Do fogo que nos une: notas sobre antropofagia e micropolítica

Do fogo que nos une: notas sobre antropofagia e micropolítica A fronteira ela mesma entre eu e outro fica burlada na burla que é a antropofagia como jogo e possibilidade de afecção. A antropofagia é da ordem da aliança e do devir através da guerra. A guerra que empodera o inimigo ao predá-lo, porque mais que empoderar o eu, afirma simultaneamente o outro. A guerra antropofágica torna o estranho algo nomeável, produz corpos e pessoas, gente como a gente, permuta de perspectivas, afinidades.

A ler

08.11.2017 | por Leonardo Bertolossi

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo"

Artistas acusam Governo islamista de jogar "o jogo de Ben Ali, o jogo do medo" Salafistas ofendidos destruíram obras nas ruas de Tunes e um imã apelou à morte dos "descrentes". Houve tumultos e centenas de feridos. A arte serve para "ser bonita", diz o ministro da Cultura.

Vou lá visitar

22.07.2012 | por Sofia Lorena e Cláudia Sobral

“Catembe” ou queixa da alma jovem censurada

“Catembe” ou queixa da alma jovem censurada Filmado em 1965, “Catembe”, é um documentário de ficção realizado por Manuel Faria de Almeida sobre o quotidiano de Lourenço Marques. O transgressor da obra foi ter sido a primeira interpretação crítica da realidade colonial portuguesa. Após a censura da obra original – com 103 cortes e destruição da parte censurada - a segunda versão foi proibida. Dos seus 2400 metros originais restou metade pelo que figurou no Guinness Book of Records como o filme alvo de mais cortes por parte da censura na história do cinema.

Afroscreen

16.05.2010 | por Maria do Carmo Piçarra