23 de Junho | Reunion Big Jazz Band no Vinyl

Concerto
Data | 23 de Junho de 2012
Local | Vinyl
Hora | 22H
Preço | 6€ 


Ouija foi o tema escolhido para a primeira apresentação, no Onda Jazz, do primeiro álbum com o mesmo nome, de um dos mais acarinhados projectos do universo jazzístico para orquestra português: Reunion Big Jazz Band.
Johannes Krieger, alemão a viver em Portugal, unanimemente considerado como um justo promotor da música de fusão dos universos europeu, africano e norte-americano é, desde Agosto de 2011, o director musical que, juntamente com Dan Hewson, também compositor e pianista da banda, assume esta nova fase deste projecto que se destaca, justamente pela enorme preocupação com a qualidade artística e a produção musical.
Formada em Fevereiro de 2003 por três amigos amantes do Jazz - Fernando Soares (saxofone tenor), Manuel Lourenço (saxofone tenor e flauta) e Francisco Costa Reis (guitarra eléctrica) - a Reunion Big Jazz Band convida-o a conhecer mais
duas peças: Submerged, de Dan Hewson com solos de Dan Hewson (piano)
João Capinha (sax soprano) e Strange Fruit, de Lewis Allan e Billie Holliday com arranjos de Johannes Krieger e solo Luís Cunha(trombone).
Ouija, o álbum estreia desta orquestra para jazz com nove anos de existência, estará disponível para comercialização em Setembro deste ano. Até lá, a agenda preenche-se de concertos de apresentação, estando o próximo agendado para o dia 23 de Junho, às 22H, no Vinyl (Lisboa).

Ouvir temas de pré-lançamento: https://www.dropbox.com/sh/buj2pxd88e4s6ww/AhNjcaIj7G.
Facebook : https://www.facebook.com/reunionbigjazzband

31.05.2012 | por joanapereira | lançamento disco, música, OUIJA, vinyl

Mamadou & Sulabanku

Mamadou Bhour Guewel Sene nasceu em Dakar em 1972 e vive na cidade do Mindelo desde 2000. Da herança ancestral griot com influências mundanas vividas na cosmopolita cidade do Mindelo nasceu o projecto Sulabanku, em 2002, juntamente com o performer/coreografo Tony Tavares, o escritor Joaquim Arena e o percussionista Osseynou. Juntos iniciaram o projecto ora conhecido por Mamadou Y Sulabanku.

Mazurka, Afropop e as ancestrais influências griot senegalesa fazem deste projecto único. Mamadou (en)cantadas em Wolof e Kriolu, mescla ritmos di terra com o soul e groove senegalês, e conta histórias: de amor, de saudade, de tristreza, de revolta e de esperança.
Amy N’Gom, avó griot de Mamadou, dizia: “uma canção que não conta uma história, que não transmite conhecimento, não é uma cançao: é apenas uma brincadeira de crianças.”



15.03.2011 | por ritadamasio | cabo verde, fusão, lançamento disco, música, senegal