O ar em suspenso, sobre o filme 'Ar Condicionado'

O ar em suspenso, sobre o filme 'Ar Condicionado' Os ares condicionados estão caindo, estão podres. Um calor que não se aguenta - pelo menos os ricos não aguentam pois que aos demais só resta a resiliência. A ideia de que eles despencam sem aviso prévio e são, ao mesmo tempo que salvadores, armas perigosas, colocam lado a lado vida e morte. Mas novamente Matacedo parece imune ao medo de morrer atingido por um resfriador sintético na cabeça. Caminha e olha pouco para cima. Na verdade, caminha olhando para baixo, como que indiferente também aos prédios que são construídos pelos homens e depois abandonados, ou aos mandos e desmandos de um patrão rico ou mesmo de sua empregada doméstica, numa cadeia hierárquica perene e quase imutável. Este contexto todo, cenário decadente, desafio impossível, perigo iminente e personagens que levam a vida a pensar em si próprios, é o caldo que se perpetua pelo filme e vai descortinando camadas sociais. O filme é um constante descamar de subtilezas. Não espere por um momento catártico em termos de roteiro porque ele não vem. Mas as nuances estão todas naquilo que não é dito.

Afroscreen

17.08.2020 | por Fernanda Polacow

Entrevista a Fonseca e Costa

Entrevista a Fonseca e Costa Ainda antes de os filmes terem sido usados, em Angola, como uma arma pelos movimentos de libertação, já um cinema de causas – militante – ensaiara um contributo para a criação de um verdadeiro cinema angolano. Será abusivo afirmar que a primeira causa do movimento cineclubista em Angola foi a de, através da educação para o cinema e pelo cinema, criar um cinema angolano?

Afroscreen

18.12.2013 | por Maria do Carmo Piçarra

Cinema em Angola não era angolano

Cinema em Angola não era angolano Este livro é, por isso, um documento pioneiro e imprescindível para o estudo do cinema angolano (e também lusófono e colonial). Esperamos que o trabalho futuro dos investigadores Maria Carmo Piçarra e Jorge António continue (e continue a ser financiado) porque é com expectativa que aguardamos os volumes futuros. Porque não estamos só a falar de cinema per se. Sobretudo no caso de Angola, ao falar de cinema (do que há, do que não há, do que houve e do que se perdeu) estamos também a falar de movimentos históricos, de relações internacionais, de relações de poder, de olhares internos e externos sobre fenómenos económicos, sociais ou outros, de política e (sobretudo) de ideologia. Há escolhas, há olhares e há história(s) que têm de ser resgatados e estudados.

Afroscreen

23.08.2013 | por Raquel Ribeiro

Quem foi o Joãozinho das Garotas? conversa com Zézé Gamboa sobre o "Grande Kilapy"

Quem foi o Joãozinho das Garotas? conversa com Zézé Gamboa sobre o "Grande Kilapy" Encontrámo-nos há dois anos em Ipanema, Rio de Janeiro, onde Zézé Gamboa e alguns membros da equipa passam uns dias de descanso depois de intensa rodagem depois de terem filmado em Portugal e na Paraíba brasileira. Prepara-se “Grande Kilapy”, um filme que conta a história do Joãozinho das Garotas, um angolano que no tempo colonial dá um golpe nas finanças coloniais e espelha bem as incoerências de um regime. É hora de fazer o balanço desta experiência e dar a conhecer alguns aspectos do trabalho do mais consistente realizador angolano. Entretanto o Grande Kilapy acaba de estrear no Festival de Cinema de Toronto, com um belo elenco no qual se destaca o baiano Lázaro Ramos. Retomamos aqui esta conversa à espera que o filme venha para Portugal.

Afroscreen

18.11.2010 | por Marta Lança

Mário Bastos, temos novo realizador em Angola!

Mário Bastos, temos novo realizador em Angola! Para o jovem realizador as prioridades para estimular a produção audiovisual nacional são a lei do cinema e a prática do mecenato cultural. Considera a formação uma peça-chave para consolidar referências cinematográficas: “fala-se muito nas novas tendências no audiovisual angolano, deve-se apoiar, claro, mas não lhes podemos chamar cinema”.

Cara a cara

03.11.2010 | por Marta Lança