Concurso Internacional de Banda Desenhada/ Histórias em Quadrinhos Avenida Marginal

A quarta edição do Concurso Internacional de Banda Desenhada/ Histórias em Quadrinhos Avenida Marginal está a receber narrativas numa única prancha (página) até 25 de novembro de 2018. O primeiro prémio consiste de 500 euros e um ano de propinas pagas em licenciatura ou mestrado na Universidade Lusófona de Lisboa.
Não temos limite de idade e o tema é livre. Para além disso as melhores histórias farão parte de uma exposição itinerante até 2021. O concurso está aberto a todos os autores que residem em países lusófonos (CPLP) e diáspora portuguesa no mundo. Para mais informação leia o regulamento em https://concursobdavenidamarginal.blogspot.com

05.09.2018 | por martalanca | Avenida Marginal, banda desenhada

Antropocenas em Évora

6 de setembro, 22h, teatro Garcia Resende, Évora

Antropocenas é uma colaboração entre Rita Natálio e João dos Santos Martins com a contribuição de diversos agentes nas áreas da ecologia, dança, antropologia e artes visuais. Uma palestra dançada onde plantas, pedras, gatos, dildos e relva-nas-axilas podem ser os principais oradores, onde samambaias discutem os seus direitos jurídicos, sacos de plástico suicidam-se, animais fazem petições contra a sua extinção, jardineiros cortam os cabelos de plantas humanas, onde abraçamos ursinhos de poluição, comemos terra. Textualmente, ideias da história de arte e da antropologia contemporânea misturam-se, opõem-se, matam-se e esfolam-se para destituir certos ideais de natureza.

Parte-se da discussão em torno do Antropoceno e da atual crise climática, mas também das cosmologias ameríndias, das etnografias multi-espécie, do racismo estrutural, do blues dos robots e de um tronco de sumaúma cortado para que humanos pudessem dançar sobre ele. Sabemos que ecocídio=genocídio e que não vamos mudar o mundo porque este já acabou. O meio ambiente é um ambiente partido ao meio. O capitalismo é um eterno garimpo do ou(t)ro. Ecologia não desce a temperatura.                

Partimos de um exercício de inverter ou suspender alguns lugares comuns: e se em vez de pensarmos a natureza como mãe, pensássemos a natureza como amante ou paciente em estado terminal? E se tentássemos pensar ecologia sem natureza? E se abandonássemos o conceito de humano e nos assumíssemos como máquinas de compostar? E se nos deixarmos levar pela empatia com o não-humano, um submundo onde convivem simultaneamente a ideia que temos de mundo natural, mas também certos corpos humanos desumanizados, escravizados? Um requiem celebratório, enlutado e mais próximo da catástrofe do que da purificação. Ecologia melancólica ou arte de aprender a desesperar. Antropo ma non troppo​

05.09.2018 | por martalanca | Antropocenas, João dos Santos Martins, Ritá Natálio

Que ainda alguém nos invente, inspirado na vida da Rainha Njinga Mbandi

É um ritual que vacila entre o orgulho e o remorso. Entre o conflito e a confidência fundem-se os papéis de rainha e mulher. Deixa-se de se distinguir quem é quem na glória e na vaidade, pois o atrevimento também é próprio da conquista.

Njinga Mbandi invoca os seus mortos numa conversa consigo mesma, fala do que foi e do que poderá nunca ter sido, não esgota o seu transe em estórias reféns do seu tempo. Resistindo sempre, dissimuladamente. Atormentando e perseguindo à vez ora homens ora vontades, as suas e as dos a si entregues, guerreiros, escravos e traidores. Filha, irmã e amante, Njinga terá tempo de contar a sua versão, escusando-se ao logro de um passado forjado, divinizado e imaculado no seu desígnio. 

Teatro Griot I texto dramático inédito: Ricardo P. Silva

encenação: Paula Diogo I actores: Daniel Martinho, Gio Lourenço, Matamba Joaquim, Zia Soares I  movimento: Vânia Gala I  materiais cénicos: Francisco Vidal I espaço cénico e figurinos: Mariana Monteiro I luz: Pedro Correia I música original: DJ Marfox e DJ N.K. design de som: Chullage assistência de encenação: Carlos Alves tradução para kimbundo: Galiano Neto

fotografia: Sofia Berberan vídeo teaser: David Cardoso

produção executiva: Urshi Cardoso

co-produção: Teatro GRIOT, Teatro Municipal do Porto

Duração aprox. 1h30 M/14

Em cena no Teatro do Bairro (Rua Luz Soriano, 63 (Bairro Alto),1200-246 Lisboa)13 a 23 de Setembroqua a sáb, 21:30; dom, 17h

RESERVAS: 21 347 33 58 | 91 321 12 63 (15h - 19h)
Bilhetes:10€, normal7,50€, c/desconto5€, grupos +10 pax

Ricardo P. Silva, autor

“ Que Ainda Alguém Nos Invente é um texto inspirado na vida da Rainha Njinga Mbandi, soberana do Reino do Ndongo e da Matamba e o resultado de um intenso processo de filtragem de informação, baseada em narrativas deixadas ao longo de mais de três séculos por intervenientes reféns da sua própria agenda política, fins religiosos ou meros compromissos comerciais. A peça determina por isso que prevaleçam apenas os indícios, os prenúncios e os sintomas do que poderá ter sido. Sabe-se hoje e saber-se-ia então que a distorção premeditada de narrativas, de maneira a influenciar a perceção de modos de vida diversos, faz com que não seja possível distinguir com segurança facto, mito ou manipulação. A discussão académica sustentada em grande parte pela documentação produzida pelo padre capuchinho Cavazzi de Montecúccolo e pelo historiador e militar português António de Oliveira de Cadornega, ambos coevos de Njinga Mbandi, ou pelos estudos mais recentes de historiadores como John Thornton ou Joseph C. Miller, assim como tantos outros artigos de investigação de inúmeros autores contemporâneos, deixa bem claro que não existe consenso em relação a muitas das famosas ocorrências relatadas e que ao longo destes 350 anos se têm vindo a sedimentar no imaginário coletivo. Mas para além da fantasia subsiste, porém, sempre algo que resiste, para além da apologia e da censura, independente. Permanece, no caso, o carácter extraordinariamente forte, hábil e intempestivo de Njinga Mbandi. E é por via desta certeza que a peça se desenvolve, através de um constante jogo de insinuações e especulação, conflitos e confidências entre quatro personagens, todos vivos e todos mortos, Njinga e o seu pai Ngola Kiluanji, Ngola Mbandi, irmão, ambos de origem Mbundu e ainda Kaza, o seu marido-aliado, de origem Imbangala. 

Guerreira e adivinha, déspota e heroína, protectora dos seus, comerciante de escravos, letrada e vaidosa, cruel, orgulhosa e imprevisível, Njinga aterrorizava – perseguindo – e enquanto perseguida, resistindo, jamais se rendeu.”

Paula Diogo, encenadora

O convite dos Griot para esta “conversa” com a Rainha Njinga do Ricardo, já vem de longe, acho que passaram pelo menos três anos desde que falámos pela primeira vez do projecto. 

Rebecca Solnit no livro “The Faraway Nearby” diz que contar uma história pressupõe empatia, colocar-me no lugar do outro, fazer um movimento deste lugar para aquele. Nesta reflexão sobre a figura de Njinga Mbandi, o primeiro movimento foi o de tentar conhecer uma personagem sobre a qual sabia pouco e essa primeira aproximação abriu caminho a outras aproximações a territórios igualmente desconhecidos: à história de um país que começa a escrever a sua História em nome próprio, à história de um povo que quer participar da escrita da sua própria História, à história de uma língua materna que não cabe na boca porque nunca nos foi ensinada, à história de uma geração que nasceu entre dois países e que não tem a nacionalidade necessariamente escrita no passaporte.

Ao olhar agora para o espectáculo que criámos juntos continuo a descobrir linhas de pensamento sobrepostas que seguramente continuarão a desmultiplicar-se no momento da chegada do público.

O espaço cénico do espectáculo foi construído seguindo uma lógica de pilhagem, que reproduz o espaço do atelier do artista visual Francisco Vidal invadido pelas palavras de Ricardo P. Silva e pelos corpos dos actores em luta com o movimento da coreógrafa Vânia Gala. Esta ideia de pilhagem permitiu-nos pensar sobre a figura de Njinga fora da lógica do herói das histórias que nos são contadas em criança, mas como personagem de facto, movida por vontades, convicções, culpas e desejos.

“Que ainda alguém nos invente” é também uma guerra. Os corpos são obrigados a manter-se em movimento, avançando e recuando, varrendo o espaço ou sendo varridos, reinventando territórios e fronteiras e convocando periferias invisíveis. A música de DJ Marfox marca o compasso dessa latência e apela constantemente à resistência e ao delírio.

“Desobediência. Por todo o tempo que haja que dure.” 

30.08.2018 | por martalanca | Rainha Njinga Mbandi, teatro griot

LINHA DE FUGA, OPEN CALL Convocatória Laboratório Internacional de Criação Artística

Linha de Fuga decorrerá em Coimbra, entre 10 de novembro e 1 de dezembro de 2018. Para lá da dimensão de Festival aberto ao público, com a apresentação de espetáculos em vários locais da cidade, LINHA DE FUGA realiza um Laboratório que pretende promover o encontro entre artistas nacionais e estrangeiros para intercâmbio de práticas artísticas.

Ana Borralho & João Galante (PT), Federica Folco (UY), Luciana Fina (IT/PT), Miguel Pereira (PT), Sergi Faustino (ES) e Thomas Hauert (CH/BE) são os artistas da primeira edição que, paralelamente à programação do Festival, vão dirigir os seminários do LINHA DE FUGA. O Laboratório reunirá 20 profissionais das artes (teatro, dança, vídeo, música, escrita), selecionados por convocatória internacional, que tenham interesse em confrontar os seus projetos e as suas práticas com as dos artistas convidados e dos seus pares.

Cada participante do LINHA DE FUGA é desafiado a partilhar um trabalho em processo (que poderá encontrar-se em distintos momentos de desenvolvimento) que será o seu objeto de estudo nos seminários práticos. O objetivo é promover o confronto de práticas artísticas, num processo de trabalho colectivo e participado, que se desenvolverá num campo de experimentação, aprendizagem e partilha de conhecimentos. Pensado como uma Zona Autónoma Temporária, segundo o conceito de Hackim Bey, LINHA DE FUGA terá momentos de trabalho coletivo (onde os participantes podem apresentar, discutir e desenvolver os seus projetos artísticos em relação com outros criadores e outras práticas) e períodos de trabalho pessoal com diferentes metodologias (colaboração com outros participantes, acompanhamento individual com os artistas convidados ou desenvolvimento da própria pesquisa).

Pensado especificamente para Coimbra, o Laboratório é uma instância de transmissão e produção de conhecimento através de práticas de criação. O Festival, que é realizado em parceria com entidades da cidade, decorre em vários locais, com uma cadência de apresentações semanais, e pretende discutir a importância da arte como fator social crítico a nível local e global.

LINHA DE FUGA propõe estabelecer uma relação entre participantes do Laboratório, artistas convidados e públicos da cidade, num circuito que permita expor distintas práticas e pensamentos artísticos, tanto apresentando à cidade obras da artistas-mediadores, como os processos em trabalho dos artistas participantes do laboratório.

LINHA DE FUGA é um projeto com curadoria de Catarina Saraiva, promovido pelas Produções Real Pelágio, estrutura financiada pela Direção Geral das Artes / Ministério da Cultura. A Câmara Municipal de Coimbra/Convento de São Francisco, Teatro Académico Gil Vicente, A Escola da Noite, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e o Citemor (co-produtor do Laboratório) são entidades parceiras.

+ info www.linhadefuga.pt

18.08.2018 | por martalanca | artes performativas, Coimbra, laboratório, Linha de Fugas

Innovation, Invention and Memory in Africa - CHAM International conference in Lisbon, 17-20 July 2019

CHAM is proud to announce the organisation of its IV International Conference on  Innovation, Invention and Memory in Africa. Following very successful previous editions we are now focusing on Africa, its heritage, challenges and achievements. 

As a leading centre in the Humanities, CHAM aims in this edition to foster the presentation and discussion of multiple disciplinary approaches and contributions to the understanding of cultural, literary, historical, social, educational, artistic, ecological, and political landscapes in Africa. The conference will bring together students, academics, policymakers, community leaders, artists. It will promote a broad disciplinary approach to African Studies and a dynamic forum for discussion and knowledge production. A particular attention will be dedicated to the importance of future leaderships and to the role of young policymakers, researchers and artists. 

Call for panels: 5 July 2018 - 16 October 2018

Call for papers & posters: 1 November 2018 - 5 Feb 2019
Early bird registration: 14 March 2019 - 18 April 2019

Keynote

Paul Gilroy (Professor of American and English Literature, King’s College London)

Read more about the conference concept

Please note that the working language of the conference is English. Presentations may be delivered in Portuguese, although proposals (titles/abstracts) should be presented in English, and consideration given to the global audience.

03.08.2018 | por martalanca | Africa, CHAM, Conference

RETIROS NA NAVE Desenhar e Percorrer uma Paisagem

de 1 a 7 de Outubro de 2018 em Castelo de Vide Wandering and drawing a landscape - 1st to 7th of October, Castelo de Vide, Portugal

Aulas de Desenho e Percursos na Natureza: uma experiência de desconexão das tecnologias digitais no interior alentejano.

Durante uma semana, vamos desligar as nossas câmaras fotográficas e smartphones para ver, sentir e registar o que nos rodeia sem a mediação de ecrãs digitais. Ao desenhar levamos as linhas a dar uma volta, já nos dizia Paul Klee. Ao caminhar, inscrevemos traços nos percursos que atravessamos. Estas duas actividades articulam o tempo com o espaço e recolocam-nos no aqui e no agora. Através de exercícios de deambulação e de observação, vamos explorar várias técnicas de desenho que associam o gesto da inscrição gráfica ao gradual reconhecimento do lugar.

Drawing Classes and Walking tours in the Nature: an experience of disconnection of digital technologies in the Portuguese countryside.
For a week, we’ll turn off our cameras and smartphones to see, feel and record what surrounds us without the mediation of digital screens. While drawing we take the lines for a walk, as Paul Klee once told us. When walking, we inscribe traces through on paths we are crossing. These two activities articulate time and space and relocate us here and now. Through walking and observation exercises, we will explore several drawing techniques that link the gesture of graphic inscription to the gradual recognition of the place.

PROGRAMA | SOBRE A NAVE | QUEM SOMOS | INSCRIÇÕES | CONTACTOS

PROGRAM | ABOUT NAVE | ABOUT US SUBSCRIPTIONS | CONTACTS

03.08.2018 | por martalanca | desenho, paisagem

NAU! Instalação / Conferências / Concertos / Performance

Todos os fins-de-semana de julho
Praia Homem do Leme (Foz do Porto)
Entrada livre 
Instalação 11h00 – 22h00
Atividades paralelas 19h00 
NAU!
Antecipando a comemoração dos 500 anos passados sobre a circum-navegação marítima por Fernão de Magalhães (1519), chegou a altura de lhe fazer perguntas. Continuamos a aceitar uma História escrita sobre os discursos dos outros: uma narrativa de glorificação, expansionista, colonialista, imperialista. O que ficou de fora desta historiografia? NAU! é uma instalação que usa um contentor marítimo como simulacro, um dispositivo imersivo que procura, também, a emersão: o espectador intervém no espaço, trazendo à tona o avesso do discurso historiográfico da circum-navegação. O exterior da instalação serve igualmente de espaço de encontro, de discussão e problematização públicas do colonialismo e da historiografia, convocando conferências e performances abertas a todos. NAU! procura, usando as palavras de Walter Benjamin, “escovar a história a contrapêlo”.

→ 28 JUL, 19h, Rita Natálio | “Geofagia”
Geofagia’ é a vontade ou hábito de comer terra. Alguns papagaios comem argila vermelha num ato de auto-medicação. Um mito Yanomami começa assim: “Essa é a história dos nossos antepassados que aos poucos se multiplicaram. Ela começa na época em que não havia Yanomami como os de hoje. Os comedores de terra sofriam, porque eles comiam terra. Nós também quase teríamos sofrido, como as minhocas, por cavar a terra e tomar vinho de barro, se não fossem os acontecimentos que seguem.” O modelo colonial, iniciado precocemente por Portugal no século XVI, está intrinsecamente ligado ao desenvolvimento de uma visão da terra como materialidade particular, um bem de natureza possessiva e usado com fins muito precisos: a extração de recursos naturais e a propriedade privada. Terra é posse e pouco mais. Portugal não come literalmente a terra dos povos nativos, mas “come” vorazmente a sua visão da terra, os seus modos de viver e pensar com os pés na terra. Assim, se para muitos o imaginário da colonização tem a ver com mar e navegação, em Geofagia queremos lembrar os Portugueses como grandes “comedores de terra”, num gesto muito mais próximo do transtorno alimentar do que da medicina.

→ 29 JUL, 19h, Mamadou Ba | “Não, Ainda Não Somos Todos Iguais”
Enquanto o debate sobre racismo em Portugal continuar em larga medida no plano da moral, ou seja, na sua dimensão meramente interpessoal, continuaremos a não ser capazes de enfrentar o seu carácter estrutural. Propomos assim discutir a continuidade histórica do racismo nas suas várias formas de expressão hoje, questionar esta continuidade através do atual debate sobre a memória da empresa colonial e os impactos dos seus legados na sociedade atual, quais os desafios que tudo isso suscita e que possíveis caminhos para romper com esta circunstância.
Programa completo: 
https://issuu.com/cct.tep/docs/desdobravela3-nau-defweb
Informações: 
http://www.cct-tep.com/in.htm
Produção: Teatro Experimental do Porto
Co-produção: Cultura em Expansão / Câmara Municipal do Porto

26.07.2018 | por martalanca | expansão, história, NAU!, viagem

Karina Buhr e Max B.O. na Rosa Imunda I Porto

Domingo, 29 de julho, às 17h no Rosa Imunda, Porto. Karina Buhr e Max B.O. unem suas semelhanças e peculiaridades, musicais e pessoais nesse show. Músicas inéditas, versões novas de trabalhos anteriores dos dois e também improvisos formam um repertório dinâmico e inovador, repleto de conexões sonoras. Buhr canta, toca congas, alfaia e pandeiro, B.O. canta e improvisa no verso de rima rica, tudo isso em companhia do percussionista Bruno Buarque e o guitarrista Regis Damasceno.
Dois links que seguem são músicas que tocam no show B.O. e BUHR, mas com arranjos diferentes.“Rimã”e “Alcunha de Ladrão”Projeto de samba de Max: “Samba de Quebre
LINKFB MAX BO 
LINKFB KARINA BUHR 

**
Como sempre aqui na Rosaa entrada para os concertos é livre!~ Pede-se contribuição para musiques todes ~*´¨ )¸.•´¸.•´¨) ¸.•*¨)(¸.•´ (¸.•´ (¸.•*´¯`*•->Agradecemos o apoio de Luis Santrana da Sonoscopia de Brendan Hemsworth

* / º / *

Travessa do Ferraz 13Rosa Imunda no Facebook

26.07.2018 | por martalanca | Karina Buhr, Max B.O., porto

Mostra internacional de cinema na Cova da Moura

Organizada pelo Coletivo Nêga Filmes & Produções, em parceria com a Associação CulturalMoinho da Juventude, acontece, desde 2016, e durante o KOVA M FESTIVAL.

Indo para a sua terceira edição em 2018, a nossa intenção com a MOSTRA DE CINEMA NA COVA édar visibilidade a uma produção audiovisual que não alcança as salas comerciais de cinema em Portugal, realizada por cineastas negras e negros da contemporaneidade, tanto de África, quanto dasdiásporas.Temos como objetivo principal, disponibilizar este cinema à população que vive e frequenta a Covada Moura, bairro cuja população é majoritariamente negra, a fim também de estimular a produção denovos filmes e mais debates por artistas e estudiosas/estudiosos de cinema, que vivem no bairro, nacidade e que descendem de populações africanas.

Em clima de festival de bairro, o KOVA M FESTIVAL, que recebe a MOSTRA DE CINEMA NACOVA, foi criado em 2012, por jovens moradoras e moradores da Cova da Moura, a fim de incentivara produção cultural e a inclusão social na região, através da arte e do desporto, à população africanae afrodescendente que vive em Portugal e demais interessadas e interessados.Ao final de cada sessão de filme na MOSTRA DE CINEMA NA COVA, temos um espaço paraconversa sobre as obras exibidas, com profissionais das artes da cidade de Lisboa e arredores.

Desde a sua primeira edição, a MOSTRA DE CINEMA NA COVA tem possibilitado um interessante encontro entre África, Europa e Américas, trazendo para a Cova da Moura temas importantespara/sobre África e suas diásporas, através de filmes de diferentes origens, como Brasil, Cabo Verde,Gana, Moçambique, Portugal, Burkina Faso, Guiné Bissau, Kenya, Angola e Costa do Marfim.A programação da MOSTRA DE CINEMA NA COVA é totalmente gratuita para as pessoas queacompanham as atividades do Festival, algo que somente é possível graças ao trabalho comunitárioe de mutirão de moradoras e moradores do bairro.EQUIPE
Curadoria Geral: Maíra ZenunProdução: Flávio Almada e Luzia Gomes- Nêga Filmes https://www.facebook.com/negafilmes/.- Kova M Festival https://www.facebook.com/kovamfestival/.- I Mostra Internacional de Cinema na Cova https://www.facebook.com/events/637256526443894/.- II Mostra Internacional de Cinema na Cova https://www.facebook.com/events/1961063184182644/.- Moinho da Juventudehttps://www.facebook.com/pages/Associação-Cultural-Moinho-Da-Juventude/420091851427591.

23.07.2018 | por martalanca | cinema, Couva da Moura, negro

Re-Lembrar | Re-Membering | MAPUTO

O ponto de partida da exposição internacional Re-Lembrar (Mystery of Foreign Affairs) é uma reflexão sobre a vida entre culturas diferentes de vinte mil trabalhadores moçambicanos que trabalharam e moraram na República Democrática Alemã. Contudo, o projeto almeja também, de forma mais abrangente, contribuir para uma reflexão sobre as relações entre Europa e África, no passado e no presente.

A primeira parte da exposição decorreu em vários lugares da cidade de Schwerin, na Alemanha, entre setembro e novembro de 2017, com a participação de artistas de Moçambique, Angola, África do Sul e Alemanha. Nesta exposição, as obras de artistas como Dito Tembe, Iris Buchholz Chocolate e Katrin Michel abordam a temática das relações de intercâmbio da República Democrática da Alemanha com trabalhadores moçambicanos, conhecidos como Madgermans. Por seu turno, as obras de artistas como Matias Ntundo ou Gemuce proporcionam uma revisitação do passado colonial, enquanto os trabalhos de Edson Chagas e Zanele Muholi representam a presença e a questão de estereótipos e atribuições culturais no mundo atual.

A segunda parte da exposição decorre em dois espaços da cidade de Maputo, no Camões – Centro Cultural Português e na Fortaleza de Maputo, e estará patente entre 14 de junho e 27 de julho de 2018. Em Maputo, a exposição passa a incluir dois trabalhos sobre a Namíbia: Towards Memory, de Katrin Winkler, um projeto de vídeo e pesquisa que surgiu de uma colaboração com mulheres da Namíbia que foram enviadas em crianças para a RDA em 1979, aquando da luta da libertação e anti-apartheid no seu país. O segundo trabalho é intitulado Namibia Today, de Laura Horelli, e recorda a edição do jornal homónimo impresso na então RDA.

Em Maputo, são ainda apresentadas obras de Jorge Dias, Maimuna Adam, Gemuce, Dito Tembe, Luís Santos, Matias Ntundo, Iris Buchholz Chocolate, Edson Chagas e Katrin Michel. Através de diferentes meios, da instalação à pintura, passando pela escultura e vídeo, a exposição pretende contribuir para um trabalho de memória sobre o passado comum, bem como para uma reflexão sobre as relações atuais entre África e Europa.

20.07.2018 | por martalanca | Africa, african art, african artist, Art, Book art, Book objects, Conceptual art, contemporary art, diáspora, exhibitions, Found Objects, freedom, Installation, Maputo, migration, mozambique, post colonial

QUILOMBO DE SANTANA I Porto

O projecto QUILOMBO DE SANTANA, numa acção conjunta com a Associação de Moradores, propõe—se a construir um espaço de crítica e acção sobre as questões contemporâneas da cultura quilombola e outras, a partir do Quilombo de Santana. 
Após vários anos de actuação com os moradores está prevista uma actuação no local que envolve a concepção e construção da cozinha comunitária, do centro cultural e da rede de saneamento básico sustentável, cujo financiamento provém da campanha / crowdfunding Limparsantanafeita entre Fevereiro e Maio de 2018 e que atingiu o montante de 7560 €. 
O lançamento do projecto será no dia 24 de Julho, entre as 17:00 e as 21:00, no espaço Mira Forum, no Porto, e contará com a presença do DJ Caio Azevedo e com o concerto “Samba de Guerrilha” do músico brasileiro Luca Argel.
//////////// Entrada Livre //////////

14.07.2018 | por martalanca | Brasil, quilombo de santana, quilombos

KALAKUTA REPUBLIK Conceito e coreografia de Serge Aimé Coulibaly

Kalakuta Republik foi o nome com que o compositor (e criador do afrobeat) Fela Kuti (1938-1997) baptizou a sua casa: a cela em que o haviam encerrado na primeira vez em que foi preso, revelou um dia, chamava-se justamente “Kalakuta”. O coreógrafo Serge Aimé Coulibaly inspirou-se na vida do músico e activista nigeriano para criar um espectáculo que nos confronta com uma África sem clichés. Não nos são dadas respostas, mas são-nos colocadas várias perguntas: o que faz com que nos unamos em torno de uma causa? E de um líder? Quais os limites da liberdade individual no seio de um movimento colectivo? Coulibaly vai ao encontro da posição do pensador esloveno Slavoj Zizek: “Fazer um carnaval é fácil: mas o que importa é o dia seguinte, quando regressarmos à vida quotidiana e enfrentar-mos a mudança”. Kalakuta Republik estreou em 2017 e foi um dos êxitos do último Festival d’Avignon.

Serge Aimé Coulibaly (n. 1972), natural do Burquina Faso, veio para a Europa em 2002, criando a sua própria companhia – o Faso Danse Théâtre -, através da qual interpela as suas origens africanas e cujos espectáculos reflectem sobre as questões relacionadas com este continente. No seu país de origem criou o Ankata: um laboratório internacional para a pesquisa em torno das artes performativas. Alain Platel considera Coulibaly “um artista fascinante, que constrói pontes artísticas entre a Europa e África”.


The life of the Nigerian musician and activist Fela Kuti inspired Serge Aimé Coulibaly to create a performance about Africa whose title consists in the name given by Fela Kuti himself to the house he lived in: Kalakuta Republik. The show premiered in 2017 and it was one of the major hits of the last Festival d’Avignon.

ESCOLA D. ANTÓNIO DA COSTA Palco Grande

SEX 06 22h00

 

06.07.2018 | por martalanca | KALAKUTA REPUBLIK

Call for Plays | Migrations: Harbour Europe

LegalAliens Theatre in collaboration with Migrant Dramaturgies Network is looking for plays by EU-based playwrights on the theme of Migrations: Harbour Europe. We are encouraging submissions that address and reflect on the broad topic of migration and Europe. While we acknowledge the importance of documentary/ verbatim plays that deal directly with migratory identities and experiences, this CfP wishes to attract original, bold and imaginative scripts which fully embrace theatricality and offers creative/ aesthetic alternatives for (re)imagining migrancy in Europe today.
We welcome plays that challenge stereotypes, clichés and dominant narratives of migration. The call is intentionally broad and can be approached literally, metaphorically or abstractly. This is to allow writers to interpret the theme widely. Yet, playwrights might wish to reflect on some relevant questions, such as: How recent geopolitical and economic events affected people’s perception of Europe? What is the relationship between those who arrive and those who reside, i.e. migrants and host communities? Who is the other and what it means to be a foreigner? How is ‘Fortress Europe’ seen from the outside? What is home?
We particularly encourage submissions from strong female voices and playwrights who identify as migrants or of migrant descent (including those born in an EU country but living in another or born outside the EU but currently living/working in Europe).
Submission requirements:

  • Written in a European language (including English)
  • Please include a one-page synopsis in English. If an English translation exists, it can also be attached, with the understanding that LegalAliens is likely to create a new translation
  • Plays already performed in their original language are welcome, provided they’ve never been presented in the UK
  • Between 60-80 minutes in length
  • 1-5 actors (multi-roling accepted)
  • Submitted in .doc or .pdf format

Further details
Submissions will be read by a panel composed of theatre-makers (directors, actors, dramaturgs), translators, academics and theatre critics. Up to three plays will be selected and translated into English. After selection (and translation), plays will be given a week of R&D with our team in London and presented as staged readings at the Tristan Bates Theatre in Central London. Staged readings will be followed by public debates led by international theatre scholars. We hope to identify at least one play to take forward into full production, directed by Becka McFadden.
Timeline
Deadline: 15th October 2018
Shortlist announced by 10th December 2018
R&D: February 2019
Staged Readings: February-March 2019 (dates TBC)
Full production: June 2019 (dates TBC)
Please send your play together with a one-page synopsis in English to both: info@legalaliens.org and info@newtidesplatform.org
Project Partners
LegalAliens has been promoting European playwrights in the UK since 2010. Our original approach to translation based on the physicalisation of language and direct, rehearsal-based collaboration between translators, cast and creative team. We consider ourselves as migrants in the UK, and believe in inclusion, always trying to cast international and ethnically diverse actors. Our original, visual, interdisciplinary approach and style has been praised by critics in the UK and abroad. To learn more about our work, please visit www.legalalienstheatre.com

Migrant Dramaturgies Network is an international research network developed in partnership with New Tides Platform (UK) and the Centre for Theatre Research at the University of Lisbon, Portugal. It is a platform for exchange and knowledge sharing between academics, theatre-makers and organisations involved in migrant theatre on various levels of artistic and cultural creation and development. We aim to explore emerging dramaturgies of theatrical responses to migration in light of recent migration and shifts in global politics and economics. We wish to map new theatrical forms of migrant representation and identify their impacts on national theatre cultures in shaping the perception of non-European migrants and migrant cultures. Visit our microblog at: www.migrantdramaturgies.tumblr.com

05.07.2018 | por martalanca | Migrant Dramaturgies Network

debate sobre '46750', de João Pina

João Pina trabalhou no Rio de Janeiro durante uma década. As suas fotografias documentam uma cidade em transformação profunda, começando em 2007, quando o Brasil foi escolhido para organizar o Campeonato Mundial de Futebol de 2014, e até 2016, quando o Rio foi palco dos Jogos Olímpicos.
O livro é composto por 67 imagens que muitas vezes focam o lado invisível da «Cidade Maravilhosa»: João Pina foi às favelas fotografar traficantes, acompanhou operações da polícia visitou os estaleiros das imensas infra-estruturas construídas para os dois maiores eventos desportivos do mundo, esteve no centro das barricadas — físicas e simbólicas —, ouviu histórias de ambos os lados.
«46750» retrata uma cidade em mutação, mas que apesar disso não se livra da sua histórica violência, das clivagens sociais, do espírito de improvisação e de um quotidiano imprevisível.

28.06.2018 | por martalanca | fotografia, joão pina, Rio de Janeiro, violência

As Mil e Uma Noites em Portugal

A exposição pretende redescobrir e valorizar a presença, em Portugal, do conjunto de contos fantásticos, quase todos de origem árabe medieval, conhecido pelo título de As mil e uma noites. Esta exposição reúne, tanto traduções lusas d’As mil e uma noites, como algumas imagens do património cultural – literário, cinematográfico, teatral e outras expressões artísticas – inspirado por esta obra, em Portugal.
Apoios e parcerias: Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, Minerarte

Exposição na Biblioteca Nacional de Portugal

Comissários: Fabrizio Boscaglia, Hugo Maia, Renata Fontanillas
Inauguração: Quinta-feira, 28 jun. às 18h
Biblioteca Nacional de Portugal,
(área Museu do Livro, 3º piso)
Entrada livre

27.06.2018 | por martalanca | As Mil e Uma Noites

Espectros de Batepá”: de Inês Nascimento Rodrigues

 

A Cena Lusófona acolhe nas suas novas instalações, no Pátio da Inquisição, em Coimbra, no próximo Sábado, 30 de Junho, a apresentação do livro “Espectros de Batepá. Memórias e narrativas do «Massacre de 1953» em São Tomé e Príncipe”, de Inês Nascimento Rodrigues. A sessão, marcada para as 16h00, conta com a participação de Catarina Martins e Diana Andringa.

“Espectros de Batepá” resulta de um projecto de doutoramento elaborado no âmbito do programa de ‘Pós-Colonialismos e Cidadania Global’ do Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (CES/FEUC) e do trabalho desenvolvido no projecto “CROME - Memórias Cruzadas, Políticas do Silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais”, do qual Inês Nascimento Rodrigues é investigadora.

Nesta obra – adianta a autora no texto de apresentação – o massacre de 1953 em São Tomé e Príncipe é “encarado não apenas como um evento histórico, mas como um evento cuja dimensão simbólica necessita de ser trazida para o centro da investigação”. “Na impossibilidade de aceder totalmente ao que constituiu a experiência do massacre – explicita –, é através da imaginação e das representações que se podem contar múltiplas memórias do evento”: as que “legitimam as narrativas públicas e/ou oficiais” e outras, “que fazem parte de um processo mais inclusivo, em que se criam espaços discursivos, simbólicos e políticos que permitem articular memórias não-dominantes sobre os referidos acontecimentos”. É aqui que entra a figura do espectro: “O que é que os espectros contam sobre as memórias de Batepá e sobre o colonialismo português nas ilhas? O que é que revelam sobre as relações de poder e sobre a sociedade colonial? O que é que os espectros dizem sobre identidades sociais e grupos marginalizados no arquipélago? Quem escreve o massacre e quem o comemora? Como são desenhados Portugal e São Tomé e Príncipe nestas representações?” – eis algumas das questões a que Inês Nascimento Rodrigues procura responder com o seu trabalho.

Com prefácio de António Sousa Ribeiro e posfácio de Miguel Cardina, o livro é o segundo volume da colecção Memoirs das Edições Afrontamento. Será apresentado em Coimbra pela realizadora e investigadora Diana Andringa e pela investigadora e professora universitária Catarina Martins, com moderação a cargo de Bruno Sena Martins, também investigador do CES/FEUC. A sessão contará ainda – no Pátio do Centro de Artes Visuais, que se associa à iniciativa – com um dj set com sonoridades são-tomenses, por João Gaspar (autor, entre outros, do programa “Magia Negra”, da Rádio Universidade de Coimbra).

Com entrada livre, a apresentação da obra “Espectros de Batepá” é uma das primeiras iniciativas públicas organizadas pela Cena Lusófona nas suas novas instalações, que assim começa a dar a conhecer o novo Centro de Documentação (ao qual já é possível aceder mediante marcação prévia) e a sua sala polivalente.

Inês Nascimento Rodrigues

Licenciada em Jornalismo, com Mestrado em Estudos Artísticos e com 10 anos de experiência de rádio na RUC, Inês Nascimento Rodrigues é doutorada em Pós-colonialismos e Cidadania Global pelo CES/FEUC, com a tese que agora publica em livro. Investigadora do projecto CROME, coordenado por Miguel Cardina e financiado pelo Conselho Europeu de Investigação, tem diversas publicações, entre as quais se destaca o mais recente artigo “Descolonizar a fantasmagoria. Uma reflexão a partir do ‘Massacre de 1953’ em São Tomé e Príncipe” (2018). Os seus actuais interesses de investigação centram-se nos estudos da memória, nas teorias pós-coloniais e nos debates sobre a representação e comemoração das guerras coloniais e de libertação.

25.06.2018 | por martalanca | Batepá, memória, São Tomé e Príncipe

Brenna Bhandar, Colonial Lives of Property: Law, Land, and Racial Regimes of Ownership

05.07 | 19h00   Colonial Lives of Property: Law, Land, and Racial Regimes of Ownership (Duke University Press, 2018). Lançamento de livro e conversa com Brenna Bhandar e Rafeef Ziadah

No seu recente livro, “Colonial Lives of Property: Law, Land, and Racial Regimes of Ownership” (Duke University Press, 2018), Brenna Bhandar traça ligações entre a ocupação colonial de terras, a racialização das populações indígenas e as hierarquias coloniais, aquilo que ela define como “regimes raciais de propriedade”. Criadas durante o período colonial, as ligações insidiosas entre propriedade, posse, cidadania e raça estendem-se pelas antigas e atuais colónias, bem como pelas suas metrópoles. Ao traçar as leis contemporâneas de propriedade até às suas origens coloniais, Bhandar defende a sua centralidade nas atuais lutas antirracistas e descolonizadoras a nível internacional. A autora examina as “lógicas partilhadas de subjetividade racial e direitos de propriedade privada, que têm sido centrais para o desenvolvimento do capitalismo racial” em estudos que abrangem países como a Palestina, a Austrália, o Canadá e a África do Sul.

 

 

Brenna Bhandar é Professora Associada de Direito na SOAS, University of London. É coeditora de “Plastic Materialities: Politics, Legality, and Metamorphosis in the Work of Catherine Malabou” (Duke University Press, 2015, com Jon Goldberg-Hiller) e de “Reflections on Dispossession: Critical Feminisms” (Darkmatter Journal, 2016, com Davina Bhandar).

Rafeef Ziadah é Professora Auxiliar de Políticas Comparatistas do Médio Oriente na SOAS, University of London. Anterior- mente, foi bolseira do Programa de Pós-Doutoramento no Departamento de Políticas e Estudos Internacionais na SOAS com o projeto “Military Mobilities and Mobilising Movements in the Middle East”. Os seus interesses de investigação incluem: economia política, política contenciosa, movimentos trabalhistas e políticas de humanitarismo, especialmente focadas no Médio Oriente.

Para mais informações, por favor contactar:

Carlos Alberto Carrilho | Tel + 351 21 352 11 55 | carlos.carrilho@maumaus.org | www.maumaus.org

Lumiar Cité, Rua Tomás del Negro, 8A 

1750-105 Lisboa, Portugal

Carris: 798 paragem Rua Helena Vaz da Silva, 717 paragem Av. Carlos Paredes

Metro: Lumiar (saída Estrada da Torre)

 

Lumiar Cité é um espaço da Maumaus.

 

20.06.2018 | por martalanca | Brenna Bhandar, Colonial Lives of Property

9 Artistas portugueses em exposição em Berlim

Ana Rito, Ângela Ferreira, Cecília Costa, Filipa César, Isabel Carvalho, Jorge Dias, Julião Sarmento, Noé Sendas e Pedro Barateiro.

“O Estado das Coisas”, com curadoria de João Silvério, é composta por obras de nove artistas cujo trabalho pertence ao universo da lusofonia que no âmbito do seu trabalho circulam neste espaço.

Ângela Ferreira 'Hotel da Praia Grande (O Estado das Coisas)'Ângela Ferreira 'Hotel da Praia Grande (O Estado das Coisas)'

O título resgata o subtítulo da obra de Ângela Ferreira, “Hotel da Praia Grande (O estado das coisas)” no sentido de auscultar, na resumida escolha de obras da coleção, o sujeito e o seu contexto físico e psicológico enquanto habitante transitório da cidade, ou da casa, entre o que é íntimo e o que está na esfera da relação com os meios económicos e as transições políticas.

7 de junho a 14 de setembro no Camões – Centro Cultural Português em Berlim. 

 

17.06.2018 | por martalanca | arte contemporânea, Berlim

“DESCOBRIMENTOS”: POLÍTICAS, MEMÓRIA E HISTORIOGRAFIA

21 de junho | FCSH | Edifício ID | Sala 0.06

Entre finais do século XX e inícios do século XXI, tiveram lugar em Portugal diversas iniciativas de comemoração dos “descobrimentos portugueses”, assinalando-se, nomeadamente, o quinto centenário da descoberta do caminho marítimo de Portugal para a Índia (1498) e a chegada ao Brasil de uma frota liderada por Pedro Álvares de Cabral (1500). As iniciativas foram em boa parte patrocinadas pelo Estado português, que criou a Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses (1986-2002) e se empenhou na organização de grandes eventos internacionais como a Expo’98. Organizado pela revista Práticas da História – a Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past, este seminário procura criar um espaço de reflexão em torno desse ciclo comemorativo, para o efeito convocando o testemunho de um dos seus protagonistas, o historiador e comissário da CNCDP (1995-1998) António Hespanha. Ao mesmo tempo, o seminário pretende abrir uma janela de onde é possível igualmente analisar, a partir de quatro estudos de caso, outros tantos contextos de tematização dos “descobrimentos”, da historiografia marítima portuguesa de final do século XIX às políticas museológicas da Lisboa de hoje, passando pelas relações luso-britânicas ao tempo das comemorações henriquinas ou a programação televisiva no Portugal dos anos de 1980.    

10h45 | Abertura do seminário, por Elisa Lopes da Silva e José Ferreira (Práticas da História, ICS-UL)

11h | Jaime RodriguesVicente de Almeida d’Eça e a historiografia marítima em 1898. Comentário de Amélia Polónia.

12h | Stefan Halikowski-Smith e Benjamin JenningsPrince Henry the Navigator and Portuguese maritime enterprise at the British Museum: an exhibition to celebrate the quincentenary of the Infante’s death. Comentário de Pedro Aires de Oliveira.

13h | pausa para almoço

14h30 | Marcos Cardão“A Grande Aventura”. Televisão, nacionalismo e as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Comentário de Tiago Baptista

15h30 | José Neves, Capitalizar a globalização: uma exposição recente em torno da Lisboa Renascentista. Comentário de Nuno Senos.

16h30 | pausa para café

17h | António HespanhaComemorar como política pública. A Comemoração dos Descobrimentos Portugueses, ciclo 1997-2000. Comentário de Robert Rowland.

Organização: Práticas da História | CHAM | IHC

Coordenação: Elisa Lopes da Silva, José Ferreira, José Neves e Pedro Martins.

www.praticasdahistoria.pt

12.06.2018 | por martalanca | colóquio, descobrimentos, história, memória, seminário

Teatro do Vestido aborda memórias sensíveis sobre retorno das ex-colónias portuguesas

“Está tudo gravado em mim, eu não sou muito boa nisto do documental, mas é em mim que está tudo gravado”. Ouvimos isto vezes sem conta, nas inúmeras entrevistas que fazemos a pessoas comuns, com histórias maravilhosas para nos contar. “Mas eu não tenho nada de especial para vos dizer, olhe que isto não tem interesse nenhum!”, e falam durante horas… E são precisamente essas histórias “sem interesse nenhum” que nos apaixonam. E foi por isso mesmo que, em 2014, decidimos ir à procura das memórias sensíveis daqueles que viveram nas ex-colónias portuguesas em África. Retornos, Exílios e Alguns Que Ficaram,  é o resultado dessa busca, espectáculo que vai ser apresentado agora em Lisboa (Palácio Sinel de Cordes, de 7 a 10 de Junho). Mais informações aqui.

Três anos mais tarde, voltamos ao tema, desta vez às pós-memórias do retorno das ex-colónias portuguesas. Com ‘pós-memória’, queremos dizer a memória daqueles que não viveram os eventos directamente, antes os receberam mais tarde, por via da transmissão familiar. Partindo da história pessoal e familiar dos cinco actores desta criação - Cláudia Andrade, Daniel Moutinho, Lavínia Moreira, Marina Albuquerque e Rafael Rodrigues -, ramificada entretanto para outros testemunhos que fomos recolhendo ao longo do processo, Filhos do Retorno é uma criação autobiográfica, documental, por vezes ficcional, e que, sobretudo, questiona dados adquiridos, preconceitos, certezas, afirmações peremptórias sobre tudo isto, aceitações e recusas. Era nosso desejo fazer um objecto transformador para os que o criaram. Acreditamos tê-lo conseguido.
Filhos do Retorno vai estar em cena no Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa), de 21 de Junho a 01 de Julho. Mais informações aqui.

 

07.06.2018 | por martalanca | filhos do retorno, memória, oós-memória, retornados, Teatro do Vestido