Contemporânea lança “Comunidade enquanto Imunidade” para apoiar a produção artística

A Contemporânea abre no dia 24 de março o programa de Comunidade enquanto Imunidade, um projeto que envolve 20 autoras e autores na criação e edição de conteúdos inéditos que vão refletir sobre a produção artística em contexto de crise.

Comunidade enquanto Imunidade é um projeto transdisciplinar dedicado à reflexão e produção artística sobre as várias dimensões críticas do presente na sua, inevitável, relação com a pandemia COVID-19. Foi criado pela Contemporânea, a publicação portuguesa especializada em arte contemporânea, e entre março e dezembro promove um programa com atividades públicas e gratuitas, que conta com contributos de 20 artistas, curadores, académicos, jornalistas, músicos e outras autoras e autores:

Alejandro Alonso Díaz, Ana Margarida Abrantes, Andreia Santana, António Poppe, Carolina Ellis, Cátia Sá, Diana Policarpo, Djaimilia Pereira de Almeida, Gisela Casimiro, Hugo Canoilas, Jack Mugler, Miguel Mesquita, Odete, Pedro Barateiro, Peter Hanenberg, Rita Natálio, Rodrigo Ribeiro Saturnino, Sofia Lemos, Tita Maravilha e Vítor Belanciano.

 

Ana Cristina Cachola, curadora e diretora artística de Comunidade enquanto Imunidade, destaca que o projeto surge “neste momento crítico”, “de crise e de necessidade (da) crítica”, com o principal objetivo de “construir comunidade enquanto forma de imunidade social e cultural perante os diversos desafios, as incertezas e as diferentes precariedades que são instaladas pela(s) crise(s)”.

O programa integra um ciclo de workshops temáticos, a edição de um número especial da Contemporânea – associado a um programa online com publicações, conversas e performances –, e de um jornal de distribuição gratuita. Todas as atividades serão de acesso livre e gratuito e vão acontecer maioritariamente online.

No dia 24 de março, às 10h, realiza-se o primeiro dos cinco workshops do ciclo, que será dedicado à mediação e reflexão sobre o tema “Proximidade à distância: Modelos (pré)existentes”. Os workshops pretendem promover o diálogo e a cooperação entre as autoras e autores convidados, apoiar o processo de criação autoral e abrir ao público a discussão sobre os vários temas que o projeto propõe explorar. Serão transmitidos no canal do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia no YouTube e abertos à participação de todas as pessoas que desejem acompanhar o desenvolvimento desta comunidade.

O projeto Comunidade enquanto Imunidade é desenvolvido com o apoio da Direção-Geral das Artes / Ministério da Cultura e em parceria com uma rede de organizações culturais portuguesas e estrangeiras.

PROGRAMA:

MAR – ABR | Workshops

Quartas-feiras das 10h – 11h

Sessões em Português

Acesso livre através do canal do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia no YouTube. 

24 MAR WKS 1 Proximidade à distância: Modelos (pré)existentes 

31 MAR WKS 2 Participação em e para além da Presença 

07 ABR WKS 3 Comunidade e Imunidade – a partir de Paul B. Preciado 

14 ABR WKS 4 Curadoria e Cura: Virulência e contágio no pensamento contemporâneo 

21 ABR WKS 5 O Poder e a Ação da Programação Cultural: Manifestos e manifestações 

28.ABR – 11.JUL | Edição e programa online 

24.SET | Lançamento do Jornal 


FICHA TÉCNICA:

Coordenação Editorial: Celina Brás 

Direção Artística: Ana Cristina Cachola 

Curadoria de Comunicação: Sílvia Escórcio

Design Gráfico: Vera Velez 

Programação Web: Tiago Balas

 

PARCERIAS:

Alkantara

CECC - Centro de Estudos de Comunicação e Cultura | Universidade Católica Portuguesa

DuplaCena

Fluent  

Galeria Zé dos Bois

Guimarães

Hangar – Centro de Investigação Artística

MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia

Solar - Galeria de Arte Cinemática

O Armário

 

APOIO:

Direção-Geral das Artes / Ministério da Cultura

 

Sobre a Contemporânea: 

A plataforma editorial Contemporânea foi fundada por Celina Brás em abril de 2015. É dedicada à divulgação da arte contemporânea e um espaço aberto ao pensamento, à reflexão crítica e ao entendimento da criação contemporânea e da inscrição das suas práticas num contexto global. Promove e divulga a arte contemporânea que é produzida em Portugal, não descurando outras perspetivas no âmbito das várias práticas artísticas contemporâneas que privilegiem o debate e a reflexão crítica. Publica formatos como crítica, ensaio, entrevista e reflexões várias sobre arte, integra projetos de artistas e acompanha a agenda nacional de exposições. 

A versão impressa da Contemporânea surge em 2018, numa vertente temática, com o objetivo de criar edições de cariz curatorial. Para tal, são endereçados convites a curadores e curadoras, com o objetivo de criar conteúdos diferenciados, privilegiando formatos e visões singulares, em função da especificidade de cada tema.

18.03.2021 | par Alícia Gaspar | académicos, Alejandro Alonso Díaz, Ana Margarida Abrantes, Andreia Santana, António Poppe, arte, artistas, autoras, Carolina Ellis, Cátia Sá, comunidade, contemporânea, curadores, Diana Policarpo, Djaimilia Pereira de Almeida, Gisela Casimiro, Hugo Canoilas, Jack Mugler, jornalistas, maat, Miguel Mesquita, músicos, Odete, Pedro Barateiro, Peter Hanenberg, projeto, Ritá Natálio, Rodrigo Ribeiro Saturnino, Sofia Lemos, Tita Maravilha, Vítor Belanciano, workshops

Call aberta i-PORTUNUS: esquema de mobilidade para artistas e profissionais da cultura

Prazo de submissão de candidatura: 15 de Maio 2019.  Já se encontra aberta a call a mobilidade de artistas e profissionais lançada no âmbito do projecto i-Portunus, um projecto-piloto que apoia a mobilidade de  artistas e profissionais, entre 15 e 85 dias, em países elegíveis ao Programa Europa Criativa, incluindo os países não pertencentes à UE.
A primeira edição da iniciativa conta com 500 vagas disponíveis. O prazo de submissão de candidaturas termina a 15 de Maio e devem ser feitas através do site oficial do projecto : MailScanner has detected a possible fraud attempt from “www.europacriativa.eu” claiming to be https://www.i-portunus.eu/.
A primeira fase do programa-piloto destina-se a duas categorias de expressões culturais e artísticas: artes do espectáculo (teatro, dança ou circo) e artes visuais (fotografia, vídeo, escultura ou pintura).


Enquadramento:
Em maio de 2018, a Comissão Europeia publicou a sua comunicação sobre “Uma Nova Agenda Europeia para a Cultura”. A Nova Agenda propõe uma acção mais directa em relação à mobilidade de artistas e profissionais da cultura, e mais especificamente para “estimular a mobilidade dos profissionais nos sectores cultural e criativo e remover os obstáculos à sua mobilidade”.
O projecto I-Portunus enquadra-se, pois, no conjunto de iniciativas lançadas pela Comissão Europeia com o objectivo de identificar novos modelos operacionais a implementar no futuro Programa Europa Criativa 2021-2017. 
A Call a projectos de mobilidade de artistas e profissionais foi ganha pelo consórcio  entre o Goethe-Institut, o Institut français, a Nida Art Colony da Academia de Artes de Vilnius e a Izolyatsia, o qual testará diferentes durações da mobilidade para diferentes fins profissionais, ao longo de seis meses.
Para mais informações: Eva.Blaute.extern@goethe.de

24.04.2019 | par martalanca | artistas, mobilidade

Circulador em São Paulo

O Circulador é um plataforma de pesquisa baseada na cidade de São Paulo, Brasil, que tem como objetivo identificar e fortalecer as redes de diálogos e cooperação artística e cultural entre os países de língua portuguesa.
Defendendo uma maior integração deste espaço complexo, diverso e descontínuo, o projeto busca desafiar a exclusividade da cooperação cultural do eixo Norte-Sul, articulando conversas entre os principais centros urbanos da CPLP e promovendo encontros mais constantes entre a comunidade artística dos países da comunidade.
O primeiro projeto de publicação da plataforma será produzido em 2019, com fundos do Programa de Ação Cultural (ProAC) da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo, e terá como foco a comunidade artística da CPLP atuante na cidade de São Paulo, maior metrópole de língua portuguesa do mundo.


As edições do Circulador operam como suporte para experimentação em pesquisa e para a identificação e exposição da produção jovem destes países em distintos setores da cultura, pautando a reflexão sobre políticas culturais internacionais e a integração deste espaço de língua partilhada.
O projeto está atualmente fazendo um levantamento de profissionais da cultura, de todas as linguagens artísticas, que tenham nacionalidade de algum país ou território de língua portuguesa e que estejam atualmente baseados na cidade ou Estado de São Paulo, ou que pratiquem intensamente o trânsito entre a cidade e outra cidade lusófona. Quem quiser participar da pesquisa ou tenha indicações de perfis pode escrever para a direção do projeto no contato: ocirculador@gmail.com
A publicação será impressa e disponibilizada integralmente em formato digital, sendo também enviada aos principais acervos e bibliotecas de instituições em todos os países da CPLP. Site

18.02.2019 | par martalanca | artistas, CPLP, trabalho em rede

Batida apresenta “Dance Mwangolé”

Em vésperas de ver o seu primeiro disco reeditado internacionalmente, Batida apresenta-se no Kaloobang, Festival na Ilha Reunião, já neste Sábado 8 de Outubro.

Na edição deste ano estão alguns dos artistas mais populares em África, como Alpha Blondy ou Magic System, mas também projectos como Nortec Collective ou Céu, a revelação brasileira, e uma gigante festa Crioula. Batida encerra o palco principal no sábado e Dj  Mapula prolonga a noite na tenda dis Dj´s.

Localizado em Saint-Denis, o Kaloobang Festival nasceu pelo desejo de incentivar a mistura de artistas e de promover o intercâmbio cultural com o resto do mundo. Essa é a natureza da Ilha Reunião, cuja história é feita de mestiçagens:  sítio de passagem de Árabes, visitada por marinheiros Swahilis, até à descoberta pelo Português D.Pedro Mascarenhas em 1507, foi mais tarde colonizada pelos Franceses e assumida como seu território até hoje. Situa-se a este de Madagáscar, a sua população de cerca de 700.000 pessoas, espalhada à volta de um imponente vulcão, é composta por gerações de imigrantes Africanos, Indianos, Chineses e Europeus, que utilizam o Francês e o Crioulo da Reunião como línguas.
Esta é mais uma viagem na internacionalização de Batida que, já passou pelo referencial Festival Transmusicalles em França e o Sfinks na Bélgica e por países como o Brasil, Suiça e Holanda.

www.kaloobang.re

www.facebook.com/batida

06.10.2011 | par joanapires | artistas, artistas africanos, batida, intercâmbio cultural

Etats généraux des musiques du monde

O que os artistas no mundo dizem sobre música?

What artists in the world say about music ?

Etats généraux des musiques du monde : “Paroles d’artistes”

Les Etats généraux des musiques du monde se tiennent les 11 et 12 septembre 2009 à Sciences-Po Paris. A cette occasion, Mondomix a rassemblé des paroles d’artistes du monde entier qui chacun à leur manière, par leurs énergies créatrices, contribuent à construire l’édifice de la mémoire, de la paix et du rassemblement.

 

LES ARTISTES :  A Filetta (Corse (france))  Abd Al Malik (France)  Danyel Waro (Réunion)  David Krakauer (Etats-unis)  Ken Boothe (Jamaïque)  Lee Scratch Perry (Jamaïque) Lhasa (Canada, Mexique)  Manu Dibango(Cameroun, France  Rajery (Madagascar) 

 

Find here. 

 

 

05.03.2011 | par ritadamasio | artistas, músicas do mundo, world music