Convite | Inauguração LELU KIZUA: Lino Damião + Nelo Teixeira

Abertura : Quarta-feira, 9 de Junho  |  17:00 - 20:00
Duração : 09.06 – 11.07.2021


A exposição Lelu Kizua decorrerá em Lisboa, no Espaço Espelho D’Água, com inauguração oficial dia 9 de junho e encerramento dia 11 de julho de 2021.
Lelu Kizua com co-curadoria de João Silvério Inês Valle, é a segunda exposição conjunta dos artistas angolanos Lino Damião e Nelo Teixeira em Portugal e tem como mote um diálogo de criações artísticas entre os dois autores que se encontravam ambos em Portugal no início da pandemia em 2020.

Num momento em que a história do Planeta colocou em questão tantos aspetos que considerávamos como garantidos, os artistas encontram nesta encruzilhada, a inspiração para refletir sobre essas mudanças, sobre os desafios e a coragem para encontrar formas de enfrentar as alterações e ultrapassar os obstáculos.

O título da exposição Lelu Kizua pode ser interpretado, numa tradução livre da língua Kimbundu, como uma referência à actualidade, aos dias de hoje, mas sem esquecer as histórias e as estórias recentes que ambos os artistas viveram. Esta relação com o presente não é estribada numa nostalgia do passado, mas numa certa melancolia que se presente por entre as diversas formas, figuras e personagens que as composições pictóricas e tridimensionais convocam. Como uma espécie de folha de diário que guarda as memórias de cada um. No limite, de cada um de nós.

Esta exposição faz parte de uma programação mais alargada, denominada VENTO SUL, que é uma programação cultural desenvolvida pela associação the CERA PROJECT com o Espaço Espelho D’Água e tem o apoio da DGArtes.

08.06.2021 | par Alícia Gaspar | convite, exposição, inauguração, lelu kizua, Lino Damião, Nelo Teixeira

Lino Damião, as paixões da alma

O artista plástico angolano Lino Damião realiza, a partir do dia 23 deste mês, na cidade de Aveiro, em Portugal, uma exposição individual denominada Batidas Coloridas.

Tem um percurso que se mistura com tintas, telas, pincéis, exposições e concertos de jazz. E neste andar pela vida foi-se cruzando com alguns nomes sonantes do universo da Arte na baixa luandense.
Começou no Xicala- uma visão menos turística que a mítica Ilha de Luanda. Quando se preparava para saltar dos calções para as blues-jeans vivia já sintonizado com a Fotografia que o pai Paulino Damião exercia com mestria no Jornal de Angola.
Logo após a Independência de Angola avança para o curso de Desenho, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura, na Escola Experimental “Barracão”, para as bandas do Casuno, Cidade Alta.
Estava dado o primeiro passo. Decide, nessa altura, ser pintor.
A formação continuou pelo ensino médio, pela vida.
Nesta procura permanente de novos horizontes descobriu que os becos têm saídas e outras cores e amplitudes estão – muitas vezes- ao alcance da ambição.
Sempre à volta dos “mais velhos” torna-se frequentador assíduo e amigo dos mestres Viteix e António Ole- referências incontornáveis da Arte em Angola.
Passa muitas longas horas na Galeria Humbihumbi, a catedral das exposições em Luanda nos anos 80, liderada pelo saudoso Tirso Amaral.
Não tenho qualquer receio em afirmar que Lino Damião é actualmente um dos mais empenhados e criativos estilistas da sua geração. Atento aos múltiplos quotidianos vai ao encontro de uma realidade circunstancial, das experiências do dia-a-dia, que testemunha nas suas derivas expressivas com uma subjectividade carregada de afectos em que a intensidade das cores aponta caminhos luminosos e o interior de um sonho.
Nas suas telas as tintas que se ocultam e desocultam umas às outras estão traços e gestos carregados de grande força lúdica, de carácter, muitas vezes dissonantes como o Jazz que ama.
Autor de um processo pictórico forte e carregado das cores vivas de Angola começa a ver engordar o seu currículo existencial e artístico, dentro e fora-de-portas, como no caso vertente.
Este fazer agilizado e cheio de referências telúricas fazem-me desejar viajar pelos seus quadros cheios das paixões do autor.

 

Jerónimo Belo, crítico de Jazz, no País

22.10.2010 | par martalanca | Lino Damião