Programa de Energias Renováveis para Mulheres: cada projecto uma história para votação

São doze mulheres, provenientes de São Tomé e Príncipe, de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, que ao longo dos últimos seis meses trabalharam diariamente para desenvolverem projetos de energia sustentável a serem implementados nas suas comunidades locais.

Da instalação de sistemas de energia solar ou de irrigação, a projectos educativos e de capacitação, ou projetos que permitam a possibilidade de conservação de alimentos, cada um destes projectos ajudará a desenvolver a economia local, a contribuir para o empoderamento e para a igualdade de género ou, até, gerar impacto social e ambiental nas comunidades abrangidas. Até ao dia 19 de Julho, estão abertas as votações para que o público ajude a eleger o projecto vencedor. Convidamo-lo a ouvir as histórias destas mulheres e a contribuir com o seu voto. Saiba mais aqui.

13.07.2022 | by Alícia Gaspar | cabo verde, empoderamento, energias renováveis, energias renováveis para mulheres, feminismo, Guiné Bissau, igualdade de género, São Tomé e Príncipe, votação

“Tempo Djá Muda” | Concerto de apresentação 14 de abril

KRIOL é o recente projeto formado por Danilo Lopes (Fogo-Fogo, Refillon e Orquestra Todos) com o seu primo Renato Chantre (Kussondulola, Mercado Negro e Orquestra Cesária Évora) que promete reinventar a música tradicional de Cabo Verde.

Esta dupla de peso juntou-se durante a pandemia motivada por criar novas sonoridades com o objetivo de levar o melhor da ilha até nós.

“Tempo Djá Muda” reflete a fusão do universo musical cabo-verdiano e os tempos em que vivemos em que “está tudo trocado, sem tempo de ouvir, só tempo de falar… aquilo que conta é mostrar a tua força” É uma crítica à sociedade em que vivemos e surge também como uma mensagem de esperança… “é tempo de os homens grandes mudarem!”

Desde Mazurkas, Valsas, Colá San Jon até Coladeras e Batukes… os concertos dos Kriol são uma viagem pelos sons do Atlântico, com um psicadelismo tropical que lhes é bastante peculiar, onde a dança simplesmente acontece.

O concerto de apresentação é no dia 14 de Abril na Casa Independente, com hora marcada para as 22h30. Depois seguem-se os Makafula que assumam os comandos da pista de dança até às 02h para nos fazer viajar pelo afro electronic. A noite promete!

06.04.2022 | by Alícia Gaspar | batukes, cabo verde, colá san jon, coladeras, concerto, KRIOL, mazurkas, música, tempo djá muda, valsas

ATLANTICA: Contemporary Art from Cabo Verde, Guinea Bissau, São Tomé and Príncipe and their Diasporas

Pão, pão, queijo, queijo, 2010 | Gelantin silver print | 60 x 200 cm © Sandim Mendes Pão, pão, queijo, queijo, 2010 | Gelantin silver print | 60 x 200 cm © Sandim Mendes

Lançamento do livro Atlantica: Contemporary Art from Cabo Verde, Guinea Bissau, São Tomé and Príncipe and their Diasporas

10 de Dezembro 2021 | 18h00 – 21h00

Local: Hangar | Rua Damasceno Monteiro, n.º 12 - r/c, 1170-112 Lisboa 

ATLANTICA: Contemporary Art  from Cabo Verde, Guinea Bissau, São Tomé  and Príncipe and their Diasporas é o terceiro livro da editora Hangar Books, especializada em publicações no contexto das artes contemporâneas, com foco nas espistemologias do sul. 

Na sequência das duas obras anteriores dedicadas, respectivamente, a Angola e a Moçambique, este novo livro da série “Atlantica” centra-se na arte de Cabo Verde, da Guiné-Bissau e de São Tomé e Príncipe, bem como nas suas diásporas.  É editado pelo artista César Schofield Cardoso, em conjunto com Mónica de Miranda, que assina também a coordenação.

Entre os artistas selecionados, encontramos Olavo Amado, Nú Barreto, Welket Bungué, César Schofield Cardoso, Irineu Destourelles, Vanessa Fernandes, Ângelo Lopes, Sandim Mendes, Melissa Rodrigues, Herberto Smith, Abdel Queta Tavares e René Tavares. E nos ensaios teóricos:  Azu Nwagbogu, Mónica de Miranda, César Schofield Cardoso, Ana Balona de Oliveira, Ana Cristina Pereira, Inês Beleza Barreiros, Raquel Schefer, Ana Nolasco, Álvaro Luís Lima, Michelle Salles, Paula Nascimento, Mariana Aboim, Raquel Lima, Valdívia Delgado Tolentino, Cristiana Tejo, Luísa Santos, Inocência Mata e Joacine Katar Moreira. 

Este quadro curatorial destaca artistas contemporâneos dentro e das regiões que atuam desde a viragem do milénio até ao presente. São artistas envolvidos em pesquisas e práticas de arte experimental e conceptual que investigam narrativas coloniais e pós-coloniais. As obras dos artistas representados neste livro são diversas em meio e abordagem, bem como no que respeita a questões sociais de endereço, como identidade e política corporal, lugar, memória e história. O novo milénio assistiu a uma produção cultural sem precedentes, caracterizada por um misto de radicalidade e marginalidade, nostalgia e utopia. Estes artistas estão principalmente comprometidos em desafiar noções fixas de lugar e afirmar conexões entre a produção artística e as formações políticas, sociais, ideológicas e pessoais.

“Atlantica” é o título e o princípio organizador desta série e o seu significado semântico remonta à mitologia clássica. Está carregado de potencial interpretativo sobre questões de localização, geografia, exílio, migração, separação, êxodo, diáspora e deslocamento, e representa o movimento de deixar a terra natal, uma experiência comum para muitos dos artistas representados nos outros livros da série. Atlantica aponta também para a história bem estudada da travessia do Atlântico Sul e do Norte e remete para o conceito de The Black Atlantic (1993), de Paul Gilroy. Gilroy usa as imagens do Atlântico para demonstrar a posição de identidades entre duas (ou mais) terras, culturas, que não podem ser definidas por fronteiras. Atlantica situa-se neste lugar de dupla consciência no trabalho de W.E.B. Du Bois, em The Souls of Black Folk (Du Bois 1903, 8).

Na celebração do lançamento deste livro, no dia 10 de Dezembro, às 18h, no Hangar, teremos um seminário moderado por César Schofield Cardoso com conversas com teóricos, artistas e investigadores. Este ciclo se estenderá por outros eventos como video-screenings, residências e rádio durante 2022.  Organização de Mónica de Miranda.

PROGRAMAÇÃO

Dia 10 de Dezembro. (18h00-21h30)

18h00

César Schofield Cardoso, “The space we share” (Editor’s note).

18h30

Ana Balona de Oliveira “Contemporary Art and the Interwoven Histories of Cabo Verde, Guinea-Bissau and São Tomé e Príncipe”. 

19h00

Inocência Mata “Between Sankofa and Janus…”transterritorialized” artists”.

19h30

Joacine k Moreira “TO DECOLONIZE IS TO D.E.P.R.O.G.R.A.M.E. Systemic Racism, Body, Gender and Diaspora in Arts”.

20h00

Artists Talk 

  • Vanessa Fernandes 
  • Irineu Destourelles
  • Nú Barreto
  • Melissa Rodrigues 
  • René Tavares 

 

CICLO DE VIDEO ONLINE DIÁSPORA: ITINERÁRIO DIALÓGICO

Curadoria de JOÃO SILVÉRIO

Artistas: Cesar Schofield Cardoso, Melissa Rodrigues, Vanessa Fernandes, Sandim Mendes, Welket Bungué

Lançamento 15/12/2021 às 19h

Diáspora: itinerário dialógico

Esta seleção de artistas para exibição na plataforma Hangar Online inclui trabalhos em vídeo e fotografias.  A extensão, por assim dizer, à fotografia, tenta reforçar uma ligação à prática documental tão presente nas imagens que os arquivos da diáspora se revelam como uma memória colonial do século passado.  Nesse sentido, procura-se propor um itinerário dialógico, ou seja, uma sequência de narrativas e documentos que exploram temas e temas atuais e comuns, como a (s) diáspora (s), o período colonial e diferentes abordagens das questões identitárias que representam a suposição de diferença, desejo e liberdade.

JOÃO SILVÉRIO

Mestre em Estudos Curatoriais pela Faculdade Belas-Artes da Universidade de Lisboa. É curador associado da colecção de arte contemporânea da Fundação PLMJ. Curador e tutor no projeto RAMA Residências para Artistas, Maceira, Portugal. Inicia a sua actividade como curador independente em 2003.

Cria o projecto independente EMPTY CUBE em Outubro de 2007 que tem apresentado projectos de artistas, designers e arquitectos (www.emptycube.org). Foi Presidente da Secção Portuguesa da AICA – Associação Internacional de Críticos de Arte, desde Março de 2013 até Dezembro de 2015. Cria, em 2019, a editora independente EMPTY CUBE_reader que lançou a primeira edição com uma obra dos artistas Musa paradisiaca.

Escreve regularmente sobre projectos artísticos em catálogos, publicações e websites entre os quais no www.emptycube.org

Conheça a editora Hangar Books:

https://hangar.com.pt/edicoes/ 

18.11.2021 | by Alícia Gaspar | arte, cabo verde, contemporary arts, cultura, diasporas, Guinea Bissau, HANGAR, lançamento de livro, livro, política, São Tomé and Príncipe

“O Abecedário” junta livrarias de Portugal, Cabo Verde e Brasil

De 10 a 12 de setembro, o Abecedário - Festival da Palavra vai invadir seis livrarias em Portugal, Cabo Verde e Brasil. Com a participação de escritores, jornalistas, artistas e outras personalidades o objetivo da iniciativa é partilhar experiências acerca das múltiplas vertentes da palavra proximidade. 

Com base numa programação de tertúlias centrada no tema da proximidade e destinada a promover as livrarias de rua, este ano, o Festival da Palavra decorrerá na livraria Barata, na Stolen Books e na livraria Tinta nos Nervos, em Lisboa, na livraria Gigões e Anantes (Aveiro), e ainda na livraria Pedro Cardoso, na cidade da Praia, Cabo Verde, e na livraria Zaccara, em São Paulo, Brasil.

Entre os convidados desta edição estão a dramaturga Cláudia Lucas Chéu, a escritora Patrícia Portela, o escritor brasileiro Lira Neto, a artista visual Vanessa Teodoro e o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente.

As tertúlias terão público nas livrarias, mas sempre dependentes do cumprimento das regras de distanciamento face à chegada da covid-19. Como forma de solução do limite, serão, igualmente, transmitidas online.

O festival é promovido pelo projeto Cabine de Leitura, uma rede de micro-bibliotecas em antigas cabines telefónicas, criada em 2014, e tem curadoria do gestor cultural Carlos Moura-Carvalho.

Texto de Isabel Marques e Lusa, originalmente publicado por Gerador a 26.08.2021

27.08.2021 | by Alícia Gaspar | abecedário festival da palavra, Brasil, cabo verde, Portugal, projeto cabine de leitura

Literaturas Afrikanas

O blog na rua 

Acompanhando a conferência “Desafios das línguas nacionais e da língua portuguesa nalguns países da CPLP”, o blog participará com uma banca de livros de autoria africana  escritos em línguas nacionais ou em versão bilingue com o português. Haverá também dicionários e gramáticas de várias língua nacionais africanas e, até, do Brasil.

Uma mesa especial será consagrada a obras das e dos ilustres palestrantes da conferência e do programa de acompanhamento. 

Vejam a programação do evento  aqui.  

A banca estará pronta para vos acolher a partir das 12.00 horas até às 20.00 horas , na sexta feira , dia 21 de maio, no “Bistrô Crioulo” do Centro Cultural de Cabo Verde , na Rua de São Bento, em Lisboa. 

A conferência começa às 17 horas e pode ser acompanhada online aqui. Para a participação presencial é necessária uma inscrição prévia.

 Apareçam nesta celebração da palavra africana (e não só)  e divulguem!!!!

20.05.2021 | by Alícia Gaspar | cabo verde, centro cultural de cabo verde, língua portuguesa, lisboa, literaturas afrikanas

“Bidon – Nação Ilhéu”

Este documentário, realizado pelos cabo-verdianos Celeste Fortes e Edson Silva, retrata a estória de três personagens femininas e vai mostrar como é que cada um vive a sua relação com o bidão que chega de fora. Um dos casos é de uma menina que vive permanentemente em contacto com a sua mãe, que vive nos Estados Unidos, através do envio de bidões. Outro caso é de uma senhora que tem o sonho de receber o bidão, mas nunca o recebeu. “Ao longo do documentário, vamos ver como é que ela alimenta este sonho de receber um bidão, inclusive porque ela já viveu nos Estados Unidos, mas apesar disso, nunca recebeu um bidão e a partir do percurso que ela faz por algumas lojas da ilha vai procurando as memórias dessa experiência de vida lá fora e vai alimentando este sonho de receber um bidão”. 

A terceira personagem é uma “rabidante” que compra os produtos que vêm nos bidões e a partir da venda desses produtos ela sustenta a sua família.

O “Bidon – Nação Ilhéu”, segundo a mesma fonte, costura essas três estórias para mostrar como é que o bidão é uma peça fundamental na economia e na sustentabilidade do país. Por razões logísticas e orçamentais toda a estória foi construída na Ilha de São Vicente, entretanto, sublinhou que o curioso é que a partir de São Vicente foi possível ter contacto com outras ilhas e outros países, a partir deste projeto.

10.05.2019 | by martalanca | cabo verde, cinema, “Bidon – Nação Ilhéu”

Cachupa de Culturas - documentário

CONVITE | 22 Abril | Padrão dos Descobrimentos | 18H30
Preview do Documentário “Cachupa de Culturas” de Hugo Israel, Av. Brasília 1400-038 Lisboa ENTRADA LIVRE

IMAGINÁRIOS PÓS-COLONIAIS E DESOCIDENTALIZAÇÃO DA ARTE 

 

A ambiguidade cabo-verdiana foi criada e alimentada por Portugal com o claro intuito de confundir aquele povo quanto à sua autonomia e assim manter o status quo colonialista, ao defender a quimera de que Portugal e as suas colónias seriam um corpo só. Facto é que, distante geograficamente tanto de Portugal quanto do continente africano mas histórica e intrinsecamente ligados a ambos, Cabo Verde é fruto do processo de fusão desses dois polos presentes na consciência da cabo-verdianidade, o que deu origem a uma idiossincrasia própria: a miscigenação e uma língua nova e comum a todos os cabo-verdianos, o crioulo e, daí, o conceito de crioulidade para descrever a experiência de miscigenação e de construção identitária da nação. A identidade e a diferença são construções ativas no contexto das relações sociais e culturais, não são inatas ou naturais.

Linhas de orientação; 1) Identidade no pós-colonialismo: hibridização e ruralismo tropical; 2) Mestiços e/ou Crioulos? 3) A diferença em relação ao outro, reivindicações essencialistas sobre quem pertence e quem não pertence. 4) Identidade étnica Vs. nacional. Cultura cabo-verdiana, africanidade e a europeização? 5) Consolidação da identidade cabo-verdiana:(Ir)responsabilidade Portuguesa 6) Identidade cabo-verdiana é também construída e vivida pela diáspora 7) Há uma relação entre a tentativa, Portuguesa, de dificultar a formação identitária das ex-colónias e o atual recenseamento étnico da sua população a partir de 2021?

 

18.04.2019 | by martalanca | cabo verde, Identidade

As Cidades e as Trocas, filme de Luísa Homem e Pedro Pinho

Documentário / 16mm / 139’ / 2014

Ciclo Cinema Português: Novos Olhares III
Sessão na Cinemateca Portuguesa
Dia 23 de Maio às 21h30 Sala M. Félix Ribeiro

Em 2008, no limiar da crise económica que se instalou depois, num arquipélago atlântico ao largo de África ocidental, a utilização intensiva de areia para construção de hotéis e resorts ameaça a existência das praias locais - a principal fonte de atração da florescente indústria turística. Ali ao lado, numa capital costeira em pleno deserto do Sahara, os homens de negócios agitam-se com a possibilidade de exportar o seu recurso mais abundante. Inicia-se então um triângulo comercial que se completa com a exploração de brita vulcânica e com a transferência maciça de solo de um lugar ao outro, através do oceano. O filme “As Cidades e as Trocas” procura fazer um registo silencioso da chegada de uma economia de escala, dos seus fluxos e dos seus efeitos na transformação da paisagem física e humana de uma ilha.

23.05.2017 | by martalanca | Areia, As Cidades e as Trocas, cabo verde, ilha, turismo, viagem

Catchupa Factory – Projecto Colectivo

Curadoria de António Júlio Duarte e Diogo Bento


No âmbito da iniciativa Catchupa Factory – Novos Fotógrafos, lançada em Maio de 2016, realizou-se o Curso Avançado de Projecto em Fotografia, com a participação de 12 fotógrafos cabo-verdianos provenientes de diferentes ilhas.
Pretendia-se incentivar o desenvolvimento de um projecto fotográfico documental dando particular ênfase ao trabalho de edição e de construção de sequências narrativas. Ao exercício proposto, todos responderam de forma praticamente unívoca: tendo como pano de fundo a cidade do Mindelo, os trabalhos apresentados reflectiam preocupações de ordem social, cultural e económica.
Partindo de um maior ou menor conhecimento da cidade (e fazendo-o com recurso a diferentes estratégias), cada um dos autores acabou por percorrer ou habitar diferentes espaços (não é a própria fotografia, também, um acto performativo?). Em alguns casos é nos lugares de maior intimidade que se desenvolve a narrativa, sendo que outros fotógrafos foram obrigados a deslocar-se em território até então desconhecido. Dentro de uma esfera tão ampla de abordagens, talvez a característica mais visível seja uma atitude de transgressão relativamente às noções de centro e periferia. Numa cidade em que a própria geografia e o desenvolvimento urbanístico determinam de forma tão vincada sociabilidades distintas, vemos nestes trabalhos como as diferentes fronteiras e centralidades acabam por ser corrompidas.
Foram estes aspectos que quisemos destacar no processo de deslocamento dos projectos fotográficos para esta plataforma eminentemente visual e interactiva. De que forma a dispersão e localização das tomadas de vista foram condicionadas pela biografia de cada autor, por sentimentos de pertença, distanciamento, curiosidade ou desejo?
A Catchupa Factory – Novos Fotógrafos é uma iniciativa da AOJE e contou com o apoio do Ministério da Cultura de Cabo Verde e da Fundação Calouste Gulbenkian; o Curso de Projecto foi orientado por António Júlio Duarte e Diogo Bento e teve a participação de Pedro dos Reis (da RAUM) e Miguel Rodrigues que entre 16 e 18 de Maio conduziram um workshop e conversa sobre a fotografia e o espaço digital, no âmbito da iniciativa Raum: em Cabo Verde, com o apoio da Direção-Geral das Artes.

ver aqui 

04.01.2017 | by martalanca | António Júlio Duarte, cabo verde, Catchupa Factory, Diogo Bento, residências artísticas

Festival Internacional de Fotografia de Cabo Verde - inscrições abertas!

Até 22 SET.- última semana!

INSCRIÇÕES ABERTAS A FOTÓGRAFOS, ARTISTAS, 
COLECTIVOS E INSTITUIÇÕES

O Festival Internacional de Fotografia de Cabo Verde pretende incentivar a criação artística contemporânea, abrindo este espaço para a divulgação de trabalhos de fotógrafos nacionais e internacionais.A convocatória FIFCV está aberta a candidaturas para a integração de projectos na programação de exposições da sua edição 2014. Uma oportunidade de divulgação de trabalhos, ao lado de nomes consagrados da fotografia internacional, e visibilidade junto de um público alargado de profissionais, curadores ou galeristas.
Procuramos trabalhos interessantes, com uma abordagem genuína sobre determinado tema ou questão. Serão valorizados a coerência do projecto, a profundidade e intensidade na aproximação ao tema, a originalidade na perspectiva adoptada ou a clareza da linguagem visual.
A curadoria do FIFCV irá seleccionar os projectos submetidos em duas fases:
1. Selecção alargada para divulgação na página facebook do FIFCV;
2. Selecção dos melhores projectos para produção e montagem de uma exposição enquadrada na programação do FIFCV.

Será seleccionada uma proposta caboverdiana e uma proposta internacional para uma exposição na galeria Zero Point Art, no âmbito da programação do FIFCV 2014, com curadoria de Diogo Bento e Alex da Silva.
PARTICIPAÇÃO:
Envie entre 6 a 15 fotografias para o e-mail opencall2014@fifcv.com, com os seguintes dados:
- Nome do autor
- Nacionalidade
- Endereço de e-mail
- Website (opcional)
- Biografia
- Título do projecto
- Ano de produção
- Sinopse do projecto

PRAZOS:
As candidaturas poderão ser enviadas até 22 de Setembro. 

Para mais informações, por favor descarregue o Regulamento.
Se tiver alguma dúvida, por favor contacte-nos através do e-mail

opencall2014@fifcv.com.

Mais informações 

17.09.2014 | by martalanca | cabo verde, fotografia

Festival Internacional de Fotografia de Cabo Verde

Mindelo, de 15 de Novembro a 13 de Dezembro de 2013.
Uma iniciativa da Associação Olho-de-gente.

ver programa no FB 


17.11.2013 | by martalanca | cabo verde, fotografia

Juventudi Ku Atitudi, no Tarrafal

Jovens MCs de Hip Hop Tarrafal e Biblioteca Municipal de Tarrafal convida a população em geral a participar na palestra sobre os factores que dificultam o desenvolvimento da juventude em particular, e da sociedade em geral, o evento conta com debate aberto sobre a juventude e a sua integração na sociedade, contam com convidados como Jorge Andrade e Emerson Pina. O encontro será realizado Sábado, 17 de Agosto, no salão nobre da câmara municipal de Tarrafal, pelas 17 horas.

Objectivo do encontro:

Debater os problemas que dificultam o desenvolvimento intelectual do homem e da mulher social;

Promover debates a fim de conhecer o nosso tempo e os desafios;

Despertar a juventude a intervir na sua comunidade positivamente para o desenvolvimento;

Conhecer a história da África;

Promover intercâmbio entre jovens de Tarrafal com jovens de outras localidades

contacto da pessoa responsável pelo evento: 9158877

13.08.2013 | by martalanca | cabo verde, juventude

Encontro com Kwame Kondé (Francisco Fragoso), LISBOA

30 de Março às 19 horas:

O Regresso da Poesia às Noites Crioulas do Poço dos Negros
Programa:
19:00 - Apresentação do livro “Espicilégio/Antologia nº 1”, de Kwame Kondé seguido de recital de Poesia
20:30 - Jantar tradicional de Cabo Verde
Sujeito a inscrição prévia por email ou telefone (até dia 29)
Ementa: Linguiça frita; feijoada de feijão pedra; pudim de queijo
Contribuição (jantar + concerto): 13 crioulos (não inclui bebidas)
22:00 - Música ao vivo na voz e violão de PALÓ
Entrada: 3 crioulos
Marcações:
Tel: 21 820 76 57  | info.interculturacidade@gmail.com
Travessa do Convento de Jesus, 16 A, 1200-126 Lisboa

27.03.2013 | by candela | cabo verde, crioulo, poesia

"Ocupações Temporárias Cabo Verde"

As “Ocupações Temporárias Cabo Verde” decorrerão na cidade do Mindelo entre 7 e 21 de Março e são a primeira realização desta iniciativa fora do espaço onde inicialmente foram criadas.

A proposta feita aos artistas, em tudo idêntica à que foi formulada aos artistas de Maputo, é de ocuparem o espaço público da cidade, refletindo sobre uma temática específica, sujeitando os seus objetos artísticos às condições do espaço ocupado, tornando-os alvo de uma visibilidade que vai para além dos habituais “consumidores” de exposições.

Um percurso entre a Gare do Porto Grande e a Praça Estrela acolherá as seis ocupações que se apresentam em espaços que não são os que formal e tecnicamente são habitualmente utilizados para exposições.

Estrangeiros é o tema proposto no Mindelo, tal como foi em Maputo em Dezembro de 2012. A Abrão Vicente, Bento Oliveira, Diogo Bento, Nenass Almeida e Nuno Pinto foi proposta a reflexão sobre quem são os estrangeiros, quais as fronteiras, tangíveis e imateriais, que delimitam a pertença, como se distingue o eu do outro. Às propostas do Mindelo, em forma de vídeo, instalação, pintura e cerâmica, serão acrescentadas as intervenções de Paulo Kapela (Ang) e de Rui Tenreiro (Moz) vindas da cidade de Maputo integrando o circuito e acrescentado diferentes discursos, diferentes formas e vivências.

As “Ocupações Temporárias Cabo Verde” são financiadas pela Fundação Calouste Gulbenkian,  através dos Programas Gulbenkian de Ajuda ao Desenvolvimento  e Próximo Futuro, e contam com o apoio local do Camões Centro Cultural Português

Abraão Vicente (Assomada, 1980) Nasceu no interior da ilha de Santiago, em Cabo Verde, numa família numerosa, sendo o sexto de oito irmãos. Em casa encontrou no pai e no avô, estudiosos da língua crioula e da cultura da ilha, o gosto pela literatura e pelas artes. Fez os estudos na Vila de Assomada e na Cidade da Praia e, com dezoito anos, seguiu para Lisboa onde cursou sociologia, pela Universidade Nova de Lisboa, com tese sobre a construção do campo artístico em Portugal durante o séc. XX.  Entre exposições individuais e coletivas passou um período em Barcelona onde foi um dos programadores e artista do espaço de experimentação artística Miscelânea. Atualmente vive em Cabo Verde onde, a par das artes plásticas, já exerceu a função de jornalista e é um ativista social e cronista.

Bento Oliveira,(St Antão, 1973) Aos 13 anos viaja para S. Vicente para fazer os estudos secundários e aí começa os primeiros registos em desenho reflectindo suas atitudes perante a vida e a sensualidade emanada da paisagem materna, nas suas dimensões geográficas e humanas. No Brasil, na Amazónia, licenciou-se em Educação Artística - Artes Plásticas pela Universidade Federal do Pará. Regressa para Cabo Verde no ano de 2002. Para além de docente na área das artes visuais, tem realizado cenografias para teatro, e as suas obras têm sido apresentadas e, exposições individuais e colectivas em diversos países. É desde 2011 assessor para as Artes Visuais do Ministro da cultura.          

Diogo Bento (Trás-os-Montes, 1984) estudou Arquitectura Paisagista e Fotografia. Coordenou recentemente um projecto de Organização e Conservação da Colecção de Fotografia Foto Melo, em Mindelo, Cabo Verde, e a exposição Espelho de Prata, enquanto bolseiro do programa INOV-Art, em parceria com o Instituto Camões / Centro Cultural Português no Mindelo, e financiamento adicional da Fundação Calouste Gulbenkian. O seu trabalho em Fotografia tem vindo a desenvolver-se em torno das questões do arquivo, da memória e da paisagem. Desde 2011 que desenvolve um projecto em torno da memória de Amílcar Cabral. Mais recentemente destacam-se dois projectos sobre a identidade, o património e a paisagem cabo verdianos.

Arilson Nenass Almeida, (1984, Mindelo) estudou Ciências da Comunicação na Universidade Lusófona de Cabo Verde, fez um curso profissional de Cinema na Escola de Arte do Mindelo, e frequentou uma formação de Introdução a Fotografia na galeria Zero point art, com o fotógrafo Binu Baskar. Realizou em 2011, no âmbito da sua formação as curtas “Nôs Casa” e “Um Giro na Nóia”. Desde 2011 faz direcção de fotografia, estando neste momento a traalhar na série televisiva “Soncent Tal e Qual se Sente” relizada no Mindelo. Faz fotografia de moda.

Nuno de Pina (Mindelo, 1975) estudou Comunicação Social com habilitação em Publicidade. É designer gráfico e docente na Universidade Lusófona de Cabo Verde na área da comunicação.
Ao nível artístico trabalha essencialmente fotografia e vídeo tendo apresentado em 2011 a sua primeira exposição a nível internacional no CINEPORT (Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa) no Brasil. Em Dezembro de 2012 apresentou em São Nicolau a exposição AMORAMAR”, um olhar sobre as relações entre o homem e o mar tendo como referência a localidade piscatória da Preguiça em São Nicolau.

Rui Tenreiro(Maputo, 1979) é artista moçambicano residente desde 2008 em Estocolmo, onde se estabeleceu como ilustrador. Entre 2005 e 2009 geriu uma editora informal de cadernos artísticos. O seu trabalho apresenta formas variadas, entre elas o filme, a escrita, o desenho, direcção artística e edição, sendo a narrativa o ponto de partida e o elo de ligação entre todas as formas de expressão artística a que se dedica. Está atualmente a produzir uma história com banda sonora de Tiago Correia-Paulo e a editar uma coletânea de banda desenhada sul-africana.

01.03.2013 | by martalanca | cabo verde, ocupações temporárias

The trouble with Angola

by  

Like many Angolans on Sunday I was forced to eat my share of humble pie and admit the superiority of Cape Verde’s national football team, which, through sheer grit and determination, qualified their country to the quarterfinals of the African Cup of Nations at their first time of asking. Thus the tiny island nation of Cape Verde is now one of the 8 best teams on the continent. The Cape Verdeans played with a passion and will to win that has been conspicuously absent from the Angolan outfit since the opening match against the Moroccans. Watching Angola and Cape Verde play after having watched the Ivorians and to a lesser extent the Togolese beat their opposition the previous day highlighted just how far Lusophone football has to progress in order to challenge the continental giants; but the gulf in class between the Angolans and the Ivorians for example showed just how far apart we are in pure footballing skills. But also a matter of politics.

Clearly a team that played the way the Palancas Negras played against South Africa and Cape Verde has some much deeper structural issues that need to be examined. Perhaps we are not yet ready to progress beyond the quarterfinals. Cape Verde showed us that we are better off focusing on progressing from the group stages instead.

Condemnation of the Palancas Negras was swift and brutal amongst Angolans on both Facebook and Twitter. They were outraged at their team but many were also magnanimous enough to applaud Cape Verde on their brilliant achievement. Many questioned the $9 million that was spent on the Palancas Negras’ preparation. There was also widespread discontent aimed at FAF (Angolan Football Federation) and even the Minister of Youth and Sports for what many Angolans perceive as misguided sports policies and chronic underinvestment in the sector. Among the most common complaints is the complete lack of investment in youth football, footballing schools and youth development in Angola.

Many questioned why it seemed that Angolan football team owners have enough money to bring ageing stars into the country (such as Rivaldo to Kabuscorp) but don’t seem to care about developing their own clubs’ youth structures. For a team in its seventh appearance in the Nations Cup finals, a lot more was expected of them. Fans noticed that the team hasn’t built on its 2006 success, when the Palancas reached the World Cup.

Angola is used to being the Big Brother among Africa’s Lusophone nations: our petrodollars and military might obfuscate our many shortcomings. So Cape Verde’s victory over Angola was met with huge appreciation not just with Cape Verdeans but also among Mozambicans.

Cape Verde, once again, taught us a lesson.

Keep reading "The trouble with Angola"

31.01.2013 | by martalanca | angola, cabo verde, futebol

O Teatro em Cabo Verde e a Crioulização: da antropologia para os palcos, de João Branco

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), em Redenção-Ceará-Brasil.

 

 

08.12.2012 | by martalanca | cabo verde, João Branco, teatro

Protocolo entre Banco da Cultura e BIDC facilita financiamento a projectos culturais

Os agentes e artistas culturais cabo-verdianos podem a partir de esta segunda-feira submeter directamente os seus projectos ao Banco da Cultura, para financiamento, no âmbito do protocolo assinado com o Banco de Investimento para o Desenvolvimento da CEDEAO.

A assinatura do protocolo entre os presidentes do Banco da Cultura e do Banco de Investimento para o Desenvolvimento da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (BIDC), Carlos Horta e Ibashir Fo, respesctivamente, teve lugar esta segunda-feira no Palácio do Governo, na presença do ministro da Cultura, Mário Lúcio Sousa, e de vários artistas e agentes culturais.

Segundo o ministro da Cultura, a Organização Internacional da Francofonia colocou 650 mil euros sob a gestão do BIDC, que vai ser a garantia do Banco da Cultura junto dos Bancos Comerciais nacionais, para financiamento de projectos culturais.

“Significa que a partir de hoje os agentes culturais e os artistas cabo-verdianos podem submeter os seus projectos directamente ao Banco da Cultura, serão analisados e financiados. Os bancos comerciais serão parceiros mas não têm riscos na medida em que somos o garante em primeira-mão e quando os montantes ultrapassam os 15 mil euros, o BIDC é o nosso garante em primeira-mão junto dos bancos”, explicou.

Keep reading "Protocolo entre Banco da Cultura e BIDC facilita financiamento a projectos culturais "

22.11.2012 | by martalanca | banco cultural, cabo verde, cultura

CANJANA no Teatro Villaret, 31 Agosto, LISBOA

SINOPSE
Na década de 40, com as crises cíclicas, secas persistentes e agravadas com a IIª Guerra Mundial, o reino abandonou as ex-colónias portuguesas à sua sorte, entre as quais Cabo Verde fazia parte. As sucessivas fomes, impiedosamente atingiram as nossas ilhas e milhares de pessoas perderam a vida e foram atiradas, ainda vivas e outras tantas mortas para o fundo das valas, onde o regime salazarista de então ordenou que assim fosse.
Mais tarde o barco “John Smith”, proveniente de uma Companhia Inglesa, como que mandado pela bênção Divina, encalhara na Praia Formosa com os porões recheados de mantimentos. Toda a população para lá se ocorreu e dai a salvação de muitas almas. A felicidade viria a ser completada com a vinda da bendita chuva que trouxe bonança aos Ilhéus.

CANJANA” de JUVENTUDE EM MARCHA
FICHA TÉCNICA / ARTÍSTICA

CRIAÇÃO E ENCENAÇÃO: JORGE MARTINS
CENOGRAFIA: CÉSAR LÉLIS
DIREÇÃO ARTÍSTICA: JORGE MARTINS
LUZ E SOM: SIDNEY SOARES
ELENCO: CÉSAR LÉLIS, JORGE MARTINS, JOÃO NEVES, AMADEU MORAIS, OLGA FORTES, NEILA DONGO, ARSÉNIA BRONZE E ARTEMÍSIA FILIPE
PRODUÇÃO: JUVENTUDE EM MARCHA
PROMOÇÃO: IRLANDO FERREIRA, ADILSON GOMES E ELENIR SANTOS

LOCAL DE APRESENTAÇÃO TEATRO VILLARET
APRESENTAÇÕES 31 DE AGOSTO E 1 DE SETEMBRO ÀS 21H30
DURAÇÃO 1 H 30
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA M/12
TIPOLOGIA COMÉDIA
PREÇO 15€*

18.08.2012 | by candela | cabo verde, canjana, Juventude em Marcha, lisboa, Teatro Villaret

Banda Poética - Fanzine de Poesia e Banda Desenhada

Amanhã, dia 24 de julho, será lançada na Praia, Cabo Verde a Fanzine Banda Poética.


Apresentação por Abraão Vicente. 
Com a presença da editora (Inês Ramos), dos autores (Anilton Levy, Álvaro Cardoso, António Lopes Teixeira, Sai Rodrigues, Flor Porto e Heguinil Mendes) e do artista plástico Bento Oliveira.
Leitura dos poemas incluídos no fanzine. 
Exposição dos originais das ilustrações e da Banda Desenhada do fanzine.

 

 

EDITORIAL

A ideia deste fanzine colectivo surgiu durante as feiras do livro de Poesia e Banda Desenhada que desenvolvi na Praia, em Cabo Verde. A essas feiras vinham ter comigo jovens artistas (desenhadores e poetas), querendo mostrar os seus trabalhos. Deparei-me com obras de qualidade feitas por gente jovem, disponível, interessada e, acima de tudo, humilde.
Não havendo meios para editar, essas obras foram ficando nas gavetas ou nos estiradores. Muitas outras, muitas mesmo, estarão nas suas cabeças, prontas a sair para o papel. E foi exactamente por isso que me surgiu a ideia de um fanzine colectivo. Essa criatividade que fervilha nas suas cabeças não pode perder-se. Estes jovens com tanto talento não podem cair no desânimo. Há que mostrá-los ao mundo. Há que incentivá-los. Há que reconhecer o seu mérito.
O Álvaro, o Anilton, o António, a Flor, o Hegui e o Sai são a esperança na juventude cabo-verdiana. Será este tipo de jovens o motor da cultura no futuro. 
Mesmo sem meios, muitas vezes sem dinheiro para comprar material, estes jovens persistem e resistem, desenhando com o que têm à mão, mas sempre solidários uns com os outros. Este fanzine é o grande exemplo disso: da solidariedade, da generosidade, da humildade.
Espero, muito sinceramente, que todos eles tenham um futuro próspero nas artes. Que todos eles possam um dia editar as suas obras e o público lhes reconheça o talento.
Deixo, por fim, um grande abraço agradecido a todos os autores, por este projecto tão bonito que ajudaram a nascer.

Inês Ramos  

 

contacto aqui

24.07.2012 | by samirapereira | banda desenhada, cabo verde, poesia

Culturamóvel - Dialogos Culturais através das TIC em Cabo Verde

ulturamóvel é um projecto em curso que tem como principal objectivo a criação audiovisual através das tecnologias disponíveis que teve lugar nas cidades de Mindelo, Praia e São Domingos. 

Formação Audiovisual nas escolas, com professores e alunos, actividades paralelas e um concurso-festival de curtas-metragens marcou a primeira fase deste projecto cujo que resultou em 27 curtas a concurso.

Culturamóvel é um projecto em curso que tem como principal objectivo a criação audiovisual através das tecnologias disponíveis que teve lugar nas cidades de Mindelo, Praia e São Domingos.

Formação Audiovisual nas escolas, com professores e alunos, actividades paralelas e um concurso-festival de curtas-metragens marcou a primeira fase deste projecto cujo que resultou em 27 curtas a concurso.

 

vale a pena ver os trabalhos no site oficial do projecto 

 

23.07.2012 | by samirapereira | cabo verde, cinema, cultura