Concerto MCK + Bonga no Music Box I LISBOA

 

“Bonga é mais do que um nome. Bonga é um marco no mapa da identidade e da geografia afectiva de quase todos os angolanos. As canções de Bonga acompanham a História de Angola ao longo dos últimos cinquenta anos, da luta pela independência ao desespero dos anos da guerra, e à desilusão pelo muito que ficou por alcançar. O rapper MCK, por outro lado, representa a voz nova de um país ainda à procura de si próprio. O encontro entre Bonga e MCK constitui um momento histórico dentro de um outro momento histórico. É o encontro de dois rios, unidos na formação de uma nova música angolana, de um tempo novo, de uma outra consciência. A esse mar onde estes rios desaguam podemos chamar Esperança.”

Agualusa

 

MCKMCK

Dia 1 Setembro - Music Box - 22.30Bilhetes à venda nos lugares habituais.
+ info aqui. 

 

25.08.2015 | por martalanca | Bonga, liberdade já, Mck, presos políticos | 0 comentários

Saiu a Jeux Sans Frontiéres #2, dedicada a "Practices of resistance, Spaces of invention”,

O mundo rebenta pelas costuras, tomando a expressão em sentido literal: hipótese que não pretende ser sociológica nem crítica mas prática, imediata e evidente. A essas costuras, que rebentam permanentemente e à vista desarmada, JSF chama “fronteiras”. Não apenas aquelas que repudiam o estranho e o estrangeiro que esperamos manter afastado do nosso espaço exclusivo e territorial; mas ainda as que definem uma única crise, de tudo e por todo o lado.


Com o título Jeux Sans Frontiéres #2 e o subtítulo “Practices of resistance, Spaces of invention”, reúnem-se 13 textos de proveniências geograficamente diversas, escritos entre 2011 e 2014, mais umas poucas glosas acrescentadas pelos editores. Cada testemunho escrito corresponde a uma experiência localizada e singular que o nome de uma cidade tem como função marcar: Madrid, NYC, Rabat, Amesterdão, São Paulo, Lisboa, Kaunas, Milão, Atenas, Santiago do Chile. 

A JSF#2 parte das ocupações das praças que desde 2011 se fizeram sentir um pouco por todo o lado – motivo inicial que orienta, mas não esgota, a leitura deste conjunto de textos. Dar conta das formas de resistência política desenvolvidas ao longo dos últimos anos, passa por situá-las na relação com os espaços que então se abriram ou fecharam. Passa igualmente por inventariar algumas das práticas que jogaram mais ou menos positivamente com o conjunto das limitações – materiais tanto quanto subjectivas – que em cada caso, e segundo as incidências do lugar, definiram um ou outro conflito mais ou menos declarado, mais ou menos próximo ou afastado da visibilidade e dos holofotes dos media.

 

Aqui o álbum de fotografias gentilmente divulgado pela livraria STET.

Jogos Sem Fronteiras (J-S-F) é uma plataforma transdisciplinar situada na intersecção entre arte, política e teoria crítica. Tendo começado em 2007 com a edição da revista Jogos Sem Fronteiras #1 dedicada à fronteira sul da Europa – a cujos massacres de Ceuta e Melilla em 2005 tentava responder –, foi reactivada em 2011 em Nova Iorque, no quadro do ciclo Crisis of Everything Everywhere organizado pelo 16 Beaver Broup no rescaldo das experiências de OWS.Tem como parceiro estreito a plataforma media BUALA (de que constitui uma secção).

 

Agradecimentos: Dolores Papa, Sofia Costa Pinto, Paulo Raposo, Paula Godinho, Maria Alice Samara, David-Alexandre Guéniot, Filipa Valladares, Pedro Levi Bismarck, Marta Brito, Pedro M Lagoa, Marta Lança

09.08.2015 | por martalanca | jogos sem fronteiras | 0 comentários

CONCERTO LIBERDADE JÁ | FREEDOM NOW! Lisboa

Solidariedade com os presos políticos de Angola

Em prol da campanha LIBERDADE JÁ | FREEDOM NOW, acontecerão em simultâneo, este próximo Domingo dia 2 de Agosto, em Luanda e em Lisboa, concertos em Solidariedade com os activistas e presos políticos de Angola sob acusação de tentativa de golpe de estado. A demora na apresentação das evidências que provem o alegado crime, tem causado uma enorme onda de indignação em várias esferas da sociedade angolana, portuguesa e também no seio da comunidade internacional. 

Em Lisboa, na Galeria Zé dos Bois das 18h às 24h, passarão pelo palco os artistas e músicos: Alek Rein, Aline Frazão, António Poppe, B Fachada, Bilan, Candidato Vieira, Dino d’Santiago, Dj Satélite, Dj Ricardo, Éme, Kalaf, Hélio Morais, Joaquim Albergaria, Makoto Yagyu, Maio Coopé, Marta Dias, Pedro Sousa, Pega Monstro, Selma Uamusse e Ricardo Pinto, Tiago Sousa, XHangué Duo.

Em Luanda, no mesmo dia e hora no Elinga Teatro, subirão ao palco os músicos e artistas: Abada Capoeira - Zwela Hungu, Laurinda Manuel Gouveia, Manuel Victoria Pereira, MC K, Jack Nkanga, Mona Dya Kidi, Pretos Racionais, Jang Nómada, Emmanuel Pittra, Globo 112, Fat Soldiers, Dinamene, de entre outros.

Este evento, uma iniciativa de músicos, escritores, artistas e agentes culturais, visa por este meio solidarizar-se com os activistas presos há mais de um mês. Este é um apelo ao direito à liberdade de expressão e de pensamento.

Não podemos ficar indiferentes perante esta situação em Angola. Acreditamos que o silêncio, para além de nos tornar cúmplices de uma grande injustiça, é também o maior algoz da liberdade. Pretendemos assim, unir as nossas vozes às do POVO ANGOLANO para que todos participemos no seu crescimento, com os olhos secos, e com o coração livre do medo.

 

ZDB 

Rua da Barroca, nº 59 (Bairro Alto)

 

contacto Plataforma Liberdade Já | Freedom Now

liberdade20j@gmail.com

31.07.2015 | por martalanca | liberdade já | 0 comentários

CONCERTO LIBERDADE JÁ! | FREEDOM NOW! Luanda

Músicos, atores, artistas & agentes culturais apelam ao direito à Liberdade de Expressão”

 Elinga Teatro acolhe concerto em solidariedade aos jovens activistas presos sob acusação de tentativa de golpe de estado.

 Em prol da campanha LIBERDADE JÁ | FREEDOM NOW, será realizado neste Domingo, 02 de Agosto de 2015 a partir das 16h00 no Centro Cultural Elinga Teatro,  um concerto em solidariedade aos jovens ativistas presos em Angola, sob acusação de tentativa de golpe de estado. A demora na apresentação das evidências que provem o alegado crime, tem causado uma enorme onda de indignação em várias esferas da sociedade angolana e também no seio da comunidade internacional.

O concerto é uma iniciativa de músicos, atores, artistas e agentes culturais que pretendem por este meio, apelar ao direito à liberdade de expressão e de pensamento consagrado na Constituição da República.

Não podemos ser indiferentes a esta situação flagrante, que põe em causa a liberdade de todos nós. Acreditamos que o silêncio, além de nos tornar cúmplices de uma grande injustiça, é também o maior algoz da nossa liberdade. Pretendemos assim, unir as nossas vozes  por uma Angola em que possamos todos participar do seu crescimento, com os olhos secos, e com o coração livre do medo.

Domingo, 2 de Agosto, a partir das 16h no Centro Cultural Elinga Teatro, contará com as participações de: Abada Capoeira - Zwela Hungu, Laurinda Manuel Gouveia, Manuel Victoria Pereira, MC K, Jack Nkanga, Mona Dya Kidi, Sábio Louko & Ngamba Spoken Word, Pretos Racionais, Sanguinario, Jang Nómada, Emmanuel Pittra, Globo 112, Fat Soldiers, Dinamene entre outros.

  

Vídeos Liberdade JÁ! | Freedom NOW!

Facebook: 

https://www.facebook.com/pages/Liberdade-aos-Presos-Pol%C3%ADticos-em-Angola/1606187489646481?fref=ts

30.07.2015 | por martalanca | activistas, concerto, liberdade já, repressão | 0 comentários

Liberdade para os presos políticos angolanos JÁ!

20.07.2015 | por martalanca | angola, Liberdade de expressão, presos políticos | 0 comentários

Migrações Artísticas Em e Para Além de Lisboa

Conversa com o artista Irineu Destourelles e a investigadora e professora Manuela Ribeiro Sanches, Diretora do Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Data: 15 de Julho de 2015
Hora: 19:00 horas
Local: HANGAR Centro de Investigação Artística
Ciclo organizado por Ana Balona de Oliveira (CEC-FLUL/CITCOM/Deslocalizar a Europa/Cultura Visual, Migração e Globalização & IHA-FCSH-UNL/CASt).
Irineu Destourelles (n. Cabo Verde) estudou na Willem de Kooning Akademie, Roterdão, e no Central St. Martins College of Art and Design, Londres. O seu trabalho foi exibido na Casa África, Las Palmas, Fondazione Giorgio Cini, Veneza, ICA, Londres, e Hangar Bicocca, Milão, entre outros. Vive e trabalha entre Edimburgo e Londres.
As raízes das estruturas sociais pós-coloniais e pós-imperiais têm sido o foco da prática artística de Destourelles, que inclui media diversos, desde vídeos minimalistas à base de texto até pinturas sensuais densamente texturizadas, que investigam a forma como palavras e imagens operam para definir significados sociais. No seu escrutínio de contextos sociais e textos visuais e escritos, Destourelles atua sobre símbolos com significados históricos carregados para explorar a ressonância de discursos (como, por exemplo, a filosofia política de Stuart Mill ou a filosofia da história de Hegel) e a forma como estes determinam relações sociais e modos de pensamento atuais.

Irineu Destourelles participa no programa de residências artísticas 180º Artistas ao Sul em Julho de 2015 no Hangar em Lisboa.

13.07.2015 | por martalanca | migrações | 0 comentários

PLANISFÉRIOS IMAGINÁRIOS de Pedro Campelo

26.06.2015 | por martalanca | Pedro Campelo, pintura | 0 comentários

II Seminário Internacional sobre Infâncias e Pós-colonialismo: Pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras

O grupo de estudo e pesquisa GEPEDISC – Linha Culturas Infantis traz para o debate nesta segundo edição do Seminário Internacional sobre Infâncias e Pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras a produção de conhecimento a respeito das várias infâncias desse país, bem como os processos de criação de pedagogias descolonizadoras para a educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental.

Lançamos nossos olhares para o pensamento Pós-Colonialista procurando ressignificar antropofagicamente os saberes e criando novos arcabouços teóricos que visem a equidade social. Ao questionarmos e resistirmos aos dispositivos do modelo canônico científico europeu, tentamos não apenas negar ou estabelecer novas hierarquias com relação aos valores culturais e científicos da Europa ocidental, mas sim, o oposto, ou seja, trata-se de desconstruir valores hegemônicos, marcados pela herança patriarcal, androcêntrica e racista que submetem as crianças desde a mais tenra idade a um conjunto de sistemas que colonializa as diferenças étnico-raciais, sexuais e de gênero.

Para que seja possível a criação de pedagogias descolonizadoras da infância, propomos durante as discussões do Seminário o esforço de retorno a gênese histórica da edificação das desigualdades e “estereotipização” das diferenças. Em um movimento para desnaturalizar as hierarquizações e estratificações por idade, gênero, raça, formas corpóreas e sexualidade.

24.06.2015 | por martalanca | Infâncias e Pós-colonialismo | 0 comentários

ARE YOU FOR REAL?

O AFRICA.CONT/CML E O FESTIVAL DE CINEMA QUEER LISBOA

apresentam ARE YOU FOR REAL? 4 – 11 JULHO

O movimento blaxpoitation, a filosofia e estética de Sun Ra, a obra de Isaac Julien e a performance de Vaginal Davis são alguns dos destaques do ciclo “Are you for real?” Uma viagem Afrofuturista do Blaxpoitation às Utopias Queer Visuais e Sonoras

CINEMATECA PORTUGUESA-MUSEU DO CINEMA, ZDB, c.e.m, FONTÓRIA

 

20.06.2015 | por martalanca | africa.cont | 0 comentários

Lançamento de Choriro, último livro do Ungulani Ba Ka Khosa, a 17 de Junho em Lisboa

Por ocasião da publicação da sua última obra, Choriro, o escritor moçambicano Ungulani Ba Ka Khosa e a Sextante Editora estarão presentes a partir das 18h30 na livraria Bertrand, no bairro do Chiado (Rua Garett n°73-75, Lisboa). A apresentação da obra será realizada pela romancista portuguesa Lídia Jorge.

 

A escrita do Ungulani Ba Ka Khosa está repleta de imagens, é poética e metafórica mas, também, sob uma aparente inocência ou ligeireiza, impiedosa e muitas vezes onerosa (uma escrita que não poupa os leitores!). Entre os escritores moçambicanos, Ungulani Ba Ka Khosa é o mais reconhecido da sua geração. Autor de sete romances, recebeu algumas honrosas distinções: a sua primeira obra, Ualalapi (1987), obteve o Grande Prémio de Ficção Moçambicana em 1990, Os sobreviventes da Noite (2007), o prémio José Craveirinha de Literatura en 2007.

 

Recomenda-se vivamente a leitura das suas obras… Venham encontrar o autor e o seu livro!

 

 

 

13.06.2015 | por camillediard | Choriro, lançamento, literatura, livro, Ungulani Ba Ka Khosa | 0 comentários

Lancement de Choriro, dernier livre de Ungulani Ba Ka Khosa, le 17 juin à Lisbonne

A l’occasion de la parution au Portugal de sa dernière œuvre, Choriro, l’écrivain mozambicain Ungulani Ba Ka Khosa et son éditeur (Sexta Editora) seront présents à partir de 18h30 à la librairie Bertrand, dans le quartier Chiado (Rua Garett n°73-75, Lisbonne). La présentation de l’œuvre sera assurée par la romancière portugaise Lídia Jorge.

 

L’écriture de Ungulani Ba Ka Khosa est imagée, poétique, métaphorique, mais aussi sous une apparente innocence ou légèreté, impitoyable et souvent éprouvante (cette littérature ne ménage pas ses lecteurs!). Ungulani Ba Ka Khosa est parmi les écrivains mozambicains les plus reconnus de sa génération. Auteur de sept romans, il a reçu pour certains d’honorables distinctions : sa première œuvre, Ualalapi (1987), a obtenu le Grand prix de fiction mozambicaine en 1990, Os sobreviventes da Noite (2007), le prix José Craveirinha de Literatura en 2007.

 

La lecture de ses œuvres vous est vivement recommandée… Venez nombreux à la rencontre de l’auteur et de son roman !

 

 

13.06.2015 | por camillediard | Choriro, lancement, litterature, livre, Ungulani Ba Ka Khosa | 0 comentários

Kiluanji Kia Henda expõe na Polónia, Suiça e Itália

A exposição “After Year Zero” inaugura a 12 de Junho, no Museu de Arte Moderna de Varsóvia. Conta com a participação do artista Kiluanji Kia Henda. É a segunda parte de um projecto curatorial com a instituição Haus der Kulturen, Berlim, que reflete sobre o período de descolonização após 1945, através de vários meios artisticos, como o video, fotografia, pintura e instalação.

Redifining the powerRedifining the power

Henda apresenta um tríptico fotográfico do trabalho “Redifining Power” (com a colaboração de Miguel Prince), parte integrante da série “Homem Novo”. As imagens exploram o poder da representação na esfera pública, quando um personagem vivo se torna uma escultura e se apropria de pedestais deixados vazios no passado colonial. Com curadoria de Annett Busch e Anselm Franke, a exposição, que será documentada e publicada em livro, interroga a construção da história como narrativa, e as discussões em torno do termo “Universalismo”, utilizado para sustentar imaginários na política e na construção da ordem global.

Outros artistas presentes na exposição (concebida e desenhada desde há 3 anos em oficinas de arte e discussões em cidades como Algiers, Dakar, Paris e Joanesburgo) são: John Akomfrah, Kader Attia, Balufu Bakupa-Kanyinda, Kudzanai Chiurai, Jihan El-Tahri, Theo Eshetu, Yervant Gianikian e Angela Ricci Lucchi, Ruy Guerra, Walter Heynowski and Gerhard Scheumann, Małgorzata Mazurek, Sana na N’Hada, Daniel Kojo Schrade, para citar alguns. O trabalho de Kiluanji Kia Henda é destacado pelos curadores como “uma linha de voo em direção a um futuro que deverá ser inventado, mais do que esperado”.

 

Escultura em Zurique

Kiluanji Kia Henda foi convidado para o Festival de Arte Pública AAA (ART ALTSTETTEN ALBISRIEDEN) em Zurique, Suíça, que começou a 13 de Junho. Áreas específicas da cidade recebem intervencões de cerca de 30 artistas que criam, questionam e reflectem sobre o habitat urbano e desdobram as meta-narrativas reais ou mágicas latentes nesse mesmo espaço.

Continuar a ler "Kiluanji Kia Henda expõe na Polónia, Suiça e Itália"

13.06.2015 | por martalanca | arte comporânea, escultura, exposição, kiluanji kia henda | 0 comentários

Os Cinemas das Independências Africanas

28.05.2015 | por martalanca | cinema | 0 comentários

Pã, não chora não, de Gabriel Abrantes, no Cinema Ideal, LISBOA

Pã, não chora não, 3 contos de Gabriel Abrantes
LIBERDADE ~ TAPROBANA ~ ENNUI ENNUI
Distribuição Galeria Zé dos Bois www.zedosbois.org
Cinema Ideal ~ Estreia 4 de Junho, c/ presença de Gabriel Abrantes

Pã, Não Chora Não junta 3 filmes - “Liberdade”, “Taprobana” “Ennui Ennui” - três contos que interagem uns com os outros pelo leitmotif comum ao trabalho de Abrantes – o pós-colonialismo, a mistura cultural e sexual, a globalização e a ascensão do fundamentalismo religioso.

Liberdade
Realizado em colaboração com Benjamin Crotty, Ficção, Portugal/Angola 2011, 17’, S16
 
Liberdade é jovem e sonha com o futuro. A seu lado está uma bela chinesa. Mas falta uma coisa para tudo ser eternamente perfeito. Gabriel Abrantes, de novo com Benjamin Crotty, explora irónica e poeticamente um universo abatido, em que os barcos que jazem no mar não são mais do que as ossadas da actual civilização. (Miguel Valverde)

Taprobana
Ficção, Portugal/Sri-Lanka /Dinamarca 2014, 24’, S16
Nesta pequena comédia, Luís Vaz de Camões debate-se criativamente ao engrenar num estilo de vida hedonístico, coprófago e baralhado pelo consumo de drogas. O filme acompanha o poeta, e a sua amante Dinamene, na altura em que escreve Os Lusíadas. Viaja desde a cacofonia das selvas índicas, rodeado de elefantes alegóricos e macacos que rimam, até à fronteira entre o Céu e o Inferno, onde é confrontado com a sua fantasia: a fama e a imortalidade.

Ennui Ennui
Ficção, Portugal/França 2013, 33’, HD
Ennui Ennui é um filme em três línguas que mistura drones, o presidente dos Estados Unidos, a troca de noivas tribal e o voluntariado ocidental, numa paródia de Gabriel Abrantes sobre o conflito militar no Afeganistão.

Pã, não chora não, 3 contos de Gabriel Abrantes
LIBERDADE ~ TAPROBANA ~ ENNUI ENNUI. 
Distribuição Galeria Zé dos Bois www.zedosbois.org
Cinema Ideal ~ Estreia 4 de Junho, c/ presença de Gabriel Abrantes
Exibições 4 a 10 de Junho 2015. diariamente às 19h. 

27.05.2015 | por franciscabagulho | cinema | 0 comentários

Celebração do Dia de África - FESTA em Lisboa

23.05.2015 | por martalanca | dia de áfrica | 0 comentários