Os Pretos de Pousaflores - PRÉ-PUBLICAÇÃO AIDA GOMES

Os Pretos de Pousaflores - PRÉ-PUBLICAÇÃO AIDA GOMES No Heilongo a Ercília não pára de perguntar, alguma vez viste o mar? “É assim, o mar tem telhas de zinco azul transparente e paredes de nuvens. Os peixes têm camisas prateadas e casacos de lapelas douradas. Os lagartos jardineiros alisam a areia para que nas águas dancem flores de sal colorido.”

Mukanda

30.01.2011 | por Aida Gomes

Reflexões sobre Cidades: Territórios e relações de poder

Reflexões sobre Cidades: Territórios e relações de poder Partindo do conceito inicial: A arquitectura é uma inscrição política, a conferência arquitectura [in] ]out[ política, debaixo do grande chapéu falemos de casas, surgiu como uma oportunidade “para reflectir e debater sobre a arquitectura como instrumento orientador de processos democráticos e como signo temporal e espacial das suas potencialidades”. Quase em simultâneo, o colóquio políticas de habitação e construção informal, teve como objectivo “proporcionar aos investigadores interessados e aos participantes um diálogo teórico-metodológico sobre as temáticas actualmente abordadas no domínio da habitação, com especial enfoque para a habitação informal (auto-construção) e para uma vertente das políticas de habitação que se prende com as consequências da sua execução para as populações visadas”.

Cidade

28.01.2011 | por Cristina Salvador

A função provocadora do artista, entrevista a Sol de Carvalho

A função provocadora do artista, entrevista a Sol de Carvalho Entre a ditadura da verdade e a liberdade da ficção, Sol de Carvalho optou pela segunda. Jornalista da Rádio Moçambique e da revista Tempo na era do partido único, o cineasta moçambicano percebeu-se incapaz de apresentar a realidade como facto, preferindo assumir-se como um transfigurador do real. Com um olhar declaradamente do Sul e um passado orgulhosamente revolucionário, o documentarista social traz para a tela, entre outros, retratos de um país de futuro hipotecado pelo VIH/sida. Com ou sem claquete, gosta de provocar.

Cara a cara

28.01.2011 | por Cristiana Pereira

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força”

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força” Antes, pai e filha não se entendiam. “Não comunicávamos. Ela comunica pelo computador e eu não percebia. Não conseguia compreender que viesse a casa e passasse 20 horas em frente ao computador e quatro a dormir. A ditadura também abriu um fosso entre gerações. Agora reencontrámo-nos.”Para Sadok, “recusar ser corrompido já era uma forma de resistência”. A filha decidiu fazer mais e resistir através da Internet. Agora, o pai agradece-lhe.

Vou lá visitar

26.01.2011 | por Sofia Lorena

Objectos encontrados, viagens: o fecho de um ciclo criativo e outros reencontros -ANTÓNIO OLE

Objectos encontrados, viagens: o fecho de um ciclo criativo e outros reencontros -ANTÓNIO OLE “É o fecho de um ciclo”, diz-me António Ole enquanto conversamos num café de uma das ruas mais movimentadas da Praça do Chile, em Lisboa. Falamos a propósito da exposição que estava para estrear em Luanda, no Centro Cultural Português, e que decidiu estruturar a partir de uma das séries de trabalhos mais internacionalmente conhecidas – as Township Walls, ou paredes de “bairros de lata” (favelas) –, fechando assim um ciclo criativo que na verdade se recicla, proporcionando outras abordagens artísticas.

Cara a cara

25.01.2011 | por Lúcia Marques

TEMPO DE BICHOS - PRIVATE Z(oo)M

TEMPO DE BICHOS - PRIVATE Z(oo)M Que bichos são estes, senão nós mesmos. Sempre o homem, na sua condição mortal e precária, com as suas grandezas e misérias, no centro da obra de Arménio Vieira. Mesmo quando convoca os Bichos do seu animalário, ou sobretudo quando os convoca, para se tornarem no espelho de todas as nossas perplexidades, onde buscamos as impossíveis respostas para este improvável destino de bicho-gente que somos.

Cara a cara

25.01.2011 | por José Cunha

Tchalé Figueira "Do Arco da Velha"

Tchalé Figueira "Do Arco da Velha" Na obra do artista caboverdiano Tchalé Figueira, o político, a prostituta, o mendigo, o paupérrimo, o medo, a vergonha, a vaidade, a superficialidade, a tensão ou o desejo estão presentes, vivos e pulsantes. As telas gritam-nos perguntas acerca do nosso próprio papel.

Cara a cara

24.01.2011 | por Irineu Rocha

Gorongosa, Moçambique - o renascer da glória

Gorongosa, Moçambique - o renascer da glória Depois de décadas de devastação causada pela guerra, há uma nova batalha a ser travada no palco da Gorongosa: a da sobrevivência. Num esforço de conservação fortemente aplaudido, o projecto de restauração de um dos mais belos parques naturais do mundo está – pouco a pouco – a reavivar o ecossistema que em tempos deslumbrou celebridades de Hollywood e políticos mundiais. Graças à bolsa generosa de um filantropo americano, o Parque Nacional da Gorongosa está cada vez mais perto de recuperar a sua velha glória.

Vou lá visitar

23.01.2011 | por Cristiana Pereira

A queda do muro da Tunísia

A queda do muro da Tunísia Em termos de simbologia política, a revolução tunisina é equivalente, para o mundo árabe, ao que foi para o ocidente a queda do muro de Berlim em 1989. Pela primeira vez em décadas, a Tunísia está livre da ditadura de um homem só. Os extraordinários eventos de Dezembro de 2010 e Janeiro de 2011 são uma revolução política: a consistente pressão da fúria popular obrigou o presidente Zine El Abidine Ben Ali, primeiro, a uma promessa sem precedentes, de deixar o poder; depois, derrubou-o do poder; e finalmente conseguiu impedir uma tentativa de transferência inconstitucional de poder, marcando-se eleições ainda sem data, mas que se devem realizar em médio prazo.

Vou lá visitar

23.01.2011 | por Nadia Marzouki

África é o último território da arte contemporânea, entrevista a Miguel Amado

África é o último território da arte contemporânea, entrevista a Miguel Amado África é hoje, em 2011, o último território, entre aspas, por descobrir. A África de expressão portuguesa ainda está um bocadinho ignorada e o meu papel pode ser um pouco esse: servir de interlocutor.

Cara a cara

22.01.2011 | por Susana Moreira Marques

Quem tem medo da lusofonia?

Quem tem medo da lusofonia? É inegável que existe em Lisboa uma aproximação natural dos falantes da língua portuguesa, que não portugueses, mesmo quando não partilham a mesma raça e cultura. As diferenças nacionais diluem-se em virtude da discriminação a que todos estão submetidos. E faz todo o sentido pensar nesta diluição como necessidade de resistência à discriminação, no sentido em que a metrópole torna homogéneos todos os ex-colonizados, arrumando-os nas categorias de “pretos”, “negros”, “imigrantes”.

A ler

21.01.2011 | por António Tomás

Miriam Makeba: a mãe da world music

Miriam Makeba: a mãe da world music Miriam Makeba foi uma incansável activista política. Condenou o Apartheid em várias ocasiões, e chegou mesmo a depor perante a Assembleia Geral das Nações Unidas contra o regime político da África do Sul, uma honra que muitos poucos músicos tiveram. Não são todos os artistas que são chamados a conciliar arte com activismo político. Só muitos anos depois – foram 31 anos de exílio – é que regressa a África do Sul para a comemoração da libertação de Nelson Mandela. Canta, na sua voz melosa de menina, uma versão antológica de Soweto Blues.

Palcos

21.01.2011 | por António Tomás

Terra prometida, as dores da perda do império

Terra prometida, as dores da perda do império O livro revela a embriaguez de Luanda no final do colonialismo, como símbolo da decadência de um sistema que nem consegue ver a mudança a acontecer: “surda à guerra, bate pé ao destino, diverte-se como se a festa ainda não tivesse acabado”. Depois a relação destas pessoas com a metrópole, onde todos contam que se sentiram estrangeiros: “isto era um atraso, no Fundão, só por a minha mulher fumar, trataram-na como se fosse uma vadia.”

A ler

18.01.2011 | por Marta Lança

Entrevista com Matchume Zango - timbila style!

Entrevista com Matchume Zango - timbila style! Entrevista com Matchume Zango, músico moçambicano do grupo Timbila Muzimba. Matchume toca timbila, criada pelo povo Chope e declarada pela UNESCO Patrimônio Cultural da Humanidade em 2005. Este instrumento confunde-se com a história da música moçambicana.

Cara a cara

18.01.2011 | por Denise Guerra

Constelações identitárias

Constelações identitárias A Educação Multicultural e Intercultural surgiu no século XX como resposta a problemas históricos vividos pelas sociedades. Ao longo das últimas décadas procurou-se o reconhecimento das especificidades culturais em cada nível social para promover a igualdade de oportunidades, o respeito mútuo e a integração de todas as pessoas como cidadãos. No entanto, tende muitas vezes a dar ênfase a várias categorias identitárias, usando-as para distinguir os alunos e cidadãos.

A ler

17.01.2011 | por Maria Prata

Swakopmund Galore

Swakopmund Galore Voltar a Swakopmund é estranho, fora da estação há sempre uma neblina na cidade e, dado que tudo fecha às cinco da tarde, a cidade fica deserta, quase abandonada, uma velhinha que passeia por ali, uns namorados acolá, mas fora isso é Twin Peaks

Ruy Duarte de Carvalho

17.01.2011 | por Luhuna de Carvalho

Bens de segunda necessidade

Bens de segunda necessidade Toda a África é um mercado informal, do Cabo ao Cairo, de Maputo a Marraquexe, seja nos mercados, nos semáforos, nos passeios, nas estações rodoviárias ou em qualquer muro ou pedaço de chão onde se possam expor produtos. Mas se o mercado informal é caracterizado pela ausência de registos e a invisibilidade perante o fisco, vamos encontrá-lo também longe do sol ardente e da poeira da estrada, nos gabinetes de ministérios, em carros pretos com vidros fumados, nos bares de hotéis.

Vou lá visitar

15.01.2011 | por Nuno Milagre

Lisboa

Lisboa Não sei como posso partir de ti sabendo eu que te amo tanto e que viverei atormentado por estas visões o resto da vida que sobra em mim para vivê-las e como hei-de dormir, e como hei-de ler e escrever, e como seguramente poderei cheirar uma flôr, colher algum odor do teu rio, se eu morro a cada instante que o tempo me chega, diminuto, pouquíssimo, intransigente, se eu choro com essa criança por uma boca que já não me serve para dizer outra coisa se não o teu nome e se tenho um homem que se mata e se anicotina em nome do que és e se, finalmente, Lisboa, para mim, deixar-te é incontornavelmente deixar de me exercer.

Cidade

15.01.2011 | por Eduardo White

“Interessa-me colocar questões sobre a sociedade angolana”, entrevista a António Tomás

“Interessa-me colocar questões sobre a sociedade angolana”, entrevista a António Tomás No seu mais recente livro, António Tomás reflecte sobre o que o rodeia. E nessa reflexão constata que em Luanda escasseiam espaços que cumpram uma função social, como as barbearias. Quem vive no musseque está, nesse aspecto, mais bem servido de lugares para o comentário social, afirma o antropólogo

Cara a cara

12.01.2011 | por Isabel Costa Bordalo

Três Poemas

Três Poemas Tempo! Em que Monstro Retalhas a chicote o meu corpo e os sonhos? Para que diabólica risada Arrastas o meu riso outrora deslumbrado pela vida? Fito a infância nos olhos – E logo viro a cara horrorizado.

Mukanda

12.01.2011 | por Dambudzo Marechera