Dançar o Sul em mãos de sal ao sol

 Dançar o Sul em mãos de sal ao sol O coreógrafo Rui Lopes Graça e o músico João Lucas rumaram ao deserto do Namibe, onde revisitaram Ruy Duarte de Carvalho e se fizeram etnógrafos. Paisagens Propícias tem estreia absoluta hoje em Lisboa, no Teatro Camões. este universo, que Ruy Duarte de Carvalho tratou na ficção epistolar Vou lá visitar pastores (1999), partiu Paisagens Propícias (título emprestado do livro homónimo do autor), a primeira criação do coreógrafo português Rui Lopes Graça para a Companhia de Dança Contemporânea de Angola (CDCA). Para a directora, a coreógrafa e investigadora angolana Ana Clara Guerra Marques, estava na hora de um novo impulso para CDCA, até porque "a componente etnográfica da CDCA se tem dirigido sobretudo à cultura cokwe" (do Leste de Angola).

Ruy Duarte de Carvalho

18.01.2013 | por Luísa Roubaud

Paisagens Propícias

Paisagens Propícias A Companhia Dança Contemporânea Angola abraçou este grande desafio, para adequar gestos que passo a passo se revelavam, à condição das imagens adoptadas da escrita de Ruy Duarte de Carvalho, dos seus filmes, dos seus desenhos, da sua fotografia, dos seus diários de campo e do seu olhar - que tão generosamente nos chegou através das palavras de quem com ele cruzou a vida. há gestos que repetem outros gestos e corpos velhos a temperar a juventude e outros.(...) Ruy Duarte Carvalho

Ruy Duarte de Carvalho

19.11.2012 | por João Lucas, Rui Lopes Graça e Ana Clara Guerra Marques

O Homem que chorava sumo de tomates

O Homem que chorava sumo de tomates A Companhia de Dança Contemporânea, mais uma vez, escolhe, porque vai radicalizando na forma e no conteúdo consoante nós vamos atingindo níveis cada vez mais altos de degradação moral e física, os pequenos pormenores, os ínfimos detalhes que passarão despercebidos aos homens a quem sobrou apenas o sumo dos tomates para chorarem, mas que a nós, simples mortais e sempre culpados de qualquer coisa há mais de 30 anos, nos agridem, nos apequenam, nos destroem. As grandes e pequenas manifestações de arrogância.

Palcos

13.06.2011 | por Carlos Ferreira (Cassé)