"Explorar o outro continua a estar na base das nossas sociedades", entrevista ao escritor malgaxe Jean Luc Raharimanana

Entrevista ao escritor malgaxe Jean Luc Raharimanana no contexto do evento organizado pela Culturgest “Tecer o Tempo”, a 2/12/2020. A conversa visa esclarecer o background profissional do autor, bem como o impacto das suas obras na luta contra o colonialismo. São ainda abordados temas como a liberdade pessoal e de expressão, arte, espetáculos e dramaturgia.

 

Pode falar-nos da sua vida como dramaturgo, ensaísta, romancista e jornalista?

Não sou jornalista há muito tempo, embora me mantenha regularmente a par do que se passa em Madagáscar e no mundo. Ainda tenho os meus reflexos como jornalista, e quando tenho coisas importantes a seguir, activo as minhas redes e informadores. De vez em quando, contudo, escrevo artigos para revistas, outros amigos jornalistas consultam-me. Mas não é o meu trabalho principal. 

Como romancista e ensaísta, e poeta também, estou a fazer vários escritos ao mesmo tempo. Sempre foi assim. Fiz sempre vários manuscritos ao mesmo tempo. Neste momento, acabo de terminar uma colecção de poemas, “La voix le loin”, uma colecção que vou levar para o teatro, trabalhando a voz e a palavra falada, e o que ouço são as “percussões diárias”, quando as palavras fazem ouvir a sua música e estes sons e música voltam a entrar em nós, pelo tempo de um dia. Assim, cada poema fala de um som, de uma batida em si mesmo, que recorda a vida, o coração. Tenho dois romances em curso, não tenho a certeza de quando os vou terminar. O primeiro é um mergulho nos espíritos que povoam a imaginação malgaxe, bem como nos espíritos que emergiram do horizonte e que viraram tudo de cabeça para baixo. O segundo é um romance que retoma a mitologia malgaxe, quero criar outra forma de contar os mitos do meu país, de os romantizar para fazer uma história de hoje.  

Como dramaturgo, estou a passar por uma fase em que escrevo as minhas peças e dirijo-as sozinho. Dirijo a minha própria companhia de teatro, Soazara. Temos vários espectáculos, desde a leitura de música à actuação, desde uma peça de teatro a uma história. A empresa inclui artistas de vídeo, músicos, cenógrafos. E trabalhamos com bastante frequência com coreógrafos. É um teatro que reúne várias disciplinas, dependendo dos projectos, em função dos desejos dos artistas que compõem a Companhia. Mas nesta era Covid, quando os teatros em França estão fechados, é difícil trabalhar como dramaturgo. Tento ver mais à frente, projectar-me em 2022, 2023, e, portanto, dar prioridade à escrita e à investigação, e não ficar frustrado com a falta de representação. A dificuldade não reside na escrita e na investigação, um dramaturgo também tem uma companhia para apoiar, os artistas também têm renda para pagar, crianças para alimentar, etc. Tento ver para além disso, projectar-me em 2022, 2023, e, portanto, dar prioridade à escrita e à investigação, para não ficar frustrado pela ausência de espectáculos. 

Como podem estes diferentes campos e tipos de escrita ser combinados uns com os outros como formas de expressão de liberdade? 

A escrita não é apenas uma forma de expressão de liberdade. A escrita também pode ser um constrangimento. Nem sempre me apetece fechar-me para escrever. Nem sempre quero sentir esta sensibilidade extrema. Também quero saber outra coisa. Mas é verdade que a escrita é também uma liberdade. Não está fechado num sistema de pensamento, pode até pulverizar o seu próprio sistema de pensamento… Quanto a combinar os diferentes campos e tipos de escrita, sempre trabalhei dessa forma. Vem da minha cultura oral. A oralidade é muito mais flexível do que a escrita, e é muito mais pragmática. Ou seja, a oralidade procura a eficiência e a forma que se adequa ao assunto do momento. Trago esta oralidade para a escrita. E estou constantemente a reinventar-me a mim próprio. Não tenho uma resposta precisa para esta pergunta, vejo a forma do assunto, sinto que tenho de ir ou à poesia, ou ao teatro ou a ensaios, ou mesmo ao cinema, porque também escrevo para cinema (Zaho Zay, um filme realizado por Maeva Ranaivojaona e Georg Tiller, para o qual escrevi a voz-off). 

As suas obras, quando traduzidas em várias línguas, chegam a um maior número de pessoas. Qual será, na sua opinião, o impacto desta cobertura alargada?

Uma circulação de ideias mais fluida, espero eu. Alguns dos meus livros são traduzidos para outras línguas, e descubro que cada país salientai temas diferentes nas traduções. Isto dá às obras uma abordagem nova e permite uma espécie de enriquecimento que o autor não previa necessariamente, como o confronto com o facto colonial português, por exemplo, nunca pensei nisso, e, no entanto, existem ecos. E como outras culturas, especialmente na América do Sul, resistiram à colonização portuguesa. Isso abre outras perspectivas, outras formas de abordar a minha imaginação. 

Jean Luc RaharimananaJean Luc Raharimanana

Como é que o seu trabalho o tornou consciente da sociedade e do processo de colonização em África? 

Foi através da minha colecção de contos “Sonhos sob o Sudário”, iniciada em 1994 e publicada em 1996, e depois através do meu primeiro romance, Nour, 1947, iniciado em 1991 e publicado em 2001, que percebi a monstruosidade da colonização no mundo, e não apenas em África. Pois a colonização não só começou ou existe em África. Esta colonização moderna que sabemos ter nascido durante a conquista dos impérios americanos. Seguiu-se a escravidão. Não apareceu do nada. Em Madagáscar, nos lugares onde vivi em criança, havia vestígios de colonização, os edifícios, a via férrea, e vestígios de balas nas paredes, as histórias dos mais velhos, os sofrimentos das pessoas que experimentaram a colonização. Foi ao querer compreender tudo isto, ao ler outros autores, ao ler historiadores, ao consultar arquivos, que percebi a monstruosidade desta história da humanidade. 

Conheci testemunhas de insurreição e revolta, particularmente de 1947 quando a repressão francesa era sangrenta. Estes velhos homens e mulheres contaram-me as suas histórias, e é terrível saber o que uma pessoa pode fazer ao seu vizinho, o que um país pode fazer a outro. O colonialismo ainda hoje tem as suas repercussões, o espírito colonial ainda permeia as nossas vidas. Mesmo que as ocupações da terra sejam menos numerosas, e contestadas por toda a comunidade humana (enfim… o que dizer de Gaza, do Líbano, da presença do exército francês ou americano, ou russo, ou chinês em tal e tal país?), explorar o outro continua a estar na base das nossas sociedades. Porque achamos normal que em Madagáscar, por exemplo, um trabalhador têxtil ganhe menos de 60 euros por mês? Ou seja, 2 euros por dia? E que o produto do seu trabalho é vendido noutro lugar, um único par de jeans, por exemplo, custa 60 euros nos países ocidentais? Será isto colonialismo? O que acho assustador na verdade é que o passado também nos proporciona muitas formas de vestir ora o fato de exploradores como de carrascos, e muitas vezes em boa consciência, se não mesmo em boa inocência.  

A liberdade de expressão é um dos temas cruciais no seu trabalho. Pode estabelecer uma ligação entre a liberdade de expressão e o colonialismo?

Eu não escrevo com a liberdade como tema principal. Considero que não há debate sobre isso, escrever é liberdade. Ponto final. O colonialismo é uma empresa de alienação. A fim de que o colonizador e o colonizado entrem num esquema aceite de superior e inferior. O colonialismo não é apenas uma opressão ou uma imposição de força, ele quer conduzir a um consentimento de dominação e submissão. Que as pessoas consintam em dominar. Que outros consintam em submeter-se. Este consentimento vem, claro, pela força, mas também vem pela palavra repetida mil vezes, uma lavagem cerebral que o leva a não pensar fora do sistema. O meu trabalho como escritor é abrir o possível, mostrar que o discurso está precisamente fora de controlo, é a sua natureza. Desde o momento em que o discurso é controlado, é quase opressivo qualquer que seja a sua natureza. A palavra de Cristo: “amai-vos uns aos outros”, é magnífica. Quantas crueldades foram cometidas em nome desta palavra! O colonialismo também se apresenta assim, é suposto trazer progresso e civilização para os colonizados. Escrever, na minha opinião, é manter a natureza indomável da palavra. 

Do seu ponto de vista, a cultura é uma forma de resistência comunitária quando ocorre um processo de colonialismo?

O colonialismo ataca sempre a cultura. É normal que a cultura resista, é uma questão de sobrevivência. 

Como vê a interferência do governo e a imposição de limitações à liberdade pessoal e comunitária?

Para mim o seguinte: um governo é sempre fiável? E quando interfere no domínio da liberdade pessoal e comunitária, será que tem sempre boas intenções? Existem leis, creio eu, relativas à violação das liberdades. As palavras alienantes podem influenciar as massas, mas estas palavras sempre existiram na história da humanidade. É o espírito crítico que eu penso ser urgente apoiar e desenvolver. Prefiro pensar em termos de possibilidades do que em termos de limitações. Como podemos fornecer a todos as ferramentas para criar uma palavra criativa, um movimento de tecelagem em vez de uma palavra destrutiva, um gesto para rasgar?

 

Live streaming Tecer o Tempo [Tradução – português]

Translation:  Alícia Gaspar

por Alicia Gaspar e Jean Luc Raharimanana
Cara a cara | 11 Janeiro 2021 | escrita, frança, liberdade, Madagascar, teatro