figurinos e Imagem de Cartaz: Marta Silva 

Criação Musical e Sonoplastia: Carlos Adolfo 

Desenho de Luz: Pedro Carvalho 

Execução Cenográfica: Marta Silva e José Lopes 

Costureira: Alexandra Barbosa 

Apoio ao Programa: Fundo Teatral Art’Imagem/C.M.M Micaela Barbosa e José Pedro Pereira 

Fotografia: Nuno Ribeiro 

Vídeo: André Rabaça 

Design Gráfico: Tiago Dias 

Produção: Sofia Leal e Daniela Pêgo 

Direção Artística do Teatro Art’Imagem: José Leitão

M/12
80M

20.05.2022 | par Alícia Gaspar | cultura, Fiódor Dostoiévski, noites brancas, teatro, Teatro Meridional

Lançamento do livro "O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais"

O novo livro de Maria Vlachou O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais, um dos temas sobre o qual a autora mais tem reflectido nos últimos anos, será lançado nesta segunda-feira, 16 de maio, às 18h30, na Biblioteca Palácio Galveias (Lisboa)

O livro reúne textos de Maria Vlachou, que estavam dispersos no blog, de comunicações em conferências e artigos de jornal. Esta é uma edição Tigre de Papel (à qual o BUALA se junta), com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. 

O prefácio foi escrito por Tiago Rodrigues, ex-Director Artístico do Teatro Nacional D. Maria II e próximo director artístico do Festival de Avignon.

16.05.2022 | par Alícia Gaspar | Biblioteca Palácio Galveias, cultura, Fundação Calouste Gulbenkian, lançamento de livro, Maria Vlachou, política

II Encontro de Jovens Investigadores da CPLP sobre África

II EJICPLP África | 25.26.27 maio de 22 |Evento Híbrido


As inscrições já se encontram abertas para a 2ª edição do Encontro de Jovens Investigadores da CPLP sobre África, que irá decorrer nos dias 25, 26 e 27 de maio de 2022 em formato híbrido (presencial - ISEG em Lisboa e online – streaming), com entrada livre, mas mediante registo, disponível aqui. 

Neste 2º ano, o EJICPLP sobre África consolida-se como um espaço de promoção e divulgação de trabalhos de jovens investigadores na área de Estudos Africanos em Língua Portuguesa para debaterem a ciência numa perspetiva multidisciplinar relativamente a África.

Celebrando o Dia Internacional de África, que se comemora a 25 de maio, a 2ª edição do Encontro tem como temática a INOVAÇÃO, tendo como objetivo debater o papel da ciência na inovação em África. Visa-se aprofundar e saber até que ponto a investigação científica sobre África tem produzido ou trazido inovação ao continente Africano, bem como debater a possível necessidade de se reformular questões e metodologias de investigação científica, numa perspetiva inovadora e pragmática, que permita a apropriação dos resultados destes estudos no quotidiano das sociedades africanas.

O programa conta diariamente com dois momentos demarcados, sendo as manhãs dedicadas a especialistas de renome nas geografias onde se fala a língua portuguesa, num debate de ideias ao mais alto nível e as tardes destinadas à apresentação de trabalhos científicos por investigadores dos vários países da CPLP dando voz e promovendo novos estudos de investigação.

Destacamos a presença de personalidades distintas de toda a CPLP, como Filomeno Forte (Angola), Marina Alkatir (Timor-Leste), Leila Leite Hernandéz (Brasil), Miguel de Barros (Guiné Bissau), Fernando Jorge Cardoso (Portugal) e Isabel Castro Henriques (Portugal), entre várias outras, reforçando os princípios da diversidade, inclusão e representatividade de todos os países de expressão de língua portuguesa.

Os temas em análise são multidisciplinares e abordam questões como:
 

Empoderamento da mulher africana. (25 maio)

Aproximação da investigação científica à agenda de decisores políticos. (25 maio)

Inovação financeira e energética na investigação em África. (26 maio)

Inovação com a tradição. (26 maio)

Enquadramento científico da Rota da Lisboa Africana. (27 maio)

O Encontro de Jovens Investigadores da CPLP sobre África é um projeto fundado por Cristina Molares d’Abril, contando ainda com uma Comissão Organizadora e um Conselho Científico multinacional e multidisciplinar.

Programa

12.05.2022 | par Alícia Gaspar | Africa, CPLP, cultura, evento híbrido, iseg, lisboa

The Green Line | Exposição Individual de Pedro Pires

05 maio 2022 - 25 junho 2022

Entrada Livre

THIS IS NOT A WHITE CUBE | Rua da Emenda, nº 72, Chiado, Lisbon

Contacto 

Graça Rodrigues  |  +351 96 72 604 72  |  press@thisisnotawhitecube.com

Equipa

Diretora Geral e Co-Diretora Artística  |  Sónia Ribeiro

Curadora e Co-Diretora Artística  |  Graça Rodrigues

Assistente de Galeria | Francisca Vaz

Design Gráfico e Audiovisual  |  Francisco Blanco e  Nelson Chantre

The Green Line

A galeria de arte contemporânea THIS IS NOT A WHITE CUBE, inaugurou a 5 de Maio, em Lisboa, “The Green Line” - a exposição individual do artista luso-angolano Pedro Pires, que assinala o seu regresso à capital portuguesa, após mais de uma década de presença crescente no circuito artístico internacional.

Com a curadoria de Lourenço Egreja, a mostra apresenta um conjunto de 15 trabalhos inéditos, de escultura e intervenção sobre papel, decorrendo, na designação, da apropriação do título da obra homónima de Francis Alys e do nome dado à fronteira do Armistício, definida no final do conflito armado Israelo-árabe em 1948. 

Através da referência à performance de Alys (2004) - na qual o artista percorre a fronteira do Armistício, derramando tinta verde no chão - Pedro Pires reintegra conceptualmente aos nossos olhos, uma reflexão que a sua obra propõe, desde há muito, em torno da noção de fronteira e de fragmentação da identidade.

Este movimento de apropriação é mote para uma interceção reflexiva com uma obra artística que, como a sua, se edifica através da reiterada integração de objetos ready-made, de que o artista se apropria com o intuito de fazer uso dos contextos a que pertencem. 

A obra de Pedro Pires tem sido premiada e regularmente integrada no espaço público. Entre os projectos recentes, destaca-se  a participação no POLDRA – Public Sculpture Project, no Parque do Fontelo, em Viseu, local onde está alojada a escultura 14.000 Newtons. Ressalta-se ainda a participação em 2022 na Biso Biennale, no Burkina Faso, onde a obra “Doppelganger Kit” foi distinguida pela Cuperior Collection.

Atualmente Pedro Pires assume especial destaque na exposição “Reflect #2 – FRAGMENTS, FRAGILITIES, MEMORIES” patente no Museum of African Art, em Belgrado, na Sérvia.

A mostra “The Green Line” está patente em Lisboa até 25 de Junho, de 3ª feira a sábado, entre as 14h30 e as 19h30, com entrada livre. Em paralelo, a obra de Pedro Pires pode ser visitada na delegação angolana da galeria THIS IS NOT A WHITE CUBE , em Luanda.

Sobre Pedro Pires

Pedro Pires preocupa-se essencialmente com questões de identidade, nomeadamente com o sentido de uma identidade nacional fragmentada, a qual o próprio artista experienciou ao longo da sua existência enquanto cidadão angolano e português. Recorrendo a diferentes técnicas e objetos, o artista constrói esculturas e instalações únicas de caráter figurativo e conceptual, marcadas por formas antropomórficas que emergem de materiais parcialmente destruídos, evocando os conceitos de destruição e reconstrução. Na sua obra, Pires reflete a sua singular posição sociopolítica relativamente a Angola e a Portugal, e ao contexto pós-colonial que marca a história entre estes dois países. Ao traçar paralelos com diferentes realidades, convida ainda o espetador a pensar sobre questões mais amplas, tais como a realidade contemporânea dos refugiados e direitos humanos. 

Pedro Pires concluiu um MFA na Central Saint Martins College of Art and Design (Londres) em 2010, e a licenciatura em Escultura, em 2005, na Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Em 2004, recebeu a Bolsa Erasmus de Belas Artes para a Universidade de Atenas. Com uma carreira artística que se prolonga há mais de dez anos, a sua obra já foi exposta em diversos locais, tais como o Museu de Arte Africana de Belgrado (Sérvia), Museu de História Natural de Angola, o Museu de Belas Artes de Montreal (Canadá), 1:54 Art Fair e Christie’s (Londres), Bienal de Lagos (Nigéria), Cape Town Art Fair (África do Sul), Grand Palais – ArtParis (França), Bienal de Lorne (Austrália) e ExpoChicago (Chicago, EUA). 

A sua obra está ainda representada em importantes coleções particulares e públicas, nomeadamente no Museu de Belas Artes de Montreal (Canadá), na Fundação PLMJ (Portugal), na Mishcon de Reya Collection (UK), na Edge Arts (Portugal), na Carpe Diem Edições (Portugal), na Coca Cola Collection (África do Sul), no Banco Económico (Angola), na S&A (Portugal), no Conselho de Viseu (Portugal), na Africana Art Foundation, na coleção de Fernando Figueiredo Ribeiro (Portugal), de João de Brito (Angola) e de Costa Lopes (Portugal). 

06.05.2022 | par Alícia Gaspar | cultura, exposição individual, pedro pires, the green line, this is not a white cube

Dia 7 de maio, Todos a Marvila!

A Lisbonweek arranca este sábado com passeios culturais, exposições, arte urbana, performances, obras site-specific, Tuc tuc’s por Marvila, Meet the Artists, DJ’Sunset, e muitas surpresas!

Viver e (re)descobrir os encantos da Marvila antiga e contemporânea é a proposta deste ano da Lisbonweek. A 7ª edição começa com o Open Day - “Todos a Marvila!” - um dia aberto ao público com muitas atividades gratuitas para conhecer a história e o património de Marvila, e promover o contacto com as artes e o talento que caracterizam este bairro.

O ponto de encontro será no Prata Riverside Village onde se concentram diversas atividades artísticas. Aqui vai poder visitar a retrospetiva “10 anos da Lisbonweek” com os melhores momentos de todas as edições, duas instalações site-specific dos artistas residentes da Lisbonweek (Maura Grimaldi e Catarina Lopes Vicente), e o circuito de arte pública criado pela Galeria Underdogs em parceria com a VIC Properties, em que os tapumes que circundam os edifícios em construção do Prata Riverside Village se transformam em grandes telas pelas mãos dos artistas Maria Imaginário, Jorge Charrua e Guga Liuzzi.

No pátio exterior do Prata Riverside Village e junto ao rio, assista às duas performances dos artistas residentes José Cereceda e Inês Neves. Ainda no Prata, vai poder encontrar dois novos “Estúpidos” – o projeto de instalação do artista Robert Panda - duas esculturas que a Lisbonweek e o Prata Riverside Village doaram à freguesia de Marvila. Os “Estúpidos” são figuras antropomórficas estilizadas, com uma conotação marcadamente amigável – o “estúpido” sentado convida a pessoa a sentar-se junto dele e a observar o rio, o “estúpido” de pé contempla a bela Lisboa. Aproveite ainda para descer até ao parque de estacionamento desta nova vila urbana e visitar a exposição “Brilha Rio” que mostra alguns dos melhores letreiros comerciais de Lisboa, e ali ao lado estará também a acontecer o Mercado P’LA Arte, um projeto de exposição e venda de obras de artistas.

Parta depois à descoberta de Marvila num dos vários TucTuc’s disponíveis que farão viajar pelas ruas e locais emblemáticos do bairro. O Palácio da Mitra vai estar aberto ao público, de forma gratuita, entre as 15h e as 16h45. A entrada será feita por grupos de 25 pessoas, a cada meia hora, e para garantir o seu lugar, basta inscrever-se através do email: contact@lisbonweek.com.

Vai poder conhecer as restantes obras site-specific dos artistas residentes Virgílio Pinto e Leonor Sousa, na Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo, e as propostas das galerias de arte parceiras, como a Underdogs e a Francisco Fino, onde pode contactar com os artistas e curadores das exposições. Haverá ainda a rota drink & tapas Lisbonweek pelo bairro, com menus a 5€, que passará por locais como o Nãm - Fábrica de Cogumelos, a Fábrica de Cerveja Lince, o Bar das Colunas, e muitas outras surpresas! A festa termina na Rua Capitão Leitão ao som da DJ Adria Ming, para celebrar Marvila até ao pôr do sol.

Toda a programação disponível em www.lisbonweek.com

04.05.2022 | par Alícia Gaspar | arte, cultura, Lisbonweek, Marvila, openday, palácio da mitra

Entre Ideias e Reflexões — Podcast BUALA

Alícia Gaspar acompanha as diversas vozes críticas pós-coloniais através de entrevistas em formato podcast.

–––

No episódio de março, Alícia Gaspar conversou com a fotógrafa Alice Marcelino sobre comunidades negras, violência policial, e a celebração do cabelo. Bem como foram discutidos e explicados dois dos seus projetos: “Black Skin White Algorithms” e “Kindumba”. Podem acompanhar o trabalho de Alice Marcelino no seu website

––

No episódio de Abril, Alícia Gaspar entrevista André Amálio e Tereza Havlíčková, fundadores e diretores artísticos da companhia de teatro Hotel Europa. Nesta conversa foram discutidos temas como o teatro documental, o rumo da companhia de teatro Hotel Europa, e a peça “Os filhos do Mal”. Oiça o episódio se quiser ficar surpreendido!

Acompanhe o trabalho do Hotel Europa em hoteleuropateatro.com

22.04.2022 | par Alícia Gaspar | alice marcelino, cultura, entre ideias e reflexões, fotografia, Hotel Europa, podcast, Portugal, teatro

Ciclo Visualidades Negras — Kenneth Montague

Kenneth Montague (Canadá) é um reputado curador e colecionador de arte, fundador e diretor da Wedge Curatorial Projects, uma organização sem fins lucrativos que apoia artistas africanos e da diáspora, emergentes e consagrados.

No dia 4 de maio, falará no CCB sobre a sua mais recente exposição e livro de fotografias da cultura da diáspora africana: As We Rise, eleito um dos 20 Melhores Livros de Fotografia de 2021 pela revista TIME. Criada a partir da sua própria coleção – The Wedge Collection, em Toronto, uma coleção dedicada a artistas de ascendência africana – a exposição, e a publicação que a acompanha, analisa as ideias multifacetadas da vida negra, abordando temáticas como diligência, beleza, alegria, pertença, subjetividade e autorrepresentação. Com mais de uma centena de obras de artistas negros do Canadá, Caraíbas, Reino Unido, Estados Unidos e continente africano e, portanto, diferentes perspetivas atlânticas, este projeto oferece uma exploração da identidade negra em todos os lados do Atlântico.

Esta conferência integra o ciclo Visualidades Negras, com curadoria e moderação de Filipa Lowndes Vicente (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa), que propõe várias reflexões sobre a relação entre visualidade e negritude.

Com o apoio da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento.

Mais informações aqui. 

21.04.2022 | par Alícia Gaspar | arte, CCB, ciclo visualidades negras, cultura, debate, diaspora africana, kenneth montague

MOVART - Podcast project

With a podcast, visual art and especially the voice of the artists is made audible. In this way, we hope to create another level in the experience of and with art.

We are happy to announce the release of the MOVART Podcast Project. In this podcast, we talk to the artists of the MOVART Gallery.

We learn more about the story behind the artworks: About the inspiration, the motivation and the process from the artist‘s perspective. 

In the first episode we will meet Fidel Évora. We talk to him about street art, the power of social media to construct our own past and the role of music in visual art. Enjoy!

In the coming months we will be releasing more episodes with artists such as Kwame Sousa, Alice Marcelino, Sofia Yala, Mario Macilau and many more. Stay tuned

14.04.2022 | par Alícia Gaspar | cultura, galeria movart, movart, podcast

Marlene Monteiro Freitas regressa ao D. Maria II para mergulhar em clássico de Eurípides

Cinco anos depois de ter estreado Bacantes, Prelúdio para uma Purga no Teatro Nacional D. Maria II, a coreógrafa e bailarina Marlene Monteiro Freitas regressa à Sala Garrett com o espetáculo que mergulha neste clássico do teatro. A 13 e 14 de abril, quarta e quinta-feira, às 19h, será possível ver ou rever Bacantes, Prelúdio para uma Purga, o olhar de Marlene Monteiro Freitas sobre As Bacantes, de Eurípedes.

©Guidance©Guidance

No texto de Eurípides, estão presentes o delírio e o irracional, a ferocidade e o desejo de paz, a selvajaria e a aspiração a uma vida simples. Direções contraditórias, elementos que chocam, corpos íntegros que se desmembram e crenças testadas ao limite. Este é o mundo que Marlene Monteiro Freitas percorre em Bacantes, Prelúdio para uma Purga. Um autêntico combate de aparências e dissimulações, polarizado entre os campos de Apolo e Dionísio.

Estreado em Lisboa em 2017, Bacantes, Prelúdio para uma Purga é um espetáculo coproduzido pelo Teatro Nacional D. Maria II e por vários teatros e festivais europeus, que tem viajado internacionalmente nos últimos cinco anos. Cofundadora da estrutura de artes performativas P.OR.K, Marlene Monteiro Freitas recebeu recentemente o Chanel Next Prize, prémio internacional dedicado à inovação no âmbito das artes e da cultura, distinção que juntou ao Leão de Prata da Bienal de Veneza, que lhe foi atribuído em 2018.

Mais informações sobre Bacantes, Prelúdio para uma Purga aqui.

07.04.2022 | par Alícia Gaspar | arte, bacantes prelúdio para uma purga, cultura, eurípides, marlene monteiro freitas, teatro, teatro dona maria