AFROLIS EM CAMPANHA PARA ANGARIAÇÃO DE FUNDOS

Afrolis.pt, projeto jornalístico de partilha de narrativas enraizadas no apoio ao trabalho de mulheres negras e racializadas em Portugal, está em campanha para angariação de fundos para financiar o desenvolvimento do projeto. A plataforma solicita assim apoio para a angariação de 15 mil euros para alocar a salários, produção de conteúdo e organização de uma conferência.

“A nossa missão centra-se na participação de mulheres negras e racializadas na produção de conteúdos mediáticos que as representem. A literacia mediática é essencial para nós. Reconhecemos o papel dos media na construção de estereótipos raciais, daí o nosso objetivo ser descolonizar o panorama mediático, porque as vozes das mulheres negras e racializadas importam. Sabemos que, na pirâmide social, as mulheres, e especialmente aquelas que pertencem a minorias (imigrantes, ciganas, asiáticas, etc.), são frequentemente marginalizadas na nossa sociedade. Afrolis.pt é um lugar onde estas vozes são amplificadas, celebradas e acolhidas”, é desta forma que a plataforma apresenta-se na campanha de crowdfunding, onde apela à participação de todos.

Com o objetivo claro de “envolver mais mulheres racializadas na autoria de narrativas que representam a realidade das suas comunidades, sem o preconceito da discriminação, criando uma rede global que acolhe estas histórias nos meios de comunicação social”, o valor acumulado na campanha servirá para o pagamento de salários, equipamentos, licenças, transportes, serviços ocasionais e impostos.

Para participar e partilhar a campanha, basta aceder a este link.

Carla Fernandes, fundadora e diretora da plataforma de informação Afrolis | DRCarla Fernandes, fundadora e diretora da plataforma de informação Afrolis | DR

30.05.2023 | por martalanca | afrolis, Carla Fernandes

Agenda: INSTITUTO 11

26.05 - 17.06
Chorus 1.8
Neusa Trovoada

27.06 - 01.07
Arquiteturas Film Festival ‘23
“Onde a Vida Acontece”

20. - 27.07
LEAL - Oficina de Autoconstrução
Paulo Moreira e Tiago Antero

05 - 07
Tio Ming
pop-up

 

Chorus 1.8

De composição de um grito Neusa Trovoada | 26.05 - 17.06 | INSTITUTO
A boca, restringida, ensaia vivências de uma invasão violenta. O soterramento da fala, a convulsão das palavras, a condensação da voz, a repetição.Um grito implode. Um grito explode.Partículas rasgam o espaço para serem sobrevivência e criação. O azul índigo conflui a materialização. O coro denso, implacável, mutante incita o devir. A emergência do futuro rasura o ato anterior.“É preciso destruir para recomeçar”. Texto de James Stinson
Horário de abertura:Seg-Qui, 10h-18h | Sex, 10h-21h | Sáb, 17h-21h
Inauguração: Sex, 26.05, 18h30 - 21hPerformance e encerramento: Sáb, 17.06, 21h - 23h

 

Arquiteturas Film Festival ‘23

27.06 - 01.07 | Batalha Centro de Cinema, Casa Comum, INSTITUTO, Albergues do Porto, Mercado do Bolhão, Circo de Ideias

Pela segunda vez, o Arquiteturas Film Festival realizar-se na sua nova casa, o Porto. A 10ª edição do festival gira em torno do tema “Onde a Vida Acontece”, com o objetivo de discutir e divulgar a arquitetura através de filmes, instalações, debates e passeios. “Onde e vida acontece” pensa sobre o modo como as estruturas sociais são absorvidas pelo espaço construído, refletindo-se na prática arquitetura. A forma construída pode materializar o esforço e os ideais que foram colocados ao serviço da arquitetura. Pode modificar o curso da história de uma família, de uma vizinhança, ou de uma cidade. Entre as diversas influências a que estamos submetido, a arquitetura e as práticas espaciais revelam que também somos feitos dos espaços que ocupamos. Juntamente com o CCA - Canadian Centre for Architecture como Instituição Convidada deste ano, o festival oferece perspetivas que levam a repensar a prática arquitetónica, bem como convida a uma variedade de formatos.  
Informações sobre o festival podem ser consultadas AQUI!

 

LEAL - Oficina de Autoconstrução

Paulo Moreira e Tiago Antero | 20. - 27.07 | INSTITUTO, Bairro do Leal
LEAL – Oficina de Autoconstrução é um curso de formação na área da arquitetura, organizado pelo INSTITUTO. Esta é a 2ª edição de uma iniciativa que surge na sequência de uma consciencialização sobre a precariedade existente nos interstícios urbanos do Porto. O curso tem lugar no Bairro do Leal, onde o estado atual de abandono revela potencialidades e interconexões com o território mais alargado, através de metodologias de autoconstrução. O curso incluirá sessões de análise sócio-territorial com os tutores Paulo Moreira e Tiago Antero, uma visita guiada por Sérgio Fernandez, palestras convidadas por fala e Leopold Banchini, uma intervenção da artista Maria Trabulo, críticos convidados Space Transcribers e Natache Iilonga, e exercícios de auto-construção. O programa terminará com a activação do local pelos participantes e residentes locais.
Mais informações e inscrições AQUI!

 

 

27.05.2023 | por mariadias | agenda, instituto 11

Lançamento do número 11 da Revista Espaços Vividos Espaços Construídos - Estudos sobre a cidade

No dia 30 de maio de 2023, às 15h30, terá lugar na Biblioteca da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa (FAUL), o lançamento no número 11 da Revista Espaços Vividos Espaços Construídos - Estudos sobre a cidade, com o título:

MODOS DE FAZER. 

Pesquisa e ação colaborativa no Bairro da Cova da Moura. 

A apresentação da sessão será conduzida por José Luis Crespo, Professor da FAUL e Diretor da Revista, e contará com a participação e reflexão de Teresa Craveiro, Rui Gomes, Francesco Biagi e Andréa Arruda. 

27.05.2023 | por mariadias | espaços vividos, lançamento, modos de fazer, revista

Afrolis em Campanha para Angariação de Fundos

Afrolis.pt é um projeto jornalístico de partilha de narrativas enraizadas no apoio ao trabalho de mulheres negras e racializadas em Portugal. A sua missão centra-se na participação de mulheres negras e racializadas na produção de conteúdos mediáticos que as representem. A literacia mediática é essencial para nós. Reconhecemos o papel dos media na construção de estereótipos raciais, daí o nosso objetivo ser descolonizar o panorama mediático, porque as vozes das mulheres negras e racializadas importam.
Sabemos que, na pirâmide social, as mulheres, e especialmente aquelas que pertencem a minorias (imigrantes, ciganas, asiáticas, etc.), são frequentemente marginalizadas na nossa sociedade. Afrolis.pt é um lugar onde estas vozes são amplificadas, celebradas e acolhidas.
A Afrolis quer envolver mais mulheres racializadas na autoria de narrativas que representam a realidade das suas comunidades, sem o preconceito da discriminação, criando uma rede global que acolhe estas histórias nos meios de comunicação social. O conteúdo produzido é jornalístico como artigos escritos, podcasts e videocast em formato de entrevistas. Temos também uma série de audiodramas que criámos com a intenção de, através da ficção,aproximar as pessoas de temas difíceis. Apesar de a realidade, por vezes,superar a ficção esta abordagem cria uma espaço para a reflexão e imaginação de possibilidades de intervenção.O pagamento de salários, equipamentos, licenças, transportes, serviçosocasionais e impostos, são alguns dos encargos que levam a Afrolis -Associação Cultural, proprietária do órgão de Informação Afrolis.pt, a pedir o vosso apoio para continuar o seu trabalho com sucesso.
Vejam mais detalhes da campanha de crowdfunding e como podem fazer contribuições AQUI!

27.05.2023 | por mariadias | afrolis, crowdfunding, mulheres negras, raça

ARCOlisboa 23MILLENNIUM ART TALKS

Organizados pela EGEAC. Curadoria: Marta Mestre e Ángel Calvo Ulloa 

\
Sexta-Feira, 26 de maio\16h.

Arquivos para outras histórias?

Com Pedro Barbosa, Pedro Felipe Hinestrosa, Titos Pelembe, Benjamin Weil

\17h.30. Bienalismos: “novos mundos” a cada dois anos? (ou dar voltas para voltar ao mesmo)

Com Carlos Antunes, Desirée Pedro, João Laia, Isabella Rjelle, Manuel Borja-Villel

\Sábado, 27 de maio\15h. Arte em tempos de extrema individualização nas redes digitais

A tecnologia, e depois a pandemia, vieram a alterar as formas de difusão, legitimação e reconhecimento da arte contemporânea. A ideia de que a arte fala por si mesma está a ser substituída por uma arte que fala nas redes. Intimidade, coletividade, crítica, mercado, esfera pública? Em que consistem estas mudanças?

Com Germano Dushá, Marta Lança, Rafa Barber

\17h.30. O anjo exterminador (ou fechados numa festa que não aconteceu)

Com Nuria Enguita, Paula Nascimento, Luiz Camillo Osorio, Sérgio Fazenda Rodrigues

Millennium Art Talks 

organizado pela WAAU - World African Artists United

Local: Torreão Nascente, Cordoaria Nacional 

Data/Hora: 27 Maio das 18H45 às 19H30

Arte Contemporânea Africana: Internacionalização, Representatividade e Poder

Esta conversa abordará as dinâmicas de internacionalização da arte contemporânea africana, tendo em
conta o impacto da globalização, das diásporas e de outras circulações no continente africano e para
além dele, assim como a representatividade de artistas, curadores e instituições africanas e
afrodiaspóricas nos circuitos internacionais da arte contemporânea. Como descolonizar
verdadeiramente narrativas e estruturas? Como reparar desequilíbrios e fraturas históricas e
sistémicas?

Moderado por Ana Balona de Oliveira
Participantes: Alicia Knock, Paula Nascimento, Serubiri Moses, Liz Gomis

Local: Torreão Nascente

27.05.2023 | por martalanca | Arco, marta mestre

DiVaM 2023 leva-nos por "Patrimónios (des)confortáveis"

“Patrimónios (des)confortáveis” é o tema escolhido para a edição deste ano do DiVaM – Dinamização e Valorização dos Monumentos, o programa cultural da DRCAlg que inclui projetos de cinema, música, performances, arte circense, oficinas e conversas nos monumentos. A cerimónia de apresentação da programação realiza-se este sábado, dia 27 de maio, às 16h30, no auditório da Fortaleza de Sagres.

O tema proposto permitiu trabalhar várias temáticas, desde logo as associadas às questões da (des)colonização patrimonial e as relacionadas com as identidades, segregação social, racismo e pós- memórias coloniais. Mas tantas outras questões serão abordadas, como as que se prendem com a importância da saúde mental nos dias de hoje, ou ainda as associadas ao bullying, violência, opressão e hierarquias de poder.

Neste dia, a programação DiVaM irá abrir com “chave de ouro” com a primeira sessão do Ciclo de Cinema “Libertar a Memória”, promovido pelo Cineclube de Faro. O ciclo abrirá com a exibição do filme On Africa, de Skip Norman.

On AfricaOn Africa

“On África (1970 /38’) justapõe travellings filmados em Berlim Ocidental, informação sobre a exploração colonial e imagens da África Ocidental, enquanto apresenta factos sobre a conquista e descolonização do continente. O ponto de partida é a relação entre a prosperidade da Europa e a pobreza de África; a destruição das cidades e das culturas e a utilização do cristianismo e de teorias raciais como justificação para uma exploração massiva dos colonizados” refere o Cineclube de Faro.

Skip Norman foi um cineasta, diretor de fotografia, fotógrafo, antropólogo visual e educador. Norman foi autor de um corpo notável de documentários e ensaios no final dos anos 1960 e início dos anos 1970. Ele produziu uma série de filmes igualmente emergentes sobre sua experiência como homem negro onde combinou rigor formal e um senso de experimentação com determinação política e um forte desejo de justiça e igualdade. Embora tenha havido apresentações selecionadas dos filmes de Norman na Alemanha nos últimos anos, seu trabalho permanece quase completamente desconhecido no exterior.

O ciclo de cinema “Libertar a Memória” irá acontecer até setembro (em datas a anunciar) e conta com a coordenação artística e curadoria de Luísa Baptista e a produção técnica de Pedro Mesquita.

Ecos Refeitos Ecos Refeitos

A programação DiVaM continua no próximo domingo, dia 28 de maio, nas Ruínas Romanas de Milreu, com o projeto “Ecos Refeitos”, a ser apresentado pelas 17 horas.

“Ecos Refeitos” apresenta três quadros que colocam em diálogo atores e músicos com jovens alunos, numa tentativa de responder a uma das maiores preocupações da atualidade: a preservação da saúde mental. “O desconforto desse bem precioso é uma preocupação presente nas inquietações dos nossos jovens. Como preservar o nosso bem mais precioso?” são algumas das questões levantadas pelo projeto, promovido pela Associação Cultural Música XXI.

O projeto tem a participação de Ana Cristina Oliveira, António Gambóias, Catarina Silva e do músico Rui Afonso. Os alunos da Escola Secundária Pinheiro e Rosa: Beatriz Barroso, Joana Fernandes, Letícia Moreno e Rita Roboredo também integram esta apresentação. Para mais informações e inscrições contacte: musicaxxi@gmail.com.

O DiVaM 2023 vai decorrer nos monumentos afetos à DRCAlg - Fortaleza de Sagres, Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe e nas Ruínas Romanas de Milreu - até ao dia 3 de dezembro.

A programação do DiVaM 2023 vai estar disponível na página da DRCAlg, a partir de dia 27 de maio.

 

24.05.2023 | por martalanca | arte circense, cinema, monumentos, música, oficinas, Performances, Sagres

Mesa Redonda - O MERCADO CULTURAL AFRICANO E AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS

CCV - Centro Cultural de Cabo Verde

QUARTA FEIRA | 24 de maio de 2023, 18.30 horas

Entrada livre

Organizada pelo Grupo dos Embaixadores Africanos em Portugal, a mesa-redonda “O mercado cultural Africano e as indústrias criativas” está inserida nas comemorações do Dia de África, que é assinalado a 25 de maio, dia em que foi criada a OUA em 1963. Tem como propósito a promoção de um espaço de debate sobre a cultura africana e o papel das indústrias criativas no contexto da ZCLCA - Zona de Comércio Livre Continental Africana, bem como fomentar a cooperação e o intercâmbio entre as nações africanas.

O mercado das indústrias criativas é composto por diversas áreas, como as artes visuais, a música, a literatura, o audiovisual, a arquitetura, o património cultural e a publicidade e marketing. Cada uma dessas áreas tem um papel importante no desenvolvimento económico e cultural de África.

Os oradores convidados para esta mesa-redonda são pessoas com comprovado conhecimento nos temas que abordarão:

MÚSICA - José da Silva (Jo da Silva)

Empresário e produtor musical de grandes artistas africanos, entre os quais Cesária Évora e representante da Sony para o mercado africano;

AUDIOVISUAL - Ana Sofia Fonseca

Cineasta com vasta experiência e realizadora do premiado filme “Cesária Évora;

LITERATURA - Luís Vicente

Editor especialista em literatura africana e dono da editora Edições Nimba;

ARTES PLÁSTICAS - Paula Nascimento)

Aclamada curadora especialista em arte africana;

ARTES - Frank Ntaluma

Reconhecido escultor moçambicano;

PUBLICIDADE E MARKETING - Filipe Alfaiate

Professor na Nova School of Business and Economics, com uma carreira académica notável;

ARTISTA - Selma Uamusse

Famosa cantora moçambicana

ESPECIALISTA EM MERCADO AFRICANO - Uzoma Agulonye

Académico nigeriano com larga experiência e inúmeras publicações sobre o mercado africano.

Evento aberto ao público em geral.

 

 

24.05.2023 | por mariadias | arte, cabo verde, cccv, Mercado africano, música

Festival Tanto Mar em Loulé

O Festival Tanto Mar, coprodução “folha de medronho”/Câmara Municipal Loulé/Cineteatro Louletano, regressa para a sua 4ª edição, de 24 a 27 de Maio. A programação do Tanto Mar, é composta essencialmente por grupos internacionais, e sinaliza o caminho de ligação com grupos/intérpretes/individualidades de países onde se fala a língua portuguesa, procurando parceiros para a construção de uma corrente de intercâmbios, numa relação que se quer multívoca. A abertura do Tanto Mar será no dia 23 de Maio no icónico Café Calcinha, às 18h. De 24 a 27 de Maio, no Cineteatro Louletano, pelas 21h00, o Festival conta com espectáculos de Cabo Verde, Moçambique e Brasil e, pela primeira vez, teremos a presença de um grupo de nacionalidade portuguesa. O Tanto Mar é fruto de práticas artísticas desenvolvidas ao longo do ano pela “folha de medronho” - Artes Performativas de Loulé em vários países de expressão portuguesa.

PROGRAMA
24 DE MAIO DE 2023 - 21H00 | CINETEATRO LOULETANO
Quarto Império, pelo UmColectivo
Criação de Cátia Terrinca e Herlandson Duarte, a obra tem por base o livro “Caderno de Memórias Coloniais”, de Isabela Figueiredo, que a organização descreve simultaneamente como “uma obra literária e um documento que compilou factos, acontecimentos efetivamente ocorridos e presenciados pela então pequena Isabela, regressada de Moçambique na urgência da ponte aérea”.
O espetáculo gira em torno das memórias da atriz (cuja mãe veio de Cabo Verde em 1974), e de um bailarino que nasceu e cresceu em Cabo Verde e, num período pós-colonial, se mudou para um Portugal. Em cena, está também o livro onde está escrito o que não lhes foi contado. Uma forma de reconstruir o “silêncio de memórias que se foram rarefazendo na dor e na incompreensão”, ficando-se mais perto “da criança vestida de branco numa Lourenço Marques já extinta”.UmColetivoUmColetivo
FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA
Interpretação: Cátia Terrinca e Bruno Huca
Dramaturgia: Cátia Terrinca, a partir de Caderno de Memórias Coloniais, de Isabela Figueiredo
Desenho de Luz: João P. Nunes
Espaço Cénico: UMCOLETIVO
Figurinos: Raquel Pedro
Design: David Costa
Apoio à Encenação: António Revez
Co Produção Lêndias de Encantar
Agradecimentos: Helena Baronet, Ricardo Guerreiro Campos, Go Romaria Cultural
Apoios: Direção Geral das Artes, Direção Regional de Cultura do Alentejo
25 DE MAIO DE 2023 - 21H00 | CINETEATRO LOULETANO
Os Dias de Birgitt, pela Sikinada - Companhia de Teatro

A senhora tem vinte e um dias de vida”… foi dessa forma que ela recebeu a notícia, com um turbilhão de sentimentos…
Os Dias de Birgitt conta a história de uma mulher que, de um dia para o outro, é confrontada com essa inevitabilidade… de um dia para o outro é confrontada com uma doença terminal! Como lidar com essa nova condição? Uma abordagem contemporânea, no limite entre a sobriedade e o humor, de uma temática cada vez mais presente nas nossas sociedades.
SikinadaSikinada

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA
Texto Dramático: Mário Lúcio Sousa
Encenação: João Paulo Brito
Interpretação: Elisabete Gonçalves, Patrícia Leite, Raquel Monteiro
Cenografia: João Paulo Brito, José Pedro Bettencourt, João Brito Boss
Figurinos e Adereços: Elisabete Gonçalves, Zoia Delgado
Apoio a Movimento: Bety Fernandes, Carlos Oliveira
Banda Sonora Original: Ndu Carlos | Tema “Novo Amanhecer” de Antero Simas e Helio Cruz, interpretado por Tete Alhinho, no CD “Mornas ao Piano”.
Iluminação: Paulo Silva
Produção: José Pedro Bettencourt
Conceção Gráfica e Fotografia de Cartaz: César Schofield Cardoso
Fotografias do espetáculo: Queila Fernandes, Helder Paz Monteiro, Fernando Pina, Jorge Freitas e PepsClicks JPr
Teaser realizado por Neu Lopes, com imagens de Olavo Luz.
26 DE MAIO DE 2023 - 21H00 | CINETEATRO LOULETANO
Recados de lá_Revisitação, pelo grupo Lareira Artes
Dois homens desconhecidos  e traumatizados  encontram-se desesperados  num  abrigo como  fugitivos de  guerra. Em pleno cenário de tensão e devastação cada um vai  relatando as  suas  horríveis vivências, cada uma mais  dramática  que a outra. Os raptos, crianças soldados, estupros são  imagens bem vivas nos personagens.
Entre tensão  e revolta eles vão-se divergindo quanto às razões e possíveis soluções deste dilema em que estão condenados.
Na verdade Recados de lá_Revisitação  são  recados  e  gritos  ignorados  de milhares de inocentes vítimas de guerras sangrentas no mundo.

Lareira Artes Lareira Artes

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA
Texto e encenação: Diaz Santana
Orientação artística: João de Mello Alvim
Interpretação: Crimildo, Kopito, Matlava e Santana Dias Santana
Figurinos: Ooutro d´Santana
Luz e som: João Mello Alvim
Fotos: Charles Alberto
Agradecimentos: Kuxa Ka Dambo e Casa da Cultura de Maputo
27 DE MAIO DE 2023 - 21H00 | CINETEATRO LOULETANO
M.E.D.E.I.A, pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz
Retoma uma versão antiga e pouco conhecida do mito, trazendo uma mulher que não cometeu nenhum dos crimes de que Eurípides a acusa. Por mais de dois mil anos, Medeia, uma das mais poderosas mulheres da mitologia grega, é acusada de várias atrocidades, tais como o fratricídio, o infanticídio, e é esta imagem que foi imposta à consciência ocidental que a Tribo vem negar. O mito é questionado e reelaborado de maneira original, para analisar o fundamento das ordens de poder e como estas se mantêm ou se destroem. Medeia é uma mulher que está na fronteira entre dois sistemas de valor, corporizados respectivamente pela sua terra natal, e pela terra para a qual foge.  Ambas as sociedades, Corinto e Cólquida, respectivamente, apresentam na sua história um sacrifício humano fundamental, que serviu para a estabilização do poder patriarcal. Medeia é uma mulher que enxerga seu tempo e sua sociedade como são. As forças que estão no poder manifestam-se contra ela, chegando mesmo à perseguição e ao banimento, ela é um bode expiatório numa sociedade de vítimas.
Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz
FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA
Roteiro, Encenação, Cenário, Iluminação, Figurinos: Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz
Autores/as: Christa Wolf, Rosa Luxemburg, Heiner Müller, George Tabori, Anna Akhmatova, Eurípides, Helga Novak
Música: Johann Alex de Souza
Preparação Vocal: Leonor Melo
Produção: Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz
Atuação: Tânia Farias
Operação de Luz: Lucas Gheller
Operação de Som e Video: Paulo Flores

Festival Tanto Mar 
Diretor: João de Mello Alvim
Direção de Produção: Alexandra Diogo
Assistência de Produção: Lina Brito
Assessoria Comunicação Social: Beatriz Teodósio
Acompanhamento dos Grupos: Lina Brito
Técnico de Audiovisual: Flávio Martins
Vídeo: João Catarino
Assistência de Camara: Mariana Vasconcelos
Fotografia: João Catarino
Webdesign: Ana Rodrigues
Marketing Digital: 3WX
Ligação com as Comunidades: Miguel Velez
Revisão de Textos: Sara Vicente
Paginação: Andreia Domingos e João Pedro Rodrigues
Apoio Geral: Egas Simão, Fernando Brito, Mariana Teiga, Ana Poeta, Augusto Martins

24.05.2023 | por martalanca | Festival Tanto Mar, Loulé, lusofonia, teatro