"Estou lá" (crónica) – Festival da Lusofonia

"Estou lá" (crónica) – Festival da Lusofonia A Galiza acolheu pela primeira vez estes colóquios que já passaram pelo Brasil, Macau, China e agora visitaram a terra berço da língua galego-portuguesa. O nosso mais sincero agradecimento a todas as pessoas que o tornaram possível.

Palcos

12.10.2012 | por Xurxo Nóvoa Martins

Depois da eleição de Obama, é mais difícil falar sobre raça na América

Depois da eleição de Obama, é mais difícil falar sobre raça na América Na sua campanha presidencial há quatro anos, Barack Obama disse que a questão racial não devia ser ignorada. Mas como Presidente, tem falado sobre o tema de forma episódica e só depois de ter sido publicamente pressionado. Qualquer menção de raça vinda da Casa Branca cria uma tempestade porque a América branca votou nele para acabar de vez com a conversa sobre a barreira racial. Esse é um dos maiores paradoxos da sua eleição: a raça tornou-se um tabu – para ele.

A ler

11.10.2012 | por Kathleen Gomes

Interações reflexivas sobre o novo plano MARTIM MONIZ

Interações reflexivas sobre o novo plano MARTIM MONIZ No campo das liberdades parece-nos que, em relação a este projecto de requalificação, as comunidades locais estão privadas de algumas liberdades instrumentais de Sen. Nomeadamente a das liberdade políticas, dispositivos económicos, oportunidades sociais e garantias de transparência. A Câmara Municipal de Lisboa optou por uma estratégia que poderá ser válida, mas que parece contraditória com o seu discurso oficial. A história recente da Praça do Martim Moniz conta-nos que a artificialidade do seu uso comercial face ao seu quotidiano deriva em falência, embora tenhamos que expectar pela inauguração e ocupação dos novos edifícios da EPUL para melhor validar a viabilidade económica do novo projecto.

Cidade

07.10.2012 | por António Guterres

Mauritânia: entre o Magreb e a África Subsahariana (parte 2)

Mauritânia: entre o Magreb e a África Subsahariana (parte 2) É objecto de incertezas e de discussão académica quem terão sido os primeiros habitantes do amplo território mauritano. Segundo Marchesin (1992), os pioneiros poderão ter sido os agricultores negros Bafur que foram sendo empurrados para o sul tanto pela seca existente no Sahara, como pela penetração na região dos Sanhadja, nómadas cameleiros, entre os séculos II e III, mas esta teoria constituirá uma hipótese, a par com a possibilidade dos primeiros habitantes terem sido os judeus, ou os navegadores espanhóis e portugueses.

A ler

05.10.2012 | por Joana Lucas

Manual para Incendiários e Outras Crónicas #2 - PRÉ-PUBLICAÇÃO

Manual para Incendiários e Outras Crónicas #2 - PRÉ-PUBLICAÇÃO "Segundo as últimas notícias, a literatura moçambicana acabou. Um pré-aviso para este fim inglório, agora anunciado, surgiu há cerca de dois anos quando um grupo de jovens decretou a sua morte. Dada a abolição da pena de morte da ordem jurídica e penal do país, a sentença então pronunciada foi alvo de alguma polémica e causou agitação nos potenciais candidatos ao tenebroso corredor." O livro "Manual para Incendiários e Outras Crónicas" é um conjunto de crónicas publicadas entre 2000 e 2009 na imprensa portuguesa e moçambicana (Jornal de Letras, Savana, África Lusófona e Angolé), cujo fio condutor é a ironia do processo de escrita.

Mukanda

04.10.2012 | por Luís Carlos Patraquim

Manual para Incendiários e Outras Crónicas - PRÉ-PUBLICAÇÃO

Manual para Incendiários e Outras Crónicas - PRÉ-PUBLICAÇÃO Este livro é um conjunto de crónicas publicadas entre 2000 e 2009 na imprensa portuguesa e moçambicana (Jornal de Letras, Savana, África Lusófona e Angolé), cujo fio condutor é a ironia do processo de escrita. Repositório humorado das reflexões do autor-cronista sobre a actualidade, Manual para Incendiários e Outras Crónicas prima pelo olhar mordaz e apaixonado sobre a literatura, a identidade moçambicana, a aculturação e a intromissão ocidental. Crónicas desenvoltas que abarcam a Europa, África e as suas gentes, são uma visão destes dois mundos aliada a um vívido humor.

Mukanda

02.10.2012 | por Luís Carlos Patraquim

Filmes da África e da diáspora: Imagens, narrativas, músicas e discursos

Filmes da África e da diáspora: Imagens, narrativas, músicas e discursos Os textos reunidos neste livro resultam de um exercício hermenêutico coletivo sobre um mesmo objeto: os filmes da África e de suas diásporas. São textos analíticos tecidos a partir de perspectivas diversas: antropológica, literária, sociológica, estética e política. Depois de ter despertado o interesse dos críticos ávidos de novidade, as obras dos cineastas africanos acabaram se constituindo em valiosos objetos de estudo para os pesquisadores universitários. Em resenhas, teses, dissertações e outros trabalhos acadêmicos, os filmes africanos são estudados como “textos” e pretextos a partir dos quais se elaboram reflexões teóricas abrangentes sobre questões identitárias, culturais e ideológicas que formam o bojo do pensamento pós-colonial e dos cultural studies.

Afroscreen

02.10.2012 | por Mahomed Bamba e Alessandra Meleiro