Comer a língua

Comer a língua Quanto do que hoje é brasileiro foi português antigo que Portugal perdeu? Como o cardápio em Portugal encolheu, certamente por falta de apetite! E eles continuam a vir, dietistas, higienistas, fiscais-de-contas, reduzindo a língua a um quartinho, e de colarinho: não respire, não respire. Avé a poesia, cheia de fome.

A ler

03.01.2011 | por Alexandra Lucas Coelho

Lusofonia, identidade e diversidade na sociedade em rede

Lusofonia, identidade e diversidade na sociedade em rede A retórica tradicional da lusofonia tem persistido, não raras vezes, numa espécie de nostalgia do império, subvalorizando a diversidade cultural que cinco séculos de aventuras associaram à experiência de todos os cidadãos que pensam, sentem e falam em língua portuguesa. Será, por isso, importante - e talvez também urgente – que todo um conjunto de políticos, intelectuais e académicos, que têm trazido à luz numerosas pistas sobre a complexa construção da identidade lusófona, reflicta sobre o contributo que o ciberespaço oferece à reconfiguração de uma lusofonia mais englobante e mais plural.

A ler

02.01.2011 | por Lurdes Macedo

Mostrar e pensar o que se anda a fazer - festivais de teatro de língua portuguesa

Mostrar e pensar o que se anda a fazer - festivais de teatro de língua portuguesa Companhias e artistas viajam para apresentarem os seus trabalhos uns aos outros e a um público que refresca o olhar do seu habitual nicho de mercado, nos territórios nacionais. O trabalho ganha em visibilidade e reflexão, pois o debate entre pessoas da área ajuda a desenvolver critérios de exigência e de comunicação sobre aquilo que se apresenta. Um Festival tem uma dimensão festiva, não menos importante que tudo o resto, e contribui para esse intercâmbio no espaço lusófono, entre agentes culturais e representações das realidades de cada um.

Palcos

24.12.2010 | por Marta Lança

Portuguesia promove happening transverbal

Portuguesia promove happening transverbal Como se situa "Portuguesia contraantologia" (Minas entre os povos da mesma língua...), obra organizada pelo poeta Wilmar Silva, relativamente aos tópicos do “bom gosto” e de uma, por assim dizer, particular “orientação curatorial”? Nesse verdadeiro corso antropoético de 500 páginas, que abriga 101 poetas, Wilmar põe em questão o sentido estrito de tais categorias. A qualidade literária, a bem de verdade, não está descartada, mas apenas ficou em segundo plano, porquanto um dos traços de Portuguesia é a justaposição em nível de igualdade de toda uma rosácea de vozes que se correspondem desde o lugar transcultural de uma poesia multifária de matriz lusófona.

A ler

26.11.2010 | por Ronald Augusto

Entrevista a Janelo da Costa, vocalista dos Kussondulola

Entrevista a Janelo da Costa, vocalista dos Kussondulola Janelo da Costa é líder de uma banda que na década de 90 pôs Portugal a pular com canções e ritmos novos: os Kussondulola. Entre portugueses e africanos vindos dos Países Africanos de Língua Portuguesa, não há quem não conheça esta banda, fusão de reggae com outros sons, que se popularizou tanto em Portugal. Quem não vibrava mal ouvia os primeiros acordes de "Pim Pam Pum"?

Palcos

02.11.2010 | por Jorge Ramos

História, identidade e afro-descendência

História, identidade e afro-descendência Argumentos que são resíduos da história recente do continente ditada e escrita pelo Ocidente. Esquecem-se que a população deste continente foi pioneira na história da humanidade em conceber estruturas sociais, económicas e políticas que possam garantir o máximo em termos de sobrevivência humana no contexto de uma natureza material e humana adversa. Estruturas estas ainda prevalentes e que fizeram com que África sobrevivesse à catástrofe do tráfico atlântico de escravos e à ocupação colonial.

A ler

14.09.2010 | por Aida Gomes

Da colonização à convivência

Da colonização à convivência Não existe verdadeiramente “consciência lusófona”, excepto talvez nalguns intelectuais ou políticos. O angolano ou o moçambicano médio, mesmo artista ou universitário, nunca utilizará esta palavra para se definir, enquanto para um africano francófono, o termo “francofonia” tem significado, e até uma dimensão política supranacional.

A ler

23.08.2010 | por Ariel de Bigault

Kalaf Ângelo, quanto mais caminho percorres mais a sorte é tua aliada

Kalaf Ângelo, quanto mais caminho percorres mais a sorte é tua aliada O percurso do músico e poeta angolano que cativou os europeus tem muita determinação. Soube evidenciar em Lisboa o que ainda não estava à vista: a riqueza cultural de origens africanas em forma de novos sons. Pegar naquilo que traz e lhe vem de Angola e sintonizar com os tempos que correm nas cidades europeias, falar das novas tendências e ser um cidadão do mundo, são alguns dos segredos da sua singularidade.

Cara a cara

22.07.2010 | por Marta Lança

Reverberações lusotropicais: Gilberto Freyre em África 2

Reverberações lusotropicais: Gilberto Freyre em África 2 Mal ou bem eis os alicerces conceptuais daquilo que seria, após as independências africanas, a lusofonia, cujas linhas de força e definição são ainda objecto de debate. Gilberto Freyre destacou o papel de Portugal na construção de um espaço cultural comum lusotropical, sem perder de vista o protagonismo presente e futuro do Brasil naquele espaço faltando-lhe, no entanto, uma visão mais clara acerca da evolução e o papel a desempenhar por parte dos futuros países africanos. O seu legado ainda hoje reverbera na tentativa de construção de comunidades linguísticas e culturais numa era ambivalentemente pós-colonial, de processos híbridos intensificados e globalização acelerada.

A ler

28.06.2010 | por Fernando Arenas

Todos iguais em África? Não, todos diferentes

Todos iguais em África? Não, todos diferentes No triângulo Europa-América-África da lusofonia, há um elo mais fraco. Os africanos vivem um período de afirmação da língua portuguesa como língua identitária e serão tanto mais iguais quanto forem diferentes.

A ler

17.06.2010 | por Susana Moreira Marques

A lusofonia é uma bolha

A lusofonia é uma bolha Que identidades culturais partilham estes países para além da especificidade da língua (que já é muito) e do destino de emigração ser a antiga metrópole? Porque têm de ser tomados em conjunto, como um pacote de países, estas diferentes culturas a quem aconteceu terem sido esquartejadas em países colonizados pelo mesmo poder central? E de que se trata quando se pretende fortalecer a “nossa forma de estar no mundo”? Que olhar é esse nosso olhar? Quem é este nós? À partida um ‘nós’ é feito de coisas muito diversas e, se referido ao português, devia ser o oposto de um motivo de orgulho.

Jogos Sem Fronteiras

26.05.2010 | por Marta Lança