Festival Internacional de Fotografia de Cabo Verde - inscrições abertas!

Até 22 SET.- última semana!

INSCRIÇÕES ABERTAS A FOTÓGRAFOS, ARTISTAS, 
COLECTIVOS E INSTITUIÇÕES

O Festival Internacional de Fotografia de Cabo Verde pretende incentivar a criação artística contemporânea, abrindo este espaço para a divulgação de trabalhos de fotógrafos nacionais e internacionais.A convocatória FIFCV está aberta a candidaturas para a integração de projectos na programação de exposições da sua edição 2014. Uma oportunidade de divulgação de trabalhos, ao lado de nomes consagrados da fotografia internacional, e visibilidade junto de um público alargado de profissionais, curadores ou galeristas.
Procuramos trabalhos interessantes, com uma abordagem genuína sobre determinado tema ou questão. Serão valorizados a coerência do projecto, a profundidade e intensidade na aproximação ao tema, a originalidade na perspectiva adoptada ou a clareza da linguagem visual.
A curadoria do FIFCV irá seleccionar os projectos submetidos em duas fases:
1. Selecção alargada para divulgação na página facebook do FIFCV;
2. Selecção dos melhores projectos para produção e montagem de uma exposição enquadrada na programação do FIFCV.

Será seleccionada uma proposta caboverdiana e uma proposta internacional para uma exposição na galeria Zero Point Art, no âmbito da programação do FIFCV 2014, com curadoria de Diogo Bento e Alex da Silva.
PARTICIPAÇÃO:
Envie entre 6 a 15 fotografias para o e-mail opencall2014@fifcv.com, com os seguintes dados:
- Nome do autor
- Nacionalidade
- Endereço de e-mail
- Website (opcional)
- Biografia
- Título do projecto
- Ano de produção
- Sinopse do projecto

PRAZOS:
As candidaturas poderão ser enviadas até 22 de Setembro. 

Para mais informações, por favor descarregue o Regulamento.
Se tiver alguma dúvida, por favor contacte-nos através do e-mail

opencall2014@fifcv.com.

Mais informações 

17.09.2014 | por martalanca | cabo verde, fotografia | 0 comentários

Retornos, Exílios e Alguns que Ficaram

12 e 13 de Setembro às 21h no Festival TODOS, na Escola Superior de Dança, Lisboa

I.

Na sequência do processo de descolonização de 1974-75, milhares de pessoas regressaram das ex-colónias portuguesas. Mas o que quer exactamente dizer este ‘regressar’? Dentre essas pessoas há as histórias daqueles que pouca relação tinham com Portugal, considerando portanto que são exilados e não retornados; outros há que decidiram ficar lá e ajudar a construir um país novo; outros ainda que, embora retornando, não o tinham desejado. Chegados à ‘metrópole’, enfrentaram toda a forma de desafios e provações destinadas aos que começam do zero, num clima de acentuado preconceito para consigo, os “retornados”, os que “vinham ocupar os lugares dos que já cá estavam antes”, tudo isto aliado a imagens de um colonialismo de chibata na mão com que estas pessoas foram representadas no imaginário dos que habitavam a metrópole. Desta história complexa e contraditória localizada no contexto de um também complexo e contraditório processo revolucionário, estamos ainda hoje a tentar discernir os fios com que se entretecem as narrativas oficiais da história de Portugal desse período. Foi por desconfiarmos das narrativas oficiais e também por acreditarmos numa história construída a partir de testemunhos directos dos seus intervenientes - ou seja das pessoas - e talvez, mais fundamentalmente, por não sermos historiadores mas sim criadores teatrais, que fomos à procura dessas pessoas e das suas história e com elas construímos este espectáculo – que é uma viagem por vidas, por traumas, por livros de história, por pequenas e grandes memórias, e pelas nossas próprias perplexidades ante tudo isto.

“No IARN as secretárias eram velhas e sujas e as cadeiras onde os retornados se sentavam quando chegava a sua vez estavam desconjuntadas, tenho a certeza de que nem aguentariam um corpo pesado como o do pai. Estavam lá retornados de todos os cantos do império, o império estava ali, naquela sala, um império cansado, a precisar de casa e de comida…”
(Dulce Maria Cardoso, O Retorno)



II.

Construído a partir de uma aprofundada recolha de testemunhos e histórias de vida de pessoas que viviam nas ex-colónias portuguesas aquando do processo de Descolonização e de independência destas novas nações africanas, este espectáculo foi apresentado pela primeira vez em Janeiro de 2014 no Solar do Dão, em Viseu.
Agora na Escola Superior de Dança, e integrado no Festival Todos, revisitamos estes testemunhos, estas pessoas e fragmentos das suas histórias. sentimos que a missão primordial do Teatro do Vestido neste momento é a de abordar de forma performática fragmentos da história de Portugal que nos possam fazer melhor entender o nosso presente, desafiando aquilo que Eric Hobsbawn descreveu como este “presente permanente” em que todos vivemos. Os processos históricos traumáticos da Guerra Colonial, da Colonização e Descolonização são parte integrante desta tentativa de entendimento deste ‘País Possível’.

 

Direcção, Texto, Espaço Cénico: Joana Craveiro
Interpretação: André Amálio, Inês Rosado, Isabelle Coelho, Joana Craveiro
Iluminação: Cristóvão Cunha
Assistência: Sabine Delgado
Produção: Rosário Faria
Co-produção: Teatro do Vestido/ Teatro Viriato

10.09.2014 | por martalanca | Joana Craveiro, retornados, teatro, Teatro do Vestido | 0 comentários

Africa Queer em Lisboa

O Festival Internacional de Cinema Queer, realiza-se de 19 a 27 de Setembro no Cinema São Jorge e na Cinemateca Portuguesa. Apresentado na Cinemateca Portuguesa, o programa Queer Focus on Africa, uma colaboração com o Africa.Cont, sugere um olhar à forma como o cinema queer se tem vindo a desenvolver no continente africano, resgatando títulos emblemáticos como Touki Bouki (Senegal), de Djibril Diop Mambéty ou Appunti per un’Orestiade Africana (Itália, Marrocos), de Pier Paolo Pasolini, e propondo uma série de debates, instalações e performances com artistas africanos convidados. De 20 a 27 de Setembro, a Cinemateca Portuguesa será palco também de exposições da egípcia Amanda Kerdahi, e do franco-argelino Kader Attia.

A edição que assinala os 18 anos daquele que é o mais antigo festival de cinema de Lisboa fica marcada também pelo anúncio da chegada à cidade do Porto, este ano com a Retrospectiva de Waters, e a partir de 2015, com aquela que será a primeira edição do Queer Porto. Este ano, que o director do festival, João Ferreira, afirma como sendo o de um “ponto de viragem para o Queer Lisboa, em que o festival conhece mais um salto qualitativo”, é também marcado pelo lançamento do livro Cinema e Cultura Queer, onde se traça um panorama do cinema queer internacional, através do que foi a programação do Queer Lisboa desde 1997, e onde se reúne conjunto de ensaios que faz aquela que é a primeira abordagem exaustiva da história do cinema queer em Portugal.

Pela primeira vez, Portugal sobe à segunda posição de país com mais filmes programados, com um total de 18 títulos, superado apenas pelo Reino Unido, com 20 filmes. França e Alemanha estão representadas com 17 títulos cada, no ano em que o Queer Lisboa conseguiu o apoio do Programa MEDIA, da Comunidade Europeia, um importante impulso para a promoção do cinema europeu no Festival. O Queer Lisboa 18 é financiado pela Câmara Municipal de Lisboa / EGEAC, pelo ICA – Instituto do Cinema e do Audiovisual, pelo Programa MEDIA, e um conjunto de apoios privados, contando com um orçamento de cerca de Eur 130 mil ao qual acrescem as receitas previstas em Eur 20 mil, totalizando Eur 150 mil.

 Touki Bouki (Senegal) Touki Bouki (Senegal)

ver o programa completo

04.09.2014 | por martalanca | cinema, lisboa, queer | 0 comentários

Passatempo BUALA - Grisis

A 4 de Setembro estreia, em Lisboa, o filme Grigris. Este é o primeiro filme do realizador chadeano a estrear comercialmente em Portugal. É um vibrante exemplo do cinema feito no continente africano. Grigris esteve em competição no Festival de Cannes, onde ganhou o Vulcan Prize.

Em parceria com a Medeia Filmes, o BUALA oferece 15 convites duplos para a antestreia do filme, que terá lugar no Cinema Medeia Monumental, HOJE, dia 2 de Setembro, às 21h30. Os bilhetes serão destinados aos primeiros a responder à seguinte pergunta:

 

- Como se chama o realizador de Grisis

 

(responda na caixa de comentários ou no Facebook do Buala)

 

Sinopse:

Grisgris, um rapaz de 25 anos com uma vida complicada no Chade, sonha tornar-se um bailarino. Um desafio, tendo em conta que uma das suas pernas se encontra paralisada. Mas os seus sonhos tornam-se ainda mais complicados quando o seu tio fica gravemente doente. Para o salvar, Grisgris aceita trabalhar no tráfico de combustível…

 

Festivais e Prémios:

Festival de Cannes – Selecção Oficial – Competição – Prémio Vulcain

Dubai International Film Festival – Selecção Oficial Competição

 

 

 



02.09.2014 | por martalanca | Chade, cinema, Grigris, Mahamat-Saleh Haroun | 0 comentários

As Confissões Verdadeiras de um Terrorista Albino

As Confissões Verdadeiras de um Terrorista Albino, do sul-africano Breyten Breytenbach com encenação de Rogério de Carvalho e interpretação do Teatro Griot, em palco de 2 a 4 de Setembro, às 21h30 no Teatro do Bairro, em Lisboa.

No livro As Confissões Verdadeiras de um Terrorista Albino, Breyten Breytenbach escreve sobre as suas memórias do cárcere: a excruciante narrativa da sua viagem através da máquina infernal do sistema prisional sul-africano, com todo o seu cortejo de horrores, histórias inacreditáveis, figuras humanas.

É uma reflexão do prisioneiro isolado de todas as suas ligações com o mundo, que acaba por duvidar da realidade daquilo que vive. Um texto que é ao mesmo tempo um testemunho dramático e uma obra literária de grande qualidade poética.

«Como dizer este texto de Breytenbach? Como manifestar a carga poética que o livro transporta? Que tipo de realidade dramática se pode construir? Exclamativa (tragédia)? Narrativa? Afirmativa? A questão do Teatro como Arte tem sido sempre encontrar os meios justos para dizer e traduzir o que vivemos: o que tem lugar não se pode dizer com a língua que se fala vulgarmente – é necessário encontrar outras modalidades de palavras para dizer o que nos acontece coletivamente. E esta é a razão fundamental para a escolha de As Confissões Verdadeiras de um Terrorista Albino de Breyten Breytenbach.»

Intérpretes: Ana Rosa Mendes, Daniel Martinho, Giovanni Lourenço, Maria Duarte, Matamba Joaquim, Miguel Eloy e Zia Soares. Co-produção entre o Teatro GRIOT e Programa Gulbenkian Próximo Futuro.

27.08.2014 | por martalanca | Breyten Breytenbach, Rogério de Carvalho, teatro griot | 0 comentários

Inscrições abertas para o Mestrado em Estudos Africanos do ISCTE-IUL

O ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, informa que estão abertas as inscrições para o Mestrado em Estudos Africanos (MEA), um dos mais antigos e conceituados mestrados nesta área científica no espaço da língua portuguesa, que inicia em Setembro a sua 23ª edição.

 

 

Este mestrado tem formado, desde 1989, um grande número de mestres com carreiras prestigiadas na investigação e ensino, sector empresarial, diplomacia, administração pública e organizações internacionais e da sociedade civil.

 

O MEA adopta uma abordagem multidimensional e interdisciplinar ao estudo do desenvolvimento social, económico e político em África, proporcionando competências de investigação e profissionais na área científica de Estudos Africanos em duas vertentes principais: (1) a análise dos processos económicos, sociais e políticos nas sociedades africanas e (2) a gestão de desenvolvimento económico e social em África.

Com a duração de dois anos em regime pós-laboral, o curso, que decorre no ISCTE-IUL, no centro de Lisboa, cobre as principais disciplinas sociais incluindo Sociologia Africana, Antropologia e História de África, Estado e Política, Globalização e Relações Internacionais, Teorias de Políticas do Desenvolvimento, Planeamento e Avaliação de Projectos, e o estudo de Organizações Não-governamentais. O segundo ano é dedicado à elaboração da dissertação ou do trabalho de projecto.  

 

Sobre o Mestrado em Estudos Africanos:

§           O Mestrado em Estudos Africanos tem a duração de dois anos.

§           O horário do curso é pós-laboral, duas vezes por semana, das 18:00 às 22:30. 

§           Pode ser frequentado em regime de tempo inteiro ou de tempo parcial.

§           Confere 120 créditos (ECTS) e o grau de Mestre em Estudos Africanos.

§           Está organizado em dois Ramos de Especialização:

  • Estado, Política e Relações Internacionais
  • Gestão do Desenvolvimento Social e Económico

§           Os dois primeiros semestres consistem em dez unidades curriculares distribuídas pelo tronco comum, e por cada um dos ramos de especialidade.

§           O segundo ano é dedicado à elaboração da dissertação ou do trabalho de projecto.

§           Os seminários no segundo ano permitem o acompanhamento sistematizado na organização da investigação e na elaboração da dissertação.

§           Aos alunos que concluam o primeiro ano é atribuído o Diploma de Estudos Pós-Graduados em Estudos Africanos, com 60 créditos (ECTS).

§           Mais informações em: http://iscte-iul.pt/cursos/mestrados/9503/apresentacao.aspx

 

Contactos para mais informação:

Nome: Ulrich Schiefer (Coordenador); Maria Luís Figueira (secretariado)

Instituição: Escola de Sociologia e Políticas Públicas, ISCTE-IUL

Telefone: +351 210 464 123  Ext.291505

Email: Maria.Luis.Figueira@iscte.ptaclsnc@iscte.pt

 

18.08.2014 | por martalanca | ISCTE, Mestrado Estudos Africanos, Universidade | 0 comentários

A noite dos guerreiros do Níger

Na noite de quarta-feira no Castelo de Sines a banda Mamar Kassey vibrou. 

Oriundos de Niamey, esta banda, fundada em 1995, tem raízes não só no Níger mas também no Mali e no Burkina Faso. Vieram à 16ª edição do Festival de Músicas do Mundo de Sines apresentar o seu terceiro álbum, Taboussizé-Niger, eleito por prestigiadas revistas do género como um dos melhores do ano passado. O líder, que Ali Farka Toure tratava como filho espiritual, o cantor e intérprete de flauta “peul”, Yacouba Moumoni, digno representante das várias tradições musicais das regiões do Sahel e do Sahara.

 

Foi uma noite inspirada para esta banda da África ocidental. Percebe-se porque o nome do conjunto se inspira no lendário guerreiro do mesmo nome. Moumoni mostrou-se um incansável líder e foi arrebatador nos solos que fazia com a flauta. A dançarina que se encontrava em palco, elegantemente pintada nos preceitos dos povos das margens do rio Níger, foi por empolgante.

 

Com o desejo de reunir várias tradições e de lhes dar uma actualidade trazendo ritmos modernos sem im

por nenhuma deturpação à cultura tradicional. Com raízes no Mali, Níger e Burquina Faso, quis misturar estas três culturas para criar o ritmo denkedenke. Recusaram pôr uma bateria preferindo a calabassa, o kalangou, o molo e o kamélé n’goni tradicionais.  O primeiro álbum, Denké-Denké, saiu em 1998, seguindo-se o Alatoumi, em 2000.

 

Victor Hugo Lopes 

25.07.2014 | por martalanca | Festival de Músicas do Mundo, Mamar Kassey, Níger | 0 comentários

A Festa dos África Negra

África NegraÁfrica NegraE

 

E ao sexto dia da 16ª edição Festival de Músicas do Mundo, o Castelo de Sines transformou-se num vigoroso “fundão”, tal como nos bailes ao ar livre de São Tomé. E a culpa de tal feito vai toda para o Conjunto África Negra, que abriu o dia de concertos, com esta matinée dançante.

 

A tarde estava de bom clima e tudo se propiciava para uma verdadeira festa. Os África Negra subiram ao palco e pouco depois já o público estava rendido ao ritmo da rumba muito específica de são Tomé, fortemente influenciada pelo vizinho soukous e pelo highlife.

 

Nome cimeiro da música santomense, os África Negra regressam aos palcos em boa forma, após um bom tempo de ausência ou mesmo de actividade intermitente. Do conjunto, formado por seis elementos, apenas dois integraram a formação original: o estrondoso vocalista João Seria, ou o “general” como gosta de ser chamado, e o magnífico guitarra-solo Leonildo Barros.

 

A festa foi animada. Dançou-se muito como muito no Castelo de Sines e cumpriu-se então a vocação dos África Negra: fazer a festa e distribuir alegria aos seus seguidores. Não há dúvida que haverá festa também no concerto que darão no B. Leza.

24.07.2014 | por Victor Hugo Lopes | África Negra, Festival Músicas do Mundo | 0 comentários

Jagwa Music (Tanzânia), 24 Julho, LISBOA e 26 Julho, SINES

Dos subúrbios de Dar Es Salaam, capital da Tanzânia, regressa a Portugal o grupo Jagwa Music para um concerto em Lisboa (dia 24 de Julho _ MusicBox) e outro em Sines (dia 26 de Julho _ Festival Músicas do Mundo).

O seu estilo de dança, o mchiriku, deriva de ritmos de transe tradicionais e tem como elementos característicos a secção rítmica improvisada e o uso de teclados Casio “low-cost” amplificados.

O colectivo, composto por 8 músicos, estará em Lisboa a fechar o primeiro semestre das Musicbox Heineken Series, no MusicBox e a fechar a programação do Festival Músicas do Mundo deste ano.

09.07.2014 | por franciscabagulho | música, Tanzania | 0 comentários

Miguel K. quer justiça, Teatro Elinga, LUANDA

O projecto de teatro “Miguel K. quer justiça” é uma cooperação germano-angolana que visa promover o intercâmbio cultural e apoiar a cena teatral angolana.

 

O encenador alemão Jens Vilela Neumann encontra-se em Luanda desde o 12 de Junho para trabalhar e ensaiar junto com actores e músicos angolanos durante um mês. A novela original do famoso autor alemão Heinrich von Kleist foi adaptada à realidade Angolana exclusivamente para este projecto por José Eduardo Agualusa, tendo como resultado uma história não menos original do que credível.

 

A estreia da peça terá lugar no dia 10 de Julho de 2014 às 20h00 no Teatro Elinga e mais um espectáculo será no dia 11 de Julho à mesma hora.

 

“Miguel K. quer justiça” adaptação de “Michael Kohlaas” de Heinrich von Kleist

Autor: José Eduardo Agualusa

Encenador: Jens Vilela Neumann

Produtor: Orlando Sérigio

Actores: Virgilio José António, Claudia Pucuta, Orlando Sérgio e Raul Rosário

Músicos: João Costa e Luís Pedro Fonseca

Cenógrafo e figurinista: Paulo Bolota

 

03.07.2014 | por franciscabagulho | Elinga Teatro | 0 comentários

Nástio Mosquito nomeado para o Future Generation Art Prize

O Future Generation Art Prize, estabelecido pela Fundação Victor Pinchuk desde 2009, é um premio internacional de arte contemporânea destinado a artistas até aos 35 anos.

Entre mais de 5500 concorrentes, Nástio Mosquito (artista angolano) foi um dos 20 noemados. A exposição dos finalistas será em Outubro no PinchukArtCentre e o prémio (no valor total de 100.000USD) será atribuído em Dezembro.

Parabéns Nástio!!!

24.06.2014 | por franciscabagulho | arte contemporânea | 0 comentários

Manu Dibango, 20 Jun, LISBOA

Manu Dibango é uma referência mundial do afrobeat e do afrofunk. O saxofonista natural dos Camarões, chegou à Europa nos anos 40 e foi aqui, nas suas inúmeras viagens entre Bruxelas e Paris, que conheceu os mestres Charlie Parker, Duke Ellington e Louis Amstrong. Na década de 50, a convite do músico zairense Kabasele integra a banda African Jazz na qual passa a tocar. Manu Dibango, que desde cedo desenvolveu um ouvido eclético, tem uma ideia que queria materializar ao longo da sua vida: criar numa linguagem musical, um registo sonoro que colocasse em diálogo a riqueza e espiritualidade do jazz e das sonoridades de raiz africana. Foi neste caminho que, em 1972, Soul Makossa chegou aos tops europeus e americanos. Ao longo do tempo este tema foi utilizado por Michael Jackson ou Rihanna, em temas como Wanna be start something ou Don’t stop the music. Produtor, músico e activista, percorreu o mundo em inúmeras tournées e trabalhou para conseguir criar música que caminhasse entre a tradição e os sons do futuro. Manu Dibango irá festejar em Lisboa o seu 80º aniversário, o que fará deste concerto um momento muito especial.

MANU DIBANGO (Camarões, França)

20 JUN // Sexta-feira  22h CASTELO DE SÃO JORGE

sonsdalusofonia.com

16.06.2014 | por franciscabagulho | afrobeat, música | 0 comentários

Beyond Entropy _ Ilha de São Jorge, VENEZA

14ª Edition of the Biennial of Architecture _ Island of San Giorgio Maggiore, Venice

Piccolo Teatro Hall, Fondazione Giorgio Cini

Artists: Filipa César, Suleimane Biai,  René Tavares,  Kwame Sousa,  Kiluanji Kia Henda, Monica de Miranda, Irineu Destourelles, Tiago Correia Paulo, Filipe Branquinho and Rui Tenreiro

Curators:  Beyond Entropy Africa _ Paula Nascimento and Stefano Rabolli Pansera 

Special Events:  5 Jun, 10am - 12noon | Press Preview. 5 Jun, 12noon - 7pm | Vernissage

For the entire duration of the exhibition, from the 6th of June to the 6th of July, 2014 the Island of San Giorgio Maggiore will virtually become “Ilha de São Jorge”, an extra-territorial island featuring the five Portuguese speaking African Republics: Angola, Cape Verde, Guinea-Bissau, Mozambique and São Tomé and Príncipe.

The proposal extends the research started with “Beyond Entropy Angola” (2012) and“Luanda, Encyclopedic City” (2013) while enriching the specific theme of the 2014 Architecture Biennale: “Absorbing Modernity: 1914-2014”.

Beyond Entropy engages with the way modernity was conceived, developed, built, dwelled, absorbed, rejected in these countries and produces a model of urban conditions that may set new perspectives on urban development and architectural discourse in these regions.
The legacy of Portuguese empire building pervades the Postcolonial discourse that attempts to explain the development of the modern nation state in Portuguese speaking Africa. It is with this historical and linguistic connection in mind that Ilha de São Jorge is thematically and structurally created. Although geographically distant, these countries share a heritage with each other and with Portugal the cities and urban forms are a result of methods, techniques and procedures that can be linked with a common historical past tied to a Portuguese matrix yet deeply related to specifics of geography, culture and traditions. This shared Postcolonial heritage makes it relevant to develop a coherent discourse on the similar ways these countries have declined or absorbed modernist architecture. Placing the architectural discourse together for the first time, not only highlights their connections with Portugal, but more importantly, it highlights the internal connections, always invisible, that contributed to the development of a modernist discourse.

With “Uma Cabana”, Filipa César and Suleimane Biai explore the concept of shelter in Guinea - Bissau as a historical, political and cultural fulcrum of society. The film “Concrete Affection” by Kiluanji Kia Henda is inspired by the book by Polish writer Ryszard Kapuściński “Another Day of Life”, 1975. Kia Henda investigates the emptiness of the city after the departure of the Portuguese, bringing into limelight the unique architecture of Luanda. The video by Monica de Miranda entitled “Hotel Globo” tells the story of the Angolan diaspora while focusing on a Modernist hotel in the centre of Luanda. With “Mionga House”, artists René Tavares and Kwame Sousa explore the characteristics of the community of the southern island of São Tomé. Irineu Destourelles’s project seeks to develop the relationship between the constantly evolving socio-cultural matrix, the built heritage and organization of the contemporary urban fabric in the city of Mindelo, Cape Verde. The films composing “Journey to The Centre of Capricorn” by Tiago Correira-Paulo, Filipe Branquinho and Rui Tenreiro propose a surreal reading of contemporary architecture in the city of Maputo, Mozambique.

The publication, edited by Ana Vaz Milheiro and Stefano Serventi, follows the same thematic thread of the exhibition. Divided in five sections (Objects, Buildings, Cities, Landscape and Visions), the publication includes creative texts, images and academic studies by architects, researchers and artists that accompany the exhibition and enrich its curatorial mission.

28.05.2014 | por franciscabagulho | arquitectura, arte contemporânea | 0 comentários

ÁFRICA NEGRA no FMM Sines e no B.Leza em Julho

Os Filho Único apresentam os míticos África Negra para dois concertos: Festival Músicas do Mundo de Sines a 23 de Julho e em Lisboa no B.Leza a 31 de Julho, seguido de uma apresentação a 2 de Agosto no festival Wassermusik em Berlim, que constituirá o primeiro concerto de sempre da formação num país europeu que não Portugal.

+ info

23 de Julho - FMM Sines , 31 de Julho B.Leza 2 de Agosto - Wassermusik Festival, Berlim

27.05.2014 | por franciscabagulho | música | 0 comentários

Roça Língua, lançamento 24 Maio, LISBOA

O livro Roça Língua é uma homenagem à língua portuguesa que reúne contos de vários autores de língua portuguesa e é apresentado esta noite por Abílio Neto, às 21h na FNAC Vasco da Gama, em Lisboa.

A obra resulta de uma primeira residência de escrita em  São Tomé, que decorreu em Novembro de 2011, de vários escritores lusófonos que, na sua estadia na ilha e em visitas às antigas roças santomenses coloniais de cacau, tentaram absorver as informações desses espaços de fusão cultural por excelência, para depois escrever um conto a partir do universo de cada um.

O projecto é uma iniciativa da associação santomense Roça Mundo, na figura da historiadora Isaura Carvalho, e contou com o comissariado de José Eduardo Agualusa e Marta Lança. Algumas actividades passaram por desenvolver com jovens santomenses oficinas de escrita criativa, jornalismo cultural e artes performativas.

Os co-autores do Roça Língua são Albertino Bragança, Olinda Beja ( São Tomé), Celina Pereira e Filinto Elísio ( Cabo Verde), Cláudia Clemente, Ricardo Alves, Paulo Ramalho, João Ferreira Oliveira, José Fialho Gouveia e Marta Lança (Portugal), Daniel Galera e Tatiana Salem Levy (Brasil), José Eduardo Agualusa (Angola), Ungulani Ba Ka Khosa (Moçambique) e Waldir Araújo (Guiné Bissau).

O livro Roça Língua será lançado em duas sessões distintas: hoje em Lisboa, no dia 14 de Junho, no Museu Municipal de Penafiel 21h30.

23.05.2014 | por franciscabagulho | literatura, São Tomé | 0 comentários