Tecer o tempo através das imagens: entrevista com Héla Ammar

Tecer o tempo através das imagens: entrevista com Héla Ammar A história da África nos ensina que a noção de Estado é muito recente e que as fronteira atuais foram traçadas pelas potências coloniais, muitas vezes em detrimento das etnias e das populações migrantes. Frequentemente renegadas, marginalizadas ou simplesmente esquecidas, estas identidades não cessam hoje de serem reafirmadas, às vezes até mesmo à custa de sangue. Um trabalho de memória que se apoie sobre estas identidades anteriores me parece necessário. É apenas sob esta condição que poderemos nos reconciliar com nosso passado e projetar um futuro pacífico em comum.

Cara a cara

02.11.2015 | por Icaro Ferraz Vidal Junior

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo"

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo" Salafistas ofendidos destruíram obras nas ruas de Tunes e um imã apelou à morte dos "descrentes". Houve tumultos e centenas de feridos. A arte serve para "ser bonita", diz o ministro da Cultura.

Vou lá visitar

22.07.2012 | por Sofia Lorena e Cláudia Sobral

Um êxodo fictício a saborear no rescaldo das revoluções árabes

Um êxodo fictício a saborear no rescaldo das revoluções árabes Parece-me que estamos cada vez mais longe da compreensão do alcance revolucionário das reivindicações que o povo tunisino, egípcio, sírio e outros nos têm demonstrado a cada dia que passa. Afinal a revolução também é isso… uma transgressão à norma, o pisar de uma fronteira. Tal e qual como um taxista em Tunes me explicou quando não parou num sinal vermelho.

A ler

10.03.2012 | por Inês Espírito Santo

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força”

“Era um movimento realmente espontâneo e essa foi a sua força” Antes, pai e filha não se entendiam. “Não comunicávamos. Ela comunica pelo computador e eu não percebia. Não conseguia compreender que viesse a casa e passasse 20 horas em frente ao computador e quatro a dormir. A ditadura também abriu um fosso entre gerações. Agora reencontrámo-nos.”Para Sadok, “recusar ser corrompido já era uma forma de resistência”. A filha decidiu fazer mais e resistir através da Internet. Agora, o pai agradece-lhe.

Vou lá visitar

26.01.2011 | por Sofia Lorena

A queda do muro da Tunísia

A queda do muro da Tunísia Em termos de simbologia política, a revolução tunisina é equivalente, para o mundo árabe, ao que foi para o ocidente a queda do muro de Berlim em 1989. Pela primeira vez em décadas, a Tunísia está livre da ditadura de um homem só. Os extraordinários eventos de Dezembro de 2010 e Janeiro de 2011 são uma revolução política: a consistente pressão da fúria popular obrigou o presidente Zine El Abidine Ben Ali, primeiro, a uma promessa sem precedentes, de deixar o poder; depois, derrubou-o do poder; e finalmente conseguiu impedir uma tentativa de transferência inconstitucional de poder, marcando-se eleições ainda sem data, mas que se devem realizar em médio prazo.

Vou lá visitar

23.01.2011 | por Nadia Marzouki