"Alzira está morta", de Goli Gerreiro, em Lisboa

A antropóloga e escritora brasileira Goli Guerreiro volta a Lisboa, a convite do BUALA com o apoio da Secretaria de Cultura do Governo da Bahia, para lançar seu romance Alzira está morta – ficção histórica no mundo negro do Atlântico, que terá lugar no Hangar, dia 14 de abril a partir das 18 horas. O livro será apresentado pela professora Cristiana Bastos, da Universidade de Lisboa com a presença da escritora que discorrerá sobre os temas do romance através da mostra da sua iconografia. Ambientado no século XX, Alzira está morta é um romance histórico em forma de biografia de uma personagem inventada – a baiana Alzira Rocha (1911-1988).

Capa do Livro 'Alzira está morta'Capa do Livro 'Alzira está morta'O seu quotidiano está pautado nos universos da tecelagem, das escritas e da fotografia africanas e os seus desdobramentos na diáspora negra. A biografia de Alzira passa-se entre o Brasil (em Salvador da Bahia), Nigéria, Inglaterra e Estados Unidos. Trata-se de um romance cosmopolita ancorado nas ideias de deslocamento e trocas culturais entre mundos negros. Apresenta traçados urbanos, factos e personagens em cidades americanas, europeias e africanas. Os seus encontros com personagens reais e fictícias dão conta de importantes acontecimentos do século XX, cobrindo um período de quase 80 anos, revelando uma parte da história cultural de algumas cidades atlânticas. 

“Alzira é uma mulher sedutora e misteriosa. Espero que as pessoas se apaixonem por ela como eu me apaixonei”, diz Goli. É uma personagem tão forte que a coleção de moda que ela criou no romance, inspirada nas escritas africanas, saltou da ficção para a realidade e deu origem à Coleção Alfabeto Infinito, criada pela escritora em parceria com a Katuka Africanidades.   

O livro tem 3 atos, e cada capítulo traz uma breve contextualização histórica do lugar onde se passa. A iconografia é composta por 30 imagens primorosas: ilustrações, fotografias, desenho, pintura. Com este romance a autora fecha a trilogia das diásporas. Os dois primeiros volumes: Terceira diáspora – o Porto da Bahia e Terror e aventura – Tráfico de africanos e quotidiano na Bahia foram lançados pela Editora Corrupio em 2010 e 2012.   Veja no BUALA a pré-publicação do livro. 

14 de abril (quinta-feira), às 18 horas  no Centro de Investigação Artística Hangar, Rua Damasceno Monteiro, 12, no bairro da Graça, Lisboa 

Contactos:  Goli Guerreiro; Email: goliguerreiro@gmail.com; e Marta Lança martalanca@buala.org  Facebook: Alzira está morta 


 

11.03.2016 | por claudiar | diáspora negra, Goli Guerreiro, lançamento livro, romance

Lançamento do romance "A Sul. O Sombreiro" de Pepetela

17.11.2011 | por joanapires | lançamento livro, pepetela, romance

Sessão de apresentação do novo romance de Miguel Real, "A Guerra dos Mascates"

07.11.2011 | por joanapires | livro, romance

Sessão de autógrafos do novo romance de Pepetela "A Sul. O sombreiro"

19.10.2011 | por joanapires | pepetela, romance

Lançamento e apresentação do livro 'Marquesa de Alorna', de Maria João Lopo de Carvalho

O primeiro romance histórico da autora revela uma mulher rebelde, culta, apaixonada e sonhadora que deslumbrou Portugal e a Europa nos séculos XVIII e XIX. Uma figura inspiradora para as mulheres do Portugal de hoje. O livro chega a 10 de Outubro e assinala o regresso à escrita para adultos de Maria João Lopo de Carvalho. A apresentação pública será no dia 6 de outubro, no Convento de São Félix, em Chelas, e terá Marcelo Rebelo de Sousa como apresentador.

A escritora Maria João Lopo de Carvalho vai publicar, com a Oficina do Livro, o romance histórico Marquesa de Alorna, um trabalho de fôlego - quase 700 páginas - dedicado à mulher que inspirou a autora durante quase toda a sua vida. No início do Séc. XX, a família Lopo de Carvalho adquiriu a Quinta da Alorna, em Almeirim, onde viveu Leonor de Almeida, a Marquesa de Alorna. Maria João Lopo de Carvalho cresceu a ouvir relatos da extraordinária vida desta mulher, viveu nos mesmos lugares por onde passou aquela que foi uma referência histórica nas artes e na cultura portuguesas, e encontrou neles a grande inspiração para escrever o seu primeiro romance histórico, um livro que assinala o regresso de Maria João Lopo de Carvalho à escrita para adultos.

Uma mulher à frente do seu tempo

Marquesa de Alorna é uma história de amor à Liberdade e de amor a Portugal. A história de uma mulher apaixonada, rebelde, determinada e sonhadora que nunca desistiu de tentar ganhar asas em céus improváveis, como a estrela que, em pequena, via cruzar a noite. Leonor de Almeida, Alcipe, condessa d’Oeynhausen, marquesa de Alorna – nomes de uma mulher única e plural, inconfundível entre as elites europeias. Com a sua personalidade forte e enorme devoção à cultura, desconcertou e deslumbrou o Portugal do séc. XVIII e XIX, onde ser mãe de oito filhos, católica, poetisa, política, instruída, viajada, inteligente e sedutora era uma absoluta raridade. Viu Lisboa e a infância desmoronarem-se no terramoto de 1755, passou dezoito anos atrás das grades de um convento por ordem do marquês de Pombal e repartiu a vida, a curiosidade e os afectos por Lisboa, Porto, Paris, Viena, Avinhão, Marselha, Madrid e Londres. Viveu uma vida intensa e dramática, sem nunca se deixar vencer. Privou com reis e imperadores, filósofos e poetas, influenciou políticas, conheceu paixões ardentes, experimentou a opulência e a pobreza, a veneração e o exílio.

Sobre a autora

Maria João Lopo de Carvalho é licenciada em Letras pela Universidade Nova de Lisboa. Foi professora de português e de inglês em todos os graus de ensino básico e secundário. Passou pelas áreas de educação e cultura na Câmara Municipal de Lisboa e foi copywriter numa agência de publicidade. Começou a publicar na Oficina do Livro em 2000, com o best seller  «Virada do Avesso». Hoje tem 40 títulos editados, vários best sellers, entre romances, livros infantis, livros de crónicas e manuais escolares, e é também autora do novo método de português como língua estrangeira publicado pelo Instituto Camões. Tem tido grande destaque na escrita infanto-juvenil com a colecção «7 irmãos» e é autora recomendada pelo Plano Nacional de Leitura. É cronista regular na imprensa escrita e na televisão. «Marquesa de Alorna» é o seu primeiro romance histórico. Retomou a escrita para adultos após 6 anos a escrever para crianças e jovens.

01.10.2011 | por joanapires | Marquesa de Alorna, romance

"Barroco Tropical", de José Eduardo Agualusa, nomeado para o Prémio Courrier International

O romance Barroco Tropical, de José Eduardo Agualusa, acaba de ser nomeado para o Prémio Courrier International do melhor livro estrangeiro. O Prémio, criado em 2008, distingue um romance estrangeiro editado em França nos últimos 12 meses que testemunhe “a condição humana numa qualquer região do Mundo”. O vencedor será anunciado no próximo dia 20 de Outubro. Barroco Tropical, editado pela Dom Quixote em Junho de 2009, foi publicado, no ano seguinte, em França, pela Métailié, com tradução de Geneviève Leibrich.
Em Barroco Tropical a história desenrola-se a partir do momento em que uma mulher cai do céu durante uma tempestade tropical. As únicas testemunhas do acontecimento são Bartolomeu Falcato, escritor e cineasta, e a sua amante, Kianda, cantora com uma carreira internacional de grande sucesso. Bartolomeu esforça-se por desvendar o mistério enquanto ao seu redor tudo parece ruir. Depressa compreende que ele será a próxima vítima. Um traficante de armas em busca do poder local, um curandeiro ambicioso, um antigo terrorista das Brigadas Vermelhas, um ex-sapador cego, que esconde a ausência de rosto atrás de uma máscara do Rato Mickey, um jovem pintor autista, um anjo negro e dezenas de outros personagens cruzam-se com Bartolomeu, entre um crepúsculo e o seguinte, nas ruas de uma cidade em convulsão: Luanda, 2020.


Recorde-se, por outro lado, que o mais recente livro do autor, A Educação Sentimental dos Pássaros, acaba de chegar às livrarias, estando a sua apresentação marcada para dia 30 de Setembro, às 18h30, na livraria Leya na Barata.
Para mais informações, por favor, contactar: rbreda@dquixote.leya.com

22.09.2011 | por joanapires | José Eduardo Agualusa, Prémio Courrier International, romance