Resistência Visual Generalizada - Livros de fotografia e movimentos de libertação: Angola,Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo-Verde, anos 1960-80

Desde 2019, Catarina Boieiro e Raquel Schefer têm desenvolvido uma investigação com vista a preparar um projeto de exposição em torno dos livros de fotografia realizados no contexto dos Movimentos de Libertação em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde (1960-80). Os livros compõem um corpus inédito e rico para analisar a história destas longas lutas pela independência, assim como para refletir acerca do potencial político da imagem.

Os livros de fotografia foram produzidos no contexto das lutas anticoloniais nos países africanos de língua portuguesa. Concebidas no âmbito dos movimentos de libertação (MPLA, FRELIMO, PAIGC) ou por fotógrafos, jornalistas e cineastas estrangeiros empenhados, estas publicações pouco conhecidas são acompanhadas por imagens, documentos políticos e filmes da época, ao mesmo tempo que são confrontadas com a criação artística e as lutas políticas do presente.

A exposição teve a sua primeira versão em Paris em (2021/2022), em parceria com o INHA (Institut National d’Histoire de l’Art) e com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian.

Galerias Municipais de Lisboa – Torreão Nascente da Cordoaria Nacional  
Edifício Cordoaria Nacional, Av. da Índia,  1700-019 Lisboa

28/09 - 27/11/2022
Entrada livre

25.07.2022 | por martalanca | Catarina Boieiro, movimentos de libertação, Raquel Schefer

Aniversário de pais incógnitos

É hoje (ontem) o 37º aniversário da vitória dos movimentos de libertação nacional de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, nas suas guerras contra o regime colonial português.
Isto porque, é bem sabido, o objectivo de uma guerrilha não é vencer militarmente no terreno, mas levar o opositor a não ter vontade e/ou condições para continuar a combater.
As independências vieram depois, por vezes com enormes sobressaltos até lá. Mas a sua estrondosa vitória deu-se na madrugada de 24 para 25 de Abril de 1974.
Uma vitória de pais incógnitos. Por lá, porque deve ter havido quem achasse que o objectivo estratégico da sua luta armada não seria suficientemente heroico, quando vertido no discurso público. Por cá, porque reaparecem ciclicamente umas alminhas carunchosas a clamar que as guerras não estavam militarmente perdidas, como se isso fosse o relevante em guerras como aquelas.
Entretanto, combatentes dos movimentos de libertação, obrigado pela vossa contribuição para a nossa própria libertação.

 

Paulo Granjo

26.04.2011 | por martalanca | 25 de abril, movimentos de libertação