Seminário: "Memória da guerra colonial em Angola"

3 Abril, 18:00 - 20:00

“Memória da guerra colonial em Angola”
Maria José Lobo Antunes (ICS-UL)

3 de abril de 2017, 18h-20h
Multiusos 2, Ed. ID, FCSH/NOVA


Resumo
Esta sessão centrar-se-á na apresentação de uma pesquisa de doutoramento, concluída em 2015, que teve como objetivo construir uma etnografia da memória da guerra colonial em Angola. Partindo da comissão de serviço de uma companhia de artilharia em Angola (1971-1973), a investigação articulou diferentes lugares e momentos do tempo. As memórias pessoais dos antigos militares desta unidade foram confrontadas com outras narrativas sobre o mesmo fragmento da guerra colonial (o relato institucional militar, a narrativa literária de António Lobo Antunes, antigo alferes médico da unidade) e com as retóricas públicas que, durante o Estado Novo e no Portugal contemporâneo, forneceram as ideias e as palavras com as quais o país e o mundo eram pensados. A apresentação do caminho percorrido pela investigação permitirá abordar questões teóricas e metodológicas que rodeiam o estudo da memória e, em particular, das ambiguidades e contradições geradas pela revisitação narrativa da guerra e do passado colonial português.


Nota biográfica
Doutorada em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2015), é autora do livro Regressos quase perfeitos. Memórias da guerra em Angola. Atualmente é investigadora de pós-doutoramento no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, com o projeto “Imagem, guerra e memória: fotografia da guerra colonial nas coleções pessoais e nos arquivos institucionais”.


03.04.2017 | par marianapinho | angola, Estado Novo, guerra colonial, memória, Portugal

CICLO DE CINEMA - CINEMA E IMPÉRIO: CENSURA A FILMES DE AUTOR DURANTE O ESTADO NOVO - 12/13 DEZEMBRO - 17,30h - ENTRADA LIVRE

10.12.2013 | par raul f. curvelo | cinema, colonialismo português, Estado Novo, FILIPA LOWNDES VICENTE, instituto de ciências sociais, maria do carmo piçarra

“Noite portuguesa”. A propaganda no cinema do Estado Novo

A propaganda no cinema do Estado Novo, será abordada na FCSH da Universidade Nova de Lisboa.
De 19 de Fevereiro a 30 de Abril, em horário pós-laboral (Terças-feiras, das 18h às 21h) tem lugar o curso livre “Noite Portuguesa”. As inscrições decorrerão a partir de Janeiro, no Núcleo de Formação ao Longo da Vida.


2.º semestre
Organização: Departamento de Ciências da Comunicação
Responsável: Francisco Rui Cádima
Docente: Maria do Carmo Piçarra

Calendário e horário das sessões:
Início a: 19 de Fevereiro | Fim a: 30 de Abril | Terças-feiras | das 18h30m às 21h30m

Temas das sessões:
1. Propaganda cinematográfica. Génese e casos paradigmáticos (inglês, soviético, italiano e alemão).

2. Início da propaganda cinematográfica em Portugal: A Grande Guerra filmada. Filmes coloniais (missões cinematográficas de 1928 e 1938) para as Exposições internacionais e para a Exposição do Mundo Português.

3. A criação do Cinema Popular Ambulante e a propaganda anticomunista. Documentários e actualidades de propaganda.

4. Filmes de propaganda: A Revolução de Maio (1938) e Feitiço do Império (1940).

5. O Jornal Português de actualidades filmadas de propaganda. Intercâmbio com o congénere espanhol, NO-DO.

6: Comédias à portuguesa e filmes nacionalistas.

7. Crise colonial e cinema de propaganda. A propaganda colonial em Imagens de Portugal. Filmes de guerra.

8. “Azuis ultramarinos”: os documentários coloniais de propaganda (actualidades, filmes de promoção turística e económica). O caso Diamang.

9. A auto-censura da propaganda. Critérios da censura. O filme com mais cortes da história do cinema: Catembe (1965).

10: Uma margem ao centro: o triunfo do Novo Cinema. Fantasia Lusitana, a propaganda do Estado Novo vista hoje.

Preçário:
Público em geral: 120€ | Associado INATEL: 96€ | Estudantes NOVA (licenciaturas, mestrados e doutoramentos) e Alumni: 100€ | Estudantes de outras instituições de ensino superior: 120€.

Número de créditos: 3 ECTS
Regime de Avaliação: Avaliação contínua e trabalho final individual

Local de inscrição:
Divisão Académica | Núcleo de Formação ao Longo da Vida
Piso 1, Torre B
Datas de inscrição: 03 de Dezembro de  2012 a 13 de Fevereiro de 2013.

Quem estiver interessado e quiser mais informações pode escrever, por favor, para:

Contactos para informações:
Núcleo de Formação ao Longo da Vida
Telefone/Extensão: 217908383
E-mail:
salazarvaiaocinema@gmail.com
nflv@fcsh.unl.pt

29.12.2012 | par herminiobovino | ciclo cinema, cinema português, Estado Novo

Salazar vai ao Cinema

Projecção das edições nº1 (1938) e nº17 (1940) da série de actualidades cinematográficas de propaganda do Estado Novo Jornal Português  e uma apresentação do livroSalazar vai ao cinema II de Maria do Carmo Piçarra.

Após a projecção dos filmes segue-se uma tertúlia. com a autora, o historiador e investigador de cinema Tiago Baptista e o jornalista Luís Salvado, que moderará a conversa com todos os que quiserem participar.

O livro tem um capítulo sobre o “Feitiço do império”, que antecipa (muito sumariamente) parte da informação sobre cinema de propaganda e “império”.
apoio institucional da Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema.
8 de Julho, a partir das 22h, na Fábrica do Braço de Prata

do Prólogo…

As actualidades cinematográficas nasceram com o cinema mas só na

primeira década do século XX surgiu, em França, o primeiro semanário de

actualidades filmadas. Curtas-metragens de informação, mostravam, no

grande ecrã, acontecimentos recentes e privilegiaram – dada a natureza

espectacular do cinema – os fait-divers, as curiosidades, mas também as

cerimónias, políticas ou militares, que, pela sua grandeza e importância,

despertassem a curiosidade dos espectadores. As actualidades eram filmadas

separadamente e depois eram agrupadas sob um genérico comum que lhes

conferia uma aparente unidade. Integravam o programa de cinema, sendo

mostradas ao público antes da projecção de longas metragens. (…)

08.07.2011 | par martalanca | cinema, Estado Novo, império, Salazar