A literatura, uma arte triunfal. Entrevista a Lídia Jorge .

A literatura, uma arte triunfal. Entrevista a Lídia Jorge . Enquanto escritora sinto-me uma construtora da vida marginal, ou mais propriamente uma espécie de testemunha do tempo que passa. No plano da mudança social, o facto de nos termos integrado na Europa, depois da Revolução, colocou em estado de stress um país que mantinha demasiados traços arcaicos, e o percurso rápido que precisou de fazer pôs em evidência conflitos profundos da sociedade portuguesa. Foi necessário um esforço estoico por parte da população. Em situações desse tipo, as questões ontológicas colocam-se com grande agudeza. Faço parte do grupo dos escritores que tornaram essa mudança social e histórica literariamente visível, mas a partir do palco interior das personagens, a partir de uma olhar individual transfigurado.

Cara a cara

20.05.2022 | por Margara Russotto e Patrícia Martinho Ferreira

TEM GRAÇA – Festival Internacional de Mulheres Palhaças | Entrevista a Susana Cecílio

TEM GRAÇA – Festival Internacional de Mulheres Palhaças | Entrevista a Susana Cecílio O clown faz parte do nosso ADN. Todas temos formação como palhaças, somos todas palhaças. Mas somos palhaças por loucura, investigamos uma comicidade a partir da nossa própria biografia, da exposição ridícula e escancarada dos problemas que todos imaginamos nas nossas cabeças e a comicidade parte daí. É um trabalho de proximidade, muito mais ligado à comunidade. É um trabalho de utilização de espaços não tão evidentes para apresentações performáticas, como um jardim, um lavadouro, lugares que são património da freguesia. Chamamos os públicos, os vizinhos, as associações, para participarem e para serem público. A narração oral tem esta proximidade, porque é um trabalho sem quarta parede, de olhos nos olhos, de tentar que o público seja testemunha daquilo que está a acontecer, um aqui e agora.

Palcos

20.05.2022 | por Levina Valentim

Cenas do Gueto I Barril de Pólvora

Cenas do Gueto I Barril de Pólvora A história do Sr. Vítor encontra muitos paralelos com a de outros imigrantes, marcada pelo trabalho nas obras, as dificuldades em continuar os estudos e a habitação precária. A história da Quinta Mocho, onde vive o Sr. Vítor, tem muitas semelhanças com a de outros “bairros sociais” da periferia de Lisboa. O modelo de realojamento ali adotado não incorporou a opinião dos moradores e acabou por reproduzir as lógicas de silenciamento, imposição e exclusão entre aqueles que vivem em regime de subalternidade urbana.

Afroscreen

18.05.2022 | por Otávio Raposo

Pré-publicação | Siríaco e Mister Charles

Pré-publicação | Siríaco e Mister Charles Chamar-te-ei Siríaco, velho, que foi o teu nome próprio de baptismo, bem antes de as trevas e o lume brando dos dias fazerem de ti menino-onça ou negro «pigarço», e de eu poder, aqui e agora, escrever a tua história — a vida extraordinária do homem coberto pelo manto do espanto e do mistério. E nesta noite, de vento e de forte maresia, a pergunta que te assola, nesse canto da taverna, tem a forma de uma espada sobre a tua cabeça: terá sido essa tragédia, que levou Aurélia tão cedo, um castigo por não teres seguido viagem e acompanhado a família real para o Brasil?

A ler

18.05.2022 | por Joaquim Arena

Companhia de Dança Contemporânea de Angola | Temporada 2022

Companhia de Dança Contemporânea de Angola | Temporada 2022 Na sua Temporada de 2022, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola apresenta ISTO É UMA MULHER?, uma criação conjunta de Ana Clara Guerra Marques e da coreógrafa Irène Tassembédo do Burkina Faso. Esta peça convoca o público à descoberta, desafiando-o a confrontar-se consigo próprio e a envolver-se num universo onde, em cada pergunta e em cada resposta, existe uma probabilidade de razão. Não se pretendem apresentar soluções, muito menos se tenciona homenagear, exaltar, mostrar compaixão ou assumir qualquer lugar comum, pretendendo-se apenas integrar a construção de um lugar humanizado e evoluído onde ser Mulher já não cabe nos paradigmas do passado.

Palcos

16.05.2022 | por vários, Ana Clara Guerra Marques e Irène Tassembédo

Sonhar acordada - prefácio de Tiago Rodrigues a "O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais?" de Maria Vlachou

Sonhar acordada - prefácio de Tiago Rodrigues a "O que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais?" de Maria Vlachou É aquilo a que a autora chama “cuidar do desconforto”, quando defende que as organizações culturais, sejam museus ou teatros, devem ser “o espaço para encontrar o outro” e também o lugar onde as pessoas se sintam à vontade com as nuances e a complexidade. Quando vivemos em sociedades onde cada vez mais caminhamos para um conforto solitário e mediado por um mundo digital onde podemos cancelar a alteridade, Maria Vlachou propõe uma ideia dos espaços culturais como o lugar onde podemos aprender a sentir-nos confortáveis com o desconforto. Este paradoxo poético e político é todo um programa de serviço público de Cultura que este livro esboça e que qualquer pessoa atenta às questões culturais deve descobrir.

A ler

15.05.2022 | por Tiago Rodrigues

Cenas do Gueto I Street art tour

Cenas do Gueto I Street art tour Durante os tours de street art o enfoque nas obras artísticas vai para “segundo plano” diante da curiosidade dos turistas pelo quotidiano multicultural da Quinta do Mocho. Nesse processo, o guia Kally promove uma “curadoria informal”, articulando em suas falas representações alternativas sobre o bairro com elementos estéticos que não raramente dialogam com o sonho de uma sociedade mais justa.

Afroscreen

12.05.2022 | por Otávio Raposo

Outros Céus fechados de Lisboa

Outros Céus fechados de Lisboa Outros Céus Fechados de Lisboa aparece como inquietação perante as distopias urbanas, apoiadas pela financeirização que evidentemente tem os espaços abandonados como ativos económicos permanentes, bastante distante de quaisquer alternativa que visa prolongar os direitos à cidade e à habitação, como meios inadiáveis na construção do Estado Social.

Cidade

11.05.2022 | por Lubanzadyo Mpemba Bula

Pré-publicação: "O que é que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais"

Pré-publicação: "O que é que temos a ver com isto? O papel político das organizações culturais" A “ofensiva de diversidade” deixa-nos desconcertados, irritados, põe em causa os nossos conhecimentos e autoridade, é uma ameaça ao nosso estatuto. Na maioria dos casos, procuramos também o conforto do nosso casulo, o mundo tal como sempre o conhecemos, dialogamos apenas com os pares que partilham das nossas opiniões e não revelamos qualquer inquietação em relação ao que está a acontecer à nossa volta. Há ainda profissionais da nossa área que se contentam com o conforto de uma suposta neutralidade. As palavras “diversidade” e “inclusão” surgem, mesmo assim, com alguma frequência no nosso discurso, mas não têm um efectivo impacto no nosso trabalho, nas perguntas que colocamos a nós próprios, na forma como avaliamos o que fazemos. São palavras bonitas, mas inspiram ainda pouca acção. No entanto, é preciso a mudança começar de dentro.

Palcos

05.05.2022 | por Maria Vlachou

Festa do projeto ReMapping Memories Lisboa - Hamburg: Lugares de Memória (Pós)Coloniais

Festa do projeto ReMapping Memories Lisboa - Hamburg: Lugares de Memória (Pós)Coloniais Com um passeio-áudio à cidade literária, uma festa com leituras visionárias e uma intervenção artística nos ferries entre Lisboa e a margem sul do Tejo, o Goethe-Institut Portugal, juntamente com muitos colaboradores e convidados, celebrará no dia 28 de Maio o fecho preliminar do projecto ReMapping Memories Lisboa - Hamburg: Lugares de Memória (Pós)Coloniais e convida à participação de todos.

Vou lá visitar

04.05.2022 | por vários

A fuga dos alemães

A fuga dos alemães Desde Junho de 2021, uma inusitada onda de alemães assentou-se no sul do Paraguai. São milhares de imigrantes. Fogem dos impostos, das vacinas anti-Covid e dos refugiados muçulmanos na Alemanha que, asseguram, são violentos e desvirtuaram a matriz germânica do país. A história mete ao barulho seitas religiosas, falcatruas, corrupção e uma extrema direita europeia com tentáculos no outro lado do oceano.

Jogos Sem Fronteiras

02.05.2022 | por Pedro Cardoso

Temos de Falar, à conversa com Gisela Casimiro (6)

Temos de Falar, à conversa com Gisela Casimiro (6) Gisela Casimiro conversa com Maria do Mar e Lia Pereira. Mulheres da música e das comunidades que ela une. Mulheres que nos fazem sentir em casa.

Palcos

02.05.2022 | por vários