KALAKUTA REPUBLIK Conceito e coreografia de Serge Aimé Coulibaly

Kalakuta Republik foi o nome com que o compositor (e criador do afrobeat) Fela Kuti (1938-1997) baptizou a sua casa: a cela em que o haviam encerrado na primeira vez em que foi preso, revelou um dia, chamava-se justamente “Kalakuta”. O coreógrafo Serge Aimé Coulibaly inspirou-se na vida do músico e activista nigeriano para criar um espectáculo que nos confronta com uma África sem clichés. Não nos são dadas respostas, mas são-nos colocadas várias perguntas: o que faz com que nos unamos em torno de uma causa? E de um líder? Quais os limites da liberdade individual no seio de um movimento colectivo? Coulibaly vai ao encontro da posição do pensador esloveno Slavoj Zizek: “Fazer um carnaval é fácil: mas o que importa é o dia seguinte, quando regressarmos à vida quotidiana e enfrentar-mos a mudança”. Kalakuta Republik estreou em 2017 e foi um dos êxitos do último Festival d’Avignon.

Serge Aimé Coulibaly (n. 1972), natural do Burquina Faso, veio para a Europa em 2002, criando a sua própria companhia – o Faso Danse Théâtre -, através da qual interpela as suas origens africanas e cujos espectáculos reflectem sobre as questões relacionadas com este continente. No seu país de origem criou o Ankata: um laboratório internacional para a pesquisa em torno das artes performativas. Alain Platel considera Coulibaly “um artista fascinante, que constrói pontes artísticas entre a Europa e África”.


The life of the Nigerian musician and activist Fela Kuti inspired Serge Aimé Coulibaly to create a performance about Africa whose title consists in the name given by Fela Kuti himself to the house he lived in: Kalakuta Republik. The show premiered in 2017 and it was one of the major hits of the last Festival d’Avignon.

ESCOLA D. ANTÓNIO DA COSTA Palco Grande

SEX 06 22h00

 

06.07.2018 | por martalanca | KALAKUTA REPUBLIK

Call for Plays | Migrations: Harbour Europe

LegalAliens Theatre in collaboration with Migrant Dramaturgies Network is looking for plays by EU-based playwrights on the theme of Migrations: Harbour Europe. We are encouraging submissions that address and reflect on the broad topic of migration and Europe. While we acknowledge the importance of documentary/ verbatim plays that deal directly with migratory identities and experiences, this CfP wishes to attract original, bold and imaginative scripts which fully embrace theatricality and offers creative/ aesthetic alternatives for (re)imagining migrancy in Europe today.
We welcome plays that challenge stereotypes, clichés and dominant narratives of migration. The call is intentionally broad and can be approached literally, metaphorically or abstractly. This is to allow writers to interpret the theme widely. Yet, playwrights might wish to reflect on some relevant questions, such as: How recent geopolitical and economic events affected people’s perception of Europe? What is the relationship between those who arrive and those who reside, i.e. migrants and host communities? Who is the other and what it means to be a foreigner? How is ‘Fortress Europe’ seen from the outside? What is home?
We particularly encourage submissions from strong female voices and playwrights who identify as migrants or of migrant descent (including those born in an EU country but living in another or born outside the EU but currently living/working in Europe).
Submission requirements:

  • Written in a European language (including English)
  • Please include a one-page synopsis in English. If an English translation exists, it can also be attached, with the understanding that LegalAliens is likely to create a new translation
  • Plays already performed in their original language are welcome, provided they’ve never been presented in the UK
  • Between 60-80 minutes in length
  • 1-5 actors (multi-roling accepted)
  • Submitted in .doc or .pdf format

Further details
Submissions will be read by a panel composed of theatre-makers (directors, actors, dramaturgs), translators, academics and theatre critics. Up to three plays will be selected and translated into English. After selection (and translation), plays will be given a week of R&D with our team in London and presented as staged readings at the Tristan Bates Theatre in Central London. Staged readings will be followed by public debates led by international theatre scholars. We hope to identify at least one play to take forward into full production, directed by Becka McFadden.
Timeline
Deadline: 15th October 2018
Shortlist announced by 10th December 2018
R&D: February 2019
Staged Readings: February-March 2019 (dates TBC)
Full production: June 2019 (dates TBC)
Please send your play together with a one-page synopsis in English to both: info@legalaliens.org and info@newtidesplatform.org
Project Partners
LegalAliens has been promoting European playwrights in the UK since 2010. Our original approach to translation based on the physicalisation of language and direct, rehearsal-based collaboration between translators, cast and creative team. We consider ourselves as migrants in the UK, and believe in inclusion, always trying to cast international and ethnically diverse actors. Our original, visual, interdisciplinary approach and style has been praised by critics in the UK and abroad. To learn more about our work, please visit www.legalalienstheatre.com

Migrant Dramaturgies Network is an international research network developed in partnership with New Tides Platform (UK) and the Centre for Theatre Research at the University of Lisbon, Portugal. It is a platform for exchange and knowledge sharing between academics, theatre-makers and organisations involved in migrant theatre on various levels of artistic and cultural creation and development. We aim to explore emerging dramaturgies of theatrical responses to migration in light of recent migration and shifts in global politics and economics. We wish to map new theatrical forms of migrant representation and identify their impacts on national theatre cultures in shaping the perception of non-European migrants and migrant cultures. Visit our microblog at: www.migrantdramaturgies.tumblr.com

05.07.2018 | por martalanca | Migrant Dramaturgies Network

debate sobre '46750', de João Pina

João Pina trabalhou no Rio de Janeiro durante uma década. As suas fotografias documentam uma cidade em transformação profunda, começando em 2007, quando o Brasil foi escolhido para organizar o Campeonato Mundial de Futebol de 2014, e até 2016, quando o Rio foi palco dos Jogos Olímpicos.
O livro é composto por 67 imagens que muitas vezes focam o lado invisível da «Cidade Maravilhosa»: João Pina foi às favelas fotografar traficantes, acompanhou operações da polícia visitou os estaleiros das imensas infra-estruturas construídas para os dois maiores eventos desportivos do mundo, esteve no centro das barricadas — físicas e simbólicas —, ouviu histórias de ambos os lados.
«46750» retrata uma cidade em mutação, mas que apesar disso não se livra da sua histórica violência, das clivagens sociais, do espírito de improvisação e de um quotidiano imprevisível.

28.06.2018 | por martalanca | fotografia, joão pina, Rio de Janeiro, violência

As Mil e Uma Noites em Portugal

A exposição pretende redescobrir e valorizar a presença, em Portugal, do conjunto de contos fantásticos, quase todos de origem árabe medieval, conhecido pelo título de As mil e uma noites. Esta exposição reúne, tanto traduções lusas d’As mil e uma noites, como algumas imagens do património cultural – literário, cinematográfico, teatral e outras expressões artísticas – inspirado por esta obra, em Portugal.
Apoios e parcerias: Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, Minerarte

Exposição na Biblioteca Nacional de Portugal

Comissários: Fabrizio Boscaglia, Hugo Maia, Renata Fontanillas
Inauguração: Quinta-feira, 28 jun. às 18h
Biblioteca Nacional de Portugal,
(área Museu do Livro, 3º piso)
Entrada livre

27.06.2018 | por martalanca | As Mil e Uma Noites

Espectros de Batepá”: de Inês Nascimento Rodrigues

 

A Cena Lusófona acolhe nas suas novas instalações, no Pátio da Inquisição, em Coimbra, no próximo Sábado, 30 de Junho, a apresentação do livro “Espectros de Batepá. Memórias e narrativas do «Massacre de 1953» em São Tomé e Príncipe”, de Inês Nascimento Rodrigues. A sessão, marcada para as 16h00, conta com a participação de Catarina Martins e Diana Andringa.

“Espectros de Batepá” resulta de um projecto de doutoramento elaborado no âmbito do programa de ‘Pós-Colonialismos e Cidadania Global’ do Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (CES/FEUC) e do trabalho desenvolvido no projecto “CROME - Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais”, do qual Inês Nascimento Rodrigues é investigadora.

Nesta obra – adianta a autora no texto de apresentação – o massacre de 1953 em São Tomé e Príncipe é “encarado não apenas como um evento histórico, mas como um evento cuja dimensão simbólica necessita de ser trazida para o centro da investigação”. “Na impossibilidade de aceder totalmente ao que constituiu a experiência do massacre – explicita –, é através da imaginação e das representações que se podem contar múltiplas memórias do evento”: as que “legitimam as narrativas públicas e/ou oficiais” e outras, “que fazem parte de um processo mais inclusivo, em que se criam espaços discursivos, simbólicos e políticos que permitem articular memórias não-dominantes sobre os referidos acontecimentos”. É aqui que entra a figura do espectro: “O que é que os espectros contam sobre as memórias de Batepá e sobre o colonialismo português nas ilhas? O que é que revelam sobre as relações de poder e sobre a sociedade colonial? O que é que os espectros dizem sobre identidades sociais e grupos marginalizados no arquipélago? Quem escreve o massacre e quem o comemora? Como são desenhados Portugal e São Tomé e Príncipe nestas representações?” – eis algumas das questões a que Inês Nascimento Rodrigues procura responder com o seu trabalho.

Com prefácio de António Sousa Ribeiro e posfácio de Miguel Cardina, o livro é o segundo volume da colecção Memoirs das Edições Afrontamento. Será apresentado em Coimbra pela realizadora e investigadora Diana Andringa e pela investigadora e professora universitária Catarina Martins, com moderação a cargo de Bruno Sena Martins, também investigador do CES/FEUC. A sessão contará ainda – no Pátio do Centro de Artes Visuais, que se associa à iniciativa – com um dj set com sonoridades são-tomenses, por João Gaspar (autor, entre outros, do programa “Magia Negra”, da Rádio Universidade de Coimbra).

Com entrada livre, a apresentação da obra “Espectros de Batepá” é uma das primeiras iniciativas públicas organizadas pela Cena Lusófona nas suas novas instalações, que assim começa a dar a conhecer o novo Centro de Documentação (ao qual já é possível aceder mediante marcação prévia) e a sua sala polivalente.

Inês Nascimento Rodrigues

Licenciada em Jornalismo, com Mestrado em Estudos Artísticos e com 10 anos de experiência de rádio na RUC, Inês Nascimento Rodrigues é doutorada em Pós-colonialismos e Cidadania Global pelo CES/FEUC, com a tese que agora publica em livro. Investigadora do projecto CROME, coordenado por Miguel Cardina e financiado pelo Conselho Europeu de Investigação, tem diversas publicações, entre as quais se destaca o mais recente artigo “Descolonizar a fantasmagoria. Uma reflexão a partir do ‘Massacre de 1953’ em São Tomé e Príncipe” (2018). Os seus actuais interesses de investigação centram-se nos estudos da memória, nas teorias pós-coloniais e nos debates sobre a representação e comemoração das guerras coloniais e de libertação.

25.06.2018 | por martalanca | Batepá, memória, São Tomé e Príncipe

Brenna Bhandar, Colonial Lives of Property: Law, Land, and Racial Regimes of Ownership

05.07 | 19h00   Colonial Lives of Property: Law, Land, and Racial Regimes of Ownership (Duke University Press, 2018). Lançamento de livro e conversa com Brenna Bhandar e Rafeef Ziadah

No seu recente livro, “Colonial Lives of Property: Law, Land, and Racial Regimes of Ownership” (Duke University Press, 2018), Brenna Bhandar traça ligações entre a ocupação colonial de terras, a racialização das populações indígenas e as hierarquias coloniais, aquilo que ela define como “regimes raciais de propriedade”. Criadas durante o período colonial, as ligações insidiosas entre propriedade, posse, cidadania e raça estendem-se pelas antigas e atuais colónias, bem como pelas suas metrópoles. Ao traçar as leis contemporâneas de propriedade até às suas origens coloniais, Bhandar defende a sua centralidade nas atuais lutas antirracistas e descolonizadoras a nível internacional. A autora examina as “lógicas partilhadas de subjetividade racial e direitos de propriedade privada, que têm sido centrais para o desenvolvimento do capitalismo racial” em estudos que abrangem países como a Palestina, a Austrália, o Canadá e a África do Sul.

 

 

Brenna Bhandar é Professora Associada de Direito na SOAS, University of London. É coeditora de “Plastic Materialities: Politics, Legality, and Metamorphosis in the Work of Catherine Malabou” (Duke University Press, 2015, com Jon Goldberg-Hiller) e de “Reflections on Dispossession: Critical Feminisms” (Darkmatter Journal, 2016, com Davina Bhandar).

Rafeef Ziadah é Professora Auxiliar de Políticas Comparatistas do Médio Oriente na SOAS, University of London. Anterior- mente, foi bolseira do Programa de Pós-Doutoramento no Departamento de Políticas e Estudos Internacionais na SOAS com o projeto “Military Mobilities and Mobilising Movements in the Middle East”. Os seus interesses de investigação incluem: economia política, política contenciosa, movimentos trabalhistas e políticas de humanitarismo, especialmente focadas no Médio Oriente.

Para mais informações, por favor contactar:

Carlos Alberto Carrilho | Tel + 351 21 352 11 55 | carlos.carrilho@maumaus.org | www.maumaus.org

Lumiar Cité, Rua Tomás del Negro, 8A 

1750-105 Lisboa, Portugal

Carris: 798 paragem Rua Helena Vaz da Silva, 717 paragem Av. Carlos Paredes

Metro: Lumiar (saída Estrada da Torre)

 

Lumiar Cité é um espaço da Maumaus.

 

20.06.2018 | por martalanca | Brenna Bhandar, Colonial Lives of Property

9 Artistas portugueses em exposição em Berlim

Ana Rito, Ângela Ferreira, Cecília Costa, Filipa César, Isabel Carvalho, Jorge Dias, Julião Sarmento, Noé Sendas e Pedro Barateiro.

“O Estado das Coisas”, com curadoria de João Silvério, é composta por obras de nove artistas cujo trabalho pertence ao universo da lusofonia que no âmbito do seu trabalho circulam neste espaço.

Ângela Ferreira 'Hotel da Praia Grande (O Estado das Coisas)'Ângela Ferreira 'Hotel da Praia Grande (O Estado das Coisas)'

O título resgata o subtítulo da obra de Ângela Ferreira, “Hotel da Praia Grande (O estado das coisas)” no sentido de auscultar, na resumida escolha de obras da coleção, o sujeito e o seu contexto físico e psicológico enquanto habitante transitório da cidade, ou da casa, entre o que é íntimo e o que está na esfera da relação com os meios económicos e as transições políticas.

7 de junho a 14 de setembro no Camões – Centro Cultural Português em Berlim. 

 

17.06.2018 | por martalanca | arte contemporânea, Berlim

“DESCOBRIMENTOS”: POLÍTICAS, MEMÓRIA E HISTORIOGRAFIA

21 de junho | FCSH | Edifício ID | Sala 0.06

Entre finais do século XX e inícios do século XXI, tiveram lugar em Portugal diversas iniciativas de comemoração dos “descobrimentos portugueses”, assinalando-se, nomeadamente, o quinto centenário da descoberta do caminho marítimo de Portugal para a Índia (1498) e a chegada ao Brasil de uma frota liderada por Pedro Álvares de Cabral (1500). As iniciativas foram em boa parte patrocinadas pelo Estado português, que criou a Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses (1986-2002) e se empenhou na organização de grandes eventos internacionais como a Expo’98. Organizado pela revista Práticas da História – a Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past, este seminário procura criar um espaço de reflexão em torno desse ciclo comemorativo, para o efeito convocando o testemunho de um dos seus protagonistas, o historiador e comissário da CNCDP (1995-1998) António Hespanha. Ao mesmo tempo, o seminário pretende abrir uma janela de onde é possível igualmente analisar, a partir de quatro estudos de caso, outros tantos contextos de tematização dos “descobrimentos”, da historiografia marítima portuguesa de final do século XIX às políticas museológicas da Lisboa de hoje, passando pelas relações luso-britânicas ao tempo das comemorações henriquinas ou a programação televisiva no Portugal dos anos de 1980.    

10h45 | Abertura do seminário, por Elisa Lopes da Silva e José Ferreira (Práticas da História, ICS-UL)

11h | Jaime RodriguesVicente de Almeida d’Eça e a historiografia marítima em 1898. Comentário de Amélia Polónia.

12h | Stefan Halikowski-Smith e Benjamin JenningsPrince Henry the Navigator and Portuguese maritime enterprise at the British Museum: an exhibition to celebrate the quincentenary of the Infante’s death. Comentário de Pedro Aires de Oliveira.

13h | pausa para almoço

14h30 | Marcos Cardão“A Grande Aventura”. Televisão, nacionalismo e as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Comentário de Tiago Baptista

15h30 | José Neves, Capitalizar a globalização: uma exposição recente em torno da Lisboa Renascentista. Comentário de Nuno Senos.

16h30 | pausa para café

17h | António HespanhaComemorar como política pública. A Comemoração dos Descobrimentos Portugueses, ciclo 1997-2000. Comentário de Robert Rowland.

Organização: Práticas da História | CHAM | IHC

Coordenação: Elisa Lopes da Silva, José Ferreira, José Neves e Pedro Martins.

www.praticasdahistoria.pt

12.06.2018 | por martalanca | colóquio, descobrimentos, história, memória, seminário

Teatro do Vestido aborda memórias sensíveis sobre retorno das ex-colónias portuguesas

“Está tudo gravado em mim, eu não sou muito boa nisto do documental, mas é em mim que está tudo gravado”. Ouvimos isto vezes sem conta, nas inúmeras entrevistas que fazemos a pessoas comuns, com histórias maravilhosas para nos contar. “Mas eu não tenho nada de especial para vos dizer, olhe que isto não tem interesse nenhum!”, e falam durante horas… E são precisamente essas histórias “sem interesse nenhum” que nos apaixonam. E foi por isso mesmo que, em 2014, decidimos ir à procura das memórias sensíveis daqueles que viveram nas ex-colónias portuguesas em África. Retornos, Exílios e Alguns Que Ficaram,  é o resultado dessa busca, espectáculo que vai ser apresentado agora em Lisboa (Palácio Sinel de Cordes, de 7 a 10 de Junho). Mais informações aqui.

Três anos mais tarde, voltamos ao tema, desta vez às pós-memórias do retorno das ex-colónias portuguesas. Com ‘pós-memória’, queremos dizer a memória daqueles que não viveram os eventos directamente, antes os receberam mais tarde, por via da transmissão familiar. Partindo da história pessoal e familiar dos cinco actores desta criação - Cláudia Andrade, Daniel Moutinho, Lavínia Moreira, Marina Albuquerque e Rafael Rodrigues -, ramificada entretanto para outros testemunhos que fomos recolhendo ao longo do processo, Filhos do Retorno é uma criação autobiográfica, documental, por vezes ficcional, e que, sobretudo, questiona dados adquiridos, preconceitos, certezas, afirmações peremptórias sobre tudo isto, aceitações e recusas. Era nosso desejo fazer um objecto transformador para os que o criaram. Acreditamos tê-lo conseguido.
Filhos do Retorno vai estar em cena no Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa), de 21 de Junho a 01 de Julho. Mais informações aqui.

 

07.06.2018 | por martalanca | filhos do retorno, memória, oós-memória, retornados, Teatro do Vestido

Artistas ligados ao Elinga do acervo da Nuno de Lima Pimentel Collection

No âmbito do IV Festival Internacional de Teatro e Artes de Luanda, que assinala o trigésimo aniversário do grupo Elinga-Teatro, Nuno de Lima Pimentel amavelmente cedeu, da sua enorme e importante colecção, 47 obras de 25 artistas plásticos que se inciaram nas instalações do Elinga-Teatro ou que, num dado momento, aí puderam desenvolver ou exibir o seu talento artístico.
É de enaltecer a sensibilidade e a visão do colecionador, que ao adquirir as suas obras, muitas delas de autores à época completamente desconhecidos, conseguiu transmitir confiança e elevar a auto-estima dos seus criadores, permitindo-lhes assim projectarem-se para voos mais altos.

Nuno PimentelNuno Pimentel
Destacam-se, na exposição, nomes já consagrados, tanto no país como no estrangeiro, com obras em importantes museus de todo o mundo, e outros, que já vão afirmando a sua criatividade entre nós, em dimensão mais modesta mas com grandes potencialidades.
Na exposicão estão incluídas obras de António Ole, Bruno Fonseca, Edson Chagas, Egas, Fernando Alvim, Gimby, Kiluanji Kya Henda, Lino Damião, Luís Diogo, Marco Kabenda, Maimba, Mestre Kapela, Muamby Wassaky, N’dilo Mutima, Nelo Teixeira, Paulo Amaral, Paulo Jazz, Rito, Rui Tavares, Tho Simões, Wara Wata, Yonamine, Ihosvany e Zabila.
O Elinga-Teatro sente-se feliz por lhes ter aberto as portas e por tê-los acolhido em momentos difíceis, nos quais as galerias existentes (tanto da UNAP como a Umby-Humby) tinham de certo modo entrado em crise e quando tudo faltava (telas, pinceis, tinta, lugares para pintar). Tudo isso sem nunca lhes exigir qualquer contrapartida. Apenas partilhando com eles a mesma vontade de vencer desafios e de servir a arte.
A exposição será inaugurada no Espaço Cultural Elinga no dia 31 de Maio as 18.30, e está aberta pelo menos até 10 de Junho de 2018.
José Mena Abrantes

01.06.2018 | por martalanca | elinga, nuno pimentel

Isabel Castro Henriques na Faculdade de Letras |25 Maio | 16h

25.05.2018 | por martalanca | ISABEL CASTRO HENRIQUES

"Nas Dobras da Capulana"

3ªf, 29 de Maio, pelas 17h30 no ICS - Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, a última sessão dedicada a Moçambique entre Cinema e Ciências Sociais, exibição com a presença dos realizadores de “Nas Dobras da Capulana”
Realização e Produção: Camilo de Sousa e Isabel Noronha
Moçambique 2014, 30 min, Doc

Viagem aos encantamentos da “capulana”. Uma viagem do presente para o passado, que nos revela um universo tipicamente feminino através de situações e narrativas de um grupo de mulheres que, tal como todas as mulheres moçambicanas, usam a capulana para diversos fins e lhe atribuem diversas significações. Ao longo desta viagem, somos levados a descobrir o sentido de ser mulher em diferentes épocas, ligadas entre si pelos traços, cores, padrões, desenhos, dizeres e nomes de cada capulana, na dobra da qual se esconde uma história única, singular…

A exibição do filme será complementada por uma pequena mostra e explicação acerca de outras capulanas: as dos curandeiros.

25.05.2018 | por martalanca | cinema, Moçambique

Demythologize That History and Put it to Rest

Performances:
26 de Maio, 2018 às 16h
Kiluanji Kia Henda (Angola)
Lavoisier (Portugal) 
LOCAL: Palácio da Ajuda, Lisboa na Estátua D. Carlos I
2 de Junho, 2018 às 16h
Ângela Ferreira (Moçambique/Portugal) 
Marcio Carvalho (Portugal/Alemanha) 
LOCAL: Palácio da Ajuda, Lisboa na Estátua D. Carlos I
Conversa:
3 de Junho, 2018 às 18h
com Marcio Carvalho e Elsa Peralta
LOCAL: Hangar Centro de Investigação Artística, Lisboa

O projecto ‘Demythologize That History and Put It to Rest’ desafia as memórias criadas por estátuas, monumentos, memoriais, nomes de ruas e outros sistemas mnemónicos eurocéntricos implementados nas cidades de Lisboa e Berlim.
A inexistência de uma contextualização histórica e contemporânea destes objectos faz com que os mesmos comemorem uma história colonial portuguesa e alemã romântica – à custa da repressão de diversas perspectivas e histórias de comunidades africanas e seus sistemas epistemológicos. Com a produção e apresentação de intervenções artísticas nos espaços públicos em Lisboa e Berlim o projecto propõe desmitologizar as narrativas em torno destes objectos, que formam o pensamento, experiência e imaginação actuais, e suas influências no recordar e esquecer público.
Inspirado pela afirmação de Edouard Glissant de que a história e sua formação não devem ser deixadas apenas para os historiadores, o artista Marcio Carvalho convidou artistas de Angola, Camarões, Gabão, Iraque, Moçambique e Portugal para apresentarem performances e discussões públicas para contra-monumentalizar estes objectos cristalizados, para desmitologizar suas narrativas hegemónicas ocidentais e projectar outras memórias e narrativas nos mesmos.
Os artistas irão dar especial foco a dois monumentos de duas personalidades históricas que exerceram enorme influência na colonização e partilha do continente Africano durante a Conferência de Berlim (1884/85): Otto von Bismarck (Tiergarten, Berlim) e Rei Carlos I (Palácio da Ajuda, Lisboa).

Demythologize That History and Put It to Rest é um projeto do artista Marcio Carvalho em colaboração com o Hangar - Centro de Investigação Artística, com o SAVVY Contemporary e seu projeto de arquivo ‘Colonial Neighbours’ e o Gabinete de Estudos Olisiponenses. 

Continuar a ler "Demythologize That History and Put it to Rest"

25.05.2018 | por martalanca | descolonizar, monumentos, políticas de memória

Debater o "Racismo no País dos Brancos Costumes"

No dia 2 de Junho, mais um debate à volta de temas abordados no livro Racismo no País dos Brancos Costumes, de Joana Gorjão Henriques. Desta vez sobre activismo com Ana Tica, Beatriz Gomes Dias, da Djass, Mamadou Ba, do Sos Racismo, Raquel Rodrigues, da Femafro, e Rui Estrela, da Plataforma Gueto.

23.05.2018 | por martalanca | Joana Gorjão Henriques, Racismo no País dos Brancos Costumes

IV Festival Internacional de Teatro e Artes de Luanda ELINGA 30 ANOS!

Director do Elinga Teatro - José Mena Abrantes
Presidente do Festival - Anacleta Pereira
Assistente - Claudia Pucuta
Coordenação - Virgilio Antônio e Correia Adao
Responsáveis técnicos - Raul Rosario e Anastacio Silva.
Protocolo - Erica Tatiana e Bernardete Mukinda
Transportes - Honorio Santos e Adorado Mara
Produção - Claudia Nobre

Patrocínio - Fundação Brilhante
Apoios - Banco Econômico / Banco BIC / Casa das Artes / Centro Cultural Português
Media Partners - TPA / Jornal de Angola / RNA / TV Zimbo / O País / Novo Jornal

(Nota: a programação pode ser eventualmente alterada, por motivos imprevistos).

Continuar a ler "IV Festival Internacional de Teatro e Artes de Luanda ELINGA 30 ANOS!"

20.05.2018 | por martalanca | elinga, festival de teatro, Luanda

Moçambique entre cinema e ciências sociais

O CINEMA DE CAMILO SOUSA E ISABEL DE NORONHA* (com a presença dos realizadores)
SEG . 21 MAIO . 17H30 . AUDITÓRIO SEDAS NUNES

 foto de João Costa ( Funcho) foto de João Costa ( Funcho)
Ngwenya, o Crocodilo.
Comentado por Paulo Granjo (ICS-ULisboa) e Fernando Rosa Dias (FBAUL)
Organização:
Francesco Vacchiano, Inês Ponte, Mariana Liz, Paulo Granjo, Pedro Figueiredo Neto
*Sessões no Auditório Sedas Nunes (ICS-ULisboa) com a presença dos autores

 

20.05.2018 | por martalanca | CAMILO SOUSA, ISABEL DE NORONHA. Moçambique

Luz Obscura

A Alambique e a Kintop têm o prazer de comunicar a segunda semana de exibição do documentário Luz Obscura de Susana de Sousa Dias. As sessões vão decorrer de 17 a 23 de Maio às 19:15 no Cinema Ideal.

Luz Obscura (2017) centra-se no núcleo familiar de Octávio Pato e na acção da PIDE sobre a sua família. Que rede familiar se esconde por detrás de um único preso político? Como dar corpo a quem desapareceu sem nunca ter tido existência histórica?  
As sessões comentadas acontecem nos dias 18, 20 e 22 de Maio. Caso tenham interesse em divulgá-las, envio a informação em anexo.

18.05.2018 | por martalanca | Luz Obscura, Susana de Sousa Dias

Colóquio Das Revistas: Voltar a Ver

O Colóquio “Das Revistas: Voltar a Ver” propõe uma reflexão sobre as revistas que, com incidência nas áreas disciplinares tradicionalmente inscritas nas designadas humanidades, surgem como agenciamentos pluridisciplinares, cuja atenção ao heterogéneo, à multiplicidade das circunstâncias, à escrita, à expressão plástica e ao design se não subordina a modelos ou teorias, procurando sim ser abertura para o nascer de melhores modos de existência. Está integrado no projecto Pensar com Artes e é uma parceria entre o IELT e o CIEBA. Para mais informações ver o site do colóquio.

23 MAIO I GRANDE AUDITÓRIO FBAUL – ULISBOA
24 MAIO I  SALA MULTIUSOS 2, EDIFÍCIO I&D, PISO 4 I FCSH – UNL

PROGRAMA

23 de maio (FBAUL)

9h30 Abertura 9h45 – 10h00 Apresentação do Colóquio

Sessão 1 As revistas em revis(i)ta Moderador: Sofia Gonçalves

10h00 – 10h20 Fenda, magazine frenética João Bicker

10h20 – 10h40 SEMA: Entre a possibilidade de tudo ou de quase nada João Miguel Barros

10h40 – 11h00 Pangloss: O melhor dos mundos possíveis? Ricardo Nicolau

Debate 11h20 –11h40 Coffee Break

11h40 – 12h00 Arte Opinião. Um ponto de vista do Sátiro Filipe Rocha da Silva

12h00 – 12h20 Para um devir indisciplinarJoão Urbano

12h20 – 12h40 BUALA, uma plataforma colaborativa Marta Lança

Debate

Continuar a ler "Colóquio Das Revistas: Voltar a Ver"

18.05.2018 | por martalanca | revistas

mobilidade internacional de artistas naturais e residentes nos PALOP

A Fundação Calouste Gulbenkian abre, de 21 de maio a 29 de junho de 2018, um concurso de apoio à mobilidade internacional de artistas naturais e residentes nos PALOP, nas áreas das artes visuais (incluindo imagem e artes plásticas), curadoria e dança.

O concurso tem como objetivo apoiar a participação de artistas dos PALOP em programas de residências artísticas, em África ou em Portugal, através da atribuição de subsídios de viagem.

Os candidatos devem ter sido selecionados, ou estar em fase de seleção, para as residências artísticas nas áreas elegíveis no regulamento, em África ou em Portugal.

Página da candidatura e regulamento aqui

 

16.05.2018 | por martalanca | bolsas, mobillidade

A Ilha de Vénus, exposição de Kiluanji Kia Henda

18 de Maio até 30 de Junho 2018
Curadoria: Bruno Leitão
Hangar - Centro de Investigação Artística tem o prazer de apresentar A Ilha de Vénus, de Kiluanji Kia Henda. Concebida especificamente para o Hangar esta exposição transforma o espaço fisicamente e junta elementos da história e cultura europeia num mesmo objecto. Kia Henda aborda a aparente mobilidade da cultura nos contextos europeus e africanos. A mobilidade serve aqui também para repensar alguns dos processos actuais e passados das instituições europeias.
Inauguração: 18 de Maio, Sexta-feira | 19h às 22h
Entrada Livre
Exposição até 30 de Junho 2018
Quarta a Sábado | 15h às 19h

imagem de kiluanji kia hendaimagem de kiluanji kia henda

Kiluanji Kia Henda (b.1979, Angola). Vive e trabalha em Luanda, Angola. 
O interesse de Kia Henda pelas artes visuais surge por ter crescido num meio de entusiastas da fotografia. A ligação com a música e o teatro de vanguarda, fizeram parte da sua formação conceptual, tal como a colaboração com colectivos de artistas em Luanda. Participou em vários programas de residências em cidades como Veneza, Cidade do Cabo, Paris,Amman e Sharjah, entre outras.
Entre suas mais recentes exposições detacam-se: 1ª Trienal de Luanda, 2007; Pavilhão Africano, Bienal de Veneza, 2007;  Trienal de Guangzhou, 2008; 29ª Bienal de São Paulo, 2010; Museu Tamayo, Cidade do México, 2012; 1ª Trienal de Bergen, 2013; The Studio Museum of Harlem, Nova Iorque, 2013; Dakar Biennale, Dakar, 2014; Museum für Moderne Kunst, Francoforte and Smithsonian Institute, Washington, 2014; New Museum Triennial, New York, 2015; Centre George Pompidou, Paris, 2016; TATE Liverpool, 2016.Em 2012, Kia Henda ganhou o Prémio Nacional da Cultura e Artes, outorgado pelo Ministério da Cultura de Angola e, em 2017 venceu o Frieze Artist Award em Londres. 

Bruno Leitão, curador e escritor, nasceu em 1979 e vive e trabalha entre Madrid e Lisboa. Estudou na ESAD CR, na Fundação Calouste Gulbenkian/FBAUL e encontra-se a fazer um doutoramento na Universidad de Castilla La Mancha com o título “A curadoria entre o politico e o formalismo”. Os seus textos podem ser encontrados na revista Dardo e Atlantica (CAAM) e em vários catálogos como The Gap (comissariado por Luc Tuymans para Parasol unit, Londres e MUKHA). É director curatorial do Hangar Centro de Investigação Artística. Como curador independente, alguns dos seus mais relevantes projectos são: Ética, Politica e Arte para a Bienal de Vila Franca de Xira BF16 e You love me You love me not na Galeria Municipal Almeida Garrett (Porto, Portugal, 2015), El Buen Caligrama com Alain Arias Misson, Detanico Lain, Musa Paradisiaca e Los Torreznos na Gallery The Goma, Madrid, 2015; Narrativas Culturales, com Carlos Amorales, Sara Ramo, Marlon de Azambuja e Miguel Palma na Galería Paula Alonso, Madrid, 2014; Atelier Utopia Miguel Palma, Fundação EDP, Portugal, 2012; Contra/cto com Carlos Nogueira, Felipe Ehrenberg, Los Torreznos, Sandra Gamarra e Sara e André, 3+1 Arte Contemporânea, Lisbon, Portugal, 2014.

15.05.2018 | por martalanca | HANGAR, kiluanji kia henda