”Kabalindadi”, o novo single de Ritchaz Cabral

«O músico luso-cabo-verdiano Ritchaz Cabral chega até nós com “Kabalindadi”, caloroso e bamboleante tema mergulhado na melhor tradição dos sons típicos de Cabo Verde que pretende alertar consciências para a necessidade de combater a tirania e corrupção humana que preenchem o nosso dia-a-dia.
Este é então o cartão de visita do primeiro EP a solo do músico, “Mal Famadu”, que estará disponível digitalmente a partir do próximo mês de Fevereiro com o selo da Music For All.

Ricardo Cabral, de nome artístico Ritchaz Cabral, nasceu em Lisboa, no profícuo ano de 1988, e é filho de pais cabo-verdianos, imigrantes em Portugal há várias décadas.
Com apenas 13 anos, começa a dar os seus primeiros passos na música. O passaporte para aquilo que, anos mais tarde, se transformaria na sua vida profissional foi um velho gravador de cassetes, propriedade do seu progenitor, e um microfone inventado e construído pelo próprio utilizando pequenas colunas modificadas. Na altura, cantava letras conhecidas de autores cabo-verdianos e gravava brincadeiras com as irmãs e amigos.
Entre 2003 e 2012, fez parte da dupla Ritchaz & Keky que se apresentava com uma sonoridade mestiça onde o Kuduro se encontrava com a Kizomba e onde o Techno e o Reggae se fundiam com o Funaná e o Hip-Hop, num autêntico caldeirão de influências e sonoridades. A partir de 2007, a dupla trabalhou com a agência cultural Filho Único (Lisboa), com quem tiveram atuações regulares dentro e fora do país e através da qual participaram na coletânea de CD’s Novos Talentos da Fnac e da Antena 3 (2008).
Entre 2009 e 2011, Ritchaz frequenta dois cursos relacionados com a criatividade, produção e marketing musical na Restart (Lisboa), passando a fazer com frequência trabalhos de gravação, produção, mistura e masterização de música para diversos artistas na Europa e África. Nascia assim uma faceta diferente e complementar na carreira de Ritchaz Cabral!
Em 2011, e nos dois anos que se seguiram, Ritchaz integrou a banda de Reggae Luso United, sediada na Amadora, assumindo-se como teclista.

Paralelamente, o artista envolve-se em diferentes projetos ligados à música. Foi co-criador do Estúdio SomGráfico (estúdio de música comunitário), no bairro Outurela (Oeiras), juntamente com outros amigos e músicos; deu aulas de viola na escola básica local; e fez a co-produção e o lançamento do álbum musical independente Proghetto, que contou com a presença de vários artistas.
Em 2012, o artista junta-se ao grupo Raboita como vocalista, guitarrista e baixista. É nesta altura que passa a ter mais contacto com a música tradicional de Cabo Verde, adicionando ao seu leque de sonoridades as Mornas, Batukus, Funanás, Coladeiras e Mazurcas.
Chegamos, enfim, a 2014. Esta foi a altura em que Ritchaz decidiu dedicar-se a uma carreira a solo, começando a preparar aquele que se tornaria no seu primeiro EP. Neste trabalho são bem audíveis as suas raízes cabo-verdianas através dos Funanás lentos, dos Batuques com letras que retratam a simplicidade da vida e os valores do amor e respeito assim como os temas de cariz social, vertente que Ritchaz sempre prezou bastante. Em simultâneo, Ritchaz integra o grupo Skopeofonia, um projeto de investigação académica em Etnomusicologia, da Universidade de Aveiro com a Fundação para a Ciência e Tecnologia, que tem recolhido e analisado as práticas musicais no bairro da Cova da Moura, na Amadora.
É por entre um leve sorriso, um ritmo quente e pegadiço e uma letra que nos transporta para as sinceras e profundas paisagens africanas que encontramos este primeiro trabalho de Ritchaz Cabral. O menino que Portugal viu nascer e crescer é hoje um homem que não esquece as suas origens, homenageando-as em “Mal Famadu”, o seu primeiro EP a solo. »

C O N T A C T O S
T: +351 211 374 276
E: promotion.pd@musicforallnow.com

 

 

 

16.01.2017 | por marianapinho | Kabalindadi, Ritchaz Cabral | 0 comentários

Postcolonial Mediations: Globalisation and Displacement

Fourth Annual ACGS Conference Amsterdam, 26-27 October 2017

Keynote speakers:
  * Victoria Bernal (Professor of Anthropology, University of
    California, Irvine, US)
  * Paula Chakravartty (Associate Professor Media, Culture and
    Communication, New York University, New York, US)
  * Iain Chambers (Professor of Cultural and Postcolonial Studies,
    Oriental University, Naples, Italy)

Central to artist Kara Walker's work is Black history, its telling and re-telling, and the effect this has on African-Americans today. She attacks racial myth and stereotypes, exploring issues such as slavery, sexuality, oppression and domination.Central to artist Kara Walker's work is Black history, its telling and re-telling, and the effect this has on African-Americans today. She attacks racial myth and stereotypes, exploring issues such as slavery, sexuality, oppression and domination.Postcolonial thinking has challenged the stability of discourses on culture, globalisation, economics, human rights and politics. Postcolonial thinking, as a form of mediation and displacement of worldviews, triggered a re-evaluation of the complex connections between culture, class, economy, gender and sexuality. This conference aims to engage with such postcolonial displacements.
Displacement can be seen under the rubric of mobility and its many forms today, most tellingly discernible in the forced movements of peoples in the wake of wars, and the concomitant crises this provokes around issues of “culture and civilization”, and its gendered, religious and raced dimensions. The refugee crisis in Europe is an important case in point. Cultural productions from the non-West continue to displace received understandings of other cultures and societies (Chow, 2002, Narayan, 1997) while contemporary political movements draw inspiration from postcolonial struggles as they deploy new media forms, as Howard Caygill (2013) has recently shown in his analyses of the Gandhian non-violence movement, the continuing Maoist rebellions and their relation to the Zapatistas and the Indignados. The shifting contours of gender and sexual politics, and the critique of stable identities provoked by queer politics and theory, are also producing displacements, in the discourse and practice of the politics of rights. Local, regional and national politics often challenge universal rights claims. e.g. the controversies around the relevance of “Global Queer” (Altman, 1996).
The postcolonial is understood here simultaneously as a mediating and a displacing series of interventions, which demands engagement with contemporary understandings of globalisation.
We invite papers that explore the complexity of postcolonial mediations in their interaction with the displacements of globalisation through theoretical and empirical analyses.
Possible topics include:
1. How can a postcolonial perspective inform newer understandings of contemporary forms of cultural, political and economic globalisation? For example, what does the “neo-colonial” turn (Mignolo) imply for thinking globalisation’s many dimensions today? What purchase might postcolonial perspectives (including postcolonial self-critique) have in the context of “planetary” (Spivak) developments, discussions of “Empire” and “Multitude” (Hardt/Negri) and articulations of “singular” (Jameson) and alternative modernities?
2. Migration in its many forms has centralized displacement as a crucial feature of globalisation. How might a postcolonial perspective further a contemporary engagement with the displacements of peoples in the wake of economic globalisation, political crises, human rights crises, and the ongoing militarization of the globe? How can the figures of the “migrant”, the “refugee” and the “asylum-seeker”, for example, be rethought given their contemporary reformulations by nation-states and transnational entities such as the EU and other multilateral deportation/resettling schemes in Asia?
3. Queer theory has long argued that gender and sexuality are not external dimensions to be “added” onto considerations of subjectivity but intrinsic to how “human” subjectivities are lived, transformed and theorized. How do contemporary forms of displacement register at the level of gender and sexual politics? And how might queer forms of thinking intervene, mediate, displace or consolidate racist, sexist, transphobic, and hetero-normative discourses in the wake of globalisation, often under the rubric of culture and civilization?
4. Contemporary forms of globalisation are not only represented but also actively constructed through forms of media engagement, from political mobilization through social media to filmic and televisual cultural practices. These mediated forms of global politics demand different forms of analysis while also provoking transformations in how we theorize media themselves. How can “mediation” be confronted and theorized given the postcolonial dimensions of contemporary globalisation?
5. The contours of globalisation in terms of borders, the nation-states and transnational communities are being displaced and redrawn in the content of contemporary economic, political and military crises. How might postcolonial perspectives furnish cognitive and affective mappings of the overlaps and disjunctions of political and cultural cartographies?
6. Given that a “postcolonial perspective” unites competing perspectives (e.g. the literary, the politico-economic, the Marxist, the postmodernist) rather than a unified and homogeneous body of arguments, what are the contemporary forms of internal displacement within the field?
Contributions from fields from across the social sciences or humanities are invited.
Please submit an abstract (200-300 words) and short bio (max. 100 words) by 1 February 2017 to acgs-fgw@uva.nl<mailto:acgs-fgw@uva.nl?subject=Abstract%20Postcolonial%20Mediations%20Conference>. Notice of acceptance will be given by 1 May 2017. Conference fee: 50 Euros (25 Euros for PhD students). Conference dinner: 25 Euros.
Organisers: Sudeep Dasgupta (University of Amsterdam), John Nguyet Erni (Hong Kong Baptist University), Aniko Imre (University of Southern California), Jeroen de Kloet (University of Amsterdam), Sandra Ponzanesi (Utrecht University), Raka Shome (National University of Singapore)

16.01.2017 | por martalanca | Displacement, Globalisation, Postcolonial | 0 comentários

Isto é partis / Projecto URB

Convite para ver o projecto URB, dia 12 de Janeiro, às 21h, na Fundação Calouste Gulbenkian. Entrada livre. O bilhete deve ser levantado lá um dia antes.

12.01.2017 | por marianapinho | Isto é partis, Terratreme, URB | 0 comentários

Sem Título | Davi Pontes

Existe um corpo que está em risco. Sem título é um território para construção de um solo, onde a coreografia é gerada pelo trânsito de referências e memórias de um corpo negro. Esse
território é dividido por lotes, que procura no espaço entre o próprio corpo e o chão, ou na
ficção de uma imagem, “tensionar” a questão da presença desse corpo coexistir nesse mesmo espaço. Existe um corpo que está em risco e que não tolera qualquer tentativa de controlar o que ele produz.
Davi Pontes

Fundação Centro Cultural de Belém | 13 e 14 de Janeiro de 2017 | Lisboa, Portugal
https://www.ccb.pt/Default/pt/Programacao/Danca?A=821

Rua das Gaivotas | 3 e 4 de Fevereiro de 2017 | Lisboa, Portugal
http://ruadasgaivotas6.pt/sem-titulo-davi-pontes/

Foto de Miguel BonnevilleFoto de Miguel Bonneville

 

Coreografia e interpretação Davi Pontes   
Acompanhamento Artístico Miguel Bonneville  
Música Original Challenger (Luís Kasprzykowski)  
Desenho de Luz Nuno Patinho   
Registo Vídeo e Fotográfico Joana Linda   
Produção Executiva: Cristina Correia

11.01.2017 | por marianapinho | Angela Davis, Davi Pontes, Espaço de risco, Frantz Fanon, Sem Título | 0 comentários

UTOPIAS > Conferência de Alexei Yurchak > 12 janeiro

Para o povo soviético, o colapso do Estado surgiu como uma surpresa completa e, ao mesmo tempo, como algo de natural. Esse evento dramático revelou um paradoxo presente no seio do sistema soviético: se a maioria dos seus cidadãos experimentava este sistema como eterno e imutável, também tinham estado sempre preparados para a sua desintegração. No livro Everything Was Forever, Until It Was No More: The Last Soviet Generation [Tudo foi para sempre, até não o ser mais: a última geração soviética], Alexei Yurchak, professor de Antropologia na Universidade de Califórnia, Berkeley, usa este paradoxo como ponto de partida para a análise da vida soviética durante o período do “socialismo tardio”. Por um lado, a imagem do socialismo que emerge neste livro é muito diferente dos estereótipos que reduzem a realidade soviética a um simplismo binário: estado de opressão versus resistência popular, cultura oficial versus não oficial, linguagem totalitária versus linguagem privada, mentira pública versus verdade escondida. Por outro, o próprio conceito de hipernormalização que Yurchak introduz revela-se potencialmente útil para análise de outros sistemas políticos, como comprovou o célebre documentário de Adam Curtis, HyperNormalisation, estreado em 2016. Nesta conferência, Alexei Yurchak discutirá os argumentos principais do seu livro, estendendo esta reflexão à análise do capitalismo contemporâneo.

 

11.01.2017 | por marianapinho | Alexei Yurchak, antropologia, capitalismo, Estado, socialismo, Teatro Maria Matos, União Soviética, Utopias | 0 comentários

Conferência Internacional “Activismos em África”

ISCTE-IUL
11 a 13 janeiro 2017

O Centro de Estudos Internacionais (CEI-IUL) do ISCTE acolhe, nos próximos dias 11 a 13 de janeiro, a Conferência Internacional Ativismos em África. Evento inédito em Portugal, trata-se da primeira reunião de investigadores e ativistas dedicada ao debate sobre os movimentos sociais no continente africano.
A Conferência será iniciada no dia 11 de janeiro com o Fórum de Ativistas, no qual estarão presentes organizações e movimentos ativistas de Portugal e Angola, como a Plataforma de Afrodescentes em Portugal, o SOS Racismo e a Femafro, entre outras.
A mesa de abertura contará com as intervenções de Leo Igwe (ativista nigeriano pela liberdade religiosa), Juan Tomás Ávila (escritor e ativista da Guiné Equatorial pró-democracia) e Luaty Beirão (rapper e ativista angolano). O encerramento terá a presença dos investigadores Pedro Neto (CEI-ISCTE IUL) e Nancy Dantas (Universidade do Cabo – África do Sul) e do ativista angolano José Marcos Mavungo. Durante a conferência decorrerá uma feira do livro, lançamento dos livros: “My way from Congo to Europe: between resistance, flight and exile” de Emmanuel Mbolela; “Sou Eu Mais Livre, Então. Diário de um preso político angolano” de Luaty Beirão e “A Sociedade Civil e o Estado na Guiné-Bissau: dinâmicas, desafios e perspectivas” de Miguel de Barros, e ainda uma mostra de documentários.
A programação completa e outras informações estão disponíveis no site da Conferência: http://cei.iscte-iul.pt/activismsinafrica/pt/

Para mais informações, por favor contactar:
Magda Bialoborska, magdabi@gmail.com
Mojana Vargas mojanavargas@gmail.com

06.01.2017 | por marianapinho | angola, Ativismos em África, Femafro, Fórum de Ativistas, Plataforma de Afrodescentes em Portugal, Portugal, SOS Racismo | 0 comentários

Catchupa Factory – Projecto Colectivo

Curadoria de António Júlio Duarte e Diogo Bento


No âmbito da iniciativa Catchupa Factory – Novos Fotógrafos, lançada em Maio de 2016, realizou-se o Curso Avançado de Projecto em Fotografia, com a participação de 12 fotógrafos cabo-verdianos provenientes de diferentes ilhas.
Pretendia-se incentivar o desenvolvimento de um projecto fotográfico documental dando particular ênfase ao trabalho de edição e de construção de sequências narrativas. Ao exercício proposto, todos responderam de forma praticamente unívoca: tendo como pano de fundo a cidade do Mindelo, os trabalhos apresentados reflectiam preocupações de ordem social, cultural e económica.
Partindo de um maior ou menor conhecimento da cidade (e fazendo-o com recurso a diferentes estratégias), cada um dos autores acabou por percorrer ou habitar diferentes espaços (não é a própria fotografia, também, um acto performativo?). Em alguns casos é nos lugares de maior intimidade que se desenvolve a narrativa, sendo que outros fotógrafos foram obrigados a deslocar-se em território até então desconhecido. Dentro de uma esfera tão ampla de abordagens, talvez a característica mais visível seja uma atitude de transgressão relativamente às noções de centro e periferia. Numa cidade em que a própria geografia e o desenvolvimento urbanístico determinam de forma tão vincada sociabilidades distintas, vemos nestes trabalhos como as diferentes fronteiras e centralidades acabam por ser corrompidas.
Foram estes aspectos que quisemos destacar no processo de deslocamento dos projectos fotográficos para esta plataforma eminentemente visual e interactiva. De que forma a dispersão e localização das tomadas de vista foram condicionadas pela biografia de cada autor, por sentimentos de pertença, distanciamento, curiosidade ou desejo?
A Catchupa Factory – Novos Fotógrafos é uma iniciativa da AOJE e contou com o apoio do Ministério da Cultura de Cabo Verde e da Fundação Calouste Gulbenkian; o Curso de Projecto foi orientado por António Júlio Duarte e Diogo Bento e teve a participação de Pedro dos Reis (da RAUM) e Miguel Rodrigues que entre 16 e 18 de Maio conduziram um workshop e conversa sobre a fotografia e o espaço digital, no âmbito da iniciativa Raum: em Cabo Verde, com o apoio da Direção-Geral das Artes.

ver aqui 

04.01.2017 | por martalanca | António Júlio Duarte, cabo verde, Catchupa Factory, Diogo Bento, residências artísticas | 0 comentários

Lançamento do livro / Hélio Oicitica para além dos mitos

14.12.2016 | por marianapinho | Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, Hélio Oicitica | 0 comentários

nem meu nem teu… é nosso / Documentário de Nilton Medeiros e Magdalena Bialoborska

Estreia em Portugal: 11 de dezembro de 2016 | 16h
Sede da ACOSP - Associação da Comunidade de S. Tomé e Príncipe em Portugal,
Portas de Benfica-Edificio do Castelo Norte-PortaB
Apresentação de Abílio Bragança Neto e Augusto Nascimento
Duração: 25min
Novembro, 2016

Monte CaféMonte Café
Website:
https://www.facebook.com/nemmeunemteu.nosso/
Trailer:

Sinopse
São Tomé e Príncipe é um pequeno país insular situado no Oceano Atlântico a cerca de 300 km da costa oeste africana. No início do século XX quase toda a superfície do arquipélago era ocupada pelas roças, estruturas agrárias que surgiram para produzir em grande escala duas culturas introduzidas nas ilhas, café e cacau. A maioria das roças estavam nas mãos dos portugueses. Entre 1890 e 1920 as quantidades de cacau exportado do arquipélago eram significativas, mas o declínio da produção começou pouco depois.
Com a independência, as roças foram nacionalizadas e nas décadas que se seguiram a produção baixou ainda mais.
Actualmente a maior parte do património arquitectónico está em avançado estado de degradação e a produção de café e cacau é muito reduzida.
nem meu nem teu… é nosso” regista uma polifonia de opiniões sobre a nacionalização das roças em São Tomé e Príncipe.

Realização Nilton Medeiros e Magdalena Bialoborska
Locução David João Jochua
Imagem e montagem Nilton Medeiros
Fotos Arquivo histórico de STP
Produção Magdalena Bialoborska
Música
Filipe Santo
Blue Dot Sessions: album Migration | available under Public License in freemusicarchive.org.
A moment of reflection by Enrico Altavilla | provided by freesoundtrackmusic.com
Monkoto by Kevin MacLeod | licensed under Creative Commons by Attribution 3.0 License, provided by
incompetech.com

Pesquisa bibliográfica
Nascimento, Augusto (2002), Poderes e quotidiano nas roças de S. Tomé e Príncipe: de finais de oitocentos a meados de novecentos.
Pape, Duarte e Rodrigo Rebelo de Andrade (2013), As roças de São Tomé e Príncipe.
Seibert, Gerhard (2002), Camaradas, clientes e compadres. Colonialismo, Socialismo e Democratização em São Tomé e Príncipe.
Silva, Hélder Lains e (1958), São Tomé e Príncipe e a cultura do café.
Tenreiro, Francisco (1961), A Ilha de São Tomé.

Contactos | produção: magdabi@gmail.com | 963 612 816

07.12.2016 | por marianapinho | Magdalena Bialoborska, nem meu nem teu… é nosso, Nilton Medeiros, São Tomé e Príncipe | 0 comentários

«POLITICS – The politics of anti-racism in Europe and Latin America: knowledge production, decision-making and collective struggles» vence bolsa

Uma bolsa Consolidator Grant do Conselho Europeu de Investigação (ERC), no valor de 1,9 milhões de euros, foi atribuída a Silvia Rodriguéz Maeso, investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, para concretizar o projeto de investigação «POLITICS – The politics of anti-racism in Europe and Latin America: knowledge production, decision-making and collective struggles».

Sílvia RodriguezSílvia RodriguezO projeto de Silvia Maeso tem como desafio inovador aprofundar o conhecimento sobre o antirracismo, proporcionando uma maior compreensão sobre a forma como as injustiças historicamente enraizadas estão a ser questionadas por instituições e movimentos sociais de base. O estudo a efetuar tem dois objetivos principais: a) a análise de processos de produção de conhecimento sobre “raça” e (anti)racismo nas esferas da política governamental (inter)nacional, universidades públicas e movimentos sociais; b) a análise dos múltiplos caminhos de denúncia e mobilização coletiva contra o racismo quotidiano em relação às práticas policiais e às representações sobre (anti)racismo nos meios de comunicação social.

Este estudo desafia as lacunas nos estudos comparativos que têm trabalhado a partir de abordagens meramente avaliativas, sustentando-se em contextos de pesquisa que permitem interrogar as relações entre os níveis global, nacional e local, nomeadamente as realidades das Nações Unidas, a Organização dos Estados Americanos (OAS), da União Europeia (UE) e das políticas públicas, universidades públicas e movimentos de base em 4 países: Brasil, Peru, Portugal e Espanha. POLITICS procurará desvendar a configuração de diferentes noções de dignidade, justiça e igualdade resultantes das lutas antirracistas e das políticas públicas e a legislação recentes, que nos permitam pensar horizontes descoloniais. 

Neste concurso para Consolidator Grant, o ERC recebeu mais de 2300 candidaturas, com apenas cerca de 10% a conseguirem aprovação. O objetivo do ERC é o de apoiar os/as investigadores/as numa fase em que estão a consolidar as suas equipas de investigação independentes.

Doutorada em Sociologia Política (Universidade do País Basco), Silvia Maeso é investigadora principal do CES, onde integra a equipa do Núcleo de Estudos sobre Democracia, Cidadania e Direito (DECIDe). É professora nos Programas de Doutoramento «Democracia no Século XXI» e «Human Rights in Contemporary Societies» e no Mestrado Internacional «Roads to Democracy(ies)» (UC/University of Siegen). É ainda membro do Comité de Redação da revista e-cadernos ces e do Comité Editorial de Papeles del CEIC. Foi coordenadora executiva do projeto «TOLERACE - The semantics of tolerance and (anti-)racism: public bodies and civil society in comparative perspective». Entre as suas publicações mais recentes destacam-se: Eurocentrism, Racism and Knowledge: Debates on History and Power in Europe and the Americas (Palgrave Macmillan, 2015, coorganizado com Marta Araújo) e Os contornos do Eurocentrismo. Raça, história e textos políticos (Almedina, 2016, em coautoria com Marta Araújo).

Os seus interesses de investigação e ensino têm-se centrado nas áreas da: teoria sociológica, racismo e antirracismo em contextos europeus; Eurocentrismo e a produção da História; e Comissões da Verdade em contextos latino-americanos. 

Conseguidos nos concursos mais competitivos da Europa, este é já o sexto financiamento do ERC que o CES obtém, num total de mais de 9 milhões de euros. Depois da Advanced Grant atribuída a Boaventura de Sousa Santos (2010), no valor de 2,4 milhões de euros, para o projeto de investigação «ALICE – Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo», das Starting Grants outorgadas a Ana Cristina Santos (2013), para realizar o projeto «INTIMATE - Cidadania, Cuidado e Escolha: A Micropolítica da Intimidade na Europa do Sul» (1,4 milhões de euros), e a Miguel Cardina (2016), para desenvolver o projeto «CROME – Memórias cruzadas, políticas do silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais» (1,4 milhões de euros), e das Consolidador Grants atribuídas a Margarida Calafate Ribeiro e Helena Machado (2015), para desenvolverem, respetivamente, os projetos «MEMOIRS – Os Filhos dos Impérios e Pós-Memórias Europeias» (1,9 milhões euros) e «EXCHANGE – Geneticistas forenses e a partilha transnacional de informação genética na União Europeia: relações entre ciência e controlo social, cidadania e democracia» (1,8 milhões de euros).

As bolsas ERC que, com o apoio da UE, financiam a investigação de ponta no espaço europeu, têm sido pouco atribuídas a cientistas em Portugal. É, portanto, significativa mais esta atribuição a estudos conduzidos no Centro de Estudos Sociais, representativa da qualidade e inovação de projetos na área dos estudos críticos de “raça” e (anti)racismo.

Contacto para entrevistas: Silvia Maeso > srodrig@ces.uc.pt

05.12.2016 | por martalanca | anti-racismo, bolsa investigação, CES, Silvia Rodriguéz | 0 comentários

LEFT OVERS

WORKSHOP INTERNACIONAL DE ARTISTAS| Hangar 5.12. - 18.12.2016


ARTISTAS RESIDENTES:

JOÃO VASCO PAIVA (PT | HONG KONG)
ANDREIA SANTANA (PT)

JÉRÉMY PAJEANC (PT | FRANÇA)
CESAR SCHOFIELD CARDOSO (CABO VERDE)
LAILA HIDA (MARROCOS)
LEAH GORDON (UK)

ARTISTAS E CURADORES CONVIDADOS:
ALEXANDRE ESTRELA (PT)
HÉLICE (DUARTE AMARAL NETTO, JOÃO PAULO SERAFIM,
RODRIGO TAVARELA PEIXOTO, VALTER VENTURA) (PT)
JEANNE MERCIER (FR)
ALESSIO ANTONIOLLI (UK)

03.12.2016 | por martalanca | HANGAR | 0 comentários

Call for Papers / The Museum Reader: what practices should 21th century Museums pursue, how and why?

An International Conference
09 – 10 Março de 2017
Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa

A conferência internacional The Museum Reader, organizada pelo Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, tem por objectivo propor linhas temáticas e pontos notáveis para pensar, reflectir e debater novas realidades, práticas e condições de trabalho detectadas nos museus deste século XXI. Pretende-se analisar e sistematizar novos modos e paradigmas, tendências e diferentes práticas e formas de pensar o papel das instituições artísticas no contexto do actual panorama artístico.

Em foco estarão os seguintes temas:
· Os museus na passagem do século XX para o século XXI
· O museu e a concepção neoliberal de cultura
· As transformações paradigmáticas das instituições artísticas no contexto da actual ordem social, económica e política
· A crítica institucional enquanto investigação dos contornos e funcionamento das instituições de arte
· O museu como lugar de negociação e conflito
· O potencial das instituições e a nova esfera institucional: o novo Institucionalismo, a museologia radical, museologia crítica
· Crítica e experimentação nas instituições artísticas
· Práticas institucionais e não institucionais no museu
· Quais as exigências e desafios das práticas artísticas contemporâneas para os museus e instituições artísticas
· A futura identidade das instituições artísticas

Convidamos os interessados a enviar um resumo (não mais de 300 palavras), acompanhado de uma breve biografia (aprox. dois parágrafos) para os elementos do comité de organização, através do email themuseumreader2017@gmail.com,  até 13 de Janeiro de 2017. Os participantes serão notificados até ao fim de Janeiro e o programa da conferência será anunciado em meados de Fevereiro. As línguas da conferência são o inglês e o português.
Uma selecção das comunicações apresentadas na conferência serão publicadas num número especial da revista Wrong Wrong (wrongwrong.net, ISSN 2183-5527).
Para assuntos administrativos e questões práticas, por favor contactar Patrícia Melo (themuseumreader2017@gmail.com)
Mais informação aqui.

Comité de organização:
Sandra Vieira Jürgens [IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa]
Emília Tavares [Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado]

Comité científico:
David Santos  [Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa]
Fernando José Pereira  [Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto]
Helena Barranha [Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa]
Idalina Conde  [ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa]
Joana Cunha Leal [IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa]
Lúcia Matos [IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa; Faculdade de Belas Artes da Universidade do
Porto]
Margarida Brito Alves [IHA, DHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa]
Maria João Gamito [Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa]
Nuno Crespo [IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa]
Raquel Henriques da Silva  [IHA, DHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa]
Sandra Leandro [IHA, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa; Universidade de Évora]

Organização:
Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado: www.museuartecontemporanea.pt
Instituto de História da Arte, FCSH/NOVA: www.iha.fcsh.unl.pt
Este evento é financiado por Fundos Nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia no âmbito do projecto estratégico UID/PAM/00417/2013

30.11.2016 | por marianapinho | call for papers, Museu, Práticas artísticas, The Museum Reader | 0 comentários

Debate na Cinemateca: A Experiência Afro-Brasileira na Tela

“A Experiência Afro-Brasileira na Tela” 
10 - 15 de dezembro
Cinemateca Portuguesa, Casa Independente
Ciclo de cinema organizado pelo Queer Lisboa e EGEAC – Galerias Municipais/AFRICA.CONT

* Debate: “Leituras Queer do Cinema Afro-Brasileiro” (Entrada livre)


 Tendo por base a programação de cinema do ciclo “A Experiência Afro-Brasileira na Tela”, pretende-se analisar e debater questões ligadas à forma como a comunidade afro-brasileira foi historicamente representada no cinema do Brasil, assim como na cultura popular, com um foco especial nas questões do género e da sexualidade; até à reivindicação a que assistimos recentemente, da criação de um novo paradigma nessa representação, por parte de jovens cineastas afro-brasileiros. Será também debatido o papel das novas linguagens cinematográficas mais experimentais na construção desse paradigma e de como as estéticas e narrativas queer contribuíram para esta nova vaga de produções cinematográficas. 
O debate conta com a presença de Karla Bessa (Professora na Universidade Estadual de Campinas e investigadora nas áreas de História Política, Estudos Culturais, Estudos de Género, Sexualidade, Teoria Queer e Estudos Fílmicos), Viviane Ferreira (Cineasta, formada pela Escola de Cinema e Instituto Stanislavisky, e advogada que lida com direitos de autor, direito cultural e direito público) e Lolo Arziki (Realizadora e estudante).

 

28.11.2016 | por marianapinho | A Experiência Afro-Brasileira na Tela, Leituras Queer do Cinema Afro-Brasileiro | 0 comentários

Muvi - Festival Internacional de Música no Cinema

«Vê além do que ouves» foi o mote e o desafio aceite a partir do qual nasceu o Muvi - Festival Internacional de Música no Cinema, o único festival de cinema específico sobre música em Portugal, que de 29 de novembro a 5 de dezembro de 2016 regressa ao Cinema São Jorge, em Lisboa, para a terceira edição.

Este ano, no programa, vão constar homenagens a David Bowie, falecido no início do ano, e a Lemmy Kilmister, líder dos Motorhead, que nos deixou no final do ano passado, com um filme e um documentário sobre cada um e também a Pedro Cláudio, fotógrafo e realizador de vários vídeos de música.  

Vai também haver espaço para homenagear os 35 anos dos Heróis do Mar, através de um debate e projecção de vídeos da banda.

A sessão abertura do Muvi dá-se já esta terça-feira com a homenagem a David Bowie com a apresentação de Labirinto (Edição comemorativa dos 30 anos), um filme de Jim Henson e interpretado por David Bowie.

TER | 29 NOV | 21:00 | SALA MANOEL DE OLIVEIRA

JIM HENSON, EUA, 1986, FIC, 101’

Uma miúda de 16 anos (Jennifer Connelly) tem 13 horas para resolver um labirinto e resgatar o seu irmão quando o seu desejo para que este fosse levado é concedido pelo Rei Goblin (David Bowie). Sessão precedida pelos documentários “Capitão Fausto: Pontas Soltas” (40’) e “Hey Mr. Bass Player” (03’).

E no que diz respeito à parte competitiva, poderemos assistir a filmes como:

“Enterrado na Loucura” – Punk em Portugal 82-88”, de Hugo Conim e Miguel Newton,

QUA | 30.11 | 21:15 | SALA 3

Haverá um visionamento para a imprensa, às 16:30, quarta-feira, na sala 3

“Hired Gun”, Fran Strine

QUA | 30.11 | 21:00 | SALA MANOEL DE OLIVEIRA

“Benjamim: Auto Rádio”, de Gonçalo Pôla,

SEX | 02.12 | 21:15 | SALA 3 

“Capitão Fausto: Pontas Soltas”, de Ricardo Oliveira,

 TER | 29.11 | 21:00 | SALA MANOEL DE OLIVEIRA

“The Parkinsons: A long way to nowhere”, de Caroline Richards,

SÁB | 03.12 | 21:15 | SALA 3

“Filho da mãe: Rendufe“, de Miguel Filgueiras,

SÁB | 03.12 | 18:45 | SALA 3 

“I Shot Bi Kidude”, de Andy Jones  

QUI | 01.12 | 21:00 | SALA MANOEL DE OLIVEIRA

“Filhos de Bach”, de Ansgar Ahlers

SEX | 02.12 | 21:00 | SALA MANOEL DE OLIVEIRA

“I Am The Blues”, de Daniel Cross 

SÁB | 03.12 | 18:30 | SALA MANOEL DE OLIVEIRA

A terceira edição do Muvi terá pela primeira vez filmes concerto, salientando:

“Mar de Sines” de Diogo Vilhena QUI | 01.12 | 21:15 | SALA 3 + Filme-concerto Charlie Mancini

QUI | 01.12 | 23:15 | SALA 2 


“O Grande Monteleone”, de João Leitão terá uma nova roupagem musical tecida ao vivo pela pianista, compositora e improvisadora Catherine Morisseau. O realizador também estará presente. QUI | 01.12 | 21:30 | 

É de destacar, em paralelo à programação do Muvi, a realização dos vários concertos ao vivo que poderão ser vistos:

CONCERTO PATRULHA DO PURGATÓRIO CONCERTO PATRULHA DO PURGATÓRIO

QUA | 30.11 | 23:30 | SALA 2

CONCERTO com três projectos musicais: “Malaise”, “Bichos” e “Montalvor”

SEX | 02.12 | 23:00 | SALA 2

CONCERTO com três projectos musicais :“Viper”, “Vircator” e “Urso Bardo”

SÁB | 03.12 | 23:00 | SALA 2

Ver o programa de 2016

27.11.2016 | por martalanca | Música no Cinema, Muvi | 0 comentários

Wake Up Africa

O Wake Up Africa é um projecto Internacional que tem como objectivo a contribuição de São Tomé e Príncipe no despertar do continente africano. Esta contribuição passa pela valorização de África, nomeadamente o património, cultura, recursos humanos. Wake Up Africa pretende revelar segredos, contar histórias de vida, tirar sonhos do papel e trazê-los à realidade, encontrar diamantes por lapidar e dar-lhes forma… Queremos mostrar a África ao mundo! Wake Up Africa projecto aberto de intercâmbio intercontinental. Pretendemos actuar nos diversos campos da vida em Sociedade, tais como: Educação, Saúde, Economia, Tecnologia, Desporto, Meio Ambiente, Turismo, Artes, Cultura, entre outros… Dentre os campos enumerados pretendemos organizar colóquios, workshops, feiras, campanhas de sensibilização, colher experiências de outros países em projectos que sejam exequíveis e ver de que forma se pode implementá-los em São Tomé e Príncipe. 

27.11.2016 | por martalanca | mulheres, S.Tomé e Príncipe, wake up africa | 0 comentários