Funaná, raça, masculinidade

O funaná é uma prática de música e dança que foi criada pela população camponesa da ilha cabo-verdiana de Santiago no período pós-escravatura do final do século XIX. Originado nas performances de tocadores de gaita e fero em sociabilidades familiares e comunitárias, foi proscrito por administradores e clérigos durante o período final do colonialismo português. Após a independência de Cabo Verde, o interesse de jovens músicos por esta história marginal motivou a criação de novas estéticas de música popular. Apesar de gradualmente aceite no quadro de uma cultura oficial crioula promovida pelo Estado, o funaná permaneceu uma prática icónica de uma masculinidade entendida enquanto “africana”. Este livro situa o funaná na história social e política colonial e pós-colonial. Questiona em particular de que modo este género de música e dança foi historicamente racializado e que legados deste processo persistem no presente.

Autor: Rui Cidra

Edição: Outro Modo, Le Monde diplomatique – edição portuguesa

2021 | Preço: 14€ (10% de desconto para assinantes)

02.08.2021 | par martalanca | Funáná, masculinidade, raça

14ª edição do LEFFEST – Lisbon & Sintra Film Festival

Um ciclo de cinema muito especial organizado entre os dias 13 e 25 de Novembro.


O ciclo temático Confronting the Gaze – Os Olhares em Confronto, com curadoria de Alexey Artamonov, Denis Ruzaev e Ines Branco Lopez, nasce do desejo de homenagear filmes que ousaram questionar a natureza controversa da imagem cinematográfica e desafiar o olhar hegemónico do cinema, procurando novas e mais autênticas perspectivas.

Inicialmente introduzida na teoria do cinema através da crítica feminista, a noção de “gaze” / de “olhar”, que serve de premissa ao ciclo, vem sendo examinada através de diferentes perspectivas: de género, de raça, de classe, de resistência colonial, etc. O ciclo Confronting the Gaze procura ir ao encontro dessas perspectivas.

Organizado em torno de sete sessões duplas, o ciclo afirma olhares historicamente marginalizados, tradicionalmente menosprezados, procurando confrontar as relações de poder que o cinema produz e reproduz. As duplas de filmes seleccionadas estabelecem oposições ou relações de simbiose, por vezes complementam-se e, noutras alturas, resultam num diálogo pontuado pela ambiguidade.

Mais informação sobre o festival em: www.leffest.com

10.11.2020 | par martalanca | ciclo de cinema, classe, festival de cinema, género, raça, resistência colonial

‘Raça’, Nação e Classe. Conversa com Mamadou Ba e José Neves

Terça-feira, 14 de Janeiro, às 18h30, na livraria Tigre de Papel | entrada livre
www.facebook.com/events/459286374973544/

É mais importante fazer a crítica do racismo ou fazer a crítica das desigualdades económicas? Mais do que uma resposta a esta pergunta, esta conversa procurará questionar a sua pertinência, abrindo campo a uma reflexão sobre como as esquerdas podem articular a luta de classes e o anti-racismo, bem como sobre a relação entre estas questões e o nacionalismo.

13.01.2020 | par martalanca | classe, Identidade, José Neves, Mamadou Ba, nação, raça

raça e classe

15.03.2011 | par martalanca | classe, raça